Page

Author admin

88i é aprovada no desafio R3 Corda para Insurtechs

A 88i.com.br, plataforma de serviços digitais para distribuição de seguros, que oferece uma nova experiência na contratação de proteção, seguros e assistências, passou para a próxima fase do desafio R3 Corda para Insurtechs, uma rede global de parceiros que visa desenvolver aplicativos inovadores para finanças e comércio.

A R3 é uma empresa de software blockchain com um amplo ecossistema de mais de 300 membros e parceiros em vários setores, tanto públicos como privados, responsável pela Corda, plataforma blockchain de código aberto, e pela Corda Enterprise, uma versão comercial para empresas.

A 88i foi convidada a participar de um webinar com a equipe técnica da R3, que faz a instrução de como trabalhar em seus projetos. “Eles nos colocam em contato com dois mentores para importantes discussões técnicas e trocas de experiências, visando alavancar o poder do blockchain para lidar com os desafios específicos dos negócios”, explica o CEO da 88i, Rodrigo Ventura.

As apresentações da 2ª rodada serão realizadas em agosto de 2019 e envolvem a apresentação da solução utilizando uma rede Corda, que está sendo desenvolvida pela 88 para o mercado de seguros.

TIM anuncia novo Chairman e CEO

O Conselho de Administração da TIM Brasil, em reunião hoje (3/4), deliberou a nomeação de Nicandro Durante como seu novo presidente e de Pietro Labriola como CEO da companhia. Ambos assumem os cargos a partir desta data, sucedendo, respectivamente, João Cox e Sami Foguel.

Nicandro Durante tem 40 anos de experiência na indústria do tabaco, tendo ocupado diversas funções na British American Tobacco, controladora da empresa brasileira Souza Cruz, até chegar ao cargo de CEO em 2011. Também é conselheiro independente da Reckitt Benckiser, maior produtor mundial de produtos de limpeza, saúde e cuidados pessoais. Nascido em Goiás, o executivo tem cidadania italiana e é graduado em Administração pela PUC-SP.

No Grupo Telecom Italia há 17 anos, Pietro Labriola foi Chief Operating Officer da TIM Brasil entre 2015 e 2018, liderando as áreas de Marketing, Comercial, Customer Relations e Tecnologia da Informação. Desde fevereiro, integra o Conselho de Administração da empresa, cargo que ocupará em conjunto com a posição de CEO, para seguir com a execução do plano estratégico da TIM Brasil. O executivo é italiano, graduado em Administração pela Università degli Studi di Bari e com especialização em Inovação e Tecnologia.

Tags, , ,

43% dos recrutadores entrevistam até 10 candidatos para fechar uma vaga

Diante de um cenário competitivo em busca de oportunidades de emprego, fica cada vez mais difícil se destacar. Dados levantados pela Catho com mais de 400 recrutadores reforçam os desafios da área de recrutamento ao fazerem uma seleção. Segundo a pesquisa, 43% dos pesquisados entrevistam entre 6 a 10 candidatos para fechar uma vaga.

Esse número fica mais expressivo ao se observar quantos profissionais se candidatam por vaga e, consequentemente, quantos currículos os recrutadores recebem. Ainda segundo o levantamento, 44% dos entrevistados recebem até 30 currículos, 30% mais de 50 e 16% mais de 100.

Com o objetivo de ajudar recrutadores a encontrarem o “candidato perfeito” de forma mais rápida e assertiva, a Catho traz para o mercado o Busca Certa, disponibilizado inicialmente para candidatos e empresas da Grande São Paulo. O produto tem como diferencial apresentar profissionais testados e pré-avaliados de acordo com seu nível de conhecimento (básico, intermediário e avançado), além de verificar aptidões em excel, inglês, interpretação de texto e raciocínio lógico.

“Diante da tamanha oferta de profissionais no mercado de trabalho e o curto tempo para realizar a seleção, recrutadores possuem uma grande missão a ser cumprida na hora da filtragem pelo candidato ideal. Sendo assim, olham de cara as informações mais nobres do currículo em até 10 segundos para depois realizarem uma análise mais criteriosa dos documentos”, afirma Bianca Machado, gerente da Catho.

De acordo com a pesquisa, os entrevistados apontaram em média quantos currículos analisam antes de escolherem quais candidatos serão entrevistados, reforçando mais uma vez a importância de ferramentas que agilizem o processo seletivo. Segundos os dados: 31% afirmam que checam de 16 a 30 currículos, enquanto 30% de 6 a 15.

Após a análise mais aprofundada é dado o momento de abordar os candidatos e fazer o convite formal para o momento da entrevista. A pesquisa apresenta que nesse momento, 44% convocam de 6 a 10 candidatos, 39% de 11 a 20, enquanto 13% de 11 a 20.

Tags, , ,

HubSpot e AWS se unem para oferecer serviços focados em startups

A HubSpot, plataforma líder de CRM, marketing, vendas e atendimento ao cliente, e a Amazon Web Services (AWS) anunciam parceria para ajudar startups em todo o mundo a crescerem melhor. Juntas, as organizações passam a oferecer serviços e benefícios adicionais para os participantes dos programas das empresas voltados para startups: AWS Activate, HubSpot for Startups e Connect. Os programas têm como objetivo a oferta de recursos, treinamento e suporte para as empresas que estão iniciando no mercado e buscam ferramentas de qualidade e melhor custo-benefício.

Atualmente, a HubSpot já fornece aos membros do AWS Activate acesso ao software HubSpot for Startups, que inclui valores especiais no HubSpot Growth Suite, orientação executiva, conteúdo educacional adaptado para esse modelo de negócio e outras vantagens. Com a parceria, a AWS, focada em infraestrutura de serviços de computação em nuvem, passa a fornecer assinaturas e créditos para o programa AWS Activate para as startups participantes do programa Connect e HubSpot for Startups.

No programa Connect, a AWS passa a apoiar a iniciativa co-investindo para criar um ecossistema para os parceiros da HubSpot, com conteúdo adaptado aos desenvolvedores. Os integrantes do Connect também podem aproveitar os serviços da AWS e receber créditos que podem ser aplicados à sua conta.

Segundo Dharmesh Shah, CTO e co-fundador da HubSpot, a missão da empresa é ajudar milhões de organizações a crescerem e a parceria com a AWS ajuda a atender melhor à comunidade de startups nesse sentido. “Sou um defensor de startups desde que a HubSpot foi uma. Estamos orgulhosos de selecionar a AWS como nosso provedor de nuvem para executar nossas áreas de marketing, vendas e Service Hubs e esperamos expandir o uso de seus serviços para beneficiar empresas em crescimento”, explica.

Os interessados em participar do programa das empresas podem se inscrever diretamente no site da empresa:

https://www.hubspot.com/startups/partners/aws?_ga=2.180695655.1996923504.1545229320-926150863.1535028861

Tags, , ,

Red Bull Basement Residency abre inscrições para a 5ª edição

Começam nesta quarta-feira (03/04) as inscrições para a residência hacker do Red Bull Basement, que vão até 19 de maio. O programa busca desenvolver projetos que façam uso da tecnologia para a solução de problemas sociais e busca por cinco protótipos que olhem para necessidades como: saneamento, segurança pública, inclusão social, mudanças climáticas, recursos hídricos, educação inclusiva, entre outros temas. O objetivo é incentivar a inovação cidadã, com projetos que tenham consistência, viabilidade e potencial de gerar impacto para a sociedade e seus cidadãos.

Já passaram pela residência projetos como o Pluvi On, um hardware 100% nacional que oferece previsões do tempo acuradas, localizadas e a baixo custo para ajudar a alertar a população em caso de enchentes e deslizamentos, o Le Braile, um equipamento também de custo acessível que realiza a conversão de textos em formatos digitais para braile e o Micro Aerogerador, um sistema capaz de gerar energia elétrica por meio do vento.

Os residentes terão à disposição um makerspace com equipamentos para prototipagem dos projetos, que deverão ser apresentados ao final da residência, além de uma agenda paralela com palestras e workshops sobre diversos temas e um Festival de Tecnologia. A residência será realizada de julho a setembro no Red Bull Station, centro de São Paulo/SP.

Para acompanhar e ajudar no desenvolvimento dos projetos, dando suporte e direcionamento, os residentes contarão com a experiência de cinco mentores de diferentes áreas e com ampla experiência em inovação. São eles: Andrei Speridião – design e tecnologia; Wesley Lee – design e hardware; Pedro Godoy – quick and dirty; Denise Alves Rodrigues – mentoria de bancada; Julio Freitas – design estratégico e Mari Marcilio – comunicação e branding.

Também participarão do processo mentores convidados e um monitor em residência, que auxiliará em questões práticas cotidianas no laboratório maker. Conheça aqui os selecionados do ano passado.

Colaboradores

Pelo segundo ano, a residência contará com um chamado aberto: após a seleção dos projetos, será aberto um chamamento para que outros colaboradores se inscrevam e cooperem para o desenvolvimento dos protótipos escolhidos.

Tags,

Associação Brasileira de Startups anuncia novos mantenedores

No Brasil, estima-se que, atualmente, haja entre 10 e 15 mil startups. Destas, quase 11 mil são mapeadas e acompanhadas pela Associação Brasileira de Startups (Abstartups),instituição sem fins lucrativos que representa as startups brasileiras e ajuda a desenvolver o ecossistema e a economia. Apoiando essa missão, o Sicoob e a EDP acabam de tornar-se mantenedoras da Associação.

Os mantenedores são empresas que querem estimular e servir de combustível para startups em todo Brasil, apoiando a Abstartups em seus projetos institucionais e têm contato direto com empresas inovadoras em todo território nacional. “Se tornar mantenedor é uma forma de contribuir ativamente com o ecossistema de startups e participar de uma organização que está há 8 anos gerando impacto empreendedor em todo Brasil”, pontua o presidente da Abstartups, Amure Pinho.

Para o diretor executivo do Sicoob, Eduardo Diniz, como uma Instituição Financeira diferenciada, eles têm um papel que vai além de oferecer produtos e serviços financeiros. “Nos preocupamos também com os associados, nos conectando com eles, e a entidades com os mesmos interesses, em busca da melhor solução para cada um, na coletividade”, pontua, e completa: “Desenvolvemos uma operação exclusivamente para atender à startups, com o foco de construir uma Instituição Financeira que atenda as demandas e expectativas do empreendedor, com produtos e serviços em condições especiais, feitos sob medida para viabilizar o seu crescimento. O Sicoob e a Abstartups são instituições que compreendem o valor da união, e como efetivamente isso pode fazer diferença aos negócios de alto impacto.”

Com forte foco em inovação, a EDP Brasil apoia o empreendedorismo por meio dos programas EDP Starter e Free Electrons, voltados à aceleração de startups em nível nacional e global, respectivamente. Além disso, no último ano, a Companhia criou a EDP Ventures Brasil, primeiro veículo de investimentos de capital de risco do mercado elétrico brasileiro, com R$ 30 milhões para destinar a startups capazes de gerar valor para o grupo nas seguintes verticais: energia renovável, redes inteligentes, armazenamento de energia, Inovação digital (blockchain, IoT, big data, realidade virtual), Soluções com foco no cliente (fintechs, soluções inteligentes para casa) e área de suporte (legal tech, plataformas de RH). “A EDP tem um histórico longo e consistente de apoio ao empreendedorismo. Acreditamos que a aproximação com a Abstartups nos permitirá potencializar nosso relacionamento com o ecossistema nacional e a geração de soluções inovadoras”, afirma Livia Brando, gestora executiva de Inovação na EDP Brasil.

Além dessas novas empresas, a Random, B3, PiaR Comunicação, Salesforce, Loja Integrada e a Sympla fazem parte dos mantenedores da Abstartups. “Por ano, conseguimos impactar mais de 50 mil empreendedores diretamente e isso não seria possível sem uma rede de parceiros e mantenedores que trabalham para impulsionar as startups”, afirma Amure Pinho.

Tags, , , ,

Microsoft e o BMW Group lançam a plataforma aberta de fabricação

A Microsoft Corp. e o BMW Group anunciaram uma nova iniciativa comunitária para possibilitar uma inovação mais rápida e com mais eficiência em relação ao custo no setor de fabricação. Na fabricação da atualidade, a produção e a lucratividade podem ser prejudicadas por sistemas proprietários complexos que criam silos de dados e tornam a produtividade mais lenta. A Plataforma Aberta de Fabricação (OMP – Open Manufacturing Platform) é projetada para quebrar essas barreiras por meio da criação de uma estrutura de tecnologia aberta e comunidade interindustrial. Espera-se que a iniciativa apoie o desenvolvimento de soluções inteligentes de fábrica que serão compartilhadas por par ticipantes OMP em setores de produção automotiva e mais amplos. A meta é acelerar os futuros desenvolvimentos industriais da IoT, reduzir o prazo de maturação e impulsionar eficiências de produção tratando, ao mesmo tempo, de desafios industriais comuns.

Desenvolvida na plataforma em nuvem para IoT industrial Microsoft Azure, a OMP tem a intenção de proporcionar aos membros da comunidade uma arquitetura de referência com componentes de código aberto baseados em padrões industriais abertos e um modelo aberto de dados. Além de facilitar a colaboração essa abordagem de plataforma é projetada para destravar e padronizar modelos de dados que possibilitam cenários de aprendizado automático (machine learning) e analítica — dados que têm sido tradicionalmente gerenciados em sistemas proprietários. Utilizando casos de uso industrial e código de amostra, os membros da comunidade e outros parceiros terão a capacidade de desenvolver seus próprios serviços e soluções mantendo, ao mesmo tempo, o controle sobre seus dados.

“A Microsoft está unindo forças com o BMW Group a fim de transformar a eficiência de produção digital por toda a indústria”, declarou Scott Guthrie, vice-presidente executivo, Microsoft Cloud + AI Group. “Nosso comprometimento com o desenvolvimento de uma comunidade aberta vai criar novas oportunidades para colaboração por toda a cadeia de valor de fabricação.”

Atualmente com mais de 3.000 máquinas, robôs e sistemas de transporte autônomos conectados à plataforma IoT do BMW Group, que é desenvolvida na nuvem da Microsoft Azure, IoT e capacidades de IA, o BMW Group planeja contribuir com casos de uso inicial relevantes à comunidade OMP. Um exemplo é o uso por parte da empresa de sua plataforma de IoT para a segunda geração de seus sistemas de transporte autônomo na fábrica do BMW Group em Regensburg, Alemanha, um dos 30 locais de montagem e produção do BMW Group em todo o mundo. Esse caso de uso permitiu ao BMW Group simplificar grandemente seus processos de logística por meio de uma coordenação central do sistema de transportes, criando uma eficiência logística ainda maior. No futuro, esse e outros casos de uso — como os feedback loops digitais, gestão digital de cadeia de suprimentos e manu tenção preventiva — serão disponibilizados e, de fato, desenvolvidos ainda mais dentro da comunidade OMP.

“Especializar-se na complexa tarefa de produzir produtos premium individualizados requer soluções de software de TI inovadoras”, declarou Oliver Zipse, membro do conselho administrativo da BMW AG, Production. “A interconexão dos locais de produção e sistemas, bem como a integração segura de parceiros e fornecedores são especialmente importantes. Temos confiado na nuvem desde 2016 e estamos desenvolvendo, de maneira consistente, novas abordagens. Com a Plataforma Aberta de Fabricação como o próximo passo, queremos tornar nossas soluções disponíveis a outras empresas e alavancar, em conjunto, nosso potencial a fim de assegurar nossa sólida posição no mercado no longo prazo”.

A OMP é a próxima evolução da parceria tecnológica duradoura e do comprometimento mútuo à inovação e à criação de oportunidades para sucesso coletivo em toda a indústria por parte do BMW Group e da Microsoft. Por meio da OMP, os membros da comunidade terão maiores oportunidades de destravar o potencial de seus dados, permitindo-lhes desenvolver e integrar soluções industriais mais rapidamente e com segurança bem como, por sua vez, beneficiar-se da contribuição e do aprendizado de outras organizações.

A OMP será projetada para tratar de desafios industriais comuns, como a conectividade à máquina e integração de sistemas nas instalações. Isso vai facilitar a reutilização de soluções de software entre as OEMs, fornecedores e outros parceiros, reduzindo significativamente os custos de implementação. Por exemplo, um padrão de robótica baseado em ROS para sistemas de transporte autônomos para produção e logística será contribuído para a OMP a fim de que qualquer um possa utilizá-lo. A OMP será compatível com a arquitetura de referência da Indústria 4.0, alavancando o padrão de interoperabilidade industrial OPC UA.

“São notícias realmente muito boas para o setor de fabricação”, declarou Stefan Hoppe, presidente e CEO da OPC Foundation. “O uso de padrões abertos da indústria internacional como OPC UA na comunidade OMP permite aos fabricantes, desenvolvedores de máquinas e fornecedores integrar seus sistemas e equipamentos existentes de maneira eficiente e segura. Por muito tempo, as empresas promoveram ecossistemas proprietários e fechados — o comprometimento da OMP ao desenvolvimento aberto moldará a fabricação do futuro.”

A plataforma subjacente continuará a evoluir com o tempo, junto com os requisitos de fabricação, a fim de incorporar novas inovações incluindo áreas de analítica, inteligência artificial e feedback loops digitais.

A comunidade OMP mais ampla está sendo formada agora, com recrutamento de parceiros adicionais em andamento. Espera-se que o Comitê Consultivo da OMP esteja em operação com um conjunto inicial de quatro a seis parceiros em vigor e um mínimo de 15 casos de uso implementados em ambientes de produção seletos até o final de 2019. Os dois parceiros iniciais, a Microsoft e o BMW Group, encorajam outros fabricantes e fornecedores, incluindo empresas de fora do setor automotivo, a unirem-se à comunidade.

Tags, , , ,

Os meandros do mundo de investimentos em startups e inovação

Por Chris Taveira

Mais de 10 mil startups em todo Brasil. Esse é o número oficial, segundo a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), entidade que representa a classe no país. Desse total, 4.692 estão concentradas na região Sudeste, 1.448 no Sul, 629 no Nordeste, 498 no Centro-Oeste e 268 no Norte. Esses índices nos mostram que, apesar de uma maior incidência de iniciativas inovadoras no Sul e Sudeste, há um forte crescimento de startups em outros polos e isso nos deixa mais animados porque aumentando a quantidade de startups a serem analisadas e investidas, qualificamos também as nossas rodadas.

Quando falamos sobre quais são os setores em evidência, temos como destaques os de Educação (7.48%), Finanças (3.52%), Negócios (3.33%), Varejo Atacado (3.07%) e Outros (5.44%). As Agtechs, também estão no radar de muitos investidores brasileiros e, segundo levantamento realizado pela SP Ventures, fundo de venture capital focado em agronegócio, em parceria com Centro Universitário FEI e com as startups Agtech Garage, Usina, Esalqtec e Agrihub, temos no Brasil 338 startups trabalhando para resolver os problemas do campo, e muitas oportunidades ainda pela frente.

Essa diversidade de startups no país é ótima, pois fortalece o mercado, mas se torna um desafio para quem é investidor. Diante desses dados, como saber em qual segmento ou startup investir? Quem devemos apoiar? Onde apostar nossas fichas?

A resposta para isso não é nada simples, visto que o ecossistema de startups é um organismo vivo e que sofre transformações constantes (e velozes). Além disso, as ondas de notícias sobre startups com números no vermelho não animam ninguém a colocar valores altos em algo que pode ser fechado a qualquer momento.

Como algumas dicas básicas, posso dizer que é importante o investidor ficar de olho, e entender minuciosamente, o ponto de equilíbrio da empresa no mercado. Não são poucos os casos em que a startup tem um bom número de clientes, escritórios em diversos pontos do país (e até mesmo no exterior), mas ainda não sabe muito bem como ganhar dinheiro. É nesse momento que o investidor deve repensar se vale a pena aportar valores e ‘torcer’ para dar certo, ou esperar a empresa conseguir se manter com a próprias pernas.

Outra dica importante é buscar startups num segmento em que você como investidor e mentor possa contribuir. Experiência e networking são moedas, muitas vezes mais valiosas que o dinheiro.

Entenda a fundo, se a percepção de valor de mercado que ela passa condiz com sua realidade. Existem muitos empreendedores que acabam por ‘florear’ um pouco o potencial e valor agregado de sua empresa, gerando uma expectativa fora da realidade. Isso pode até atrair o olhar de um investidor mais entusiasta, mas afastará os profissionais que procuram por iniciativas mais sólidas.

Por fim, sabemos que atuar no ecossistema de startups é arriscado e, quanto maior o risco, maior a possibilidade de retorno. Os números podem ser muito atraentes e sedutores, mas nunca comprometa grande parte do seu capital investindo em startups. Elas devem sim, fazer parte do seu portfólio de investimentos, mas se informe e faça uso do levantamento de dados minuciosos sobre as startups que você deseja apostar, assim, contribuiremos todos, para um mercado mais maduro e sustentável.

Chris Taveira, fundadora da Northon Invest, gestora de investimento para startups e empresas de tecnologia.

CommScope firma parceria com Odata para a oferta de data center multi-tenant

A CommScope e a Odata, empresa brasileira especializada em serviços de colocation para grandes clientes, dos mais variados setores da economia, anunciam uma parceria para o mercado da América Latina para a oferta de serviços de data center multi-tenant. Com o acordo, a CommScope amplia seu suporte para MTDC na região da América Latina e do Caribe.

Um MTDC é um espaço pronto, de propriedade e operado por terceiros, com infraestrutura completa (incluindo energia, rede de dados e espaços físicos). Com esse modelo, o cliente não precisa construir, manter ou operar um data center externo. A parceria foi firmada para abordar as atuais mudanças do mercado, no qual mais companhias adotam o outsourcing de serviços de data center.

“Nos últimos anos, as empresas têm aumentado a terceirização de seus recursos de TI, optando por ambientes compartilhados nos quais os data centers são vistos como uma despesa operacional“, afirma Ed Solis, vice-presidente de vendas corporativas da CommScope para a região da América Latina e do Caribe. “A infraestrutura de MTDC torna tecnologias avançadas, como computação na nuvem e virtualização de data centers, disponíveis para companhias de todos os tamanhos, ao mesmo tempo que oferece flexibilidade e facilidade de crescimento, conforme os negócios dos clientes se expandem”, completa o executivo.

A Odata abriu o seu primeiro MTDC no Brasil, o SP01, em Santana do Parnaíba, em 2017.

Além do data center de Santana do Parnaíba, a Odata está construindo o maior data center carrier-neutral da Colômbia, em Bogotá, e acaba de anunciar o início das obras de um campus de data center em Hortolândia, interior de São Paulo, voltado para companhias com grandes demandas. São 40 megawatts de potência de TI, o maior da América Latina, que serão entregues gradualmente, sendo a primeira fase em janeiro de 2020. Todos os data centers da Odata estão conectados aos principais hubs de nuvem pública do Brasil e do mundo.

“Sem dúvida é uma parceria muito vantajosa para as duas empresas. Ela permite que a Odata aproveite a força da marca CommScope com seus canais comerciais para identificar e trazer projetos dos clientes da carteira. Agora temos a capacidade de oferecer serviços de colocation para o nosso canal comercial, além do nosso portfólio existente, que traz receitas adicionais à nossa empresa“, destaca André Busnardo, chief sales officer da Odata.

Uber anuncia contrato com Serpro para checar dados de veículos e motoristas em tempo real

A Uber e o Serpro, empresa de TI do Governo Federal, anunciam nesta terça (2), durante a LAAD Defence & Security, o fechamento de contrato de âmbito nacional. Por meio dele, a Uber poderá obter a confirmação das informações cadastrais dos motoristas parceiros e candidatos a motoristas e de seus veículos, em tempo real, a partir das informações da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLV), com a autorização do Denatran – Departamento Nacional de Trânsito. A iniciativa vai permitir que os dados sejam verificados com maior rapidez e eficiência.

A Uber vai poder verificar on-line, junto com o cadastro, se estão corretas as informações fornecidas pelos motoristas, como nome, data de nascimento e número de identidade, se a carteira de habilitação está válida ou não, se foi cassada ou não, por exemplo. As fotos dos motoristas também serão verificadas digitalmente, com um software especialmente desenvolvido para isso, denominado Datavalid, que compara as imagens fornecidas pelo condutor com as arquivadas pela autoridade de trânsito, a fim de prevenir fraudes.

A empresa também poderá confirmar a situação do veículo registrado para atuar no aplicativo diretamente dessa base, a partir do fornecimento de dados básicos presentes no CRLV. Com isso, informações sobre eventuais sinistros e roubos poderão ser identificadas mais rapidamente. Hoje todas essas verificações são feitas a partir de documentos digitalmente fornecidos pelos próprios motoristas.

“Segurança é prioridade para a Uber e o trabalho de aprimoramento nesse tema tem de ser contínuo: estamos comprometidos em sempre construir uma plataforma melhor, para proporcionar viagens cada vez com mais recursos de segurança e com mais confiabilidade”, explica o diretor de Comunicação da Uber no Brasil, Fabio Sabba. “Acreditamos que por meio da tecnologia conseguiremos oferecer recursos de segurança cada vez mais robustos de forma escalável. A integração com um parceiro com a expertise do Serpro e as informações do Denatran permitirá que os nossos critérios de qualidade e segurança sejam aplicados cada vez com maior eficiência e rapidez.”

“O Serpro comemora a contratação, pela Uber, de um produto que explicita o caminho do provimento de soluções digitais para o cidadão. Estamos construindo um Governo cada vez mais digital, acessível às empresas e à sociedade. Essa é a nossa missão. A atuação do Serpro no Governo Digital, impulsionada nesse momento pelo Denatran, resulta em produtos como o Datavalid, que contribuem significativamente para a melhoria do ambiente de negócio das empresas brasileiras”, ressalta o diretor de relacionamento do Serpro, André de Cesero.

Checagem de motoristas – A iniciativa vem se somar a uma série de medidas já adotadas pela Uber para verificar quem quer dirigir utilizando o app. Todos os motoristas parceiros cadastrados na Uber passam por uma checagem de antecedentes criminais, nos termos da lei, realizada por empresa especializada, antes que possam começar a conduzir. A partir dos documentos fornecidos para registro na plataforma, a empresa consulta informações de diversos bancos de dados oficiais e públicos de todo o País, em busca de apontamentos criminais antes do profissional começar a dirigir utilizando o app. A Uber também realiza rechecagens periódicas dos motoristas já aprovados pelo menos uma vez a cada 12 meses.

Também temos uma ferramenta que faz a verificação de identidade do motorista em tempo real. De tempos em tempos, o aplicativo pede, aleatoriamente, para que os motoristas parceiros tirem uma selfie, antes de aceitar uma viagem ou de ficar on-line, para verificar se a foto da pessoa que está usando o aplicativo corresponde àquela do cadastro. Isso ajuda a prevenir fraudes e proteger as contas dos condutores.

Além disso, a empresa está instalando em São Paulo seu primeiro centro de desenvolvimento tecnológico na América Latina, com foco em segurança. Cerca de 150 especialistas integrarão esse novo centro, que receberá investimentos da ordem de R$ 250 milhões nos próximos 5 anos, para desenvolver tecnologias que podem eventualmente se transformar em novos recursos e funções do aplicativo de mobilidade para todo o mundo.

Tags, , ,

Em parceria com Aceleradora ACE, LIDE FUTURO promove Startup Day

A mais qualificada plataforma de conteúdo, experiência e networking, LIDE FUTURO, em parceria com a ACE, uma das maiores aceleradoras de startups da América Latina, promove, no próximo dia 10, o Startup Day. O evento acontece no MIS, em um único dia, e oferece uma agenda completa de consultoria e networking para jovens lideranças, abordando todos os temas e prioridades de uma startup.

Em mais um projeto exclusivo, o LIDE FUTURO reúne, além dos executivos da ACE, profissionais C-Level da GAMA, escola que capacita talentos nas áreas de programação, design, marketing e vendas para o mercado digital, e da Blanko, agência de comunicação focada em estratégia, planejamento e desenvolvimento criativos.

Durante o período da manhã, será oferecido um welcome coffee para os convidados, seguido pelas palestras da ACE, sobre Validação do Negócio, da Blanko, sobre Marketing Digital, e da GAMA, sobre Cultura Organizacional. Após o almoço, o evento segue exclusivo para os filiados do LIDE FUTURO, que contarão com uma mesa redonda com conteúdo simultâneo acontecendo de hora em hora. O fechamento do Startup Day fica a cargo de Pedro Waengertner, cofundador da ACE.

O LIDE FUTURO é composto por pessoas físicas que estão transformando e impactando os seus mercados com novos modelos de atuação, novas tecnologias e negócios disruptivos, gerando uma rede de relacionamento altamente qualificada e oportunidades reais de negócios.

Startup Day

Data: 10 de abril de 2019, quarta-feira

Horário: das 8h30 às 18h

Local: MIS (Av. Europa, 158 – Jardim Europa, São Paulo)

Tags, , ,

RecargaPay permite pagamento de Zona Azul pelo celular em São Paulo

Os motoristas paulistanos acabam de ganhar mais um serviço para facilitar a árdua tarefa de estacionar em São Paulo. A RecargaPay, fintech com mais de 10 milhões de clientes, acaba de lançar o opção Zona Azul Digital no aplicativo. Com o novo recurso, o usuário pode comprar e validar o Cartão Azul Digital (CAD) pelo celular e escolher a forma de pagamento, o que favorece a praticidade do serviço. O Zona Azul Digital já está disponível para Android e, em breve, será lançado para iOS e, assim como os outros serviços da fintech, não cobra nenhuma taxa adicional.

Desde 2016 o Cartão Azul Digital (CAD) substitui os talões de papel, e é obrigatório nas áreas do estacionamento rotativo administradas pela Companhia de Engenharia de Trânsito (CET). Para utilizar o serviço basta baixar o aplicativo RecargaPay, realizar o cadastro, selecionar a opção Zona Azul Digital e informar os dados do carro. No momento de estacionar, é preciso informar a duração desejada. Para a maior parte das vagas Zona Azul, um CAD vale por uma hora, mas as regras podem mudar dependendo do local. O site da CET têm as informações detalhadas.

Os valores do estacionamento seguem a tabela da (CET), mas o motorista que utilizar o serviço via RecargaPay conta com as vantagens já conhecidas do aplicativo: R$ 5,00 na primeira compra e 5% de dinheiro de volta em transações até R$20,00.

Além das vantagens apresentadas, o aplicativo funciona 24 horas por dia, dispensa a busca por um ponto de vendas, alerta sobre o vencimento do horário do estacionamento e permite a renovação do CAD de qualquer lugar, sem a necessidade do motorista ter que retornar ao veículo.

A RecargaPay é uma fintech desenvolvida para democratizar o pagamento por celular no Brasil. Líder no setor, a empresa já conta com mais de 10 milhões de clientes e é a única que não cobra taxas pelos serviços. “Nós oferecemos a opção convencional de pagamento por cartão de crédito, e as opções mais modernas, como Google Pay e Apple Pay. Mas para a RecargaPay também é importante atender àqueles que, por qualquer motivo, não têm acesso a serviços financeiros. Por isso temos a carteira digital”, declara Renato Camargo, CMO da empresa.

A fintech permite que o usuário adicione dinheiro à sua carteira digital por meio de boletos, transações bancárias ou depósitos, e utilize o valor digital para realizar os pagamentos cotidianos. “Nosso objetivo é que as pessoas consigam realizar qualquer pagamento diário via aplicativo e da maneira que for mais conveniente”, finaliza Camargo.

Tags, , ,

Como melhorar as vendas e a gestão do e-commerce: 5 dicas práticas

Ter uma loja virtual pode parecer mais simples que abrir uma loja física, mas quem vende produtos e serviços em plataformas digitais sabe que tanto o planejamento inicial quanto a operação diária requerem os mesmos esforços para garantir uma boa experiência de compra ao consumidor.

A concorrência, a preocupação em reter o cliente e as responsabilidades inerentes ao mercado, como a logística de envio da mercadoria e de emissão de documentos fiscais, são algumas das questões que o empresário de e-commerce precisa levar em conta. Afinal, o consumidor digital precisa ter atendimento de excelência de ponta a ponta para que não se frustre, seja cativado e se torne até um propagador de boas avaliações de sua loja.

A venda pela internet deixou de ser uma aposta do futuro, para se tornar uma realidade de mercado no Brasil. De acordo com o 38º Relatório Webshoppers, produzido pela Ebit/Nielsen, apenas no primeiro semestre de 2018, aproximadamente 27,4 milhões de consumidores fizeram pelo menos uma compra pela internet no País.

É fundamental que a loja virtual tenha estratégias e ações que ajudem a melhorar a atividade do consumidor enquanto ele enche o carrinho virtual quanto a incrementar as vendas e a gestão da empresa e, nesse sentido, conhecer as tecnologias disponíveis para o setor facilita ainda mais o trabalho. Para aumentar vendas na loja virtual, penso que o empresário deve estar atento a estas 5 dicas:

1. Layout atrativo e simplificado

Conhecer bem o target do seu produto é peça-chave da criação de um layout atrativo.

Apesar de ser só 10% de todo planejamento de um e-commerce, definir a forma e o conteúdo da página tem efeito direto nas vendas. Sites com boa usabilidade e simplificados, em que o usuário não precisa ficar procurando o botão “comprar” e nem se sente intimidado com uma avalanche de informações de venda garantem mais satisfação do consumidor.

2. Marketing Digital

Investir em marketing digital para a marca é outra prática de sucesso no aumento de captação de clientes. Redes sociais, Google Ads, estratégias de SEO no conteúdo do site são algumas das estratégias compartilhadas por quem está no mercado virtual e, cada vez mais, são uma forma diferenciada de se destacar na concorrência.

3.Sistema de gestão integrado

Além de escolher uma plataforma em que o site será montado, o empresário deve ter um ERP. É com um sistema de gestão que o empreendedor terá o controle de todos os setores da empresa, como estoque, ordem de serviços, logística, compras, contabilidade, emissão de Nota Fiscal. O acesso dessas informações por um software integrado permite a centralização dos processos e agiliza a rotina do gestor.

Há opções gratuitas e de baixo custo, com diferentes módulos de acordo com a necessidade do varejista, como integração com marketplaces, e-commerces e plataformas de frete. Com isso, o empreendedor consegue planejar ações e monitorar resultados para gerar oportunidades de crescimento do negócio.

4.Blog integrado e informações para o cliente

Alimentar um blog com conteúdo relevante e associado aos produtos que você vende é uma estratégia de divulgação que dá credibilidade ao varejista. Ofereça informações adicionais ao cliente sobre a mercadoria e ele o verá não só como um vendedor, mas como uma fonte confiável sobre o assunto que ele procura.

A tecnologia pode ser uma ótima aliada nesse sentido: a escrita SEO, que melhora a colocação dos termos na busca do Google, deve ser um guia na hora de produzir textos e mídias. Faça com que as informações do mercado em que você atua também sejam compartilhadas por seus clientes no off-line e que o blog do seu e-commerce se torne referência na área.

5. Preço do produto e frete justo

Com buscadores de preços cada vez mais refinados, o valor da mercadoria quase sempre é um fator preponderante na decisão de compra de um consumidor de loja virtual. Clicar para finalizar a compra e ver que o frete deixa o valor total muito maior do que o previsto é o principal fator de abandono de compra nas plataformas digitais: 8 em cada dez clientes largam o carrinho virtual por conta disso, segundo a pesquisa E-commerce Trends 2018.

Por essa razão, o vendedor virtual deve estar atento a oportunidades em que seja possível oferecer frete grátis, retirada na loja física, diminuição do valor do produto para que tenha equilíbrio na hora de incluir o valor de entrega. Tudo isso, é claro, deve ser feito de modo que não comprometa o lucro. É nesta hora que o controle da saúde financeira da empresa, por meio de um sistema de gestão on-line, também se faz indispensável.

Por Robinson Idalgo, criador do sistema de gestão on-line.

Tatiana Pimenta é finalista no Cartier Women’s Initiative Awards

A sul-mato-grossense Tatiana Pimenta está entre as três finalistas da América Latina do prêmio Cartier Women’s Initiative Awards. A fundadora e CEO da startup Vittude, plataforma que conecta psicólogos e pacientes em poucos cliques, é a única brasileira selecionada para participar de uma premiação internacional de projetos empresariais encabeçados por mulheres. O foco da iniciativa, que acontece anualmente desde 2006, é premiar empreendedoras que estejam à frente de negócios com impacto social relevante em sete regiões do planeta: América Latina, América do Norte, Europa, África Subsaariana, Oriente Médio e Norte da África, Ásia Oriental, Sul da Ásia e Oceania. A iniciativa busca apoiar, reconhecer e encorajar mulheres criativas que contribuem de forma concreta na busca de soluções para o futuro do planeta.

“É uma grande honra representar o Brasil e as mulheres empreendedoras do nosso país. Ser finalista do prêmio é um reconhecimento internacional por um trabalho bem feito”, comemora Tatiana, que fundou a Vittude em 2016 a partir de uma necessidade pessoal.

Todas as finalistas receberão coaching de profissionais de mercado, altamente qualificados, e também uma formação em impacto social na conceituada escola de negócios francesa, Insead. As profissionais devem elaborar um plano de negócios detalhado e apresentar seu projeto perante um júri. Com base na qualidade do plano e no caráter persuasivo da apresentação verbal, será selecionada uma vencedora para cada uma das sete regiões do planeta, sendo Tatiana uma das três finalistas da América Latina.

As sete melhores colocadas (uma de cada região do planeta) serão anunciadas no dia 2 de maio de 2019, em São Francisco, na Califórnia. Elas receberão US$ 100 mil e uma formação em impacto social na conceituada escola de negócios francesa Insead, além de treinamento profissional, individual e personalizado. O júri avalia as empresas com base na criatividade (o grau de inovação evidenciado pelo conceito empresarial global), escalabilidade, sustentabilidade e eficiência financeira, impacto social, qualidade geral e a clareza do material apresentado.

“Em menos de uma década, as candidaturas passaram de 360 para quase 3.000 aplicações. Com um crescimento tanto na quantidade, quanto na qualidade das empresas que participam, a iniciativa tornou-se um passo transformador na vida de 198 empresárias em mais de 49 países”, afirma a presidente da Cartier, Cyrille Vigneron.

O perfil típico das finalistas da edição 2019 é composto por mulheres de 33 anos, em média, formadas em engenharia, e que estão à frente de negócios na área de saúde.

A trajetória da empresa

De olho em um cenário em que, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), mais de 300 milhões de pessoas sofrem com depressão em todo o mundo e outras 260 milhões vivem com transtornos de ansiedade – muitas delas, inclusive, adquirem ambos, a Vittude desenvolveu uma plataforma que conecta psicólogos e pacientes em poucos cliques, levando saúde e bem-estar para brasileiros nos quatro cantos do mundo. Funciona da seguinte maneira: a pessoa acessa o site da startup – www.vittude.com, realiza um breve cadastro, escolhe seu psicólogo online de acordo com suas preferências e agenda a sessão. Tudo online, inclusive o pagamento.

O paciente também tem acesso a informações detalhadas sobre o currículo e a linha de atuação de cada psicólogo, a disponibilidade de agenda do especialista e o valor da consulta estipulado por cada profissional cadastrado no site.

“Segundo o do Ministério das Relações Exteriores, hoje 2,5 milhões de brasileiros vivem no exterior. Com o surgimento da terapia online, essas pessoas passam a ter acesso a psicólogos experientes e extremamente qualificados, de seu próprio país. Fazer terapia em uma língua que não é a materna é extremamente difícil. Há palavras que só existem no nosso vocabulário, como, por exemplo, saudade”, destaca a fundadora e CEO da Vittude, Tatiana Pimenta.

Hoje a startup conta com cerca de 2000 psicólogos e mais de 8 mil pacientes cadastrados, atuando em todo território nacional e alcançando brasileiros em outros 40 países. São mais de 1000 atendimentos realizados todo mês por profissionais qualificados e certificados pelos conselhos regionais de psicologia.

“Vejo o atendimento online como uma forma de ampliar o acesso a cuidados de saúde mental, em especial de forma preventiva. Hoje menos de 3% da população faz terapia, sendo que quase 60 milhões de brasileiros têm algum transtorno mental diagnosticado. Muitos só buscam a terapia quando já estão em uma condição de extremo sofrimento psíquico, necessitando de tratamento medicamentoso e atenção redobrada”, analisa Tatiana.

Para atender pacientes em quase todos os continentes, a Vittude desenvolveu um consultório virtual 100% criptografado, que garante a confidencialidade das consultas, de acordo com os protocolos internacionais de privacidade, como o HIPAA Act e o HITECH Act, que versam sobre sigilo e segurança de dados em atendimento de saúde.

Acesse http://www.vittude.com e saiba mais.

Tags, , ,

Investimentos em TI no Brasil crescem 9,8% em 2018, aponta estudo anual da ABES com o IDC

Rodolfo Fücher, presidente da ABES

O Brasil se mantém em 9º lugar no ranking mundial de investimentos em TI, de acordo com prévia do estudo “Mercado Brasileiro de Software e Serviços”, da ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) com IDC, divulgada durante o jantar de posse da nova diretoria executiva da associação, ocorrido no dia 1º de abril, em São Paulo. O documento, que utiliza dados do IDC referentes ao último ano, mostra que os investimentos em TI (software, hardware e serviços) no Brasil superaram as expectativas para 2018, chegando a US$47 bilhões, um crescimento de 9,8% em relação a 2017, mais que o dobro da previsão para o ano, que foi de 4,1%.

Desse valor, US$23,9 bilhões (51,3%) são referentes a investimentos em hardware, US$12,2 bilhões (26,2%) a serviços e US$10,5 bilhões (22,5%) a software. “Com um crescimento de 9,8%, o Brasil superou a média mundial de investimentos em TI em 2018, que foi de 6,7%. Esses dados mostram que uma tímida recuperação da Economia observada em 2018, aliada a expectativa de uma recuperação mais vigorosa à partir de 2019, trouxeram uma retomada dos investimentos em tecnologia que superaram a expectativa, comprovando a importância do Setor para que as empresas possam buscar mais produtividade, eficiência e competitividade”, comenta Jorge Sukarie, vice-presidente do Conselho da ABES, que apresentou o estudo durante o jantar que empossou Rodolfo Fücher, sócio fundador da FEMP Participações, como o novo Presidente da ABES e Paulo Milliet Roque, Diretor da Autoridade Certificadora Digiforte, como o vice-Presidente da entidade.

Na ocasião, também foram empossados os novos membros da diretoria executiva para os próximos três anos: Vanda Scartezini, sócia-sênior da Polo Consultores Associados, Presidente da DNS Women Institute e Presidente do Conselho da Fundação Sitec; Fábio Rua, diretor de Assuntos Governamentais e Regulatórios da IBM América Latina; e Lauro de Lauro, Cloud Guru Sênior na Sky.One Cloud Solutions.

Mercado mundial de TI

Os números preliminares do estudo, que deve ser publicado na íntegra no segundo semestre de 2019, indicam que a somatória dos investimentos em TI, em 2018, entre os países analisados, chegou a US$2,23 trilhões, um valor 6,7% maior que o ano anterior. Os Estados Unidos lideram o ranking mundial com US$ 822 bilhões, seguidos por China e Japão com US$250 bilhões e US$140 bilhões, respectivamente.

Na América Latina, o Brasil se manteve em primeiro lugar no ranking regional, responsável por 42,8% dos investimentos em TI, mais que o dobro registrado pelo México (20%), que ficou em segundo lugar, seguido por Argentina (7,5%) e Colômbia (7,1%). A região investiu US$108,8 bilhões no mercado de TI em 2018, representando quase 11% do total mundial.

Em relação ao investimento em TIC, que inclui TI e Telecom, o Brasil desceu uma posição, ficando em 7º lugar no ranking mundial, com US$ 97 bilhões investidos, seguindo uma tendência de ligeira retração dos últimos anos desse setor, muito relacionada à transição de voz para dados dos consumidores. Neste quesito, o Brasil ficou ainda à frente da Índia (US$86 bilhões) e logo depois da França (US$109 bilhões).

Previsões para o Mercado Brasileiro de TI em 2019

Entre algumas tendências apontadas no estudo, as soluções de próxima geração para segurança de informação figuram como uma área que deve atingir US$ 671 milhões, em 2019, crescendo 2,5 vezes mais rápido que as soluções tradicionais. Em relação ao uso da Inteligência Artificial (IA), o estudo indica que, no Brasil, 15,3% das médias e grandes empresas têm essa tecnologia entre as principais iniciativas e espera-se que isso dobre nos próximos quatro anos.

Já o Big Data e Analytics devem avançar em 2019, alcançando US$ 4,2 bilhões. O mercado de Cloud Pública no Brasil chegará a US$ 2,3 bilhões em 2019. O ecossistema de IoT deve movimentar US$ 9 bilhões em 2019, e crescer acima de 20% ano contra ano até 2022. O mercado de devices representará 38% de todo o investimento em TI no Brasil (cerca de US$ 24,5 bilhões), com a venda de dispositivos de maior valor.

A expectativa de crescimento para os investimentos em TI no Brasil para 2019 é de 10,5%, ainda impulsionada pela venda de devices, contra uma expectativa de crescimento médio mundial de 4,9%. É o Brasil voltando a crescer o dobro da média mundial, como ocorria até 2013. Para TIC espera-se um crescimento mais moderado, da ordem de 4,9%.

“O crescimento de 9.8% do setor comparado com o do PIB de 1.1 % demonstra um movimento crescente das empresas e governo no Brasil, em absorver tecnologia de forma significativa, certamente motivados pelos benefícios de redução de custos e da melhora na produtividade, fatores essenciais para enfrentar um mercado cada vez mais competitivo. Neste sentido, o principal objetivo da ABES é assegurar um ambiente atrativo para investimentos e inovador. Acredito que a tecnologia da informação além de ajudar no desempenho dos negócios, tem um papel fundamental para tornar o Brasil menos desigual”, conclui Rodolfo Fücher, Presidente da ABES.

Tags, , , ,

Executivos discutem certificação de dispositivos móveis e IoT na América Latina

Considerando o grande potencial de mercado latino-americano e o futuro das telecomunicações na região, o GCF (Global Certification Forum), a gigante espanhola Telefónica e a multinacional alemã DEKRA, viabilizaram o primeiro workshop sobre certificação de dispositivos móveis e IoT da América Latina e 78° encontro do seu grupo de direção. O evento aconteceu e, em São Paulo e reuniu cerca de cem executivos de empresas de telecomunicações, fabricantes de dispositivos, certificadoras e membros do GCF de várias partes do mundo.

O workshop ofereceu aos participantes a oportunidade de conhecer o processo de certificação GCF, como ele aprimora a qualidade dos dispositivos e minimiza problemas de interoperabilidade entre dispositivos e redes. Além disso, o seminário abordou as mais recentes iniciativas do GCF sobre certificações de IoT de Aprovisionamento Remoto de SIM (eSIM) para consumidores finais.

De acordo com Lars Nielsen, diretor-geral do GCF, a ideia por trás do workshop era apresentar aos principais players do mercado latino americano os benefícios de se tornarem membros da organização.

Durante sua palestra, Atila Branco, diretor de planejamento de redes da Vivo Brasil — marca comercial da Telefónica no país —, reconheceu a importância da certificação GCF: “Nós, da Vivo, costumamos dizer que qualidade está no nosso DNA, e entendemos que a certificação de todos os nossos aparelhos ajuda a manter nossa posição de liderança nesse aspecto”.

Branco também divulgou dados de testes conduzidos em todos os mercados em que a Telefônica opera e revelou que, no Brasil, eletrônicos com certificação melhoraram em 33% seu desempenho, em comparação com aqueles que não foram testados.

Segundo Alejandro Torrecillas Torregrosa, diretor global de Testes & Certificação da DEKRA Espanha, a multinacional alemã vê a certificação como um modo de facilitar a inserção do produto de um fabricante no mercado, pois ela reforça a confiança das operadoras de que estão recebendo produtos de qualidade verificada. Além disso, o processo assegura que a rede de dados da operadora está segura.

A DEKRA, conhecida no Brasil por soluções e serviços de seleção de riscos e vistorias automotivas, impulsionada por sua nova estrutura global, traz para América Latina novas divisões de serviços já consolidadas em outras regiões do mundo. A divisão de certificação de produtos e conectividade é uma delas. Atualmente é parceira global da Telefónica na realização de testes para a operadora em seus laboratórios na Espanha e no Chile, após ter conseguido certificação CGF de teste e qualificação em rede fixa e também laboratorial. No Brasil, é a empresa credenciada pela Vivo para realizar os testes locais de qualidade em seus aparelhos.

Ainda de acordo com Torregrosa, a expectativa é de que o evento faça com que o mercado latino americano passe a considerar a certificação CGF como um selo de qualidade e, certamente, um requisito indispensável no futuro.

Blockchain e as diversas áreas de aplicação

Por Paulo Asterio, CTO e co-founder da Rebel

O blockchain, uma das tendências do momento, ainda gera dúvidas com relação ao seu uso. Uma parte das pessoas ainda acha que a tecnologia é usada apenas para meios de pagamentos, mas, embora uma rede blockchain sempre tenha uma criptomoeda ou um token envolvido, ela pode ser utilizada em diversas áreas.

Atualmente, existem redes blockchain sendo utilizadas para as mais diversas finalidades, tais como contratos inteligentes, comercialização de ativos, votos eletrônicos, previsões descentralizadas, segurança computacional e muito mais. Uma das principais vantagens da utilização dessas redes é a possibilidade de prescindir de uma entidade centralizadora para validar transações e a imutabilidade dos registros confirmados através de processos de mineração.

Dessa forma, apresenta uma série de benefícios para as empresas, como por exemplo a redução de custos das transações, sejam elas quais forem. Além disso, é uma eliminação de fronteiras, afinal, toda a comunicação é feita por meio da internet e qualquer indivíduo pode ser tanto um validador de transações, quanto transacionar de fato.

Outro ponto que merece atenção é a segurança oferecida pela imutabilidade do passado, ou seja, uma vez que determinada informação é inserida na cadeia de registros, a chance de que um indivíduo consiga alterá-la é mínima.

Como toda novidade tecnológica, o assunto gera muita curiosidade e grandes expectativas. Acredito que como tecnologia ainda existem alguns desafios a serem superados, mas sem dúvidas teremos cada vez mais processos utilizando e se beneficiando de redes blockchain. A reflexão de quais segmentos poderão utilizar essas redes no futuro é similar ao questionamento na década de 1980 sobre quais setores utilizariam mensagens eletrônicas, ou seja, não é trivial dizermos se determinada rede blockchain, seja ela bitcoin, ethereum, monero, tron, cardano, neo etc, vai prosperar ou não, mas a tecnologia em si estará presente nos mais diversos segmentos.

*Paulo Astério é desenvolvedor de software desde os 14 anos, tem mais de 20 anos de experiência profissional na área e, atualmente, é CTO e co-fundador da Rebel, plataforma online de empréstimos pessoais

Tags, , ,

ABB e Ericsson unem forças para acelerar automação sem fio para fábricas flexíveis

A ABB e a Ericsson reforçaram seu compromisso de acelerar o ecossistema industrial para automação flexível sem fio, o que possibilitará melhores serviços conectados, IoT industrial e tecnologias de inteligência artificial no futuro.

Os parceiros assinaram um Memorando de Entendimento na Hannover Messe 2019, estabelecendo sua visão conjunta para futura produção flexível com automação e comunicação sem fio. A colaboração vem durante a era da Indústria 4.0 e a conectividade 5G, que permitem às empresas aumentar a produtividade, com a ajuda da automação e digitalização.

O MdE confirma o acordo dos parceiros para continuar sua forte colaboração em pesquisa, explorar melhorias nos processos de fabricação e automação e descobrir novas oportunidades de negócios para o ecossistema industrial.

“Estamos muito animados para ampliar nossa parceria com a Ericsson, à medida que o mundo se aproxima da era da tecnologia 5G”, disse o CEO da ABB, Ulrich Spiesshofer. “A liderança da ABB em indústrias digitais, combinada com o trabalho pioneiro da Ericsson em conectividade, abrirá novas oportunidades para os clientes aumentarem a produtividade e a competitividade digitalizando seus negócios”.

“A Ericsson e a ABB já têm uma forte colaboração na pesquisa de tecnologias 5G e Industrial IoT”, disse Börje Ekholm, presidente e CEO da Ericsson. “Com este MdE, fortalecemos nossa parceria para acelerar o ecossistema industrial e aproveitar todo o potencial da automação flexível, abrindo novas oportunidades de negócios, combinando o 5G e Indústria 4.0”, completa Ekholm.

Os dois parceiros já estão monitorando rapidamente a introdução de uma nova geração de tecnologias inteligentes de fábrica, com a Ericsson implantando um sistema de automação inteligente em suas fábricas em Tallinn, Estônia. A ABB forneceu uma solução de célula robótica flexível totalmente automatizada que monta rádios 5G para a Ericsson.

Na Hannover Messe 2019, a ABB e a Ericsson exibem suas tecnologias mais recentes e inovadoras e mostram como estão capacitando a “fábrica do futuro” com a mais recente tecnologia de robótica flexível, tecnologias sem fio, 5G, IoT industrial e controle de movimento.

Saiba mais sobre a participação da ABB na Hannover Messe: http://new.abb.com/news/detail/18282/abb-showcases-pioneering-technologies-in-digital-industries-at-hannover-messe/

Tags, , ,