Page

Author admin

O impacto do Data Science para negócios

Por Paulo Campos, CIO Global da HartB

Vivemos, atualmente, a quarta revolução industrial, que é caracterizada por uma profunda transformação na forma como consumimos e trabalhamos por meio da incorporação de tecnologias disruptivas como a Inteligência Artificial, robótica, Internet das Coisas e Data Science, em nossas rotinas. Com a velocidade dos avanços tecnológicos, as empresas cada vez mais precisam adaptar-se a esse novo tempo a fim de conseguirem estar à frente do mercado e ganharem escalabilidade. Hoje, abraçar massivamente as inúmeras vantagens que a tecnologia proporciona não é mais uma questão de opção, e sim um diferencial competitivo fundamental.

Entre os benefícios que a transformação digital entrega às corporações está a capacidade de tomar melhores decisões, que afetam positivamente o relacionamento com clientes e, consequentemente, a rentabilidade da organização. O Data Science é justamente a tecnologia que explora e estuda os dados que as empresas possuem a fim de testar hipóteses e obter respostas, fornecendo soluções inovadoras para velhos problemas. Quando aliada ao conhecimento de negócios, a ciência de dados pode extrair informações poderosas, capazes de auxiliar as mais diversas áreas, desde aumentar a captação de clientes até a otimização de processos internos e predição de eventos futuros.

Data Science para negócios

O Data Science entrega como resultado informações, gráficos e dashboards que possibilitam ter visões claras e responder diferentes dúvidas sobre o negócio. Se associado também ao poder das ferramentas de Machine Learning e Inteligência Artificial, o Data Science pode fornecer soluções ainda mais impressionantes, que permitem as empresas recalcular a rota e expandir seus ganhos.

A abordagem da ciência de dados depende da área de atuação e da maturidade das organizações. Empresas com alto grau de digitalização e grandes quantidades de dados podem tirar maior proveito do Data Science, sendo capazes de extrair as mais diversas informações e produtos de seus dados. No entanto, o mercado evoluiu no sentido de democratizar este serviço. Com o avanço da digitalização nas corporações e com a evolução do próprio Data Science, empresas menores também poderão beneficiar-se consideravelmente da ciência de dados.

Desafios do Data Science para negócios

Líderes corporativos provavelmente já estão familiarizados com o termo Data Science e o uso do Big Data, contudo muitos talvez não consigam entender completamente o que isso representa para o futuro de seus negócios. O custo da mudança em desprender-se de velhos métodos, de velhos comportamentos e das burocracias complicadas é um dos principais fatores que apresentam uma barreira para a evolução tecnológica. O mercado brasileiro precisa mudar o foco, direcionar esforços para alcançar um nível de maturidade na forma de lidar com a informação, e estabelecer estratégias com essa nova perspectiva de gestão a fim de alcançar maior poder competitivo e resultados mais promissores.

Para que o processo rumo ao Data Science seja implementado com sucesso, alguns desafios precisam ser superados e estes tendem a exigir uma quantidade considerável de tempo, principalmente quando enfrentados pela primeira vez. O primeiro deles é a qualidade dos dados, que é essencial para a obtenção de resultados satisfatórios. Dependendo da empresa, os dados são armazenados de formas diferentes em cada área, o que pode gerar erros na combinação desses dados e inconsistência nas informações obtidas. Uma solução é a implementação de um Data Warehouse. Com essa estrutura, os dados passam por processos de filtragem, sumarização, normalização e reorganização, formando um alicerce seguro para futuras utilizações. Além de ordenar os dados para a análise, é possível também manter um histórico detalhado e corrigir falhas.

Outro desafio durante o processo é o usuário final, que pode apresentar dificuldades pela falta de interesse em alterar as rotinas diárias. Porém, um programa de treinamento de usuários que seja abrangente o suficiente para superar quaisquer hesitações iniciais pode ser uma alternativa para as corporações conseguirem fazer com que o uso do Data Science seja adotado.

A mão de obra qualificada também se enquadra como um dos desafios no caminho para essa transformação, já que encontrar e construir uma equipe certa com as habilidades adequadas não é uma tarefa fácil. Um time de Data Science é composto por profissionais que possuem determinadas habilidades específicas, como conhecimento em estatística, programação, Machine Learning, Inteligência Artificial, visualização de dados, curiosidade, boa comunicação e uma boa formação. Esse profissional deve estar habituado à necessidade de estudo contínuo dada a evolução frenética das tecnologias, ao passo que precisa entender a necessidade de negócio do cliente e sempre estar atento a traduzir ao interlocutor não especialista como a solução dos seus problemas pode ser alcançada.

Quais setores da empresa posso utilizar o Data Science?

O acesso à informação confiável leva a execução de tarefas ajustadas às necessidades dos clientes e do negócio, por isso o Data Science pode ser utilizado em qualquer setor de uma empresa visando melhorar, principalmente, a sua produtividade. Mas não para por aí, a ciência de dados também entrega diversas outras vantagens para as organizações, como aumentar a retenção de clientes ao identificar o seu comportamento e encontrar soluções para que eles não deixem de consumir os produtos e serviços; agilizar o processo de tomada de decisões por meio do acesso rápido a informações que necessita; e criar ações de marketing alinhadas de forma precisa com o perfil do público-alvo, os quais tem maior propensão a converterem-se como clientes da empresa.

O Data Science ainda ajuda a prever demandas para um determinado produto ou serviço, o que permite a empresa não perder negócios por falta de capacidade de atendimento de clientes; potencializa as vendas por meio da análise dos dados dos produtos e serviços que vendem melhor; facilita a personalização de produtos e serviços, levando em consideração que quanto mais personalizados de acordo com o público-alvo forem os produtos e serviços, maior será o potencial competitivo da organização; e detecta possíveis riscos e fraudes por meio de metodologias estatísticas, de rede, caminho e Big Data para modelos preditivos de propensão a fraudes, que possibilitam criar alertas que ajudam a garantir respostas oportunas quando dados incomuns são reconhecidos.

Trata-se, de maneira abrangente, de ter um olhar analítico para qualquer operação a ser executada dentro da empresa e estar sempre buscando melhorar processos, olhar este que ainda tem muito a ser evoluído acompanhado de uma maturidade maior das corporações para que possam usar os dados a seu favor. Hoje, o Data Science já é uma tecnologia bastante requisitada e só tende a aumentar a sua amplitude e atuação à medida que as empresas vão compreendendo cada vez mais como aplicá-lo no seu dia a dia e os quão poderosos são seus resultados no caminho rumo ao crescimento e diferenciação no mercado.

Food Service: o que mudou e o que vai ficar no pós-pandemia

Por Ramon Silva, diretor de Food Service e Micro e Pequenos negócios da TOTVS

Há mais de um ano, muito temos discutido sobre as mudanças que a pandemia de COVID-19 causou tanto para os consumidores, quanto para os empresários. Muitos estabelecimentos, em diversos segmentos, não estavam preparados para o fechamento compulsório das lojas físicas. Porém, mesmo em meio a tantas mudanças e adaptações, um setor que se destacou muito por manter suas operações e pela retomada rápida foi o de alimentação.

Por conta das medidas de distanciamento social, tudo o que havia sido planejado em 2019 para o setor de food service teve que ser adaptado para a nova realidade. Muitos restaurantes e bares, por exemplo, não estavam preparados para o delivery e take-out, muito menos esperavam ter que embarcar nesse universo de forma tão repentina.

Uma pesquisa realizada pelo Sebrae em parceria com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) aponta que, antes da pandemia, cerca de 54% dos empresários brasileiros usavam o delivery em seus negócios. Com as restrições impostas pela crise sanitária, esse percentual subiu para 66%. A pesquisa revela ainda o aumento da adesão aos aplicativos de entrega, uma vez que 25% dos negócios já estavam nas plataformas digitais. Agora, cerca de 72% estão operando dessa forma.

Analisando esses dados, temos um ponto importante como reflexão: entender como será o novo comportamento do consumidor em um mundo pós-pandemia e saber como estar preparado para continuar atendendo às novas necessidades. Para isso, trago algumas práticas que se você ainda não aplicou no seu negócio, está na hora de implementar para se manter produtivo e competitivo.

• Delivery e take-out

Como as pesquisas nos mostraram, esse tipo de compra cresceu muito no último ano e, dificilmente, o consumidor dará um passo para trás em relação a esse novo hábito. Hoje existem ferramentas que facilitam o seu delivery próprio, otimizando a operação dentro do PDV, além de integração com as principais plataformas do mercado. Esse é o primeiro passo necessário para se manter rentável e diversificar suas vendas.

Além da entrega em casa, a opção de retirada na loja também se popularizou no período, já que algumas pessoas acabam preferindo realizar compras em locais mais próximos às suas residências, mesmo que não possuam um serviço de entrega.

• Cardápio digital e autoatendimento

Para que se tenha cada vez menos contato físico direto, o que até pouco tempo pareciam ser recursos voltados mais para as grandes redes, hoje se tornaram essenciais para a sobrevivência de estabelecimentos de qualquer porte. O cardápio disponibilizado via QR Code na mesa, por exemplo, já era um movimento que acontecia antes da pandemia e, agora, é uma necessidade, dispensando o uso de papéis que, além de não poderem ser higienizados, podem contribuir para a disseminação do vírus.

Além disso, o autoatendimento por totem era um serviço que precisava de um hardware de alto valor, mas que agora pode ser adaptado para qualquer tamanho de negócio e utilizando qualquer tela. Esse tipo de ferramenta, além de reduzir custos, também automatiza e agiliza o pedido, que é recebido diretamente na cozinha, contribuindo com a produtividade do negócio e dos colaboradores.

• Comanda eletrônica e pagamentos digitais

Outra ferramenta que trouxe praticidade e agilidade ao segmento de food service, a comanda digital permite ao garçom iniciar a solicitação do cliente por meio de smartphone, tudo integrado ao sistema do estabelecimento. Além disso, existem plataformas já integradas com os meios de pagamento digitais, deixando o atendimento ainda mais veloz e aceitando diversas formas de pagamento.

Além das novidades tecnológicas, é preciso que o setor de food service também fique atento aos protocolos sanitários como, por exemplo, álcool gel na entrada dos estabelecimentos, o uso de máscaras e luvas pelos garçons e, claro, o respeito às regras de volume da ocupação, conforme às normas vigentes da localidade do estabelecimento.

Dado esse cenário da pandemia, a dica mais valiosa de todas é escolher um fornecedor de tecnologia de qualidade, que seja realmente parceiro do negócio e consiga ajudar o segmento a passar por esse momento difícil, em que o setor de food service foi empurrado definitivamente para o mundo digital.

Sabemos que a pandemia terá fim, e todos torcemos para que seja logo. Porém as mudanças no comportamento dos consumidores e a transformação digital no setor de food service são irreversíveis, exigindo que os empresários reinventem seus negócios para atender estas novas demandas, manter e até aumentar a produtividade. Com uma boa estratégia e a tecnologia adequada é possível posicionar os negócios para aproveitar boas oportunidades que surgirão.

Getnet investe em desenvolvimento de startups em programa do Tecnopuc

A Getnet, empresa de tecnologia do Santander especializada em meios de pagamento, será, pela primeira vez, parceira do Tecnopuc – Parque Científico e Tecnológico da PUCRS, na realização da 10ª edição do Startup Garage, programa de Modelagem de Negócios voltado a empreendedores que tenham ideias ou projetos inovadores. 

O objetivo principal é transformar estas ideias em negócios, fazendo com que os participantes tenham uma visão clara sobre quais problemas da sociedade querem resolver. Rafael Chanin, professor da Escola Politécnica da PUCRS e integrante do Tecnopuc Startups, afirma “é muito gratificante ver grandes empresas como a Getnet, apoiando programas como o Startup Garage. Isso mostra como os ecossistemas de inovação estão entregando e criando cada vez mais valor para o mercado. Essa aproximação e conexão é fundamental para os empreendedores e torna nosso ambiente ainda mais conectado e global”.

Na visão da Getnet, embora esta iniciativa tenha periodicidade, é propícia para o momento de crise em que se vive. “Temos a oportunidade de contribuir para melhorar o ambiente de negócios, principalmente, sob o ponto de vista de tecnologia, que é tanto demandada nos momentos de isolamento social”, afirma Ricardo Roquette, vice-presidente de Tecnologia da Getnet.

Além disso, a empresa fortalece seu pilar estratégico de inovação, atuando em duas frentes: na vanguarda de projetos de grande impacto e na descoberta de ideias que contribuirão para transformar pessoas e negócios de forma inovadora, segura e eficiente que abrangem novas tecnologias e soluções. “Temos grande proximidade com o Tecnopuc, uma vez que nosso escritório está localizado naquele complexo, além de sinergia intelectual. Então, decidimos dar mais um passo no caminho da inovação aberta e que vai complementar nossas iniciativas, como os nossos hackathons”, completa Roquette.

O programa dura três meses com 30 projetos selecionados e inclui mentorias, workshops, palestras e trocas de experiências com profissionais do mercado. Os grupos terão encontros diários, numa jornada de desenvolvimento do negócio até a apresentação final e premiação, que acontecerá entre 16 e 18 de junho. Além do aporte financeiro, a Getnet disponibilizará seus executivos para prestar consultoria às equipes e ter participação na banca examinadora. 

Para mais informações: https://www.pucrs.br/garage/#

Liv Up abre 60 vagas, 30 apenas para a área de tecnologia, em todo o Brasil

A foodtech Liv Up está com mais de 30 vagas abertas somente na área de tecnologia em todo o Brasil. Ao todo são 60 vagas, com a possibilidade de trabalho remoto ou flexível. A startup tem se destacado não apenas pelo crescimento, mas por sua cultura diversa e inovadora, que oferece além de um ambiente com grande potencial de desenvolvimento profissional, um local de trocas e interações entre pessoas com os mesmos propósitos e valores.

Por ser uma empresa de tecnologia que busca solucionar necessidades do consumidor para a alimentação do dia a dia, a Liv Up preza pela união do que existe de mais tecnológico com o que há de mais humano, sem esquecer do impacto positivo sobre a sociedade, algo genuíno em seu propósito. Tatiana Ottenio, Head de Engenharia de software na Liv Up, comenta que “a oportunidade de fazer parte de uma empresa em franco crescimento me desafia a crescer na mesma velocidade para criar sistemas inovadores e ágeis que olhem para as questões de forma humana. É algo que está no DNA da Liv Up, um diferencial de ser coerente de ponta a ponta com o propósito que prega, e com um time que se importa e se conecta com ele de forma genuína.”

Para as vagas de tecnologia, se destacam Tech Lead, Engenharia de Software, Engineering Manager, Engenharia Mobile e Cientista de Dados. Mas as oportunidades que se estendem para outras áreas importantes da empresa como Portfólio, Chef de Criação, Especialista de Pesquisa com Consumidor, Líder de Desenvolvimento, Senior UX Research, Business Analytics Intern, Product Manager, Senior Business Analyst | Exclusiva para Mulheres, Growth Product Manager, entre outras.

A Liv Up nasceu com o propósito de revolucionar o setor de alimentação e tem como objetivo se tornar o destino de quem quer comer e viver melhor. Focada em criar soluções que unam a liberdade de experimentação com a capacidade de crescimento, a foodtech tem apresentado um forte ritmo de crescimento, dobrando de tamanho a cada ano.

Todas as oportunidades podem ser acessadas pelo link: http://apply.workable.com/livup/

Movimento Brasil, País Digital comemora 5 anos de trajetória e mostra como impactou mais de 10 milhões de brasileiros

O movimento Brasil, País Digital completa 5 anos de trajetória e comemora em evento virtual no próximo dia 19 de maio, às 8h30, com transmissão ao vivo nas redes sociais ( Instagram Facebook YouTube ). O encontro vai apresentar a história, relatos dos participantes e dados importantes conquistados pelo movimento social, que é apartidário e formado por pessoas e organizações apaixonadas pela tecnologia, inovação e pelo poder democratizante e inclusivo que exercem. A participação é gratuita e as inscrições devem ser feitas aqui .

“Somos um movimento da sociedade, sem fins lucrativos, liderado pela Associação Brasileira das Empresas de Software (ABES), e cuja principal bandeira é trabalhar pela construção de um Projeto de Nação que seja mais digital e inclusivo. Ao longo dos 5 anos da iniciativa, pudemos impactar mais de 10 milhões de brasileiros por meio do portal www.brasilpaisdigital.com.br e das nossas redes sociais, nas quais possuímos cerca de 170 mil seguidores. Somos o Brasil, País Digital que trabalha incansavelmente por uma Nação mais Digital e Menos Desigual”, explica Andriei Gutierrez, Cofundador e Coordenador do Brasil, País Digital.

Segundo João Emilio Gonçalves, Gerente-executivo de Política Industrial da CNI, Parceira do Brasil, País Digital, com a indústria 4.0 nos últimos anos ocorreram muitos avanços para o setor e, certamente, o movimento contribuiu para todos eles. “Tivemos a criação da câmara brasileira da indústria 4.0, tivemos a aprovação e a entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), tivemos avanços na área de telecomunicações e, para o futuro, também vemos desafios como a implantação do 5G”, ressalta.

Tatiana Ribeiro, Diretora Executiva do Movimento Brasil Competitivo, completa apresentando números sobre o marco da transformação digital como lançamento da Estratégia Brasileira de Transformação Digital: “chegamos a mil serviços públicos digitais do governo federal, além de termos uma estratégia brasileira de Inteligência Artificial. Com o apoio e coalização de uma série de organizações da sociedade civil, setor produtivo e do governo vamos conseguir avançar nesse desafio”.

A iniciativa do movimento Brasil, País Digital é fundamental e vai continuar cumprindo esse papel importante de promover mudanças, de trazer informação para as pessoas sobre a transformação que está em pleno curso e que tem potencial de trazer muitos outros benefícios para a sociedade.

Além da comemoração virtual no dia 19 de maio, os organizadores do Brasil, País Digital continuarão celebrando e debatendo a transformação digital nos dias posteriores ao evento. Para tanto, convidaram as entidades parceiras do movimento e as personalidades e autoridades que receberam o prêmio de Embaixador do Brasil, País Digital a produzirem depoimentos em vídeos com um balanço da transformação digital do país nos últimos cinco anos e as perspectivas para o futuro. Os conteúdos serão disponibilizados nas mídias sociais e website da iniciativa.

EVENTO: 5 anos de Brasil, País Digital

Data: 19 de maio

Hora: 8h30

Inscrições: http://brasilpaisdigital.com.br/5anos/

Appnovation, especializada em projetos de inovação digital, inicia operação no Brasil

A agência de origem canadense Appnovation , consultoria digital full-service reconhecida pela inovação e pelo compromisso com projetos que foquem nas reais necessidades de seus clientes, escolheu o Brasil como hub de suas operações na América Latina. O escritório, localizado em São Paulo, já está atuando com direção executiva de Alfredo Reikdal.

Com sede em Vancouver e 17 escritórios em diferentes países, a agência trabalha com clientes como Visit California, BlueCross BlueShield North Carolina, Sesame Street e empresas do ramo farmacêutico, entre outras. Em 2021, a Appnovation foca na expansão. Além do escritório brasileiro, que já está atendendo clientes globais, também abriu este ano uma operação em Cingapura.

“São Paulo é um importante polo de negócios e um mercado estratégico no qual a Appnovation quer expandir sua presença global”, indica Scott Wassmer, gerente geral para as Américas da Appnovation. “Esta nova equipe será responsável por liderar os esforços de atendimento à crescente demanda local por soluções digitais estratégicas e inovadoras, ao mesmo tempo em que poderá atuar com clientes já existentes em outros países, desenvolvendo soluções de negócios que são reconhecidas mundialmente pela criação focada no desafio a ser resolvido e na utilização da solução digital adequada”.

“À medida em que a digitalização continua a se expandir no mercado sul-americano, há uma série de oportunidades para parceiros digitais fortes e estratégicos”, reforça Alfredo Reikdal, diretor executivo da agência em São Paulo. “A união de talentos criativos do Brasil com o propósito da Appnovation e sua presença global será fundamental para a expansão atuação local e regional. É muito gratificante, como profissional brasileiro, atuar em uma empresa que reconhece o potencial de geração de negócios do país, assim como a alta qualificação de seus profissionais para desafios sem fronteiras”.

Entre os focos da atuação no Brasil para este momento estão os segmentos de varejo, serviços financeiros, viagem & turismo, saúde e áreas científicas. Reikdal, que já teve posições de liderança em agências como Ogilvy, Critical Mass e SapientRazorfish, além de atuações na Coca Cola e Globo.com, está montando uma equipe local, que deve chegar a 40 profissionais até o fim de 2021.

Fundada em 2007, a Appnovation recebeu importantes prêmios da indústria nos últimos anos como o Communicator Awards , The Canadian Marketing Association Awards , Creativepool Annuals , MobileWeb Awards e o Horizon Interactive Awards . Um dos focos da liderança global da agência é desenvolver um ambiente de trabalho e um espírito de equipe, que proporcionem orgulho de pertencer e motivação para desafios. Entre 2020 e 2021, a Appnovation ganhou reconhecimento por ser o Melhor local de trabalho para mulheres , Melhor local de trabalho para a juventude de hoje e Melhor local de trabalho em tecnologia .

“Apesar do momento global de desafios e mudanças, o Brasil continua a ser reconhecido pelas boas oportunidades de negócios para as empresas canadenses,” diz Heather Cameron, Cônsul Geral do Canadá em São Paulo. “O Canadá é reconhecido globalmente pela inovação tecnológica. As empresas canadenses, junto com parceiros e clientes brasileiros, podem incentivar o mercado e aumentar a competitividade saudável entre as empresas locais, ajudando a aumentar sua vantagem digital”.

Entre alguns dos cases de destaque da Appnovation estão a reformulação das plataformas digitais da agência de promoção de turismo na Califórnia, Visit California , e da multinacional chinesa de eletrônicos T CL , além da criação de uma experiência virtual para o Memorial & Museu Nacional do 11 de Setembro .

Abstartups abre inscrições para o Batch#2 Impact

Durante todo o mês de Maio estão abertas as inscrições do Batch#2 Impact, programa da Associação Brasileira de Startups (Abstartups) para fomentar ainda mais o ecossistema de inovação no Brasil.

O selecionado para se tornar um Associado Impact terá a oportunidade de participar de programas de mentoria, treinamento de pitch, conversas com investidores, colaborar para o blog da Abstartups e fazer networking em diversas oportunidades exclusivas, como o Jantar Impact.

Para se tornar um Associado Impact, a startup precisa estar preparada para uma criteriosa seleção que leva em conta o faturamento, time, investimentos, impacto no ecossistema e o produto. Startups consolidadas no mercado como Buser (transporte colaborativo), Docket (Lawtech), Gama Academy (Educação), Track.co (Customer Experience) e PontoMais (Recursos Humanos) já foram Associado Impact e por isso tiveram a oportunidade de estarem em eventos exclusivos para fazerem networking, programas de mentoria e treinamentos de Pitch – que são diferenciais na carreira de um empreendedor de sucesso.

O mais recente case de sucesso oriundo do programa Associado Impact é o Customer X, startup de software para gestão de Customer Success, que recentemente recebeu um aporte de R﹩1,5 milhão de cinco grandes grupos de investidores.

As inscrições para o Batch#2 Impact vão até o dia 31/05 e o resultado será divulgado em 07/06. Para se increver, basta acessar: http://abstartups.com.br/associados-impact/

Projeto surgido na Incubadora USP/IPEN-Cietec quer divulgar conhecimentos sobre biossegurança

Dra. Tatiana Ometto, da Bio Mídia

Após a aplicação da pesquisa “Impactos da pandemia para profissionais dos centros de ensino”, que buscava entender como as escolas estão se preparando para a volta às aulas presenciais, devido à pandemia do novo coronavírus, Tatiana Ometto, fundadora da EPI Bio, empresa da Incubadora USP/Ipen – Cietec, e Sandra Janostiac, fundadora da New Midia, criaram em parceria a Bio Mídia, iniciativa que visa levar conhecimento de Biossegurança para empresas.

A partir da análise dos resultados, as empreendedoras desenvolveram treinamentos on-line, com diversos módulos, com o objetivo de ajudar na preparação dos locais para evitar a contaminação pelo vírus, por meio de treinamentos e capacitação de todos os profissionais que estão inseridos nesses locais para o estabelecimento de protocolos de segurança para garantir à preservação da vida.

O primeiro módulo, que tem como público professores, gestores acadêmicos e colaboradores, é ministrado pela própria Tatiana, que é Doutora em microbiologia pela USP e pós-doutora em virologia pela USP e CDC (Atlanta, EUA), e responsável pelos treinamentos de biossegurança de pesquisadores da USP e Instituto Butantan. Um segundo módulo já está em desenvolvimento, voltado para profissionais da área da saúde

“Estamos muito felizes com essa cooperação que surgiu em um evento do SEBRAE, direcionado para as empresas incubadas aqui do Cietec, pois conseguimos desenvolver um produto fundamental no contexto atual, unindo a minha área de atuação e da Sandra”, ressalta Tatiana Ometto, fundadora e CEO da EPI Bio.

“O propósito da Bio Mídia é levar as melhores práticas de biossegurança utilizadas nos melhores laboratórios do mundo para as atividades do cotidiano para ajudar a preservar a vida, por meio de consultorias e treinamentos para a capacitação de todos os colaboradores envolvidos”, explica Sandra Janostiac, fundadora e CEO da New Midia.

Lupeon recebe aporte de R$4,5 milhões do fundo da ZFM

A Lupeon , plataforma tecnológica para gestão de fretes rodoviários, aéreos ou de correios, anuncia que recebeu um aporte de R$ 4,5 milhões do fundo de investimento em participações em empresas emergentes da ZFM. Com mais de 15 milhões de viagens verificadas, a Lupeon contabiliza R$ 100 bilhões em mercadorias transportadas e mais de 8 mil transportadores auditados. Com o aporte, a empresa deve ampliar sua equipe comercial e também desenvolver um produto focado em antecipação de recebíveis. Entre seus clientes estão companhias como Brasif, Makita, Mann, Allied, Caloi, KraftHeinz e Cortag.

“Vamos reforçar o time comercial para fortalecer a geração de novos negócios. Além disso, acreditamos que estamos em um momento ideal para desenvolver um produto de antecipação de recebíveis”, explica José Fernando de Abreu, fundador e CEO da Lupeon.

Segundo Francisco Jardim, sócio-fundador da SP Ventures, que realizou um aporte de R$ 3,5 milhões na empresa em 2016, um diferencial é que a Lupeon trabalha com marcas dos mais diferentes setores, como varejo, indústria, farmacêuticos, e-commerce, agronegócio e logística. A empresa ajuda seus usuários a efetuar a gestão total dos fretes, com base em seus próprios requisitos e objetivos de negócios.

“Nesse período pós investimento, eles construíram o melhor produto do mercado. A tecnologia é muito assertiva analisando os valores gastos com frete, apontando erros de cobrança e potenciais oportunidades de renegociação. A equipe faz a gestão das negociações na plataforma e a comunicação com os transportadores, enquanto a plataforma processa as notas fiscais, os conhecimentos de transporte e faturas. Isso cria uma plataforma perfeita para construirmos a maior e melhor fintech transportadoras do mundo, um mercado no Brasil superior a R$ 60 bilhões”, detalha Jardim.

“Nosso trabalho requer cuidado e precisa ser constantemente aperfeiçoado. Normalmente, até 40% das faturas apresentam alguma discrepância baseada em médias históricas. A nossa plataforma traz até 70% mais eficiência na gestão do frete quando comparado com outros métodos, apresentando uma taxa média de 15% de recuperação do gasto total com frete, valor muito relevante”, finaliza Abreu.

Hackathon busca soluções para efeitos socioeconômicos da pandemia

O Fundo Patronos, uma Associação de alunos e ex-alunos da Unicamp, em parceria com o QuintoAndar, abre inscrição para a primeira edição do Hackathon Patronos. A iniciativa, que acontecerá de forma remota, busca encontrar soluções eficientes para os problemas trazidos pela pandemia da Covid-19, que vão além das questões de saúde pública, como aumento da fome e desigualdade social, desemprego, aumento na violência doméstica, entre outros. O Hackathon terá duração de 48h e premiará a equipe que apresentar a melhor solução com R$5 mil reais. O evento contará com mentores na área de programação, profissionais da saúde, de marketing e produto, então além de uma oportunidade de colocar sua experiência em prática, não é necessário conhecimentos prévios para participar, somente boas ideias para serem tiradas do papel. O prêmio é financiado pelo fundo gerido pela Associação, criado através das doações de ex-alunos, como o modelo de endowments, muito comum nas universidades americanas.

“A pandemia trouxe efeitos colaterais para o país que extrapolam a questão da saúde pública. Com o Hackathon Patronos buscamos reunir equipes multidisciplinares para contribuir de forma ágil e efetiva com essas questões que assolam o país”, conta Thais Zschieschang, da Associação Fundo Patrimonial Patronos e Coordenadora do Evento.

O QuintoAndar, plataforma imobiliária digital que vem usando dados e tecnologia para resolver a dor de milhares de pessoas em relação à moradia, apostou na ideia e ajudará o Fundo Patronos a encontrar soluções de impacto durante o Hackathon. Além do patrocínio, o evento terá Denis Caldeira, VP de Vendas e Clientes, e Gabriela Lima, Diretora de Produto, como avaliadores dos projetos finalistas.

“Aqui no QuintoAndar nós somos viciados em resolver problemas. Poder contribuir com esta iniciativa é usar a nossa capacidade, baseada em dados e tecnologia, para ajudar outras pessoas a resolverem problemas”, conta Erica Jannine, VP de RH do QuintoAndar.

Para participar, os interessados devem se inscrever de forma gratuita pelo site do evento: http://www.patronos.org/hackathon-covid19

Serviço
Data do Hackathon: 28 a 30 de maio
Formato: Virtual / remoto
Data final das inscrições: 23 de maio de 2021
Link para inscrições: http://www.patronos.org/hackathon-covid19

Mosaico origina mais de R$ 1 bilhão em vendas para o varejo no primeiro trimestre, crescimento de 28,7%

A Mosaico (MOSI3) – maior plataforma de conteúdo e originação de vendas para o comércio eletrônico do Brasil – anuncia os resultados financeiros do primeiro trimestre, com crescimento de 28,7% no GMV (Gross Merchandising Volume ou Volume Bruto de Mercadorias) na comparação com o mesmo período de 2020, superando R$ 1 bilhão em vendas pelo quarto trimestre consecutivo.

No período, a Mosaico registrou crescimento de 18,3% na Receita Bruta, totalizando R$ 58,1 milhões, e aumento de 18,4% na Receita Líquida, que totalizou R$ 51,2 milhões. O Lucro Líquido ajustado foi de R$ 2,9 milhões, com margem de 5,6%, enquanto o Lucro Bruto somou R$ 45,7 milhões no trimestre, com aumento de 15,7% ano a ano, e uma Margem Bruta de 89,3%, com redução de 2,1 pontos percentuais, explicada pelo aumento no custo com aluguel de servidores, gerada pela alta do dólar e maior volume de serviços de TI contratados, por conta do aumento de tráfego na plataforma.

O EBITDA ajustado (pelas despesas do IPO) do primeiro trimestre, em razão da estratégia de crescimento que elevou o custo com pessoal e aquisição de tráfego, totalizou R$ 6,9 milhões, uma retração de 55,4%, com margem de 13,6%.

“Neste trimestre, nossos resultados refletem os investimentos que temos feito para acelerar o crescimento do negócio, por meio da ampliação do nosso time, das campanhas de marketing e dos serviços oferecidos na nossa plataforma”, afirma Thiago Flores, CEO da Mosaico. “Seguimos firmes na estratégia de construir uma plataforma de serviços que simplifique e adicione valor à jornada de consumo, com grande capacidade de originação de vendas para o varejo. Estamos construindo um completo assistente de compras para o consumidor brasileiro”, complementa.

Também no período, houve crescimento de 12,9% no número de visitas em relação ao primeiro trimestre de 2020, chegando a 186,9 milhões e a média mensal de usuários únicos totalizou 25,8 milhões (+19,7% em relação aos primeiros três meses do ano passado).

Destaques: compra da Vigia de Preço e oferta de cashback
No relatório de resultados, a Mosaico reforça duas iniciativas recentes e que reforçam a estratégia da companhia de ampliar a oferta de serviços voltados a apoiar os consumidores na jornada de compras virtuais: a aquisição do Vigia de Preço e o início da oferta de cashback.

A compra dos ativos do Vigia de Preço – que é a primeira aquisição da Mosaico pós-IPO – acelera a entrada da companhia no crescente mercado de extensões de browsers (plug in) e aumenta a interação com os usuários fora dos aplicativos de smartphones e das plataformas da Mosaico, ampliando a presença da companhia em toda jornada de compra do consumidor digital. O Vigia de Preços gerou um GMV de R$ 113 milhões em 2020, tem 200 mil extensões instaladas e atingiu receita bruta de R$ 5,2 milhões no último ano. O Vigia de Preço será convertido em uma das marcas da Mosaico.

Também entrou em operação, em maio, a plataforma de cashback, desenvolvida internamente em quatro meses, que passa a ser implementada de forma gradual para os 23 milhões de consumidores que têm conta na plataforma, iniciando-se pelos usuários da marca Zoom.

A entrada da Mosaico no mercado de extensões de browsers (plug in) potencializa o serviço de cashback para gerar mais engajamento, economia para os usuários e aumentar consideravelmente a recorrência orgânica de acessos nas plataformas da Mosaico. O benefício já está disponível em cerca de 400 lojas parceiras.

A combinação do cashback e a extensão do navegador também permite à Mosaico ampliar a participação em categorias de produtos nas quais a companhia ainda não tem forte representatividade, como moda e saúde e beleza. A extensão trabalha como um assistente de compras completo, oferecendo as informações que o consumidor precisa, de acordo com o contexto da sua navegação, para tomar a melhor decisão a cada compra.

“O ano de 2021 está sendo transformacional para a Mosaico. Além da nossa oferta pública, realizada com sucesso em fevereiro, entregamos recentemente projetos importantes que melhoram a experiência de uso, aumentam substancialmente nossa proposição de valor na jornada de compra e nos inserem no mercado de cashback – um dos nichos mais dinâmicos do comércio eletrônico brasileiro – abrindo um novo mercado endereçável para o nosso negócio”, ressalta Thiago Flores.

Novos produtos e serviços
A Mosaico anuncia também que, em breve, planeja lançar uma plataforma de cupons de descontos. O serviço irá disponibilizar, de forma organizada e acurada, os cupons mais relevantes ativos no mercado.

Por meio da extensão no browser, o usuário receberá informações de quais cupons de desconto se aplicam à loja que ele está navegando, juntamente com outros dados que ajudem o consumidor a tomar a melhor decisão de compra. O que reforça a estratégia da Mosaico de, em um único lugar, oferecer ao consumidor acesso a todas as informações importantes como conteúdo sobre o produto, preço, valor do frete, cashback e cupons de desconto.

No segundo semestre, a plataforma também planeja lançar uma plataforma de “discovery”, onde o consumidor terá a experiência de poder “olhar vitrines”, com novidades, promoções, descontos e ofertas sendo apresentadas por meio de uma curadoria personalizada por algoritmos.

A Mosaico começou a empregar inteligência artificial em larga escala para automatizar o gerenciamento do inventário de mais de 75 milhões de ofertas, um crescimento em março de 2021 de quase 100% em relação a março do ano passado.

Grupo Nexxees adquire startup de meios de pagamento

O Grupo Nexxees, holding sediada em Florianópolis (SC) e proprietária da Nexxera, empresa provedora de soluções de automação bancária, utilities e plataformas de gestão financeira, anuncia a aquisição da Gold Soluções, startup especializada em BPO Financeiro em meios de pagamento. O acerto reforça a estratégia nacional do Grupo Nexxees para expansão de novas frentes de negócio. A estimativa é gerar uma receita bruta acima de R$ 70 milhões nos próximos cinco anos.

“Estamos investindo e adquirindo participação em novas empresas voltadas a serviços e entregando, efetivamente, o propósito de uma empresa SaaS”, disse Edson Silva, presidente do Grupo Nexxees.

Segundo o CEO da Gold Soluções, Alessandro Jung, a união com a Nexxera levará mais segurança em tecnologia e conectividade com todo o ecossistema financeiro, promovendo soluções que serão aplicadas na automação e inteligência em serviços de BPO financeiro. 

“Isso eleva a qualidade de nossas entregas e potencializa o propósito de melhorar a gestão financeira das empresas, unindo tecnologia com atendimento humanizado consultivo. Estamos construindo algo único no mercado, que potencializará os resultados de todos que estiverem conectados na cadeia de valor.”, afirmou.

A negociação foi assessorada pela Stark, primeira M&ATech do Brasil, que tem como missão promover M&As dentro do segmento de Middle Market, conectando PMEs a investidores com custos mais acessíveis e de forma muito mais rápida, transparente e moderna por meio do uso da tecnologia.
“A Stark tinha como objetivo encontrar uma empresa com visão moderna e com foco em levar soluções para PMEs. A Nexxera foi, sem dúvida, o melhor match para o nosso cliente”, explicou Gualtiero Schlichting, CBO da Stark e advisor da transação.

O que significa a aquisição

A união das duas empresas amplia a base tecnológica e a extensão das análises, provendo um amplo BPO financeiro e mercantil, digital e escalável, com foco em orientar os clientes para uma gestão 360 graus, integrada ao ecossistema da cadeia produtiva do cliente. Com público-alvo no mercado PME, o objetivo é levar uma plataforma completa de gestão, promovendo redução de custos e perdas, aumento de resultados e melhor gestão do fluxo de caixa, otimizando a rotina financeira e provendo acesso a linhas de crédito inteligentes.

Como será o processo

O processo de aquisição ocorrerá em etapas, até o controle majoritário, acompanhando um planejamento de investimento e crescimento. Os aportes ocorrerão ao longo de 24 a 36 meses. O primeiro será de R$ 2,4 milhões, investidos na modernização das plataformas de atendimento, ampliação da eficiência operacional e das ofertas BPO e adição de novas tecnologias, como o Hubly (plataforma de gestão financeira) e o Vizzoo (conciliador de cartões), entre outras. 

Por que investir nesta área?

A má gestão financeira – mais precisamente, a falta de controle sobre o fluxo de caixa – é um dos principais motivos do fechamento de micro e pequenas empresas, mercado que hoje representa aproximadamente 18 milhões de estabelecimentos no país. A pandemia trouxe ainda outros agravantes. E o empreendedor necessita de apoio e soluções que auxiliem na sua gestão financeira e recuperação. O Grupo Nexxees confirma seu investimento em sustentabilidade ancorado, neste momento, em dois pilares: econômico, para a recuperação das empresas, seu poder de compra e venda; e social, focado na empregabilidade, já que o segmento PME responde pois mais de 76% dos empregos no Brasil.

Grupo Prosegur busca startups criativas e inovadoras na segunda edição do Programa COME IN

O Grupo Prosegur acaba de lançar a segunda edição do COME IN, programa pioneiro de Open Innovation criado para enfrentar os desafios de segurança do futuro. A empresa abre suas portas novamente para o talento e criatividade das startups brasileiras ou estrangeiras que possam fornecer soluções inovadoras para a transformação das atividades do setor de segurança. Na primeira edição, em 2020, mais de 300 propostas foram apresentadas e sete startups iniciaram seus trabalhos na Prosegur.

COME IN é uma oportunidade para entrar no mundo da segurança, gestão de numerário, cibersegurança ou transformação digital em parceria com uma empresa líder no setor. A iniciativa busca startups que tenham um produto funcional ou protótipo que responda a alguns dos desafios apresentados pela equipe de Inovação. O Grupo Prosegur está em busca de empresas com ideias criativas e inovadoras que queiram validar suas tecnologias em um ambiente real e crescer em escala global.

A segunda edição do COME IN já apresentou seis desafios: quatro nas áreas de negócios – Prosegur Security, Prosegur Cash, Prosegur Alarms e Prosegur AVOS (terceirização de serviços de alto valor agregado), além da Cipher, em cibersegurança, e um desafio corporativo, para a área Jurídica. Os participantes poderão enviar seus projetos por meio do link até 14 de junho e, em seguida, as propostas serão avaliadas por um comitê de seleção.

Os projetos finalistas serão convidados a participar do ‘Selection Day’, quando poderão apresentar suas soluções para o comitê de seleção e para os responsáveis das áreas administrativas e de negócios do Grupo. As startups selecionadas terão a oportunidade de trabalhar em conjunto com profissionais da empresa para desenvolver a proposta de valor de seu produto e lançar um piloto.

“A primeira edição do COME IN, em 2020, foi um sucesso. Nós recebemos centenas de ideias inovadoras em um contexto marcado pela incerteza, e onde a segurança assumiu um nível de importância muito alto. Agora, lançamos a segunda edição cientes de que o desafio é ainda maior. A visibilidade que a segurança ganhou nos força a continuar elevando o nível de excelência em tudo o que fazemos. Nesse contexto, sabemos que a colaboração é um elemento essencial e estamos confiantes de que existam muitos projetos inovadores que precisam ser explorados e que nos ajudarão a construir nosso futuro mais próximo”, comenta José Daniel García, diretor corporativo de Inovação do Grupo Prosegur.

CINCO DESAFIOS PARA STARTUPS DO COME IN

1) Proteger as pessoas em espaços de lazer por meio de soluções inovadoras

A área Prosegur Security – no Brasil liderada pela SegurPro, lança o desafio de apoiar o renascimento do setor cultural e de lazer com a volta de grandes eventos em espaços seguros. Por isso, a divisão de negócio busca soluções inovadoras que facilitem a identificação, acesso e permanência dos participantes em grandes espaços públicos, como teatros, cinemas, casas noturnas, ginásios, estádios etc., através de uma combinação eficaz entre segurança e privacidade.

2) Melhorar o controle da frota analisando dados

A Prosegur Cash busca otimizar o uso de seus dados para melhorar a mobilidade de sua frota, a fim de evitar acidentes, reduzir o impacto ambiental e racionalizar o uso de combustível. Portanto, eles procuram uma solução que permita extrair todos os parâmetros de seus carros-fortes e receber avisos antecipados de possíveis falhas do veículo por meio das informações transmitidas à sua plataforma de análise de dados.

3) Desbloquear todo o potencial de dados obtidos por dispositivos de segurança

A Prosegur Alarms pretende aprimorar a análise de dados de seus dispositivos de segurança. A divisão da Prosegur busca ideias para detectar riscos potenciais por meio de informações coletadas por sensores para fornecer uma resposta mais eficaz aos seus clientes. Além disso, a solução deve fornecer dados sobre diferentes variáveis que permitam aos usuários ter uma visão mais completa do que está acontecendo em sua casa, negócios ou veículos.

4) Mapear o perfil financeiro dos clientes para mitigar riscos de inadimplência ou crédito

A Prosegur AVOS, área de negócio especializada em transformação digital utilizando reprogramação e automatização de processos, busca uma solução que, por meio do tratamento de dados e Inteligência Artificial (IA), os apoie na tomada de decisões sobre a viabilidade de aplicações para produtos de crédito, empréstimos etc. Para isso, eles procuram uma proposta de customer scoring que possa ser integrada com a operação atual e oferecer um serviço integral de gestão de riscos.

5) Melhorar as estratégias de detecção usando testes automatizados da Equipe Roxa em ambientes multisoc

A Cipher, unidade de cibersegurança do Grupo Prosegur, busca as melhores tecnologias e sistemas de gestão para garantir negócios no mundo digital e oferecer soluções de segurança 24 horas por dia, sete dias por semana. Portanto, é necessário que a solução proposta forneça uma maneira distinta de gerenciar o roteiro da estratégia de detecção de ameaças, criando um diferencial para seus Managed Security Services (MSS), melhorando seu recurso avançado de detecção de ameaças.

6) Automatizar o processo de revisão e análise de riscos de documentação legal

O Departamento Jurídico do Grupo Prosegur quer otimizar a revisão da documentação que gerencia a área por meio de uma ferramenta que emita uma análise de risco jurídica para cada um dos textos analisados. Esta análise, supervisionada por um advogado, seria automaticamente enviada ao requerente, que poderia, com base nesse relatório, optar por negociações e/ou mudanças nas condições.

WeWork e Softbank anunciam empreendedoras selecionadas para usar escritórios de graça por um ano

Talita Peixoto, cofundadora da Clubinho Preto

A WeWork, fornecedora global de espaços de trabalho flexíveis, em parceria com o Softbank e com a consultora Flávia Gamonar, divulgou a lista de empresas selecionadas pela iniciativa “O Amanhã é Delas”. Anunciada em março, foram mais de 600 empresas inscritas da América Latina. Dessas, 60 foram selecionadas. No Brasil, dez startups lideradas por mulheres terão acesso a espaços de trabalho na WeWork e a mentorias gratuitas oferecidas por Softbank e Flávia Gamonar por um ano.

“O Amanhã é Delas” tem como objetivo reduzir a lacuna de gênero no ecossistema de empreendedorismo da região, que sofreu um retrocesso de mais de uma década por conta da pandemia. A ideia é gerar redes de apoio que potencializam o sucesso de empresas fundadas e chefiadas por mulheres. As vencedoras também terão acesso ao WeWork Labs, plataforma digital global que conecta e apoia startups e pequenas empresas, capacitando pessoas e organizações a causar impacto e influenciar o futuro.

“A escolha foi difícil. Recebemos muitos perfis interessantes. Mas essas mulheres representam o que de mais peculiar uma mulher tem – a força e persistência. Não poderíamos estar mais felizes de poder contribuir com o desenvolvimento do negócio de cada uma, e ainda, ajudar a aquecer a economia, reduzindo a disparidade entre gêneros no empreendedorismo” reflete Lucas Mendes, diretor-geral da WeWork.

Fernanda Kobayashi, fundadora da Paint and Drink

“Ter um espaço de trabalho na WeWork nos trará trocas mais dinâmicas que nos ajudarão a ganhar velocidade e a criar uma cultura de empresa mais forte, trazendo maior engajamento e resultados. Além disso, o networking com outras mulheres empreendedoras vai ampliar nossa visão de negócio e impacto no mundo. Acredito que, juntas, nos potencializamos e construímos uma rede de mulheres poderosas!”, revela Fernanda Kobayashi, fundadora da Paint and Drink. A empresa paulistana oferece solução para gestores e profissionais de RH que buscam novas formas de engajar seus times virtualmente por meio de tecnologia e arte.

“Ter um espaço para focar no desenvolvimento do negócio e poder trocar experiências com outros empreendedores será muito rico e, por meio das mentorias do programa, poderemos melhorar a gestão do negócio e a visão sobre produtos digitais que pretendemos lançar”, explica Talita Peixoto, cofundadora da Clubinho Preto, do Rio de Janeiro, e uma das empreendedoras selecionadas. A empresa oferece um clube de assinatura infantil antirracista que fornece livros, brinquedos, roupas e acessórios produzidos por afro empreendedores e que valorizam a história e a cultura afro-brasileira.

Mariana Davilla, fundadora da Espaciall

Outra selecionada, Mariana Davilla, fundadora da empresa mineira de consultoria ambiental especializada em inteligência espacial e tecnologia, Espaciall, pensa parecido: “Ter um escritório em um lugar como a WeWork pode ajudar nossa empresa a se conectar, expandindo nossa rede de contatos e possibilitando a ampliação do negócio”, afirma.

“Estar na WeWork vai nos impulsionar a tirar do papel um projeto focado em mulheres que sofrem violência doméstica, dando suporte para que elas encontrem uma profissão e independência”, conta Laís Santos, empreendedora por trás da Arriba! Marketing, agência de São José dos Campos (SP), que une marketing a propósito.

“Estou muito animada para começar a trabalhar com esse grupo talentoso e inspirador de mulheres. Tenho certeza de que elas têm um futuro brilhante pela frente”, comentou a consultora Flávia Gamonar, especializada em educação corporativa e desenvolvimento profissional, que apoiará as empresas selecionadas por meio de mentorias.

Confira todas as iniciativas escolhidas pela iniciativa O Amanhã é Delas: Clubinho PretoBeSunLaboratoriaArriba! MarketingInstituto NaçãoVagas de ModaEspaciallPaint and DrinkInnova Juris e Well4All.

Governo de SP anuncia parceria com o Mercado Livre para profissionalização e geração de emprego

O Governador João Doria anunciou nesta segunda-feira (17), em Cajamar, uma parceria com o Mercado Livre que inclui investimento de R﹩ 4 bilhões pela plataforma de e-commerce no estado de São Paulo. Trata-se do maior aporte privado ao longo do mesmo ano desde o início da atual gestão, com estimativa de 5 mil novos empregos até o final de 2021.

“Essa ação conjunta com o Mercado Livre é articulada, 360º, como agimos aqui no Governo de SP. Por isso que o Sebrae é nosso grande parceiro no incentivo, na formação e no acompanhamento do empreendedorismo; o Centro Paula Souza no treinamento, através das Etecs e das Fatecs; os programas Empreenda Rápido, Minha Chance e o financiamento do Banco do Povo dentro dos programas de desenvolvimento econômico do Estado; e a InvestSP, que é a agência facilitadora. O empreendedor fala com uma única fonte para a viabilização de tudo, desde a aprovação ambiental até financiamento, programa de treinamento e qualificação de mão de obra”, afirmou Doria.

O acordo também prevê parcerias para formação em qualificação e empreendedorismo, com oferta de cursos nas áreas de vendas, logística e tecnologia. A empresa ainda vai oferecer descontos para participantes do Empreenda Rápido, programa da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado e Sebrae-SP.

No ano passado, o Mercado Livre ajudou a formalizar mais de 66 mil empresas que iniciaram suas vendas na plataforma. Com o investimento recorde de R﹩ 4 bilhões, a meta é gerar 5 mil empregos diretos em logística e tecnologia nas regiões de Osasco, Cajamar e Louveira – serão 400 vagas em TI, 4,1 mil em logística e outras 400 em setores diversos da empresa.

“Estamos entusiasmados com o avanço das nossas parceiras para ajudar a fomentar o desenvolvimento econômico do estado de São Paulo, cientes do impacto positivo deste aporte para toda a nossa operação no Brasil. Afinal, aqui estão localizados 85% dos vendedores do Mercado Livre no país e é também onde mantemos grande parte dos nossos centros logísticos, além da nossa sede em Osasco. Este compromisso vai além do aporte financeiro, pois nos preocupamos com o desenvolvimento das comunidades onde atuamos e apoiamos o empreendedorismo investindo em educação e profissionalização” afirmou Fernando Yunes, Vice-Presidente Sênior e Líder do Mercado Livre no Brasil.

“Este é o maior anúncio, realizado nessa gestão, de investimentos por uma empresa em um ano. Estamos aqui juntos honrando o compromisso de gerar oportunidade de emprego e renda para a população, apoiando nossos investidores através de modelo desburocratizado, mas principalmente apoiando os empreendedores e os trabalhadores com qualificação profissional e microcrédito, para que todos possam ter acesso a emprego e renda, porque esta é a melhor forma de dar dignidade”, disse a Secretária de Desenvolvimento Econômico, Patricia Ellen.

Desde setembro de 2016, a InvestSP dá suporte à empresa em projetos no estado de São Paulo. “O Mercado Livre é líder em um dos segmentos que mais cresceu nas últimas décadas. São Paulo continuará servindo como principal hub de distribuição do Mercado Livre, que certamente alcançará novos recordes nos próximos anos com a expansão que vemos agora”, afirmou Wilson Mello Neto, Presidente da agência estadual de promoção de investimentos.

Qualificação profissional

A parceria entre o Governo do Estado e o Mercado Livre irá oferecer 100 mil vagas para o curso “Como vender online?”, criado pelo Mercado Livre em parceria com Centro Paula Souza e Sebrae-SP, por meio do programa Empreenda Rápido. As inscrições devem começar no segundo semestre.

Já os estudantes das Etecs e Fatecs das regiões de Cajamar, Louveira, Sorocaba e Osasco serão direcionados para as vagas abertas pelo programa Minha Chance. Além disso, o Mercado Livre irá apoiar o aperfeiçoamento dos cursos de Logística do ensino profissionalizante estadual.

Empreendedorismo

Empreendedores que participam de cursos do programa estadual Empreenda Rápido terão direito a benefícios como desconto na compra de máquinas de pagamento Mercado Pago e um mês de taxa zero, além de bônus de crédito, treinamento e capacitação gratuitas de Mercado Ads para ampliar visibilidade de produtos. Já o Estado vai oferecer linhas de crédito do Banco do Povo para 340 mil empreendedores do Mercado Livre em todas as regiões de São Paulo.

“Essa iniciativa conjunta traz uma série de benefícios, principalmente nesse momento de retomada da economia. Além da abertura de postos de trabalho, vai oferecer qualificação para quem empreende entrar ou melhorar sua atuação no e-commerce e ainda aproveitar as vantagens oferecidas pelo Mercado Livre”, afirma o Diretor-Superintendente do Sebrae-SP, Wilson Poit.

AngloGold Ashanti convoca startups para tornar seu Centro de Educação Ambiental autossuficiente

Além do desafio da produtora de ouro, outras cinco temáticas estão disponíveis. Inscrições no M-Start Ciclo 6 do Mining Hub devem ser feitas até 30 de maio

Reduzir a captação de água nova, sejam superficiais ou subterrâneas, além de aprimorar a gestão racional dos recursos hídricos. Esses são alguns dos objetivos do desafio da AngloGold Ashanti no M-Start Ciclo 6,programa de inovação do Mining Hub, primeiro hub de inovação aberta do setor de mineração no mundo, com 25 mineradoras e 13 fornecedores associados.

O novo desafio proposto pela AngloGold Ashanti, uma das empresas que fazem parte dessa iniciativa, apoiada pelo Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram), é a busca de inovações para ajudar a transformar o Centro de Educação Ambiental (CEA), localizado em Nova Lima, MG, em um espaço autossuficiente.

Como o CEA já está inserido em meio à natureza, busca-se como desafio implementar um sistema de captação de água das chuvas para armazenamento, tratamento (se necessário) direcionamento e uso do recurso em atividades administrativas, operacionais ou de paisagismo, realizando também em tempo real o monitoramento do sistema por meio da Internet das Coisas (IoT).

O sexto Ciclo do M-Start do Mining Hub tem o objetivo de desenvolver soluções para desafios em seis temáticas diferentes: Desenvolvimento Social, Eficiência Operacional, Fontes de Energia Alternativas, Gestão de Água (desafio da Anglogold Ashanti), Gestão de Resíduos e Rejeitos e Saúde e Segurança Ocupacional. As inscrições devem ser feitas on-line até 30 de maio pelo site: https://www.mininghub.com.br/programas/m-start/

Vale ressaltar que esta é a segunda participação do CEA nos ciclos do M-Star. Em 2020/2021, foi concluído o desafio do Ciclo 4, que proporcionou soluções que proporcionaram redução na energia para o Centro de Educação Ambiental.

Abstartups e Gov ES anunciam 15 startups vencedora do Pitch Gov ES

No último dia 14/05, foi anunciado na página oficial do Governo do Espírito Santo o resultado do Pitch Gov ES, um programa em parceria com a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), que tem o objetivo de resolver problemas do estado usando a tecnologia das startups como aliada.

O Pitch Gov ES teve início a partir de realização de oficinas colaborativas que resultaram em 16 desafios de 7 áreas da administração pública: Saúde, Segurança Pública, Gestão Pública, Educação, Infraestrutura e Mobilidade Urbana, Desenvolvimento Econômico e Sustentável e outros poderes.

O programa recebeu 445 inscrições de startups do Brasil todo com propostas inovadoras para resolver os problemas do estado e cada uma das propostas foi analisada pela Abstartups, utilizando os critérios descritos no edital. 45 empresas chegaram a fase final em que deveriam apresentar um pitch para uma banca avaliadora.

As empresas vencedoras são do país todo e receberão até R﹩ 30 mil para a realização de testes pelo período de 6 meses, podendo renovar por mais 6 meses. Dependendo do resultado, as startups podem ser oficialmente contratadas pelo governo estadual. José Muritiba, Diretor Executivo da Abstartups, afirma que está muito feliz com o resultado dessa parceria e vê benefícios para todos os envolvidos. “O maior beneficiado do Pitch Gov ES é, sem dúvida alguma, a população, que terá melhorias em seu estado. Para as startups é uma oportunidade única de trabalhar com o poder público e mostrar para a sociedade o poder da tecnologia e inovação de um dos setores que mais crescem no país”, finaliza.

A lista completa dos vencedores:

• MedBolso (PA) – Gestão de plantões e escalas dos profissionais de saúde nos hospitais;

• EGSA Tecnologia e Inovação LTDA (RJ) – Acompanhamento da jornada do paciente da entrada até a alta;

• Botnicks (SP) – Gestão eficiente dos recursos humanos do estado, da Secretaria de Gestão e Recursos Humanos;

• UMANNI Inovação em Tecnologia de Sistemas (SP) – Rede de compartilhamento de competências para melhor gestão dos recursos humanos do estado;

• Prisma IS.COOl (ES) – Redução do abandono e evasão escolar com métodos mais atrativos;

• 7Waves (SP) – Conectar o projeto de vida dos jovens e perspectivas de futuro na educação;

• Alva (ES) – Melhor gestão do reingresso de presos e individualização do tratamento penal nos presídios;

• Violin (RJ) – Melhoria da gestão da contagem do cumprimento da pena no sistema prisional e melhoria da interface com o Poder judiciário no agendamento das audiências;

• JMM Tech (MG) – Registros e consultas de ocorrências no ambiente das unidades policiais civis, da Polícia Civil do Espírito Santo;

• Connectdata Technologies (SP) – Controle de circulação nas centrais de abastecimento da CEASA, da Secretaria de Estado da Agricultura, Abastecimento, Aquicultura e Pesca;

• Milênio Bus (SP) – Melhoria na gestão de fluxo de passageiros e de oferta de transporte no sistema Transcol;

• Digitalk Tecnologia Digital (SP) – Oferta de atendimento remoto aos agricultores familiares em todo o território capixaba;

• TAQE (SP) – Otimização da seleção de candidatos no SINE em todo o Estado, da Secretaria de Trabalho, Assistência e Desenvolvimento Social;

• Ideia No Ar (PR) – Dinamizar a conexão entre empreendedores da economia criativa;

• Atlas.IA (SC) – Facilitar o acesso gratuito do cidadão à justiça, desafio em parceria com o Tribunal de Justiça do Espírito Santo;

Conheça o Visa For Startups, nova iniciativa da Visa para startups

Com o objetivo de ampliar sua atuação com as startups e gerar ainda mais negócios para os ecossistemas de inovação, pagamentos e comércio no país, a Visa expande sua iniciativa de engajamento com startups e anuncia o Visa For Startups. Trata-se de uma evolução do trabalho atual da Visa de ajudar a conectar, de forma direcionada, startups com a indústria de tecnologia de pagamentos, buscando a geração de negócios e o fomento à inovação no mercado de pagamento.

No novo modelo, a Visa irá construir uma base sólida de startups que possam colaborar para atender às necessidades identificadas pela empresa, pelos parceiros e clientes como emissores, credenciadores e estabelecimentos comerciais. Assim, passará a enxergar oportunidades e sinergias, ajudando a tornar todo o processo da parceira e geração de negócios ainda mais estratégico e eficiente.

“Quando começamos o Programa de Aceleração em 2017, queríamos entender como poderíamos apoiá-las em seu desenvolvimento e de todo o mercado. Durante esse período, aprendemos muito com elas. Hoje, podemos avançar nessas parcerias com um olhar mais comercial. Com isso, repensamos nossa atuação focando em expertises, ao mesmo tempo em que buscaremos efetivamente por mais negócios para todos. O Visa For Startups é um canal aberto de relacionamento, para ampliar essas trocas”, conta Percival Jatobá, vice-presidente de Inovação e Soluções da Visa do Brasil.

Com a nova iniciativa Visa For Startups, a Visa amplia seu papel de auxiliá-las em sua atuação junto ao mercado e de gerar conexões e negócios. Segundo levantamentos da empresa, das 69 startups que fazem parte do Radar de Startups da Visa, 42% já fecharam negócios com a Visa e com emissores, credenciadores e estabelecimentos comerciais parceiros da empresa.

Para participar do Visa For Startups, é preciso realizar um cadastro no site e atender aos critérios pré-estabelecidos, que, entre eles, pedem que as startups já estejam em fase de crescimento ou em escala, com uma base de clientes e receita consistentes.

A Visa deverá lançar periodicamente desafios a serem solucionados pelas startups, sejam eles de parceiros, de clientes ou da própria empresa. Desta forma, serão selecionadas startups que tenham potencial para desenvolver soluções para os problemas apresentados, com a possibilidade de desenvolvimento de uma PoC (Proof of Concept, que significa Prova de Conceito) com o apoio do time da Visa.

Além de ver a sua solução implementada e de ter a possibilidade de fazer negócios em um tempo reduzido em relação ao restante do mercado, as participantes poderão contar com uma série de benefícios, tendo acesso a diversas soluções da Visa, como:

• Visa Partner, um guia especializado que ajuda a navegar no mundo de pagamentos;
• Visa Developer Center, uma plataforma com acesso direto às APIs Visa;
• Visa Ready, programa de certificação que ajuda as empresas de tecnologia a criar e lançar soluções de pagamento que atendam aos padrões globais da Visa em relação à segurança e funcionalidade;
• Fast Track, solução que agiliza a entrada de players interessados em lançar soluções de pagamento e promove novas experiências digitais para consumidores.

As startups selecionadas para solucionar um desafio por meio do desenvolvimento de uma PoC também passarão por mentorias e bootcamps para aperfeiçoarem suas soluções e modelos de trabalho. “Com o Visa For Startups, estamos expandindo nossa participação nesse importante ecossistema, pois a iniciativa nos permitirá trabalhar com mais startups e ao longo de todo o ano”, conclui Percival.