Page

Author admin

GFT Brasil contrata Suzan Barreto como diretora de Negócios

A GFT, empresa global referência em tecnologias exponenciais para transformação digital e projetos ágeis, anuncia a contratação de Suzan Barreto como nova diretora de negócios. A executiva tem mais de 23 anos de experiência em gestão e implementação de projetos de TI e reforça as áreas de Inteligência Artificial, Analytics, Big Data, CRM/Customer Experience e Anti-fraudes, além de trazer na bagagem expertise em liderança de CRM, Analytics e Business Intelligence.

Suzan trabalhou por 16 anos no Banco Santander como responsável por CRM, Analytics e BI e teve também a missão de implementar o Big Data e a Inteligência Artificial na instituição, transformando a experiência dos clientes a partir do uso de dados. Em 2019, a executiva atuou como Superintendente de Tecnologia e foi responsável pelo desenvolvimento de projetos de Antifraudes e cibersegurança na instituição financeira.
 Suzan tem muito para agregar na equipe da GFT, com seu olhar crítico e ampla visão estratégica de mercado. É uma profissional super importante que nos ajudará a identificar oportunidades de melhorias na implementação de soluções para os nossos clientes”, complementa.

Mercedes-Benz aprimora jornada de mobilidade com SAP Cloud e SAP PM

A Mercedes-Benz, fabricante líder no segmento de veículos pesados no Brasil, adotou as soluções SAP Cloud Platform e o módulo SAP PM para gestão de manutenção, tornando possível o uso do SAP Fiori como ferramenta de front-end para atender os desafios de oferecer maior mobilidade e integração das informações, para acesso tanto pelo desktop como no celular.

William Custódio, analista de Planejamento Estratégico da Mercedes-Benz, contou que o primeiro passo foi desenhar a estratégia de maneira segmentada para tratá-la por partes. O pontapé inicial, segundo ele, foi, de fato, entender o contexto organizacional para definir prioridades e engajar os stakeholders, estabelecendo parcerias com as áreas de negócios, reunindo todos no mesmo propósito. “A chave foi eliminar qualquer barreira relacionada ao mobile, com foco na simplicidade de uso para promover agilidade de processos”, explica.

Definimos como meta para criação de soluções móveis uma aplicação para lançamento de notas fiscais e outra para processos das ordens de manutenção. De fácil preenchimento, intuitivo, o app para fechamento da ordem de manutenção é mais uma inovação da Mercedes-Benz, que garantiu maior produtividade, trazendo mais autonomia ao mantenedor, acurácia de dados e menor tempo de processamento, tudo isso na palma da mão.

“Depois de lançado, a jornada continua. Passamos a vivenciar o dia a dia da solução, de olho na experiência do usuário, detectando qualquer dificuldade de uso, buscando o que poderemos aprimorar e quais processos devem ser modernizados”, revela o executivo.

“As empresas buscam soluções para automatizar processos e trazer agilidade e confiabilidade para a operação, inclusive no chão de fábrica. O projeto da Mercedes-Benz é um excelente exemplo de jornada da transformação digital a partir do mapeamento de processos e avaliação conjunta pelas diversas áreas envolvidas. A SAP Cloud Plataform é uma solução que atende essas necessidades e oferece condições para um desenvolvimento rápido e baseado em melhores práticas da indústria, além da facilidade para integração dos dados com outros sistemas da empresa”, resume Valeria Kinguti, Vice-Presidente de Plataformas e Tecnologia da SAP Brasil.

Crise do coronavírus impulsiona apps de delivery e muda hábitos de compra dos brasileiros

Com a rápida disseminação do novo coronavírus (COVID-19), inúmeros especialistas recomendaram o isolamento domiciliar ao maior número de pessoas possível para evitar contaminações. Em meio às projeções de retração expressiva para a economia em 2020, os aplicativos de delivery ganham destaque, pois têm sido a solução para evitar idas a alguns locais públicos, como farmácias, supermercados e restaurantes. O aplicativo de delivery Rappi, por exemplo, registrou um aumento de 30% no número de pedidos nas últimas semanas.

Para o economista e presidente do Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR), Claudio Felisoni de Angelo, o setor, que há alguns anos já faz parte da rotina de muitos consumidores que buscam imediatismo e evitam pegar filas em lojas físicas, ganha ainda mais força na quarentena. “O serviço facilita a compra de itens como alimentos, artigos de higiene e limpeza, que são o foco neste período de isolamento. Além de serem produtos essenciais em um momento de cuidado extremo com a saúde, o consumidor não está confiante para comprometer seu orçamento com itens que não sejam realmente básicos neste cenário”, explica o especialista.

Segundo levantamento do RankMyAPP, empresa de inteligência de marketing e aquisição para aplicativos de celular, o número de donwloads de apps de delivery no Brasil aumentou 15% nos primeiros dias de março, registrando um pico no dia seis de 126%, ambos comparados com os mesmos períodos de 2019.

A tecnologia mudou o hábito de consumo dos brasileiros e, apoiado por grandes redes varejistas, os aplicativos de delivery oferecem agilidade, praticidade e comodidade. “É uma tendência que deu certo na nossa realidade, que tem uma grande demanda e se tornou uma saída para quem pode ficar em casa”, completa Felisoni.

Embora preocupante, a crise se tornou uma oportunidade para que varejistas e prestadores de serviços ajustassem as operações para atender também no comércio eletrônico, como é o caso de lojas de chocolate neste período de Páscoa, mercados de bairro ou pequenas farmácias. A startup Eu Entrego, por exemplo, que conecta entregadores autônomos a empresas, registrou um aumento cinco vezes maior em pedidos de supermercados e mercearias.

A tendência é que outros segmentos do varejo, pouco comuns de serem encontrados nos apps de entrega, como lojas de roupas e sapatos, brinquedos e aparelhos eletrônicos, invistam no modelo on-line mais ativamente. “É esperado que essas categorias passem a oferecer produtos e serviços por delivery de forma mais constante, mesmo após a pandemia. Podemos presenciar uma revolução do varejo como conhecemos quando a situação passar”, finaliza o economista do IBEVAR.

Startup de recrutamento oferece serviço gratuito para empresas e candidatos de saúde e varejo

Com o avanço da pandemia do coronavírus, alguns setores passam por um pico de demanda de contratações, sobretudo, os das áreas de saúde e varejo, no caso de supermercados. Para auxiliar nesse momento, a Connekt, plataforma inteligente de recrutamento digital, oferece de forma gratuita todas as as suas funcionalidades.

“Nós criamos essa ação visando auxiliar os setores que necessitam de ajuda para recrutar novos colaboradores, de forma mais rápida e eficiente. As empresas que buscam médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares do setor de saúde, sejam hospitais, laboratórios e até drogarias ou ainda, supermercados, de qualquer região do Brasil, têm direito a um mês de uso gratuito da nossa plataforma. Além disso, os candidatos têm, em um só lugar, as vagas disponíveis para cada perfil “, afirma Celson Hupfer, CEO da startup.

Dentro da plataforma da Connekt, as empresas podem abrir vagas e ordenar toda a jornada do candidato, é possível incluir testes online e entrevistas em vídeo. Além disso, a admissão também pode ser feita no modelo digital, por meio de uma parceria com a sturtup ÚnicoRH. Ambos os processos seguem as recomendações sobre distanciamento social, divulgadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Atualmente, a Connekt conta com mais de 200 mil currículos de profissionais das áreas da saúde hospitalar e 800 mil no setor de varejo. Empresas que desejam utilizar a plataforma gratuitamente, podem acessar.

Para candidatos 

Além dos editais abertos pelas próprias secretarias regionais de saúde, a Connekt também reúne vagas em todas as regiões do Brasil. Atualmente, existem mais de 3.900 vagas abertas, para todas as áreas do país. Os maiores números são para as regiões sudeste e nordeste. Para se candidatar ou avaliar as vagas e os requisitos exigidos, os interessados podem acessar.

Em meio à crise, Sky.One continua a investir em contratações e anuncia novas vagas

Sky.One , uma das 10 melhores empresas para se trabalhar segundo o ranking Top 25 Startups LinkedInBrasil e detentora do selo Great Place To Work, anuncia a chegada de dois novos executivos ao time da companhia: Paolo Alan Byram, como Executivo de Contas, e Roberto Arruda, como Chief Revenue Officer (CRO).

Os dois novos executivos têm papel fundamental na estratégia de ampliação da companhia. A função de CRO amadurece a estratégia de receita escalável e crescimento acelerado que a Sky.One adotou desde sua fundação e a chegada do Paolo reforça a atuação das operações da companhia nos EUA, expandindo ainda mais os resultados da região.

De acordo com a Gerente de Recursos Humanos da Sky.One, Aila Rodrigues, a empresa tem consciência do impacto negativo da pandemia do COVID-19 nos negócios e, neste contexto, ressalta a importância da iniciativa da Sky.One de mesmo assim, ampliar a equipe. “Nosso intuito é seguir aprimorando para continuar a oferecer um serviço em nuvem diferenciado, especialmente agora, tendo em vista as necessidades do grande número de companhias que adotaram o home office. Para isso, é fundamental contarmos ainda mais com profissionais qualificados. O que reforça nossa consciência social e tranquiliza nossos parceiros de que estamos aqui para apoiá-los para terem experiências inovadoras, aumentando o valor de seus sistemas e a experiência dos clientes”, enfatiza.

A Sky.One possui ainda 11 vagas em aberto, a serem preenchidas ao longo das próximas semanas.

Novas contratações na Sky.One 

Até o momento dois cargos já foram ocupados. Roberto Arruda assume a nova posição de Chief RevenueOfficer (CRO), com o atributo de gerenciar, planejar e executar estratégia de receita escalável, maximizando as oportunidades e, ainda, supervisionando as áreas de vendas, marketing e customer success. Entre as suas atribuições no cargo está a construção de uma máquina de vendas que possibilite à Sky.One obter um crescimento sustentável, capaz de apoiar de maneira direta o sucesso dos clientes da companhia. Arruda é formado em Engenharia Eletrônica pela Universidade Gama Filho e MBA em Tecnologia da Informação pela USP. O executivo já ocupou posições estratégicas na Arrow, CYLK Technologing e Agility Networks Tecnologia.

 

Chief Revenue Officer (CRO), Roberto Arruda

Já a vaga de Executivo de Contas foi preenchida por Paolo Alan Byram, que será responsável pela continuidade das estratégias de estruturação, expansão e consolidação da Sky.One nos Estados Unidos, gerenciando o relacionamento com os canais e parceiros (VARs) da companhia no país. O executivo é graduado em Business Administration pela University of Greenwich e teve passagens de destaque em gigantes como IBM e Lumesse.

 

Executivo de Contas da Sky.One, Paolo Alan Byram

O plano de crescimento da Sky.One vai além de apenas contratar novos executivos. O intuito da companhia é reforçar o investimento na expansão internacional e consolidar os negócios para apoiar as empresas que já migraram ou têm a intenção de migrar para o modelo de atuação em nuvem. “Ao trazermos profissionais experientes, ganhamos em escala, tempo e assertividade na condução dos processos. Olhamos não apenas para o cenário brasileiro, por isso o investimento em um executivo de contas internacional”, esclarece Aila.

Vagas em aberto na Sky.One 

A empresa ainda busca novos colaboradores para a área de tecnologia, para ocupar os cargos de Desenvolvedor Python Jr, Desenvolvedor Python SR, Desenvolvedor.Net Jr, Analista de Implantação ERP, Business Development Manager – BDM e Analista de Integração. Os profissionais podem se inscrever por meio do site da Sky.One.

Segundo Aila, a vantagem de se trabalhar na nuvem é a flexibilidade de realizar todas as demandas de qualquer lugar. A executiva garante que em tempos de pandemia nada parou dentro da empresa. “Fizemos todo o processo de onboarding de maneira remota, por meio de nossas ferramentas internas. A executiva explica ainda que os profissionais recrutados terão todo o acesso aos treinamentos de entendimento do negócio remotamente via plataformas como AWS, sistemas internos e Sky.One Academy.

Como a companhia já utilizava o modelo de trabalho remoto, inclusive em situações de recrutamento, não espera empecilhos relacionados à contratação à distância. No total, são 11 vagas; seis já disponibilizadas no site e as demais em breve.

Covid-19 provoca nova onda de contratações de profissionais de tecnologia, aponta PageGroup

A pandemia do novo coronavírus está provocando uma nova onda de contratações de profissionais de tecnologia. É o que aponta o PageGroup, referência mundial em recrutamento especializado de executivos de todos os níveis hierárquicos. De acordo com a consultoria, a alta demanda no trabalho a distância, em transações on-line e na capacidade instalada fez com que as empresas acelerassem a busca por executivos que possam conduzir projetos de infraestrutura, reforçar a segurança de dados e administrar o suporte técnico.

“Alguns setores, como os de saúde, e-commerce e alimentação, estão sendo muito demandados nesse momento, mas já há casos de outros segmentos buscando mais profissionais de tecnologia. Em geral, essas companhias estão de olho em executivos de infraestrutura e redes, para que possam suportar a estrutura de tecnologia em um momento de alta utilização de equipamentos. Em um cenário de missão crítica, a tecnologia passa a ser primordial”, explica Luana Castro, gerente da área de TI da Michael Page e Page Personnel.”Seguindo a mesma lógica, o segmento de comércio eletrônico também apresenta alta. Com as pessoas em quarentena, as compras on-line passam a ser a primeira opção de todo consumidor. Vale também para startups e empresas de mobilidade e logística. Grande parte das empresas opta por continuar as contratações de engenheiros de software afim de manter a plataforma funcionando e com boa operacionalização com a alta demanda”, completa.

Veja abaixo quais são os profissionais de tecnologia mais demandados neste momento. Os cargos considerados nessa lista contemplam média e alta gerência e níveis técnico e de suporte à gestão.

Para chegar a essa lista, o PageGroup consulta permanentemente empresas de todos os portes (pequena, média e grande) em 14 setores de todo o Brasil. A partir dessa conversa e do entendimento das reais necessidades de contratação, os consultores consolidam essas informações e produzem a relação final dos cargos com maior possibilidade de demanda das empresas.

Confira a lista:

Cargo: Analista/Especialista de Infraestrutura e Redes 

O que faz: responsável por suportar e garantir o funcionando dos softwares, sistemas e toda a infraestrutura de redes de uma empresa, incluindo servidores e bancos de dados de projetos e/ou sistemas existentes na empresa.

Perfil da vaga: importante que o profissional tenha experiência em operações com redes de dados e/ou afins, além de administração de infraestruturas em geral (ou específica de cada empresa). Experiência com implantação de projetos e certificações são diferenciais.

Salário: R﹩ 8 mil a R﹩ 12 mil

Motivo para alta: diante do cenário de Covid-19, centenas de empresas tiveram que migrar rapidamente para ohome office e, assim, aumentou-se a necessidade de profissionais especializados em Infraestrutura e Redes com o intuito de suportar todos os acessos remotos com acesso à internet e sistemas remotamente. Além disso, segmentos que são considerados de missão crítica, como saúde, comercio eletrônico e mercado financeiro exigem mais atenção ainda à qualidade dos acessos para que nada saia do ar e atrapalhe as operações diárias.

Analista de Suporte e Service Desk 

O que faz: Administra solicitações, problemas e mudanças, analisa chamados, realiza testes e identifica a solução de problemas. Instala e presta assistência aos sistemas operacionais e técnicos.

Perfil da vaga: Conhecimento em tecnologia em geral, infraestrutura e redes. Atenção, comunicação e disponibilidade são competências comportamentais importantes para o cargo. O inglês avançado na maioria dos casos é um grande diferencial.

Porque está em alta: Diante do cenário atual, muitas empresas que ainda não possuíam política de home office, tiveram que migrar rapidamente para o modelo e não estavam preparadas para toda uma operação trabalhando de forma remota. Surge então uma alta demanda de chamados, adaptação de bugs e atendimento aos usuários – que com a distância, acabam precisando de suporte muitas vezes durante o trabalho.

Remuneração: 4 a 6k.

Analista de Cyber Security 

O que faz: profissional atua dentro do time de segurança cibernética e, apesar de ter diferentes enfoques dependendo do segmento da empresa, de forma genérica, é responsável pela análise de ataques, planejamento e execução de ações de contenção e recuperação de ambientes afetados.

Perfil da vaga: profissionais que possuam conhecimento em soluções de segurança, sistemas operacionais, bancos de dados e redes.

Salário: R﹩ 7 mil a R﹩ 11 mil

Motivo da alta: o movimento de contratação desses profissionais já estava em alta diante da implantação da LGPD no Brasil em 2020. Com a chegada da pandemia e a mudança rápida para modelo de home office, as empresas que ainda não estavam preparadas no que se refere a processos de segurança da informação, sofrem com ataques e fraudes. As empresas aceleraram as buscas a fim de evitar eventuais fraudes e/ou perda de informações sigilosas.

Líder de Cyber Security 

O que faz: profissional responsável por liderar a área de segurança da informação e segurança cibernética, entendendo necessidades do negócio e implementando ações e políticas de segurança, assim como implantar ferramentas, estratégias e metodologias que envolvam a proteção de dados e informações da companhia.

Perfil da vaga: os profissionais dessa área em geral possuem histórico de tecnologia e estudos e conhecimentos em políticas de governança, gestão de segurança da informação, riscos e auditoria.

Salário: R﹩ 25 mil a R﹩ 35 mil

Motivo da alta: profissionais já em alta desde meados de 2019, as empresas vinham agilizando as buscas por profissionais executivos com alto nível de conhecimento em segurança da informação e crimes cibernéticos. Com a pandemia, muitas empresas aproveitam o cenário para buscarem os melhores profissionais do mercado, evitarem crises de fraudes e vazamento de informações e já aproveitam para preparar a empresa para uma possível transformação digital e consequentemente desenho de novas políticas e processos de segurança.

Especialista em Cloud 

O que faz: propõe soluções de arquitetura para infraestrutura de TI em nuvem, observando aspectos como conectividade, segurança, fluxo de dados e continuidade.

Perfil da vaga: experiência e conhecimento em cloud computing, arquitetura híbrida para serviços e arquitetura de datalake e banco de dados distribuídos são os conhecimentos mais procurados.

Salário: R﹩ 14 mil a R﹩ 19 mil

Motivo da alta: As empresas tiveram que correr contra o tempo para se adaptarem a um novo formato de trabalho em home office, com isto, muitos projetos de transformação digital e migração de sistemas para cloud que já estavam sendo analisados, foram agilizados. Os especialistas em Cloud (geralmente com foco em AWS ou Azure) apoiam as companhias na sustentação saudável da operação remota e garante que todos os sistemas em cloud funcionem bem e não atrapalhem o dia a dia da operação.

Líder em Data Science 

O que faz: profissional focado em ciência de dados e engenharia de dados com o objetivo de prover insights e informações para definição de estratégias de negócio para direcionamento das decisões das companhias.

Perfil da vaga: formação acadêmica em exatas como Matemática, Estatística e Física são diferenciais, além de experiências com BI, Analytics e Engenharia de dados.

Salário: R﹩ 19 mil a R﹩ 29 mil

Motivo da alta: um dos perfis mais requisitados do mercado, independente do segmento, continua em alta. No novo cenário, os profissionais focados em trazer inteligência e estratégia para as companhias são ainda mais desejados, uma vez que podem ajudar as empresas a encontrar o melhor caminho de operação em um cenário de incerteza. Análise inteligente dos dados nunca foi tão importante e ajuda ainda mais as empresas a se direcionarem no cenário de pandemia e crise econômica.

Como reduzir os custos das empresas?

Conseguir gerir as finanças da empresa e contribuir para o crescimento sustentável é uma das principais habilidades de um gestor. Seja para conseguir se manter durante um período de crise ou para investir em melhorias em infraestrutura ou na capacitação contínua dos funcionários.

O primeiro passo é entender a diferença entre custos e despesas, que são conceitos distintos. Paulo Lira,coordenador e supervisor acadêmico da HSM University, explica que “custos se refere a entrega de seus bens eprodutos finais. Já a despesa, se dá a gastos necessários para o bom funcionamento da empresa, como, por exemplo, salários e marketing”.

Mas, como reduzir os cursos sem prejudicar o desenvolvimento do negócio?

Avalie o regime tributário – Com a ajuda de um contador ou uma consultoria contábil, o empreendedor pode verificar qual tributação é mais adequada ao volume da empresa, já que cada uma tem deduções e alíquotas próprias.

Negocie com fornecedores – Ter mais de um parceiro é interessante para evitar imprevistos e contratempos. Além de ajudar na negociação.

Invista em medidas sustentáveis – Troca de copos descartáveis por canecas personalizadas, de lâmpadas por LED e colocar sensores de presença nos banheiros e corredores, são alguns dos exemplos, que ajudam na redução dos gastos.

Automatize processos – Trabalhar a tecnologia aliada ao negócio, permite a otimização de processos, diminuição de retrabalhos e equipes focadas em atividades estratégicas.

“Reduzir custos é importante para manter o crescimento saudável do negócio, além de ser essencial em períodos de crise e recessão. Portanto, estar atento à produtividade das equipes e investir em tecnologia e infraestrutura são alguns dos passos que contribuirão para alavancar os negócios”, finaliza Lira.

Stone tem vagas de tecnologia para trabalho remoto

O home office deixou de ser benefício e se tornou a rotina de muitos profissionais durante a crise. Quem gosta de trabalhar em casa e já está habituado a desenvolver todas as tarefas online é o candidato adequado para a área de Inovação da Stone, fintech de serviços financeiros e de pagamentos. O time oferece mais de 10 vagas para profissionais de tecnologia, que podem optar pelo trabalho remoto de qualquer cidade do Brasil. Para se candidatar, é só acessar avagadárenLinkedIn.

No link, há todos os detalhes e requisitos para as novas oportunidades de emprego, que incluem vagas principalmente para desenvolvedores de software e designers. Não há data limite para as inscrições e, mesmo que não sejam selecionados, os perfis ficarão cadastrados na plataforma. As oportunidades estão relacionadas à construção da Conta Stone, uma conta de pagamento feita para empreendedores.

Renata Zenaro, da área de Inovação da Stone, explica que a empresa busca profissionais alinhados à sua cultura para as vagas de tecnologia. “Temos vagas em áreas diversas de atuação, que demandam conhecimento específico para cada uma. Contudo, buscamos profissionais que se identificam com o nosso propósito e que valorizam o aprendizado”, esclarece. “Boa comunicação também é fundamental, já que a equipe trabalha de forma remota”, enfatiza Renata.

A área já era habituada a conduzir processos seletivos com todas as etapas online, mas agora isso virou regra, com o objetivo de garantir a segurança e a saúde dos candidatos e dos recrutadores. A empresa oferece os benefícios de vale alimentação e refeição, vale transporte, plano de saúde e odontológico, seguro de vida, auxílio creche e auxílio academia.
As novas contratações visam impulsionar o ritmo acelerado de crescimento da companhia. A novidade acompanha os resultados financeiros positivos da Stone, que atingiu a marca de 495,1 mil clientes no final de 2019, e representa uma ótima oportunidade para profissionais que estejam à procura de emprego durante a crise.

Um dos primeiros unicórnios brasileiros, a Stone abriu capital na bolsa eletrônica Nasdaq, em Nova York, em outubro de 2018. A companhia tem como propósito facilitar a vida do empreendedor brasileiro, permitindo-o vender mais, gerir melhor seu negócio e crescer sempre, com uma oferta diferenciada de soluções de pagamento e gestão, além de atendimento personalizado.

Serviço | Stone – Vagas abertas
Área: Tecnologia e Inovação
Inscrições no site: http://stonebanking.gupy.io/

10 passos para as empresas sobreviverem à crise atual

Muitos empresários estão desesperados com o momento que atravessando, buscando alternativas para seus negócios sobreviverem à diminuição de movimentação e vendas em função da crise gerada pelo coronavírus (COVID 19). Um fato é certo, as empresas que não se estruturarem imediatamente para esse momento terão muito mais chances de fechar as portas.

“Ter planejamento e estratégias sempre é um diferencial para as empresas, mas isso se evidência ainda mais em períodos de crise como atual. Assim, se a empresa já projetou possíveis cenários para o futuro e estratégias, já deu um bom passo para sobrevivência. Caso ainda não tenha feito, ainda é tempo”, avalia o diretor executivo da Confirp Consultoria Contabil, Richard Domingos, especialista em gestão de empresas.

Para que as empresas sobrevivam ao cenário atual, Richard Domingos elaborou dez passos para salvar uma empresa em época de CRISE!

1. PLANEJAR CENÁRIOS

Desenvolver um planejamento com base nas perspectivas de faturamento para os próximos seis meses, buscando no mínimo três cenários para adequação da empresa. Desses três cenários se deve escolher o mais provável e seguir com as ações, medindo a cada dia e semana se o cenário previsto está sendo realizado, e tomando ações a partir dessa medição. Ou seja, cada cenário deve propor gatilhos a serem acionados quando se chega a um patamar preestabelecido nesses marcadores. Planejar nesse momento é fundamental para diminuir erros ou a emoção na tomada de decisão. Tomar decisão sobre pressão já é um erro a ser corrigido. Outro ponto, estamos em um momento anormal e, portanto, as decisões a serem tomadas não devem ser normais.

2. ADEQUAR PROCESSO PRODUTIVO E COMERCIAL

Com base nos cenários levantados, promover o volume de produção para cada projeção ou cenário proposto (horas necessárias de mão de obra, matérias primas, mercadorias etc.). Isso vale tanto para empresas industriais e comerciais, como para prestadoras de serviços;

3. ADEQUAÇÃO DOS CUSTOS E DESPESAS PARA A REALIDADE VIVIDA

Com base nos cenários propostos, é evidente que os custos e despesas deverão ser revistos, mas isso deve ser feito de forma inteligente. Muitos contratos preveem multas ou prazos de aviso prévio, outros são essenciais ao processo produtivo. Deve-se entender quem são os fornecedores estratégicos, propor uma adequação momentânea com base nos cenários propostos para adequação dos gastos da empresa. Em vez de demitir funcionários sumariamente, entendido o volume de produção ou comercialização do cenário escolhido, pode-se alternativamente negociar a jornada de trabalho com redução de salário momentâneo, cancelar novas vagas ou não prorrogar contratos determinados. Tudo isso pode ser feito junto, além de queimar banco de horas e utilizar saldo de férias a serem gozadas.

4. FORMALIZAÇÕES A EMPREGADOS E FORNECEDORES

Definidas as ações que devem ser tomadas, é fundamental a formalização das negociações feitas. Isso vale para uma repactuação de jornada de trabalho, passando por aditamento de contratos e rescisões contratuais. É fundamental que tudo esteja bem detalhado para evitar processos futuros, reivindicando diferenças deixadas de serem pagas.

5. RENEGOCIAÇÃO DE DÍVIDAS

É fundamental adequar as dívidas e financiamentos da empresa para os cenários desenhados, buscando períodos de carência, redução de juros e extensão nos prazos de pagamento.

6. PREPARAR-SE PARA MUDANÇA CONSTANTE

Como diz o provérbio popular: “é preciso estar com um olho no peixe e outro no gato”. Não dá para prever o que vai acontecer, mas é possível medir diariamente para onde estamos indo e as metas estabelecidas. Essa leitura deve permitir uma visão de onde se está e onde se quer chegar, se as coisas continuarem da forma que está. Então, mudar é algo que não pode ser um desafio.

7. ADMINISTRAÇÃO DO CAIXA

Pior que vender é vender e não receber. O controle do caixa é fundamental nesse momento. A cobrança vira uma área fundamental na empresa. As negociações têm que ser rápidas para cortar fornecimento imediato em determinados casos que podem levar a empresa a sucumbir. Gestão de créditos e pagamentos é uma arte que tem que ser feita a todo instante. Não pagar algo não quer dizer que o “algo” deixou de existir. Muitas empresas financiarão tributos, mas não se pode deixar de lembrar que esses débitos continuam lá e uma hora terá que ser pago. Portanto, ainda que a estratégia seja manter no caixa esse dinheiro, ele deve ser separado do fluxo mensal para não o queimar em políticas de preço ou em despesas.

8. TRANSPARÊNCIA COM TODOS OS COLABORADORES

O empresário precisa ter um canal direto com todos os seus empregados para que todos saibam do que está acontecendo e o que se espera nesse momento. Mas essa não é uma missão que apenas o empresário precisa ter: agora é uma missão para todos. Portanto, é hora do RH agir com estratégia, baseado nas diretrizes montadas pela alta gestão.

9. PRODUTOS, MERCADORIA E SERVIÇO DO MOMENTO

Ter a sensibilidade do momento e do produto fornecido. Tem que se adequar rapidamente ao que o mercado busca e valoriza nesse momento de crise. De nada adianta produzir e comprar mercadoria para revenda, se ninguém vai comprar. Os produtos e serviços devem ser pensados e direcionados para linha de frente em momentos de crise.

10. CONTROLE

É fundamental ter controle: controle da operação, controle emocional e controle de tudo que puder nesse momento. É fato que com controle na mão a leitura do momento fica mais fácil, permitindo repensar os caminhos a serem adotados a cada instante.

Wirecard mantém processos seletivos e integra novos colaboradores remotamente durante a quarentena

Líder global em plataformas digitais de pagamento, a Wirecard trabalha para manter a qualidade dos seus serviços no Brasil e continua promovendo processos seletivos para a chegada de novos colaboradores.

Desde o início da quarentena em diversos estados do país para o controle da pandemia do novo coronavírus, a sede brasileira da empresa alemã já contratou e integrou 10 colaboradores, em sua maioria para a área de tecnologia. Com toda a companhia em trabalho remoto, o processo de integração dos novos colaboradores foi realizado de maneira um pouco diferente.

“Todo o onboarding foi feito por meio de chamadas de vídeo. Foi algo bem curioso, afinal era a primeira vez para os dois lados, tanto para os que chegaram quanto para nós. E é um momento muito importante para aculturar os novos funcionários na nossa empresa. Ambos tiveram uma paciência ímpar para que tudo desse certo”, afirma Michael Citadin, headde Recursos Humanos da Wirecard Brasil.

O processo de integração de novos colaboradores dura dois dias. Os novos colaboradores receberam seus materiais de trabalho (notebook, fonte, mouse) em casa e, nesses dias, conversaram com membros das principais áreas da empresa para contar um pouco do que fazem, como são os times e no que podem ajudar.

As oportunidades não param por aí: 50 novas posições ainda estão em aberto no site da Wirecard para os setores de tecnologia e infraestrutura. Durante o processo, serão priorizados os CVs de profissionais demitidos por causa da crise da COVID-19. Tudo, é claro, 100% online.

“Primeiro mandamos e-mail às pessoas que se candidatam com algumas perguntas, e com base nas respostas ligamos para as que deram maior match. Depois, enviamos um desafio, e os que obtiverem melhores resultados são chamados para um bate-papo online com o gestor da área. Em seguida, chamamos o time todo para conhecer a pessoa e, por fim, mandamos a oferta de trabalho”, explica Michael Citadin.

Novas oportunidades no time da Wirecard Brasil podem ser encontradas no LinkedIn da empresa.

Nestlé ganha agilidade com solução fiscal da Engineering

A Nestlé detém um complexo cenário de apurações fiscais e tributárias devido à sua presença em quase 100% do território brasileiro. Hoje, a indústria de alimentos gera um volume de cerca de 20 mil obrigatoriedades anuais relativas a mais de 20 milhões de notas ficais eletrônicas emitidas em 24 estados e 128 municípios onde opera, cada um com sua legislação, o que resulta em burocracia e muitos riscos.

Para ter ganho em performance e produtividade nas apurações fiscais, além de tomadas de decisões ágeis orientadas a dados, a companhia descontinuou seu software fiscal anterior e implementou o DP-FISC, solução focada nas apurações fiscais e obrigações acessórias homologada e certificada pela SAP e que é fornecida pela Engineering, companhia global de Tecnologia da Informação e Consultoria especializada em Transformação Digital.

O DP-FISC eliminou um problema histórico da Nestlé, que era a duplicação das informações na base de dados do sistema de gestão empresarial, o SAP. “Isso nos tornava muito reativos, pois tínhamos que esperar o mês finalizar para fecharmos as apurações a fim de não corrermos o risco de duplicidade de informações “, explica Fábio Donatelli, gerente de impostos indiretos da Nestlé.

“A solução, acrescenta o diretor de operações SAP da Engineering, Martim Tuma, é totalmente nativa ao ambiente SAP e trouxe agilidade nas apurações e obrigações acessórias. Com uma arquitetura robusta e escalável, o DP-FISC utiliza o poder do processamento HANA. Com isso, obrigações que eram geradas em horas passaram a ser processadas em minutos.”

Só no primeiro mês em produção, o DP-FISC já realizou 80% das entregas acessórias mensais, que equivalem a cerca de mil obrigatoriedades. A agilidade proporcionada pela solução trouxe ganhos consideráveis em performance e produtividade, como a redução no tempo de entrega do SPED Fiscal, passando de 7 horas para 12 minutos, ou seja, uma economia de 3400%. Já o SPED Contribuições, que antes era gerado em oito horas, caiu para 17 minutos, o que equivale a 2724% de redução.

Outra melhora perceptível foi no tempo de recebimento de notas fiscais, que agora são automatizadas por meio de um painel eletrônico, possibilitando, também, a detecção do número de erros, além da mensuração de documentos por localidades. “Com essa digitalização, agora temos tempo para, de fato, trabalhar como analistas. Deixamos simplesmente de subir notas fiscais no sistema para nos dedicarmos a uma posição mais estratégica, que é a tomada de decisões e o apoio ao negócio orientados pela ótica Data-Driven”, explica Bárbara Calil, coordenadora de projetos da Nestlé.

O projeto de Tax Transformation da Nestlé compreende as obrigações federais, estaduais, municipais e regimes especiais do setor alimentício: ISS (Imposto sobre Serviços), IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) PIS, COFINS, ECD (Escrituração Contábil), ECF (Escrituração Contábil Fiscal), Siscoserv (Sistema Integrado de Comércio Exterior de Serviços, Intangíveis e Outras Operações que Produzam Variações no Patrimônio) e Transfer Price.

A Engineering realizou customizações na solução a fim de criar as validações dos documentos fiscais com regras pré-definidas e automatizar ao máximo as rotinas de apuração de impostos. “Com isso, entregamos à Nestlé uma transformação fiscal segura, ágil e com melhores experiências para os usuários”, finaliza Tuma.

Conheça três programas de conexão com startups para ajudar a alavancar seus negócios nesta crise

O cenário de incerteza atual tem sido desafiador, especialmente, para as pequenas empresas. No Brasil, mais de 10 mil startups enfrentam essa realidade, tendo que lidar com perda de faturamento, dificuldade de captação de recursos de investidores e tentativa de manutenção de sua mão de obra empregada. Uma das possíveis saídas para a crise pode ser a geração de novos negócios, por meio de parceria entre startups e grandes empresas.

As empresas SLC Agrícola, Ingredion e Ocyan, em parceria com a Innoscience, estão com as inscrições abertas para os seus programas de conexão com startups. As companhias são gigantes nacionais e multinacionais do segmento agrícola, soluções em ingredientes e de óleo e gás.

O objetivo dos programas é resolver desafios de forma eficiente e inovadora. As startups selecionadas poderão executar um projeto piloto pago em uma das empresas, com suporte da consultoria. As que tiverem melhor desempenho poderão ser contratadas como fornecedoras, parceiras ou até discutir relação de investimento em participação. Ao todo são 19 desafios nos mais diversos segmentos. São elegíveis startups que tenham pelo menos um MVP (mínimo produto viável) desenvolvido e validado no mercado.

No próximo dia 15 de abril, às 17h, representantes das empresas farão uma live para apresentar os programas de forma detalhada e compartilhar informações sobre os desafios. As inscrições estão abertas e são gratuitas e podem ser feitas pelo link http://www.sympla.com.br/digital-roadshow—programas-de-conexao-grandes-oportunidades__830387
Confira mais detalhes dos programas abaixo

Programa Ingredion Open – Ingredion – Inscrições até 26 de abril
Desafios: Gestão de ponto, Automação planejamento industrial, Gestão de documentos, Antecipação de recebíveis, rastreabilidade de matéria-prima, novos canais para comercialização de ingredientes.
Acesse o site e faça sua inscrição: www.ingredionopen.com.br

Programa AgroExponencial – SLC Agrícola – Inscrições até 3 de maio
Desafios: Operações, Vendas & Novos Negócios, RH e Sustentabilidade
Acesse o site e faça sua inscrição: http://slcagricola.brightidea.com/agroexponencial

Programa Ocyan Waves Challenge – Ocyan – Inscrições até 15 de maio
Desafios: Digital Twin do BOP, Análise de fluido do BOP em tempo real, Gestão de Alarmes, Predição de Falhas e Gestão de mangueiras do Topdrive e Autoatendimento em almoxarifado
Acesse o site e faça sua inscrição: http://www.ocyan-sa.com/