Page

Author admin

Huggies e Connect Car subsidiam vagas de startups fundadas por mulheres em programa de aceleração da B2Mamy

Voltado para mulheres que querem impulsionar sua startup, aprender os diversos conceitos do empreendedorismo e imergir nesse mundo ou implementar processos mais ágeis a B2Mamy , aceleradora que conecta mães empreendedoras ao ecossistema de inovação e tecnologia, criou o Pulse, programa de aceleração powered by Google for Startups focado em startups early stage, ou seja, que estejam na fase inicial.

A 7ª edição do Pulse, pela primeira vez, oferece 10 vagas subsidiadas pelas marcas apoiadoras, como Huggies e Connect Car. Para isso é preciso participar das seletivas até 24 de janeiro e preencher os seguintes critérios:

• Estar em estágio inicial (early stage);

• Ter um ou mais sócios em sua composição;

• Ao menos um dos sócios estar totalmente dedicado ao negócio;

• Ideias e soluções que partam de base tecnológica, mesmo que sem protótipo;

Com mais de três anos de atuação no mercado, a B2Mamy já acelerou mais de 170 empresas e já capacitou mais de 7.000 mulheres. As últimas turmas formadas pelo Pulse, juntas, já faturaram mais de R﹩ 4 milhões. Além da aceleração, as empresas ficarão incubadas por 4 meses na Casa B2Mamy para as rodadas de mentoria, networking e investimento.

Mais do que orientar ideias na fase inicial, a B2Mamy entrega informações essenciais para as mães empreendedoras, dando a elas oportunidades reais de na área das startups. “O programa Pulse nasceu com o intuito de trazer conexão a essas empreendedoras e a vivência do mercado na prática”, comenta Dani Junco, CEO e fundadora da aceleradora.

Cada uma das 10 empresas selecionadas pagarão R﹩ 2.500 do investimento total do Pulse presencial e R﹩ 1.500 do online, que normalmente custa R﹩ 15.000. As marcas buscam reduzir o gap de mulheres fundadoras de startups e líderes na áreas de tecnologia de olho na diversidade de gênero nesses ambientes. Enxergam longe, apoiando mulheres a competir no ecossistema de inovação – daí a união com a B2Mamy.

B2Mamy Pulse – 7ª turma

Seletivas até: 24 de Janeiro

Início das aulas: 13 e 14 de Fevereiro

Final das aulas: 19 de Junho

Local dos encontros: Google for Startups – Rua Coronel Oscar Porto, 70 – Paraíso*

*Alguns encontros acontecerão na Casa B2Mamy na Rua Mateus Grou, 576 – Pinheiros

Link Inscrição:

http://docs.google.com/forms/d/e/1FAIpQLSfA8casUflFQeFUMd6r6xaESU6ZnITtqVQpogW_DBLjJWrkbg/viewform

Pulse:

http://www.b2mamy.com.br/single-post/Novidades-programa-de-Acelerao-B2Mamy-Pulse

Cielo e Bitfy firmam parceria para pagamento direto com bitcoins via QR Code

Lucas Schoch, CEO da Bitfy.
Foto: Jotapê

A Cielo, maior credenciadora de cartões do Brasil e da América Latina, firmou parceria com a startup Bitfy – primeira carteira multiuso não custodiante de criptomoedas do país – para pagamentos com bitcoins via QR Code. Com o objetivo de democratizar o uso da criptomoeda no dia a dia de maneira massificada, o acordo permite de maneira inédita o pagamento em mais de 1,5 milhão de terminais de pagamentos da Cielo a partir de agora como se fosse com um cartão de crédito à vista.

A parceria posiciona o Brasil com o país que mais aceita bitcoins no mundo como meio de pagamento direto no varejo físico dando de maneira inédita a total custódia da moeda ao consumidor: “Com o nosso app é o usuário o custodiante, ou seja, o dinheiro fica realmente com só ele. Isso significa autonomia e liberdade de escolhas a quem o tem e estar ao lado da Cielo é motivo de grande alegria pois permite que mais pessoas possam ter bitcoins e usá-los para comprar qualquer coisa”, afirma Lucas Schoch, CEO da Bitfy. Desde o início das operações da startup, há pouco mais de 1 mês a Bitfy conquistou 2 mil usuários e R﹩ 50 mil transacionados. A estimativa mínima é chegar ao fim do ano com 50 mil usuários.

Como funciona?

O usuário precisa baixar o app Bitfy, disponível em Android e IOS. No cadastro serão informadas as chaves de segurança que só poderão ser utilizadas pelo usuário. Isso significa que a startup não tem acesso algum aos bitcoins do usuário, dando a ele total autonomia sem perder a segurança.

No caso dos pagamentos com a maquininha, coloca-se o valor desejado, a opção por crédito à vista e mais um clique no botão verde. Nesse momento surgirá um QR Code. Em paralelo, o usuário abre o app da Bitfy e clica no botão paga e, na sequência, a opção “Máquinas Cielo”. Nesse momento, a câmera do smartphone é aberta para a leitura do código. Com isso, basta colocar a senha do app cadastrada. Pronto: a transação é confirmada.

De acordo com o diretor de produtos da Cielo, Rodrigo Penteado, a parceria é uma oportunidade para expandir as receitas dos terminais da empresa. “Nossos clientes vendem mais e os usuários da Bitfy ganham uma alternativa muito prática para fazer compras”, diz. Entre agosto e setembro de 2019 foram movimentados quase R﹩ 14 BI no Brasil, segundo dados oficiais da Receita Federal. A expectativa com essa parceria é que o uso do bitcoin se torne uma opção interessante para o dia a dia também como qualquer outra moeda.

A Bitfy deverá aceitar outras moedas digitais no futuro. Ainda sem previsão, no entanto, a iniciativa deverá acontecer quando o brasileiro estiver mais familiarizado com as criptomoedas e elas tenham maior liquidez. “De acordo com a Receita Federal, a partir de agosto de 2019, foram movimentados R﹩ 14 bilhões em moedas digitais no País. Nossa expectativa com essas parcerias é que o uso do bitcoin se torne uma opção interessante para o dia a dia como qualquer outra moeda”.

Os benefícios do app ao usuário não param por aí

Dentro do próprio app é possível comprar e vender os bitcoins que ficarão sempre guardados única e exclusivamente na wallet. Nesse contexto, o usuário consegue ver também a cotação do dia, valor em reais, além de fazer transferências para outras contas de bitcoins e para bancos tradicionais, as quais as conversões para reais são feitas automaticamente.

Investimentos

Recentemente, a Bitfy fez uma rodada de investimento e um grupo de anjos aportou cerca de R﹩ 1,25 milhão na empresa. “Esse valor fez o nosso bootstrap. Financiei a operação nesse tempo e esse capital que entra vai para ações de marketing, entre outras. Lembrando que a Bitfy é uma empresa 100% digital e somos proprietários da tecnologia”, explica Lucas.

Grupo Movile tem mais de 500 vagas abertas em 12 cidades do país

Grupo Movile, ecossistema de tecnologia líder na América Latina, tem 500 vagas abertas. Dentre as posições, 39% são na área de tecnologia, como engenheiros de software, analistas de dados e desenvolvedores backend. As demais são para ramos como vendas, logística, área administrativa, entre outras.

“Inovamos muito e estamos em constante expansão, por isso queremos novos talentos para compor nosso time. O sonho grande da Movile é melhorar a vida de 1 bilhão de pessoas por meio dos nossos aplicativos e, para chegar lá, precisaremos de cada vez mais gente comprometida e disposta a sonhar conosco”, afirma Luciana Carvalho, diretora de Gente do Grupo.

Há vagas para a Movile e para todas as empresas do seu ecossistema: iFood, Sympla, Zoop, MovilePay, PlayKids e Wavy. As oportunidades estão distribuídas entre São Paulo, Osasco, Campinas, São Carlos, Jundiaí, Porto Alegre, Recife, Belo Horizonte, Poços de Caldas, Rio de Janeiro, Salvador e Brasília.

Para se inscrever, basta acessar a página de carreiras da Movile. “Prezamos muito pelo histórico do candidato e seu fit cultural com os nossos valores. Estamos em busca de pessoas que queiram sempre se desenvolver e não tenham medo de desafios”, completa Luciana.

Com mais de 4.000 funcionários e crescimento anual médio de 60% nos últimos 8 anos, a Movile, um dos unicórnios brasileiros, defende que o país tem potencial para empresas ainda maiores, e pretende se tornar uma gigante mundial.

Vendas com propósito: o que muda com as novas gerações?

O cliente atual é cada vez mais exigente. Em busca de produtos e serviços de qualidade, demanda um profissional de vendas que atue de forma consultiva, que entenda suas necessidades e, assim, ofereça a melhor solução para cada caso. O desafio é ainda maior quando trata-se de vendas B2B, em que a busca pelo melhor custo-benefício e pela agilidade nos processos também são essenciais para impactar no resultado das empresas envolvidas.

Em meio a um mercado complexo, dinâmico e seletivo, para se destacar na área de vendas é preciso ouvir o cliente, ter empatia e buscar as melhores alternativas para solucionar seus problemas e alavancar seus negócios. Dessa forma, para concluir uma venda com sucesso e atender às expectativas dos consumidores, é preciso ter um propósito que vá além do produto que está sendo vendido e ser coerente sobre ele.

Segundo Jéssica França, Team Leader de Vendas do Olist – startup que oferece soluções para a venda em marketplaces – “A venda com propósito causa empatia por parte do vendedor, faz com que o processo seja natural, com foco na dor do cliente e em como é possível ajudá-lo. Sem empatia e objetivos claros, torna-se superficial.”

Segundo levantamento da PwC, uma das maiores prestadoras de serviços do mundo nas áreas de auditoria e consultoria, 83% dos profissionais afirmam que trabalhar em empresas com propósito lhes traz realização e significado e que se não os encontrarem no trabalho atual, procurarão em outro lugar.

Vender com propósito não é vender mais, mas vender o que é importante para a vida das pessoas. Quando uma empresa atinge o objetivo, pode lucrar a curto prazo, mas com a certeza de que o seu cliente desfrutará de benefícios futuramente.

Para Jéssica França, “É vantajoso para os dois lados: tanto para quem vende quanto para quem compra. O time de vendas do Olist, por exemplo, é engajado porque acredita de verdade no propósito da empresa, por isso os resultados aumentam mês após mês. Nossos clientes ficam satisfeitos na parceria a longo prazo, até mesmo porque, após a venda, temos um time dedicado ao sucesso do nosso cliente.”

Mas, se existe um propósito por trás da venda, também há chances constantes de renovação: é enriquecedor, causa sensação de pertencimento e motivação tanto em quem está fazendo a venda quanto no cliente, e isso vende!

Olist é uma das empresas que atua com base no propósito de empoderar o comércio mundial. Para atingir os objetivos, a startup oferece meios para capacitar os profissionais de seu time de vendas, para que, assim, estejam aptos a auxiliar lojistas a alavancarem seus negócios.

De acordo com Maisa Tomkiw, Analista de Vendas no Olist, “Vender para mim é muito mais que bater meta, é ter um propósito que me mova, um objetivo que me faça acordar todos os dias e saber que posso agregar algo na vida de alguém. Não consigo vender algo em que não acredito. Sinto que não é natural, que estou enganando o cliente e me enganando, pois vai contra os meus princípios.”

Recentemente, a startup criou o Olist Learning, série de cursos abertos ao público, oferecidos a valores simbólicos, com o objetivo de capacitar profissionais em busca de aperfeiçoamento ou dispostos a enfrentar desafios em novas áreas. Entre as trilhas de conteúdo, está o Sales Academy, que aborda as melhores práticas da área comercial.

O Olist também está com oportunidades abertas para profissionais da área que trabalhem com propósito, não tenham medo de pôr a mão na massa e queiram fazer parte da revolução do comércio mundial. Há vagas em Curitiba e em São Paulo, tanto para inside sales – categoria em que a venda é feita à distância por meio de telefone – quanto para field sales – a tradicional venda porta a porta, modalidade que permite a oferta da solução do Olist para um maior número de lojistas. Interessados de todo o Brasil podem se inscrever. Confira no link .

itelligence conclui aquisição da FH S.A. no Brasil

A itelligence AG, líder global em SAP, anunciou hoje a conclusão da aquisição da FH S.A Brasil, realizada dia 11 de dezembro. O contrato de compra da consultoria foi divulgado ao mercado em 3 de outubro de 2019.

Segundo Norbert Rotter, CEO da itelligence AG, com o ínicio do novo ano a itelligence começa um novo ciclo no Brasil e na América do Sul, juntamente com a FH S.A. “Essa aquisição possibilita para a itelligence AG a abertura de um dos mercados SAP que mais crescem hoje. A FH possui a solução fiscal líder de mercado GUEPARDO para SAP no Brasil, além de um profundo conhecimento no desenvolvimento de software baseado em SAP, o que representa um ativo estratégico global para a itelligence e a NTT DATA Business Solutions”.

No mercado desde 1999, a FH é uma das principais empresas de consultoria em SAP do Brasil. Sua solução fiscal – GUEPARDO – é utilizada por companhias dos mais diferentes segmentos, que, juntas, representam mais de 8% do PIB do Brasil. A companhia também possui reconhecimento global com projetos de implementação SAP em mais de 30 países, sendo a principal fornecedora da América Latina na área de experiência com o cliente (customer experience), com um portfólio de soluções completo e cases de sucesso no Brasil e no exterior.

Ricardo Fachin, CEO da FH, comenta: “Com receita de R$ 168 milhões (37 milhões de euros) em 2019, que representa um aumento de 25% em relação a 2018, a FH entra em 2020 com uma visão otimista de mercado e planeja atingir R$ 200 milhões neste ano (44 milhões de euros). Existem novos projetos em andamento, incluindo a expansão para outros países da América Latina e novas ofertas baseadas em inteligência artificial, como o machine learning, deep learning e Big Data”.

Com essa aquisição, a itelligence está expandindo sua presença em uma das regiões econômicas que mais crescem no mundo atualmente. Segundo a IDC e a Gartner, o Brasil é o oitavo maior mercado de TI do mundo. Após crescer 9,8% em 2018, analistas de mercado esperam uma taxa de crescimento acima da média global até 2024.

O impacto das leis de incentivo na Indústria 4.0

Por Kelvis Tadim

O conceito de Indústria 4.0 tem sido cada vez mais debatido dentro das organizações. Apesar de o termo ser originalmente criado para fabricação, a aplicação vai muito além das indústrias. Adotar novas tecnologias relacionadas à tendência da Indústria 4.0 contribui para a otimização e automatização de processos de negócios, além de prever problemas futuros e aumentar a produtividade das empresas.

Hoje existem mecanismos de fomento público para alavancar investimentos na Indústria 4.0. As leis de incentivo fiscal, como a Lei do Bem, têm sido fundamentais para alavancar a competitividade das empresas brasileiras, funcionando como instrumento importante para impulsionar os projetos de P&D e inovação tecnológica. Os financiamentos integrados ao regime Ex-Tarifário – concessão tarifária que reduz a alíquota de imposto de importação de bens de capital (BK), bens de informática e te telecomunicações (BIT) sem similar nacional, também possibilitam a aquisição de maquinários e novas tecnologias. Já o recente Inovacred 4.0 foi desenvolvido para oferecer financiamento para os projetos de digitalização que abarquem a utilização em linhas de produção, de serviços de implantação de tecnologias habilitadoras da Indústria 4.0.

As empresas que investem em inovação assumem um papel de governo, portanto, podem utilizar recursos públicos de financiamentos reembolsáveis à PD&IT (como FINEP, BNDES, BRDE), de forma integrada com incentivos fiscais (tais como Lei do Bem, Lei de Informática, Rota 2030, Ex-Tarifário), como estratégia para alavancar os investimentos na Indústria 4.0 e reduzir o custo efetivo total neste tipo de investimento. Isso permitir a preservação dos recursos próprios para alocação em suas operações.

Alavancando a Indústria 4.0 nas empresas brasileiras

O investimento é imperativo para impulsionar a competitividade, seja em bens de capital, novos processos, novos modelos de produção e de gestão, e também em recursos humanos. Nos últimos dois anos, as linhas de financiamento direcionadas à Indústria 4.0 ganharam força, facilitando o investimento na área de bens de capital e de processo, e tornando mais acessível este processo às empresas e empreendedores.

Ainda existem muitos desafios na cadeia produtiva para que as empresas, de fato, adotem tecnologias relacionadas à Indústria 4.0, mas o principal gargalo é a falta de conhecimento de mercado. A instabilidade dos últimos anos no Brasil gerou incerteza e insegurança no ambiente industrial. Além disso, a falta de informação sobre as possibilidades de investimento tecnológico acaba engessando o setor. Este cenário reflete diretamente no despreparo de muitas organizações para evoluir produtos e processos para conseguir atender seus clientes mais rapidamente, de maneira intuitiva e customizada.

Por isso, é essencial desmistificar o conceito de 4.0, os benefícios de sua metodologia, para que as empresas compreendam que se trata de uma jornada benéfica à sociedade como um todo, ou seja, empregados, clientes e empresários. A tendência do 4.0 veio para transformar a indústria para que fique cada vez mais eficiente e conceituada, ganhando competitividade inclusive com empresas estrangeiras.

Indústria 4.0 X O novo perfil do consumidor

Apesar dos passos cautelosos da indústria brasileira na adoção de tecnologias destrutivas baseadas no conceito de Indústria 4.0, já existe um movimento do mercado para aderir à tendência. Para isso, é necessário adaptar-se ao novo perfil de consumo e, principalmente, de consumidor, que está cada vez mais informado, exigente e espera produtos e serviços customizados, além de uma experiência diferenciada. Se antes a indústria prezava pela padronização, agora precisa repensar seus processos para manter-se competitiva.

Aderir à Indústria 4.0 significa aumentar a eficiência operacional, reduzir custos, flexibilizar linhas de produção, diminuir prazos de lançamento de produtos, além de criar produtos e serviços digitais como novos modelos de negócio. O conceito nasceu justamente da necessidade dessas inovações serem cada vez mais rápidas e flexíveis. A flexibilização vem de encontro às necessidades dos clientes e, a Indústria 4.0, a internet industrial e todas as áreas relacionadas ao 4.0 trazem esses benefícios simultaneamente.

A utilização de incentivos fiscais e financiamentos permite que as empresas realizem investimentos que vão impactar a produtividade e a geração de valor agregado para a economia brasileira. A inovação é um importante pilar do crescimento econômico e social de um país e esse tipo de iniciativa é fundamental para fomentar o desenvolvimento das empresas, otimizando a produtividade e competitividade do setor para um crescimento sustentável.

Kelvis Tadim, Coordenador de Novos Negócios do FI Group, referência no setor de financiamento de PD&I

Capgemini é nomeada líder em serviços de gerenciamento de patrimônio e ativos pelo NelsonHall

Capgemini foi nomeada “Líder” no relatório NelsonHall Evaluation & Assessment Tool (NEAT) de serviços de gerenciamento de patrimônio e ativos. No último relatório da NEAT, intitulado “Transforming Wealth and Asset Management Services” (em tradução livre, “Transformando Serviços de Gerenciamento de Patrimônio e Ativos”), a Capgemini obteve uma alta classificação é foi nomeada como Líder. No total, a NelsonHall avaliou 13 fornecedores que oferecem serviços de gerenciamento de patrimônio e ativos.

O relatório destacou a expertise da Capgemini nas seguintes áreas:

• suas “parcerias de soluções com fornecedores de sucesso que fornecem a funcionalidade exigida no mercado hoje”.

• suas “fortes capacidades de consultoria e entrega de serviços de TI, focadas no mercado de patrimônio e ativos, construídas ao longo de muitos anos”.

• sua “experiência nos principais processos de patrimônio e ativos que os gerentes do setor usam para entregar esses processos”.

Anirban Bose, CEO dos Serviços Financeiros da Capgemini e Membro do Conselho Executivo do Grupo, disse: “Nosso compromisso com os serviços de gerenciamento de patrimônio e ativos foi aprimorado ao longo de muitos anos de entrega, combinado com a formação de alianças estratégicas e parcerias com os principais fornecedores de soluções.

O que diferencia a Capgemini no mercado é o nosso profundo entendimento de como a indústria da riqueza está se transformando por meio da padronização das operações globais e da expansão de sua base de clientes, vendendo para as pessoas de maior poder aquisitivo. Metas que exigem modelos mais rápidos de aconselhamento sobre velocidade de lançamento no mercado e híbridos que combinam a facilidade do digital com a atenção pessoal dos gerentes de patrimônio para criar experiências positivas para o cliente”.

“A Capgemini possui uma grande e madura experiência no gerenciamento de patrimônio e ativos, que está bem posicionado para crescer, oferecendo soluções e consultoria fortes”, disse Andy Efsthathiou, diretor de pesquisa sobre operações e transformação bancária da NelsonHall. “Ela (a Capgemini) estabeleceu parcerias com produtos de terceiros para fornecer tecnologias digitais para incorporar em suas ofertas de serviços, o que impulsionará o crescimento e apoiará a entrada em novos mercados, incluindo a expansão para as pessoas de maior poder aquisitivo”.

A Capgemini está na vanguarda da inovação em serviços de gerenciamento de patrimônio e ativos e oferece consultoria, serviços de TI e serviços gerenciados.

Para fazer login e ler o relatório completo, veja em:
http://research.nelson-hall.com/noa/?&avpage-views=article&fv=1&id=80818

A Huawei inaugura durante a CES 2020 a era de um ecossistema inteligente construindo uma vida perfeita com IA baseada em 5G

Com mais de 30 anos de experiência no desenvolvimento de tecnologias revolucionárias, a Huawei continua trazendo experiências digitais para cada pessoa, lar e organização para um mundo inteligente e totalmente conectado, preparando seus consumidores em todo o mundo para ingressarem em uma nova era de conectividade inteligente.

No dia de abertura da CES 2020, a Huawei CBG apresentou os principais produtos que constituem a espinha dorsal de sua estratégia Seamless AI Life, a Vida Perfeita com IA, entre os quais estão o HUAWEI Mate X, o telefone dobrável 5G mais rápido do mundo; o HUAWEI Mate 30 Pro 5G, o primeiro smartphone 5G de segunda geração do mundo; o HUAWEI Freebuds 3, o primeiro fone de ouvido True Wireless Stereo com cancelamento ativo de ruído de ajuste aberto do mundo; e o HUAWEI Watch GT2, o mais inteligente smartwatch de alta resistência para uso em ambientes externos, além de outros produtos nas categorias wearables, tablets e CPE, com tecnologia de ponta proprietária da Huawei como o Kirin 990 5G, o primeiro 5G SoC do mundo, e o chipset Kirin A1 dedicado aos wearables.

Construindo um ecossistema mais inteligente, seguro e robusto, capaz de proporcionar uma vida perfeita com IA

Depois de enviar mais de 240 milhões de unidades de smartphones em todo o mundo em 2019, a Huawei traçou um caminho claro para sua crescente estratégia de ecossistema. E, na era da internet móvel, smartphones, PCs, wearables e outros dispositivos ainda não estão conectados com perfeição, retardando a evolução dos próprios dispositivos.

No que diz respeito à integração entre os usuários e a experiência de uma vida perfeita com IA, o Huawei Consumer Business Group está ciente de que a tecnologia está remodelando o mundo e a conectividade perfeita e totalmente integrada está no centro de tudo isso. Por isso, a empresa desenvolveu essa estratégia que coloca o smartphone (1) no centro de nossa vida digital e como ponto de partida para impulsionar o desenvolvimento e a adoção de dispositivos mais conectados, construindo um ecossistema de hardware completo que potencializa a vida conectada do consumidor.

O “8” refere-se a outras categorias de produtos que podem se conectar sem esforço com o smartphone – e, melhor ainda, entre si: wearables de ponta, como o HUAWEI Watch GT2, soluções de áudio inteligentes verdadeiramente sem fio como o HUAWEI FreeBuds 3, além de alto-falantes inteligentes, PCs e tablets que a Huawei desenvolveu na última década usando todos os seus recursos de P&D.

Uma vez adotado, esse ecossistema interconectado abrirá um mundo de infinitas possibilidades para construir conexões com dispositivos, recursos e serviços específicos para cada cenário (N), já que isso será a base da vida com IA totalmente conectada e integrada, à medida que continue a evoluir a própria solução HiAI para tornar a interação entre usuários e dispositivos ainda mais suave, melhorando significativamente os principais elementos como compartilhamento de conteúdo, controles de toque, comandos de voz e muito mais.

Dispositivos e recursos que aparentemente não estavam associados ente si no passado agora poderão se conectar com perfeição, melhorando consideravelmente a experiência do usuário.

HUAWEI Mate 30 Pro 5G: repensando o futuro da conectividade 5G, do desempenho, da videografia e do design

Nascido da inovação tecnológica, o novo HUAWEI Mate 30 Pro 5G ultrapassa os limites do desenvolvimento dos dispositivos móveis para remodelar, redesenhar e repensar as possibilidades para os dispositivos portáteis. Com base na experiência de ponta-a-ponta da Huawei em termos de chips 5G, dispositivos 5G e redes 5G, o HUAWEI Mate 30 Series cria a melhor experiência 5G com o primeiro SoC 5G da Huawei, o HUAWEI Kirin 990 5G. O HUAWEI Kirin 990 5G fornece uma taxa líder de 2,3 Gbps de download de pico em 5G e uma taxa de upload de pico de 1,25 Gbps. O HUAWEI Mate 30 Series oferece a melhor experiência de conexão 5G do setor, suportando redes 2G/3G/4G/5G, modos de rede NSA + SA, modo duplo de espera com cartão duplo 5G+4G, bem como bandas totais de frequência FDD + TDD.

O HUAWEI Mate 30 Pro 5G pode baixar um filme ou um grande pacote de dados de jogos em apenas alguns segundos e suporta jogos em nuvem de latência ultra baixa e experiências de transmissão ao vivo por streaming. Ao fornecer uma taxa alta, o HUAWEI Kirin 990 5G também oferece a maior eficiência de energia do setor. Comparado com a solução convencional do 4G SoC com modem 5G, ele reduz em 20% o consumo de energia, proporcionando uma duradoura experiência 5G.

O HUAWEI Mate 30 Pro 5G integra a incrível SuperSensing Cine Camera em seu design leve. O conjunto compreende uma Cine Camera de 40MP, uma SuperSensing de 40MP, uma câmera telefoto de 8MP e uma câmera com detecção de profundidade 3D. Na parte frontal, ele conta com uma câmera de 32MP e uma câmera com detecção de profundidade 3D para uma experiência de selfie ainda mais aprimorada.

No centro deste sistema avançado de câmeras está a Cine Camera de 40MP, que possui um sensor super grande de 1/1,54 polegadas e fornece um amplo campo de visão com uma distância focal equivalente a 18 mm. Ele também suporta uma proporção de 3:2, semelhante a uma DSLR de quadro completo. Ao gravar vídeos, a Cine Camera oferece sensibilidade à luz do setor até ISO 51200 a até 7680 FPS. Além disso, ele pode gravar em 4K em condições de pouca luz, bem como vídeos com lapso de tempo.

HUAWEI Mate X: O telefone dobrável 5G mais rápido do mundo

Refletindo o DNA inovador da HUAWEI Mate Series, os recursos do HUAWEI Mate X incluem a dobradiça mecânica Falcon Wing, o chipset de modem 7 nm multimodo Balong 5000, uma bateria de 4500mAh de alta capacidade que suporta o HUAWEI SuperCharge de 55W mais rápido do mundo e o novíssimo acabamento Interstellar em azul.

Quando dobrado, o dispositivo é um smartphone com uma enorme tela de 6,6 polegadas e, quando aberto, transforma-se em um tablet fino com tela de 8 polegadas. O novo fator multi forma revoluciona as experiências de produtividade e entretenimento em um dispositivo móvel.

O HUAWEI Mate X é um fator multi forma que abre uma nova página da era da interface 5G para reinventar a produtividade e o entretenimento. O inovador display dobrável OLED flexível FullView, a exclusiva dobradiça mecânica Falcon Wing e o melhor chipset de modem 5G Balong 5000 do setor se unem para oferecer um novo modo de interface, no qual a experiência de tela grande e a portabilidade coexistem em harmonia.

A área de visualização expansível é adequada para cenários de produtividade e entretenimento – tudo, desde a edição de um documento até a leitura, é melhor em uma tela maior. Além disso, os consumidores podem arrastar imagens da galeria de fotos para os e-mails no modo de tela dividida. A tela maior permite que os consumidores façam mais com seu tempo.

No futuro, a Huawei aproveitará seus pontos fortes nos campos da tecnologia da informação e das comunicações, bem como seus chipsets, hardware e nuvem baseados em IA, para permitir a transformação digital de todos os setores, com esforços contínuos em inteligência perfeita em todos os dispositivos e cenários, com ênfase na entrega de produtos de alta qualidade e uma elevada experiência de usuário em todo o mundo.

LG apresenta avanço da Inteligência Artificial na CES 2020

Na CES® 2020, Dr. I.P. Park, presidente e CTO (Chief Technology Officer) da LG Electronics (LG), apresentou uma estrutura para o futuro do desenvolvimento de inteligência artificial (IA), intitulada “Níveis de Experiência de IA: o Futuro da IA e da Experiência Humana”. A estrutura conceitual está alinhada com a marca LG ThinQ e sua visão ambiciosa de transformar a experiência cotidiana, conectando todos os aspectos da vida dos usuários com aparelhos inteligentes.

O Dr. Park dividiu o palco com Jean-François Gagné, cofundador e CEO da Element AI, empresa de Montreal com reconhecimento em implementações eficazes de IA. Juntos, eles explicaram como a estrutura foi desenvolvida e o papel transformador da indústria ao desenvolver novas tecnologias, detalhando os quatro níveis de experiência de IA – Eficiência, Personalização, Raciocínio e Exploração -, definidos por diferentes estágios de capacidade técnica e aplicação.

O primeiro nível, chamado Eficiência, é onde as funções específicas de dispositivos e sistemas podem ser automatizados por meio de comandos simples, algo que já possível atualmente com a maioria dos produtos com tecnologia de reconhecimento de voz e IA disponíveis no mercado. Neste nível, a inteligência artificial ajusta automaticamente a performance dos dispositivos considerando parâmetros sensoriais pré-estabelecidos, maximizando a eficiência nas interações com o usuário. “Um exemplo do primeiro nível de IA é o condicionador de ar LG ThinQ com sensor inteligente, que detecta a presença de pessoas no ambiente e faz os ajustes apropriados na temperatura e no fluxo de ar”, explica Dr. Park.

No nível seguinte, Personalização, “o foco é aprender padrões para otimizar e personalizar as funções dos dispositivos”, diz Gagné. Neste nível, dispositivos e serviços com IA são capazes de acumular dados de interações com o meio e os usuários, reconhecer padrões e usá-los para realizar tarefas com mais eficácia e simplificar as interações com o usuário. O Dr. Park descreveu como o moderno aspirador de pó robô R9 da LG será capaz de aprender com os próprios erros (por exemplo, ao ficar preso em vãos e cantos) e estabelecer padrões.

Raciocínio, o terceiro nível, prevê uma inteligência artificial que aplica aprendizagem de causa usando a inteligência coletiva de um sistema composto por diferentes dispositivos e serviços. Neste nível, a IA identifica a causa de certos padrões e comportamentos e usa essa informação para prever e promover resultados positivos para os usuários. “Aqui, podemos alavancar a diversidade de nosso portfólio de produtos, pois precisaremos de muitos aparelhos inteligentes conectados interagindo com o usuário e coletando informações para entendermos “o porquê” e estabelecermos a causalidade”, explica o Dr. Park.

Embora pareça algo de um futuro distante, o nível quatro, Exploração, é “o destino final da AI da LG”, diz o Dr. Park. Usando o conceito denominado Aprendizagem Experimental e baseado em método científico, os sistemas com IA poderão desenvolver novas capacidades ao criarem e testarem hipóteses para, assim, definir inferências que lhes permitirão aprender e melhorar, agregando mais valor à vida dos usuários.

“Como pioneiros no campo de IA, temos a responsabilidade de considerar a importância da Experiência Humana quando expandimos os limites da pesquisa e do desenvolvimento de IA”, complementou Gagné, da Element AI. “Junto com a LG Electronics, esperamos que este trabalho ajude a estabelecer padrões e princípios com base nos quais os profissionais de IA adotarão uma abordagem centrada no ser humano ao construírem o futuro.”

O Dr. Park deu ainda uma prévia das incríveis inovações em IA que estarão expostas no imenso estande da LG na CES 2020, evento que começou na última terça-feira, 7 de janeiro. Representando o conceito Anywhere is home, o espaço voltado para a tecnologia LG ThinQ mostrará um estilo de vida verdadeiramente conectado que ultrapassa os limites da residência do usuário, demonstrando como seus produtos e serviços com IA estão alinhados a diferentes aspectos do cotidiano para oferecer um valor inédito ao consumidor.

A experiência LG ThinQ Home começa com a Smart Door, que verifica a identidade dos visitantes usando reconhecimento facial e autenticação de veias antes de destrancar a porta. A tecnologia biométrica será usada também para dar acesso à unidade de armazenamento de alimentos frescos – um espaço seguro para a entrega de compras de supermercado. Além disso, quando o usuário está de saída, uma tela do lado de dentro da porta mostra várias informações úteis, como as condições climáticas e de trânsito. Quando configurada no modo saída, a Smart Door ainda envia uma mensagem para os eletrodomésticos LG ThinQ operarem com menor potência depois que todos os moradores saírem.

Já no espaço Connected Car Zone, a LG demonstra uma experiência in-car mais personalizada, que permite que motoristas e passageiros levem um pouquinho de casa para dentro do carro. A solução de carro conectado da LG é baseada na plataforma webOS Auto e foi desenvolvida em parceria com a Adient, empresa líder na fabricação de bancos automotivos. Dentro do veículo há displays OLED, onde os usuários podem continuar curtindo os programas de TV e filmes que começaram a ver em casa. O espaço Personal Sound Zone oferece uma experiência multimídia exclusiva para cada pessoa que está no carro, enquanto o Virtual Personal Assistant, ativado por voz, isola e reconhece comandos de voz mesmo em ambientes com conversas e música alta.

No espaço ThinQ Fit Collection Zone, os visitantes experimentarão roupas virtualmente, sem precisarem entrar em um provador. O LG ThinQ FitTM, uma evolução do conceito original de Smart Mirror da LG, usa câmeras 3D para medir corretamente o corpo do usuário e criar um avatar realista para provas virtuais de roupas. Por meio de big data, a tecnologia ainda pode oferecer sugestões de estilo e links para plataformas onde os usuários conseguem comprar as roupas diretamente.

E o que seria da CES sem os robôs da LG? As soluções robóticas da LG vão impressionar os visitantes da feira com suas habilidades culinárias, eficiência e atendimento diferenciado no espaço CLOi’s Table Zone, um restaurante futurista onde os robôs LG CLOi gerenciam toda a operação – anotam os pedidos, cozinham, servem e limpam. Os potenciais clientes podem fazer reservas remotamente usando o app ThinQ e navegar pelo menu usando um alto-falante inteligente, uma smart TV ou um smartphone.

Mutant anuncia compra da CINQ, especialista em transformação digital

A Mutant, uma das maiores empresas de soluções em Customer Experience (CX) do Brasil, anuncia hoje a aquisição da desenvolvedora de soluções digitais CINQ. Fundada em 2016 e atualmente com 3000 funcionários, a Mutant vem crescendo de forma exponencial, e nos últimos três anos, seu faturamento cresceu 100% saltando de R﹩ 300 milhões em 2017, para chegar a R﹩600 milhões em 2019.

Uma das pioneiras em soluções de internet banking no Brasil, a CINQ chega para complementar seu portfólio em soluções voltadas para a transformação digital dos seus clientes. Fundada em 1992, e com atuação e em países como EUA, Canadá, Irlanda e Inglaterra, a multinacional atuará de forma conjunta com a Dextra, empresa adquirida pela Mutant em 2018, integrando a vertical de transformação digital da empresa.

Também fazem parte do histórico recente de aquisições da Mutant a argentina Interaxa (adquirida em agosto de 2019), além de Unear, CCM7, Voran e TSA. Além disso, novas aquisições também estão sob avaliação da empresa como parte de sua estratégia de expansão.

“A Cinq chega para ajudar a transformar a Mutant na maior e melhor empresa de Customer Experience do Brasil. Estávamos à procura de formas de ampliar nosso portfólio de soluções e serviços, e encontramos na Cinq o match perfeito. Além de entregas diferenciadas, amplia nossa presença no mercado internacional e compartilha nosso espírito jovem e apaixonado de trabalhar”, afirma Alexandre Bichir, CEO da Mutant.

Com a aquisição da CINQ e futuras movimentações de mercado, o objetivo é que o ritmo de crescimento se mantenha intenso em 2020 com busca e treinamento de novos talentos do mercado. “Nosso fundo para aquisições originalmente era de U﹩180 milhões, dos quais já utilizamos algo em entre 50% e 60%, com uma visão que vai além de comprar uma solução ou carteira de clientes, mas encontrar pessoas que compartilham nossos valores para crescer juntos”, afirmou Bichir.

O plano é seguir o bem-sucedido modelo de aquisições da Mutant – comprovado com Dextra e Interaxa com sensível aumento de tamanho em curto espaço de tempo, respectivamente 100% e 50% em menos de um ano.

Neste momento a CINQ manterá suas operações com alto grau de autonomia e sinergia em áreas estratégicas, com os sócios assumindo cargos dentro do quadro de diretores da vertical transformação digital. A previsão é de aumento na estrutura de 280 funcionários da CINQ, sempre seguindo a cultura de valorização de capital humano da Mutant. Além de Curitiba, a empresa também possui filiais em São Paulo, Miami e um centro de desenvolvimento em, Ponta Grossa (Paraná). Com um faturamento de mais de R﹩37 milhões em 2019, a Cinq cresceu mais de 80% nos últimos quatros anos.

“Nós estamos muito felizes de nos tornar parte da Mutant. Encontramos nela uma parceria perfeita para ampliar as possiblidades de serviços oferecidos a um número ainda maior de clientes, acelerando nosso crescimento por meio de sua estrutura de governança e presença no mercado. A sinergia cultural entre as empresas também foi um fator fundamental para que o negócio fosse realizado”, afirmou Carlos Alberto Jayme, Diretor de Crescimento da CINQ.

Com a aquisição, a Mutant expande sua atuação para Europa e reforça suas posições no Brasil e América Latina. Assim, imediatamente, a Cinq passa a integrar o time e estrutura de negócios da empresa, que projeta crescimento acelerado para 2020.

RH precisa ser mais inovador e estratégico, diz KPMG

A maior parte (60%) dos executivos de Recursos Humanos acreditam que a função de RH se tornará rapidamente irrelevante se não modernizar sua abordagem e seu planejamento para as necessidades futuras da força de trabalho. Essa é uma das conclusões da pesquisa “O futuro do RH 2020: qual caminho a sua empresa está trilhando?” (The future of HR 2020: which path are you taking?, em inglês), conduzida pela KPMG com 1.362 executivos de 55 países e 31 setores estratégicos da indústria, incluindo gerenciamento de ativos, automotivo, bancário, consumo e varejo, energia, infraestrutura, seguros, saúde, produção, tecnologia e telecomunicações.

A pesquisa também concluiu que 95% dos entrevistados estão priorizando a experiência do colaborador como uma das principais áreas de atuação, 61% mudando a cultura interna para se alinharem aos objetivos das suas organizações e 66% estão priorizando a qualificação da força de trabalho para gerenciarem o impacto da inteligência artificial.

“Os executivos de Recursos Humanos estão vivenciando, em todo o mundo e, também, no Brasil, níveis distintos de adversidades, já que o ambiente de negócios está cada vez mais complexo. No entanto, a evolução da área exige um reposicionamento que integre uma abordagem mais inovadora e estratégica. A nova geração de executivos dessa área também deve ser capaz de selecionar profissionais com propósitos, competências e habilidades mais holísticas”, afirma Patricia Molino, sócia-líder de Pessoas de Transformações da KPMG no Brasil.

Algumas organizações de RH já apresentam um padrão claramente independente com relação às suas áreas prioritárias ao lidarem com esses desafios. Na pesquisa da KPMG, esse grupo foi denominado de Recursos Humanos desbravadores, os quais estão atuando da seguinte forma:

1- Modelando a força de trabalho do futuro: significa o reconhecimento de que as atuais estruturas estão sendo rompidas por novas tecnologias e novos modelos de negócios. Essas organizações estão aproveitando as oportunidades para darem um novo formato à força de trabalho e obterem os benefícios integrais do trabalho conjunto entre humanos e máquinas. Neste caso, 74% dos entrevistados estão priorizando o aprimoramento de qualificações da força de trabalho para gerirem o impacto da inteligência artificial na força de trabalho.

2- Impulsionando uma cultura direcionada a um propósito: envolve o entendimento dos Recursos Humanos com uma função vital na criação e manutenção de uma cultura que atenda às novas estratégias empresariais. Neste caso, tais organizações estão seis vezes mais propensas a concordarem plenamente com o fato de terem uma estratégia em funcionamento para manter a cultura certa para as suas organizações.

3- Planejando a experiência do colaborador: considerando que os colaboradores querem um trabalho que faça sentido e seja gratificante, a experiência desse público está na pauta de todos que querem entregar serviços diferenciados aos clientes. As organizações com Recursos Humanos desbravadores foram três vezes mais propensas a concordarem plenamente com o fato de que a experiência do colaborador é uma prioridade estratégica.

4- Identificando respostas por meio de insights da força de trabalho: crença no poder dos dados para gerar valor à organização, com 45% classificando o cientista de dados dentro das três principais funções a serem investidas nos próximos dois ou três anos e 35% planejando experimentar novas tecnologias neste prazo.

“As organizações com Recursos Humanos desbravadores estão desenvolvendo competências, de forma simultânea, em quatro áreas independentes. A partir disso, e por meio de planos de ações alinhados com o momento atual de disrupção digital, será possível fortalecer a força de trabalho do futuro e atingir um efeito poderoso e exponencial”, completa Patricia Molino, da KPMG.

Penhorar safras pode ser a solução da inadimplência no Agronegócio?

O penhor agrícola se tornou uma forma de garantia ao credor no momento da concessão de crédito até o prazo final do pagamento. Poderia ser a solução dos problemas, mas no atual mercado, esse meio de pagamento ainda não é uma forma 100% segura, e o motivo disso? A distância entre o financiador e o financiado.

Um dos meios ineficazes, mas muito usados pelos bancos e credores, são as hipotecas da terra. Essa forma de pagamento é difícil de reaver o pagamento por conta das terras já estarem hipotecadas.

“O penhor agrícola, quando bem utilizado, é a garantia que permite levar crédito com segurança a todos os segmentos do agro e aumentar sua carteira de financiamento na frente da concorrência. A solução é o financiador ter acesso às informações em tempo hábil para que consiga, caso necessário, executar a lavoura dentro do período da safra, garantindo assim o seu recebimento. Esse é o papel da TerraMagna: garantir que você vai receber seu investimento no final da safra”, explica Bernardo Fabiani, CTO da TerraMagna, agtech brasileira que atua na mitigação de riscos do agronegócio.

Com o monitoramento por satélites, uma das várias tecnologias usadas pela TerraMagna, é possível verificar a constituição da garantia – por selecionarem os melhores locais para o penhor, evitar seu esvaziamento e, caso necessário, levar à sua execução. “Trazer segurança para o financiador do agronegócio por meio de uma concessão de crédito informada e do uso correto do penhor agrícola é o principal objetivo da TerraMagna. Garantindo a segurança nas operações financeiras do agronegócio, empoderamos financiadores a atender novos segmentos da agricultura brasileira com segurança, reduzindo a assimetria de informação e facilitando o fluxo de crédito em todos os segmentos do agro”, continua Fabiani.

A TerraMagna realiza o monitoramento de lavouras por meio de um sistema próprio via satélite e também monitoramento de campo para acompanhar o grão do campo ao silo. O monitoramento funciona da seguinte forma: a empresa recebe o descritivo das operações de concessão de crédito e o financiador acompanha em tempo real a lavoura, chegando antes dos demais credores e evitando fraudes, como ausência plantio ou desvio do grão produzido. Caso sejam observados indícios de que haverá problemas no pagamento, o credor executa rapidamente o colateral e tem garantia de liquidez com a venda da lavoura. “Proporcionamos mais segurança nas operações financeiras do agronegócio, tornando o processo transparente e menos invasivo, com dados isentos”, finaliza o CTO da agtech.

Como organizar as finanças em 2020

Segundo pesquisa divulgada no dia 2 de janeiro pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), guardar dinheiro é a principal meta financeira do brasileiro para 2020 (49%). Este objetivo não é novidade, afinal o resultado se repetiu no ano passado. Porém, 83% dos entrevistados relatam que não conseguiram realizar os desejos ligados a finanças em 2019.

Para que neste ano os planos saiam do papel, Carlos Terceiro, CEO e fundador da Mobills, startup de gestão de finanças pessoais, pontua algumas dicas para se planejar e colocar em prática as metas de ano novo.

1 – Limite seu orçamento

Estabelecer cotas mensais fixas reduz as chances de desperdício. As áreas da saúde, moradia, transporte e alimentação são essenciais, então devem ser priorizadas. Com isso, separar uma quantia fixa para usar com os extras evita o consumo exagerado com itens desnecessários.

2- Necessidade

Fazer uma lista do que deseja comprar é passo fundamental para a organização. Dividir os itens nas categorias: “quero” e “necessito”, faz com que os produtos da segunda categoria possuam prioridade em relação aos da primeira.

“Usar a técnica chamada “3 Ps e 1 Q” pode ser uma ótima opção. O consumidor tem que perguntar a si mesmo se realmente PRECISA do que ele quer adquirir, se ele pode PAGAR por aquilo, se o PREÇO está bom e se ele realmente QUER, evitando o impulso”, afirma Carlos.

3 – Organização

Um dos maiores problemas dos gastos com compras excessivas é a perda de controle por falta de organização. Roupas, calçados, livros e tudo aquilo que leva ao desejo do consumo, sempre devem estar muito bem organizados e à vista para que você se lembre de tudo que já tem.

4 – Cuidado com o cartão de crédito

Inicialmente, uma compra de valor baixo pode parecer inofensiva, mas o acúmulo de pequenos gastos, pode comprometer o orçamento dos meses seguintes. Ao optar por pagamentos parcelados, inclua o valor da fatura no seu planejamento de compras. Mas, dê preferência por opções à vista, e evite ao máximo recorrer ao cheque especial.

5 – Comparação de preços

Atualmente, com a ajuda da internet, pesquisar sobre a variação de preços de um mesmo produto pode render uma boa economia. Os valores podem variar das lojas físicas, onlines às multimarcas. Ficar atento aos cupons de desconto pode ser interessante – um grande número de sites de compras, de quase todos os segmentos, oferecem voucher de descontos.

6 – Corte de gastos

Em casos da renda mensal ser menor ou próxima do total de gastos, a verificação de possíveis cortes é a melhor alternativa, para evitar situações sufocantes em que a única saída seriam os empréstimos. Atividades de lazer e entretenimento de alto custo, podem ser substituídas por opções mais baratas e até mesmo gratuitas.

7 – Poupança

Guardar mensalmente uma parcela da renda total, traz grandes benefícios, principalmente a longo prazo. A construção de uma poupança gera uma segurança maior dentro do planejamento financeiro. Uma maneira para estimular essa poupança é estabelecer metas e aplicar o dinheiro em algum investimento que proporcione rendimentos.

8 – Reserva para emergências

Imprevistos acontecem a qualquer hora, por isso é primordial ter uma quantia guardada para situações extremas. A reserva de emergência pode variar dependendo de cada pessoa, porém normalmente ela representa seis vezes o valor do custo fixo mensal, é essencial para alcançar a tranquilidade financeira ter essa reserva.

9 – Software de controle de finanças pessoais

Um sistema de controle financeiro pode ajudar na organização e planejamento dos gastos mensais, mostrando cada passo e consequência das compras.

10 – Invista num curso de educação financeira

Para colocar em prática e tornar hábito todas as dicas anteriores é preciso estudar sobre finanças. Por isso, um curso de educação financeira pode ajudar quem quer melhorar a relação com o dinheiro em 2020. O Mobills oferece o curso de Planejamento Financeiro na Prática. O conteúdo é todo online e aborda desde de como sanar dívidas, passando por como poupar mais até como começar a investir para aumentar o patrimônio. As inscrições podem ser feitas entre os dias 15 e 17 de janeiro. No primeiro dia de inscrições (15) o valor promocional é de R﹩ 497,00. Para os outros dias (16 e 17), o investimento será de R﹩ 997,00. Os meios de pagamento são cartão de crédito ou débito, boleto bancário, PayPal e débito bancário.

Dataprev: Programa de Adequação de Quadro encerra atividades em 20 estados

A Dataprev deu início, nesta quarta-feira (08), ao Programa de Adequação de Quadro (PAQ) da empresa, que trata de um conjunto de incentivos ao desligamento dos empregados lotados em 20 filiais da empresa, localizadas nos estados do Acre, Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Sergipe e Tocantins, para as quais há previsão de encerramento das atividades operacionais até o fim de fevereiro.

A empresa está centralizando suas atividades em sete (7) regiões consideradas estratégicas (Ceará, Distrito Federal, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Santa Catarina e São Paulo), onde possui data centers e Unidades de Desenvolvimento.

Contexto

A crescente e inevitável digitalização e modernização das ferramentas tecnológicas trouxeram, nos últimos anos, uma nova lógica de funcionamento e organização das atividades produtivas da Dataprev. Hoje, essas atividades estão concentradas nas unidades de Processamento de Dados (data centers) e Desenvolvimento (UDs), responsáveis por toda da geração de receita da empresa.

Com este movimento, as demais unidades regionais tiveram queda expressiva de produtividade, devido à baixa demanda local, e passaram a funcionar apenas como núcleos administrativos, fora do escopo para o qual foram originalmente criadas.

Neste contexto de busca por uma atuação mais eficiente e economicamente sustentável é que se torna necessário um processo de readequação, não apenas da estrutura da Dataprev, mas das atividades que, hoje, não mais se alinham ao plano de negócios.

Vale destacar que, nos últimos anos, a Dataprev perdeu eficiência, o que fica demonstrado pelo forte desequilíbrio entre a geração de receitas, que cresceu 13% no acumulado dos últimos 3 anos, e os gastos, que avançaram 21%, num contexto de inflação (IPCA) de 10,7% no mesmo período. Tais desafios exigem ações rápidas, que garantam a sustentabilidade da empresa e uma atuação mais eficiente e competitiva.

Assim, o PAQ é uma ação, dentre diversas outras, focadas no ganho de eficiência e competitividade, que visam o enfrentamento dos desafios colocados pela atual conjuntura econômica, pelo quadro de restrição orçamentária dos principais clientes e pela necessidade de reposicionamento frente ao mercado.

Além da readequação do quadro de pessoal, a Dataprev também está promovendo revisão de contratos, medidas de racionalidade nos gastos operacionais da empresa e ações de eficiência tributária.

Reposicionamento

As ações de reestruturação que vêm sendo adotadas pela Dataprev têm como foco a melhoria na qualidade dos serviços prestados pela empresa, a diminuição de custos e a atração de novos negócios, promovendo um reposicionamento frente a seus clientes e ao mercado.

Neste sentido, cabe ressaltar uma importante reformulação na estrutura de governança da empresa com a criação das diretorias de Relacionamento e Negócios e diretoria de Governança e Jurídica.

Economia

A Dataprev projeta uma economia anual de R$ 93 milhões (englobando folha de pagamentos e gastos operacionais) com o fechamento dessas unidades. O Payback previsto é de 7,6 meses.

O Público alvo do Programa é de 493 empregados, o que representa 15% do total (3.360).

Público alvo do Programa é de 493 empregados

 

Proporção de empregados aposentados

Condições

A empresa oferece, dentro do PAQ, um conjunto de incentivos ao desligamento dos empregados, conforme quadro. O teto dos valores recebíveis (verbas rescisórias + incentivos) é de R$ 300 mil.

Quadro de incentivo

 

Fonte: Dataprev 

Autosserviço é tendência no varejo global

Forte tendência em muitos países pelo mundo, no Brasil, o autosserviço vem sendo implementado no varejo, visto inclusive como uma solução operacional. Como principal característica, o modelo possibilita a autonomia do consumidor, fazendo com que ele tenha liberdade na hora de realizar as compras.

Para Patricia Cotti, diretora executiva do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR), o serviço é uma tendência para consumidores mais independentes, que gostam de explorar a loja a sua maneira. “O modelo permite que o cliente realize seu próprio atendimento, fazendo com que ele se sinta mais independente e confortável na loja”, comenta Patricia.

O autosserviço surge também como alternativa a necessidade de mão de obra. “Em muitos casos, é um movimento financeiro e operacional, pautado na dificuldade da manutenção adequada do trabalho para este tipo de atendimento”, avalia a especialista.

O modelo busca agilizar os processos dos lojistas e consumidores, melhorar a experiência de consumo, reduzir custos, aumentar a produtividade e, também, gerar uma vantagem competitiva.

Inovações como o Amazon Go ganham espaço no mercado e, muitas vezes, a preferência do público. Conhecido como “supermercado do futuro”, o espaço fica em Seattle (EUA) não possui caixas convencionais. O consumidor entra, pega o que precisa e, ao passar pelos sensores da catraca na saída o valor é cobrado direto no cartão de crédito pelo app. Patricia acredita que modelos como este, podem chegar no Brasil em breve. “A atividade é uma forte tendência internacional, mas está ganhando força aqui e conquistando cada vez mais empresas”, conta.

Contudo, as marcas precisam de cuidado para aderir a essa opção. Patrícia ressalta que mesmo com total autonomia na hora de realizar suas compras, o cliente ainda deve ser priorizado. “Cabe destacar que o autosserviço não é o abandono do consumidor no ponto de venda, mas sim o seu direcionamento a compra por meio de outras atitudes e serviços que não o humano, sem que ele se sinta perdido. Isto pode ser feito por meio de tecnologia, ambientação, layout de loja, comunicação no PDV, planogramas facilitados, dentre outros”, conclui a diretora do IBEVAR.

Marco Legal das Startups potencializará investimentos no Brasil

Por Pedro Waengertner

Não existe uma fórmula mágica para transformar o Brasil e colocá-lo nas primeiras posições mundiais dos rankings de inovação. Mas se pudesse fazer uma aposta, seria através do empreendedorismo digital. Em um ambiente desafiador, a criatividade é o que prospera – e, se tem algo que o brasileiro sabe contribuir com o mundo dos negócios, é com soluções fora da caixa. Dobrar a taxa de criação de startups e incentivar ainda mais esse tipo de inovação pode ser a maneira ideal de gerar riqueza e tornar o país cada vez mais competitivo.

Ainda sem regras e regulamentações específicas, as startups se veem obrigadas a seguir as mesmas burocracias das empresas tradicionais. O que não condiz com o formato, ou mesmo agilidade, que elas necessitam para prosperar. O Marco Legal das Startups que tramita no Congresso irá melhorar o ambiente de negócios para as startups e, entre suas principais propostas, destaca-se, a criação de uma conceituação unificada de startup, e a simplificação de modelos societários, deixando mais fácil e barata a burocracia para se abrir e manter uma empresa.

A burocracia é um custo invisível que nem sempre colocamos na conta. Uma startup é uma organização enxuta por natureza e vejo o quanto a complexidade legal e tributária brasileira toma o tempo e energia dos empreendedores. A constituição das startups como Sociedade Anônima (SA), embora seja mais recomendada pela característica do negócio, muitas vezes não é a primeira opção do empreendedor, que acaba optando por alternativas que limitam o seu crescimento.

Outro ganho importante para o cenário de investimentos no Brasil, é a proteção ao investidor-anjo, o investidor pessoa física que aposta nas Startups logo no início. Os riscos na pessoa física assustam e limitam o potencial de financiamento destes negócios. Com a redução das taxas de juros, o investimento de risco está mais atrativo que nunca no Brasil, e poderá servir de combustível para o crescimento que precisamos no setor. Basta deixarmos claras as regras e garantir minimamente a segurança dos investidores.

Existem, claro, pontos de extrema atenção no pacote regulatório, como, por exemplo, deixar bem claro o que, de fato, é uma startup. É importante ter suas características definidas para que outras empresas, que não não se encaixam no modelo de startup, não tentem se enquadrar nessa categoria por falta de definições claras, se beneficiando indevidamente.

Com mais de 12 mil startups de portas abertas no Brasil, e quase R$ 10Bi investidos neste tipo de negócio apenas este ano, estamos caminhando para um ecossistema de primeira linha. O governo brasileiro deve ficar atento para conseguir acompanhar o ritmo e criar um ambiente que favoreça o nascimento e crescimento de ainda mais startups. Vivemos uma era em que corremos o risco de ficarmos para trás na competitividade global se não desenvolvermos formas de andar muito mais rápido do que andamos, principalmente no quesito inovação e tecnologia.

Mesmo vivendo um momento de amadurecimento do ecossistema nacional das startups – atraindo, inclusive, muitos investimentos internacionais – o país deve fazer um esforço para o fomento desse setor, ainda pouco explorado e que pode contribuir tanto para a geração de renda quanto para o aumento da oferta de empregos qualificados.

Pedro Waengertner, Co-fundador da ACE, empresa de inovação e investimento em startups
Anexos

Nestlé Health Science anuncia startups vencedoras de seu primeiro programa global de aceleração de negócios de eHealth

Nestlé Health Science, braço de saúde e ciência nutricional da Nestlé, definiu as startups vencedoras do programa Nestlé Beyond Food para acelerar projetos de eHealth (inovações de tecnologia na área da saúde) no primeiro semestre deste ano. As startups foram selecionadas por especialistas da companhia em uma tarde de apresentações, que marcou a fase decisiva do programa, realizado em parceria com a StartSe e a Innoscience.

Foram mais de 130 projetos inscritos, que passaram por uma triagem em duas fases até chegar às finalistas. As vencedoras foram Meplis, do Rio de Janeiro, e Insight Technologies, de São Paulo, que vão dividir um aporte de até R$ 1 milhão para desenvolvimento dos projetos que responderam a desafios de e-Health propostos por Nestlé Health Science. As soluções atendem à jornada do paciente no processo de desospitalização, bem como no suporte ao profissional de saúde, por meio de ferramentas que auxiliam na tomada de decisão e respondem às demandas de terapia nutricional desses pacientes.

Fundada em março de 2012, a Meplis provê serviços de informações personalizados para provedores de saúde e para o paciente por meio de soluções online SaaS (Software as a Service), aplicativos para web móvel e nativos. “Nosso objetivo é possibilitar aos pacientes uma melhor qualidade de vida”, avalia Pedro Ivo Neves Azevedo Machado, fundador da Meplis.

Já a Insight Technologies aposta no uso de tecnologia para desenvolver programas que ajudem a melhorar as condições de saúde e qualidade de vida de pacientes com condições crônicas. “Temos como premissa proporcionar ferramentas para que o paciente dê continuidade à terapia nutricional”, avalia o diretor da startup, Leonardo Zimmerman.

O Brasil é o primeiro país do mundo da Nestlé a executar um programa de aceleração de negócios de startups de eHealth. “Foi uma experiência muito valiosa para Nestlé Health Science de incentivar projetos e plataformas de serviços em saúde e nutrição. Tivemos entregas muito interessantes e esperamos proporcionar novas perspectivas para o mercado brasileiro de saúde, em prol dos pacientes e do empreendedorismo”, destaca Monica Meale, head de Nestlé Health Science Latam.

Metodologia

Os critérios utilizados para avaliar as startups envolveram o nível de inovação, riscos, a viabilidade financeira e os impactos da solução para o desafio proposto pela Nestlé. As startups finalistas apresentaram os projetos para uma banca de executivos de Nestlé Health Science Global e da Nestlé Brasil, que definiu as vencedoras. As selecionadas dividirão um aporte financeiro de R$ 1 milhão. O objetivo é que esse incentivo seja utilizado para o desenvolvimento de um projeto piloto pelas startups, em linha com os desafios propostos pelo programa, em quatro pilares: execução do negócio; outpatients; produtos e e-Health. A escolha das finalistas considerou soluções que atendam às necessidades de consumidores e clientes.

American Airlines é a primeira companhia aérea a testar o Modo Intérprete do Google Assistente

A American Airlines está usando a tecnologia para eliminar uma das maiores dificuldades dos viajantes que não dominam a língua estrangeira. A companhia é a primeira a adotar o modo intérprete do Google Assistente em suas salas VIP nos aeroportos.

A American começou a testar a nova tecnologia na semana passada nas salas VIP do seu Admirals Club, no Aeroporto Internacional de Los Angeles (LAX).

Com a capacidade para traduzir em tempo real, o modo intérprete do Assistente ajudará no Atendimento ao Cliente Premium, proporcionando um serviço mais personalizado. O modo intérprete opera no Google Nest Hub e será usado para ajudar os passageiros apenas quando algum membro da equipe multilíngue não estiver disponível. O dispositivo pode traduzir em 29 idiomas, entre eles o árabe, francês, alemão, japonês, russo, português, espanhol e vietnamita.

“O tradutor universal da ficção científica é agora um fato”, disse Maya Leibman, CIO da American. “A incorporação de tecnologias como o modo intérprete do Google Assistente nos ajudará a derrubar barreiras, proporcionar uma experiência de viagem sem preocupações e tornar a viagem mais acessível a todos”.

O Google Assistente é o mais recente de uma longa linha de aprimoramentos de novas tecnologias que a American introduziu para tornar as viagens mais fáceis para seus clientes. Entre outros aprimoramentos recentes estão a leitura de passaportes digitais em dispositivos móveis, notificações de embarque, passeios virtuais online em aeronaves 3D, um menu repaginado para o quiosque de autoatendimento que simplifica o processo de check-in, e uma abordagem aprimorada de designação de assentos para famílias, que garante que adultos e crianças menores de 14 anos fiquem sentados juntos a bordo.

A Google e a American anunciaram sua parceria na edição deste ano da CES, a maior e principal feira de eletrônicos de consumo do mundo.