Page

Author admin

Geocycle investe R$ 25 milhões em coprocessamento no Brasil

Divisão do Grupo LafargeHolcim responsável pelo gerenciamento e destinação correta de resíduos industriais e domésticos ao redor do mundo, a Geocycle investiu R﹩ 25 milhões nas cinco unidades brasileiras da cimenteira, com vistas à sustentabilidade do negócio. Nelas, são transformadas em energia e matéria-prima mais de 170 mil toneladas de resíduos por ano por meio do coprocessamento. Segundo o Panorama de Resíduos Sólidos da Abrelpe, o Brasil reúne 3% da população mundial, que gera 6,5% do lixo do planeta: resíduos que precisam ter destinação ambiental correta.

A.T. Kearney divulga previsões socioeconômicas para 2020

A A.T. Kearney, consultoria global de gestão estratégica, acaba de divulgar as 10 previsões sociais e econômicas para 2020. Intitulado Year-Ahead Predictions 2020, o relatório desenvolvido pelo Conselho de Políticas Globais de Negócios da A.T. Kearney prevê que o próximo ano será marcado pelo acirramento das guerras entre gerações, pelo surgimento de modelos de negócios, inovação e novas políticas urbanas em resposta à crise climática e por uma corrida pelo lançamento da tecnologia 5G em todo o mundo.

A aparição — e o destaque — de Greta Thunberg e os recentes protestos em massa, do Líbano ao Chile, refletem o crescimento da insatisfação gerada pela manutenção das gerações mais velhas em posições de autoridade, enquanto os mais novos ganham voz quando se fala em desigualdade econômica, mudança climática e outras questões sociais.

O relatório também indica que as mudanças climáticas devem inspirar novos modelos de negócio, inovações tecnológicas e novas políticas urbanas em 2020. “À medida que as mudanças climáticas continuam a desafiar cada vez mais comunidades ao redor do mundo, empresas e governos devem encontrar novas maneiras de contornar a crise hídrica e oferecer suporte às vítimas dos cada vez mais frequentes desastres naturais”, analisa Paul A. Laudicina, fundador e chairman do Global Business Policy Council da A.T. Kearney. “As administrações municipais também continuarão liderando a busca por soluções para mudança climática. Entre elas estarão políticas para a redução da emissão de carbono e a construção de infraestruturas mais resilientes”, completa.

De acordo com as análises da A.T. Kearney, 2020 também deve ser marcado pela maior competição na área da tecnologia. Os governos devem impor novas regulamentações para as empresas do setor, especialmente à medida em que aumentam os níveis de digitalização não apenas nas organizações, mas também na forma como os cidadãos demonstram seu nacionalismo. Para os autores do relatório, as regras relacionadas à privacidade de dados devem se proliferar em 2020.

A lista completa de previsões da A.T. Kearney para o próximo ano inclui:

1. Acirramento das guerras entre gerações à medida em que as linhas de batalha se definem
2. Inovação estimulada por uma onda de crise hídrica
3. Cidades vão evoluir mais rapidamente para atender a desafios de clima e infraestrutura
4. Surgimento de uma nova economia para recuperação de desastres à medida que as catástrofes se tornarão mais frequentes e severas
5. Mercado de consumo islâmico vai ultrapassar US$ 2,5 trilhões globalmente
6. Os Estados Unidos encontrarão desafios na corrida do 5G
7. Regras de privacidade de dados serão proliferadas, baseadas nos padrões das regulações estabelecidas pela União Europeia
8. Nordeste da Ásia se tornará um hotspot geopolítico ainda mais forte
9. Valorização da moeda americana
10. Interesses comerciais e nacionais chegarão à corrida espacial

Leia aqui o relatório completo.

Liftoff expande operações no Brasil

A Liftoff, líder de marketing e retargeting de aplicativos, anuncia Antonio Affonseca como General Manager da Liftoff no Brasil, como parte da sua decisão de expandir as atividades na América Latina.

Conhecido no mercado, Affonseca, possui mais de 10 anos de experiência em marketing, sales e tecnologia e irá liderar os esforços de crescimento da Liftoff no Brasil e América Latina. O executivo trabalhará com grandes clientes e tem como foco mostrar aos profissionais de marketing o potencial da Liftoff em aquisição de usuários.

“Com o Brasil em 5º lugar no mundo em uso de smartphones e a crescente base de clientes da Liftoff na região, estamos entusiasmados em investir em recursos locais para ajudar os anunciantes brasileiros a ampliar ainda mais a base de usuários seus aplicativos móveis de forma estratégica”, avalia Mark Ellis, CEO da Liftoff.

TIM investe em solução global para lançar serviços de IoT

A TIM fechou contrato com a Nokia para oferecer no Brasil serviços de Internet das Coisas (IoT, na sigla em inglês) por meio da solução WING (Worldwide IoT Network Grid). A solução, totalmente virtualizada de serviços gerenciados pela empresa finlandesa, permite que a TIM faça a expansão da oferta de serviços para seus clientes corporativos de indústrias, como automotiva e agrícola, viabilizando o desenvolvimento de aplicações de IoT mais rapidamente e com segurança.

“Queremos dar um salto no mercado de Internet das Coisas, impulsionando a participação da TIM no mercado corporativo. Estamos ansiosos para colaborar com outros players globais de IoT, a fim de trazer a melhor experiência possível para nossos clientes. A solução Nokia WING nos permitirá acelerar nossos recursos com novos modelos de negócios para atender às necessidades do mercado empresarial”, afirma Alexandre Dal Forno, Head de Produtos Corporativos & Soluções IoT da TIM Brasil.

Considerado o maior mercado de IoT da América Latina, o Brasil deve injetar US﹩ 200 bilhões à economia até 2025* com a adoção generalizada de tecnologias de IoT. A TIM é a primeira empresa na América Latina a fechar um acordo com a Nokia para a oferta da solução WING, o que apoiará a operadora a aproveitar também novos modelos de negócios. Além disso, serviços incrementais, como gerenciamento e análise de dispositivos, ajudarão a TIM a estender os recursos de gerenciamento de SIM para criar oportunidades de valor agregado.

“Este acordo apoiará a TIM Brasil a fornecer a seus clientes corporativos serviços de IoT para atender às suas crescentes necessidades. Além disso, novas soluções de IoT poderão ser aplicadas em vários setores para ajudar as empresas no processo de transformação digital”, celebra Sanjay Goel, presidente de serviços globais da Nokia.

A WING permitirá que empresas locais e multinacionais se beneficiem dos serviços globais de Internet das Coisas. A solução possui uma arquitetura distribuída que mantém todas as informações do usuário no país, garantindo sua privacidade.

Com a solução, os clientes corporativos da TIM poderão monitorar e gerenciar em tempo real seus dispositivos, desde rastreamento de ativos e sensores de status para indústrias de logística até carros totalmente conectados com diagnóstico e telemática a bordo. Como parte da implantação, a plataforma Nokia IMPACT IoT, que simplifica o processo de trazer e dimensionar vários aplicativos em uma única plataforma, fornecerá gerenciamento de dispositivos de Internet das Coisas e exposição de APIs com novos serviços.

* Fonte: Estudo “Internet das Coisas: um plano de ação para o Brasil”

Maioria dos gestores de risco não se sente capaz de avaliar riscos de IA, processos robóticos e blockchain, diz estudo da Accenture

Na última década, instituições do setor financeiro tiveram que lidar com ondas de novas e complexas regulamentações, enfrentaram fraudes e crimes financeiros cada vez mais sofisticados e convivem com a ameaça de ataques cibernéticos. O novo estudo Accenture 2019 Global Risk Management Study da Accenture, realizado com cerca de 700 executivos nos setores bancário, de seguros e do mercado de capitais em todo o mundo, elenca os principais fatores de risco e desafios para a gestão financeira frente às novas tecnologias, considerando o cenário de novas e complexas regulamentações, fraudes sofisticadas e ataques cibernéticos.

Alguns dados de destaque da pesquisa são:

• Cerca de 58% dos gerentes de risco entrevistados ​​dizem que os riscos associados às tecnologias disruptivas têm um impacto maior em seus negócios hoje do que há dois anos.

• Já os riscos associados às violações de dados tiveram o segundo maior aumento no impacto percebido: 55% dos executivos relatam aumento.

• 89% dos entrevistados entendem que não são totalmente capazes de avaliar os riscos associados à adoção da IA, 91% e 95% dizem o mesmo sobre a automação de processos robóticos (RPA) e blockchain, respectivamente.

• 72% dos entrevistados ​​dizem que novos riscos complexos e interconectados estão surgindo em um ritmo mais rápido do que sua própria capacidade de acompanhamento.

• Quase três quartos (72%) dos entrevistados disseram que novos riscos complexos e interconectados estão surgindo mais rapidamente do que nunca.

“À medida que o cenário de riscos continua mudando e evoluindo – com uma complexidade crescente na proteção contra violações de dados e na administração de novas ameaças interconectadas – gerentes de riscos precisam se adaptar e adotar novas ferramentas e abordagens, incluindo fontes mais amplas de dados, advanced analytics e IA, mesmo diante de um cenário de crescentes pressões de custo “, disse Steve Culp, diretor executivo sênior na Accenture, que lidera a prática de finanças e riscos da empresa.

Porcentagens de gerentes de risco que julgam ser ‘totalmente capazes’ de avaliar os riscos associados à adoção de diferentes tecnologias pela organização

Com os vazamentos de dados, muitos dos riscos que as empresas de serviços financeiros enfrentam hoje são multidimensionais e interdependentes, afetando várias partes dos negócios de diferentes maneiras. Como exemplo, concorrentes não tradicionais surgem em um ritmo crescente e usam ferramentas digitais para ganhar participação de mercado de forma rápida. Além disso, criminosos constantemente invocam novas maneiras de lançar ataques cibernéticos. E as empresas frequentemente precisam gerenciar o potencial de expor vulnerabilidades inesperadas toda vez que experimentam tecnologias novas, mais flexíveis e poderosas, como IA, machine learning e blockchain. O estudo Breaking through Disruption da Accenture conclui que, dos 18 setores analisados, os mercados de seguros, bancos e capitais são mais suscetíveis a interrupções futuras.

Desafios com dados impedem a adoção de análises avançadas

De acordo com o estudo, os três principais obstáculos à implementação de advanced analytics em toda a análise de risco são os silos de dados, falta de clareza quanto à regulamentação e desafios de integração com sistemas legados.

Por outro lado, os gerentes de risco sabem que precisam melhorar a maneira como coletam e analisam dados para gerar insights úteis. Por exemplo, quase dois terços (63%) disseram que estão melhorando sua capacidade de coletar dados em toda a empresa e 66% disseram que estão aprimorando sua capacidade de analisá-los. Por fim, o estudo observa a necessidade de obter dados tradicionais mais rapidamente e utilizar novas fontes de dados, incluindo marketing e mídia social, para ajudar a responder a ameaças e agregar valor aos negócios.

Saiba quais habilidades mais fizeram sucesso no mercado em 2019

Não é novidade para ninguém que as carreiras voltadas para tecnologia são as que estão chamando mais a atenção do mercado nos últimos anos. Mas, quais foram os profissionais mais requisitados em 2019? Um levantamento feito pela Revelo , plataforma de recrutamento digital que tem mais de 7 mil empresas cadastradas, mostrou esse ranking e fez uma comparação com 2018.

As carreiras analisadas foram: desenvolvedor, design, marketing online, business intelligence, tecnologia da informação e finanças. De acordo com Adriana Ferreira, Gerente de Sucesso do Cliente da Revelo, é possível observar uma movimentação de mercado. “Profissionais de desenvolvimento com qualificação em Java tiveram, por exemplo, o dobro de requisições de um ano para outro. Já a área de finanças foi a que sofreu mais alterações, habilidades específicas relacionadas a contas a pagar e receber e conciliação bancária, que não apreciam em 2018, passaram a integraro ranking neste ano”, pontua.

Abaixo a lista com as habilidades mais procuradas em 2019:

Após períodos turbulentos na economia do país, resultado positivo do PIB no terceiro trimestre gera uma onda de expectativas para retomada das contratações em 2020. Mas, é preciso se qualificar para entrar no páreo das melhores vagas. De acordo com um levantamento realizado pela norte-americana Korn Ferry, o próximo ano vai ser marcado por uma carência de quase 2 milhões de pessoas para postos especializados no meio digital.

“O que observamos é que, apesar do alto índice de desemprego no país, a camada de profissionais que são altamente qualificados e operam em cargos de liderança é menos impactada pela estremecimento da economia. O efeito, na verdade, é contrário: as empresas sentem dificuldade de encontrar mão de obra especializada”, finaliza.

Black Friday 2019: vendas de PMEs brasileiras aumentam 85% em comparação com 2018

Não é novidade que a Black Friday tem se consolidado como uma das principais datas para o comércio brasileiro. O que surpreende, no entanto, é a curva ascendente da data no País, principalmente no quesito compras. De acordo com o estudo Nuvemcommerce, sobre a Black Friday, realizado pela Nuvemshop, líder de e-commerce na América Latina, o valor gasto pelos brasileiros aumentou cerca de 250% nos últimos dois anos, passando de R$ 8 milhões (2017) para R$ 14 mi (2018) e R$ 26 mi (2019), o que representa 65% do faturamento Latam, nesse período, que chegou a R$ 40 milhões.

A pesquisa, que analisou a movimentação de mais de 30 mil PMEs que compõem a base da companhia, apontou ainda um aumento das vendas por minuto no País, reforçando a importância da sexta-feira de descontos para o comércio. De 2017 para cá, houve um acréscimo de 164%, saindo de 3,31 vendas/minuto (2017) para 5,32 (2018) e chegando a 8,74 (2019).

Em relação aos produtos mais comprados, os líderes nos anos analisados foram moda, vestuário, saúde e beleza, com quase 50% do total. Este cenário não se repete, porém, quando é analisado o gasto médio. De 2017 a 2019, as compras de viagens foram as responsáveis pelas faturas mais altas, atingindo uma média de R$ 3.000,00. O segundo lugar em gasto variou durante os anos, sendo que em 2017 e 2018 foram ocupados por itens esportivos, e em 2019 pelos eletrônicos.

Canais favoritos

Dispositivos mobile foram os meios preferidos pelos consumidores brasileiros para as compras da Black Friday em 2019, mantendo a posição de destaque conquistada em 2018, primeira vez que os celulares ocuparam o primeiro lugar. Neste ano, cerca de 63% das aquisições de produtos e serviços na data vieram de celulares, enquanto os desktops ficaram com uma fatia de 36%. Para efeito de comparação, em 2018, 57% das compras tinham sido realizadas por celulares e 43% por computadores.

Já as redes sociais tiveram queda de 3%, na comparação 2018 / 2019, depois de mais de 20% de crescimento de 2017 para 2018, mas mantiveram o papel de relevância, sendo as escolhidas em 19,9% das compras, com destaque para o Instagram, que reuniu 80% das vendas neste ano e 75% em 2018.

Todos esses dados apontam como os lojistas precisam ficar atentos e se adaptarem às tendências de consumo para que, em datas como a Black Friday, não percam vendas. “Para que os varejistas consigam atrair e reter pessoas em seus e-commerces, é importante estarem sempre atentos ao perfil e às preferências de compras. Dessa forma, é possível oferecer uma experiência de usuário cada vez mais completa, convertendo, dessa forma, em vendas frequentes”, explica Alejandro Vázquez, cofundador e CCO da Nuvemshop.

Para ter acesso à pesquisa na íntegra, cadastre-se em http://bit.ly/2OPqfd9.

Visão sistêmica: o “pulo do gato” para os profissionais autônomos de Tecnologia

Com o avanço tecnológico, paredes e concretos deixaram de ser sinônimos de uma empresa, sendo que atualmente o negócio próprio encontra-se a apenas a um clique de distância. Diante desse contexto, uma pesquisa realizada pela Workana identificou que a área de Tecnologia é a segunda maior responsável por profissionais freelancers no Brasil (32%) – o que transforma a visão sistêmica em um pulo do gato para quem deseja ter sucesso nesse mercado. Na prática, a iniciativa trata-se da habilidade de lidar de maneira integrada com todas as partes do negócio tais como Networking, Finanças e Atendimento ao Cliente.

Ao avaliar esse panorama, Arthur Alves, head da Locaweb Pro – unidade de negócios da Locaweb, reforça a importância de existir uma conscientização dos profissionais autônomos de TI em desenvolver habilidades que vão além de linguagens técnicas. “Um diferencial de performance recorrente em pessoas que atuam no ramo tecnológico é a facilidade de compreender e aplicar técnicas até mesmo de forma autodidata. Contudo, deixam de lado reflexões sobre estratégias de negócio”.

Pensando em suprir essa necessidade do mercado freelancer, a unidade de negócios lançada em meados de 2018 nasceu para atender agências e desenvolvedores que tenham como objetivo ganhar produtividade e expandir seus negócios. “A proposta da marca é auxiliar no desenvolvimento de uma visão estratégica direcionada a esse público a partir da identificação dos pontos fortes e fracos de cada negócio. Ao todo, foram idealizados três níveis de parceria em formatos personalizados com o intuito de melhor atender os clientes conforme sua maturidade de negócio e tecnológica”, explica Alves.

Para os interessados nesse estilo de consultoria, a equipe da Locaweb Pro disponibiliza descontos em produtos, revenda de soluções, dicas e benefícios para auxiliar o negócio, e descontos ou gratuidade no acesso a eventos de Tecnologia. Além disso, a unidade tem fluxos de trabalho diferenciados, como suporte exclusivo e dedicado aos parceiros.

Cerca de 70 milhões de pagamentos por aproximação foram realizados em 2019, indica Mastercard

Os pagamentos por aproximação seguem avançando em ritmo acelerado no Brasil. Segundo dados da Mastercard, até novembro de 2019, as transações utilizando essa forma de pagamento cresceram em média 22% ao mês, totalizando, nos onze primeiros meses, mais de 68 milhões de pagamentos, montante quase nove vezes maior do que o total de transações realizadas no ano de 2018. O crescimento dessa forma de pagamento foi impulsionado por mudanças significativas no ecossistema, cartões Mastercard emitidos desde abril de 2019 contam com o chip EMV e tecnologia de pagamento por aproximação.

O ticket-médio dos pagamentos por aproximação no país é de R$49,43, valor em que a transação pode ser realizada sem necessidade de inserção de senha. Na hora de realizar o pagamento por aproximação, o método preferencial dos brasileiros segue sendo o cartão físico, responsável por 72% das transações por aproximação em novembro. Os números acompanham o aumento da circulação de cartões habilitados, dados da Associação Brasileira de Empresas de Cartão de Crédito e Serviços (Abecs) mostram que 10% dos usuários no país já tiveram contato com cartões habilitados para esse tipo de operação, que possuem, atualmente, 5,5% de penetração no mercado brasileiro.

As carteiras digitais, presentes em smartphones e smartwatches, são o segundo método preferencial dos brasileiros para realização de pagamentos por aproximação. Em novembro, transações com essa tecnologia representaram 28% do total dos pagamentos por aproximação realizados.

O número de cidades aptas para essa nova tecnologia também vem crescendo, até o momento 4.970 municípios brasileiros já realizaram pelo menos uma transação por aproximação. O ranking de principais praça de utilização é liderado por São Paulo, seguido de Brasília, Rio de Janeiro, Curitiba e Belo Horizonte. Os principais estabelecimentos comerciais onde o pagamento por aproximação é mais utilizado são redes de fast-food, restaurantes, postos de gasolina e lojas de conveniência.

Para João Pedro Paro Neto, Presidente da Mastercard para Brasil e Cone Sul, os dados indicam uma mudança de comportamento do consumidor brasileiro, que tem aderido cada vez mais a esse tipo de tecnologia, reconhecendo a comodidade que ela proporciona. “O caminho que estamos trilhando no Brasil é muito semelhante ao de outros países. Primeiro incentivamos a aceitação, em seguida, capacitamos os emissores e, por fim, emitimos os plásticos e habilitamos as carteiras digitais. Nosso objetivo é chegar ao mesmo patamar de países como a Austrália, em que 90% dos pagamentos físicos são feitos por aproximação, para isso, estamos impulsionando a adoção dessa tecnologia em todo o país por meio de campanhas educativas e parcerias com toda a indústria”, concluiu o executivo.

Sobre o pagamento por aproximação

Rápido, prático e seguro, o pagamento por aproximação oferece a conveniência de fazer transações apenas tocando os dispositivos em um leitor habilitado, sendo até 10 vezes mais rápido do que outros tipos de pagamento. Os pagamentos por aproximação são ideais para transações de baixo valor e situações que requerem uma velocidade de pagamento maior para diminuir filas.

Plataforma brasileira Skiw.me é finalista do Reimagine Education 2019

O Skiw.me, aplicativo gratuito para desenvolvimento e validação de habilidades através do uso de blockchain, ficou entre os quatro finalistas na categoria blockchain na Reimagine Education, da Wharton Universit, que foi realizada nos dias 8, 9 e 10 de dezembro em Londres e é considerada uma das maiores conferências e competição global no setor de Educação do mundo. Ao todo, foram quatro projetos brasileiros entre os 160 finalistas de mais de 1500 inscritos.

Com o advento da automatização de processos que as empresas estão aderindo, algumas funções são descontinuadas, acarretando inúmeras demissões. Segundo o Fórum Econômico Mundial, a estimativa é que em torno de cinco milhões de empregos não existirão até 2020. Na contramão surgem novas ferramentas que, através de desafios e premiações, endossam habilidades para suprir a necessidade imediata por recolocação profissional, como o investimento estudantil. A democratização e a descentralização de plataformas de educação, como o Skiw.me, podem ajudar na requalificação do usuário.

O Skiw.me é um dos quatros projetos tecnológicos incubados pela Atmo Educação. “Estamos muito satisfeitos com este reconhecimento do nosso novo projeto. Atualmente, lidar com as habilidades revela-se cada vez mais relevante no mundo educacional e corporativo”, aponta Felipe Diesel, Head de Inovação de Atmo Educação.

O encontro reuniu a participação de edtechs, equipes docentes das principais universidades, diretores de inovação, investidores, lideranças, professores e interessados no futuro do ensino. O pool de financiamento no valor de U﹩ 50,000 foi entregue aos vencedores em uma cerimônia de gala. Nesta edição de 2019 concorreram 1507 inovadores educacionais de 39 países em 16 categorias de prêmios.

Reimagine Education Awards

Foram três dias de imersão no Reimagine Education Awards. O primeiro dia foi dedicado à promoção do desenvolvimento profissional dos profissionais de edtechs e do corpo acadêmico. O College Business teve um roteiro com uma série de atividades de aprendizado ativo, workshops e exercícios práticos utilizando novas ferramentas pedagógicas.

No segundo dia, a delegação conheceu as melhores inovações e experiências pedagógicas desse ano. Os finalistas fizeram uma apresentação dos projetos em intervalos de sete minutos, divididos em quatro faixas e em salas distintas. Além de conhecer as principais universidades e empresas emergentes de edtechs, foi um ambiente propício para ampliar o networking.

O evento reuniu os principais líderes globais de educação para analisar as práticas pelas quais a tecnologia e os modelos educacionais – incluindo a aprendizagem ao longo da vida, a universidade interdisciplinar e um quadro reimaginado das Artes Liberais – podem inspirar essa expansão. Ao final, os educadores do Ensino Fundamental e Médio e demais palestrantes e especialistas se juntaram para avaliar os projetos.

Cinco profissões que devem transformar o futuro do mercado de tecnologia

A área de tecnologia, no passado, era vista como um setor de apoio. O quadro vem se alterando e hoje é um dos setores mais estratégicos nas companhias, envolvendo tanto aspectos de infraestrutura quanto de inovação. O setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) movimentou R$479 bilhões ou aproximadamente 7% do PIB em 2018, segundo projeções da Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom).

Nesse sentido, a expectativa do mercado é de que cada vez mais as contratações devam crescer, com alguns cargos e profissionais sendo mais demandados nesse setor. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), por exemplo, afetará diretamente o dia a dia dos cidadãos tendo reflexos nos setores da TI que utilizam a análise de dados, principalmente aqueles coletados da web, o que exigirá profissionais cada vez mais analíticos e qualificados.

O IGTI , escola de pós-graduação 100% online para o mercado de tecnologia e tendências de inovação, realizou um levantamento que apresenta as 5 profissões que irão transformar o mercado de tecnologia nos próximos anos. Confira as exigências do mercado, quais as áreas de atuação e média salarial de cada função:

Profissional de Big Data e Cientista de Dados

Para atuar nesta área é necessário que o profissional seja multidisciplinar e tenha características autodidatas. É necessário estar apto a realizar análise de dados, lidar com indicadores e buscar insights em grandes massas de dados. A faixa salarial de um cientista de dados está em torno de R﹩ 9 mil no regime CLT.

Profissional de Machine Learrning

Machine learning é um método de análise de dados que automatiza a construção de modelos analíticos. Para trabalhar nesta área o profissional precisa ter um perfil lógico e matemático, multidisciplinar e autodidata para realizar análise de dados, criar automações utilizando recursos da Inteligência Artificial. Em um regime CLT a média salarial para esta função é de R﹩10 mil.

Gestor de Segurança em Tecnologia da Informação

Este é um profissional que irá potencializar a segurança de dados e sistemas de organizações garantindo os requisitos de confidencialidade, disponibilidade e integridade. O profissional deve ser multidisciplinar e autodidata. Além disso é requerido um perfil investigativo para atuar nesta área. A média salarial desta função está entre R﹩ 7 mil e R﹩10 mil em regime CLT.

Gestor de Inovação

Este é o profissional responsável por repensar estratégias de produtos, processos e serviços das organizações, com o objetivo de melhorar o modelo de negócio. É necessário organização e capacidade de análise ágil para este cargo. Atualmente a faixa salarial de um gestor de inovação é em média de R﹩ 8 mil.

Arquiteto e Engenheiro 3D

Um profissional responsável por lidar com realidade virtual e aumentada em diversas áreas do mercado. Para trabalhar nessa área é necessário ter um perfil altamente criativo e inovador, a faixa salarial deste setor da tecnologia é de R﹩ 7 mil.

Para preparar esses profissionais, o Instituto de Gestão e Tecnologia da Informação oferece diversos cursos para quem gostaria de atuar nestas funções. Entre os cursos mais procurados estão o MBA em Big Data, Deep Learning, Visão Computacional, Machine Learning, Realidade Aumentada, Jogos Digitais e Segurança Cibernética.

Canary capta fundo de U$ 75 milhões para investir em startups brasileiras

A firma de investimentos Canary acaba de anunciar a captação de seu segundo fundo, no valor de U$ 75 milhões, para investir em startups que operam no Brasil. Posicionada como o primeiro investidor institucional (participando de rodadas Série A ou seed), já investiu em 57 empresas desde o ínicio de suas operações, em 2017.

O closing do Canary Fund II fortalece o posicionamento da firma de VC no ecossistema brasileiro de startups – agora, com US$ 120 milhões sob gestão e um time de 13 pessoas. “Um de nossos maiores objetivos quando levantamos o primeiro fundo (Canary Fund I, de US$ 45 milhões) era ajudar as empresas investidas a partir da construção de uma rede relevante de empreendedores ao nosso redor. Ainda que esteja em seus primeiros anos, o Fund I está performando além de nossas expectativas iniciais”, diz Marcos Toledo, co-fundador e managing partner do Canary.

Com o Canary Fund I, a firma investiu em 51 companhias. Desde julho deste ano, o recursos do Canary Fund II foram aportados em outros 6 negócios – a expectativa é a de que o segundo fundo, assim como o primeiro, invista em aproximadamente 50 startups. As empresas investidas pelo Canary até agora já geraram mais de 1.400 empregos e levantaram mais de US$ 400 milhões em rodadas subsequentes.

Nos últimos anos, o time do Canary cresceu de 5 para 13 pessoas, trabalhando em todo o país para encontrar os melhores empreendedores e empresas, criar uma forte rede de talentos, conexões corporativas e fundadores de startups. Outro dos principais esforços do time é coletar a avaliar dados que podem ser úteis para founders de investidas, como, por exemplo, a respeito de rodadas subsequentes ou do espaço para investimentos no ecossistema brasileiro de tecnologia. “Como os primeiros investidores, temos acesso a um grande número de informações, ainda quando as empresas estão em estágio inicial. Ao longo do tempo, vamos conseguindo retirar insights úteis sobre como melhorar nosso processo de análise de investimentos e também o suporte que damos para as companhias de nosso portfólio levantarem rodadas subsequentes”, explica Toledo.

Entre seus investidores, Canary Fund II conta com líderes de setores do Brasil, empresas globais de capital de risco e renomados empreendedores de tecnologia. “Como no Fund I, nós selecionamos nossos investidores para o Fund II considerando também o valor que eles(as) poderiam gerar para as empresas que investimos”, diz Patrick de Picciotto, co-fundador do Canary. A ideia de criar uma firma ancorada por uma rede de contatos foi o conceito central por trás da fundação do Canary. “Bons empreendedores querem falar com bons empreendedores. Então queríamos contar com fundadores já provados pelo mercado como membros do Canary desde o primeiro dia”, acrescenta Marcos.

“Escolher o parceiro certo é um crucial quando se busca investimento. Há muito capital disponível no país atualmente, mas acreditamos que é preciso olhar para a expertise do investidor para que a relação se torne uma parceria de verdade. Essa conexão é ainda mais importante do que o dinheiro em si”, adiciona Mauricio Feldman, co-fundador da Volanty, o primeiro marketplace digital para carros usados no Brasil (e primeiro investimento feito com o Canary Fund I). Um ano depois de levantar U$ 19 milhões na rodada da Série A, liderada pela monashees, a Volanty anunciou uma rodada subsequente de U$ 70 milhões, desta vez conduzida pelos fundos SoftBank e Kaszek. O Canary acompanhou ambas depois de liderar a rodada de capital semente da Volanty.

“Estamos animados em ver o capital disponível para empresas brasileiras aumentando, com a entrada de novos players. Contudo, a maior parte do capital ainda é alocado em estágios mais avançados de investimento. Ainda não há nenhuma outra firma de VC completamente focada nas primeiras rodadas de capital de risco institucional”, comenta Toledo.

Já a Buser, uma plataforma colaborativa de fretamento onde viajantes podem comprar passagem de ônibus por preços menores que os praticados pelo mercado, foi o 16º investimento liderado pelo Canary, em seu primeiro fundo. “Nós não tínhamos mais do que uma planilha naquela época”, diz Marcelo Abritta, co-fundador da Buser. Em 2018, a startup levantou uma rodada de Série A liderada pelo Valor Capital. Neste ano, levantou uma rodada subsequente liderada pelo SoftBank (o Canary participou de ambas as rodadas seguintes). “Os primeiros investidores são os mais importantes para uma startup. No começo da empresa, o empreendedor precisa de apoio para colocar seu produto no mercado e testar a adesão. Depois que isso é feito, você consegue trabalhar no aperfeiçoamento e fortalecimento do seu produto para que ganhe tração no mercado”, explica Marcelo Abritta, cofundador da Buser.

Brasil alcança a marca de mil empresas juniores

Em 1988, o Movimento Empresa Júnior (MEJ) chegou ao Brasil com o propósito de fomentar o empreendedorismo dentro das universidades. Na última semana, o MEJ alcançou a marca de 1 mil empresas juniores distribuídas em 123 universidades nas 27 unidades federativas do Brasil. Só neste ano, os mais de 22 mil empresários juniores já desenvolveram mais de 23 mil projetos.

“Esses números simbolizam o impacto do empreendedorismo jovem e da proatividade dos estudantes para melhorar o nosso País”, acredita Renan Nishimoto, Presidente Executivo da Brasil Júnior, Confederação Nacional que representa as empresas juniores nacionalmente. “Além de ajudar na formação dos jovens e incentivar o empreendedorismo para eles, as empresas juniores estão provocando impactos positivos em toda a sociedade”, pontua.

A maioria dos serviços prestados pelas empresas juniores é para microempresários e pessoas físicas, e chegam a custar até 40% a menos que o mercado tradicional. Toda essa renda é aplicada no desenvolvimento de ações e projetos que beneficiam os próprios estudantes, como feiras e workshops. Entre eles, o ENEJ, maior evento sobre empreendedorismo jovem do Brasil, e o Ranking de Universidades Empreendedoras, a maior pesquisa abordando esse tema em território nacional.

Startup Agrointeli recebe aporte de R$520 mil da ACE e GVAngels

A Agrointeli, uma agtech que se autodefine como um ‘sistema operacional’ agrícola, acaba de receber um aporte de R$520 mil em rodada de investimento que conta com a participação do GVAngels, grupo de investidores-anjo formado por ex-alunos da FGV, e da ACE Startups, empresa de investimentos que atua em todas as fases seed.

Focada em prover a integração de diversas fontes de dados em uma plataforma fácil de usar, a startup consolida, organiza, analisa e interconecta dados essenciais para a gestão de agrobusiness. Para isso, concilia imagens aéreas, sensores, dados de máquinas, previsões meteorológicas, modelos agronômicos e atividades de dados em campo, gerando recomendações para a tomada de decisões ao pequeno e médio agricultor.

Antes desta rodada de investimento a Agrointeli já havia recebido aportes bem significativos. Em 2018, receberam cerca de R$ 250 mil em Investimento Anjo da Ventiur Aceleradora e Start-up Brasil. E, este ano, participaram do evento Startup Chile, ficando entre os Top 10 Global e recebendo R$150 mil de investimento do grupo.

Investimento

O GVAngels conheceu a startup em seu 14º Fórum de Investimento, realizado em junho deste ano. “É a primeira vez que investimos numa agtech. A solução chama a atenção por permitir que o produtor concentre todas as informações de maneira simples em um único lugar, com base em uma tecnologia muito precisa e com grande acessibilidade. Tenho 14 anos de experiência no mercado agro e acredito em seu potencial de escalabilidade”, relata Ricardo Gentil, membro do GVAngels que liderou a due diligence e convidou a ACE a participar da rodada de investimento.

“O mercado de agtechs é muito promissor e é uma das áreas que a ACE está olhando com mais atenção, acreditamos no potencial de crescimento da Agrointeli nos próximos anos e de sua capacidade de trazer inovação para o setor com a nossa ajuda”, declara Mike Ajnsztajn, fundador da ACE.

Mercado

“Nasci e cresci em Campo Grande (MS). Conheço bem a realidade dos produtores rurais, via muito minha avó tomar decisões baseadas em achismos. Mas como engenheiro de computação com mestrado ciências da computação, senti que poderia tirar o produtor do ‘bloco de notas’. Na Agrointeli buscamos facilitar o entendimento de dados essenciais para trazer mais eficiência aos processos e reduzir seu tempo na tomada de decisão”, comenta Renato Borges, um dos fundadores e atual CEO da empresa.

Lançada em 2017, a Agrointeli já monitora mais de 170 áreas agrícolas, o que significa estar presente em 12 estados brasileiros. “É um mercado com grande potencial. Há no Brasil cerca de 60 milhões de hectares de produção agrícola, um equivalente a 2 milhões de pequenos e médios propriedades rurais de grãos”, complementa Borges.

Com esta nova rodada de investimento, a agtech irá aprimorar ainda mais a cobertura da tecnologia no Brasil e espera crescer 30% ao mês no próximo ano.

Prêmio EDF Pulse anuncia vencedores

O Grupo EDF entregou ontem (11) os prêmios aos três vencedores da 1ª edição do Prêmio Pulse Brasil, com foco em startups de inovação. Os projetos foram avaliados por um júri de especialistas e executivos do Grupo, e se destacaram: HVEX na categoria Smart City; Pix Force na categoria Smart Factory; Innovatus, como prêmio Special.

O júri considerou os seguintes critérios: qualidade e robustez da solução; impacto e progresso para a sociedade; sustentabilidade do modelo do negócio; e a equipe (visão, complementaridade, experiências, habilidades). Foram distribuídos R$ 100 mil aos primeiros lugares, sendo R$ 40 mil para os premiados de cada categoria e uma gratificação de R$ 20 mil para um terceiro participante Special. Além do prêmio em dinheiro, as vencedoras têm outra oportunidade: a Citelum vai avaliar uma parceria com a premiada na categoria Smart City, a HVEX; a EDF Renewables fará o mesmo com a ganhadora por Smart Factory, a Pix Force; e o Grupo EDF apoiará a implementação industrial do vencedor do Prêmio Special, a Innovatus.

O Brasil é um país estratégico para o desenvolvimento global do Grupo EDF, que pretende ampliar a interação com startups, para uma melhor compreensão de sua dinâmica de funcionamento.

Líder global em energia de baixo carbono, o Grupo EDF promove o Prêmio Pulse desde 2014, com edições na França, Itália, Reino Unido e África. No Brasil, a iniciativa resultou de parceria entre as principais empresas do Grupo no país: EDF Norte Fluminense, EDF Renewables, Citelum e Framatome. O prêmio dá visibilidade a projetos inovadores alinhados à alta tecnologia para o futuro, sendo uma das principais ações mundiais da EDF. Já concorreram 1.800 startups, com 22 vencedores e mais de 50 projetos acompanhados pelo Grupo no mundo. Na primeira edição do prêmio no Brasil, cada classe somou 5 projetos finalistas.

“Até o momento, o grupo já investiu cerca de R$ 60 milhões na área de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) no país”, conta o CEO da Citelum, Olivier Meyrueis, representante do Prêmio EDF Pulse no Brasil.

Vencedor do Prêmio Smart City

A HVEX venceu o prêmio na categoria Smart City ao criar a possibilidade da gestão ativa de energia para grandes consumidores, como redes comerciais e indústrias. Tudo começou com o pedido de um cliente por uma solução que melhorasse seu consumo de energia. Dessa forma, a HVEX verificou que nenhum fornecedor oferecia as aplicações num único portfólio, o que dificultava a integração do sistema.

“Criamos o hardware (placa), com saída modular de comunicação e o software que trata as informações. Dessa forma, o cliente tem acesso a dados similares aos do consumo de internet no celular, para energia elétrica. Sabe quanto consumiu, que horas, de que forma, além de receber a indicação do melhor perfil de contrato de fornecimento para suas necessidades”, explicou Guilherme Ferraz, fundador e diretor comercial da HVEX. Essa solução tem uma complementaridade possível com as soluções já propostas pela Citelum, a empresa de iluminação pública do Grupo EDF.

Vencedor do Prêmio Smart Factory

A Pix Force desenvolveu uma solução baseada na visão computacional para inspeção das linhas de transmissão. Por meio de drones, as imagens são capturadas e, em seguida, processadas por algoritmos de machine learning proprietários. “Se um voo de drone tiver 5 horas de duração, uma pessoa levaria cerca de 10 horas para analisar todas as imagens. Nossos algoritmos são capazes de realizar a análise em questão de minutos, verificando itens como para-raios, isoladores e pontos quentes”, explica Vitor Tosetto, CEO da Pix Force, que lidera o ranking de visão computacional da Open100StartUps pelo segundo ano consecutivo. O objetivo da inscrição no Prêmio EDF Pulse foi a divulgação da solução, desenvolvida durante uma inspeção de torres, que é um serviço prestado sob demanda.

Vencedora na Smart Factory, a solução da Pix Force pode representar uma melhoria na eficiência e na segurança dos funcionários, como aponta o CEO da EDF Renewables, Paulo Abranches: “A inovação poderia ser aplicada a parques eólicos e usinas fotovoltaicas, mas também e, principalmente, à rede de transmissão de eletricidade pela qual a EDF Renewables é responsável”.

Vencedor do Prêmio Special

O prêmio Special foi concedido ao grupo de pesquisadores brasileiros da Innovatus. Eles trabalham no desenvolvimento de equipamentos com o propósito de despoluição ambiental. Assim, criaram um material cerâmico que, aquecido por micro-ondas, atinge rapidamente temperaturas muito elevadas. Esse dispositivo pode substituir com vantagens os queimadores atualmente utilizados em processos de incineração, promovendo a combustão sem a presença de chamas ou emissão de gases poluentes. A tecnologia também ganhou o Prêmio FINEP de Inovação 2012.

Diretor executivo da Inovattus, José Lavaquiel explicou que o equipamento está em fase de desenvolvimento, e os testes de campo começam no início de janeiro: “Será um produto customizado de acordo com o volume da emissão e o tipo de combustível usado. No início da comercialização, vamos produzir para termelétricas”. Com o Prêmio Pulse, o executivo quis validar a inovação, ter o “reconhecimento de uma empresa tão relevante para o setor, como o Grupo EDF”.

Hisnëk entra na área de bem estar corporativo e cria um robô para ajudar na qualidade de vida do funcionário

O funcionário é a base de toda a empresa; sem ele nada funciona. Hoje, para serem notados, negócios das mais variadas áreas de atuação devem se atentar à forma como engajam equipes e clientes e impactam a sociedade. Por isso, cada vez mais corporações dão importância para o empregado, sua qualidade de vida, saúde, motivação.

De acordo com estudo conduzido por Jeffey Pfeffer, da Escola de Pós-Graduação em Negócios da Universidade de Stanford, e publicado em seu livro Dying for a Paycheck (Morrendo pelo Salário), as empresas estadunidenses gastam cerca de U﹩ 300 bilhões por ano com as despesas causados por problemas de saúde de seus funcionários. Além disso, a qualidade de vida é cada vez mais importante para atrair e conservar colaboradores, construir uma reputação consolidada e conquistar a lealdade dos clientes, segundo o estudo Tendências Globais de Capital Humano 2018, realizado com mais de 11 mil líderes de negócios e Recursos Humanos de 124 países.

A crescente demanda fez Carol Dassie, fundadora e CEO da Hisnëk , direcionar sua empresa para essa área. A startup de health & wellness atua em três pilares centrais: nutrição e alimentação para prevenir e controlar doenças crônicas; saúde mental, focado na prevenção da síndrome de burnout; e saúde física, criando sugestões de treinos acessíveis e garantindo orientação profissional individual.

“O objetivo é ajudar o funcionário a estar mais motivado, ser mais produtivo e ficar mais feliz no ambiente de trabalho”, destaca Carol Dassie.

Desde o início dessa empreitada, a startup vem inovando e adaptando seu modelo de negócio. Este ano, por exemplo, lançou um robô chamado IVI, que, por meio de um sistema de vídeo bot, conversa com os funcionários e entende o comportamento deles. Com isso, cria-se um relatório mensal que analisa se as ações de bem-estar promovidas pela Hisnëk foram eficazes. A inteligência artificial também é capaz de oferecer conteúdos específicos para as necessidades de cada colaborador com especial foco a Síndrome de Burnout, esgotamento profissional, que acomete 30% dos trabalhadores brasileiros, de acordo com pesquisa realizada pela International Stress Management Association (Isma).

Gigantes como Nokia, Dasa, Alelo, Pirelli e Love Mondays já oferecem o benefício para cerca de 80 mil vidas pelo Brasil inteiro.

“A inteligência artificial está automatizando diversos processos e, em pouco tempo, restarão apenas serviços mais criativos que demandam pessoas qualificadas. Esse é um dos motivos porque é tão importante cooptar e, especialmente, manter bons funcionários. E a Hisnëk pode ajudar as empresas com isso”, enfatiza a CEO da Hisnëk, que está sediada no CUBO, espaço de empreendedorismo mantido pelo Itaú e pelo fundo Redpoint eVentures.

Mil vagas em startups para começar 2020 empregado

Projeções realizadas por analistas especializados na área de estimativas da economia brasileira, indicam que o PIB Brasileiro deve crescer no próximo ano o dobro do que o de 2019, uma taxa em torno de 2%. Sendo assim o desemprego deve apresentar uma ligeira redução, graças ao melhor desempenho do Produto Interno Bruto. Essa já é uma realidade nas empresas de tecnologia que atuam no Brasil. Os sites de vagas são atualizados constantemente com novas vagas e faltam pessoas para preenchê-las. Veja abaixo algumas vagas que estão abertas, totalizando mais de 926 oportunidades Brasil afora.

MadeiraMadeira

MadeiraMadeira, maior plataforma de produtos para casa do Brasil, está com vagas abertas para as áreas de tecnologia, business intelligence, logística, marketing digital, comercial, pessoas & cultura e financeiro. Ao todo são mais de 300 oportunidades para atuar na sede da empresa em Curitiba e no novo escritório da empresa em Vitória (ES). Os interessados em fazer parte da empresa também podem se preparar para um processo seletivo diferenciado. Cada teste utilizado na plataforma de Recrutamento e Seleção gera um score que serve de base para avaliação do candidato. Para participar e saber mais acesse: http://madeiracarreira.gupy.io/

Contabilizei

Contabilizei, maior escritório de contabilidade do país e o pioneiro em automatizar os serviços de forma 100% online, tem grandes expectativas de contratações para 2020 com 150 vagas ao longo do ano. 90 delas estão focadas em processos operacionais, sendo 20 de marketing e vendas, 30 de produto e 10 administrativas. Para se candidatar, basta acessar o site http://www.contabilizei.com.br/trabalhe-na-contabilizei/

Hotmart

Considerada uma das startups mais desejadas para se trabalhar no Brasil, a Hotmart, líder em venda de produtos digitais na América Latina, está com processo seletivo aberto para 24 vagas, inclusive fora do Brasil. As oportunidades são para diversas áreas como Desenvolvimento, Customer Experience, Marketing, Administrativo, Design, Talentos, Inteligência de mercado e Data Science. Com sede em Belo Horizonte e escritórios em Madri, Bogotá, Amsterdam e Cidade do México a Hotmart é a única empresa brasileira entre as 10 melhores páginas de empresas do mundo no LinkedIn. Para obter mais informações sobre as oportunidades, assim como se candidatar, acesse: http://www.hotmart.com/jobs/pt/vagas.

ACE

ACE, empresa de inovação, está com processo seletivo aberto para 5 vagas. As vagas são para atuar como Analista de Marketing Digital e Conteúdo, Consultor Junior – Squads, Innovation Leader, Product Owner – Squads e Product Owner – Squads. Todas para atuar no escritório de São Paulo. Os candidatos devem ter conhecimentos e experiência na área de interesse. Para obter mais informações sobre as oportunidades, assim como se candidatar, acesse: http://trabalhenaace.gupy.io/

Sympla

Sympla, maior plataforma de eventos do Brasil, está com 132 vagas em aberto, sendo dessas, 105 só para a área de tecnologia. Com objetivo de transformar a compra e gestão de ingressos em uma experiência simples, eficiente e humana, a empresa que possui em seu DNA a tecnologia está focada em expandir seus escritórios para o próximo ano, a fim de desenvolver soluções dinâmicas e confiáveis para compradores e organizadores de eventos, revolucionando o setor, introduzindo atributos como eficácia, simplicidade e design. Fundada em 2012, hoje a maior plataforma de eventos do Brasil, com 25 mil eventos disponíveis diariamente e 2 milhões de ingressos vendidos todos os meses. Presente em mais de 2.600 cidades pelo Brasil, possui ampla variedade de opções, desde grandes shows e eventos esportivos até festas, congressos, cursos, encontros de networking e teatros.

Wavy

Wavy é uma empresa do Grupo Movile, especialista em soluções customer experience e está com 6 vagas em processos seletivos para São Paulo, Brasília e Colômbia. As oportunidades são para as áreas de Growth Coordinator, Sales Executive, Key Account e Sales Manager. A empresa busca profissionais que se identifiquem com o propósito, cultura e o jeito de ser da marca, sejam pró-ativas, comprometidas e apaixonadas pelo que fazem e que estejam alinhadas ao pensamento de startup: assumir riscos, errar rápido e melhorar o tempo todo. Para mais informações: http://wavy.global/wavers/

Agibank

Agibank, banco inovador que tem o propósito de melhorar o dia a dia das pessoas e facilitar sua vida financeira, vai abrir 139 vagas em 2020, sendo 74 delas no departamento comercial para os pontos de atendimento, incluindo vagas de gestão. Além disso, serão mais 25 vagas no setor de telecontato, que inclui a área de call center e central de relacionamento com o cliente, 20 vagas de tecnologia e mais 20 para o corporativo da empresa. Vale ressaltar que para o próximo ano também está previsto a expansão dos pontos físicos (serão mais 145 em 2020) e por isso, o Agibank tem previsão de abrir mais 435 novas posições, em diversas cidades e regiões do Brasil. Mais informações no site: http://carreiras.agibank.com.br/

MaxMilhas

A plataforma pioneira de pesquisa, comparação e intermediação de venda de passagens aéreas está com vagas abertas para trabalhar na sede da empresa em Belo Horizonte. Ao todo são 10 oportunidades nas mais diversas áreas de atuação, incluindo vagas de analista de atendimento, exclusivas para pessoas com deficiência. Para quem busca novas oportunidades na área de tecnologia, a MaxMilhas oferece vagas para desenvolvedores Front End e Mobile. Para saber mais sobre as oportunidades e participar das seleções, basta se inscrever: http://maxmilhas.gupy.io/

Volanty

Volanty, autotech que conecta vendedores e compradores de seminovos, abriu 13 oportunidades para trabalhar no Rio de Janeiro e em São Paulo. As oportunidades são para as áreas de tecnologia, experiência do cliente, marketing e vendas. Para se inscrever, os candidatos podem acessar o site: http://volanty.abler.com.br/.

Matera

Matera, empresa de tecnologia voltada para o mercado financeiro, fintech e gestão de riscos, vai abrir mais de 25 vagas para diferentes setores como tecnologia, analista de sistemas, analista em segurança da informação, de testes, desenvolvedor java, recursos humanos, engenharia de produto, operacional, infraestrutura em TI e financeiro – inclusive vagas para PCD – nas cidades de São Paulo, Campinas, Porto Alegre e Maringá. Para se candidatar, é só acessar o site: http://www.matera.com/career

Celcoin

Celcoin, aplicativo que transforma o celular em uma máquina de recargas e pagamentos, está com 15 vagas abertas para trabalhar no regime CLT. A fintech contrata profissionais das áreas de TI, Produto, Comercial, Atendimento, Fiscal e Contábil. Além disso, oferece benefícios como assistência médica e odontológica, seguro de vida, vale-refeição e vale-transporte, auxílio creche e day-off no aniversário. Situada em Alphaville, os interessados devem enviar seus currículos para rh.cv@celcoin.com.br.

Locaweb

Locaweb, empresa especializada em serviços digitais, vai começar 2020 com várias oportunidades. Ao todo, são 60 vagas abertas divididas entre as unidades de negócios da empresa para as áreas de tecnologia, marketing, financeiro, comercial e recursos humanos. Para Tray e Yapay, são 20 vagas na cidade de Marília (SP). Outras unidades como Locaweb Corp Cluster2GO e Kinghost também têm vagas abertas. As oportunidades são para as cidades de São Paulo (SP) e Curitiba (PR). Todas as vagas estão disponíveis no site da Locaweb, para se candidatar é só acessar o site: www.locaweb.com.br

Beblue

Beblue, fintech de pagamento que conecta usuários a estabelecimentos com sistema de recompensa em cashback, está com 16 vagas abertas para início em 2020. A empresa abre as oportunidades para as áreas de tecnologia, comercial e corporativo, entre as unidades de São Paulo (SP), Ribeirão Preto (SP) e Cascavel (PR). Todas as vagas estão disponíveis no site do Beblue, para se candidatar basta acessar o site, na aba trabalhe conosco: http://jobs.kenoby.com/beblue/.

Peixe Urbano

Peixe Urbano, maior plataforma de ofertas locais do Brasil, está com 14 vagas abertas em Florianópolis (SC), São Paulo (SP) e Rio de Janeiro (RJ). As vagas abrangem áreas de marketing, tecnologia, engenharia, design e vendas. Além disso, a empresa também busca cargos específicos, como Analista de Prevenção à Fraude. Os interessados podem se candidatar pelo site: http://peixeurbano.gupy.io/

ClickBus

ClickBus, plataforma líder em vendas online de passagens rodoviárias, está com processo seletivo aberto para 11 vagas nas áreas de Desenvolvimento (4), Atendimento (1), Criação (1), Data & Insights (1), Financeiro (2) e Produto (2). A sede da empresa fica localizado no bairro Vila Olímpia em São Paulo. O regime de contratação é CLT e a empresa oferece pacote de benefícios como assistência médica e odontológica, seguro de vida, vale refeição, vale transporte, Gympass e horário flexível. Para mais informações das vagas acesse:http://jobs.kenoby.com/clickbus.

Zee.Now

Zee.Now, um aplicativo de entrega em até 1h de produtos pet com frete gratuito, está com 6 novas oportunidades para 2020. Na cidade de São Paulo, as vagas são para Estoquista e Gerente de Estoque. Na capital do RJ, a startup procura colaboradores para os cargos de Estoquista, Design Júnior, Desenvolvedor Back-End Pleno, Analista Contábil, Analista Fiscal e Analista de Operações Júnior. O regime de contratação é CLT e os candidatos interessados devem acessar o link http://zee-dog.gupy.io/.

SAP é a melhor empresa do Brasil para trabalhar no Glassdoor 2020

A SAP é o principal destaque do prêmio “Melhores Lugares para Trabalhar 2020”, do Glassdoor e foi reconhecida em primeiro lugar entre as 50 empresas avaliadas no país – considerando as operações de SAP Brasil em São Paulo e Rio de Janeiro e SAP Labs Latin America, em São Leopoldo (RS). A premiação, que está em seu 12º ano e acontece no Brasil pela primeira vez, é baseada exclusivamente na opinião dos funcionários, que fornecem feedback anônimo sobre seu ambiente de trabalho realizada pela empresa de recrutamento Glassdoor, que no Brasil comprou a plataforma Love Mondays.

“Para a SAP Brasil é motivo de orgulho receber uma premiação que parte da ação espontânea de nossos funcionários, que nos reconhecem como um bom lugar para construírem sua carreira, destacando o ambiente saudável e produtivo que construímos juntos, diariamente. O prêmio reflete os esforços do RH e de toda a liderança da empresa, engajados para construir processos sólidos de atração, retenção e valorização dos nossos profissionais, somados às políticas consistentes sobre remuneração e benefícios, cultura, aprendizado e desenvolvimento”, explica Cristina Palmaka, presidente da SAP Brasil.

“Acreditamos que não há nada melhor do que o testemunho de nossos talentosos funcionários para atrair novos grandes talentos para trabalhar com o SAP Labs Latin America. Este prêmio é uma fonte de orgulho e uma motivação para que nosso trabalho e nossos esforços sejam ainda melhores”, completa Dennison John, presidente do SAP Labs.

“Este novo ano vai marcar o início de uma década “culture-first”, em que a cultura do local de trabalho ganha cada vez mais relevância. Os vencedores do prêmio Melhores Lugares para Trabalhar são empresas que colocam a cultura, a missão e as pessoas no centro de tudo o que fazem. E, por isso, seus funcionários as reconhecem como os Melhores Lugares para Trabalhar em 2020”, diz Christian Sutherland-Wong, presidente, diretor de operações do Glassdoor. “Além de priorizar a cultura, os vencedores deste ano se destacam por promover a transparência, oferecer oportunidades de crescimento na carreira e valorizar o trabalho impulsionado por impacto e propósito. Parabéns a todas as empresas que foram genuinamente reconhecidas pelos seus funcionários nesta edição.”

No Glassdoor, tanto ex-funcionários quanto os atuais compartilham insights e opiniões sobre seus ambientes de trabalho de forma voluntária e sigilosa, postando uma avaliação da empresa. Essas avaliações trazem uma visão interna e autêntica de como é trabalhar naquele ambiente. Ao deixar uma avaliação no Glassdoor, os funcionários precisam classificar sua satisfação em relação ao ambiente de forma geral, oportunidades de carreira, remuneração e benefícios, cultura e valores, alta liderança e qualidade de vida. Além disso, é necessário que os funcionários descrevam pontos positivos e negativos sobre o local.

Os vencedores do prêmio Melhores Lugares para Trabalhar do Glassdoor foram determinados com base em avaliações de empresa compartilhadas por funcionários de 23 de outubro de 2018 a 21 de outubro de 2019. Para ser considerada, a empresa deve ter pelo menos 1.000 funcionários e ter recebido pelo menos 30 avaliações no período. A lista final é compilada usando o algoritmo proprietário do Glassdoor, sob a liderança da equipe de pesquisa econômica, e leva em consideração a quantidade, qualidade e consistência das avaliações.

Para ver a lista completa dos vencedores do prêmio Melhores Lugares para Trabalhar em 2020 do Glassdoor, acesse: gldr.co/BPTWBR