Page

Author admin

OLX apresenta Sergio Povoa como Chief Human Resources Officer

A OLX anuncia a chegada do Chief Human Resources Officer, Sergio Povoa. O executivo vai liderar a área de Recursos Humanos com o intuito de, junto com o seu time, promover o desenvolvimento organizacional e capacitar talentos. Um de seus desafios será manter as equipes engajadas na cultura da empresa para entregar resultados de alto impacto com máxima eficiência e performance, em um período de crescimento acelerado.

“Minha expectativa é alavancar a OLX para ser reconhecida como a maior e melhor empresa de tecnologia do Brasil. Desde que cheguei fui muito bem acolhido por um time engajado e apaixonado. E, em conjunto com eles, quero que nossa cultura seja conhecida pelo mercado e que possamos atrair novos talentos com esse brilho nos olhos. Espero que esse seja um novo ciclo de muito desafio, suor, risos e conquistas”, afirma o executivo.

Sergio é formado em Administração de Empresas e possui MBA Executivo pela Fundação Dom Cabral e em Gestão de Recursos Humanos pela FGV. Com mais de 17 anos de experiência, ele começou a sua carreira como office boy no setor financeiro da Souza Cruz, onde posteriormente iniciou a jornada na sua área atual.

Com uma extensa trajetória, ocupou posições de liderança em grandes empresas, como Unilever, GE, Grupo Pão de Açúcar e Netshoes, onde foi Diretor de Recursos Humanos LATAM de 2014 a 2017. Antes de integrar o time da OLX, estava desde 2017 como Vice-Presidente de Recursos Humanos da Neoway.

Para o CEO da OLX Brasil, Andries Oudshoorn, a chegada do executivo fortalecerá ainda mais a estrutura da empresa. “Estou muito feliz em ter o Sergio liderando nossa equipe de Recursos Humanos. Ele terá o desafio de escalar a cultura única da OLX enquanto continuamos crescendo muito rápido e fazendo grandes investimentos em Tecnologia e Machine Learning”, destaca.

HP mira crescente mercado brasileiro de impressão 3D

Com base em sua liderança no setor de impressão 3D, a HP Inc. anuncia hoje a disponibilização comercial de seu portfólio de soluções de impressão 3D HP Jet Fusion e a expansão de seu negócio de impressão 3D e manufatura digital no maior mercado industrial da América Latina – o Brasil.

Conhecido como o motor econômico da América Latina2, o mercado manufatureiro do Brasil cresceu quase 4% ao ano3 e deve continuar essa trajetória ascendente nos próximos anos1, ao passo que a necessidade por manufatura digital sob demanda e produtos impressos em 3D continua aumentando. A mais nova revendedora HP, SKA, apresentará durante a Expomafe, de 6 a 11 de maio em São Paulo, suas inovações para a indústria 4.0, incluindo uma variedade de componentes impressos em impressoras 3D HP Jet Fusion.

A HP e a SKA trabalharam juntas na implementação e instalação de sistemas de impressão 3D da HP no amplo e sustentável ambiente de manufatura da Flex Ltda, localizado em Sorocaba. Com a instalação de impressoras 3D HP Jet Fusion, a Flex agora pode oferecer manufatura aditiva sob demanda a clientes locais, resultando na aceleração do design e da produção e na melhoria da eficiência em todo o ciclo de manufatura.

“Estamos felizes em trazer nosso conhecimento em impressão 3D e manufatura digital ao Brasil, um dos centros industriais mais robustos e de crescimento mais rápido na América Latina”, afirma Claudio Raupp, diretor administrativo da HP Inc. no Brasil. “A inovadora tecnologia de impressão 3D da HP está mudando os fundamentos da cadeia de suprimentos para produtos finais e de alto valor, ao acelerar a manufatura digital para produzir componentes onde e quando forem necessários. Estamos orgulhosos de trabalhar juntamente com a SKA, e animados para ver a Flex impulsionar a inovação utilizando tecnologia HP Multi Jet Fusion”, completa Raupp.

Mudando o jeito de o mundo desenhar e fabricar

Com seu potencial de revolucionar a produção em massa em todas as indústrias e atender à demanda do consumidor por produtos personalizados, a impressão 3D está abrindo o caminho da Quarta Revolução Industrial. Segundo o Fórum Econômico Mundial, o valor das transformações digitais na para esse momento é estimado em US$ 100 trilhões só nos próximos 10 anos, em todos os setores, indústrias e localidades. O setor manufatureiro, que há muito tempo impulsiona a prosperidade e o crescimento econômico globais, é essencial para essa transformação.

A HP é líder mundial no fornecimento de impressoras 3D para produção em plástico. Sua tecnologia de impressão 3D Multi Jet Fusion revoluciona o design, a prototipagem e a manufatura com sua capacidade exclusiva de controlar as propriedades dos componentes em cada nível do voxel. Isso permite o desenho e a produção de peças antes inconcebíveis e, no futuro, produtos com múltiplas propriedades físicas, como rigidez e flexibilidade variáveis, diversas cores e texturas, condutibilidade e comunicação elétricas. Só no ano passado, mais de 10 milhões de componentes impressos em 3D foram produzidos com a tecnologia HP Multi Jet Fusion.

Previsão de crescimento de dois dígitos

Os gastos mundiais com impressão 3D atingirão US$ 13,8 bilhões em 2019, de acordo com Guia de Gastos divulgado recentemente pela IDC. A América Latina tem tido um importante papel no renascimento da manufatura, e a tecnologia de impressão 3D promove uma onda de inovação e pensamento empreendedor entre os fabricantes – grandes e pequenos – em toda a região. Aliás, espera-se que a América Latina tenha um dos crescimentos mais rápidos em impressão 3D, com taxa de crescimento anual composta de mais de 25%1.

“Os benefícios da manufatura 3D e a velocidade, qualidade e economia de custos proporcionados pela tecnologia HP Multi Jet Fusion a tornarão a escolha certa para empresas em diversos setores no Brasil”, afirma Siegfried Koelln, presidente da SKA. “Temos experiência em impressão 3D, design mecânico e fabricação. Nossa equipe comercial especializada em impressão 3D foi treinada e certificada pela HP, GA. Além disso, estamos construindo um moderno laboratório para exibir a tecnologia HP Multi Jet Fusion em nossa sede em São Leopoldo, no RS”, complementa o executivo.

“Companhias que não se mexerem rápida e objetivamente serão deixadas para trás, e é por isso que estamos empolgados de ampliar nossa atual parceria com a HP para trazer a próxima geração de tecnologias de impressão 3D para a América Latina”, Leandro Santos, vice-presidente da Flex Ltda. “A solução corporativa de impressão 3D da HP é capaz de entregar peças físicas de qualidade superior com rapidez e eficiência de custo, o que dá a nossa companhia uma vantagem competitiva no futuro da manufatura digital”, finaliza Santos.

Indigo projeta contratar quase 1000 profissionais no primeiro semestre deste ano

A Indigo, líder mundial em gestão de estacionamentos e mobilidade individual, continua crescendo de forma consistente no Brasil. Para suportar o ritmo de novos negócios, a empresa já contratou mais de 550 profissionais nos primeiros meses de 2019. A expectativa é fechar o primeiro semestre de 2019 com mais 500 novos colaboradores.

Grande parte das oportunidades são para gerir e controlar os estacionamentos da empresa por 22 Estados, em especial nos segmentos de shopping centers e hospitais. Além de operadores de pátio e caixa, as contratações efetivadas e as oportunidades em aberto também contemplam cargos administrativos.

Com um quadro composto por mais de 3 mil colaboradores, a empresa entende que realização de treinamentos e desenvolvimento desses profissionais é parte fundamental para a estratégia de negócio, que prevê a qualidade no atendimento como um dos principais pilares. “Acreditamos no Brasil e temos convicção de que vamos continuar avançando em 2019. Para isso, precisamos continuar capacitando os nossos colaboradores para atender com excelência e proporcionar um melhor serviço ao cliente final.” comenta Roque Perachi, Diretor de Comercial da empresa no País.

Entre janeiro e abril deste ano, já foram realizadas por volta de 10 horas de capacitação para cada colaborador em cursos presenciais, com multiplicadores do conhecimento pelo Brasil, ou à distância, disponibilizados em uma plataforma de conhecimento online. Para 2019, já estão previstos mais de 30 treinamentos para todas as operações, organizadas de acordo com as necessidades de cada local, segmento e público.

Para visualizar as vagas disponíveis e cadastrar seu currículo no banco de dados da Indigo acesse o parkindigo.com.br/empresas/trabalheconosco/.

Quem quer ser chefe?

Por Rafael Cosentino, Presidente do Comitê do LIDE FUTURO

Em tempos de glorificação das posições de liderança, se você fizer essa pergunta em qualquer ambiente, provavelmente, sua resposta será que todos os presentes querem ser o chefe, mas afinal, o que realmente significa ser “o Chefe”?

Muitas pessoas confundem a ideia de ser chefe com a de ser empreendedor, livre, dono das próprias escolhas ou desafios e, por último e melhor, dono do seu tempo! Mas realmente, o ser “Chefe”, seja no seu próprio negócio ou como um executivo em uma corporação, não é todo esse glamour apresentado e, pior, por vezes, vem acompanhado de um lado obscuro e sombrio que o mundo dos reality shows não mostra na TV, as lives do Instagram omitem e a super foto do Facebook jamais mostrará.

Ser líder de qualquer unidade de negócio, vai além de apostar em diversas renúncias. Significa se transformar profissionalmente em psicólogo, advogado, consultor, parente, mentor e, ainda em momentos difíceis de tomada de decisão, quem sabe, envelhecer uns 20 anos e simplesmente não ter ninguém para compartilhar o seus problemas ou atual situação de carreira ou até de vida. Aliás, vivemos tempos de pessoas que se dizem incríveis, mas nunca avançaram até a página 2 dos seus negócios, ou nunca foram líderes de fato. É fácil encontrar nas mídias sociais, “Líderes ou empreendedores de sucesso”, mas qual é a real? Onde estão os números? Cadê o mérito no seu desafio? Ainda podemos fazer outras perguntas como estas, exatamente onde se abre o abismo entre chefe e colaborador.

Os desafios com o ser humano são muito mais importantes que os desafios técnicos, mas um ótimo comunicador sem técnica, não se sustenta no longo prazo. É necessário continuar o desenvolvimento das habilidades de forma que você consiga “fazer” caso seja necessário e, ainda mais importante, caso você não saiba, seja capaz de pedir ajuda e aprenda algo que seus liderados estão executando. Sem isso, uma liderança somente com incentivos e boa oratória, sem a parte técnica, não se sustenta, pois seus colaboradores desenvolvem o senso que o seu “Chefe” não faz a menor ideia do que está acontecendo e que está desqualificado para sua função, tornando-se um chefe superficial e sem profundidade nos assuntos.

Se você algum dia já se questionou quais eram as habilidades que você, como chefe, deveria desenvolver para ser um líder melhor, bem-vindo a este seleto clube que não possui manual de instruções. Provavelmente você já se sentiu sozinho na hora da tomada de decisão ou em meio a questionamentos infinitos, e também já esteve sozinho até tarde no trabalho. Ou pior: quando você se torna chefe e seus “amigos” do trabalho simplesmente deixam de almoçar com você ou de conversar sobre a vida particular, afinal, agora você possui o poder mágico do cargo e eles se sentem ameaçados com as possibilidades desse “poder”.

Não existem lições únicas, nem sempre a forma de uma pessoa liderar serve para outra, nem sempre uma decisão que funcionou para o projeto A funcionará para o projeto B. A forma de tratar um dos seus liderados não funciona com os demais. Nesse ponto, você descobre que quando virou chefe, também ganhou um novo título citado anteriormente, o de “psicólogo”. Além dos problemas do trabalho, você precisa ter a sensibilidade de entender se existem outros tipos de problemas externos que podem estar minando ou sugando a capacidade/atenção do seu liderado.

E aí que entra outro grande desafio: a Gestão de Pessoas. Nesse ponto você precisa engajar, seja ajudando, ensinando, preparando, mostrando para seu time que existe luz no fim do túnel e qual a direção que a empresa espera que o grupo reme e, quando necessário, fazer as correções necessárias. Todo curso sobre empreendedorismo, ou melhor, na minha opinião, todos os cursos superiores deveriam abordar gestão de pessoas como um item muito importante na formação de todos os profissionais. Uma gestão eficiente de pessoas pode levar um projeto para o sucesso, assim como uma gestão ineficiente pode desagregar um time, gerar contratações ruins, matar um negócio saudável e até transformar sucesso em insucesso.

Outro mito comum é o de que “chefe não trabalha”. Será? Por vezes ser “chefe” significa ter funções administrativas que só podem ser feitas por você, como apontado acima, desde gestão de pessoas, gerenciamento de recursos da sua área, desenvolvimento do orçamento anual, até se reportar ao conselho ou sócios da empresa ou ao seu superior. No caso de um empreendedor ou CEO, ainda cabe a este pensar de forma geral ou até desenvolver o futuro do seu negócio e fazer isso com uma linguagem que todos abaixo consigam entender e entrem no desafio de buscar esse futuro.

Nesse momento, me questiono, será que preencho todos os requisitos acima apontados? Com certeza não, mas algo que aprendi durantes estes anos como empreendedor é que não devemos ter medo de, em caso de dúvida, perguntar, em caso de inquietação, argumentar. Temos sempre que buscar novas soluções, mesmo que isso exija um exercício que já foi realizado com sucesso, sempre antes de falar, ouvir e, quando for necessário, ser duro. Acima disso, devemos sempre ser determinado e ético, buscando evoluir e aprender mais para se tornar mais completo e melhor.

Mas a lista de dificuldades não para por aqui. Existe um último inimigo que pode aparecer junto com o cargo do chefe: você mesmo, ou melhor, o seu “ego”. Do dicionário Dicio, ego é a parte central ou nuclear da personalidade de uma pessoa. Infelizmente, a frase que é atribuída à Abraham Lincoln “Quase todos os homens podem suportar a adversidade, mas se você quiser testar o caráter de um homem, dê-lhe poder” é extremamente verdadeira e atual. Uma atitude capaz de arruinar sua carreira e liderança é colocar seu ego à frente dos objetivos do seu negócio ou empresa. Óbvio que todos devemos ter um pouco de amor próprio e isso é ego, mas controlá-lo pode determinar seu sucesso como líder ou seu completo despreparo para assumir essa ardilosa e dura missão.

As conclusões sobre ser chefe são que, por vezes, você será psicólogo, por vezes ficará sem dormir preocupado com suas metas ou seu negócio, por vezes você não saberá o caminho ou a atitude que deve ser tomada, mas saberá para quem perguntar, por vezes você será o primeiro a chegar e o último a ir embora, por vezes você estará pronto para tomar uma decisão difícil, por vezes você fará o que ninguém espera e, por fim, ainda sim, você continuará desconfiado se você está no caminho correto e se é capaz de ser o líder que seus liderados esperam e precisam. Ser chefe significa carregar várias responsabilidades, desde as metas da empresa até a vida dos seus liderados. Essa responsabilidade não diminui com o tempo, pelo contrário, só aumenta e fica cada vez mais complexa.

Apesar de todos os desafios acima apontados, tenho a certeza de que a função chefe é incrível quando você consegue participar da evolução de um colaborador, seja no trabalho, seja na vida pessoal dele, ou quando com a sua liderança, seu time consegue entregar resultados melhores do que o esperado, ou ainda, quando você cresce a equipe e por mérito, reconhece o time e abre frente para antes um colaborador, agora se tornar chefe também.

Twitter divulga novo posicionamento de marca para o mercado B2B

O Twitter apresentou ao mercado publicitário nesta quinta-feira (9) seu novo posicionamento global de marketing B2B, #ComecePelasPessoas, concebido com base nos diferenciais de sua audiência, que é mais receptiva e influente que a média online.

A construção do novo posicionamento teve como ponto de partida características das pessoas que estão no Twitter, como mostra um estudo global realizado com a Kantar Media* em 23 mercados, incluindo o Brasil. De acordo com os resultados da pesquisa, as pessoas que utilizam o Twitter estão sempre em busca de novidades e entre as primeiras a experimentar novos produtos; são mais dispostas a compartilhar que a média online e influenciam amigos e familiares em suas decisões de compra. Elas são também receptivas e abertas a novas mensagens por apresentarem um mindset de descoberta ao acessar o Twitter; e estão mais propensas a interagir com marcas em comparação com quando estão navegando em outras plataformas.

“O Twitter é o lugar em que as pessoas vão para ver e comentar sobre o que está acontecendo, e são exatamente as pessoas no Twitter que fazem a diferença na plataforma, devido ao seu comportamento único. E se uma marca quer se conectar ao que está em pauta na sociedade hoje, o Twitter é por onde ela deve começar sua campanha, porque é nele que encontrará uma audiência mais receptiva à sua mensagem e com influência para reverberá-la”, afirma Fiamma Zarife, diretora geral do Twitter Brasil.

Para auxiliar os anunciantes a aproveitar esse engajamento e influência das pessoas que estão no Twitter e transmitir sua mensagem de forma assertiva, a plataforma mapeou algumas das comunidades mais ativas em conversas no Brasil**. O objetivo do levantamento é prover insumos para que as marcas encontrem formas de interagir com naturalidade e contexto com o seu público, iniciando ou participando de conversas que são do interesse de seus consumidores e criando, assim, uma conexão genuína com essas pessoas.

Loucos por futebol: o futebol motiva conversas intensas que conectam diariamente – e durante eventos ao vivo – torcedores, atletas, times, produtores de conteúdo e marcas no Twitter. Os loucos por futebol são aqueles que lideram as conversas e trazem os assuntos para a plataforma.

Apaixonados por música: os mais diversos perfis de consumidores se identificam com o tema no Twitter. As conversas se desenrolam entre fãs, artistas, produtoras e marcas e grande parte delas vem dos apaixonados por música. O gênero pop, que traz uma nova geração de estrelas (Anitta (@Anitta), Ludmilla (@Ludmilla) e Pabllo Vittar (@pabllovittar), por exemplo), tem sido assunto das conversas dessa comunidade.

Ligados em reality shows: são uma forte comunidade no Twitter, impulsionando as conversas durante todo o ano. Seja “Big Brother Brasil”, “MasterChef” ou “The Voice”, os programas de reality show figuram nos Assuntos do Momento com frequência.

Gamers: os “e-Sports” têm grande popularidade entre os brasileiros, seja para se divertir construindo coisas, conquistando territórios ou até para seguir uma profissão. Independentemente dos tipos de plataformas usadas pelos gamers, o número de conversas dessa comunidade sempre é surpreendente.

Mulheres empoderadas: as mulheres brasileiras têm lutado, cada vez mais, pelo empoderamento, igualdade de direitos e oportunidades de carreira em diferentes áreas. Todo esse movimento é refletido no Twitter, que possibilita que todas as pessoas tenham voz e liberdade de expressão.

*Fonte: Estudo Kantar Media, dezembro de 2017.

**O levantamento foi baseado no cruzamento do volume de Tweets sobre diversos assuntos e o número de autores únicos que participaram das conversas sobre esses temas, o que mostra não só o grande volume de conversas que um tópico gerou, mas também a grande quantidade de pessoas envolvidas nessas conversas.

Tags,

Reforma da previdência como vetor para a transformação digital

Por Rodolfo Fücher

Em qualquer outro ano pós-eleições presidenciais, estaríamos vivendo o que é comumente chamado de “lua de mel” (período de no máximo 6 meses em que o novo governo e o mercado financeiro vivem um romance). Neste ano, no entanto, essa relação está acabando cedo demais. Quase quatro meses após a tomada de posse, fica claro que, se a reforma da Previdência não for aprovada, o país enfrentará momentos de muita instabilidade econômica e política.

A reforma da Previdência não é só necessária para garantir a sua, a minha e, principalmente, a aposentadoria das pessoas mais necessitadas, e equilibrar as contas públicas, mas sim para reconquistar credibilidade na economia e no mercado brasileiro, após o pior período recessivo enfrentado no Brasil.

Convém lembrar que, atualmente, o mundo está atravessando um período de transformação digital (ou 4ª revolução industrial), cujo ponto focal é a inovação. Grandes economias e empresas estão investindo massivamente em pesquisa e desenvolvimento para encabeçar o pioneirismo no 5G, projetos de IoT (Internet das Coisas), Inteligência Artificial, entre outras inovações disruptivas. Dentro desse cenário global cada vez mais competitivo, a inovação, que gera novas oportunidades, novos mercados e formas de consumo, se torna questão de sobrevivência para um país em desenvolvimento como o Brasil.

No entanto, para desenvolver e colocar em prática novas ideias, e conseguir competir com grandes economias, é preciso que haja investimentos internos, mas também fundamentalmente externos. E é neste ponto que a reforma da previdência ajudará a garantir que o mercado brasileiro seja mais atraente para investidores externos. O Brasil já possui um problema enraizado de atração de investidores devido a questões regulamentárias e tributárias e, caso a reforma da Previdência não seja aprovada, esse cenário só tende a piorar – quem arriscará investir em novos empreendimentos e startups em um país mergulhado na pior crise de sua história, com total descontrole das contas públicas, sem orçamento para novos investimentos em infraestrutura, saúde, educação e o pior, com altíssimo índice de desemprego?

O Relatório Global de Competitividade, divulgado pelo Fórum Econômico Mundial, em 2018, coloca o Brasil em 72º lugar no ranking de competitividade e como um dos países com maior sobrecarga de regulações imposta pelo setor público entre 140 países pesquisados. O país também foi considerado um dos menos preparados para se adaptar à revolução tecnológica.

Fica claro o reflexo desta reforma na recuperação econômica do Brasil e nos investimentos externos. Assim que aprovada e superado o período de instabilidade e insegurança, investidores voltarão a se interessar por inovações desenvolvidas no Brasil, movimentando o fluxo de dinheiro novo na economia.

A reforma da previdência sozinha não será a chave para todos os problemas econômicos do país, mas certamente é ponto fundamental. Somada as ações concretas do novo governo para reduzir burocracias, eliminar entraves regulatórios e, o mais importante, para obter melhora da eficiência e da qualidade dos serviços públicos, explorando os benefícios da tecnologia, poderemos começar a vislumbrar um ambiente mais seguro e atrativo para investimentos.

Rodolfo Fücher, presidente da ABES (Associação Brasileira de Empresas de Software)

Pesquisa GENOME Startups 2019 aponta São Paulo como ecossistema promissor

Os investimentos globais, o aumento de unicórnios do País e as recentes inovações no setor recolocam São Paulo no estudo internacional mais abrangente e amplamente lida do mundo sobre ecossistemas de startups “Global Startup Ecosystem Report 2019”, realizado pela Startup Genome. Para compor o ranking atual, foram analisadas mais de 40 cidades e milhares de empresas pelo mundo.

O Vale do Silício continua liderando o ranking mundial de ecossistemas por mas um ano, seguido por Nova York, Londres e Pequim empatados em terceiro, com Boston fechando o TOP 5. No ranking dos 30 maiores ecossistemas, a América do Norte segue dominando, abrigando 14 dos TOP 30 ecossistemas de startups, sendo 12 destes nos Estados Unidos.

Na lista dos ecossistemas com potencial para estar no TOP 30 nos próximos cinco anos – que estão crescendo rapidamente – há um grupo diversificado, com Lagos e Jakarta lado a lado com Moscou e Melbourne, sendo São Paulo e Canadá os representante da América. Há aglomerações urbanas gigantescas e pequenas.

Hoje, São Paulo está entre os 10 principais ecossistemas globais para talentos acessíveis, é destaque no setor saúde e um dos 30 principais ecossistemas globais de Fintech. Chegou a esse estágio, segundo o estudo, pois criou US$ 5,1 bilhões em Valor do Ecossistema com US$ 120 milhões em financiamento em estágio inicial nos últimos dois anos e meio.

Na lista dos promissores, a justaposição é um bom lembrete de que o desempenho do ecossistema de inicialização não é simplesmente uma função do tamanho da população do GPD – eles estão relacionados, mas cada uma delas tem, pelo menos um unicórnio e também características chave como liderança regional. O estudo considera também esses ecossistemas como pontos de foco principais em suas áreas do mundo, como São Paulo na América do Sul, Lagos na África e Jacarta no sudeste da Ásia; e liderança sub setorial, com ecossistemas de classe mundial em subsetores específicos, como Shelzhen tem em manufatura avançada e robótica, e Montral tem em Inteligência Artificial.

“São Paulo tem tudo que um ecossistema de startups vibrante necessidade, força de trabalho altamente qualificada, diversidade de suas indústrias, parceiros públicos e privados profundamente engajados para comunidade líder global”, pontua o presidente da Associação Brasileira de Startups, Amure Pinho.

Além da classificação dos ecossistemas, o o Genome Startups 2019 aponta caminhos e desafios para que as lideranças locais possam seguir para ter maior destaque e ganhar espaço em inovação mundial, como, por exemplo, o Brasil que precisa de políticas para aumentar o funding de startups em estágio inicial..”Nossa missão como apoiadores da Genome e como representantes do setor no Brasil é agregar e estimular o desenvolvimento de startups brasileiras, gerando eventos, conteúdo e condições para que o ecossistema nacional possa crescer ainda mais, ganhando destaque devido no mercado global”, diz.

Tags, ,

Cognizant aposta em parcerias com startups no InovaBra Habitat

A Cognizant, uma das empresas líderes mundiais em tecnologia e negócios, atua no InovaBra Habitat, um ecossistema de inovação e empreendedorismo com mais de 170 startups e cerca de 70 empresas dos mais diversos segmentos, possibilitando a geração de novos negócios e o desenvolvimento de soluções inovadoras com base no networking e na colaboração.

O conceito Cognizant Lab para o Habitat visa atuar em quatro eixos complementares: Soluções, Prototipação, Parcerias e Comunicação. Os dois primeiros eixos visam abordar cases reais e o desenvolvimento de protótipos inovadores. Já o terceiro eixo visa expandir o relacionamento com startups e outras empresas enquanto o quarto eixo difunde a atuação da Cognizant dentro e fora desse ecossistema.

Além disso, a Cognizant faz parcerias com startups do Habitat visando trazer soluções para áreas internas da companhia. É o que aconteceu com a área de Talent Acquisition. “A velocidade das mudanças tecnológicas exige flexibilidade e respostas rápidas às oportunidades apresentadas pelo mercado”, analisa Carla Catelan, responsável pela área de Talent Acquistion da Cognizant no Brasil. “Fazer parte desse hub de inovação acrescenta mais soluções ao nosso portfólio de serviços, além de abrir espaço para parcerias que também visam atender às áreas internas da própria empresa.”

A área de TA da Cognizant identificou que a pressão para aumentar a velocidade de contratação, bem como a experiência do candidato e do gerente contratante neste processo, exige uma ação imediata. Essa avaliação, de acordo com Carla, abriu uma oportunidade para se conectar com startups que oferecem soluções no ramo. Desse modo, a empresa decidiu organizar um Demo Day, no qual as startups apresentam suas soluções para analisar melhor as possibilidades.

“As startups conseguem otimizar e customizar soluções para atender às demandas de negócio e, consequentemente, melhorar a experiência dos stakeholders no processo de contratação”, comenta a executiva. “Além disso, descobrimos soluções que nem tínhamos como expectativa, mas que foram apresentadas como proposta, para que possamos reavaliar a forma como atuamos hoje”, conclui.

A Cognizant também tem explorado o ecossistema InovaBra Habitat, com seu espaço próprio para o desenvolvimento de projetos, realização de workshops, demonstração de soluções próprias e prototipagem de ideias que surgem após workshops de design thinking com clientes.

Tags, , ,

Os seis elementos de sucesso para atuação em startups

O crescimento exponencial das startups já é uma realidade brasileira. De acordo com dados da Associação Brasileira de Startups (Abstartups), o mercado conta com 10 mil novas unidades de negócios espalhadas por todo o Brasil, principalmente em São Paulo, Belo Horizonte e Rio de Janeiro.

Relativamente novo, esse negócio tem atraído milhares de pessoas todos os anos e oferecido oportunidades transformadoras para a carreira dos profissionais. Entre as principais características para integrar este universo, é necessário criatividade, agilidade, autogestão e espírito inovador. Segundo Paulo Lira, coordenador e supervisor acadêmico do HSM University, os atributos são exemplos que contribuem para o sucesso e desenvolvimento das startups e de seus colaboradores. Para as companhias, todas essas características contam como parte estratégica essencial para criar uma equipe em sinergia com modelos de perfis mais requisitados para ambientes de startups.

Para fazer parte destes ambientes, o executivo acredita que é importante que os profissionais tenham em mente essa mudança de mindset e a forma de se posicionar frente ao mercado para alcançar o sucesso dos negócios. Isso porque, cada vez mais, é exigido das startups estrutura organizacional bem definida quanto à negociação, pensamento estratégico e metodologias. A tecnologia também é fator ativo e necessário para os modelos de companhia pós-moderna, uma vez que as decisões precisam ser tomadas instantaneamente, para criar soluções mais eficazes a custos reduzidos.

Com expertise em educação corporativa, a HSM University observa uma grande movimentação dos profissionais na busca por conteúdos relacionados a liderança, produtividade, inovação e gestão em cenários de grande incerteza e de crise. “Estão cada vez mais interessados em entender os novos modelos de negócio, que embasam as organizações bilionárias da década atual, as novas tecnologias disruptivas, que são capazes de ditar outros padrões de comportamento e consumo, apontando para diversos mercados em rápido crescimento e para o sepultamento de mercados tradicionais”, explica Lira.

Para empreender ou atuar neste mercado em rápida evolução, o coordenador acadêmico identificou seis elementos fundamentais:

Estratégia na Era Exponencial – ter visão completa da empresa é essencial, por isso trabalhar a capacidade de criar gestões com bases estratégicas e políticas bem definidas, além de entender o mercado de atuação são cruciais para o bem desempenho da empresa.

Negociação em Ambiente de Rápida Mudança – agilidade e flexibilidade são pontos chaves neste quesito, no qual é importante entender linguagens interpessoais e definir conceitos e objetivos, tudo isso aliado as contínuas mudanças do mercado.

Empreendedorismo e Desenvolvimento de Plano de Negócios – liderança é uma das principais características em uma startup, com mais liberdade de empreender, o profissional deve enxergar e identificar oportunidades, avaliando riscos e criando ferramentas cada vez mais eficazes para o negócio.

Gestão do Comportamento Organizacional – Ainda um desafio de muitas empresas e um dos principais obstáculos para o desenvolvimento e produtividade. Os profissionais devem ter em mente a importância de desenvolver o trabalho em equipe e ter a capacidade de reconhecer os elementos que influenciam o comportamento individual e organizacional.

Gestão da Inovação – Tecnologia tem gerido todas as áreas organizacionais da empresa, estar sempre antenado as principais mudanças desse mercado e pensamentos estratégicos inovadores são cruciais para o bom desempenho do profissional.

Organização Antifrágil – Volatilidade tem sido o fator que coloca à prova tanto corporações quanto profissionais. Isso se deve muito por conta de um mindset voltado para a estabilidade entre organizações e profissionais. A mentalidade antifrágil tem a capacidade de recolocar a prática profissional em um ambiente em constante mudança, que contribui para uma rápida incorporação dos efeitos colaterais de determinada decisão, gerando benefícios e agilidade para a correção de rota.

Tags, , ,

Bett Educar começa amanhã (14) na capital paulista

Nesta terça-feira (14) tem início o maior encontro de educação e tecnologia da América Latina, a Bett Educar. O evento, que está na 26ª edição, acontece no Transamerica Expo Center, em São Paulo, das 9 às 19 horas, até sexta-feira (17) e deve atrair mais de 22 mil visitantes da comunidade educacional de todo o País.

A Bett Educar, que é realizada em parceria com a Microsoft, conta com a participação de 250 marcas, e cerca de 20 startups, que vão exibir novidades em soluções, serviços e equipamentos para gestores de escolas da rede pública e particular.

Na área de exposição serão apresentadas inovações focadas em educação digital, robótica, inteligência artificial, programas de bilinguismo, metodologias STEAM e maker, além de soluções para a gestão financeira de escolas e outras ferramentas para auxiliar na aprendizagem e na experiência do aluno em sala de aula.

Já a programação de conteúdo do evento reúne mais de 190 palestrantes, entre educadores e especialistas do setor, no Congresso Bett Educar, Fórum de Gestores, Bootcamp de estratégias para Educação à Distância (EAD) e diversos workshops.

A Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) também participa do Bett Educar com quatro painéis: “Implementando ética e cidadania nas escolas”, “Projeto Primeira Infância”, “Educação mediada e novas tecnologias educacionais” e o lançamento do livro: Educação em Pauta. Entre os convidados dos painéis OEI estão o Ministro da Transparência e Controladoria-Geral da União, Wagner Rosário; a diretora do Instituto Ibero-americano de Primeira Infância (IIPI) do Chile, Gabriela Sanchez e o Secretário de Estado de Educação do Governo do Distrito Federal, Rafael Parente.

O evento recebe também diversas personalidades, como o jornalista e educador Marcelo Tas, que apresenta o lançamento de um novo programa de robótica educacional no primeiro dia de evento. Já o cartunista Mauricio de Sousa e o médico, educador e escritor, Jairo Bouer, estarão presentes em palestras no dia 15 de maio.

Abertura – A cerimônia oficial de abertura acontece no dia 14, às 13 horas, com a presença do Secretário Estadual de São Paulo, Rossieli Soares da Silva; presidente da União dos Dirigentes Municipais de Educação de São Paulo, Luiz Miguel Martins; presidente executiva do Todos Pela Educação, Priscila Cruz; vice-presidente do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino no Estado de São Paulo, José Augusto de Mattos Lourenço; presidente do Conselho Nacional de Educação, Luiz Roberto Liza Curi; vice-presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares, Amabile Pacios.

Tags,

Fernando Morette é o novo CEO da Catho

O Grupo SEEK anuncia o executivo Fernando Morette como o novo CEO da Catho. Morette está na empresa há três anos, onde ocupou os cargos de Diretor Comercial B2B e no último ano como COO – Chief Operating Officer. O executivo substitui Eduardo Thuler, que deixou a Catho em 2018.

“Estou muito feliz com a confiança da SEEK no meu trabalho para esse novo desafio. É uma grande responsabilidade estar à frente da principal plataforma de recrutamento do País e temos uma grande meta: ajudar milhões de pessoas a encontrar um novo emprego, incrementando ainda mais nossos serviços e proporcionando um recrutamento cada vez melhor para empresas e candidatos. Para isso, vamos continuar investindo em tecnologia e garantir que nossos clientes tenham a experiência mais intuitiva, moderna e eficaz”, ressalta Morette.

“O conhecimento que Fernando possui sobre a dinâmica do nosso negócio e o papel fundamental que tem demonstrado em assegurar que a estratégia de longo prazo da Catho se materialize, chamaram nossa atenção e provaram que ele é a pessoa certa para esse desafio”, afirma Tennealle O’Shannessy, Managing Director da SEEK.

Graduado em Engenharia Elétrica pela Unicamp, com pós-graduação pela Universidade Federal de São Carlos e Fundação Dom Cabral, Morette tem mais de 18 anos de experiência em diversas áreas. Sua trajetória profissional conta com passagens por empresas como Telefônica Vivo, Draka Comteq e Elektro.

Linx anuncia a abertura de 200 vagas pelo Brasil

A Linx, líder e especialista em tecnologia para o varejo, anuncia a abertura de 200 vagas direcionadas a diferentes áreas. A maior parte delas está concentrada nos departamentos Comercial e de Desenvolvimento, mas também há posições para Suporte, Infraestrutura, Contabilidade, entre outros. Os contratados poderão atuar em diferentes segmentos do varejo atendidos pela empresa, como Moda, E-commerce, Postos, Farmácias, Automotivo, Big Retail, além de Meios de Pagamento e serviços corporativos.

As oportunidades englobam diferentes níveis hierárquicos, passando por vagas de estágio, analistas e até de gerência. As posições valem para escritórios da Linx nas cinco regiões do Brasil. No Sudeste, são 104 postos divididos entre cidades como São Paulo (SP), Bauru (SP) e Campinas (SP), Belo Horizonte (MG), Uberlândia (MG) e Rio de Janeiro (RJ).

No Sul, as vagas são para Porto Alegre (RS), Cascavel (PR) e cidades de Santa Catarina, como Florianópolis, Blumenau e Joinville. Na região Centro-Oeste, as oportunidades estão alocadas em Aparecida de Goiânia (GO), enquanto Recife (PE) representa as vagas abertas no Nordeste. No Norte, o escritório de Manaus (AM) é a unidade da Linx que está em busca de profissionais.

Para participar do processo seletivo, os interessados precisam apresentar algumas características valorizadas pela companhia, como talentos com espírito jovem, motivados, focados e curiosos. Essa energia traz agilidade e eficiência para a operação e são qualidades que transformaram a Linx em uma referência em tecnologia para o varejo no Brasil.

Serviço

A candidatura dos interessados nas oportunidades de trabalho pode ser feita pelo site https://www.vagas.com.br/linx, na opção “deixe seu currículo conosco”.

Tags, ,

TOTVS e VTEX anunciam joint venture

A TOTVS – líder brasileira no desenvolvimento de software de gestão – e a VTEX, renomada plataforma de digital commerce, anunciam uma joint venture com o objetivo de atender a uma demanda latente de mercado por digitalização dos negócios. A combinação das soluções de gestão empresarial da TOTVS com a plataforma de comércio eletrônico da VTEX cria um portfólio único para apoiar empresas brasileiras na transformação digital. O acordo entre as duas companhias depende ainda de aprovação do CADE.

A partir da joint venture, a plataforma de digital commerce da VTEX poderá ser contratada através de toda a rede de franqueados e parceiros da TOTVS, atendendo assim os mais de 30 mil clientes da companhia. O acordo comercial e operacional tem como objetivo permitir que as empresas utilizem o portfólio combinado das duas companhias para realizar a integração dos ambientes de negócio físicos e digitais, quebrando assim uma importante barreira para a transformação digital e tornando-as mais competitivas globalmente.

“Sempre buscamos ofertar a excelência em soluções de negócio aos nossos clientes. E, mais recentemente, começamos a focar também em como ajudá-los a vender mais e melhorar a performance de seus negócios. A joint venture com a VTEX é o primeiro passo nessa direção. Ela nos permitirá entregar uma experiência diferenciada e mais valor agregado aos clientes, ao integrar a suíte completa de e-commerce da marca ao nosso portfólio”, afirma Dennis Herszkowicz, presidente da TOTVS. “Entendemos que nossos clientes querem um parceiro de tecnologia que seja um parceiro de negócio. E com esse acordo damos um passo largo e consistente nessa direção”, complementa.

O presidente da TOTVS ressalta também que essa joint venture reflete a estratégia da companhia de complementar seu portfólio de software com soluções de parceiros, que resultem em aplicações que facilitem e simplifiquem o dia a dia e a gestão dos negócios dos clientes.

“A TOTVS possui uma rede de distribuição que consegue atender de forma local todas as regiões do Brasil e toda a suíte da plataforma VTEX estará disponível a esses clientes. O acessos dessas empresas à nossa plataforma e ao nosso ecossistema de soluções digitais inaugura uma nova era na experiência com o mundo digital e mudará para sempre como as empresas no Brasil consumirão software, por meio de soluções integradas como serviço”, destaca Mariano Gomide de Faria, fundador e Co-CEO da VTEX, que acrescenta: “Essa parceria é um marco para nossa empresa e para nossos mais de 2500 clientes, pois simplificar o acesso a soluções especializadas é fundamental no caminho de tornar as companhias brasileiras mais eficientes e escaláveis”.

Como parte do acordo, a VTEX adquire a operação da Ciashop, empresa controlada pela TOTVS que atua no ramo de plataforma de e-commerce. No processo, Mauricio Trezub, CEO da Ciashop, passa a ser um dos vice-presidentes da VTEX no Brasil, que hoje atende a uma ampla gama de clientes no país, incluindo empresas como Whirlpool, Electrolux, Walmart, C&A, Grupo Soma, Tok&Stok e Boticário.

Vale destacar que VTEX e TOTVS já compartilhavam uma grande base de clientes comuns. Mas, a partir da joint venture, os clientes TOTVS contarão com um centro de suporte único para as soluções de gestão empresarial e digital commerce, simplificando assim as operações. O acordo prevê também iniciativas para promover a transferência do conhecimento digital da VTEX aos clientes da TOTVS.

Reconhecimento facial e prensagem são novidades na feira internacional de segurança

Diante da preocupação do brasileiro com segurança, a busca por empresas que oferecem esses serviços tem aumentado, e consequentemente a oferta. Perante o interesse da população, a segurança privada se apresenta como uma alternativa para reduzir os problemas relacionados à violência urbana. As novidades e as atrações desse mercado estarão na Feira Internacional de Segurança, a Exposec 2019.

A segurança privada e o serviço eletrônico prestado trazem mais garantia e controle das situações para os clientes e para quem trabalha em locais considerados de risco para furtos e assaltos, como condomínios. Optar por serviços que colocam à frente equipamentos eletrônicos presa pela vida de quem fica exposto a determinadas situações de risco.

Entre as novidades no mercado que merecem destaque estão prensagem eletrônica e reconhecimento facial. “Soluções que automatizam os processos dentro das empresas e condomínios, por meio da tecnologia de segurança eletrônica”, aponta Walter Uvo, especialista em tecnologia de segurança de condomínios da MinhaPortaria.com.

Segundo ele, sistema de reconhecimento facial por câmeras inteligentes apresenta um potencial para ajudar na promoção da segurança e na prevenção de crimes. A novidade teve estreia no carnaval baiano deste ano, que utilizou a tecnologia nos circuitos de folia em Salvador, e provou que deu certo: por essa tecnologia, a polícia do estado conseguiu identificar um foragido.

No único evento do Brasil que reúne as mais recentes tecnologias do setor de segurança, além da apresentação de serviços e produtos, outro ponto chama a atenção: atrair compradores, nacionais e internacionais, num ambiente propício para negócios e networking. Walter Uvo aponta que é uma oportunidade de limitar parceiros ao longo do Brasil, para aumentar a capilaridade comercial em outras regiões. “É onde as empresas lançam as soluções, os produtos, as suas novidades para o ano corrente; então é uma feira fundamental para o setor”, conclui. Ao todo serão três dias imersos no universo eletrônico de segurança na Exposec.

Exposec

São Paulo Expo Exhibition & Convention Center (Rodovia dos Imigrantes, KM 1,5 – Água Funda, São Paulo)
21 a 23 de maio de 2019
Horário: 13h às 20h
Endereço Estande Minhaportaria.com
Rua 800, Estande 825
Site da feira
http://exposec.tmp.br/16/

EBITDA, investimentos e lucro líquido em alta marcam o primeiro trimestre da TIM

A TIM fecha os três primeiros meses de 2019 com evolução da base de valor e expansão contínua do EBITDA normalizado(1). O indicador, que cresce há 11 trimestres consecutivos, registra um aumento de 5,3% ano a ano, totalizando R$ 1.497 milhões. Essa evolução reforça o compromisso da operadora em controlar custos e despesas, investir em ofertas de maior valor no segmento móvel e ampliar a cobertura de seus serviços fixos. A margem EBITDA normalizada(1) foi recorde para um primeiro trimestre, atingindo 35,7%, um aumento de 1,2 p.p. na comparação com o mesmo período de 2018.

A receita líquida é de R$ 4.191 milhões, alta de 1,7% ano a ano, com a contribuição de todos os segmentos: serviços móvel e fixo e venda de aparelhos. Os destaques neste trimestre foram o crescimento de 11,4% (A/A) da base pós-paga e a receita de serviço fixo, totalizando R$ 229 milhões, um aumento de 11,6%, estimulado pelo avanço da TIM Live, que cresce 34,9% no 1T19 em comparação ao 1T18. Mesmo em um cenário macroeconômico desafiador, os investimentos no período somam R$ 650 milhões evolução de 6,0% ano a ano.

(1)Os valores indicados como normalizados foram ajustados para efeitos não-recorrentes.

“O foco no segmento de alto valor continua rendendo indicadores positivos, reforçando nossa presença em mercados relevantes, como a ultra banda larga fixa. A TIM encerra seu primeiro trimestre com resultados sólidos em algumas frentes do negócio, mas também enxergando desafios importantes. Assumo a companhia neste cenário, confiante de que temos a capacidade de mudar rapidamente e voltar a liderar os movimentos do setor, impulsionados pelo nosso DNA inovador.”

PIETRO LABRIOLA – CEO da TIM BRASIL

Evolução da base de clientes

A TIM mantém seu foco no crescimento do segmento pós-pago, que no último ano adicionou 2,1 milhões de linhas, totalizando 20,6 milhões de usuários e representando 37,4% da base total. A campanha recente estrelada pelas cantoras Ludmilla e Simone & Simaria destaca os benefícios da oferta Controle, que inclui Instagram, Facebook e WhatsApp ilimitados, além de muita internet para o cliente usar como quiser.

Experiência do cliente

Com o objetivo de oferecer sempre a melhor experiência para o usuário, a TIM segue com a digitalização dos seus serviços e produtos. Os resultados do primeiro trimestre demonstram essa atuação: aumento de 27% nas vendas do segmento pós-pago por canais digitais, alta de 54% do número de usuários únicos do aplicativo de autoatendimento MEU TIM e crescimento de 102% do envio de faturas online. A empresa investe também em um atendimento cada vez mais inclusivo, reconhecido pelo Prêmio Anatel de Acessibilidade em Telecomunicações 2019.

TIM Live: crescimento contínuo

O serviço de ultra banda larga fixa da TIM se mantém como uma importante frente de negócio da companhia. No trimestre, a TIM Live registra expansão de 34,9% da receita e 18,3% da base, fechando o período com 486 mil clientes. A receita média mensal por usuário (ARPU) tem alta de 12,0% quando comparada a igual período de 2018, chegando a R$ 79,6.

A empresa segue com a evolução da tecnologia FTTH (Fiber To The Home), que encerra o trimestre em 12 cidades. Já a oferta de banda larga residencial por meio da rede móvel (WTTX) foi ativada em 21 novas cidades, fechando o período em 144 localidades.

Cobertura 4G: liderança absoluta

A TIM segue na liderança da cobertura 4G com 3.295 cidades e 93% da população urbana, atingindo 35,6 milhões de usuários. A frequência 700 MHz está habilitada em 1.471 cidades no Brasil, um crescimento de 50,9% em relação a 2018. Já o VoLTE (voz em alta definição) está disponível em 100% dos municípios de São Paulo, alcançando o total de 2.710 cidades no Brasil.

4G TIM no Campo

O pioneirismo e a liderança da TIM em 4G e na expansão do uso da faixa de 700 MHz em todo país permitem que a empresa aposte em novas oportunidades de negócio.

O destaque é o apoio à iniciativa ConectarAGRO para expandir o acesso à internet nas mais diversas regiões agrícolas do Brasil, conectando o campo, seus equipamentos e pessoas. A expectativa é que, até o final do ano, 5 milhões de hectares tenham 4G, contribuindo para o crescimento do agronegócio.

Tags, , ,

Dia das Mães: cuidado ao comprar o presente pela internet

Considerada a segunda data mais importante para o comércio depois do Natal, no próximo domingo acontece em todo o País o Dia das Mães e muitos filhos estão comprando seus presentes por meio de lojas virtuais. Sem dúvida, essa é uma forma bastante cômoda, não há perda de tempo, se evita o trânsito, problemas com estacionamento, é possível comparar produtos e preços, tudo apenas num click. É preciso, no entanto, tomar alguns cuidados para que um dia tão especial não se transforme numa enorme dor de cabeça. Mauricio Balassiano, diretor de Certificação Digital da Serasa Experian, alerta para o fato de que há muitos sites inseguros no mercado.

“Muitos sites atuam sem a adoção de protocolos de segurança, não possuem o certificado de segurança (SSL – Secure Socket Layer), uma ferramenta importante para websites que transacionam dados como cartões de crédito”, diz Balassiano. Sem esse tipo de segurança, os dados do consumidor podem estar vulneráveis.

Além disso, nesses períodos é muito comum a tentativa de ataques por parte de hackers e cibercriminosos por meio do envio de e-mails falsos com ofertas mirabolantes e outras vantagens. “Fazer compras por meio das lojas virtuais sem dúvidas é bastante prático, mas para evitar frustrações, convém tomar alguns cuidados bastante simples, mas muito importantes”, adverte Balassiano.

Veja a seguir algumas dicas:

– Desconfie sempre de ofertas com preços muito abaixo do mercado e de última hora. Emails com valores, promoções e vantagens muito especiais merecem total desconfiança. Nesses momentos, é muito comum que os cibercriminosos usem nomes de lojas bastante conhecidas para tentar invadir os dados do seu computador. Eles se valem de e-mails, SMS e réplicas de sites para tentar pegar informações e dados de cartão de crédito, senhas e informações pessoais do comprador, explica o diretor do Serasa Experian.

– Uma prática muito utilizada pelos golpistas no ambiente online é a de phishing. Os criminosos copiam as informações trocadas durante uma transação, dados como nome, endereço, CPF etc. Esses dados são coletados para fraude de identidade, que acontece quando dados de um consumidor são usados por terceiros para firmar negócios sob falsidade ideológica ou obter crédito sem a intenção de honrar os pagamentos.

– É importante, também, no caso de lojas desconhecidas e em caso de desconfiança, fazer uma pesquisa em sites dedicados à avaliação de lojas virtuais, como Reclame Aqui e e-Bit. Avaliar a reputação de uma loja é uma providência essencial a partir da experiência de outras pessoas.

– Para verificar se o site é seguro, veja se ele está protegido por um Certificado Digital SSL, que identifica os servidores e protege as informações em tráfego entre o seu computador e o da loja. Para isso, basta observar alguns sinais simples. Veja se no browser há um cadeado fechado. Em caso positivo, clique em cima e verifique se o Certificado Digital SSL emitido está em nome da loja na qual você está comprando. Essa conferência pode ser feita no Selo de Segurança, que geralmente está no rodapé da página. Ao acessar o site, no endereçamento, verifique se o HTTP tem um S, ou seja, HTTPS. Essas providências garantem um ambiente seguro.

– É importante também conferir as condições de entrega, tendo em vista a proximidade da data. O Dia das Mães, em movimento do comércio, só fica atrás do Natal. Por isso, é importante redobrar a atenção quanto à possibilidade de entrega do presente até a data, no próximo domingo. Na dúvida, opte por comprar noutra loja.

Congresso CIAB FEBRABAN reúne especialistas para debater tendências tecnológicas na área financeira

O americano Nate Silver, um dos principais estatísticos da atualidade e conhecido por seus acertos em pesquisas políticas com análises que usam tecnologias como big data e analytics, e Jim Marous, e renomado estrategista do mercado financeiro mundial, estarão no Ciab FEBRABAN 2019, Congresso e Exposição de Tecnologia da Informação das Instituições Financeiras, que acontece entre os dias 11 e 13 de junho no Transamérica Expo Center, em São Paulo.

Também participará do evento Octavio de Lazari Junior, diretor-presidente do Bradesco. Outra participação especial é de Kimberly Bryant, CEO e fundadora da Black Girls Code, que oferece treinamento de tecnologia e empreendedorismo para meninas e jovens negras.

Sob o tema central “Conectado com o cliente. Contribuindo para a Sociedade”, especialistas nacionais e estrangeiros debaterão durante os três dias de evento temas ligados a inovação, fintechs e startups, serviços de tecnologia, regulação, meios de pagamentos, seguros, futurismo, segurança e cibersegurança, a jornada do cliente e os provedores de soluções e negócios.

Murilo Portugal, presidente da FEBRABAN, fará a abertura do congresso às 10h da terça-feira (11). Em seguida, o executivo mediará a mesa de um dos principais keynotes do congresso, Octavio de Lazari Junior, do Bradesco. O banco é uma das instituições que mais investe em inovação: com o InovaBra, tornou-se parceira de fintechs e criou o Next, banco totalmente digital.

Jim Marous, keynote do segundo dia (12), um dos nomes mais influentes do setor bancário mundial, fechará a programação do dia, falando sobre como o status quo não é mais aceitável em tempos de grandes mudanças. Ele desafiará o público a rever sua perspectiva pessoal, profissional e corporative diante dos novos tempos.

Autor e autoridade reconhecida sobre a disrupção no setor de serviços financeiros, Jim é coeditor da publicação digital “The Financial Brand” e proprietário e editor do Digital Banking Report. “É claro que a importância de dados e análise avançada é entendida como a tendência mais importante no setor bancário, e serve de base para todas as outras tendências”, afirma. Entre outras tendências para este ano, destaca o especialista, estão o uso do Open Banking, parcerias entre instituições financeiras e fintechs, expansão dos pagamentos digitais e investimentos em tecnologias de ponta como a internet das coisas.

Nate Silver será o keynote speaker que encerrará o evento (13). Fundador do Five ThirtyEight, um site popular de estatísticas que produz em parceria com a ABC News e explora uma ampla gama de assuntos, incluindo política, esportes, ciências, economia e cultura, Nate é considerado o principal estatístico da atualidade. Ele focará sua apresentação em análise de dados para discutir falhas e sucessos de previsões.

Outra palestrante confirmada é Kimberly Bryant, engenheira eletricista, CEO e fundadora da Black Girls Code, ONG responsável por um programa de treinamento que ensina conceitos básicos de programação para meninas negras de 7 a 17 anos, sub-representadas em carreiras de tecnologia e ciência da computação. Depois de fundar a Black Girls Code, Bryant, que estará no CIAB no dia 11, foi listada como uma das 25 afro-americanas mais influentes em tecnologia pela Business Insider.

Entre os nomes confirmados no CIAB também estão Thales Teixeira, professor de Marketing Unit da Harvard Business School, que vai falar sobre disrupção digital; Beatriz Sanz Saiz, líder de análise e dados de consultoria global da EY, tratará da incorporação de dados em todas as funções de negócios e de Inteligência Artificial; TS Anyl, líder global de produtos para pagamentos e plataformas na Visa, que apresentará cases de utilização de pagamentos online pelo mundo.

Mais uma vez as fintechs marcarão presença no evento: o lounge exclusivo para empresas que trabalham com tecnologia terá 500 m2, onde 40 startups selecionadas apresentarão suas soluções inovadoras para executivos de instituições financeiras.

No ano passado, o congresso bateu recorde de público, com 23.150 visitantes. Do fórum de TI participaram 140 expositores, 30 fintechs e 321 painelistas.

A programação completa do Congresso CIAB FEBRABAN está sendo atualizada diariamente no site do evento: www.ciab.com.br.

Congresso CIAB FEBRABAN

Data: 11 a 13 de junho de 2019

Local: CIAB FEBRABAN – Transamérica Expo Center (Avenida Doutor Mário Vilas Boas Rodrigues, 387 – Santo Amaro)

Tags,

Como ajudar empresas a enxergar a inovação dentro de casa?

Por Débora Costa

Muitas empresas têm dificuldades em tangibilizar ideias e, mais do que isso, dificuldade de aproximar o setor de pesquisa da área de negócios da empresa. São comuns as dúvidas sobre como tornar as pesquisas investidas pela empresa comercialmente viáveis, ou como fazer com que enxerguem o valor da pesquisa para o negócio.

Grandes empresas contam com centros de tecnologia e pesquisa dentro delas, mas, muitas vezes, o material pesquisado é bastante teórico, ou específico, como a descoberta de um novo componente químico. Isso, somado a um número considerável de pesquisas acontecendo ao mesmo tempo. Mas, como agregar valor ao negócio e linkar as áreas de pesquisa e negócio com um estudo tão técnico?

O trabalho de um especialista em Experiência do Usuário deve acontecer neste momento, para ajudar as empresas a se organizarem e enxergarem a inovação que está aguardando para ser lançada. Esse profissional tem a expertise necessária para clarear as ideias e fomentar a criatividade entre os colaboradores. Por meio da criatividade, é possível transformar situações e inovar, até mesmo no modo de agir frente aos desafios. A criatividade, inovação e empreendedorismo andam lado a lado. Antes que se tenha inovação, é necessário ser criativo e, para criar, é preciso empreender.

Criatividade pode ser ensinada, e existem técnicas que servem como gatilho para ajudar as pessoas a serem mais criativas. Muito mais do que elencar as técnicas a serem utilizadas, vamos pensar nas diferentes formas como as pessoas pensam e agem perante a situações adversas.

Algumas empresas, muitas vezes sem a intenção, impõem a cultura do “medo de errar” e, consequentemente, fazem com que seus colaboradores tenham receio de arriscar, o que resulta em perda de confiança. No final do ano, a Apple publicou um vídeo incentivando as pessoas a compartilharem suas ideias, sem medo do julgamento. Com a liberdade de criação, inúmeras habilidades podem ser descobertas, soft e hard skills presentes nas equipes de diferentes áreas.

Existem vários tipos de habilidades, e isso faz com que as pessoas aprendam e entendam de forma diferente. Howard Gardner destaca 8 tipos de inteligências múltiplas: lógico-matemática, espacial, verbo-linguística, interpessoal, intrapessoal, naturalista, cinestésica e musical. Esse conjunto de habilidades serve para entender as combinações e relações lógicas que os seres humanos fazem para aprender e relacionar as coisas. E ajuda a saber como trabalhar a expertise de cada uma dessas pessoas, exercitando diferentes formas do pensamento e desenvolvendo múltiplas habilidades que ajudam na solução de problemas diversos. Trabalhar e exercitar essas diferentes formas ajuda as pessoas a pensarem e entenderem de forma diferente, o que auxilia na hora de ser criativo.

Estimular a criatividade faz com que as pessoas sejam mais inovadoras e empreendedoras. Para ser empreendedor, é preciso ser constantemente criativo nos negócios. É necessário estar sempre se reinventando e criando novas soluções, estando à frente da curva, vendo e prevendo os cenários.

Para ajudar as empresas a solucionarem problemas de forma criativa, os profissionais de UX fazem uso de ferramentas do Design Thinking como forma de resolver problemas e desenvolver produtos e projetos baseados no pensamento dos designers. Usando pesquisas, brainstorms, seleção de ideias e prototipagem, para chegar a uma solução eficaz, por diferentes perspectivas, colocando sempre os clientes no centro das decisões e envolvendo-os em todo o processo, desde o entendimento até a entrega das soluções.

O uso do Design Thinking como um meio estruturado para combinar imaginação, conhecimento e experiências na geração de ideias inovadoras tem resultados efetivos para o mercado. É possível enxergar o sucesso em diferentes pontos:

– Melhorias incrementais e radicais no desenvolvimento de novos produtos, processos ou serviços;

– Melhorias na qualidade da comunicação e efetividade nos negócios;

– Melhorias para problemas recorrentes, muitas vezes aparentes em SACs relatados pelos clientes;

– Melhorias em experiência de um produto como um todo, desde o seu lançamento até a gestão do mesmo.

Essas técnicas têm ajudado uma variedade de setores como indústrias, mercados financeiros, comércios, governos, educação, entretenimentos, entre muitos outros. Se identificou com algum tópico do que foi dito? É um ótimo momento para escutar e aplicar as dicas de um profissional de UX.

Débora Costa, UX Leader at ilegra, empresa global de negócios e tecnologia

Tags, , ,