Page

Author admin

FUTURECOM: Kurier aborda os impactos da Inteligência Artificial no setor jurídico

No dia 29 de outubro, a Kurier, empresa pioneira em tecnologia e inteligência jurídica, estará presente na Futurecom, maior evento de Transformação Digital da América Latina, com a palestra “Inteligência Artificial e Impacto nos Operadores da Justiça”, voltada ao setor jurídico. Fred Ferraz, Diretor Comercial da empresa e palestrante, discutirá como a IA pode ajudar a agilizar a demanda e identificação de processos em andamento que ainda não possuem jurisprudência concluída em instância superior.

Segundo o State of Connected Customer, embora apenas 24% das organizações utilizem a Inteligência Artificial, 56% estão buscando, por meio da IA, formas de otimizar tarefas usualmente realizadas por seres humanos. Além disso, projeta-se um crescimento de 143% desse tipo de tecnologia nos próximos 18 meses. “A Inteligência Artificial já faz parte da nossa vida cotidiana e está ganhando cada vez mais espaço também no setor jurídico. Precisamos discutir o assunto e, na Futurecom, será uma excelente oportunidade de termos esse espaço e compreendermos como a tecnologia impacta diretamente a forma de trabalho e o dia a dia dos operadores da Justiça”, afirma Ferraz.

“Inteligência Artificial e Impacto nos Operadores da Justiça”

Data: 29 de outubro
Horário: 17h20
Local: Sala FutureJUD – São Paulo Expo (Rod. dos Imigrantes – Vila Água Funda – São Paulo/SP)
Mais informações: http://www.futurecom.com.br/pt/home.html

Tags, ,

Abstartups divulga mapeamento de startups do Sul

Buscando compreender o ecossistema de startups nas mais diversas regiões do país e suas características locais, a Associação Brasileira de Startups (Abstartups) acaba de divulgar o 3º mapeamento de startups por região, desta vez, do sul do país.

Com nove comunidades, entre elas Vale do Pinhão, Comunidade RS, Campos Valley, Desbravalley e outras, o estudo foi realizado entre os meses de setembro e outubro deste ano, trazendo dados interessantes em relação ao perfil dessas empresas, como porte, perfil dos fundadores e setor de atuação, incluindo informações das comunidades.

Com 1704 startups ativas na região, sendo Porto Alegre, Curitiba e Florianópolis, com 21%, 16,6% e 10,8%, respectivamente; o ecossistema do sul é composto por empresas em fase de tração (38%) e operação (30%), sendo educação, soluções para o agronegócio e de saúde e bem-estar os maiores mercados de atuação dessas inovações.

“No levantamento, ficou claro que as 16 comunidades são diferentes entre si, mas muito unidas no sentido de pertencimento e compartilhamento entre as cidades que, muitas vezes, coexistem em incubadoras, centros tecnológicos e cases de sucesso, alavancando não só o desenvolvimento de uma comunidade, mas de uma região”, pontua o presidente da Associação Brasileira de Startups, Amure Pinho.

Apesar de 67% das startups locais ainda terem recebido incentivos externos, outros 19% receberam aportes de investidores anjos, e 30% já foram aceleradas ou incubadas. Se tratando de modelos de negócios, o SaaS (50,35) e Marketplace (14,5%) são maioria, operando, em grande parte (54,7%) para outras empresas, em negócios B2B.

Para acessar o mapeamento completo, acesse: http://abstartups.com.br/mapeamento-sul

P&G convida estudantes universitários a participarem do CEO Challenge 2020

Pelo quarto ano consecutivo, a P&G anuncia o CEO Challenge, desafio global voltado para jovens talentos do mundo inteiro. O principal objetivo do projeto é convidar os estudantes a solucionarem um case real de uma de suas marcas. Nesta edição, os participantes resolverão uma estratégia de negócios para a marca Pantene. Os jovens interessados devem inscrever suas equipes e realizar o teste online no site www.pg-ceochallenge.com até o dia 17 de novembro.

Para participarem, as equipes precisam ser compostas por três pessoas, de diferentes áreas de conhecimento. Aquelas que tiverem os melhores resultados na etapa online participarão da final local no dia 13 de dezembro, no escritório da companhia em São Paulo. O vencedor defenderá o Brasil na final regional que ocorrerá em Bogotá, Colômbia, em março. Nessa etapa, a equipe enfrentará jovens de outros oito países: Argentina, Chile, Colômbia, Costa Rica, Panamá, Peru, Venezuela e México.

A final global do P&G CEO Challenge será realizada no México, em junho de 2020. Nesta fase, as melhores equipes das regiões da América do Norte, Ásia-Pacífico, América Latina, China, Europa e IMEA (Índia, Oriente Médio e África) disputarão o prêmio e terão que apresentar suas soluções e estratégias ao CEO da P&G, David Taylor. O grupo vencedor ganhará a oportunidade de participar do Signal, maior evento de inovação da P&G no mundo, realizado nos Estados Unidos, em Cincinnati.

“Na P&G nós estamos comprometidos com as novas gerações e acreditamos que o P&G CEO Challenge é uma excelente oportunidade para os alunos demonstrarem as habilidades e os conhecimentos adquiridos durante suas fases acadêmicas. Encarar uma situação real de uma multinacional como a P&G é uma grande experiência e os ajudará em seus desenvolvimentos profissionais”, diz David Taylor, CEO da P&G.

Em 2019, 496 equipes latino-americanas se inscreveram no projeto e foram mais de 30.000 estudantes de todo o mundo. Esse número deve aumentar para a edição de 2020. Vindos da Venezuela, María Valentina Weill, Valeria Zamora, Sophia Santi e David Matheus foram os vencedores participaram do Signal, onde conheceram David Taylor.

“Definitivamente, recomendo a todos que participem. O Desafio CEO da P&G me deu uma nova perspectiva de negócios e me tornou muito mais consciente dos desafios que as empresas enfrentam e das ferramentas que eles têm para resolvê-los. No geral, superou todas as minhas expectativas, foi uma grande experiência cultural, de aprendizado e de networking. As únicas oportunidades desperdiçadas são aquelas que não aproveitamos, portanto não perca essa”, explica David Matheus, participante e vencedor da edição de 2019.

O Desafio CEO da P&G, além de oferecer aos jovens a oportunidade de demonstrar inteligência fora da sala de aula em escala global, oferece aos participantes uma experiência na qual conviverão com estudantes de todo o mundo, bem como com líderes da P&G, o que é uma grande oportunidade de networking.

Para mais informações acesse: www.pg-ceochallenge.com.

Vendas crescem 9,9% durante Dia das Crianças, aponta Abrasce

Os shopping centers brasileiros registraram alta de 9,9% nas vendas durante o período destinado às compras para o Dia das Crianças, em comparação com 2018, segundo o Índice Cielo de Varejo em Shopping Centers – Abrasce (ICVS-Abrasce). O índice considera os segmentos relacionados diretamente ao público infantil, como brinquedos, vestuário, games, livraria e papelaria. Os dados são referentes ao período de 8 a 14 de outubro deste ano.

Outro destaque é o valor do ticket médio, que registrou crescimento de 1,9% em relação ao mesmo período do ano passado. Nos shoppings, os consumidores gastaram, em média, R$ 152,00 – número 1,4 vezes maior do que o registrado pelas lojas de rua.

Segundo Glauco Humai, presidente Abrasce, o crescimento superou a estimativa do setor. “Neste ano, os shoppings esperavam uma alta em torno de 6%. Com uma economia ainda em recuperação, superar a expectativa reforça nosso otimismo em encerrar o ano com alta nas vendas. Além disso, o resultado nos mostra que os investimentos dos shoppings em eventos de lazer e entretenimento foram assertivos e são ações que reforçam o conceito de que, hoje, os empreendimentos são muito mais do que apenas centros de compra”, afirma.

Instituto Ronald lança aplicativo para doações

O Instituto Ronald McDonald, que atua há 20 anos no antes, durante e após o tratamento de crianças e adolescentes com câncer, lançou o App Instituto Ronald McDonald, onde será possível realizar doações, acompanhar o andamento dos projetos da instituição e acumular pontos que podem ser trocados por prêmios. O App é disponibilizado gratuitamente para Android e IOS.

O lançamento do App acompanha uma tendência no mercado brasileiro: segundo uma pesquisa divulgada pela empresa Spotlight on Consumer App Usage, o Brasil ocupa o segundo lugar no ranking de países com maior número de aplicativos utilizados por mês, ficando atrás apenas da Índia. Além disso, a última Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), realizada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), revela que 94,6% dos internautas preferem utilizar dispositivos móveis para funções que vão além da comunicação.

Para os interessados em fazer doações através do aplicativo, o processo é muito simples: basta o usuário cadastrar seus dados e o seu cartão. Depois, é só selecionar o valor que será doado – a partir de R$5,00. O usuário também poderá escolher fazer uma doação pontual ou mensal.

Outra vantagem do uso do App é a possibilidade de acompanhar o andamento dos projetos, eventos e ações realizadas pelo Instituto Ronald. Os usuários também receberão notícias sobre a oncologia pediátrica e o terceiro setor. A cada doação ou indicação para amigos, o doador acumula pontos que podem ser trocados por prêmios da instituição, como bloquinhos personalizados, canetas, pins, entre outros.

Organizações sem fins lucrativos, como o Instituto Ronald, dependem do apoio de empresas e doadores para colocar em prática os projetos e programas em prol de causas. E como o Instituto atua ao redor do Brasil? Desde sua fundação, em 8 de abril de 1999, o Instituto Ronald McDonald – vencedor do prêmio de Melhor ONG em saúde e classificado entre as 100 melhores ONGs do Brasil de acordo com o Instituto Doar e a Revista Época – age nas principais necessidades no antes, durante e após o tratamento, através do desenvolvimento e da coordenação de programas como Diagnóstico Precoce, Atenção Integral, Espaço da Família Ronald McDonald e Casa Ronald McDonald.

eSolidar é selecionada para hackaton na Blockchain Week em São Francisco

A eSolidar , plataforma de impacto social que oferece às instituições de caridade ferramentas fáceis para atrair recursos e aumentar a visibilidade, foi selecionada para participar do DeFi (Hackathon de Finanças Descentralizadas), entre os dias 1 e 3 de novembro, e que faz parte da Semana Blockchain de São Francisco, nos Estados Unidos.

O DeFi é um evento de três dias que utiliza software de código aberto e redes descentralizadas para transformar tradicionais produtos financeiros em soluções confiáveis e transparentes. Além disso, conta com uma programação intensa de palestras que abordam a tecnologia e o mundo financeiro.

O objetivo do projeto de ImpactMarket realizado pela eSolidar é desenvolver uma infraestrutura descentralizada que assegure transparência dos donativos, remova intermediários e forneça serviços financeiros a quem mais precisa (em especial a pessoas que não utilizam bancos, mas podem usar esses serviços e a pessoas em países em desenvolvimento). Durante a estadia em São Francisco, a equipe irá trabalhar em um mecanismo de Universal Basic Income e de microcrédito para ser implantado em algumas das maiores favelas do Brasil.

Esse protótipo será construído com apoio da Celo, empresa com protocolo descentralizado focado em mobile e permitirá acesso a serviços financeiros a pessoas que não possuem conta bancária, mas eventualmente podem precisar dos serviços.

“Vemos esta tecnologia (blockchain) com um enorme potencial, em especial para a indústria da filantropia onde existe uma grande falta de transparência, de confiança e de acesso a serviços financeiros, que é uma das principais razões para a pobreza. Vamos aproveitar estas semanas para trabalhar junto de parceiros, como a Celo, para construir um sistema financeiro focado em quem mais precisa. Quase como uma versão descentralizada do Grameen Bank acessível a qualquer pessoa no mundo com smartphone”, explica Marco Barbosa”, explica Marco Barbosa, CEO da eSolidar.

Para representar a eSolidar e trabalhar essa a ideia estarão presentes Marco Barbosa (CEO), Miguel Vieira (CTO), Miguel Rodrigues (Backend Developer) e Afonso Barbosa (acionista).

Ao final do hackathon, o projeto será apresentado para um júri que dará as contribuições a respeito e anunciará o ganhador.

DeFi Hackaton

Dia 22 de outubro, terça-feira, das 9h30h às 18h30

Local: Terra Gallery & Event Venue

511 Harrison St, São Francisco, CA 94105
http://www.hackathon.sfblockchainweek.io/

Participação dos provedores regionais no mercado de banda larga brasileiro: um olhar sobre a última década

Por André Felipe Rodrigues

Somos cada vez mais movidos pela internet. Há 20 anos, se o Google deixasse de funcionar, não causaria impacto algum em nossas vidas. Hoje, quando alguma rede social muito utilizada, como o WhatsApp, fica fora do ar, a situação pode acabar se tornando caótica. Nos tempos atuais, a internet deixou de ser um recurso restrito a alguns setores e grupos sociais e passou a ser um bem acessível para a maior parte da população.

Digo para a maior parte, pois ainda existem lugares que não são conectados. Porém, como vou mostrar ao longo deste artigo, o número de excluídos digitais tem se reduzido cada vez mais, devido, principalmente, aos esforços dos provedores regionais em levar internet para regiões afastadas dos grandes centros.

Aumento de acessos à internet ao longo dos anos

No início dos anos 2000, a instalação de pontos de acesso de banda larga no Brasil caminhou lentamente. O principal fator que influenciou na demora da popularização da internet foram os altos custos da tecnologia necessária para fazer as conexões (na época, a fibra ainda era extremamente cara), o que consequentemente acarretava em custos altos para os consumidores.

Em 2005, a velocidade média da internet via banda larga, estimada pela ABRINT, era de 2 Mbps e o preço médio era de R$ 100 por Mbps. Já em 2010, a velocidade passou a ser de 4,41 Mbps, com um custo de R$ 21,2 por Mbps, e agora, em 2019, a velocidade média é de 24,62 Mbps e o custo é de R$3,5 por Mbps. Vale a pena ressaltar que em 2005, quando os preços ainda eram muito elevados, 57,4% da população brasileira utilizava internet discada e somente 1,33% acessava via banda larga (dados PNAD 2005).

Curiosamente, conseguimos perceber muito bem esse período de expansão das conexões da banda larga em domicílios quando lembramos da ascensão e declínio das Lan Houses, muito populares entre 2005 e 2008. Durante o período, os estabelecimentos viram um aumento de 75% dos frequentadores. No entanto, esse cenário começou a mudar a partir de 2010. De acordo com pesquisa do TIC Domicílios e Usuários 2011, 67% dos acessos à internet eram feitas em casa e apenas 28% nas Lan Houses.

De acordo com a PNAD 2009 (Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios) do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), no final daquele ano haviam 67,9 milhões de brasileiros com acesso à internet, crescimento de 21,5% em relação a 2008. Já o TIC Domicílios 2011, produzido pelo Cetic.br (Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação) apontou que, em 2010, pouco mais de um quarto (27%) dos domicílios no Brasil possuíam pontos privados de acesso à internet. Para se ter uma ideia, entre esse ano e 2018, data do último TIC Domicílios, este número subiu para 67% (46,5 milhões). No entanto, apesar dessa expansão, 30% dos domicílios em áreas urbanas e 56% dos localizados em áreas rurais ainda não possuem conexão à internet.

Com o passar dos anos, as tecnologias foram evoluindo e o custo de instalação das redes foi diminuindo, o que ajudou a expandir as redes de banda larga pelo Brasil. De acordo com a Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações), de 2005 para 2018, o número de acessos à internet via banda larga fixa cresceu 276% – ainda segundo a Agência, o market share da fibra óptica aumentou de 0,53%, em 2007, para 18,50% em 2018. Atualmente, a tecnologia corresponde a 22,9% de todas as conexões de banda larga no Brasil.

Importância e participação dos provedores regionais no Brasil

Nosso país é muito grande, tanto em território quanto em população — são 202 milhões de pessoas vivendo em um território de 8 milhões de km², dividido em 26 estados e 5.569 municípios.

Por muito tempo, as grandes operadoras de telecomunicações focaram suas operações nos grandes centros e capitais brasileiras, atendendo, primariamente, bairros nobres e bem localizados para depois irem abraçando, aos poucos, as periferias. Desta forma, parte da população brasileira, principalmente habitantes de interiores e regiões afastadas, viveu (e em alguns lugares ainda vive) sem acesso à internet.

Os provedores foram os primeiros que se aventuraram pelas regiões afastadas do Brasil e realizaram o trabalho de conectar milhares de pessoas ao mundo online. Em 2010, os provedores regionais representavam 10% do mercado e hoje chegam a 27%, tornando-se o segundo maior grupo de banda larga fixa no País, sendo responsável por mais de 8 milhões de acessos. De acordo com a Anatel, grande parte dos municípios (78,2%) possui cinco ou mais ISPs ativos.

Mas os provedores não aumentaram apenas seu market share. Em 2018, o grupo foi responsável por 83% (1,5 milhão) dos novos acessos de banda larga no Brasil, enquanto as grandes operadoras por apenas 17%. De acordo com a Anatel, o Brasil fechou agosto deste ano com 32,5 milhões de conexões fixas, sendo que 8,5 milhões delas foram realizadas via fibra óptica.

Apesar do crescimento contínuo da participação dos ISPs no mercado da banda larga fixa, ainda é preciso realizar um trabalho de conscientização quanto à importância do preenchimento da base de dados da Anatel. Na realidade, esse é um dos maiores entraves em se tratando do monitoramento do crescimento dos provedores regionais. Nosso trabalho já é reconhecido e divulgado nacionalmente, já que somos os responsáveis por conectar cerca de 8,2 milhões de domicílios à internet. No entanto, muitos provedores ainda deixam de enviar os dados de acessos e conexões corretamente à Anatel, o que acaba, às vezes, gerando dados aquém da realidade.

Ainda temos muita base e território para cobrir e muitas pessoas a quem levar conexão de banda larga – apesar do crescimento contínuo dos acessos, ainda há muito a ser feito. Enquanto a expansão da internet não for considerada realmente uma prioridade nacional, e isso acontece por meio de uma política pública bem articulada entre todos os entes públicos e privados envolvidos na expansão da infraestrutura, muitos brasileiros demorarão mais alguns anos para conseguir acessar à internet de seus domicílios.

André Felipe Rodrigues, presidente do Conselho Administrativo da ABRINT (Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações)

Estudo do NIC.br analisa o acesso e o uso da Internet na cidade de São Paulo

Em esforço inédito de análise das dinâmicas de exclusão social e digital estabelecidas na cidade de São Paulo, o Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br) lançou nesta segunda-feira (28/10), o estudo setorial “Desigualdades Digitais no Espaço Urbano: Um estudo sobre o acesso e uso da Internet na cidade de São Paulo”. O lançamento ocorreu durante o Seminário “Mapeando as desigualdades digitais: novas metodologias e evidências para políticas públicas”, que reuniu especialistas em torno do debate sobre o atual cenário de acesso e de uso da Internet no espaço urbano.

Com o apoio do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (Cebrap) e do Centro de Estudos da Metrópole (CEM) e suporte metodológico do projeto “DiSTO – From Digital Skills to Tangible Outcomes”, da London School of Economics (LSE), o novo volume da série “Cadernos NIC.br – Estudos Setoriais” revela que a incorporação das tecnologias da informação e comunicação (TIC) na vida dos paulistanos tem ocorrido de maneira desigual nas diversas regiões da capital paulista.

Partindo da leitura desagregada de indicadores coletados para as 32 subprefeituras da maior metrópole brasileira e metodologia adotada internacionalmente, o estudo aponta relações entre exclusão digital e exclusão social, ainda mais evidente em subprefeituras localizadas nas regiões mais vulneráveis socioeconomicamente. “As desigualdades observadas entre as populações de áreas mais desenvolvidas socioeconomicamente e aquelas que vivem em áreas com maior vulnerabilidade social sinalizam a importância de se dar atenção a políticas públicas mais focalizadas”, pontua Alexandre Barbosa, gerente do Cetic.br.

A subprefeitura de Perus foi uma das exceções observadas. “Apesar de ser uma região socioeconomicamente menos favorecida, com altos índices de exclusão social, pudemos verificar um baixo índice de exclusão digital. Isso poderia ser explicado pela grande presença de jovens nessa região, que acaba impulsionando o uso da Internet e a realização de atividades on-line”, explica Barbosa.

Outras duas subprefeituras consideradas como casos inesperados foram Campo Limpo e M´Boi Mirim, localidades que apresentam baixa concentração de idosos em relação ao resto da cidade e desempenho mediano em relação aos indicadores de mortalidade infantil e de concentração de áreas residenciais de baixo padrão. Segundo o estudo, a exclusão digital observada nessas regiões pode ser associada a questões geográficas. M´Boi Mirim fica localizada junto aos mananciais da cidade, território que contém, além de áreas de preservação ambiental, propriedades rurais; isto poderia apontar para um pior desempenho no indicador de infraestrutura para inclusão digital.

A evolução dos indicadores digitais na cidade de São Paulo e uma análise da apropriação das TIC em cidades como Londres e Los Angeles também são abordadas no estudo, disponível para download gratuito em: http://cetic.br/publicacao/desigualdades-digitais-no-espaco-urbano-um-estudo-sobre-o-acesso-e-o-uso-da-internet-na-cidade-de-sao-paulo/

TIC Domicílios 2018

Também durante o Seminário “Mapeando as desigualdades digitais”, foi lançada a publicação da TIC Domicílios 2018 , que reúne artigos e análises sobre os resultados já divulgados da pesquisa. A 14ª edição da TIC Domicílios revelou que 70% dos brasileiros são usuários de Internet, o que corresponde a 126,9 milhões de pessoas. No recorte por classe socioeconômica, houve avanço no percentual de usuários das classes DE, que passou de 30% em 2015 para 48% no último ano. Em relação ao tipo de dispositivo, a maior parte dos usuários das classes DE acessa a rede exclusivamente pelo celular (85%), enquanto 2% utiliza apenas pelo computador e 13% se conecta tanto pelo aparelho móvel quanto pelo computador. Acesse a publicação na íntegra: http://cetic.br/pesquisa/domicilios/publicacoes

Software na nuvem simplifica processos de RH em empresas de pequeno e médio porte

Tornar a área de Recursos Humanos menos burocrática, promovendo uma melhor experiência entre empresas e colaboradores, é um dos principais objetivos de gestores e administradores. E foi com essa visão que os empreendedores Marcelo Furtado, Rodrigo Silveira e Anderson Poli fundaram, em 2012, a Convenia . A ideia do negócio surgiu quando eles olharam para trás e perceberam que, apesar da carreira promissora que tinham, sentiam-se mal geridos nas empresas em que trabalhavam.

Então, juntos, decidiram desenvolver um software para auxiliar nos processos de departamento pessoal de pequenas e médias empresas, otimizando e desburocratizando o RH, da contratação ao desligamento de um funcionário.

A plataforma, que é a primeira em nuvem desenvolvida para gerir pessoas no Brasil, permite ao departamento pessoal controlar desde pagamento até o feedback dado aos colaboradores. Além disso, oferece baixo custo para as empresas, sendo 100% digital, e segurança em informações sigilosas.

De acordo com Marcelo Furtado, fundador e CEO do Convenia, um dos pilares no desenvolvimento do produto é uma visão focada nas dores dos clientes; ou seja, pequenas e médias empresas, que contam com operações menores, o que não significa problemas menores.

“Se identificarmos algo que ainda não fazemos, isso vai para a área de design de produto, que constrói protótipos e volta a validar com os clientes que as solicitaram. Só a partir da aprovação dos próprios clientes que fizeram o pedido e de resolver de fato uma dor deles, que nos damos por satisfeitos”, explica Furtado.

Ele acrescenta que uma das vantagens de gerir um RH com um software como o Convenia é a otimização do tempo que a ferramenta oferece. Além disso, evita prejuízos e futuras perdas para a empresa como o pagamento de férias duplicadas; multas do eSocial, como, por exemplo, pela falta do envio de informações da movimentação de pessoal; erros em benefícios e até processos trabalhistas.

“A tecnologia em si não muda a vida de nenhuma empresa. Porém, aliada à nova forma de pensar do profissional de RH, transforma a maneira como se conhece a gestão de pessoas, ao ajudar empresas a serem mais humanas”, analisa o CEO da Convenia.

Inovação tecnológica passa primeiro por fintechs e bancos de varejo

A ACI Worldwide, líder global no fornecimento de soluções bancárias e de pagamento eletrônico em tempo real, junto da consultoria de pesquisa Ovum, uma das líderes no segmento no mundo, lançou o Índice de Cultura da Inovação, estudo que aponta que 100% dos bancos pesquisados no mundo todo têm a inovação e transformação de negócios como prioridade para os próximos anos, incluindo planos de desenvolver serviços novos e inovadores, nos setores bancário, comercial, intermediário e para grandes corporações.

Foram 1.200 empresas consultadas e a descoberta principal do estudo é que as fintechs lideram no aspecto inovação de negócios no mercado financeiro. Segundo o Índice, os pagamentos em tempo real são um importante fator de inovação entre as instituições financeiras, enquanto os operadores comerciais e as grandes corporações estão focados em novas opções de pagamento (especialmente móveis), com a segurança do pagamento sendo uma preocupação constante. Além disso, os pioneiros em todos os setores planejam transferir cargas de trabalho de missão crítica para a infraestrutura de nuvem pública este ano ou em 2020.

Outros dados interessantes:

• 96 (100)% dos bancos de varejo, 94 (100)% dos bancos corporativos e 92 (94)% dos intermediários, globalmente, relatam que desenvolverão serviços novos e inovadores, além de seus investimentos em PTR em 2019/20

• 82 (86)% dos bancos corporativos, 74 (87)% dos bancos de varejo e 79 (76)% dos intermediários (84% (80%) das fintechs), globalmente, planejam migrar cargas de trabalho críticas para a infraestrutura de nuvem pública em 2019/20

• 91 (99)% afirmam que a migração para o setor bancário aberto ajudou a mudar a maneira como abordam o fornecimento de novos produtos e serviços, com 89 % (99% dos bancos) explorando ativamente uma estratégia de plataforma

• A segurança continua sendo uma das principais preocupações das empresas, com 50% sofrendo roubo de dados de pagamento (contra 22% no estudo do ano passado)

• Na América Latina, os investimentos para aprimorar os recursos de pagamento back-end são uma agenda forte, com 51% citando-os como uma das três principais prioridades do projeto. A segurança (47%) é a segunda prioridade, seguida pelo aprimoramento da validação de pagamentos (43%)

Nubeliu oferece serviços em nuvem na América Latina

A adoção de cloud computing está se tornando cada vez mais comum nas organizações. Para ajudar as empresas a lidar com o tema de forma clara e objetiva, a Nubeliu, empresa do grupo Logicalis especializada em serviços e projetos para ambientes de computação em nuvem, possui um time dedicado de especialistas e um portfólio fim a fim – desde o planejamento e consultoria, até serviços gerenciados e otimização das aplicações.

Além dos inúmeros benefícios que cloud pode trazer para os negócios, como escalabilidade de aplicações e aceleração do time-to-market; uma das suas maiores vantagens é a pluralidade de ofertas e serviços, o que possibilita atender grande parte das necessidades de cada aplicação. Com um catálogo diversificado e amplo, a escolha do fornecedor está fortemente relacionada às características do uso de cada cliente; e, na maioria dos casos, o ambiente multicloud é o mais indicado. Com um olhar agnóstico, a Nubeliu analisa cada workload e aplicação do cliente, para planejar, de forma criteriosa, qual parceiro de nuvem é indicado para cada ambiente avaliado.

“É importante dizer que a nuvem não é para tudo e nem para todos. Existem diversas nuvens com serviços e produtos distintos nas prateleiras e, em muitos casos, o mais indicado é escolher diferentes fornecedores para estar em um ambiente multicloud, onde os serviços escolhidos são os mais adequados para cada aplicação específica”, comenta Rodrigo Benzaquen, CEO da Nubeliu.

Segundo o IT Snapshot 2019, pesquisa da Logicalis que mostra o panorama de adoção das tecnologias no mercado brasileiro, mais de 42% dos executivos entrevistados já executaram totalmente ou parte de seus planos de migração para nuvem. Entretanto, uns dos principais inibidores para a adoção da tecnologia é a complexidade da integração com legado, receio de dependência de fornecedor e custos de migração.

Focado em ajudar o cliente a iniciar sua jornada para nuvem, otimizar o ambiente cloud e oferecer as melhores opções para suas aplicações, a Nubeliu possui um portfólio fim a fim, incluindo planejamento e consultoria, criação do ambiente, serviços gerenciados e otimização. “Nós percebemos que, quando as empresas migram suas aplicações para a nuvem, acabam perdendo, em muitos casos, o controle de custos e do que efetivamente está consumindo. Nosso objetivo é construir uma jornada de sucesso para cloud, garantindo que nossos clientes utilizem dos benefícios de escalabilidade, melhor time-to-market, com controle e visibilidade de custo, segurança e transformação de suas arquiteturas”, conclui Benzaquen.

Nokia, TIM e SPI utilizam a música para demonstrar potencial da Indústria 4.0 na Futurecom 2019

A Nokia, a TIM e a SPI Integração de Sistemas vão levar até os visitantes da Futurecom 2019 demonstrações inéditas no Brasil de casos de uso da Indústria 4.0 conectadas à rede real 5G e ao 4G, envolvendo robótica, realidade aumentada, inteligência artificial e IoT. A primeira apresentação acontece hoje na cerimônia de abertura do evento e será comandada pelo Maestro João Carlos Martins, que contará com o apoio especial de um robô colaborativo da Universal Robots com a função de virar a partitura da música durante a exibição.

Os robôs colaborativos são uma realidade na indústria e irão suportar o modelo de negócios atual, no qual o consumidor exige demandas personalizadas e operações flexíveis. “Terei a companhia de um novo componente na Bachiana Filarmônica. Pela primeira vez vou reger com o apoio de um cobot. Resolvi adotá-lo como companheiro, por ser útil e por dar visibilidade à robótica colaborativa, que pode ajudar a melhorar a qualidade de vida de muita gente. Como a tecnologia está cada vez mais imersiva, além de adotar a robótica, decidi ir além e incluir uma experiência de realidade aumentada na programação da apresentação da Futurecom”, explica o Maestro.

A ideia da apresentação surgiu no ano passado quando Denis Pineda, country manager da Universal Robots, viu uma entrevista do Maestro dizendo que lhe tomava muito tempo decorar todas as partituras devido ao desconforto em virar as páginas durante a regência. “O princípio fundamental dos cobots é justamente ajudar as pessoas com tarefas repetitivas, perigosas e/ou insalubres, para que estejam empoderadas e prontas para utilizar a capacidade cognitiva mais e mais. Os cobots valorizam nossa humanidade”, comenta Pineda.

Após a entrevista do Maestro, Pineda entrou em contato com a SPI Integração de Sistemas, contando sua ideia e a empresa desenvolveu a arquitetura do sistema para o robô que estará na apresentação da Futurecom. “Aprender por meio de experiências lúdicas é um método muito eficiente de desmistificar e transmitir conhecimento, especialmente quando tratamos de temas complexos como tecnologia. Portanto, o primeiro contato do visitante com as tecnologias da Revolução 4.0, na Futurecom, será conduzido pelo Maestro João Carlos Martins na abertura da feira”, explica Marcos Barbosa, CEO da SPI Integração de Sistemas.

O robô móvel colaborativo da OMRON é outra experiência proporcionada pelas empresas durante a feira. O LD Mobile é um veículo autônomo inteligente (AIV), que representa uma tecnologia chave para a Indústria 4.0 e estará conectado pela rede 5G da TIM. O robô ficará circulando pela feira mostrando imagens do evento em tempo real e detectando pontos de interação, identificados por QRCode, funcionalidades chaves para viabilização de projetos com foco em eficiência operacional no chão de fábrica. “Na Futurecom teremos a primeira integração de um AIV com 5G na América Latina”, explica Edicley Machado, gerente de Marketing da OMRON do Brasil.

A SPI é responsável pela arquitetura de tecnologia de ambos os projetos, a Nokia oferece a infraestrutura e a TIM a conectividade nas redes 4G e 5G. “A Nokia cria a tecnologia que conecta o mundo. A ideia de unir arte e tecnologia para informar a sociedade sobre a Revolução 4.0 faz todo sentido dentro da nossa proposta de tornar a vida mais enriquecedora e as empresas mais produtivas por meio do desenvolvimento tecnológico”, complementa Renato Bueno, diretor de marketing da Nokia.

“Pioneira e protagonista nos casos de uso em rede 5G no Brasil, a TIM demonstra, mais uma vez, o potencial que a nova onda tecnológica poderá trazer para a Indústria 4.0, gerando novos negócios para as empresas e impulsionando o desenvolvimento do país. Estamos felizes em estar no centro das discussões, estimulando desde já a criação de um ecossistema favorável para o 5G”, afirma Leonardo Capdeville, CTIO da TIM Brasil. As experiências digitais idealizadas para o Maestro, para a Rosas de Ouro e com os AIVs continuarão evoluindo com o suporte da TIM após o evento.

Escola de samba “conectada”

A união entre tecnologia e arte também será focalizada na exibição da escola de samba Sociedade Rosas de Ouro na Futurecom. No Carnaval de 2020, a escola falará sobre as quatro revoluções industriais, com foco na Revolução 4.0, democratizando as informações sobre esta nova revolução que já iniciou. Para expandir a divulgação deste projeto e identificar novos parceiros para apoiar o desenvolvimento do enredo “Tempos Modernos”, a Rosas de Ouro se apresentará na Futurecom, nos dias 29 e 30 de outubro, às 18h, acompanhada do monitoramento das emoções de membros selecionados da bateria, via wearables, por uma experiência digital do Instituto Mauá de Tecnologia, via rede 4G.

“Apresentar o projeto na Futurecom é uma oportunidade incrível de divulgar nosso tema entre as principais empresas que estão por trás desta nova revolução industrial”, explica Angelina Basílio, presidente da Rosas de Ouro há 16 anos. A proposta da escola não se restringe ao desfile, ela pretende inovar por meio de experiências digitais, expandir os limites de tempo e espaço do desfile de carnaval. Estas experiências estão sendo desenvolvidas por um time formado por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Centro Universitário FEI, Instituto Mauá de Tecnologia, INSPER e outras universidades, com apoio do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), empresas provedoras de tecnologia e de consultoria.

Além da robótica e do 5G, a realidade aumentada também figura entre os destaques da feira. “Nós estamos desenvolvendo experiências de realidade aumentada, em parceria com a SPI e a Nokia para a apresentação do Maestro, para o carnaval da Rosas e para outras experiências digitais que serão surpresas na Futurecom. O potencial da realidade aumentada é algo fantástico, e é uma ótima maneira de contar a história desta Revolução 4.0. No estande da Nokia será possível conhecer um pouco dos bastidores sobre como estas experiências são desenvolvidas”, explica André Sernaglia, CEO da UMANTECH.

Serviço Futurecom 2019

Data: 28 a 31 de outubro / Horários: das 09h às 18h (Congresso) e das 10h às 20h (Feira)

Local: São Paulo Expo – Rodovia dos Imigrantes, km 1,5 – São Paulo – SP

Participação do Maestro João Carlos Martins: 28 de outubro às 20h

Participação especial show da Rosas de Ouro: 29 e 30 de outubro às 18h.

Tags, , , ,

Últimos dias para se candidatar ao programa de trainee do Grupo Prysmian

Jovens profissionais têm até quinta-feira, 31 de outubro, para se candidatar à edição 2020 do programa de trainee do Grupo Prysmian, o Build the Future.

Líder mundial em cabos e sistemas de energia e de telecomunicações, a multinacional italiana seleciona profissionais para uma experiência imersiva nas unidades da empresa no Brasil e no mundo.

Há 90 anos no Brasil, o Grupo tem sete plantas industriais e cerca de 1.5 mil colaboradores no País.

Como funciona?

O programa começa com uma imersão de duas semanas na matriz em Milão-ITA. A empresa apresenta um grande overview sobre os negócios e o mix de produtos, demonstrados na prática com a visita a uma das plantas industriais.

Os treinamentos são organizados pela Prysmian Group Academy em parceria com instituições de ensino especializadas em negócios.

Os selecionados têm a oportunidade de aprimorar o networking ao conhecer o CEO e, durante todo o programa, retornam pontualmente à matriz para participar de treinamentos e atividades com as principais lideranças do Grupo.

As duas semanas de integração possibilitam uma rotação de até nove meses de trabalho em três diferentes áreas da empresa no Brasil: Comercial, Pesquisa & Desenvolvimento e Operações em uma das sete plantas industriais no País.

Os últimos três meses, completando um ano de atividades após a imersão, ‘aquecem’ os profissionais para uma missão internacional de dois anos, abrindo oportunidades para abraçar uma nova cultura e adquirir novas habilidades.

Encerrada a designação internacional, os profissionais voltam ao Brasil para assumir uma nova responsabilidade nas áreas técnicas ou de negócios, iniciando a carreira júnior no Grupo Prysmian.

Quem pode se inscrever?

Podem se inscrever jovens recém-graduados (até 18 meses após a emissão do diploma) ou que estão prestes a encerrar a graduação em áreas do saber relacionadas a Engenharia, Administração e Economia.

É fundamental ser fluente em inglês, ter excelente capacidade e habilidades comunicativas e disposição para aprender e se relacionar com outros colegas. Experiências internacionais como estágios e intercâmbios são diferenciais.

Qual o cronograma?

Quem se inscrever até quinta-feira, 31/10, pode ter um final de ano de muitos compromissos em meio às festividades. As inscrições serão analisadas no início de novembro.

Os candidatos que se enquadrarem nos critérios de inscrição serão convidados para testes online. Até o início de dezembro, quem passar no teste online será chamado para atividades em grupo e entrevistas individuais.

Os aprovados nesta fase realizam ainda em dezembro uma nova entrevista individual, desta vez com uma seleção de gerentes do Grupo tanto a nível Brasil quanto global.

Quem for selecionado receberá uma proposta formal e inicia as primeiras etapas do programa entre março e junho de 2020.

Clique aqui para se inscrever.

IHARA é a nova sócia-fundadora da plataforma global de inovação Plug and Play

Em um movimento de ampliar ainda mais o tema inovação e trazer novas soluções para contribuir com o agronegócio brasileiro, a IHARA, empresa de pesquisa e desenvolvimento especializada em tecnologias e defensivos para a proteção de cultivos, anuncia uma parceria com a Plug and Play, empresa referência global em aceleração de startups, que inaugurou seu escritório no Brasil no último dia 18 de setembro, reforçando sua expansão internacional.

A parceria vai ao encontro da estratégia da IHARA de potencializar sua busca por inovações que beneficiem cada vez mais a agricultura. “Temos consciência de todos os desafios enfrentados no dia a dia pelo agricultor brasileiro, para que possam continuar produzindo alimentos de forma sustentável e rentável. Por isso, buscamos constantemente inovações e tecnologias que ajudem os agricultores nessa jornada”, afirma Clayton Veiga, diretor de Marketing e Pesquisa e Desenvolvimento da IHARA.

Nesta nova colaboração, a IHARA será uma das empresas responsáveis por selecionar startups do setor de agronegócios no Brasil. Com isso, a empresa espera dar mais um passo importante na busca por melhorias, através de uma imersão no universo de inovação, com troca de conhecimento e novas oportunidades para o mercado.

“É um prazer anunciar nossa parceria com a IHARA, reconhecida por trazer inovação e qualidade japonesa para a indústria agrícola brasileira. A agricultura forneceu a base para a civilização e as inovações no setor podem ajudar a salvá-la. Esta parceria entre a IHARA e a Plug and Play busca alcançar esse objetivo: a inovação é fundamental na agricultura e, juntos, seremos capazes de identificar tecnologias que não apenas ajudem a desenvolver a estrutura agrícola no Brasil, mas também a considerem uma referência em agricultura inovadora em todo o mundo”, destaca Saeed Amidi, CEO e fundador da Plug and Play.

Bionexo tem novo Chief Financial Officer

A health tech brasileira Bionexo, líder em soluções digitais para gestão em saúde, acaba de contratar Guillaume Rochy para o cargo de Chief Financial Officer (CFO), completando o quadro de C-Levels da companhia. O executivo chega para contribuir com o momento de crescimento da Bionexo e transformação do setor.

Guillaume é natural da França e tem 16 anos de experiência no mercado brasileiro, tendo trabalhado na área financeira de empresas de diversos portes e ramos de atuação, tais como Camil Alimentos, Clear Channel do Brasil, Gol Linhas Aéreas Inteligentes e Dalkia Brasil S.A. O executivo é graduado em Administração pela Universidade de Toulouse II e pós-graduado em Comércio Internacional pela Universidade da Sorbonne, com MBA em Controller da FIPECAFI/USP.

Com o desafio de fortalecer a governança corporativa da empresa que recebeu um aporte recente de R$ 95 milhões e tende a crescer substancialmente nos próximos anos, Guillaume chega para liderar todos os esforços financeiros da companhia. “Venho para a Bionexo com altas expectativas em relação à empresa, ao setor inserido e aos serviços desenvolvidos. Sei que a companhia possui um serviço inovador e o segmento é maravilhosamente desafiador”, conta o executivo.

Até o terceiro trimestre de 2019, mais de R$ 12 bilhões de reais foram transacionados nas plataformas da Bionexo, um aumento de 25% em relação ao ano de 2018 inteiro. Também nesse período, o número de novos clientes é 74% maior que o ano anterior. Ainda em 2019, a companhia está direcionando R$ 30 milhões apenas para a área de tecnologia e está contratando, ao todo, cerca de 270 novos colaboradores durante o ano.

A Bionexo oferece soluções digitais para gestão de processos em hospitais, clínicas e planos de saúde. Desde seu nascimento, a Health tech brasileira tem construído um ecossistema crescente de clientes em busca de transparência, eficiência e inteligência e, 19 anos após sua fundação, seu marketplace conecta cerca de 1.700 instituições de saúde e mais de 10.000 fornecedores de insumos. No Brasil, a companhia impacta cerca de 38% dos leitos privados e 64% dos de alta complexidade. A companhia é líder na construção de soluções digitais em nuvem para saúde e no fomento à inovação no setor, contribuindo decisivamente para a profissionalização e digitalização da cadeia de saúde no Brasil, Argentina, Colômbia, México e Espanha.

Accenture levará o “acesso às novas gerações” à Futurecom 2019

As novas gerações estão demandando cada vez mais a atenção das empresas para as suas necessidades. Com isso, as companhias precisam se antecipar e assumir a vanguarda do mercado, atualizando sua relação com a sociedade. A Accenture ꟷ com atuação e oferta de soluções em estratégias de negócios, consultoria, digital, tecnologia e operações ꟷ levará à Futurecom 2019, de 28 a 31 de outubro, o conceito Access the New Generations, em que apresentará soluções desenvolvidas para o setor de telecomunicações e mídia.

O espaço da Accenture no evento demonstrará experiências para a indústria, como o Content Intelligence, solução que examina a internet para extrair o conteúdo de determinada marca e avaliar o nível de conformidade com suas diretrizes. Ele monitora a identidade da marca nos canais e identifica lacunas que podem levar a um impacto negativo nas vendas.

Além das demonstrações, a Accenture levará um time de especialistas para palestras como a de Jefferson Wang – Co-líder global de 5G da Accenture , sobre a transformação tecnológica no setor de telecomunicações, apresentando as oportunidades da era digital e seus impactos sobre as estratégias e modelos de negócios na indústria. A lista completa de palestrantes e descrições dos temas está disponível no endereço: http://bit.ly/32xiw88

Confira a grade de demonstrações e palestras da Accenture na Futurecom 2019:

Sounding Off – Nesta demonstração, o usuário terá uma oportunidade exclusiva de personalizar a voz da sua marca com um misturador interativo de traços de personalidade, criando uma identidade sonora que adicionará uma nova dimensão ao envolvimento do cliente com canais de atendimento eletrônico.

AI-Drive Design – Reunir os avanços da inteligência artificial, neurociência e ciência do comportamento capacita os designers para trazer a ciência à arte do design. O usuário terá a oportunidade de criar um anúncio gráfico usando um editor simples de arrastar e soltar, com o auxílio de inteligência artificial generativa.

Adaptive Media + Econtent Intelligente Solution – Permite produzir instantaneamente um vídeo personalizado com base nos dados em tempo real, acionar ou inserir conteúdo no conteúdo programaticamente, criando um nível próximo de conversa personalizada com o cliente.

ADCC – Uma plataforma de comunicação que unifica e aprimora a experiência de comunicação do cliente. O ADCC é multicanal e pode integrar diferentes áreas e processos de uma empresa, reunindo todos os dados comerciais relevantes e transformando-os em informações inteligentes que podem ser compartilhadas em vários canais de comunicação.

Assistente Virtual Cognitivo – A solução simula um atendente de call center por meio da utilização de Inteligência Artificial e NLP. Essas tecnologias permitem que o cliente fale naturalmente com o assistente para solicitar a resolução de problemas, como emissão de segunda via de conta e agendamento de visita técnica, entre outras ações, sem necessidade de interferência de um atendente humano.

Modelo de Atribuição – Tem como objetivo entender o real impacto de cada canal de mídia nos resultados de negócio. A solução usa uma abordagem Data-Driven e mensura o impacto de todos os canais de mídia durante a jornada de compra de cada cliente, ao invés de atribuir o resultado apenas ao “last click”.

Cyber Security – Com o simulador certificado pelo Ministério da Defesa, é possível criar uma réplica virtual de toda a infraestrutura de uma empresa e, a partir disso, testar todos os cenários possíveis de ataques, bem como treinar e formar especialistas em defesa cibernética.

Memory Lane – Permite uma conversa convidando alguém que está sozinho para contar a história de sua vida – uma história que talvez nunca tenha sido contada. Depois de capturar todo o discurso, a discussão é convertida instantaneamente em um livro físico e em um podcast. Simplesmente, Memory Lane co-escreve uma história de humanos e máquinas que pode ser compartilhada pelos participantes com as gerações futuras. A tecnologia vem sendo utilizada com sucesso para auxiliar o tratamento de idosos vítimas de isolamento social na Suécia, ajudando na prevenção de depressão e Alzheimer.

Palestras:

Segurança Cibernética em uma Sociedade Hiperconectada e a Gestão de Riscos

Dia: Terça-feira, 29 de outubro

Horário: 9h30 – 10h40

Palestrante: André Fleury – Líder da Prática de Security Latam

Gestão de Tomada de Decisões Estruturada em BigData&Analytics nas Organizações Inovadoras

Dia: Terça-feira, 29 de outubro

Horário: 9h30 – 10h40

Palestrante: Robson Sano – líder de Applied Intelligence e líder da prática de Customer Analytics

5G como fator determinante na transformação dos negócios e serviços

Dia: Terça-feira, 29 de outubro

Horário: 11h20 – 12h40

Palestrante: Paulo Tavares – Diretor executivo da Accenture

A Vida das Pessoas em um Impactante Ambiente Digital cada vez mais influenciado pela Inteligência Artificial

Dia: Terça-feira, 29 de outubro

Horário: 16h20 – 17h40

Palestrante: Robert Duque-Ribeiro – Diretor Executivo e líder da Accenture Analytics para Brasil e América Latina

Data & Customer-Centric Business: Por que Machine Learning é o futuro da cultura de negócios?

Dia: Quarta-feira, 30 de outubro

Horário: 09h30 – 10h40

Palestrante: David Dias – Diretor da Accenture Technology

O consumidor no controle da programação: As novas tecnologias transformando o mundo de Broadcast & OTTs

Dia: Quarta-feira, 30 de outubro

Horário: 11h20 – 12h40

Palestrante: Luís Bonilauri – Líder de Media para Accenture Latam

PLC 79 e Fundos Setoriais – A urgência da aprovação da PLC 79 para realização de investimentos à infraestrutura de telecomunicações no Brasil

Dia: Quarta-feira, 30 de outubro

Horário: 11h20 – 12h40

Palestrante: Gilberto Major – Diretor de Strategy para Accenture América Latina

TIC Telco Transformation: As oportunidades da Era Digital e seus impactos sobre as estratégias e modelos de negócios

Dia: Quarta-feira, 30 de outubro

Horário: 16h20 – 18h00

Palestrante: Jefferson Wang – Co-líder global de 5G da Accenture

Tags, ,

CommScope destaca novo portfólio de conectividade de ponta a ponta para banda larga 10G, 5G wireless, fibra e smart cities na Futurecom 2019

Na Futurecom 2019 (evento que acontece de 28 a 31 de outubro em São Paulo), a CommScope apresentará o portfólio mais abrangente de soluções de convergência de redes da região, com tecnologias da ARRIS e Ruckus, empresas adquiridas pela CommScope.
A empresa exibirá pela primeira vez no Brasil seu portfólio completo de soluções para redes, destacando sua capacidade de alimentar redes futuras usando uma grande variedade de tecnologias, de rede sem fio 5G a banda larga 10G, cidades inteligentes e muito mais. Ao combinar as tecnologias ARRIS e Ruckus, a CommScope oferece aos clientes um nível sem precedentes de opções de soluções para convergência de redes.

“Os provedores de serviços da região da América Latina e Caribe enfrentam desafios únicos, que exigem uma ampla variedade de opções de produtos de comunicação e rede”, afirma Marcos Takanohashi, vice-presidente da área de vendas das CommScope para América Latina e Caribe na CommScope. “Quando você faz um investimento em rede, é fundamental ter um fornecedor confiável que coloque o sucesso do cliente em primeiro lugar e não tente direcioná-lo para opções limitadas de um portfólio restrito. Não existe uma solução que sirva para todos. Com o nosso portfólio, que combina várias tecnologias, a CommScope possui a mais ampla variedade de conhecimento e tecnologia para guiar nossos clientes em sua jornada de convergência de redes e conectividade.”

Destaques da CommScope na Futurecom

Em seu estande (E26) na Futurecom, a CommScope apresentará opções flexíveis de tecnologia para banda larga 10G em sua área Path to 10G Broadband, destacando a sua abordagem agnóstica em relação às tecnologias, arquiteturas e implementação de convergência de redes. A CommScope mostrará como pode ajudar os provedores de serviços a fazer a transição do Integrated CCAP (I-CCAP) atual para o DAA do amanhã e fibra no futuro. O portfólio da empresa não para de crescer, oferecendo aos provedores de serviços mais opções de gerenciamento. E os especialistas da CommScope estarão na Futurecom discutindo pela primeira vez na região da América Latina três novos avanços tecnológicos.

A CommScope anunciou recentemente avanços na arquitetura, velocidade da interface e desempenho de borda que trazem opções inéditas para os provedores de serviços. As soluções incluem:

  • DAA Aggregator, uma nova arquitetura que aumenta o número de residências atendidas pelos servidores RPD (de 20 a 40 para 150 a 300);
  • Extended Soft FDD, Frequency Division Duplex (FDD) e Extended Spectrum DOCSIS® (ESD), uma combinação de software que aumenta a velocidade das interfaces, ultrapassando 1,2 GHz, reconhecida como uma versão prévia do DOCSIS 4.0;
  • DOCSIS timing protocol, para aplicações urgentes de backhaul móvel, realidade virtual e aplicativos de controle de veículos autônomos, que farão parte do portfólio da empresa de arquitetura de acesso distribuído (DAA) e de 10G. Especialistas da CommScope estarão disponíveis para discutir todas as tecnologias acima no estande da CommScope na Futurecom.

Na área Path to 10G Broadband, os visitantes aprenderão sobre essas e outras soluções que já estão abrindo o caminho para a banda larga 10G, incluindo infraestrutura E2E ativa e passiva, DAA para vídeo e dados e a premiada plataforma E6000™ CCAP (híbrida, eCore e vCore).

O estande também terá as áreas Connected Home (casa conectada) e Smart Entertainment (entretenimento inteligente), com soluções como o novo Smart Media Device (SMD) da CommScope, que combina a funcionalidade dos gadgets mais importantes da casa conectada para criar uma interface totalmente nova e unificada para os consumidores digitais. Além disso, serão exibidas novas soluções da CommScope para Android TV, que colocam a experiência de entretenimento em um novo nível de personalização, combinando TV linear com recursos baseados na nuvem e aplicativos de terceiros.

A área Converged Wireless Networks (redes sem fio convergentes) destacará o portfólio da CommScope para cidades inteligentes. Com a tecnologia Ruckus, a empresa oferece a mais ampla variedade de soluções do setor, incluindo Wi-Fi® 6, CBRS, IoT e LTE. Nesse espaço, os visitantes também poderão visualizar as soluções da CommScope implementadas em São Paulo, onde recentemente o SmartZone Virtual Controller Ruckus® e os pontos de acesso Wi-Fi foram instalados nos hotspots do Google® Station. O projeto incluiu a substituição de 120 pontos de acesso Wi-Fi em operação na capital do estado e a implementação de outros 499, totalizando 619 pontos de acesso em toda a cidade, em locais como o Parque Ibirapuera e as estações de trem da CPTM.

A CommScope também exibirá o Virtual Tool App na área Converged Seamless Connectivity do estande.


Palestras da CommScope na Futurecom

Os especialistas da CommScope foram convidados para falar na Futurecom sobre dois tópicos importantes relacionados à conectividade:

Eduardo Jedruch, Presidente da Fiber Broadband Association para América Latina e gerente regional de vendas da CommScope, apresentará a sessão 5G Networks: Fiber Network Evolution, Requirements and Options – Indoor and Metro Opportunities (Redes 5G: Evolução, Requisitos e Opções da Rede de Fibra – Oportunidades Indoor e Metro). Nessa apresentação, Jedruch focará na evolução da rede de fibra e abordará as estratégias para suportar de forma eficiente a densificação de antenas para 5G e a demanda crescente por FTTx. A palestra acontecerá no dia 29 de outubro, às 15:20, na sala Arena Ecossistema Digital.

No dia seguinte (30 de outubro), às 16:40, José Tavares, Customer Success Manager da CommScope, apresentará a sessão Virtualization and Cloud Computing: What’s Next (Virtualização e computação na nuvem: o que vem a seguir), na sala Arena Ecossistema Digital. Nesta apresentação, Tavares falará sobre a virtualização de Converged Cable Access Platform (CCAP) e sobre as soluções de baixa latência DOCSIS baseadas em software que ajudam as operadoras a alocar e aumentar a capacidade de upstream e downstream.

Para saber mais sobre as soluções da CommScope, visite o estande E26 na Futurecom.

Tags, ,

Unidas neutraliza 100% das emissões de carbono de sua frota de carros

A Unidas – segunda maior locadora de automóveis do Brasil e líder no mercado de terceirização de frotas – neutralizou 100% das emissões de carbono (equivalente) da frota da companhia, tendo início na aquisição de créditos de carbono. A ação faz parte do programa de Responsabilidade Social Corporativa da Unidas, que promove um conjunto de ações que beneficiam os diversos públicos de relacionamento, levando em consideração o tripé de sustentabilidade: governança e gestão, social e ambiental.

De acordo com Luis Fernando Porto, CEO e fundador da Unidas, recentemente a empresa atingiu a marca de 150 mil carros na frota e, com o objetivo de contribuir com o esforço global de reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE), a companhia identificou as fontes de emissão e a contribuição anual da locadora em toneladas de dióxido de carbono equivalente, com esses resultados foi desenvolvido a estratégia de compensação.

“Temos a consciência de que todo crescimento vem acompanhado de grande responsabilidade e acreditamos que o nosso desenvolvimento sustentável só é possível se garantirmos um legado positivo para o nosso planeta e para as futuras gerações. Por isso, em 2019 nós avançamos com os nossos projetos sociais e demos um grande passo no pilar ambiental do programa de Responsabilidade Social Corporativa da Unidas”, explica Porto.

Ainda com relação às ações voltadas para a preservação dos recursos naturais, 90% dos carros da frota da Unidas possuem motores flex (que aceitam gasolina e etanol). Além disso, a empresa também adota e promove o consumo consciente junto aos colaboradores, com campanhas internas, utilização de equipamentos com selo Procel (Programa de Conservação de Energia Elétrica), entre outras ações.

No pilar social, além da promoção do voluntariado empresarial enquanto espaço de diálogo e ferramenta de transformação, a Unidas apoia instituições da sociedade civil e promove a educação técnica e profissionalizante junto à jovens em situação de vulnerabilidade. Para mais informações sobre o programa de RSC da Unidas, acesse: http://frotas.unidas.com.br/rsc/