Page

Author admin

Alabia desenvolve robôs para interagir com pacientes contaminados pelo COVID-19

 

Grande parte da população está em quarentena, praticando o isolamento social para impedir a proliferação do novo COVID-19. Mas os profissionais da saúde seguem se arriscando todos os dias para salvar vidas e encontrar maneiras eficazes de tratamento do vírus. Pensando nessas pessoas que não podem ficar em casa, a Alabia, empresa brasileira de soluções, desenvolveu uma tecnologia, com o uso de robô e inteligência artificial que pode ajudar na prevenção à contaminação do vírus.

A tecnologia desenvolvida pela Alabia foi utilizada nos hospitais da China durante a pandemia e se mostrou extremamente eficaz no combate a proliferação do vírus e já está disponível para uso no Brasil.

Os robôs estão aptos a interagir com pacientes suspeitos ou confirmados, ajudando no tratamento hospitalar, entregando remédios, alimentos e o que mais for necessário. Evitando assim, o contato entre esses pacientes e os profissionais da saúde.

“Estamos vivendo um momento delicado e difícil, que precisamos de todas as maneiras evitar contatos. Felizmente, contamos com profissionais que não se preocupam em arriscar a própria saúde para cuidar dos pacientes do novo COVID-19. Nossa preocupação era ajudar, reduzindo os riscos que esses profissionais correm. Conseguimos desenvolver uma tecnologia que ajuda a diminuir o contato direto com esses pacientes, sem deixar de entregar um tratamento com qualidade”, explica Paulo Teixeira, CEO da Alabia.

Programados também para oferecerem conforto aos pacientes, os robôs contam com uma interface amigável e humanizada. “Nós sabemos que o contato humano é importante, mas como ele não é indicado neste momento, deixamos o robô com as características mais humanas possíveis. A voz dele é agradável, ele é cauteloso, transmite informações e se preocupa com o paciente”, completa Teixeira.

Grande parte da população está em quarentena, praticando o isolamento social para impedir a proliferação do novo COVID-19. Mas os profissionais da saúde seguem se arriscando todos os dias para salvar vidas e encontrar maneiras eficazes de tratamento do vírus. Pensando nessas pessoas que não podem ficar em casa, a Alabia, empresa brasileira de soluções, desenvolveu uma tecnologia, com o uso de robô e inteligência artificial que pode ajudar na prevenção à contaminação do vírus.

A tecnologia desenvolvida pela Alabia foi utilizada nos hospitais da China durante a pandemia e se mostrou extremamente eficaz no combate a proliferação do vírus e já está disponível para uso no Brasil.

Os robôs estão aptos a interagir com pacientes suspeitos ou confirmados, ajudando no tratamento hospitalar, entregando remédios, alimentos e o que mais for necessário. Evitando assim, o contato entre esses pacientes e os profissionais da saúde.

“Estamos vivendo um momento delicado e difícil, que precisamos de todas as maneiras evitar contatos. Felizmente, contamos com profissionais que não se preocupam em arriscar a própria saúde para cuidar dos pacientes do novo COVID-19. Nossa preocupação era ajudar, reduzindo os riscos que esses profissionais correm. Conseguimos desenvolver uma tecnologia que ajuda a diminuir o contato direto com esses pacientes, sem deixar de entregar um tratamento com qualidade”, explica Paulo Teixeira, CEO da Alabia.

Programados também para oferecerem conforto aos pacientes, os robôs contam com uma interface amigável e humanizada. “Nós sabemos que o contato humano é importante, mas como ele não é indicado neste momento, deixamos o robô com as características mais humanas possíveis. A voz dele é agradável, ele é cauteloso, transmite informações e se preocupa com o paciente”, completa Teixeira. parte da população está em quarentena, praticando o isolamento social para impedir a proliferação do novo COVID-19. Mas os profissionais da saúde seguem se arriscando todos os dias para salvar vidas e encontrar maneiras eficazes de tratamento do vírus. Pensando nessas pessoas que não podem ficar em casa, a Alabia, empresa brasileira de soluções, desenvolveu uma tecnologia, com o uso de robô e inteligência artificial que pode ajudar na prevenção à contaminação do vírus.

A tecnologia desenvolvida pela Alabia foi utilizada nos hospitais da China durante a pandemia e se mostrou extremamente eficaz no combate a proliferação do vírus e já está disponível para uso no Brasil.

Os robôs estão aptos a interagir com pacientes suspeitos ou confirmados, ajudando no tratamento hospitalar, entregando remédios, alimentos e o que mais for necessário. Evitando assim, o contato entre esses pacientes e os profissionais da saúde.

“Estamos vivendo um momento delicado e difícil, que precisamos de todas as maneiras evitar contatos. Felizmente, contamos com profissionais que não se preocupam em arriscar a própria saúde para cuidar dos pacientes do novo COVID-19. Nossa preocupação era ajudar, reduzindo os riscos que esses profissionais correm. Conseguimos desenvolver uma tecnologia que ajuda a diminuir o contato direto com esses pacientes, sem deixar de entregar um tratamento com qualidade”, explica Paulo Teixeira, CEO da Alabia.

Programados também para oferecerem conforto aos pacientes, os robôs contam com uma interface amigável e humanizada. “Nós sabemos que o contato humano é importante, mas como ele não é indicado neste momento, deixamos o robô com as características mais humanas possíveis. A voz dele é agradável, ele é cauteloso, transmite informações e se preocupa com o paciente”, completa Teixeira.

SAP libera acesso a novas ferramentas para ajudar as empresas a lidarem com os impactos do Covid-19

A SAP liberou acesso por três meses às ferramentas Ruum by SAP e SAP Litmos para ajudar as empresas e indivíduos a gerenciar os efeitos da contaminação pelo novo coronavírus Covid-19.

A Ruum by SAP é uma solução leve de gerenciamento de projetos e colaboração para otimizar processos. A SAP criou dois modelos de lista de verificação personalizados, adaptados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) para ajudar empresas e indivíduos a planejar, preparar e responder ao Covid-19. Esses modelos personalizados podem ser facilmente usados para criar um plano de ação, seja por empresas, organizações sem fins lucrativos, famílias, indivíduos ou qualquer pessoa.

Já a SAP Litmos é uma plataforma de aprendizagem remota que traz treinamentos para ajudar as empresas a implementar rapidamente políticas de trabalho remoto, bem como proteger a segurança de TI. Os cursos disponíveis também foram projetados para ajudar a estabelecer as melhores práticas para o trabalho remoto, informações de higiene e práticas para manutenção do bem estar e da saúde mental dos trabalhadores, e para desenvolver liderança em tempos de mudanças e desafios. O acesso estará liberado até o final de junho de 2020.

A empresa também concluiu a tradução para o português e espanhol da ferramenta Remote Work Pulse da SAP Qualtrics, que está disponível gratuitamente por três meses para que empresas possam acompanhar e contribuir com o desenvolvimento do trabalho realizado à distância.

A SAP entende que as empresas enfrentam fortes desafios operacionais, por isso, está contribuindo para amenizar estes desafios ao liberar acesso às suas soluções sem a necessidade de compra ou de assinatura. “Globalmente a SAP está comprometida com a manutenção de suas atividades e suporte aos clientes. As ferramentas liberadas visam oferecer apoio extra às empresas e organizações no aperfeiçoamento de processos e inclui oferta de treinamentos para implementação de políticas de operações à distância, com cursos que ajudam, inclusive, no cuidado com a saúde mental dos trabalhadores”, explica Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil.

Entre as iniciativas já anunciadas, está liberado para todas as empresas, incluindo as que não são clientes, o acesso à Ariba Discovery, a maior rede de negócios do mundo, com 4 milhões de fornecedores em mais de 190 países. As empresas também podem acessar gratuitamente por seis meses o nível premium da ferramenta de monitoramento de viagens Triplt, que é parte de SAP Concur. Por meio dela, o usuário que ainda precisar viajar é alertado em tempo real sobre mudanças e cancelamentos.

OLX lança #QuarentenaDoBem e incentiva doações na plataforma

A OLX, plataforma de compra e venda que conta com um tráfego de cerca de sete milhões de pessoas por dia, lança o manifesto #QuarentenaDoBem para ajudar os brasileiros a atravessar esse momento de incertezas. A empresa inicia um movimento para estimular a doação de produtos para as famílias mais impactadas economicamente com a evolução da Covid-19 no país e a redução da atividade econômica local. A recomendação é a de combinar a entrega do item pelo chat para quando a quarentena terminar, já que o mais importante é que todos respeitem as orientações para se manterem seguros em suas casas.

Os colaboradores da OLX Brasil, que estão trabalhando 100% em home office desde o dia 16 de março, também estão sendo convidados a aproveitar o período para olhar para o que têm em casa e que podem oferecer gratuitamente para ajudar outras pessoas.

“Vamos utilizar o potencial da nossa plataforma para apoiar a população do Brasil na manutenção da saúde e no combate à escassez. A OLX exerce um papel fundamental na vida dos usuários ao oferecer espaço para anúncio de produtos e serviços que representam oportunidade de geração de renda, mas também pode ser o lugar em que as pessoas poderão encontrar aquilo que não têm condições de comprar. Abraçamos essa responsabilidade social”, afirma Andries Oudshoorn, CEO da OLX Brasil.

Mecânica da iniciativa

Para colaborar com a iniciativa, os anúncios precisam seguir a seguinte regra: 1º o nome do produto e depois a #quarentenadobem. Por exemplo: sabonete #quarentenadobem ou casaco #quarentenadobem. A hashtag precisa vir sempre depois do item.

Os interessados nas doações devem entrar no site ou no app da olx.com.br e buscar por “quarentenadobem” sem a hashtag. Pode incluir no campo de busca o nome do produto também.

As publicações devem seguir os Termos e Condições de Uso da OLX que não permitem a comercialização de determinados produtos, conforme relação disponível neste link.

Dentre os itens que podem ser doados estão artigos de higienização lacrados (álcool em gel, anti Sépticos, sabonetes, etc.); artigos de proteção lacrados (máscaras, luvas, jalecos, etc.); brinquedos, livros e jogos (hobbies e passatempos); roupas e calçados usados ou novos; roupas de cama, mesa e banho, colchões e travesseiros, entre outros. Importante sempre lavar os produtos e as mãos antes de manuseá-los e ao embalá-los também.

Google for Education realiza webinar sobre estratégias de Educação à Distância

Na próxima terça-feira, 24 de março, às 11h (hora de Brasília), o Google for Education fará uma transmissão ao vivo em formato webinar sobre estratégias de educação à distância para líderes educacionais.

Aberto a todos que queiram participar, o seminário on-line “Como ativar o ensino à distância com o G Suite e Chrome” terá Marici Marchini, Líder de Educação Pública e Programas do Google for Education e Giselle Santos, Inovadora Certificada e Expert de produtos do Google for Education, falando sobre o desenvolvimento de estratégias para permitir o ensino à distância com uso de tecnologia.

Interessados podem se inscrever gratuitamente aqui e a gravação do webinar também estará disponível para quem não puder participar em tempo real.

Recursos do Google for Education para ensino à distância

Criamos e disponibilizamos um centro de recursos com diversos materiais e treinamentos sobre o ensino a distância, com o objetivo de que educadores, pais e alunos conheçam as ferramentas disponíveis e saibam como utilizá-las de maneira segura, estimulante e criativa.

Já para a escolas que já usam Chromebooks, oferecemos algumas dicas de como os alunos podem aprender em casa com Chromebooks , com uma orientação especial aos pais e responsáveis explicando como esses dispositivos funcionam e como ajudar os alunos em casa com o Guia de Chromebooks para Pais .

Além disso, os líderes do Grupo de Educadores Google e também os Google Innovators do Brasil se mobilizaram para organizar um conteúdo com fontes confiáveis sobre o COVID-19 e como todos podem se organizar para trabalhar, ensinar e aprender remotamente com o apoio das ferramentas digitais que temos disponíveis. Todos os detalhes estão no blog oficial do Grupo de Educadores Google .

TruckPad cria equipe de emergência para apoiar no transporte de mercadorias essenciais à saúde

O mundo está em alerta e unindo esforços para controlar a pandemia do novo coronavírus. E o setor logístico precisa estar mais ativo do que nunca, para manter o abastecimento do país e transportar suprimentos de saúde e higiene. Para agilizar o deslocamento de produtos prioritários neste momento de crise, o TruckPad, maior plataforma da América Latina de conexão entre cargas e caminhoneiros autônomos, montou uma equipe com seus especialistas e a está colocando à disposição para ajudar na localização e contratação online de caminhoneiros para realizarem o transporte de produtos essenciais para hospitais e abrigos, por meio do portal Transporte Voluntário.

“Entendemos que as empresas têm um papel social a cumprir nesse momento, em especial as de áreas como saúde, logística e alimentação. Temos informações da nossa base de dados de que a grande maioria dos caminhoneiros não pretende parar de trabalhar nesse momento, o que nos deixa mais seguros em relação ao abastecimento, mas queremos fazer nossa parte para ajudar a fazer com que as demandas essenciais sejam atendidas”, afirma Carlos Mira, CEO e fundador do TruckPad.

Por meio do site, hospitais, clínicas e centros de distribuição podem informar a mercadoria que precisam transportar e a equipe do TruckPad vai localizar um caminhoneiro adequado o mais rápido possível, sem cobrar nada por esse serviço – e ainda com um substancial subsídio no valor do frete a ser pago ao motorista autônomo.

“Sabemos que 67% do transporte de cargas no Brasil é feito por caminhões e, nesse momento, é muito importante que os suprimentos cheguem às regiões que mais precisam. TruckPad está montando um time para ajudar nessa distribuição de forma rápida e eficiente, com uso de nossa base com mais de 400 mil motoristas autônomos registrados”, completa Mira.

Stone destina R$ 30 milhões em ações que visam beneficiar milhares de empreendedores a manter a saúde dos negócios

Para diminuir o impacto econômico nos negócios de pequenos empreendedores durante a quarentena para combate ao Covid-19 no país, a Stone inicia a campanha “Compre local, cuide de um pequeno negócio”. A empresa está destinando R$ 30 milhões em ações que têm como objetivo estimular o comércio e oferecendo R$ 100 milhões adicionais em microcrédito para o segmento de varejo nos estados onde forem determinadas medidas de contenção à pandemia.

A iniciativa da fintech de serviços financeiros é válida para clientes Stone e vai beneficiar milhares de empreendedores, principalmente do varejo e do setor alimentício, entre março e maio. As iniciativas são: isenção de mensalidade para todas as máquinas; redução nas taxas; entrega de máquinas adicionais sem custo para operação de delivery; ferramentas para vender online, além de campanha de incentivo ao comércio local e oferta de microcrédito.

“Queremos garantir que o maior número de pequenas empresas se mantenha saudável e forte durante todo esse período”, afirma o presidente da Stone, Augusto Lins.

A fintech reforça que a campanha é válida para estabelecimentos de segmentos que sofreram suspensão das suas atividades por determinação do governo e será expandida para lojistas de outros estados que vierem a adotar medidas semelhantes de isolamento durante o período de quarentena que vive o país.

Conta Azul adota trabalho remoto para 100% da equipe durante a pandemia do Covid-19

A Conta Azul, fintech de gestão B2B mais inovadora do Brasil, adota trabalho remoto para 100% da equipe durante a pandemia do coronavírus, Covid-19. Com matriz em Joinville, sede São Paulo e escritórios espalhados pelo Brasil, a Conta Azul conta atualmente com mais de 450 colaboradores.

A medida foi uma das primeiras ações tomadas pela fintech com o avanço exponencial dos casos no país, e foi adotada inicialmente para os colaboradores alocados em São Paulo, estado com maior número de casos no país, e logo após, foi adotada para o restante do time alocado em Joinville/SC, tendo atualmente 100% do time atuando remotamente.

Para Vinícius Roveda, CEO da Conta Azul, foi necessário preservar inicialmente a saúde do time e de suas famílias com parte dos colaboradores atuando em home office. “A interação social potencializa a transmissão do vírus e sobrecarrega o sistema de saúde. Tomamos a medida de forma rápida para evitar interação social e, com isso, garantir a segurança dos colaboradores”, reforça Vinícius.

Preocupados com o bem-estar dos colaboradores e a excelência na experiência dos seus clientes, as Pequenas Empresas e Empresas Contábeis, e a saúde dos seus negócios, a Conta Azul disponibilizou material de orientação para todos da empresa. Além disso, diariamente as áreas de Gestão de Pessoas e Marketing compartilham informações e notícias com a intenção de manter seus colaboradores informados em tempo real e garantir uma comunicação clara e única.

Para Karin Ramos, Head de Recursos Humanos, direcionar as pessoas para o trabalho remoto é uma forma de conciliar as necessidades das pessoas, que são prioridade, e do negócio preservando ambos nesse momento tão sensível que o mundo está passando. “Com a adoção do trabalho remoto, e sem descuidar das premissas da nossa forte cultura, estamos garantindo a experiência e a qualidade do atendimento aos nossos clientes. Cuidamos dos nossos colaboradores e estamos próximos, mesmo com a distância física. Além disso, os times de gestão de pessoas e infraestrutura dão suporte a todo momento às equipes. Tem sido um momento de muita empatia, apoio mútuo e de ver a criatividade e o poder de adaptação dos nosso times”, ressalta Karin.

Com o DNA tecnológico, a Conta Azul, trabalha com ferramentas que auxiliam no formato de trabalho remoto, possibilitando a manutenção dos rituais diários e semanais dos times mesmo de forma remota, garantindo o acompanhamento e a execução das atividades conforme esperado. Cafés virtuais, Kanban virtual, cultura de câmeras abertas, canais de chat e outras ferramentas auxiliam os times de forma proativa.

GeneXus oferece licenças gratuitas da sua solução Low-code para apoiar empresas que estão adotando home office em função do coronavírus

A GeneXus Brasil, desenvolvedora global de soluções baseadas em Inteligência Artificial, inicia uma ação mundial para conter a proliferação do covid-19. Além de adotar o home office para todos seus colaboradores, a companhia está apoiando os clientes que estão tomando a mesma medida disponibilizando, gratuitamente, licenças remotas da sua aplicação low-code para os desenvolvedores que passarão a trabalhar temporariamente em suas casas.

Todos os clientes ativos e inativos de sua base poderão solicitar o mesmo número de licenças contratadas, que serão instaladas nos computadores pessoais de cada usuário, a princípio por 20 dias.

“Vamos acompanhar as medidas orientadas pelas autoridades competentes em relação ao tempo indicado para o trabalho remoto e manteremos ativas as licenças para que não haja interrupção na produção das empresas. Nossa infraestrutura é capaz de dobrar a disponibilização em 100% da nossa base instalada. Essa foi a maneira que encontramos para apoiar as empresas num momento tão delicado como este”, comenta Ricardo Recchi, country manager da GeneXus no Brasil.

Para colocar essa decisão em prática, toda a base de clientes receberá um formulário indicando o número de licenças necessárias — dentro do limite que a empresa tenha contratado — e, após a liberação do acesso pela GeneXus, será possível baixar a licença em qualquer dispositivo.

Essa é a primeira etapa de apoio às organizações pela GeneXus. Outra frente que a empresa está desenvolvendo é a participação junto a um grupo de companhias que estão apoiando voluntariamente o Governo do Uruguai na criação de aplicativos para, entre várias funções, apoiar no controle de pessoas que estão no grupo de risco e de cidadãos que fizeram o teste e precisam de acompanhamento. Esse será um dos termômetros do Governo para medir a evolução da epidemia e, consequentemente, tomar ações de forma mais rápida e eficaz.

BNDES lança medidas para apoiar empresas e trabalhadores

A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) aprovou, em caráter emergencial, medidas socioeconômicas de execução imediata que têm por objetivo ajudar a mitigar os efeitos da pandemia do novo coronavírus no Brasil. As medidas, que somam R$55 bilhões, são:

– transferência de recursos do Fundo PIS-PASEP para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), no valor de R$ 20 bilhões;

– suspensão temporária de pagamentos de parcelas de financiamentos diretos para empresas no valor de R$ 19 bilhões;

– suspensão temporária de pagamentos de parcelas de financiamentos indiretos para empresas no valor de R$ 11 bilhões; e

– ampliação do crédito para micro, pequenas e médias empresas (MPMEs), por meio dos bancos parceiros, no valor de R$ 5 bilhões.

As medidas adotadas pelo BNDES visam a apoiar o trabalhador diretamente com a possibilidade de novos saques do FGTS e indiretamente, ao ajudar na manutenção de mais de dois milhões de empregos com aumento da capacidade financeira e preservação de 150 mil empresas. Os R$ 55 bilhões que serão injetados na economia representam quase a totalidade dos desembolsos do BNDES em todo o ano de 2019.

O BNDES, que é responsável pela aplicação dos recursos do fundo PIS-PASEP, aprovou transferência de R$ 20 bilhões para reforçar o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), de onde poderão ser sacados pelos trabalhadores, de acordo com os critérios estabelecidos pelo governo, para atender suas necessidades imediatas, conforme anunciado pelo Ministério da Economia.

Adicionalmente, poderá ser concedida às empresas afetadas pela crise a suspensão temporária por prazo de até seis meses de amortizações de empréstimos contratados junto ao BNDES, nas modalidades direta e indireta – medida conhecida no mercado como standstill.

Nas operações diretas, o pedido de suspensão deve ser encaminhado ao BNDES. Em operações indiretas, a interrupção deverá ser negociada com o agente financeiro que concedeu o financiamento. O prazo total do crédito será mantido e não haverá a incidência de juros de mora durante o período de suspensão. Serão atendidos com a ação setores como Petróleo e Gás, Aeroportos, Portos, Energia, Transporte, Mobilidade Urbana, Saúde, Indústria e Comércio e Serviços, num total de R$ 19 bilhões para operações diretas e R$ 11 bilhões para indiretas.

A quarta ação imediata consiste na expansão da oferta de capital para as necessidades do dia a dia das empresas, através da ampliação da abrangência da linha “BNDES Crédito Pequenas Empresas”, que passará a contemplar desde microempresas até aquelas com faturamento anual de até R$ 300 milhões. O limite de crédito por beneficiário por ano será elevado de R$ 10 milhões para R$ 70 milhões, colaborando com a necessidade de capital de giro. As empresas terão 24 meses de carência e cinco anos de prazo total para pagar esses novos financiamentos.

Dessa forma, o BNDES oferecerá crédito rápido, ágil e flexível para as empresas de todos os portes, por meio da rede de atendimento de seus agentes financeiros credenciados, contribuindo para a manutenção de empregos. Esta medida deverá oferecer pelo menos R$ 5 bilhões em apoio rápido do banco às MPMEs, as empresas que mais empregam no País.

O BNDES continuará acompanhando a evolução do cenário atual, marcado por forte dinamismo, e estuda novas medidas que sejam adequadas e eficazes a serem adotadas no enfrentamento da crise, com foco no bem-estar do povo brasileiro.

Serviço

Informações sobre o Fundo PIS-PASEP:

https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/transparencia/fundos-governamentais/fundo-pis-pasep

Mais informações sobre a Linha “BNDES Crédito Pequenas Empresas” em: https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/financiamento/produto/bndes-credito-pequenas-empresas

O BNDES atende as PME por meio da rede de agentes financeiros credenciados que está disponível em https://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/instituicoes-financeiras-credenciadas

Fonte: BNDES/Governo do Brasil

Qual a importância do Compliance para as empresas?

Por Audreyn Justus, Presidente da Solo Network

Tenho acompanhado nos últimos anos diversos casos de corrupção no Brasil e no mundo, onde empresas de tecnologia e de outros segmentos tiveram seus nomes envolvidos em escândalos que levaram a perda de credibilidade, gerando desconfiança e prejudicando toda a sociedade em um efeito cascata.

A reputação e a boa imagem, além de outros fatores contribuem na hora de se escolher uma empresa, mas essas características não garantem a qualidade na prestação dos serviços.

Diretrizes para o Sistema de Compliance como por exemplo o selo de DSC 10.000, garantem a integridade das empresas, e funcionam como um mecanismo anticorrupção, estabelecendo regras e detectando atos ilícitos.

Essas regras não servem somente para passar confiança ao mercado, mas também tem papel fundamental dentro da administração das empresas, diminuindo o risco de fraudes, melhorando o controle, estabelecendo novos critérios de qualidade e organização e consequentemente levando ao aumento da produtividade.

Li um estudo da IDC, que revela que o mercado de TI deve crescer 4,9% no Brasil em 2020, além disso, a LGPD entrará em vigor ainda este ano criando o cenário ideal para empresas de tecnologia. A adequação à Lei Geral de Proteção de Dados trará muitas oportunidades de negócios e as certificações de Compliance serão um diferencial para as empresas saírem na frente dos concorrentes.

As regras de Compliance ganharam importância nos últimos anos e no futuro serão essenciais para realizar qualquer venda. As regras têm o objetivo de melhorar processos, buscar novas formas de prevenção de riscos, e o mais importante garantir o alto padrão ético nas empresas.

O setor de tecnologia muda muito rápido e 2020 promete ser um ano que trará muitos desafios para a gestão de empresas. Os serviços de integração e capacitação ainda segundo a IDC devem crescer 9,6%, atingindo a marca de US$ 456 milhões.

As regulamentações de Compliance vieram para combater a corrupção, mas não se limitaram a apenas essa função, se tornaram mais uma base para enfrentar as rápidas mudanças do mercado, através de métodos bem estabelecidos e documentados que dão ao gestor uma visão muito mais completa e correta de sua empresa.

Camila Farani, do Shark Tank Brasil, ensina o pitch perfeito para conquistar investidores para o seu negócio

A Locaweb, uma das pioneiras no fornecimento de serviços digitais business to business, traz na matéria de capa da Revista Locaweb, número 98, a Camila Farani, investidora do Shark Tank Brasil e presidente da G2 Capital, onde aborda sobre o pitch perfeito para os empreendedores buscarem investimentos para o crescimento dos negócios.

Pensando no atual cenário mundial, por conta da Covid-19, para incentivar a leitura e levar mais informação e conhecimento para todos, a Locaweb disponibiliza a versão online da revista gratuitamente. Como a busca por investimentos externos é muito comum e o pitch é a forma mais eficaz para atingir o objetivo final para os empreendedores, todos os leitores terão acesso ao conteúdo, podendo conhecer dicas e melhorar seu desempenho.

De acordo com Camila Farani, “na prática, trata-se de um discurso persuasivo, no qual, em alguns minutos, a pessoa consegue apresentar sua ideia de forma objetiva e concisa”, explica a investidora.

O pitch é apenas a primeira impressão provocada no investidor. Até conquistá-lo, de fato, é um processo extenso. Para se diferenciar a dica é entender como funciona todo o processo e o que mais atrai a atenção dos possíveis parceiros nos negócios. Essas ações são organizadas por fundos de investimento, investidores-anjos, aceleradoras e incubadoras.

Para os investidores, o ponto mais importante do pitch é que o produto ou serviço apresentado saiba lidar com um incômodo urgente e recorrente a um determinado grupo de pessoas e as possíveis soluções.

Portanto, investimento é um jogo de longo prazo e o pitch perfeito pode ser aprendido na edição 98 completa da Revista Locaweb.

 

Liderando equipes em épocas de home office e pandemia

Por Celson Hupfer, CEO da Connekt

Acostumar-se, mesmo que temporariamente, ao novo modelo de organização do trabalho que a pandemia do coronavírus está impondo a milhões de pessoas em todo o mundo, está gerando ansiedade e dúvidas especialmente em líderes. Como gerenciar times que não estão mais no nosso campo visual? Esta questão é ainda mais relevante quando se sabe que grande parte deles são pré-milenials, pouco afeitos às tecnologias da informação e da comunicação que vêm revolucionando o mundo há pelo menos 30 anos.Penso que o conceito de liderança através do reconhecimento, que desenvolvi em minha tese de doutorado, pode trazer contribuições positivas para este momento. A minha argumentação, que retirei do conceito de Luta por Reconhecimento de Axel Honneth, importante filósofo alemão da atualidade, é de que a liderança deve se fundar sobre três pilares: a confiança, a igualdade e a liberdade. O reconhecimento, nestes termos, vale tanto para os liderados reconhecer o líder, como o inverso, o reconhecimento que o líder deve para seus liderados.

A confiança está relacionada a uma ideia de certeza de si mesmo e, consequentemente, certeza do outro. Traduzindo para os tempos de hoje, uma segurança de que as equipes e o próprio líder continuarão em sua jornada de lealdade entre si e de comprometimento com os propósitos do time.

Por seu lado, a igualdade, um conceito que é retirado da ideia de justiça, se refere ao desejo de todas as pessoas de receberem tratamento igualitário em termos de oportunidades, mas, ainda mais importante em momentos como o atual, igualdade de informações.

A ideia de liberdade no reconhecimento pode parecer contraditória quando confrontada ao desejo de igualdade, especialmente em épocas de polarização como a que vivemos hoje. Ela tem a ver com o conceito de solidariedade, com o tratar cada pessoa como única, igual em direitos e livre em escolhas e formas de viver. O momento exige atenção individualizada, a percepção de que as pessoas têm necessidades e reações diferentes à crise, o que requer solidariedade do líder para com seus liderados.

Mas como tudo isso se resolve na prática do home office? Como manter a confiança? Como garantir a percepção de justiça e igualdade mesmo distante? Abaixo seguem algumas recomendações práticas que me parecem fazer sentido e que obviamente não se esgotam.

– Mantenha uma rotina de reuniões virtuais com sua equipe, de preferência pela manhã ou pela tarde. O foco é perguntar a cada um o que fez durante o dia (ou no dia anterior), o que fará hoje (ou amanhã), o que pode o estar impedindo de fazer e como está se sentindo. Existem inúmeras ferramentas digitais para isto, desde um simples conference call via Whatsapp, até modelos de reuniões virtuais como o Teams, Skype ou Hangout;

– Procure manter o foco do time nos compromissos. Mesmo que estes estejam cada vez mais difíceis de ser realizados, especialmente para quem trabalha com vendas, é fundamental não perder o contato, não perder a rotina. Isto mantém a confiança das pessoas de que superaremos as dificuldades;

– As reuniões com a equipe devem ser aproveitadas para compartilhar informações, para que todos estejam sempre na mesma página. Todos devem ter a percepção de que estão sendo tratados igualmente em termos de informações, inclusive sobre as questões mais difíceis que as organizações podem enfrentar;

Por outro lado, situações críticas são grandes oportunidades também:

– Você poderá perceber que suas equipes planejam e executam muito bem com mais autonomia sobre sua vida, sobre como organizam o seu dia a dia, sobre as estratégias diante de dificuldades ou oportunidades;

– Novas líderes costumam se apresentar, com novas maneiras de liderar e de reconhecer e ser reconhecido;

– O momento pede compartilhamento, contribuição, discussão e abertura à crítica.

Celson Hupfer, fundador e CEO da Connekt, plataforma inteligente de recrutamento digital.

CEOS brasileiros se unem contra o coronavírus

Para conter o avanço da Covid-19 pelo Brasil, mais de 600 empresas nacionais aderiram ao #stopthespread, movimento internacional que convida o setor privado a implementar medidas para reduzir a propagação da doença pelo país. Criada nos EUA por Rachel Romer Carlson, cofundadora e CEO da Guild Education, unicórnio de tecnologia educacional, a iniciativa já conta com a adesão de mais de 850 CEOs e investidores estadunidenses.

Ao aderirem ao movimento #stopthespread, os empreendedores assumem o compromisso de tomar medidas como adotar o trabalho remoto, sugerir aos funcionários que parem de realizar ou de participar de eventos públicos sociais, oferecer apoio a socorristas e profissionais de saúde (que estão na linha frente no combate à doença) e auxiliar fornecedores e prestadores de serviço autônomos que não podem trabalhar remotamente, pagando por seus serviços, mesmo que eles sejam prestados depois.

Uma das empresas brasileiras participantes do movimento de cooperação é a Track, startup que monitora e gerencia indicadores de experiência de clientes em tempo real, por meio de canais digitais. “Estamos em um momento de resguardo e o melhor a ser feito agora é colocar em prática ações que zelem pela saúde dos nossos colaboradores e incentivá-los a fazer o mesmo, criando uma corrente do bem que beneficie o coletivo”, analisa Tomás Duarte, CEO da startup.

Além de Duarte, também aderiram à iniciativa os empreendedores Eduardo L’Hotellier, fundador e CEO do GetNinjas, Rafael Carvalho, COO da HeroSpark, Patrick Negri, CEO da iugu, Rafael Moura, CEO da I wanna sleep, e Guilherme Junqueira, CEO da Gama Academy. “Acho importante os empreendedores usarem o seu poder de liderança e a influência para incentivar mais empresários a fazerem o mesmo”, explica Junqueira. Além de adotar o modelo de trabalho remoto, a Gama também adaptou todas as aulas presenciais para onlines.

Segundo Patrick Negri, CEO da iugu, o Brasil vive uma fase delicada e o melhor a se fazer no momento é buscar soluções que reduzam o impacto da doença no país. “Além do home office, adotamos ferramentas que otimizam a realização do trabalho em casa e fornecemos instruções de isolamento e higienização a todos os nossos colaboradores”, afirma. “Acreditamos que o autocuidado e o pensamento em prol do bem coletivo são os pontos cruciais para conseguirmos superar esse momento crítico”, finaliza.

EMBRAPII e SEBRAE destinam recursos para startups durante crise do Coronavírus

A EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) e o Sebrae (Serviço Brasileiro de Apoio àsMicro e Pequenas Empresas) liberaram, nesta sexta-feira (20), R﹩ 2 milhões para o desenvolvimento de soluções tecnológicas para auxiliar o país a enfrentar o avanço do Coronavírus em seu território. O aporte será somado a outros R﹩ 4 milhões da EMBRAPII e a contrapartidas das empresas e recurso econômicos das unidades credenciadas. A expectativa é chegar a R﹩ 10 milhões em projetos de PD&I.

“Neste momento, as instituições precisam se unir para conter o avanço desta pandemia. A EMBRAPII e o Sebrae decidiram destinar recursos para ideias inovadoras de startups e pequenos empreendedores que possam potencializar o combate ao vírus no país”, destaca José Luis Gordon, diretor de Planejamento e Gestão da EMBRAPII.

Os recursos da EMBRAPII e do Sebrae poderão ser utilizados por startups, micro e pequenas empresas associadas ou não à médias ou grandes empresas em projetos de inovação. As soluções podem envolver o diagnóstico e o tratamento da doença. As tecnologias incluem softwares, sistemas inteligentes, hardware, peças e equipamentos médicos, entre outros.

“Socorrer o pequeno negócio neste momento é socorrer o país! É manter os empregos e condições mínimas para a economia continuar girando. Junto à EMBRAPII, estamos direcionando esforços para agilizar a construção de soluções que possam impactar mais rapidamente neste enfretamento emergencial. Apostamos e confiamos na capacidade inovadora dos nossos empreendedores”, analisa o diretor-técnico do Sebrae, BrunoQuick.

Além do recurso, as startups e empresas poderão contar com o suporte técnico de pesquisadores especializados e a infraestrutura tecnológica das Unidades EMBRAPII no desenvolvimento de projetos. São 42 Unidades em 14 estados e no Distrito Federal.

Contrato EMBRAPII e SEBRAE

Os R﹩ 2 milhões correspondem à 50% da primeira parcela do acordo de R﹩ 30 milhões entre as duas instituições. O recurso se soma a outros R﹩ 20 milhões, que já permitiram o desenvolvimento de 109 projetos de inovação de startups, micro e pequenas empresas de base tecnológica.

Há três modalidades previstas no contrato. A primeira, voltada para o desenvolvimento tecnológico, destina-se apenas aos microempreendedores individuais, startups, micro e pequenas empresas. A segunda, é destinada ao encadeamento tecnológico e conta com a participação de empresas de médio e grande porte atuando como parceiras dos pequenos empreendedores. A terceira é o incentivo à inovação aberta com uma linha de financiamento voltada à criação de consórcios de empresas com interesse comum. A proposta inclui uma ou mais MGEs (Médias e Grandes Empresas) atuando em parceria com pequenos empreendedores.

LIDE FUTURO lança plataforma online para troca de experiências e networking virtual

Acontece hoje, 20 de março, o primeiro evento virtual do LIDE FUTURO. Junto ao FAS Advogados eles falarão sobre contenção de crise em aspectos jurídicos. A pauta foca em como as empresas devem se comportar nesse período para proteção de caixa e manutenção de empregos e atividades.

Entre os assuntos abordados estarão home office e teletrabalho, recuperação de impostos e taxas e a suspensão de contratos com fornecedores e clientes.

Diante da crise de saúde, o LIDE FUTURO lança sua versão online para continuar fomentando conteúdo, experiência, negócios e networking entre jovens lideranças. O principal objetivo é manter empresários, empreendedores e sucessores de diversas instituições do País ativos no mundo dos negócios e atentos às principais mudanças de mercado no atual cenário.

Para encarar o desafio de liderar múltiplos debates, a plataforma escolhida foi a Flock. Serão 5 categorias com 26 subgrupos de discussão de interesses: Oficiais, Em Pauta, Setorial, After e Esportes.

A categoria “Oficiais” colocará todos os filiados a par de todas as informações sobre o grupo com uma base completa de networking a fim de gerar oportunidades relevantes de negócios. O “Em Pauta” separa assuntos por áreas de atuação para uma troca de experiência mais expressiva. Para falar dos focos atuais do mercado, especialistas filiados serão ponto chave do grupo, que também contará com membros que querem entender melhor cada setor.

Com pautas mais desconstruídas, o “After” tem como premissa trazer conversas relevantes mas ainda assim desconstruídas após o horário de trabalho. “Esportes” também estarão em debate para os filiados se conectarem e discutirem o tema, além de programarem atividades em conjunto.

A crise pede cautela, racionalidade e, sobretudo, civilidade

Por André Fernandes Lima

A crise pela qual estamos passando atualmente, com a propagação do coronavírus, tem ocasionado uma grande apreensão, talvez sem precedentes na história econômica mundial moderna, por parte não apenas daqueles que atuam no mercado financeiro, mas por toda a população. Isto porque a crise tem origem fora do contexto monetário e financeiro da economia e suas consequências vêm sendo — e continuarão a ser — sentidas por toda a população, independentemente de ter acesso ou não ao mercado financeiro, de ser investidor ou devedor, empregador ou empregado, sem distinção da classe social. Diante disto, gostaria de abordar duas perspectivas: a do lado real e a do lado monetário e financeiro da economia e, ao final, propor uma reflexão rápida.

Sob a perspectiva do lado real da economia, os efeitos da pandemia têm sido verificados por todo o mundo, com diminuição no nível de atividade econômica, com menor demanda por bens e serviços, consequência da necessidade de isolamento domiciliar. São constantes as notícias sobre cancelamento de eventos, fechamento de escolas, de espaços públicos e de comércio, cancelamento de viagens, entre outras. Consequências disto podem ser vistas já nas projeções econômicas. No caso brasileiro, a expectativa de crescimento do PIB (a soma dos bens e serviços produzidos no país ao longo do ano) em 2020 caiu, nas últimas quatro semanas, de acordo com o Relatório Focus publicado pelo Banco Central, de 2,23% para 1,68% em relação ao ano de 2019, uma queda de 25% na projeção. Ressalto que esses dados foram coletados na última sexta-feira, dia 13, quando o cenário ainda não se desenhava tão complexo e com perspectiva de duração tão longa como se tem percebido nos últimos dias. Com demanda desaquecida, a tendência é que a pressão sobre os preços também desaqueça; neste sentido, no mesmo Relatório Focus, a expectativa para a inflação no ano de 2020 também caiu nas últimas quatro semanas, de 3,22% para 3,10%. Vale lembrar que a meta estabelecida no Regime de metas para a inflação é de 4,0% (com intervalo de tolerância entre 2,5% e 5,5%), de forma que as expectativas indicam caminho para o limite inferior da meta.

A diminuição da atividade econômica e a menor pressão sobre os preços abre espaço para que os formuladores de políticas econômicas adotem medidas no sentido de estimular o crescimento da economia, com redução de impostos, postergação de sua cobrança, subsídios, fornecimento de linhas de crédito para empresas em situação de falta de capacidade de pagamento decorrentes deste cenário, redução nas taxas de juros e aumento da liquidez no mercado bancário. De encontro a isto tivemos — citando apenas uma das medidas, para não me alongar demais — na última quarta-feira (dia 18) a redução da taxa de juros básica da economia, a taxa Selic, para 3,75% a.a.

O lado financeiro da economia também tem sentido o impacto da pandemia. Bolsas de valores ao redor do mundo têm registrado frequentes quedas. No Brasil, o Ibovespa registra queda de mais de 40% no ano de 2020, por conta da perspectiva de deterioração nos resultados das empresas. Em relação ao dólar, a moeda americana já se apreciou 27% frente ao Real ao longo de 2020. As expectativas para o final do ano também têm subido, projetando depreciação da moeda brasileira. Isso porque os investidores, em virtude das incertezas sobre o futuro, tornam-se mais avessos a risco e, então, migram seus recursos para lugares considerados mais seguros e, em se tratando do fluxo de capitais em nível global, esses recursos acabam migrando para os Estados Unidos.

Agora, voltando ao título deste texto, e com isso fechando o raciocínio a que me propus desenvolver, é fato que o cenário é complexo e preocupante, seria insensato e desprovido de ligação com a realidade dizer que não. Entretanto, tão importante quanto preocuparmo-nos com nossa saúde e atendermos às recomendações das autoridades em permanecer em casa de forma a amenizar as possibilidades de contágio e propagação, é que tenhamos racionalidade nas nossas ações, seja em relação a sair de casa, a exigir que a pessoa que trabalha conosco continue vindo trabalhar, (como se ela não estivesse exposta aos mesmos riscos que todos os demais). E, sobretudo, termos em mente que a civilidade, o pensar no próximo, na coletividade, oferecendo ao próximo aquilo que gostaríamos fosse a nós oferecido, é a melhor — e mais rápida — maneira de enfrentarmos essa situação, amenizando seus impactos a todos. Vale refletir a esse respeito, afinal todos seremos beneficiados se agirmos com este simples objetivo em mente!

André Fernandes Lima, mestre e doutor em Administração de Empresas, pós-graduado em Economia Aplicada à Administração e Finanças e graduado em Ciências Econômicas. É professor das disciplinas de Finanças Corporativas e Mercados Financeiros na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

PRAVALER tem 18 vagas para São Paulo

O PRAVALER, maior fintech de soluções financeiras para a educação, anuncia a abertura de 18 vagas para profissionais de diversas áreas de atuação para contratação imediata na cidade de São Paulo. As vagas disponíveis são nas áreas de comercial, finanças, jurídico, marketing, tecnologia,relacionamento com o cliente e gente & gestão.

A empresa oferece benefícios como participação nos lucros, home office, dayoff de aniversário, horário flexível, sala de jogos, ambiente descontraído, vale refeição, vale transporte, Gympass, seguro de vida, plano de saúde e odontológico. Outro diferencial é a licença maternidade de seis meses e a licença paternidade estendida, sendo que ambas medidas valem para casais homoafetivos.

“Queremos alcançar 1 milhão de alunos até 2025 e, para alcançarmos essa meta, estamos expandindo nosso time e buscando profissionais que estejam dispostos a trabalhar em um universo que une serviços financeiros e tecnologia para garantir acesso a milhares de brasileiros à educação”, explica Fernanda Inomata, líder deassuntos institucionais. Considerada a primeira fintech brasileira, o PRAVALER tem crescido em média 30% ao ano e foi recentemente avaliado em mais de R$ 1 bilhão após novo aporte do banco Itaú. Entre os principais produtos, o financiamento estudantil privado é o carro-chefe, possibilitando formação profissional, graduação, especialização e intercâmbio de milhares de brasileiros.

Os prazos para a candidatura variam de acordo com cada vaga. Os interessados podem acessar todas as oportunidades e se cadastrarem no linkhttp://jobs.kenoby.com/pravaler

SMPS Getnet contrata profissionais de tecnologia

A SMPS Getnet, empresa de tecnologia e soluções de pagamento para toda a cadeia de negócios, estácontratando 10 profissionais de tecnologia. As vagas são para atuar em Porto Alegre (RS) e as inscrições vão até 3 de abril. O processo seletivo é conduzido pela Page Outsourcing, dedicada à execução de projetos exclusivos de RPO, programas de talentos (estágio e trainee) e contratação de profissionais em grande volume, parte do PageGroup no Brasil. O link para a candidatura é: http://smpsgetnet.gupy.io/

Consolidada no mercado de adquirência, a SMPS Getnet oferece soluções de pagamento tanto no meio físico quanto no digital. Com base na inovação e na excelência, está entre as companhias com maior número de transações e-commerce da América Latina.

Agora busca um novo desafio: a construção de uma plataforma global de pagamentos, responsável por prover funcionalidades para diversos países a partir de arquitetura baseada em Microservices, APIs e Analytics.

Detalhes e pré-requisitos para a candidatura

Número de vagas: 10

Requisitos: Formação na área da Tecnologia.

Desejável: Profissionais ágeis, que gostem de trabalhar em ambientes colaborativos, com senso de responsabilidade.

Benefícios: Remuneração compatível com o mercado.

Link para inscrições até 3 de abril: http://smpsgetnet.gupy.io/