Page

Author admin

Kraft Heinz realiza evento para se aproximar de startups

Em busca de se aproximar de startups e encontrar soluções inovadoras para os desafios do dia-a-dia, a Kraft Heinz Company realizou seu primeiro Demo Day em 3 de fevereiro, que dá início ao processo de Open Innovation na companhia. Em parceria com o inovabra habitat, espaço de coinovação dedicado à geração de negócios de alto impacto baseado nas tecnologias do Bradesco, a gigante do setor alimentício iniciou sua busca por startups com soluções para a área de Procurement e Legal e Finanças.

O evento foi o primeiro de um programa de Open Innovation, que surgiu da necessidade da companhia de ganhar agilidade e eficiência em todas as áreas. “Mapeamos e priorizamos desafios para buscar novas tecnologias e parceiros que nos ajudem nessa jornada de inovação. Por meio do inovabra habitat, conseguimos ter acesso a esses parceiros”, explica Juliana Bernardo, gerente de Insights&Innovation da Kraft Heinz Brasil e líder do projeto. “A solução foi simples: unir quem tem o desafio com quem tem a solução”, continua Juliana.

O objetivo dos DemoDays é apresentar o programa de Open Innovation e os desafios de cada área às startups selecionadas para que ofereçam suas soluções. A solução que melhor atender à proposta da Kraft Heinz será convidada a participar de uma reunião com o time da área para o possível desenvolvimento de um projeto piloto ou prova conceito.

Para entender os desafios, a Kraft Heinz realizou um workshop com executivos da companhia, onde mapearam, discutiram e priorizaram problemas a serem resolvidos pelas iniciativas das startups do ecossistema do inovabra. Além de Procurement e Legal e Finanças, Operações, Agricultura — Operações, TI, Marketing, Comercial e Trade e People também tiveram desafios mapeados pelos executivos e terão Demodays ao longo do primeiro semestre.

Tenha um propósito!

Por Willian Kahle

“As pessoas podem trabalhar duro por dinheiro, mas só dão a vida por uma causa!” A frase é de Charles Schwab, fundador de uma das maiores corretoras de investimentos do mundo, que leva seu nome e mantém mais de US$ 1 trilhão sob custódia.

De fato, engajar a equipe com um propósito maior, que não seja apenas ganhos financeiros, tem um impacto muito grande no dia a dia. Quando acreditamos no que fazemos, nossa intensidade e confiança sobem de patamar. Agregar algo diferente para a sociedade, causar um impacto positivo na vida das pessoas ou revolucionar determinado mercado, promovendo inovações transformadoras têm um valor imensurável, que vai muito além do que dinheiro, não acha?

Analisando as grandes empresas que dominam os seus respectivos setores, vemos que elas transcendem a procura pelo lucro e passam a buscar um objetivo. Em alguns casos, algo até mais abstrato, visando alcançar patamares muito maiores.

Para exemplificar, gosto de usar o case da Apple, pois é simples e todos conhecem. Ela tem o propósito de desafiar o status quo, de pensar diferente. E basta uma pequena análise para ver que isso é realmente verdade. Foi a primeira empresa a criar celulares sem teclado e a utilizar ícones nos programas de computador. Sua lista de inovações é grande!

Agora, imagine-se trabalhando em uma corporação que pretenda não apenas crescer, mas desenvolver alternativas que mudem para sempre a vida de milhões de pessoas para melhor. Afinal, além de seus próprios produtos, empresas como a Apple forçam seus concorrentes a inovarem também, gerando uma competitividade que impacta positivamente todo o mundo.

Logo, o “porquê você faz?” é mais relevante do que “o que você faz?” ou do “como você faz?”. É nisso que se baseia a teoria do Golden Circle, de Simon Sinek, autor do livro “Comece pelo porquê” e referência global dos empreendedores em todo o mundo. Segundo ele, o propósito torna tanto os clientes quanto a equipe muito mais fiéis. Ter um “porquê”, além de diferenciar sua marca das demais, reduz a necessidade de entrar em uma guerra de preços para vender mais ou de salários para contratar bons colaboradores.

As pessoas também desejam ver o seu trabalho materializado em benefícios a sociedade. Nós, da Messem Investimentos, por exemplo, buscamos ir muito além de simplesmente distribuir aplicações financeiras. Focamos em entender as pessoas, compreender seus sonhos e receios, para alinhar de uma forma cada vez melhor as expectativas dos nossos clientes. Os investimentos são um caminho para ajudarmos as pessoas a realizarem os seus sonhos e terem uma vida mais tranquila.

Mais do que entender de investimentos, nosso negócio baseia-se em entender as pessoas. E esta última é a parte mais importante de todo o processo. Fazemos isso buscando a proximidade, escuta ativa e nos interessando verdadeiramente pelo próximo. E fazemos isso porque existimos para cuidar do futuro das pessoas!

Willian Kahle, sócio e assessor financeiro responsável pela área de expansão e performance da Messem Investimentos

ACE vai capacitar profissionais do futuro com curso gratuito sobre inovação

De acordo com a ACE Innovation Survey, uma pesquisa conduzida pela ACE Cortex, unidade de inovação corporativa da ACE, sobre o panorama do setor no Brasil, a inovação é valorizada por cerca de 90% das empresas. Pensando nesse cenário, a ACE, empresa de inovação, acaba de anunciar o lançamento de um curso sobre o tema. O Innovation Academy será totalmente gratuito, e os inscritos passarão por um processo de seleção para serem aprovados no programa.

“Existe uma carência de profissionais qualificados e de alto desempenho no mercado, então decidimos tomar a frente na educação e desenvolvimento dessas pessoas, disseminando o conhecimento sobre inovação, que faz parte do DNA da ACE, contribuindo assim para o crescimento e futuro do Brasil”, declara Pedro Waengertner, CEO e cofundador da ACE.

O curso abordará temas diretamente relacionados à inovação, tangibilizando o trabalho em Squads e a Transformação Digital. Serão apresentados conceitos de rotinas ágeis, como Scrum e Kanban, além de trabalhar um mindset de startups, como definição de Personas, Job To Be Done e Proposta de Valor. Utilizando as metodologias ACE, o curso terá atividades práticas e debates de cases reais. Os conteúdos serão ministrados pelos profissionais da ACE, que tem ampla experiência e vivência diária dos temas abordados.

Além de passar pelo curso gratuito, os alunos que se destacarem e tiverem um match com a empresa poderão receber uma proposta para integrar o time da ACE.

O curso acontecerá em três sábados consecutivos em março (com início em 7 de março), além de um encerramento onde os alunos irão apresentar seus trabalhos para os partners da empresa. Para se candidatar ao processo seletivo, os interessados devem acessar: http://www.innovationacademy.com.br/ e preencher o formulário até o dia 20/02/2020. Como requisito para participar, é preciso ter alguma experiência ou conhecimento com vivências ágeis ou startups.

O trabalho evolui e as organizações necessitam inovar

Por Bernt Entschev *

O ano de 2020 já começou e como consultor em gestão de pessoas preciso deixar um recado para profissionais e empresários: olhem o futuro de suas carreiras e de suas empresas focando a estratégia de inovação como algo prioritário. Digo isso porque, quer a gente queira, quer não, o mundo vai empurrar nossas atividades para as necessidades contemporâneas da sociedade. Quem não se adaptar, vai ficar pelo caminho, ou no mínimo terá muita dificuldade para se manter no mercado.

Estudos recentes apontam que, em 2019, cerca de 64% da população mundial já é composta por pessoas nascidas após 1980. Cada geração traz consigo novos comportamentos, valores e expectativas. E é essa geração que será cada vez a maior parcela da força de trabalho no mundo.

É importante destacar e não esquecer que são pessoas com expectativas diversas, que buscam algo muito diferente de seus pais, têm facilidade de lidar com a tecnologia, além de outras ambições.

Por isso é essencial manter a pesquisa de clima organizacional nas empresas a fim de entender exatamente o que engaja e satisfaz esses novos colaboradores.

Mas como inovar nas organizações? Obviamente, isso que não quer dizer para deixarmos tudo o que foi construído para trás, mas sim ressignificar os valores, aprender e reaprender, questionar o status atual. Adaptar-se ao novo contexto.

Para olhar o novo e buscar as inovações necessárias, precisamos urgentemente nos relacionar com esse “novo mundo empresarial”, com essa “nova sociedade”, muitas vezes tão diferente daquilo que pensamos.

Só iremos conseguir avançar como profissionais, executivos ou empreendedores quando enxergarmos esse novo mundo que está avançando cada vez mais rápido e transformando mercados de maneira muito mais rápida do que imaginávamos.

Há tantas oportunidades para observarmos que, muitas vezes, nos sentimos perdidos frente à avalanche de novidades que chegam. São novas tecnologias, novos concorrentes, novos conceitos.

Podemos começar a nos relacionar com o novo buscando informações confiáveis na internet, novas leituras, programas de desenvolvimento ou simples conversas.

É preciso ter mais curiosidade. O importante é estar aberto a esse novo contexto de inovação em que vivemos. Quando superarmos esse obstáculo, sem dúvida alguma ficará mais fácil pensarmos em inovação organizacional. Esta é a dica: reserve em seu planejamento de 2020 um espaço generoso para pensar na tarefa da inovação.

Bernt Entschev, conselheiro da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha (AHK Paraná), headhunter e fundador da De Bernt.

Recruta Stone abre inscrições para o 1º semestre de 2020

A Stone, fintech de serviços financeiros, abriu hoje (31/01) as inscrições para o 12º Recruta Stone. Destaque entre os maiores processos seletivos do Brasil, em sua última edição o programa recebeu mais de 70 mil inscrições. Com o objetivo de encontrar os melhores talentos do país, os avaliadores não utilizam a formação superior ou o curso universitário do candidato como fatores predominantes para sua continuidade na seleção ou aprovação final. Com uma proposta diferente dos processos seletivos tradicionais, o Recruta Stone avalia o histórico de cada participante, suas conquistas, vontade de evoluir e aprender. Para se inscrever é necessário acessar o site http://www.recrutastone.com.br/.

Por meio do programa, a Stone espera atrair pessoas que tenham energia, inteligência e integridade, ou seja: que estimulem mudanças por onde passam, estejam dispostas a solucionar problemas, encarar grandes desafios, sempre com autenticidade e ética, em qualquer contexto em que estiverem inseridas.

Sem número pré-definido de vagas para contratação, o Recruta Stone possui nove fases, entre elas: testes on-line, questionário sobre a vida pessoal do candidato, leitura de livros, entrevistas com líderes e fundadores da empresa, bem como vivências em grupo e apresentação de cases. Além de relevar profissionais altamente capacitados, o programa também visa proporcionar autoconhecimento e desenvolvimento para todos os candidatos, independente do resultado.

“O Recruta Stone é o maior ritual de cultura da empresa e promove uma verdadeira jornada de autoconhecimento e desenvolvimento aos candidatos. Vai muito além de um processo seletivo, pois buscamos realmente que todos os candidatos saiam do processo melhores do que ingressaram, seja por meio das reflexões que sugerimos que sejam feitas, dos conteúdos que enviamos semanalmente ou pelos feedbacks recebidos”, explica Lívia Kuga, que chegou à Stone por meio do Recruta e hoje é líder de atração de talentos e uma das organizadoras do programa.

Oportunidade e desenvolvimento de carreira para os inscritos

Os aprovados passam seis meses conhecendo os clientes da Stone e o funcionamento de todas as áreas da empresa. Os novos recrutas desenvolvem projetos de alto impacto, acompanhados de programa de mentoria junto aos principais líderes da companhia. Após esse período, podem escolher qual time desejam integrar.

Outro diferencial do Recruta Stone é que, mesmo não aprovados como recrutas, durante as etapas da seleção, os candidatos têm a oportunidade de serem contratados em áreas diversas da companhia. Desde 2014, a Stone já contratou mais de 1.700 pessoas por meio do programa e 51 recrutas foram selecionados. Parte deles já ocupam posições de liderança na companhia e oito se tornaram sócios.

Além de revelar potenciais talentos para a fintech e para o mercado, o Recruta Stone também é utilizado como ferramenta de formação de lideranças da companhia, por meio da disseminação de sua cultura e de treinamentos nas vertentes de recrutamento, seleção e gestão de pessoas. Mais de 150 líderes da Stone são envolvidos durante todo o processo, incluindo seus fundadores.

As inscrições podem ser realizadas até 12 de março de 2020. Os novos recrutas da Stone serão anunciados em junho, mês previsto para o término da seleção.

12º Recruta Stone – Inscrições abertas

Faixa etária: a partir de 18 anos, sem idade limite
Período: de 31 de janeiro a 12 de março de 2020
Inscrições no site: http://www.recrutastone.com.br/

Braskem Labs abre inscrições para a edição 2020

Empreendedores de todo o Brasil podem se inscrever até 26 de fevereiro para participar dos programas de aceleração do Braskem Labs, plataforma de empreendedorismo de impacto da Braskem. Os interessados podem escolher entre as modalidades Scale e Ignition do programa, que buscam alavancar negócios que causem impacto positivo na sociedade. A inscrição é gratuita e pode ser feita por meio do site www.braskemlabs.com.

Aproveitando a experiência de mercado da Braskem, o Labs foca em empresas que considerem a química e/ou o plástico como parte da solução. Neste contexto, o Scale se dedica a startups em fase de tração e escala, ou seja, que estejam operacionais, tenham clientes e faturamento. Já o Ignition tem como propósito ser uma pré-aceleração para quem está na fase de validação de modelo de negócio.

Entre os critérios gerais para seleção estão o grau de inovação das soluções apresentadas, potencial de mercado, perfil do empreendedor e da equipe envolvida, modelo de negócio e impacto socioambiental gerado. É importante que os empreendedores tenham mais de 18 anos e disponibilidade para estar presente nos encontros realizados na cidade de São Paulo.

Marina Rossi, gerente de Desenvolvimento Sustentável da Braskem e responsável pelo Braskem Labs, explica que ambas as modalidades do programa buscam empresas que atuem em áreas diversas, como agronegócio, saúde, infraestrutura, mobilidade, biotecnologia e economia circular. “As startups possuem um grande potencial para trazer inovação para o nosso setor, contribuindo para encontrarmos novos caminhos para o desenvolvimento de negócios sustentáveis”, afirma.

Para o desenvolvimento dos programas, a Braskem conta com o apoio do Quintessa, aceleradora dedicada a negócios de impacto social ou ambiental positivo. “O alinhamento de propósito que temos com o Quintessa é o que torna nossa parceria tão produtiva. Acreditamos que a experiência deles de mais de uma década acelerando negócios de impacto torna o Labs ainda mais robusto, agregando conhecimento aos empreendedores e aos integrantes da Braskem envolvidos no projeto”, comenta Marina.

Na prática, os programas do Braskem Labs combinam capacitação e mentoria, por meio de encontros individuais e em grupo. As empresas selecionadas participam da aceleração por cerca de cinco meses e recebem, entre outros itens, diagnóstico de negócio, apoio personalizado, acesso a uma rede diversa de mentores Quintessa e de executivos da Braskem, networking com conexão a potenciais clientes e parceiros estratégicos do mercado. Ao final do programa, ainda há a oportunidade de se apresentar para investidores e possíveis clientes.

“Além de tudo, o modelo de atuação do Labs é equity free. Este diferencial reforça nossa posição em prol da contribuição inovadora e positiva com nosso setor e com toda a sociedade”, explica Marina. “Vale destacar que as conexões geradas durante o programa são totalmente espontâneas, sejam entre os empreendedores ou conosco. Neste sentido, mais de 25% das empresas participantes fizeram algum tipo de negócio com a Braskem”, finaliza.

Para Anna de Souza Aranha, diretora do Quintessa, os programas do Braskem Labs se destacam perante outros oferecidos no mercado: “eles têm uma proposta de valor única, mesclando conteúdos e metodologias do Quintessa, sessões de mentoria com executivos da Braskem, apoio personalizado e individualizado dos nossos gestores, além de acessarem o mercado com o endosso da Braskem. Além disso, é uma relação ganha-ganha, pois do outro lado, estes negócios possuem potencial para ser fonte de inovação em novos produtos, mercados e formas de relacionamento para a Braskem — tendo o impacto positivo como premissa. Acredito que o Braskem Labs é um grande exemplo de inspiração para outras grandes empresas que desejam se aproximar do ecossistema empreendedor”.

Mais informações sobre o Braskem Labs podem ser obtidas no site www.braskemlabs.com.

Investimento global em venture capital cresceu 13,2% no quarto trimestre de 2019, aponta KPMG

O investimento global em venture capital cresceu US$ 7,4 bilhões, ou 13,2%, no quarto trimestre de 2019, se comparado ao período imediatamente anterior. Foram US$ 63,1 bilhões em transações desse tipo, distribuídos por 4.289 negócios fechados, contra US$ 55,7 bilhões no terceiro trimestre. Os dados são do estudo da KPMG “Venture Pulse”, relatório trimestral que analisa as tendências mundiais desse mercado.

Na comparação anual, o total de investimentos realizados nesse segmento em 2019 permaneceu alto, com US$ 257 bilhões investidos por todo o globo. O resultado é o segundo maior já registrado pelo estudo, atrás apenas do recorde de mais de US$ 300 bilhões, em 2018.

Dentre as transações realizadas pelo mercado de venture capital no quarto trimestre de 2019, os Estados Unidos representaram mais da metade dos investimentos concretizados no mundo, com US$ 34,2 bilhões, distribuídos por 2.215 negócios. Ainda no que se refere à questão regional, as Américas lideraram o último trimestre do ano passado, com US$ 36,2 bilhões investidos, em 2.400 negócios. A Ásia veio em seguida, com US$ 18,7 bilhões, em 1.021 transações, enquanto a Europa recebeu US$ 9 bilhões, distribuídos por 804 negócios.

Para o sócio-líder de Private Equity da KPMG na América do Sul, Ricardo Anhesini, apesar das incertezas políticas e econômicas globais, o resultado foi positivo. “Embora na comparação anual o resultado tenha sido de queda em relação ao recorde conquistado em 2018, os investimentos continuaram altos no último ano, mostrando a consistência e a relevância do mercado de venture capital em todo mundo”, afirma, salientando: “A expectativa é de que o ritmo continue acelerado em 2020, com grandes investimentos para o segmento e um número ainda maior de negócios concretizados”.

Investimentos crescentes na América do Sul

Entre a região das Américas, o Continente Sul-Americano também se destacou no mercado de venture capital no último ano. No Brasil, os investimentos nesse segmento chegaram a US$ 526,2 milhões no quarto trimestre de 2019. As negociações foram lideradas pelas fintechs, startups do setor financeiro, com grandes negócios fechados por empresas como EBANX, VTEX (US$ 140 milhões) e Neon (US$ 94 milhões).

O sócio-diretor de Data & Analytics para Deal Advisory da KPMG no Brasil, Raphael Vianna, avalia que 2019 apresentou um crescimento significativo nos investimentos de venture capital no País e a expectativa é de que 2020 seja ainda melhor. “No ano passado, o Brasil teve um forte crescimento no número de negócios concretizados nesse mercado, com transações ainda maiores e vários novos fundos de venture capital criados. As fintechs dominaram o segmento e a expectativa é de que em 2020 os resultados sejam positivos, com o crescimento de setores como saúde, educação e agronegócio”, observa.

Na Argentina, a fintech Ualá arrecadou US$ 150 milhões em um acordo com as empresas Tencent e Softbank, com sede na Ásia. O Brasil também aumentou sua importância na região das Américas com um nascimento recorde de unicórnios em 2019.

“O caso da Argentina, em particular, destaca a importância crescente que os investidores asiáticos estão dando à América do Sul. Os resultados obtidos em 2019 mostram um cenário cada vez mais maduro, com forte crescimento das startups e aumento de interesse dos investidores globais. No Brasil, as reformas governamentais e as baixas taxas de juros fomentaram o crescimento do mercado “, analisa o sócio Ricardo Anhesini.

O conteúdo está disponível na íntegra no link – http://home.kpmg/br/pt/home/insights/2020/01/analise-venture-capital.html.

Os riscos do crescimento desordenado no e-commerce

Por Carlos Guimar

Cada vez mais, o e-commerce quebra a barreira da desconfiança para os brasileiros, tornando-se um dos principais meios de compra na vida dos consumidores e das empresas.

Entretanto, na medida que o comércio virtual ganha espaço na população do consumidor, as vulnerabilidades na segurança surgem na vida de quem administra este tipo de comércio. Com verdadeiros ecossistemas comerciais e logísticos montados para atingir mais vendas e mais entregas, os e-commerces focam seus esforços em estratégias agressivas de preços para venderem mais e no aumento das estruturas dos centros de distribuição, abrindo dutos específicos para escoar as mercadorias. Afinal, a velocidade é fator decisivo e diferenciado para o cliente.

Olhar para estes critérios não é errado. O erro está em tirar da lista outros itens igualmente importantes, como a segurança nas etapas da cadeia logística. O desequilíbrio interno afeta diretamente a relação com o cliente.

O que se observa na maior parte dos casos é um crescimento desordenado, que coloca em segundo plano as atividades de segurança patrimonial e que previnem as perdas. Isso porque existe a falsa sensação de profissionais de logística de que suas aplicações trarão travas ou bloqueios ou que irão prejudicar o atingimento das metas estabelecidas. Ainda existem ideias, ou mesmo uma desculpa equivocada, de que uma boa apólice de seguro é capaz de suprir estas perdas do negócio. Vale dizer que seguradoras podem até trazer o retorno total ou parcial da perda financeira, todavia não fazem o cliente receber o seu pedido.

Cada venda realizada e sua remessa gerada é uma conquista seguida de um grande esforço para chegar às mãos do comprador. Esta remessa não entregue tem um prejuízo muito maior do que a perda financeira. Tem a perda do crédito da imagem, da marca do negócio. Reputação!

De acordo com algumas experiências obtidas nestes últimos anos, os fatores que devem ser considerados e tratados com efetividade são o de transporte, onde seus vários modais devem ser desenhados de acordo com a necessidade específica da empresa e ter todos os seus riscos externos tratados com o diferencial de tornar o negócio mais produtivo. Pode acreditar: isso é possível.

Os centros de distribuição em seus diversos formatos, modelos, tamanhos, pontos estratégicos de paradas para redirecionamento da carga e demais oportunidades devem imprimir agilidade na gestão estratégica, nos processos dinâmicos, na segurança física forte e direcionada. Em uma realidade marcada por estoques robustos, contendo produtos na casa de bilhões, deixar estas áreas mais seguras dificulta a possibilidade de perdas e extravios.

Vale lembrar que o processo de avançar a carga deixando estoques plenos ficando bem próximo do consumidor final, torna o tempo de entrega um grande atrativo para a venda, aqui se vale da velocidade e a possibilidade de menor frete onde se tem margem financeira de ganho ou negociação; deve se lembrar que segurança com agilidade aqui também se aplica.

Nesta linha de prevenção, existe uma parcela de milhões de reais que são perdidas e que devem ser consideradas como grande oportunidade dentro das empresas. Algo com números na casa de 60 milhões de consumidores, representando quase 30% da população brasileira, com a marca de mais ou menos 150 milhões de pedidos. Como dito anteriormente, o crescimento necessita de cuidados por quem quer estar à frente e fidelizar quem está comprando hoje e conquistar com assertividade quem está chegando.

Carlos Guimar, especialista em segurança pública e privada e diretor associado de segurança empresarial na ICTS Security, consultoria e gerenciamento de operações em segurança, de origem israelense.

iFood anuncia novo Vice-Presidente de People

O iFood, a foodtech líder na América Latina, anuncia a contratação de Luis Gustavo Vitti como Vice-Presidente de People, como é chamada a área de recursos humanos (RH) da empresa. Após uma passagem de quase três anos na Ásia como vice-presidente de Gente e Performance na Kraft Heinz para a Ásia e Pacífico, Vitti, agora de volta ao Brasil, reportará diretamente para Fabrício Bloisi, CEO do iFood.

Segundo o executivo, a cultura e a expansão do iFood foram elementos fundamentais para decidir se integrar a equipe. “Os quatro elementos que me trouxeram para o iFood foram: o propósito, cultura, tecnologia e origem brasileira. Totalmente fora da minha zona de conforto. Agora, quero aprender e construir com uma empresa de tecnologia com crescimento exponencial. Sem dúvida, aprenderei muito com o dinamismo daqui e estou muito animado para colaborar com a empresa a partir da experiência e visão de pessoas que obtive em diversos países”, afirma Vitti.

Atualmente, são mais de 2.500 FoodLovers (colaboradores) em todo o Brasil, sendo a maioria concentrada em três escritórios (Osasco, Jundiaí e Campinas). “O iFood é a empresa líder no segmento no Brasil e está crescendo de forma sustentável e rápida. Nosso desafio é colaborar para atrair e reter os melhores talentos para revolucionar cada vez mais o mercado da alimentação”, afirma o novo executivo.

Vitti é formado em Física pela UNICAMP e com passagem pela educação executiva pela Kellogg Graduate School Of Management. O executivo iniciou sua trajetória como trainee na América Latina Logística (ALL), em 2006. Antes de aceitar o convite do iFood, atuava como VP de People & Performance na Kraft Heinz, desde 2014, e foi responsável pelas regiões América Latina e Ásia-Pacifico, baseado em Singapura.

1° Hackmed do Brasil premia soluções para problemas reais da Saúde

O primeiro HACKMED – Health Hackathon do Brasil se encerrou nesse domingo (2/2) com premiação para as melhores ideias para problemas reais da área da Saúde. A competição reuniu grupos que trabalharam em soluções para os temas Atenção Primária à Saúde e Telemedicina, Saúde Mental e Cuidados Cirúrgicos e Terceira Idade e Reabilitação. Os times discutiram durante três dias um plano de negócio com base na metodologia do MIT, usada pela primeira vez no Brasil.

Os primeiros lugares foram premiados com R﹩ 8 mil e a oportunidade de ser incubados no Distrito InovaHC, Hub de Inovação Aberta do Hospital das Clínicas. Os segundo colocados ganharam R﹩ 4 mil. Ainda, três grupos receberam menção honrosa.

Atenção Primária à Saúde e Telemedicina

1° lugar: Aira – inteligência artificial para um prontuário eletrônico mais eficiente e com menos dedicação do médico para preenchimento.

2° lugar: Nery – assistente virtual para ajudar pacientes com glaucoma durante sua jornada de tratamento.

Menção honrosa: Meal Advisor – solução para integrar dados sobre interação medicamentosa e alimentos.

Saúde Mental e Cuidados Cirúrgicos

1° lugar: Draincheck – monitoramento IoT do dreno com sistema de alarme para casos de deiscência intestinal. Entre 10-20% das cirurgias gástricas evoluem para essa doença e 15% acabam em óbito.

2° lugar: Lobão – dispositivo ultravioleta para cateter de pacientes internados com a finalidade de reduzir infecção hospitalar.

Menção honrosa: Gancho Zero – ferramenta para avaliações pré-operatórias (startup também ganhou da AstraZeneca para ser incubada no Distrito InovaHC)

Terceira Idade e Reabilitação

1° lugar: Health ++ – plataforma web com dados parametrizados para cuidados com idosos, com sistema de avisos.

2° lugar: DJ Wind – programa de inteligência artificial para segurança do médico em casos de remoção de pacientes em tratamento com uso de ventilação mecânica na UTI.

Menção honrosa: Velha Guarda – sistema com informações para quem toma muitos medicamentos ao mesmo tempo.

O evento foi realizado de 31/01 a 02/02 no Instituto de Radiologia (InRad) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP) em uma parceria entre Faculdade de Medicina da USP, Inova HC e o MIT Hacking Medicine. A idealização foi de Cauê Gasparotto Bueno, aluno da Faculdade de Medicina da USP e ex-membro do MIT Hacking Medicine.

Cauê destaca a importância de reunir debates e palestras de personalidades ligadas à saúde e a inovação dos mercados público e privado. Além disso, o idealizador reforça o pioneirismo do Hackmed por reunir grupos multidisciplinares para debater os principais gargalos da saúde. “Isso torna o Hackmed uma experiência inédita em inovação na saúde.”

Ao todo, foram mais de 900 participantes, entre espectadores das conferências, voluntários, palestrantes, patrocinadores e integrantes da dinâmica do hackathon. As conferências tiveram grandes nomes como Jorge Paulo Lemann, fundador da 3G Capital e da Ab InBev, Dr. Masonari Aikawa, professor da Harvard Medical School e Dr. Robson Capasso, chefe da cirurgia do sono e professor da Stanford School of Medicine e Global Advisor do Stanford Byers Center for Biodesign, entre outros.

Devido ao sucesso do evento, a segunda edição já está confirmada para março/2021.

Burger King Brasil abre mais de 1500 vagas em todo Brasil

O Burger King Brasil está com o processo seletivo aberto para mais de 1500 vagas em todo o Brasil. As oportunidades são para atendente, coordenador e gerente de negócios para atuar nos restaurantes das marcas BURGER KING® e POPEYES®.

Para as vagas de atendente, os candidatos devem estar cursando ou ter concluído o ensino médio. No caso de coordenador, é necessário que estejam cursando ou tenham concluído o ensino superior. Já para as vagas de gerente, o requisito é ter o superior completo. As vagas para coordenador e gerente, exigem experiência de no mínimo um ano na função, e são para trabalhar no período diurno ou noturno.

Todas as vagas estão distribuídas em diversas regiões do país, como: São Paulo, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Curitiba, Fortaleza, Porto Alegre, entre outras. Os benefícios oferecidos são convênio médico, seguro de vida, transporte, alimentação e trilha de carreira.

“Buscamos pessoas que gostem de se desafiar, que querem crescer e também se divertir em um ambiente onde todos são bem-vindos”, conta Larissa Schaedler, Gerente de Gente do Burger King Brasil.

Os interessados devem cadastrar seu currículo através do WhatsApp (11 94317-6360). Vale lembrar que as vagas podem ser preenchidas a qualquer momento e não possuem um período específico.

Cognizant contrata mulheres para programa ‘Women in Tech’

No Brasil, levantamento divulgado ano passado pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex) mostrou que, em dez anos, não apenas diminuiu a proporção de mulheres no mercado de tecnologia de informação (TI) como aumentou a diferença salarial entre elas e os homens.
O estudo é dividido em duas áreas: Core TI, que engloba os setores econômicos tipicamente da área, como desenvolvimento de programas, suporte técnico, tratamento de dados e provedores de conteúdo na internet; e TI in House, de profissionais que desempenham funções em outros setores, como financeiro, saúde e educação.
Em meio a esse cenário desfavorável para mulheres no mercado de TI, a Cognizant, uma das empresas líderes mundiais em tecnologia e negócios, investe no programa Aprendiz Women in Tech. A iniciativa visa a estimular, treinar e capacitar mulheres que estão cursando ou terminaram o ensino médio a atuar na área de tecnologia da informação.
Segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio do IBGE, só 20% dos profissionais que atuam no mercado de TI são mulheres. Para Carla Catelan, head da área de Aquisição de Talentos da Cognizant, o projeto vai ao encontro dos valores organizacionais da companhia, que estão voltados à inclusão e diversidade. “O que precisamos é que elas queiram aprender e estejam abertas a conhecer este mundo novo, porque muitas não fazem ideia do que seja o universo da tecnologia, imaginam que seja manutenção de computadores, mas a Cognizant irá prover acesso a um portfólio tecnológico muito mais amplo.”
Para participar do processo seletivo, basta ter entre 17 e 21 anos, estar cursando o terceiro ano ou ter concluído o ensino médio. “Como se trata de um programa de capacitação, não é necessária experiência profissional. Basta ter noções básicas de pacote Office, vontade de aprender e comprometimento. Queremos fazer com que se apaixonem por tecnologia.”
O treinamento tem duração de 18 meses. A profissional trabalhará 6 horas por dia, de segunda a sexta-feira. O programa oferece vale-refeição, vale-transporte, convênio médico e salário compatível com o mercado. Ao fim do programa, haverá possibilidade de efetivação e crescimento profissional na Cognizant. As vagas são para diversas áreas: digital business, suporte, operações e área corporativa.
Para se candidatar, acesse careers.cognizant.com/br/pt até dia 21 de fevereiro.

NIVEA lança programa de conexão com startups

A NIVEA anuncia o lançamento de seu programa de conexão com startups, o Desafio NIVEA. Com a iniciativa, a companhia, que é referência em cuidados com a pele há mais de 100 anos, busca empresas com soluções que transformem a experiência dos clientes, engajando o consumidor e gerando uma melhor performance de compra na categoria de cuidados faciais em pontos de venda físicos.

Startups de todo o Brasil podem inscrever soluções que simplifiquem o processo de decisão, que eduquem, informem e engajem o consumidor sobre os produtos. Além de melhorar a experiência dos clientes, a NIVEA busca uma solução escalável e que possa ser implementada em lojas de todo o país.

“Em um momento onde a transformação digital é chave para o desenvolvimento dos mercados, a NIVEA quer continuar fortalecendo seu ecossistema digital e, da mesma forma, evidenciar o compromisso da marca com o empreendedorismo do Brasil. Nesse sentido, queremos incentivar e apoiar a criação de soluções efetivas que melhorem a experiência de compra dos consumidores, “afirma Andrea Bó, Diretora de Marketing da NIVEA Brasil.

As inscrições estão abertas até o dia 17 de fevereiro. As startups selecionadas para a próxima fase poderão apresentar suas soluções para um time da NIVEA e as que mais se destacarem participarão de uma imersão na companhia em um formato de Startup Village, com reuniões para se aprofundarem no desafio de negócio. Após a evolução das propostas, haverá uma nova rodada de apresentação, dessa vez, até 5 ideias serão selecionadas para o teste em um cliente parceiro.

Em março, as startups apresentarão as soluções testadas em um Pitch Day em São Paulo para o board de diretores e presidente da companhia. A vencedora poderá se tornar parceira da NIVEA, colocando a solução em prática. Além disso, receberá uma cota de patrocínio em um evento da StartSe, no valor de R$ 20 mil. Já as startups posicionadas entre a segunda e quinta colocação, poderão expor suas soluções em um dos eventos da StartSe. Saiba mais no site oficial.

Caixas Eletrônicos diminuem agências bancárias e devem revolucionar mercado financeiro

Brasil o segundo maior mercado de cartões do mundo, de acordo com pesquisa do banco mundial. Especialistas em investimentos internacionais e também gestores de investimentos em caixas eletrônicos nos Estados Unidos afirmam longevidade e rentabilidade da rede de caixas no curto prazo.

Com o serviço de banco online em ascensão, os dias das grandes agências bancárias com pilares do renascimento grego e tetos abobadados estão contados. A cidade de Nova York se une a uma tendência que já domina o resto do país. Menos agências bancárias e estruturas menores. A Wall Street planeja uma presença reduzida nas principais ruas de Manhattan.

No Brasil, embora a possibilidade de usar um cartão de débito em uma rede de caixas eletrônicos diferente da rede do banco que emitiu o cartão seja baixa, os usos de cartões são em ATMs são a aposta do mercado global como avalia o especialista em investimentos internacionais Nilo Mingrone. Para ele o cenário é muito promissor com a facilitação tecnológica que já está sendo aplicada em caixas eletrônicos em todo o mundo.

“Sem dúvida as redes de caixas eletrônicos deverão crescer em todo o mundo. Nos Estados Unidos, onde a população já adota uma postura mais autossuficiente na execução de operações financeiras via caixas eletrônicos, a realidade dos ATM’s (caixas eletrônicos) já é impressionante. A cidade de Nova York, por exemplo, está se unindo a uma tendência que já domina o resto do país. Menos agências bancárias ou agências bancárias menores”, explica Mingrone.

A interoperabilidade também é uma questão de grande relevância para que se possa dar continuidade ao desenvolvimento das fintechs no Brasil, que têm o potencial de aumentar a concorrência no setor financeiro. Algumas das novas fintechs podem ter contas operacionais e emitir instrumentos de pagamento. Mas seus clientes precisam poder usar os caixas eletrônicos para sacar dinheiro.

Mercado de Cartões

Enquanto isso, estudo do Banco Mundial informa que o mercado de cartões no Brasil é o segundo maior do mundo e o país possui 21 redes de caixas eletrônicos. Apesar disso, somente em duas redes (24 Horas e Saque e Pague) clientes de diferentes bancos podem fazer saques, pagar boletos e realizar consultas. As outras 19 redes são exclusivas para clientes das instituições financeiras que mantêm os equipamentos. Isso encarece os custos para o setor e os clientes.

“Em um mundo totalmente tecnológico em que as pessoas não querem perder tempo, investimentos cada vez maiores em sistemas melhores e ampliação das redes de caixas eletrônicos serão inevitáveis”, explica Francisco Moura, Diretor da ATM Club – empresa pioneira como incorporadora de investimentos em caixas eletrônicos nos Estados Unidos.

As tendências mundiais são claras e apontam para um nível alto de interoperabilidade das redes de caixas eletrônicos em nível global. Aproximadamente dois terços dos bancos centrais que participaram de uma recente Pesquisa sobre Sistemas Globais de Pagamento indicaram que seus caixas eletrônicos e terminais POS são totalmente interoperáveis.

Visando avançar em direção a esse objetivo, o Bacen lançou uma consulta pública para aprimorar o sistema atual. O Banco Mundial também publicou recentemente uma nota sobre algumas experiências internacionais nesse sentido. Especialistas defendem que se o Brasil tem como objetivo aumentar a concorrência no setor financeiro, melhorar a experiência do cliente e reduzir os custos, além de realizar o pleno potencial das fintechs, garantir a interoperabilidade dos caixas eletrônicos seria um grande passo à frente.

Retorno a cada Saque

Os especialistas da ATM Club, Nilo Mingrone e Francisco Moura estão no Brasil para apresentar a modalidade de investimentos inovadora ao público brasileiro. Segundo eles, já houve aumento da procura por investidores brasileiros interessados em obter a rentabilidade em dólar no mercado de caixas eletrônicos americano.

“Quando decidimos apostar na iniciativa, não seguindo a tendência de investimentos usuais nos EUA, sabíamos que o mercado era promissor. Não por outra razão já detectamos um aumento de 30% na procura de outros investidores que desejam também investir em máquinas de caixa eletrônico nos EUA. Nossa meta para esse ano é aumentar a rede e expandir o número de caixas a todos os estados americanos”, afirma Francisco Moura.

A ATM Club — ou o clube de caixas eletrônicos ao qual se refere Moura vendeu US$ 2 milhões de dólares em 2019 e prevê um crescimento ainda maior para este ano. A geração de empregos nos Estados Unidos também está prevista e o projeto prevê a expansão para outros estados americanos ainda este ano.

Produção de café exige motores que se adequem a variações energéticas

Drauzio Menezes, diretor da Hercules Motores Elétricos

A eficiência energética em inúmeras áreas rurais do Brasil — que são importantes para atividades de agronegócios, como nos processos do segmento cafeicultor — não possui qualidade equivalente à de grandes centros urbanos. Essa ineficiência energética pode significar inúmeros prejuízos ao setor, por isso o produtor precisa de precauções específicas diversas, entre elas o maior cuidado na aquisição de motores elétricos e equipamentos, que sejam resistentes a instabilidades. Uma iniciativa importante na expansão e modernidade da rede elétrica de áreas ruralistas é o programa Mais Clic Rural, que a Copel iniciou em 2015 no Paraná.

Nestas áreas ruralistas, o uso de motores elétricos e equipamentos inadequados — que podem apresentar falhas devido à instabilidade energética — também pode afetar adversamente a lucratividade do agronegócio, devido às possíveis paradas de produção e perdas por lucros cessantes. “A competitividade de uma empresa pode ser afetada por falhas repetitivas de motores elétricos e, por isso, torna-se fundamental uma estratégia eficaz tanto na aquisição como na manutenção deles, para que minimizem os custos e evitem as paralizações imprevistas na produção”, alerta Drauzio Menezes, diretor da Hercules Motores Elétricos (empresa especializada em motores para diversos segmentos, como construção civil, alimentício, agrícola, industrial, entre outros.

Para ele, diante deste cenário, torna-se fundamental que as companhias rurais invistam em motores modernos e tecnológicos, desenvolvidos especificamente para trabalharem com a oscilação de tensão: “Hoje, a tecnologia está avançada e já produzimos motores elétricos que são mais eficientes e leves — com carcaça de alumínio e pés intercambiáveis. A Hercules desenvolveu um componente de proteção, adicionado ao mecanismo do motor, que aciona e desliga partes do funcionamento. O sistema absorve o pico de corrente, que é enviada antes aos contatos do mecanismo, evitando, assim, maiores danos e, consequentemente, sua queima”.

Na produção de café, os motores elétricos utilizados necessitam ser precisos e ter características específicas quanto a índice de carregamento e rendimento compatíveis com o fornecimento elétrico da região produtora. “Como esses motores elétricos são aplicados normalmente em fazendas e sítios, onde a tensão energética fornecida pode ser de baixa qualidade ou com variação muito alta, precisam ser preparados para atender a estas variações. Por isso a Hercules possui motores especialmente desenvolvidos e preparados com o chamado Clik Rural e atendem a tensões de 110-127 V; 220-254 V; 220-254 V e de 440-508 V”, comenta.

Menezes explica que neste segmento os motores mais utilizados são de grau de proteção IP 44, que são protegidos contra poeira, e os motores de grau de proteção IP 55, resguardados contra pó e jatos de água. “O maior cuidado neste segmento é entre uma safra e outra fazer a manutenção preventiva dos equipamentos, trocar correias e manter os rolamentos dos motores sempre em giro, pois eles precisam estar com sua pista lubrificadas”, finaliza.

Os trainees mudaram: nova geração traz um protagonismo mais coerente

Com as novas gerações chegando ao mercado de trabalho, as empresas estão se adequando e repensando os seus modelos de negócios. Diante dessas mudanças, as exigências para os processos de recrutamento de trainees também evoluíram. De acordo com a Mazars, auditoria e consultoria empresarial, requisitos-chaves para a contratação são habilidades interpessoais, boa comunicação, capacidade de aprendizado e resolução de problemas.

“Quando a área de Recursos Humanos busca alguém pensando em seu futuro em uma função de gestão, procura por profissionais que tenham potencial para agregar ao negócio e o desejo de construir a empresa em parceria com os outros. Além disso, é fundamental ter a mente aberta para mudanças, pois, em ambientes de disrupção, o trainee também precisa ter jogo de cintura”, afirma João Cordeiro, supervisor de Recursos Humanos da Mazars.

Na Mazars, quando um candidato é aprovado no programa de trainee, passa por diferentes atividades da área. “Ao longo da trajetória, proporcionamos quatro etapas de formação. Na primeira etapa, o trainee aprende o trabalho e colabora com o time. Na segunda, começa a ensinar e construir relações. Na terceira, já dispõe de poder administrativo e é inserido em contextos comerciais. Na última, assume uma posição de gestão de negócio. Em resumo, todos esses ciclos exigem habilidades interpessoais. Cada fase dura um período de três anos”, diz Cordeiro. Ele ainda acrescenta que, na Mazars, os trainees devem compreender que, apesar da proposta de crescimento profissional, há uma série de percalços e desafios.

“Nesses programas, buscamos pessoas que serão preparadas para o futuro, ou seja, que podem crescer na companhia. Quem tem interesse precisa ter a consciência que é preciso estudar bastante, estar disponível, aproveitar ao máximo para aprender com as experiências com níveis superiores e compreender que haverá mudanças em seu roteiro”, explica.

Outro ponto importante são os desafios com as expectativas que a nova geração tem. Salários e benefícios não são os únicos fatores considerados pelos trainees em suas escolhas.

“Nos dias de hoje, os anseios dos jovens são em relação à estrutura que as empresas oferecem, as experiências que poderão viver até atingirem seu objetivo e uma relação mais próxima com a liderança. Não acho que buscam uma posição às pressas, como costumam dizer. Vejo uma preocupação maior na construção deste processo. Essas ambições são mais nobres”, afirma Cordeiro.

Além dessas pretensões, Cordeiro também acrescenta que esses novos profissionais são mais conscientes em relação à continuação nos estudos. “Há mais interesse na capacitação. Ao mesmo tempo em que essa geração busca a especialização em algum segmento, compreende que precisa entender todo o processo de sua indústria”, finaliza.

Linx anuncia aquisição da Neemo

A Linx, líder e especialista em software para o varejo, anuncia a aquisição da Neemo. Dona do Delivery App, a empresa é uma das pioneiras em soluções de delivery personalizado para restaurantes, por meio da integração do aplicativo de delivery do estabelecimento e sua plataforma de e-commerce, oferecendo ao consumidor uma experiência omnichannel.

A experiência omnichannel provida pela Neemo também habilita os restaurantes e os seus consumidores a retirar pedidos em loja, fazer pedidos na mesa com uso de QR Code e por serviços de mensagem, como o Facebook Messenger.

A aquisição da Neemo é mais um passo da Linx para reforçar a estratégia de cross selling, agregando soluções financeiras aos seus demais produtos, soluções e serviços. “Atuamos para atender as necessidades dos varejistas, do microempreendedor ao dono de uma rede. E, essa compra nos permite oferecer uma solução própria de gerenciamento de delivery com produtos relacionados a serviços financeiros agregados. Dessa forma, expandimos a atuação da nossa fintech Linx Pay Hub e reforçamos a vertical de Food Services”, avalia Alberto Menache, diretor-presidente da Linx.

Pela aquisição, a Linx pagará o total de R$ 17,6 milhões à vista e, adicionalmente, sujeito ao atingimento de metas financeiras e operacionais, para os anos entre 2021 a 2023, pagará o valor de até R﹩4,8 milhões.

Fundada em 2010, a Neemo possui sede em Garça (SP) e reúne atualmente cerca de 47 funcionários.

Superjobs Venture anuncia investimentos em mais duas startups

De olho no mercado e em startups inovadoras que buscam impactar positivamente o mundo, a Superjobs – venture com foco em investimentos de alto impacto – inicia o ano de 2020 a todo vapor.

A companhia, que já contava com 22 startups em seu portfólio, anuncia investimentos em mais duas empresas de setores diferentes, mas que têm em comum o desejo de prosperar na nova economia de forma engajada e transparente. São elas a mineira Metha Energia, focada em geração de energia distribuída e renovável, e a pernambucana Marta Inteligência Imobiliária, plataforma desenvolvida para potencializar negócios entre construtoras e clientes interessados em comprar imóveis de maneira inteligente.

“Estes aportes vêm ao encontro do propósito da Superjobs, que é adiantar-se diante das transformações pelas quais o mundo está passando, criando tendências e investindo em inovações”, afirma André Martins, co-fundador da venture. A organização, que hoje reúne fintechs, empresas de health care, biotecnologia, entre outros nichos, agora tem presença nos Estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Piauí, Ceará, Pernambuco e Minas Gerais, além da participação na Babel Ventures no Vale do Silício, na Califórnia (EUA).

Os investimentos serão destinados à criação de um elo consistente entre a oferta e a demanda. “Nossa expectativa é a empresa expanda os serviços de energia com preços mais acessíveis para outros estados do país. Para isso, o plano é realizar novas associações com outras concessionárias e aumentar as conexões com as comercializadoras”, disse Martins. Atualmente, a Metha tem atuação em 180 cidades do estado de Minas Gerais; até o final do ano, este número deve ultrapassar 250 somente neste estado, além de iniciar a operação em mais duas capitais.

“Estamos satisfeitos em ter ao nosso lado investidores estratégicos. Consideramos que este será um dos principais diferenciais para o nosso crescimento. O expertise, networking e visão sobre o negócio trazidos por eles são um ativo que antecipará muitos passos em nossa jornada”, diz Victor Soares, fundador e CEO da Metha.

O aporte na empresa Marta será primordial para sua expansão nacional. A empresa já possui atuação significativa no Nordeste, onde conta com 200 construtoras parceiras e cerca de 10 mil corretores que ajudam a abastecer a plataforma com informações sobre o comportamento dos clientes. Com isso, a solução vem propiciando inteligência capaz de minimizar os custos de encontrar clientes, garantindo alta performance na vendas de imóveis, atingindo 6% de média na conversão em vendas e quatro vezes menos investimento em mídia.

“A expectativa é que a empresa amplie a atuação no Estado de São Paulo, sobretudo para osnegócios envolvendo imóveis usados fora do Nordeste”, afirma Martins, da Superjobs.

Nos últimos 12 meses, Marta cresceu cinco vezes em faturamento, e em 25 vezes a quantidade de dados capturados e analisados, contando hoje com 40 pessoas no time. Para Sand Coutinho, fundador e CEO da Marta, a empresa vai manter o mesmo ritmo de crescimento em 2021 e dobrar a equipe, chegando a 80 colaboradores. “Ainda no primeiro semestre, teremos projetos pilotos em regiões de São Paulo que já foram mapeadas”, finaliza Coutinho.