Page

Author admin

Hospital das Clínicas da USP lança plataforma própria de captação de doações

Hospital das clínicas da Faculdade de medicina da Universidade de São Paulo – HCFMUSP lança hoje uma plataforma própria para captação de doações por parte da sociedade civil. Em um movimento espontâneo de diversos setores, pessoas físicas, organizações e empresas vêm se mobilizando para contribuir com o Hospital no enfrentamento da pandemia. Agora há um canal oficial para que essas doações sejam feitas.

Desde janeiro, o HCMFUSP vem se preparando para a chegada do Coronavírus por meio de seu comitê de crise. Entre outras iniciativas, reservou um instituto inteiro, com 900 leitos, para receber pacientes com COVID-19, e adquiriu insumos como máscaras e luvas em grande quantidade, de modo a prover os materiais de proteção para garantir a segurança de pacientes e colaboradores. Em um momento delicado como esse, em que o uso de materiais hospitalares e outras necessidades cresce muito, a ajuda de todos os setores da sociedade é uma excelente forma de manter o HCFMUSP forte e funcionando no seu melhor.

Por isso, muitos vêm procurando a instituição para saber como podem contribuir com recursos que possam ser revertidos em máscaras cirúrgicas ou N-95, luvas, óculos, testes de detecção do vírus, entre outras tantas necessidades. Em paralelo a isso, alguns de nossos residentes também se mobilizaram, lançando o movimento (#VEMPRAGUERRA), buscando angariar doações para o HCFMUSP utilizar nos próximos meses. Iniciativas como esta merecem todo nosso reconhecimento e agradecimento.

No entanto, devido à urgência das demandas que dispararam frente à crise do Coronavírus, a direção do HCFMUSP optou por ter sua própria plataforma de arrecadação de doações. Através do HCFMUSP, InovaHC, e Fundação e Faculdade de Medicina (FFM), estamos lançando um canal próprio de recursos –www.viralcure.org/hc – uma plataforma de código aberto que não faz custódia de fundos e não cobra taxas, direcionando a totalidade das doações para depósito direto na conta da FFM – entidade privada, sem fins lucrativos, reconhecida por seu caráter filantrópico, criada em 1986 por alunos da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) para atuar na promoção do ensino, pesquisa e assistência em saúde, e apoiar nas atividades da FMUSP e do HCFMUSP.

Com o lançamento desta plataforma, a campanha com a hashtag #HCCOMVIDA irá divulgar em diferentes mídias as missões que compõe a plataforma, criadas a partir de demandas reais, levantadas pelas equipes de gerenciamento de crise do HCFMUSP.

Convidamos a todos para que participem. Doando, compartilhando, e divulgando esta ação.

O #HCCOMVIDA é mais que um convite, é uma missão, para manter o HC vivo, e a população ainda mais forte.

Demanda de brasileiros por máscaras aumenta 5 vezes no AliExpress

O AliExpress, mercado global de vendas on-line do Grupo Alibaba, registrou um aumento na procura por máscaras e produtos de proteção de higiene pelo consumidor brasileiro desde março. A plataforma registrou 200% a mais de vendas de produtos voltados para higiene pessoal e de proteção à saúde, principalmente máscaras protetoras, que apresentaram um aumento de 500%. As consultas relacionadas a máscaras foram quase três vezes maiores em comparação a fevereiro.

Pensando no consumidor, o AliExpress passou a assegurar preços justos em sua plataforma, através da adoção de medidas contra vendedores que tentarem inflar os preços desses tipos de produtos durante o cenário atual. O AliExpress também está entrando em contato e auxiliando nas necessidades de entrega de distribuidores e fabricantes certificados na China para facilitar o fornecimento de equipamentos de saúde e proteção, como máscaras e luvas, a um preço de custo.

Uma pesquisa realizada pela NZN Intelligence, plataforma de pesquisa de mercado do NZN Group, apontou que a demanda de produtos de higiene pelos brasileiros se tornou uma prioridade para 80% das pessoas, passando na frente, inclusive, na procura por alimentos e remédios. Segundo o mesmo levantamento, 49% dos brasileiros consideram reavaliar seus gastos, sendo que 71% afirmam que pretendem aumentar o volume de compras online.

“À medida que o COVID-19 continua se desenvolvendo no Brasil e no mundo, produtos para ajudar a prevenir a contaminação e a disseminação desse vírus, como luvas e máscaras, são essenciais. No AliExpress, continuamos pensando em alternativas, planos e esperamos ajudar continuando com as entregas no Brasil”, afirma o líder do AliExpress para a América Latina, Ken Huang.

“Estamos vivendo uma situação muito incomum onde o mundo inteiro precisa permanecer unido. O AliExpress entende e se sensibiliza pela situação que o Brasil vem enfrentando nos últimos dias. Desejamos força e alegria para esse povo acostumado a sorrir”, completa Huang.

Apoio ao PME

Além dos problemas de saúde pública, o COVID-19 está afetando a economia mundial e comerciantes menores estão entre os grupos mais afetados pela crise. Segundo a Organização Mundial do Comércio, em 2018, pequenas e médias empresas representavam cerca de 70% do emprego global no mundo corporativo.

O AliExpress quer garantir que seus consumidores ainda consigam receber serviços e produtos de qualidade dos vendedores durante esse período difícil e, portanto, a companhia está monitorando a situação e implementando iniciativas para apoiar os PMEs (Pequenas e Médias Empresas) da plataforma, criando iniciativas que incluem taxas reduzidas ou isentas da plataforma, empréstimos com juros baixos e até sem juros, além da criação de vagas flexíveis de emprego.

O AliExpress sempre acreditou no papel fundamental das PMEs no desenvolvimento do comércio eletrônico e da economia mundial em todo o mundo. Desde o seu lançamento, a plataforma ajudou empresas menores a serem mais competitivas através dos benefícios do comércio mundial e, em 2019, abriu seu sistema para permitir que comerciantes estrangeiros se inscrevam e realizem vendas locais e globais, ajudando assim, a quebrar barreiras comerciais em todo o mundo para facilitar os negócios em qualquer lugar.

 

Convenia lança portal reunindo principais medidas trabalhistas que atingem as empresas brasileiras

Convenia, empresa de soluções voltadas para automatização do departamento pessoal, em parceria com a Zancaner, Salla e Faustino Advogados , escritório de advocacia conhecido pelo método Corelaw, que torna a linguagem jurídica mais simples e direta, acabam de lançar o portal Notícias Convenia.

O site traz, em tempo real, todas as medidas emergenciais realizadas pelo Governo federal, que afetam diretamente as áreas de Recursos Humanos e o Departamento Pessoal das empresas no Brasil. As mudanças fazem parte de ações do Estado para minimizar o impacto econômico que a chegada do novo coronavírus vem causando no país.

“Nós queremos que as empresas saibam quais medidas estão ou não valendo nesse momento. Que o conteúdo responda para o tomador de decisão o que pode fazer com relação aos seus funcionários: Pode adiantar férias? Diminuir salário? Promover férias coletivas?”, explica Marcelo Furtado, CEO e co- fundador do Convenia.

A iniciativa contará com apoio de profissionais como Thiago Carvalho, advogado especialista nas áreas de Direito do Trabalho e Empresarial; Jessica Leite é administradora e com sólido conhecimento em Departamento Pessoal e Marcelo Furtado, CEO do Convenia e vasto repertório em liderança e gestão de pessoas.

Acesse e acompanhe: coronavirus.convenia.com.br 

Startup lança sistema de delivery próprio para restaurantes no Brasil

Diante da crise decorrente do Covid-19, entre os mais diversos setores da indústria de serviços, o gastronômico é certamente um dos mais afetados. Porém, o uso tecnologia pode ser determinante para a sobrevivência deste mercado. Pensando nisso, a Tagme Food Solutions, startup que cria soluções tecnológicas restaurantes em 50 cidades do Brasil, está lançando um sistema de delivery próprio para cada um deles. Com taxas competitivas, e geração de novas bases de clientes para os restaurantes, a ferramenta chega para ajudar as empresas durante o período de retração do mercado.

Pioneira na criação de ferramentas digitais de hospitalidade para restaurantes, como serviços online de reservas, gestão de filas, captação de clientes e fidelização e CRM, essa é a primeira ação da Tagme voltadapara vendas fora do restaurante. “Diante do quadro do Coronavírus, houve um congelamento neste modelo de negócios, e vimos a necessidade de criar uma solução de delivery próprio para cada restaurante, com maior eficiência, menores taxas e geração de CRM para os estabelecimentos”, afirma João Paulo Alves, sócio-diretor da Tagme.

Ao contrário do modelo tradicional de marketplace, o serviço da Tagme cataloga informações sobre cada cliente para os restaurantes, possibilitando uma maior fidelização no futuro através de campanhas de engajamento. Com isso, os estabelecimentos poderão personalizar o atendimento e oferecer vantagens específicas para cada perfil de consumidor.

Serviço não necessita de download e oferece repasses mais rápidos aos restaurantes

Com um layout intuitivo e de fácil operação, a nova ferramenta pode ser incorporada nas redes sociais,whastapp, Google e sites dos restaurantes, facilitando a comunicação com o cliente e aumentando a agilidade nos pedidos, sem que haja a necessidade de o usuário baixar um aplicativo. Para a entrega, o estabelecimento pode optar por uma logística própria ou terceirizar com um parceiro de logística indicado pela Tagme. Outra vantagem é a velocidade do repasse, feito em cinco dias.

O serviço já foi adotado por 120 restaurantes, nas principais capitais do país, como Rio de Janeiro, São Paulo, Belo Horizonte, Porto Alegre, Salvador, Brasília e Teresina. Esse número tem potencial de crescimento alto, visto que a empresa atende hoje 800 clientes, em mais de 55 cidades, espalhadas por todas as regiões do Brasil.

Entre os clientes que já aderiram ao serviço estão nomes consagrados no setor, como Le Vin e Vokos, no Rio de Janeiro, Pobre Juan, Serafina, La Piadina, em São Paulo, e Amado, em Salvador. O sistema está disponível também para outros modelos de negócios, como lojas de conveniência e boxes do CEASA.

57% dos profissionais de RH estão confiantes em uma retomada positiva nos próximos dois meses

Com o objetivo de compreender os impactos da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19) nos processos seletivos, a Catho realizou uma pesquisa com 800 recrutadores para mapear as perspectivas de contratação em tempos de quarentena. Segundo o levantamento, 57% dos profissionais de RH estão confiantes em uma retomada positiva nos próximos dois meses.

Ainda segundo a pesquisa, 50% acreditam na efetividade do processo seletivo virtual durante a quarentena. Dentre os métodos utilizados para realizar o recrutamento estão videochamada (79%), ligações (63%), e-mail (33%), SMS (7%) e WhatsApp (2%).

Para Regina Botter, diretora de Operações da Catho, a adaptação é a palavra para este momento, uma vez que situações de crise também levam a oportunidades. Segundo a profissional, o universo empresarial sairá diferente após a pandemia, a partir de iniciativas que começam desde agora.

“Já observamos uma movimentação de mercado, principalmente entre os setores de comércio e de serviços, os mais impactados nesse momento inicial, que já deram os primeiros passos rumo à adequação de seus processos, como o sistema delivery, pedidos por aplicativos, implantação de e-commerce, entre outras iniciativas”, explica.

Ainda segundo a pesquisa, dentre as medidas que têm sido tomadas para manter o fluxo de trabalho em casa estão o uso de ferramentas de comunicação (80,5%), reuniões periódicas (50%), compartilhamento de documentos via nuvem (45%), utilização de ferramentas de gestão (21%) e treinamentos profissionais (15,5%).

Botter ressalta que o momento é de aprendizagem para muitas organizações, afinal, é a primeira vez que muitas estão se adequando para criarem seu escritório virtual. No entanto, a especialista pontua que existem diversas metodologias que auxiliam na proximidade entre lideranças e equipes.

“Muito mais do que as ferramentas de trabalho, o ponto chave para manter as operações funcionando está concentrado no colaborador. Diante de um momento em que a recomendação é o isolamento, atividades como café matinal, almoço em grupo e happy hour digitais são momentos que trazem essa sensação de unidade e de companheirismo, indispensáveis para esse momento”, afirma.

A profissional ainda destaca outras metodologias que auxiliam na rotina de trabalho e que foram adotadas pela Catho desde o início da quarentena, tais como: #MomentoPet, em que os profissionais tiram um período do horário de trabalho para ficarem com seus bichinhos, #MomentoKids, para brincar e curtir os filhos,#MomentoFamília, para ter tempo de qualidade com todos aqueles que convivem na casa e a #SalaVirtual, que permite momento de interação com toda a equipe de trabalho ao longo do dia.

Empresas passarão pela crise, mas precisarão de ajustes, aponta pesquisa LIDE com empresários brasileiros

Durante os dias 22 a 25 de março, 398 empresas das 1.700 filiadas ao LIDE – Grupo de Líderes Empresariaisresponderam formulário on-line sobre suas percepções, impactos e projeções sobre a crise causada pela pandemia de Covid-19, o novo coronavírus. Para 43,2% deles, a empresa irá passar pela crise, mas precisará fazer ajustes para sobreviver. A opinião é parecida para 31,2%, que afirmam que a companhia terá grandes dificuldades, mas passará pela crise. Apenas 1/5 dos líderes afirmam que suas empresas estão preparadas para enfrentar a crise em termos de fluxo de caixa, e 5,8% que dizem não ter nenhum preparo face à situação.

De acordo com a pesquisa promovida pelo LIDE, mais da metade dos respondentes projetam perdas entre 25 e 50% das suas receitas futuras. Dentro deste cenário, o estudo aponta que o corte de custos é o primeiro caminho a ser trilhado para 77,1% das empresas. Em nenhuma hipótese será possível manter o fluxo de pagamento e modelo operacional. A expectativa em relação à duração da crise é de 90 dias para 27,6%, enquanto que 23,6% dos líderes estimam um período mais curto: 60 dias.

Sobre as medidas econômicas anunciadas pelo Governo Federal, 57,8% dos líderes empresariais consideram boas, mas que precisam de um pacote mais abrangente. Para 28,9%, as medidas são insuficientes e de pouco impacto e 7,3% consideram ruins e precisam ser revistas. Apenas para 6% as medidas são suficientes para a crise. Em relação às medidas dos governos estaduais, as percepções são parecidas: 44,6% consideram boas; 29,2% acham insuficientes; 19,1% entendem como ruins e apenas 7,1% acreditam serem suficientes.

“Sabemos que a tarefa dos empresários brasileiros não será fácil. Há um longo caminho à frente. Entender o impacto inicial e as projeções dos líderes brasileiros é um movimento importante para que exista colaboração neste momento tão difícil”, afirma Luiz Fernando Furlan, chairman do LIDE, sobre a pesquisa. Todas as respostas com os líderes empresariais de quatro regiões do Brasil foram analisadas em tempo real pela equipe durante o período de coleta.

Para mais resultados da pesquisa LIDE, acesse bit.ly/pesquisaLIDE .

SONDA muda liderança executiva global

Com mais de 38 anos dedicados à SONDA, sendo 15 como CEO Global, Raúl Véjar deixa o cargo para se candidatar ao Conselho Administrativo. Durante o período em que esteve na liderança da companhia, Véjar realizou projetos significativos, como o processo de IPO, a ampliação do portfólio de soluções e serviços de TI – mais alinhado com as necessidade e desafios dos clientes, a consolidação da presença regional da SONDA em dez países da América Latina, o crescimento em receita e a execução dos planos trimestrais orientados à expansão da empresa.

Para substituir Raúl Véjar, o Conselho Administrativo da SONDA nomeou José Orlandini Robert como o novo CEO. Ele atuava como vice-presidente corporativo da Divisão de Serviços.

Orlandini é engenheiro civil eletricista, formado pela Universidade do Chile, e possui 34 anos de experiência na SONDA, tendo liderado, nos últimos anos, a área de negócios de Serviços em nível regional. Em sua carreira na companhia, liderou projetos emblemáticos na América Latina, como os de automatização de transporte público em Santiago e na Cidade do Panamá.

José Orlandini será responsável por consolidar os planos da empresa e manter a liderança da SONDA como a maior empresa de serviços e soluções de TI na América Latina, agregando valor e transformando os negócios dos clientes.

Em meio à pandemia, Certisign amplia serviço de renovação totalmente on-line dos Certificados Digitais

Com o intuito de desacelerar e reduzir os índices de infecção do novo Coronavírus no país, diversos governos estaduais decretaram que estabelecimentos (exceto aqueles que fornecem produtos ou serviços essenciais) fechassem as portas temporariamente, fazendo jus à determinação da quarentena. Entretanto, apesar das ruas vazias, muitas empresas continuam funcionando normalmente com colaboradores em home office — ou, mesmo que estejam inoperantes no momento, ainda têm de continuar relacionando-se com o fisco ou assinando documentos e contratos.

Diante deste cenário, a Certisign, a maior Autoridade Certificadora do País, tornou possível a renovação de Certificados Digitais totalmente on-line. Com esta medida, tanto os titulares dos Certificados Digitais de Pessoa Física, como Jurídica poderão fazer todo o processo de renovação sem sair de casa, em segurança, desde que o Certificado Digital deles seja elegível a este processo.

“Poupar clientes e colaboradores de saírem de suas casas neste momento crítico tem sido uma prioridade para nós, ao mesmo tempo em que entendemos que pessoas e empresas continuam precisando dar continuidade em suas rotinas, sem colocar em risco a saúde de seus colaboradores e negócio”, comenta Gustavo Klein, Gerente de Comunicação e Customer Experience da Certisign. “Poupar clientes e colaboradores de saírem de suas casas neste momento crítico tem sido uma prioridade para nós, ao mesmo tempo em que entendemos que pessoas e empresas continuam precisando dar continuidade em suas rotinas, sem colocar em risco a saúde de seus colaboradores e negócio”, comenta Gustavo Klein, Gerente de Comunicação e Customer Experience da Certisign.

Segundo Klein, as empresas podem aproveitar este momento, também, para ampliar o uso do Certificado Digital. “Muitos empresários e empreendedores não sabem, mas o Certificado pode ser usado para assinar documentos à distância. Ele funciona como uma assinatura de próprio punho com valor jurídico previsto na legislação, mas, para isso, ele precisa estar válido. Ou seja: negócios podem continuar sendo fechados mesmo sem a presença física e sem vai e vem de documentos. Com o uso do Certificado, tudo é realizado on-line”.

Covid-19: como evitar ou mitigar conflitos agora e no futuro próximo

Por Gustavo Milaré Almeida

As últimas semanas mudaram o mundo. A pandemia do Covid-19 já provocou sérias e irremediáveis modificações na nossa vida em sociedade. Para o bem e para o mal, a verdade é que o mundo que conhecíamos não existe mais.

Por um lado, quando voltarmos para a nossa vida cotidiana (o que — de forma segura — espera-se que ocorra o mais breve possível), acredita-se que as pessoas estejam mais conscientes das nossas inegáveis vulnerabilidades e, assim, ao menos, procurem ter mais empatia, compaixão e colaboração. Por outro lado, não há dúvida que atravessaremos uma crise global sem precedentes devido a esta pandemia, que talvez seja mais complicada de ser superada por alguns países, como o Brasil. Tempos ainda mais difíceis e desafiadores aproximam-se e nós precisamos pensar informada e conscientemente em como enfrentá-los.

Ninguém ainda saiba quais serão as reais consequências desta pandemia na sociedade, mas também não há dúvida que, desde já, devem ser tomadas as medidas adequadas para minimizá-las, cada um de acordo com as suas possibilidades e necessidades.

Nos negócios, além da preservação da saúde e do bem-estar dos funcionários/colaboradores — maior ativo de qualquer instituição, mesmo que, infelizmente, nem todos ainda tenham compreendido esse fato –, a ordem do dia é tentar manter a situação financeira controlada.

Nesse sentido, saber evitar ou mitigar conflitos será muito importante — talvez vital — para os negócios durante e, principalmente, após esta pandemia. Antecipar a resolução de possíveis disputas ou solucioná-las já neste momento, de forma hábil e eficiente, podem ser determinantes para enfrentar e, sobretudo, superar a referida crise global.
Diante das suas características, experiências recentes, implementadas/incentivadas com esta pandemia, têm confirmado que alguns meios de solução de conflitos têm se mostrado mais adequados para prevenirem ou solucionarem os conflitos decorrentes do isolamento a que fomos submetidos, em especial:

– a negociação, seja em sua modalidade chamada “facilitada”, conduzida por um terceiro imparcial, seja em sua modalidade chamada “estratégica”, auxiliada por um profissional especializado, para que, enquanto método de comunicação com resultados, as mais diversas formas de contratações possam ser revisadas e, assim, adequadas à nova realidade de cada envolvido, sem, ao mesmo tempo, deixar-lhes de ser interessante;

– a mediação, para que, com a ajuda do mediador, um terceiro imparcial, possa ser obtido um acordo satisfatório e sustentável (que talvez não fosse feito e/ou cogitado se não estivéssemos enfrentando tempos difíceis), mediante a exploração dos interesses de cada uma das partes no negócio e/ou pela superação das suas dificuldades em se comunicarem/fazerem-se ouvidas e compreendidas; e

– a avaliação neutra, na qual, antes ou durante um determinado caso, um terceiro imparcial especializado escuta as partes e examina os seus respectivos documentos para lhes apresentar a sua opinião ou como o caso deve ser julgado se submetido a um processo judicial ou arbitral, a fim de evitar que, devido a uma incorreta interpretação ou avaliação, ideias irrealistas sejam levadas a adiante e, por consequência, acarretem desperdício de tempo e dinheiro.

As decisões de agora refletirão diretamente na forma como superaremos esta pandemia e as suas consequências — reitere-se — ainda não sabidas em sua totalidade. Especialmente para os gestores, tomar as decisões certas talvez nunca tenha sido tão importante.

Gustavo Milaré Almeida, advogado, mestre e doutor em Direito Processual Civil e sócio do escritório Meirelles Milaré Advogados

Ingredion lança programa de inovação aberta

A Ingredion, líder global em soluções de ingredientes para as indústrias de alimentos, bebidas, nutrição animal, farmacêutico, papel, entre outros, com clientes em mais de 120 países e vendas anuais de quase US$ 6 bilhões, lança o seu Programa de Inovação Aberta para fortalecer, ainda mais, a posição que ocupa na vanguarda da inovação – em 2019, a empresa foi eleita, pela terceira vez consecutiva, uma das mais inovadoras na categoria Alimentos, Bebidas e Ingredientes pelo prêmio Valor Inovação Brasil.

O programa de inovação aberta foi lançado para toda a América do Sul e está apoiado em dois pilares: inovar com startups e inovar como startups.

Inovar com startups 

O Ingredion Open, que inicia no Brasil, é um programa focado em gerar negócios de forma rápida, indo além de mentorias, capacitações e eventos. A ideia é oferecer às startups a possibilidade de serem contratadas como fornecedoras ou parceiras da Ingredion para a solução de seis desafios propostos pelos colaboradores e priorizados pela liderança. Os desafios abrem oportunidades para HRTechs, Indústria 4.0, Fintechs e Foodtechs. São eles:

• Gestão de ponto e jornada de trabalho;
• Automação do planejamento da produção industrial;
• Gestão digital de documentos fiscais;
• Antecipação de recebíveis;
• Rastreabilidade de matéria-prima;
• Novos canais para comercialização de ingredientes.

Startups que tenham aderência aos desafios e pelo menos um produto ou serviço disponível no mercado podem participar do Programa. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas no site http://www.ingredionopen.com.br/ até o dia 26 de abril.

As startups escolhidas serão anunciadas no dia 30 de abril e enfrentarão as seguintes etapas:

• Pitch Day, em 7 de maio, para defesa da proposta,
• Imersão em cada um dos desafios, juntamente com a área correspondente da Ingredion, de 23 a 25 de junho,
• Criação de piloto, com desenvolvimento e teste prático,
• E, por fim, apresentação dos resultados obtidos em 28 de outubro.

“Diferente de outras iniciativas, o Ingredion Open é um programa focado em gerar negócios de forma rápida, além de possibilitar que as startups testem suas soluções e tecnologias com uma empresa líder em seu setor de atuação, como é o caso da Ingredion. É muito importante ressaltar que, em função do enfrentamento a COVID-19, estamos preparados para realizar as etapas virtualmente, com toda a segurança que o momento pede. Refletimos muito sobre lançar o programa agora, e nossa decisão foi a de seguirmos ativos. Também, por entendermos a importância de fomentar pequenos e médios negócios, ainda mais vulneráveis no contexto dessa crise”, pontua Adriana Rached, diretora de Estratégia e Negócios na Ingredion, responsável pela iniciativa na companhia.

Inovar como startup 

Com este objetivo, a Ingredion se valeu do que a faz ser uma das 150 melhores empresas para se trabalhar no País e preparou duas ações centrais, focadas em seu público interno. São elas:

Acelerar um projeto estratégico: a equipe terá de acelerar um projeto que esteja relacionado a uma das plataformas de crescimento da empresa (Proteínas de Planta, Sistemas de Ingredientes, Redução de Açúcar, Textutizantes, Ingredientes Naturais). O trabalho será desenvolvido como se fosse uma startup, com teste de hipóteses por meio de prototipação de mercado e dedicação do time em tempo integral ao projeto.

Programa Shark Tank: os times ou colaboradores poderão apresentar ideias para melhorar a eficiência operacional em suas áreas. Aquelas que forem “compradas” pelos “investidores” representados por um grupo de líderes serão testadas, com piloto prático, para uma possível implementação.

“Acreditamos que as pessoas são a grande força por trás da Ingredion. Por isso, não podíamos pensar em inovação e oportunidade de novos negócios sem envolver as equipes. Acreditamos que iremos encontrar e despertar muitos intraempreendedores. Temos muitas ideias, o desafio é executar e saber se funcionam. E ninguém melhor para fazer isso do que quem teve a ideia e acredita na proposta”, comenta Adriana Rached.

 

5 atitudes esperadas dos líderes durante períodos de instabilidade

Em função da pandemia de coronavírus e da renovação das estratégias de planejamento das empresas, ohome office tem sido uma alternativa para garantir a continuidade das operações, ao mesmo tempo em que resguarda a saúde e o bem estar dos colaboradores, impactando na produtividade, na economia de recursos e na gestão de pessoas. Por outro lado, as lideranças e os profissionais de todas as áreas e hierarquias passaram a vivenciar o incerto e a ter de superar grandes desafios.

Para garantir bons resultados, o novo modelo de trabalho também exige novas formas de gestão, que sejam capazes de engajar seus times à distância, de manter canais de comunicação ativos e transparentes, de assumir a fragilidade do momento e, principalmente, de confiar e prezar por suas equipes.

Segundo Ricardo Basaglia, diretor-geral da Page Executive no Brasil, unidade de negócio do PageGroup especializada em recrutamento e seleção de executivos para alta direção (o chamado “C-Level”), a pandemia e a decorrente situação de crise pode ser mais uma oportunidade para evoluirmos como sociedade, como empresas e como profissionais, que precisam trabalhar cada vez mais a autonomia e a autorresponsabilidade para que todos cumpram com suas responsabilidades. “De modo geral, o fato é que as lideranças vão precisar evoluir e, com isso, o mercado de trabalho também progride. É preciso manter o olhar humano. Quando tudo chegar ao fim, talvez as equipes não se recordem de todas as instruções e projetos realizados, mas com certeza todos se lembrarão como os fizeram se sentir”.

Confira abaixo cinco recomendações do consultor para o bom desempenho dos papéis de liderança durante períodos de instabilidade:

• Considere todos os stakeholders para a tomada de decisões 

Em primeiro lugar, todos os líderes devem saber equilibrar as cobranças dos times, dos acionistas e dos fornecedores para estarem aptos a tomarem as melhores decisões. É natural que, em um primeiro momento, as maiores preocupações estejam centradas nas finanças da empresa, afinal, é com isso que empregos serão protegidos. No entanto, qualquer medida que não leve em consideração todos os grupos, pode desestabilizar a corporação. Todos os pontos de contato devem estar alinhados para que as deliberações sejam efetivas. Em um momento desafiador como o que estamos passando, é preciso engajamento.

• Esteja preparado para todas as etapas que times remotos enfrentarão 

Líderes de times remotos têm grandes desafios. No primeiro momento, a equipe considerará trabalhar de casa legal. É novo, diferente e mais cômodo. Mas é muito importante saber que essa fase passará. Com o decorrer das semanas e possíveis casos de suspeita ou infecção de familiares ou de pessoas próximas, haverá uma preocupação crescente com a saúde e a desestabilização psicológica, também decorrente do enclausuramento forçado. Os colaboradores ficarão com medo de perderem seus empregos, a preocupação financeira surgirá e vamos acabar em uma situação de pessimismo generalizado. É hora de engajamento total. Estabeleça conversas frequentes e honestas com seu time. Mantenha a boa energia e evite ao máximo as opiniões pessoais ou ser levado por emoções. Precisamos esclarecer fatos e dados e seguir à risca as regras e recomendações dos governos e órgãos de saúde para evitar expor os profissionais e garantir a satisfação com as atitudes tomadas pela empresa.

• Entenda as políticas da empresa 

Como líder, é importante ser referência no estabelecimento de normas e recomendações da empresa. Mesmo que não tenha certeza das decisões que precisará tomar e das informações que levará ao time durante o momento de incerteza, não deixe de manter contato e esclarecer o momento atual com as pessoas. Embora seja importante demonstrar que não temos todas as respostas prontas, a liderança nunca deve desaparecer. Se não mantiver a equipe atualizada, informações desencontradas podem surgir e afetar os negócios.

• Crie uma equipe para lidar com ondas de informações 

Uma quantidade enorme de informações sobre a pandemia e as consequentes crises é distribuída diariamente nas empresas. Por isso, é importante criar uma equipe para o gerenciamento do tema, que possa monitorar e dar retornos rápidos em relação aos acontecimentos internos. O ideal é que pelo menos um colaborador de cada área relevante para o funcionamento da corporação, como Recursos Humanos, Finanças, Atendimento ao Cliente, entre outros, faça parte do grupo, viabilizando diferentes olhares e novas soluções para os problemas.

• Estabeleça metas e confie no time 

Defina metas para que as pessoas possam trabalhar remotamente e dê votos de confiança. Nota-se que há uma necessidade constante de estar próximo para conferir se as pessoas estão trabalhando mas, nos momentos em que não há essa possibilidade, é preciso alterar a forma de gestão e confiar no time. Continue acompanhando o desempenho de cada um. Estabeleça uma relação diária e deixe claro tudo o que será preciso fazer para estar no caminho certo. Não se esqueça que todos estão no mesmo barco e que a humanidade é necessária para passarmos pelo momento. No início das reuniões, comece perguntando como todos estão, mostre cuidado com as pessoas. Confira se todos têm a infraestrutura necessária para trabalhar e se precisam de algo.

Trabalho remoto acelera a área de inovação da Stone

Com a pandemia do novo coronavírus (covid-19), empresas do mundo inteiro, das startups às gigantes globais, tiveram que adotar políticas de home office como medida de contingência para proteger os seus colaboradores e, assim, evitar a propagação do vírus. Antes mesmo deste cenário, em 2017, a Stone já havia se adaptado a esse modelo de trabalho, para que os primeiros desenvolvedores da área de Inovação pudessem trabalhar — cada um em sua casa — na criação da Conta Stone.

Em apenas três meses, a área responsável pela Conta Stone da fintech de serviços financeiros já tinha mais de 40 pessoas de diferentes cidades. E, à medida que a equipe crescia, aumentava o desafio de manter todos na mesma página, engajados no projeto e se sentindo parte do time.

Depois de muitos erros e acertos, a área chegou a um modelo de home office que tem se mostrado bastante eficiente desde então. “Adotar o trabalho remoto facilita o recrutamento, aumenta o nível técnico do time, estimula a organização e a documentação e traz flexibilidade para o dia a dia”, afirma Renata Zenaro, líder de pessoas da área de Inovação.

Hoje, o time já tem mais de cem pessoas, com aproximadamente metade delas podendo frequentar o escritório e a outra metade trabalhando no modelo de home office de diversas regiões do país, como Bahia, Sergipe, Goiás, Pará, São Paulo e Rio Grande do Sul.

Como funciona o modelo de home office da área de Inovação da Stone:

Escritório virtual 

O time utiliza uma ferramenta única de trabalho, que permite reunir, além da comunicação, todas as tarefas, eventos e documentos em um único local. Assim, todos podem acessar e visualizar tudo de forma simples e centralizada.

Quem é quem 

Para que a comunicação à distância seja eficiente e para que cada novo colaborador remoto conheça parte do time com o qual irá trabalhar e entenda o tom de seus pares e líderes, o time realiza uma semana de integração presencial em sua sede, antes do início das atividades de fato.

Interação real 

A cada seis meses, o time todo se reúne no Rio de Janeiro, a fim de proporcionar a interação entre todas as áreas. São dois dias trabalhando juntos e um dia de festa, onde palestras e assuntos de trabalho dão lugar a esportes, jogos e dança.

Sem interrupções 

A teleconferência é bem-vinda, mas não é regra na área. A regra é evitar interromper alguém durante o momento produtivo para falar sobre um assunto que pode ser tratado por escrito, de forma estruturada, e avaliado por todos posteriormente.

Todos na mesma página 

Semanalmente, todos os colaboradores recebem uma newsletter com tudo o que está acontecendo na área, desde a chegada de novos funcionários aos projetos em andamento, status da operação, produtos e parcerias.

Muita documentação 

O time é estimulado a documentar e compartilhar toda informação relevante. Esse hábito ajuda na visibilidade do trabalho para todos e contribui para a gestão do conhecimento (o que ainda ajuda na integração de novas pessoas).

Proximidade 

Sempre tem alguém do time de pessoas por perto e à disposição de todos (principalmente dos que trabalham de casa) para acompanhar como as pessoas estão e ajudar a resolver os problemas rapidamente.