Page

Author admin

Amazon e Apple são as empresas mais disruptivas segundo líderes globais de tecnologia, aponta KPMG

Amazon e Apple são as organizações que mais preocupam os líderes do setor de tecnologia devido à probabilidade de causarem disrupções nos mercados. Alibaba, DJI, Google, Netflix, Airbnb, Microsoft, Facebook e Baidu também estão entre as dez principais preocupações dos empresários. As conclusões são do estudo internacional da KPMG “Empresas disruptivas e modelos de negócios” (do original em inglês, Disruptive companies and business models), que entrevistou mais de 740 líderes de empresas do setor de tecnologia ao redor do mundo.

A pesquisa traz ainda os modelos de negócios mais disruptivos de acordo com os líderes de companhias de tecnologia. Segundo os executivos, as plataformas de comércio eletrônico têm o maior potencial de disrupção tecnológica ao longo dos próximos anos, seguidas pelas redes sociais, em segundo lugar no ranking. Aplicativos de pagamento digital, entretenimento, compartilhamento de transporte, veículos autônomos e hospedagem completam o restante da lista.

“Assim como as empresas de comércio eletrônico, as companhias de mídia social estão se empenhando em capturar cada vez mais a atenção do consumidor com novas ofertas de serviços como conteúdo exclusivo e original, eventos esportivos ao vivo, realidade virtual e aumentada, serviços educacionais e criptomoedas”, analisa o sócio líder do setor de tecnologia, mídia e telecomunicações da KPMG no Brasil, Dustin Pozzetti.

CEOs da Google e da Tesla como os principais visionários em tecnologia

O estudo ainda aponto u os principais executivos visionários de inovações tecnológicas da atualidade na visão dos millennials (pessoas nascidas entre os anos 80 e o fim dos anos 90) e dos líderes do setor de tecnologia. Entre os empresários, o CEO da Google, Sundar Pichai, ocupou o lugar mais alto da lista, seguido pelo CEO da Tesla e da SpaceX, Elon Musk. Já entre os millennials, a principal figura citada foi o empresário Elon Musk, seguido pelo CEO da plataforma de comércio eletrônico Alibaba, Jack Ma, em segundo lugar. Além de apontarem nomes como Bill Gates (Microsoft), Mark Zuckerberg (Facebook) e Tim Cook (Apple), eles também identificaram os CEOs da Huawei, Ren Zhengfei, e da Xiaomi, Lei Jun como os principais líderes de inovações tecnológicas do mundo.

“Saber quem são esses visionários, bem como as principais características e os estilos de liderança, ajuda as empresas de tecnologia a entender melhor os interesses e as expectativas da força de trabalho composta por millennials, os líderes de amanhã. No futuro, eles poderão desenvolver interesses e atributos semelhantes a esses líderes”, analisa o sócio-diretor do segmento de tecnologia da KPMG no Brasil, Felipe Catharino.

A pesquisa da KPMG também perguntou aos executivos quais são os aplicativos que eles mais utilizam. A principal escolha dos empresários, em primeiro lugar, foi o site de busca Google e o navegador Google Chrome. As redes sociais dominaram o restante da lista com o Facebook, Instagram e YouTube entre as principais plataformas utilizadas pelos líderes de tecnologia, seguidas pelo Twitter e WhatsApp empatados na quinta posição.

Após Natal com vendas positivas, verão aquece setores do varejo

No verão, o consumidor procura produtos que aliviem e protejam do calor, além de itens que realcem a beleza nessa época. Segundo o Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR) alguns segmentos devem apresentar um melhor desempenho neste período, como móveis e eletrodomésticos (0,65%), farmácias, perfumarias e cosméticos (0,42%) e hiper e supermercados (0,16%). Os pontos representam o crescimento mensal das categorias.

Alguns produtos devem ser responsáveis por esse movimento no varejo. Em móveis e eletrodomésticos, a previsão é de maior procura por ventilador. Em farmácias, perfumarias e cosméticos, a busca deve ser por protetor solar, coloração, depilatórios, máscaras para tratamento capilar e esmaltes. Já em hiper e supermercados, bebidas para consumir geladas, como cerveja, refrigerante, suco, água de coco e chá gelado, devem liderar as vendas.

Para o economista Claudio Felisoni de Angelo, presidente do IBEVAR, o ano começa com sinais otimistas para o mercado de consumo e o verão pode impulsionar ainda mais as vendas. “Após um Natal favorável para o varejo, o primeiro trimestre de 2020 se mostra positivo. A projeção é de que os consumidores sigam dispostos a gastar, e os dias de calor aumentem a oferta e demanda por produtos propícios para o período”, avalia o economista.

Associação Brasileira de Startups tem novo diretor executivo

A Associação Brasileira de Startups (Abstartups), entidade sem fins lucrativos que representa o ecossistema brasileiro de startups, anuncia mudanças no seu quadro diretivo. Após quase cinco anos à frente do cargo, Rafael Ribeiro passa a Direção Executiva para José Muritiba, ex-diretor comercial da Associação.

Com larga experiência em empreendedorismo e vivência in loco em ecossistemas plurais, Muritiba foi organizador da Conferência Amazônica de Empreendedorismo e Inovação (CAEI); teve passagens pela indústria como sócio da SPlasercut no pólo industrial de Manaus. É investidor da Loopa investimentos, que fomenta o ecossistema da região norte, e também faz parte do pool da investidores.vc .Iniciou sua trajetória na Abstartups em março de 2019, no setor comercial, no qual atuava na negociação com novos mantenedores, alinhamento do Google for Startups, entre outras ações.

“Assumo o desafio confiante e disposto a solidificar a presença das startups em todos os setores no Brasil, ajudando-as a levar inovação, disrupção e conhecimento para empresários de todos os cantos do país”, pontua o novo diretor da Abstartups.

Outra mudança no corpo diretivo da Associação é a saída de Tânia Gomes Luz da vice-presidência. Depois de colaborar para o crescimento do ecossistema nacional frente ao poder público e compartilhar seus conhecimentos Brasil a fora, a profissional deixa o cargo para assumir novos desafios no mundo do empreendedorismo.

Além da chegada de Muritiba, ao fim de 2020 serão feitas eleições para decidir o novo corpo diretivo que deverá comandar o próximo biênio da Associação. As movimentações nesse sentido (edital, critério, definição de chapas etc.) serão realizadas no segundo trimestre. Até lá, o presidente Amure Pinho segue no comando da Abstartups.

Inovação EMBRAPII cria dispositivo inteligente para diagnosticar “saúde” do carro

Uma parceria entre a EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial) e a empresa Wings, de Pernambuco, resultou na criação de um equipamento que monitora as condições de funcionamento do veículo. Intitulado de V@I – Vehicle Artificial Intelligence, o projeto desenvolvido na Unidade EMBRAPII, CESAR, já está no mercado automotivo brasileiro e agora busca por espaço no mercado internacional.

O dispositivo de conectividade tem como objetivo identificar a “saúde” do automóvel e traçar um diagnóstico apontando possíveis falhas para que medidas sejam tomadas antes que determinadas peças possam apresentar problemas. Os dados são acessados pelo proprietário do veículo por meio de um aplicativo instalado no smartphone possibilitando o controle do que acontece com o carro em tempo real. Estas informações também podem ser compartilhadas com concessionárias para elas possam atuar de maneira mais assertiva nas revisões veiculares.

A tecnologia também é capaz de acessar dados conferindo soluções de rastreamento, além de coletar informações como quilometragem, códigos de falha, status de peças e até emitir alertas de colisão tudo em tempo real. A solução tornou-se uma importante ferramenta para concessionários estreitarem sua comunicação online com clientes.

Hewlett Packard Enterprise oferece licença parental de seis meses para mães e pais

A Hewlett Packard Enterprise (HPE), empresa global de soluções de TI para o mercado corporativo, lançou novos benefícios para seus colaboradores dentro do programa HPE Work That Fits Your Life. Visando ao enriquecimento da qualidade de vida e o equilíbrio entre as demandas do trabalho e da vida pessoal, a partir deste ano os colaboradores da HPE em todo o mundo têm direito a 26 semanas de licença remunerada para novos pais — mães e pais –, inclusive em caso de adoção, além de apoio à transição parental, transição para aposentadoria e redesignação de sexo, sala de amamentação, entre outros benefícios.

A HPE vem implementando novas políticas inovadoras sobre licença parental remunerada e acordos de trabalho flexíveis em reconhecimento à importância da igualdade de pai e mãe na chegada dos filhos e ao papel que o local de trabalho pode desempenhar para apoiá-la, além de diminuir o desgaste da saúde mental de suas equipes. Válida para colaboradores com pelo menos um ano de serviço na HPE, a licença parental pode ser tirada nos primeiros 12 meses após o nascimento ou a adoção de um filho. Como parte do programa, a HPE também implementou o suporte à transição parental, uma política flexível que possibilita aos novos pais a oportunidade de trabalharem meio-período por até 36 meses após o nascimento ou a adoção de um filho.

Pesquisas1 mostram que a criação de vínculos com os pais é essencial para o bem-estar e a saúde futura das crianças, por isso, a companhia entende que apoiar os novos pais nesse início de jornada é fundamental. As novas políticas da HPE demonstram o valor que a empresa atribui à criação de uma cultura de trabalho que seja adequada também à vida pessoal do colaborador (Work That Fits Your Life), além de promover o equilíbrio entre os gêneros, criando oportunidades iguais para homens e mulheres em casa e no local de trabalho.

“Queremos que todos os nossos colaboradores alcancem todo o seu potencial em suas carreiras. Isso significa que é nosso papel, como HPE, apoiá-los também enquanto suas famílias vão crescendo”, diz Ricardo Brognoli, CEO da HPE Brasil. “Estamos muito orgulhosos de fazer parte, no Brasil, dessa iniciativa global. Ao investir em nossa força de trabalho, que é altamente qualificada e motivada, vamos consolidar a HPE como uma grande marca empregadora em todo o mundo”, ressalta o executivo.

Em adição à licença parental estendida, a HPE anuncia outros benefícios e opções inovadoras de apoio à carreira que serão oferecidos à sua força de trabalho no Brasil. As iniciativas são:

· Licença parental: a elegibilidade para o benefício prolongado de licença parental já está sendo aplicada retroativamente a pais com filhos nascidos ou adotados desde 1º de maio de 2019.

· Apoio à transição parental: novos pais terão a oportunidade de trabalhar meio período, por até três anos, a partir da data de nascimento ou adoção de um filho. Isso proporcionará aos colaboradores mais tempo para criar vínculos e também os ajudará na transição para a volta ao trabalho.

· Apoio à transição para a aposentadoria: colaboradores próximos da aposentadoria terão a oportunidade de trabalhar meio período, de forma que consigam se ajustar às mudanças no estilo de vida, ao mesmo tempo em que poderão transferir seus conhecimentos, como mentores, a outros colaboradores da HPE.

· Wellness Fridays: como parte da iniciativa global de equilíbrio entre a vida profissional e a pessoal, colaboradores são encorajados a deixarem o escritório três horas antes do final do expediente, na segunda sexta-feira do mês, para se dedicarem a atividades de voluntariado, de saúde física ou emocional, ou a projetos de desenvolvimento pessoal ou de carreira.

· New Baby Welcome Kit: a HPE entende que um dos momentos mais memoráveis na vida de seus colaboradores é a chegada de um filho. Para celebrar esse momento de alegria, a HPE presenteia seus funcionários com mantas personalizadas, feita com material orgânico.

· Apoio à reprodução assistida: por meio de seu time de Gestão Médica, a HPE oferece apoio ao colaborador que busca técnicas de reprodução assistida. O programa oferece um subsídio anual para as famílias que se enquadram na política, além de acompanhamento médico e psicológico.

· Apoio à redesignação de sexo: também por intermédio de seu time de Gestão Médica, a HPE oferece apoio ao colaborador e sua família durante o período de transição de gênero. O programa oferece um subsídio anual para as famílias que se enquadram na política, além de acompanhamento médico e psicológico.

“Como esse novo pacote de benefícios demonstra, a cultura de trabalho da HPE valoriza a vida de seus colaboradores dentro e fora do escritório”, comenta Brognoli. “A HPE é líder global em cuidados com seus colaboradores. A atenção que damos a isso nos torna capazes de garantir que nossas equipes possam se desenvolver, produzir e prosperar mesmo em importantes momentos de transição pessoal em casa, estando mais próximos de suas famílias e mais felizes”, conclui o CEO.

Referência:
1 Winston, R. and Chicot, R. (2016). The importance of early bonding on the long-term mental health and resilience of children.

Quando a inovação deixa de ser uma palavra e se torna uma atitude

Por Gilles Coccoli

Quem trabalha em ambientes corporativos provavelmente já teve a percepção de que a palavra INOVAÇÃO se tornou, nos últimos anos, um termo que se tira do bolso na necessidade de mostrar modernidade.

O que me incomoda, no entanto, é ver a palavra “inovação” meramente como sinônimo de extrema criatividade, uma explosão, uma eureca que apenas os gênios exercem como um dom para inventar as tecnologias da vez. Mas, na verdade, inovação é criar uma transformação positiva e significativa. Em processos, em fluxos, em experiências. É o potencial de analisar o que se faz hoje e pensar em como melhorar, em pequena e média escala também.

Não é apenas romper uma tradição, um jeito de fazer, mas também incrementá-lo. Encontrar uma solução para um determinado problema e perceber que não existia um problema ali, e sim uma oportunidade de melhoria, de fazer de maneira mais rápida, moderna, eficiente, que torna a vida das pessoas melhor. Esta pode ser a real ousadia na inovação. Pode ser a criação de um novo dispositivo altamente tecnológico como um drone, mas também a descoberta de uma forma mais eficaz de usar a farinha para fazer um croissant, por exemplo.

A escritora norte-americana Elizabeth Gilbert, do best-seller “Comer, Rezar, Amar” disse em um ótimo TED Talks que os gregos acreditavam que a criatividade não era uma característica dos seres humanos, mas sim algo que era trazido até eles por criaturas chamadas “daemons”. O mesmo conceito passou para os romanos, que chamavam estes seres de… gênios. Sim, os gênios não eram as pessoas, e sim estas entidades mágicas, divinas. Eram acessíveis para todos e não apenas para alguns afortunados. Todos, portanto, poderiam ser criativos.

A lição aqui é que todos podemos ser criativos e inovadores quando entendemos que é possível. Podemos estar abertos para que os tais daemons soprem nos nossos ouvidos não só em grandes projetos mirabolantes, mas também em nosso olhar para as pequenas coisas. É aí que inovação vira ATITUDE.

Aqui na Edenred Brasil, por exemplo, incentivar este tipo de postura faz parte do dia a dia e foi a ideia do E.Meeting, evento interno que aconteceu no final de 2019. Nele, sob o tema Next Frontier, falamos bastante de inovação como cultura, para que os líderes tragam isso para as atividades diárias de seus times.

Fazemos da inovação parte inerente do nosso negócio, ampliando discussões, a troca de conhecimento e compartilhando insights com colegas de trabalho e parceiros. Cocriar, remixar e ressignificar para que a inovação seja uma atitude constante em tudo o que fazemos.

Gilles Coccoli, Chief Operating Officer Américas da Edenred

Banco BV lidera nova rodada de investimento de R$ 80 milhões na WEEL, fintech de crédito para empresas

O banco BV, por meio da sua unidade de inovação, BVx, lidera nova rodada de investimento Série B de R$ 80 milhões na WEEL, fintech de crédito que utiliza inteligência artificial para otimizar o fluxo de caixa de pequenas e médias empresas no Brasil. Além do aporte, o banco BV ampliará a disponibilidade de funding para a fintech em até R$ 800 milhões.

A ampliação dessa parceria estratégica, cumpridas todas as condições precedentes, é mais um reforço da conexão do BV com o ecossistema de startups e fintechs. O sofisticado modelo de análise e inteligência de dados da WEEL aliado à estrutura de capital do banco BV, aumentará a oferta de serviços complementares de recebíveis no país”, afirma Guilherme Horn, diretor de Estratégia e Inovação do banco BV.

Para Simcha Neumark, CEO e fundador da WEEL, este é mais um passo importante na missão da fintech em democratizar o acesso ao crédito para os empresários brasileiros. “Essa nova captação acelera nosso crescimento em ritmo ainda mais intenso e nos permite incrementar investimentos em tecnologia, que otimiza a experiência dos nossos clientes. Além disso, o aporte vai nos ajudar com a expansão das nossas operações no Brasil e em novos mercados. Ter a parceria com o banco BV renovada neste momento é importantíssimo para a concretização destes objetivos”, afirma Neumark.

Criada em 2015 para descomplicar o acesso de pequenas e médias empresas brasileiras ao capital de giro, a WEEL é uma fintech que antecipa recebíveis de maneira simples, fácil e acessível. A empresa foi fundada em Tel Aviv pelos brasileiros Simcha Neumark e Shmuel Kalmus, e pelo norte-americano Russell Weiss.

O Brasil foi a primeira economia mundial em que a totalidade das notas fiscais passou a ser emitida de forma digital e seguindo um único padrão. “Esse ecossistema digital nos ofereceu um campo fértil para introduzir a inteligência artificial num nicho em que os processos manuais de análise de risco e de negociação ainda estão fossilizados em várias partes do mundo”, diz Neumark.

Por meio de inteligência artificial e big data, a WEEL utiliza a informação como principal motor de decisão para suas operações. Analisando até 15 mil pontos de informação, a plataforma consegue entender o perfil do cedente (empresa que solicita a antecipação pela WEEL) e o do sacado (a parte que efetua o pagamento da nota fiscal). Do cadastro ao depósito na conta do cliente, todo o processo de antecipação leva poucos minutos e é feito sem burocracias.

“O novo aporte do banco BV deve contribuir para a manutenção das taxas de crescimento da empresa. A parceria também é mais um passo importante para a WEEL em sua missão de melhorar significativamente o cenário de crédito para PMEs no Brasil”, afirma Neumark.

BVx

O BVx é a unidade de negócios de inovação do banco BV que gera valor por meio de conexões com o ecossistema de startups, co-criação, desenvolvimentos proprietários e investimentos em parceiros. É nesta unidade, que surgiu em novembro de 2019, que a parceria com a WEEL está inserida.

Startup Summit 2020 anuncia 50 palestrantes e arena de podcasts

O Startup Summit 2020 anunciou os 50 primeiros palestrantes confirmados para sua terceira edição, que pretende reunir o ecossistema nacional de tecnologia e inovação em Florianópolis (SC). Realizado pelo Sebrae, em parceria com a Associação Catarinense de Tecnologia (ACATE), o evento espera 5.000 participantes de todo o país e mais de 100 palestrantes, com pelo menos 12 trilhas de conteúdo, entre os dias 20 e 21 de agosto.

Serão sete palcos, onde CEOs das principais startups do país e convidados especiais de grandes empresas de tecnologia, nacionais e internacionais, irão compartilhar suas experiências e cases de sucesso. Entre os nomes já confirmados estão Alessio Alonso, cofundador e CEO da Pipefy; Marcelo Lombardo, cofundador e CEO da Omie; Fabiola Marchiori, CTO da ITI Itaú; Ilya Gelfenbeyn, diretor da Google Assistant Investments; Guilherme Lopes, cofundador e diretor de produto da Resultados Digitais; Marcel Lotufo, cofundador e CEO da Kenoby; Mateus Pestana, cofundador e CEO da SenseData; Renata Centurion, sócia e diretora LATAM da Winning by Design, e Thiago Reis, cofundador e CEO da Growth Machine. Todos os palestrantes anunciados podem ser conferidos no site do evento.

Além das trilhas e da feira de negócios, a edição deste ano  terá uma arena de podcasts sobre empreendedorismo, tecnologia e inovação, onde os principais podcasters do Brasil estarão realizando entrevistas durante os dois dias. Canais como Like a Boss, Hipsters Ponto Tech, Cast for Closers, Cliente Cast, Commit, Hey Ho Let’s Grow e Ecossistema estarão presentes.

Conheça melhor alguns dos 50 palestrantes já confirmados:

Alessio Alonso: Formado em administração pela Universidade Federal do Paraná, Alessio é profissional Lean Six Sigma Black Belt e certificado pela Associação Internacional de Gestão de Projetos (IPMA). Trabalhou com fusões, aquisições e revitalizações de empresas na “Go4! Consultoria”. No final de 2008, fundou o marketplace de serviços Acessozero, posteriormente vendido para um dos maiores players de local search do Brasil. Além de ser fundador e CEO da Pipefy, uma plataforma que facilita a criação e organização de processos dentro de empresas, também atua como conselheiro e investidor anjo de startups de tecnologia, palestrante e jurado em eventos.

Marcel Loufo: É formadoem Administração de Empresas e Negócios pela University of Tampa, da John H. Sykes College of Business, nos Estados Unidos. Já morou em Singapura, China e Estados Unidos, atuando na venda de algodão (commodities) de agricultores e produtores brasileiros e, antes de entrar como cofundador e CEO da Kenoby, atuou como headhunter no mercado, passando por empresas de recrutamento como Michael Page e Havik People Result. Atualmente, a desenvolvedora de software de recrutamento e seleção conta com mais de 100 funcionários e atende mais de 500 clientes.

Thiago Reis: Ao longo de sua jornada, participou da construção de máquinas de vendas e marketing de diversas empresas diferentes, que viraram referências em seus segmentos. Durante 10 anos, formou times, pessoas e estruturas que já geraram crescimento superiores a 2000%. Em 2018, Thiago começou a trabalhar full-time em sua empresa, com o objetivo de ajudar empreendedores a escalar seus departamentos de marketing e vendas. Começou com consultoria para algumas empresas SaaS (Software as as Service), mas também criou um Bootcamp, onde ensinou em 8 horas uma metodologia voltada para quem deseja escalar vendas.

Até 12 de março, é possível adquirir os ingressos do Startup Summit 2020 no primeiro lote. As inscrições têm vagas limitadas e podem ser feitas pelo site http://summit.sebrae.com.br.

 

UOL DIVEO se reestrutura, incorpora a Compasso com foco em transformação digital

O UOL DIVEO anuncia movimento estratégico, incorporando a Compasso empresa do grupo UOL focada em desenvolvimento de software e transformação digital. Com isso, torna-se uma das poucas empresas de grande porte no Brasil que oferece a combinação de serviços gerenciados, multicloud, segurança, desenvolvimento de sofware e transformação digital.

O brand da empresa foi remodelado e será adotado para representar a nova organização, com destaque especial para o nome Compasso. Os Serviços de datacenter/Colocation, serão prestados através da também recém criada UD Tecnologia, subsidiária integral do grupo.

Gil Torquato, CEO das Empresas, explica que a reestruturação visa atender a demanda dos clientes que querem maior agilidade e foco nos Serviços. “O negócio de serviços de transformação digital e de data center/colocation são bem distintos e demandam formatos diferentes de operação. Nos ajustamos para conseguirmos ter um foco maior em cada uma das frentes e podermos ser mais ágeis e eficientes em criar valor para nossos clientes. Por isso, estamos nos reorganizando para explorarmos ao máximo o potencial de cada um dos negócios”.

Alexis Rockenbach será o COO da Compasso e terá como principal missão dar todo o suporte para que os clientes possam manter seus atuais serviços estáveis e também auxiliá-los na transformação digital. “Nessa nova estrutura buscaremos suportar da melhor maneira possível todas as plataformas atualmente utilizadas por nossos mais de 2 mil clientes, como também desenvolvermos soluções digitais olhando para o futuro dos negócios”.

Para 2020, a nova empresa projeta um crescimento de dois dígitos repetindo o aumento registrado em 2019. “Nossa meta é acelerar cada vez mais para continuarmos como uma companhia que agrega valor ao mercado”, afirma Gil Torquato.

Formato organizacional ágil com foco no cliente

Ao longo de 2019, a empresa trabalhou com seus mais de 1.500 profissionais em novos formatos organizacionais de “squads”, grupo multidisciplinar que já é referência em organizações ágeis. Entre os diferenciais destes grupos são o espírito de startups e dedicação aos clientes.

Além disso, algumas iniciativas que já eram trabalhadas se estenderão para toda a empresa, como forma de fortalecer os skills dos times internos para que estejam aptos às novas demandas. A Compasso vai investir também na formação de mão-de-obra para as tecnologias estado-da-arte que o mercado demanda.

“Queremos que cada uma destas “tribos” tenha a possibilidade de operar com muito mais autonomia e proatividade junto aos clientes. Isto implica em um conjunto básico de governança e recursos de apoio, que garantem a uniformidade mínima necessária, ao mesmo tempo em que dá a liberdade para os times serem propositivos e guiarem nossos clientes nos processos de transformação de seus negócios”, explica Alexis.

Tecnologia pode elevar em 20% a satisfação do cliente e em 30% o volume de vendas cruzadas, diz estudo

A Kearney, consultoria global de gestão estratégica, acaba de divulgar um estudo relacionando diretamente os impactos do uso de tecnologias específicas para vendas nos resultados de negócio. A análise aponta que aquelas empresas que adotaram efetivamente essas tecnologias registraram ganhos expressivos em todas as etapas de interação com o cliente, gerando mais vendas e, portanto, mais lucratividade.

“Embora a maioria dos líderes de negócio tenham familiaridade com tecnologias de vendas, como inteligência artificial (AI) e realidade aumentada (AR), poucas empresas avançaram de fato no sentido de melhorar a experiência do cliente e aumentar as vendas como resultado da adoção de novas tecnologias”, afirma Nelio Ikuta, diretor da Kearney no Brasil. “Na verdade, muitas companhias ainda têm dificuldade para estabelecer a melhor estratégia de inovação para o seu negócio. Outras ainda enfrentam obstáculos para tirar o máximo proveito de ferramentas de CRM, por exemplo.”

O estudo da Kearney analisou como tecnologias digitais podem ser aplicadas para otimizar a experiência do cliente e para suportar o trabalho do time de vendas. “Muito se fala sobre o uso das tecnologias em B2C. No entanto, a disrupção digital não respeita os limites tradicionais e, ainda que as mudanças realmente aconteçam a passos mais lentos no B2B, existem grandes oportunidades para essas companhias aumentarem suas vendas através da tecnologia”, assegura Ikuta.

De acordo com a consultoria, a transformação digital pode trazer excelentes ganhos no prazo de dois a três anos, com impacto direto em toda a cadeia de atendimento ao cliente. O estudo indica que a implementação de tecnologias digitais aumenta em 20% a geração de leads e eleva em 20 pontos percentuais a satisfação do cliente. Além disso, pode reduzir em 40% o “churn” de clientes, que é quando eles deixam uma marca em detrimento de outra. E os custos de atendimento também podem encolher em torno de 20% nas empresas que investirem em tecnologias de vendas.

Os resultados ainda se refletem no que diz respeito às vendas. Elas aumentam entre 10% e 20%, enquanto o upsell e as vendas cruzadas crescem em torno de 30%. O tempo de lançamento de produtos e serviços (time-to-market) pode ser reduzido de 20% a 30%, e a produtividade do time de vendas pode ser elevada em 40%.

Como promover a transformação

Os resultados são certos quando se implementa uma boa estratégia de transformação digital. No entanto, a jornada não é simples. Para chegar lá, os especialistas da Kearney sugerem um passo-a-passo que inclui: estabelecer aonde se quer chegar e quais as ambições para a experiência do cliente e as vendas; priorizar as iniciativas; desenvolver um plano claro e executá-lo.

Três supercomputadores brasileiros fazem parte da lista dos TOP 500 do mundo

Recentemente foi divulgada mais uma edição do ranking TOP 500 de supercomputadores, que classifica os computadores de alta performance no mundo. Fazem parte desta lista três supercomputadores brasileiros: o Santos Dumont, pertencente ao Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC); o Fênix, da Petrobras; e o Ogbon, do SENAI Cimatec da Bahia. Os três supercomputadores são considerados os maiores do Brasil e da América Latina, e foram construídos pela Atos, líder mundial em transformação digital.

Os computadores de alta performance são máquinas com velocidade de processamento e capacidade de memória milhares de vezes superiores aos computadores comerciais. Eles são utilizados para processamento paralelo, cálculos complexos e tarefas extensas e intensivas, que exigem na ordem de quatrilhões de cálculos por segundo. São geralmente empregados para pesquisas científicas em múltiplas áreas e com grandes volumes de dados, como meteorologia, geologia, medicina, Óleo & Gás, física etc. Os três gigantes brasileiros são:

Santos Dumont

Instalado em Petrópolis, no Rio de Janeiro, o Santos Dumont acaba de receber uma atualização de 4 Petaflops, passando para a capacidade de processamento total de aproximadamente 5,1 quatrilhões de operações por segundo, um aumento de aproximadamente 360% se comparado às especificações originais de 2015 de 1,1 Petaflops. A expansão é uma iniciativa em conjunto com o Consórcio Libra, liderado pela Petrobras e visa apoiar o desenvolvimento de pesquisas no setor de petróleo e gás, principalmente para estudos de imagens sísmicas em profundidade e simulação de reservatório em tempo real, com mais precisão. O SD está envolvido em cerca de 150 projetos de pesquisas que atendem desde a exploração de petróleo e gás, carvão mineral e energias renováveis, a ações como a pesquisa do vírus da ZIKA e Dengue, desenvolvimento de fármacos para HIV e estudos sobre clima. No ranking dos TOP 500 o Santos Dumont é o supercomputador de N°193.

O consórcio de Libra é formado pelas empresas Petrobras (Operadora, com 40%), Total (20%), Shell Brasil (20%), CNPC (10%) e CNOOC Limited (10%). O consórcio tem ainda a participação da companhia estatal Pré-Sal Petróleo (PPSA), que exerce papel de gestora do contrato.

Fênix

Em 195º no ranking dos TOP 500 está o Fênix, supercomputador utilizado pela Petrobras para desenvolvimento, aplicação de algoritmos e processamento de dados geofísicos. Com 48.384 núcleos de processamento e 55.296 gigabytes de memória, o Fênix processa dados geofísicos de sub superfície, os quais são adquiridos na superfície marinha ou terrestre, criando uma imagem bem definida do subsolo e de seus aspectos, tornando possível a identificação de possíveis acumulações de petróleo. O supercomputador otimiza o processo de geração das imagens sub superfície, diminuindo em até 4x o tempo de processamento dos dados geofísicos. O Fênix está localizado na Petrobras de Vargem Grande (RJ).

Ogbon

Na posição 347° do TOP 500 se encontra o supercomputador Ogbon que fica alocado no Centro de Supercomputação do Senai Cimatec, em Salvador. O equipamento foi financiado pela Petrobras e é utilizado na pesquisa aplicada de Geologia, Geofísica, Engenharia de Reservatórios e outros setores que abrangem a questão de óleo e gás. O Ogbon é composto por 78 nós de computação GPU (total de 312 placas aceleradoras GPU Nvidia V100 NVLink, totalizando 2.4 PetaFlops de pico e 1.6 PetaFlops sustentáveis) e 27 nós de processamento CPU com processadores Intel Cascade Lake.

“Ter três dos nossos computadores de alta performance classificados no TOP 500 na América do Sul é algo que nos dá muito orgulho e ajuda a posicionar a Atos como referência na supercomputação mundial. O Brasil já faz parte da lista das nações com grande capacidade de supercomputação, que cada vez mais se faz necessária para resolver problemas de negócio, em empresas públicas e privadas, e dos mais variados segmentos, como por exemplo o industrial e o financeiro entre outros”, afirma Luis Casuscelli, Diretor de Big Data e Segurança Cibernética da Atos.

Cognizant abre 40 vagas para área de tecnologia

No Brasil, levantamento divulgado ano passado pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (Softex) mostrou que, em dez anos, não apenas diminuiu a proporção de mulheres no mercado de tecnologia de informação (TI) como aumentou a diferença salarial entre elas e os homens.

O estudo é dividido em duas áreas: Core TI, que engloba os setores econômicos tipicamente da área, como desenvolvimento de programas, suporte técnico, tratamento de dados e provedores de conteúdo na internet; e TI in House, de profissionais que desempenham funções em outros setores, como financeiro, saúde e educação.

Em meio a esse cenário desfavorável para mulheres no mercado de TI, a Cognizant, uma das empresas líderes mundiais em tecnologia e negócios, investe no programa Aprendiz Women in Tech. A iniciativa visa a estimular, treinar e capacitar mulheres que estão cursando ou terminaram o ensino médio a atuar na área de tecnologia da informação.

Segundo Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio do IBGE, só 20% dos profissionais que atuam no mercado de TI são mulheres. Para Carla Catelan, head da área de Aquisição de Talentos da Cognizant, o projeto vai ao encontro dos valores organizacionais da companhia, que estão voltados à inclusão e diversidade. “O que precisamos é que elas queiram aprender e estejam abertas a conhecer este mundo novo, porque muitas não fazem ideia do que seja o universo da tecnologia, imaginam que seja manutenção de computadores, mas a Cognizant irá prover acesso a um portfólio tecnológico muito mais amplo.”

Para participar do processo seletivo, basta ter entre 17 e 21 anos, estar cursando o terceiro ano ou ter concluído o ensino médio. “Como se trata de um programa de capacitação, não é necessária experiência profissional. Basta ter noções básicas de pacote Office, vontade de aprender e comprometimento. Queremos fazer com que se apaixonem por tecnologia.”

O treinamento tem duração de 18 meses. A profissional trabalhará 6 horas por dia, de segunda a sexta-feira. O programa oferece vale-refeição, vale-transporte, convênio médico e salário compatível com o mercado. Ao fim do programa, haverá possibilidade de efetivação e crescimento profissional na Cognizant. As vagas são para diversas áreas: digital business, suporte, operações e área corporativa.

Para se candidatar, acesse careers.cognizant.com/br/pt até dia 21 de fevereiro.