Page

Author admin

Bayer anuncia chegada de Malu Weber para assumir a Comunicação Corporativa no Brasil

A multinacional Bayer anuncia a chegada de Malu Weber para assumir a posição de Diretora Sênior de Comunicação Corporativa no Brasil. Com reporte direto ao presidente da Bayer no Brasil, Marc Reichardt, a executiva ficará baseada em São Paulo e representará o país no time global de comunicação corporativa da Bayer.

“É um presente iniciar essa nova jornada na Bayer, grupo que tem como aspiração atingir “saúde para todos, fome para ninguém” e que como líder global tem clareza da sua responsabilidade e compromisso em construir um futuro mais sustentável nas áreas essenciais da vida: saúde e agronegócio”, afirma Malu Weber.

Malu chega na Bayer com a missão de desenvolver e implementar uma estratégia integrada de comunicação corporativa que apoie a estratégia de negócios da companhia e posicione a Bayer como a catalizadora da mudança e da transformação das áreas de saúde e do agronegócio no Brasil, país que se tornou extremamente relevante para os resultados do Grupo Bayer globalmente.

“A liderança da Malu, guiada por propósito, vai trazer muito valor neste momento de transformação da companhia, além de reforçar a diversidade em nosso time de liderança Brasil”, afirma Marc Reichardt, Presidente do Grupo Bayer no Brasil.

Com mais de 25 anos de experiência, Malu teve passagens por empresas nacionais e multinacionais como Johnson & Johnson, Grupo Votorantim e Grupo Globo (EPTV Campinas), liderando times de comunicação com assento em boards de negócios globais, regionais e locais. Formada em Jornalismo pela UNAERP, com pós-graduação em Comunicação com o Mercado pela ESPM, Comunicação Corporativa pela Syracure University/Aberje e Organizational Leadership pela Briyah Institute.

As líderes de comunicação dos negócios, Daniela Barros (Crop Science), que até então estava interina na função de Diretora de Comunicação Corporativa; Aline Pasetchny (Pharma); Lilian Torres (Consumer Health) e Larissa Battistini (Corporativo) passam a reportar diretamente para Malu.

Hash abre 20 vagas com home office

A Hash , fintech de meios de pagamento, pretende aumentar em 30% seu quadro de funcionários com o anúncio de 20 vagas abertas nas áreas de Suporte, Design, Operações, Produto e Tecnología – setor com maior número de contratações. Os interessados podem acessar informações sobre cada uma das vagas disponíveis por meio deste link .

“Tivemos um crescimento importante nos últimos meses e vimos que é o momento de aumentar o nosso time. Queremos construir o próximo case de tecnologia do Brasil e, para isso, buscamos pessoas que gostem de desafios e nos ajudem a transpor as barreiras do ecossistema de serviços financeiros”, afirma João Miranda, fundador e CEO da Hash.

Benefícios

Além dos benefícios básicos como seguro saúde, odontológico, de vida e vale-refeição ou alimentação, a Hash ainda fornece subsídios para prática de esportes e para fins de autodesenvolvimento. A companhia oferece também licença maternidade estendida de seis meses, licença paternidade de 20 dias e um auxílio financeiro mensal por filho, para ajudar e apoiar nos cuidados necessários com os bebês e crianças.

Trabalho remoto está no DNA

Desde a sua fundação a Hash se preocupa em disponibilizar horários flexíveis e home-office para todos os funcionários, independente da área. A empresa conta, inclusive, com colaboradores de outros estados e países.

Diante do “novo normal”, todo o time alocado no escritório de São Paulo, sede da empresa, deve permanecer trabalhando de casa até o fim deste ano. Todo o processo seletivo, assim como a imersão dos recém-contratados, serão realizados de forma online.

Confira as vagas disponíveis:

CUSTOMER SUCCESS

– Support Analyst

DESIGN

– Designer/Art Director

– Lead Product Designer

OPERATIONS

– I.T. Security Specialist

– Logistics Analyst

– Risk Analyst

PRODUCT

– Data Infrastructure Product Manager

– Product Operations Manager

– Project Manager

TECH

– Data Engineer

– Senior Software Engineer

– Site Reliability Engineer

Qintess nomeia Thaís Trapp como Diretora de Marketing para o Brasil e América Latina

A Qintess, uma das principais fornecedoras de soluções de tecnologia do Brasil, anuncia a nomeação de Thaís Trapp como nova Diretora de Marketing da companhia para a América Latina. Na companhia desde 2019 como Gerente de Marketing para América Latina, a executiva assume agora a diretoria da área com a missão de impulsionar ainda mais a presença da empresa no cenário nacional e latino-americano, reforçando o posicionamento estratégico da marca como parceiro completo para a transformação digital e inovação de seus clientes.

“Estamos crescendo rapidamente e uma das pessoas que seguramente tem nos ajudado nessa jornada é a Thaís, uma profissional com grande experiência na área de Marketing e que há mais de 10 anos atua na indústria de Tecnologia”, afirma Nana Baffour, CEO global da Qintess. “Nessa nova etapa, ela certamente nos ajudará a fortalecer a mensagem e o propósito de nossa companhia, mostrando o que a Qintess está fazendo para inovar e atender com excelência o mercado”.

Graduada em Jornalismo, com pós-graduação em Comunicação Internacional e Organizacional pela PUC de São Paulo e especialização em Planejamento Estratégico de Marketing pela Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM), a executiva soma diversos projetos internacionais, desenvolvidos em países como EUA, Inglaterra e México. Em sua trajetória profissional, teve passagens pela Brasscom (Associação Brasileira de Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação), Câmara de Indústria e Comércio Brasil-Alemanha e empresas como Softtek e BExpert.

“Em um ano pude liderar o projeto de rebrand da Qintess e conduzir toda a estratégia de posicionamento, change management e go-to-market da companhia. Tenho certeza de que estamos vivendo um momento singular, de rápida consolidação e expansão, e que ainda há muito a fazer para manter nossa marca crescendo de forma sólida e sustentável”, diz Thaís. “Como líder de Marketing para a América Latina, tenho a missão de fortalecer o nosso time para cobrir todas as geografias de forma integrada, com foco em inovação e nas melhores práticas do mercado”, afirma.

Segundo a diretora, uma de suas grandes metas é destacar a cultura de apoio às novas ideias dentro da empresa, ressaltando os diferenciais que guiam o processo de expansão sustentável da Qintess. “Somos parte de uma startup que nasceu com mais de 3 mil pessoas e que tem o ESG como o grande pilar da estratégia de transformação. Por isso, o nosso foco agora é fazer com que o mercado conheça as nossas melhores práticas e tenha acesso ao nosso portfólio de inovação e soluções digitais”, acrescenta Thaís.

Como reestruturar equipes após a crise do coronavírus

Como forma de enfrentar os impactos causados pela crise do novo coronavírus (COVID-19), muitas empresas precisaram adotar medidas drásticas. Dentre elas, adaptação ao trabalho remoto, antecipação de férias e feriados, flexibilização da jornada, redução salarial e, de acordo com as normas do governo, até mesmo, o desligamento de funcionários.

Agora, com a gradual retomada de diversos setores, muitas empresas estão reestruturando equipes para atender a demanda. Mas quem contratar primeiro? Para Fabio Battaglia, CEO da Randstad, empresa global em soluções de recursos humanos, o recomendado é começar pelos cargos de gestão. “Os gestores serão fundamentais para nortear a equipe na rotina do trabalho ou auxiliar no processo de contratação dos demais colaboradores, uma vez que farão parte do time que ele irá gerenciar”, orienta o especialista.

Quando o assunto é a contratação de ex-funcionários, Battaglia diz que se o desempenho do colaborador era bom e ele foi desligado apenas em decorrência de crise financeira, vale a recontratação, se a política de RH da empresa permitir. “O profissional em questão já conhece a organização, os processos e a equipe, tem bons requisitos para continuar um trabalho de qualidade. Sem contar que, caso o colaborador que foi desligado ainda não tenha encontrado uma recolocação no mercado de trabalho e estiver disposto a voltar, será uma boa oportunidade de retomar sua segurança profissional e financeira”, comenta.

Caso não exista um cenário que possibilite a recontratação de colaboradores desligados anteriormente, o especialista em RH orienta que em momentos como este, as empresas não deixem de buscar profissionais com valores alinhados ao da companhia, que mostrem capacidade rápida de adaptação, disponibilidade em aprender e compromisso com os objetivos que o cargo pressupõe.

Processos

A pandemia mudou as relações de trabalho antes conhecidas. Mesmo com o retorno aos escritórios, o digital se faz mais presente na comunicação e na forma que as pessoas se relacionam profissionalmente. Tarefas como contratar e recepcionar funcionários à distância, trabalhar remotamente, realizar reuniões e feedbacks por videoconferência mostram que os processos podem ser ágeis, sem perder a qualidade.

“Este é o nosso ‘novo normal’. Mas, mesmo que a tecnologia nos aproxime e facilite a rotina, é essencial manter uma comunicação constante e transparente com as equipes. Essas práticas podem ajudar no engajamento dos colaboradores à distância, além de aproximá-los com o gestor e com o próprio time e, consequentemente, manter o desempenho no trabalho”, finaliza o CEO da Randstad.

Em ritmo de crescimento acelerado, Liv Up abre mais de 70 vagas

A Liv Up, uma das mais proeminentes startups brasileiras, reforçou seu ritmo acelerado de crescimento e essa semana anunciou mais de 70 vagas em áreas diversas de atuação que vão desde chefs de criação, líderes de desenvolvimento de produto, engenheiros de software, cientista de dados, entre outros. Sendo que algumas das posições são remotas, o que abre oportunidade para pessoas de todo o Brasil.

A foodtech que recentemente anunciou mais de 50% de mulheres na liderança da empresa e 51% no quadro geral de funcionários afirma que está com posições abertas para diferentes níveis de senioridade e para trabalhar em áreas como tecnologia, produto digital, portfolio, branding, logística e operações “Acreditamos que os valores da empresa têm nos ajudado a conquistar pessoas de destaque em suas áreas e com muito potencial para assumir novos desafios no mundo das startups e ajudar a construir uma empresa cada dia mais diversa e inovadora” afirma a diretora de Pessoas e Cultura, Cleide Oliveira.

Nascida com o propósito de transformar a relação das pessoas com a comida, a Liv Up é uma empresa de alimentação saudável que busca por meio do fornecimento de alimentos preferencialmente orgânicos, naturais e sem aditivos, causar impacto positivo em toda a cadeia, desde a relação com os fornecedores até o consumidor final. Com muita tecnologia e uso de dados a empresa tem despontado pela inovação no setor de alimentação em busca de escalar grandes desafios e gerar uma experiência positiva a todos que se conectam com a marca.

As oportunidades podem ser acessadas nos links:

http://www.linkedin.com/jobs/search/?f_C=10475106&geoId=92000000

http://apply.workable.com/livup/j/F35AA7 840F/

Food service ganha software para impulsionar retomada dos negócios pessoais

A GrandChef, foodtech especializada na gestão completa de restaurantes, bares e estabelecimentos gastronômicos, anuncia o lançamento da nova versão de seu software, que planeja ser um grande aliado na retomada das atividades de estabelecimentos no pós-pandemia. O sistema, 100% online e com armazenamento em nuvem, facilita o controle de pedidos por meio de comandas eletrônicas, controle de caixa e de estoque, gestão de mesas (incluindo a leitura de QR Code) e de balcão, disponibilizando todas as informações na tela do smartphone ou Tablet.

“Nossa proposta é oferecer uma tecnologia de ponta e acessível aos micro e pequenos empreendedores do comércio de gastronomia em todo o Brasil, para que possam ter uma visão completa de todos os pedidos do seu estabelecimento, tornando a administração mais fácil, profissional e eficaz. Com a nova versão, é possível gerenciar seu negócio onde e quando quiser, por meio de um smartphone conectado à internet”, revela Geison Correa, CEO e sócio fundador da GrandChef.

Com integrações que permitem o pagamento online e integração com Ferramentas de Marketing, a solução possui o módulo de delivery online, que possibilita ao dono do estabelecimento usufruir de funcionalidades específicas, tais como o desenvolvimento de um site com cardápio online com fotos e descrições dos pratos; a realização de campanhas de marketing e remarketing com Google e Facebook/Instagram para a fidelização de clientes; a criação de cupons e códigos promocionais de desconto; divulgações via WhatsApp Business.

Atualmente, a GrandChef já é utilizada por mais de três mil estabelecimentos e tem integração com plataformas como PicPay Pagseguro e com equipamentos de automação comercial como Controlid, Bematech, Elgin, Epson, Toledo, Magna, Filizola entre outros.

Com planos a partir de R$ 69,90 ao mês, os interessados podem testar o software e suas funcionalidades por 30 dias gratuitamente. A GrandChef conta com uma equipe de profissionais altamente capacitados na área de serviço de atenção ao consumidor, consultoria, marketing, análise, desenvolvimento e atendimento, que dão todo o suporte aos clientes.

“Queremos oferecer uma ferramenta que vá além dos controles de planilhas ou soluções legadas, mas sendo tão acessível e mais intuitiva. Para tanto, estamos sempre nos adaptando às necessidades do nosso cliente, desenvolvendo novas ferramentas e formas de gerenciamento por meio de customizações em demanda. Com o lançamento e novas parcerias, a expectativa é crescer 50% até o final do ano em relação a 2019”, ressalta Correa.

Via Varejo abre novas vagas de emprego para pessoas com deficiência no Rio de Janeiro

Em linha com as políticas inclusivas de trabalho, e com o objetivo de promover a diversidade profissional e a igualdade de oportunidades, a Via Varejo, dona das marcas Casas Bahia, Pontofrio e Extra.com, anuncia a abertura de 20 novas vagas para pessoas com deficiência (PcD) no estado do Rio de Janeiro.

As vagas são para início imediato e os selecionados irão atuar em variadas posições. O regime é CLT e garante diversos benefícios. Neste ciclo de contratações, os candidatos precisam ter mais de 18 anos, ensino médio completo (de preferência), disponibilidade para trabalhar em escala 6×1 e o laudo médico com CID atualizado.

Em decorrência do regime de quarentena, as entrevistas serão realizadas por meio de canais digitais como medida de prevenção no esforço de combate ao novo Coronavírus (Covid-19).

Nos próximos meses, está prevista a abertura de mais 200 vagas para fortalecimento das equipes das unidades do estado do Rio de Janeiro. Os interessados podem se cadastrar por meio do site: http://viavarejo.gupy.io/jobs/278922, para banco de currículos .

Danone Nutricia anuncia selecionadas para seu programa de aceleração de startups

Danone Nutricia acaba de selecionar as startups que irão participar do programa de aceleração Transforming Lab 2020. A segunda edição do projeto, que tem como objetivo encontrar empresas que queiram contribuir para transformar o mundo por meio da nutrição, recebeu 359 inscrições de startups de 10 estados diferentes e, após um processo de seleção, avaliação e entrevista com as candidatas, escolheu cinco delas para o programa deste ano. Todas as startups selecionadas estão em fase de tração, ou seja, já possuem soluções testadas e aprovadas no mercado.

Cada uma das selecionadas irá desenvolver soluções especificas ligadas aos diferentes temas propostos no desafio do Transforming Lab. A Biogenetika trabalhará no mapeamento nutricional dos consumidores, a Plataforma Verde se dedicará à logística reversa sustentável e a Meplis cuidará do que diz respeito ao suporte e engajamento de pacientes. Já a Oncase irá trabalhar com big data e business inteligence, enquanto a For see fará um trabalho focado em planejamento e Inteligência do sequenciamento da produção e indústria 4.0.

O programa de aceleração, fruto da parceria inédita entre a Danone Nutricia, divisão de nutrição especializada da Danone Brasil, e a Liga Ventures, primeira aceleradora focada em conectar startups e grandes empresas no país, irá oferecer acompanhamento do time da Liga e mentorias exclusivas de executivos da Danone Nutricia. O objetivo é contribuir com o propósito de criar soluções a partir de serviços, tecnologias, produtos e insumos que transformem a vida dos consumidores finais, clientes varejistas, parceiros, médicos, representantes e funcionários. Além disso, vai possibilitar às escolhidas ampliar seus negócios e mercado. 

“Estamos muito satisfeitos com o sucesso da segunda edição deste importante projeto que é o Danone Nutricia Transforming Lab. Poder contar com a participação da Liga Ventures foi um diferencial e tanto no processo. Acreditamos que poder aliar o nosso conhecimento de mais de 100 anos de pesquisa e desenvolvimento em nutrição com a expertise de nossa parceira e a capacidade de empreender e a agilidade destas startups irá nos ajudar a atingir nosso propósito de desenvolver soluções inovadoras, capazes de transformar vidas”, afirma Fernando Lopes, diretor de Marketing e Inovação da Danone Nutricia.

A aceleração para as escolhidas deve começar ainda em agosto e as soluções desenvolvidas por elas em parceria com Danone Nutricia devem ser apresentadas ao mercado a partir do segundo semestre de 2021.

Klabin abre inscrições para Pitch Day de Sustentabilidade

Os esforços da maior produtora e exportadora de papéis para embalagens do Brasil são voltados a iniciativas comprometidas com a sustentabilidade para a gestão de seus negócios. Diante disso, a Klabin abre hoje (18) as inscrições para mais uma edição de Pitch Day. O programa de inovação aberta busca atrair parceiros que auxiliem a empresa na melhor destinação dos Dregs, resíduos sólidos gerados a partir da fabricação de celulose, utilizando-o de forma eficiente e fomentando, assim, a economia circular.

Os Dregs são materiais sólidos compostos por agentes químicos, que são gerados no processo de fabricação de celulose nas fábricas de Telêmaco Borba e Ortigueira, no Paraná. Esses resíduos podem ser utilizados em aplicações como agricultura, artefatos de cimentos, cerâmicas, tijolos, olarias, clinquers e pavimentação.
“Os Pitch Days têm se mostrado uma importante ferramenta para a solução de desafios e aproximação de parceiros que queiram fazer parte da construção conjunta de um futuro sustentável. Temos alcançado excelentes resultados com os programas já realizados.”, destaca Renata Freesz, gerente de Inovação da Klabin.

Os interessados devem se inscrever até o dia 19 de setembro, por meio do link:
http://inova.klabin.com.br/programas/klabin-pitch-day/uso-de-dregs.php

KPMG abre mais de 270 vagas para jovens talentos em 23 cidades

A KPMG está com as inscrições abertas, até o dia 11 de outubro, para o processo seletivo de jovens talentos para a área de auditoria. A empresa está oferecendo oportunidades para universitários dos cursos de administração, ciências contábeis, ciências econômicas ou engenharia de produção. Serão disponibilizadas mais de 270 vagas para atuação em 23 cidades onde a KPMG atua.

Para participar, os candidatos não precisam ter qualquer experiência profissional, mas devem ter no mínimo inglês intermediário. Deverão estar cursando uma universidade a partir do 3º semestre ou ter concluído em dezembro de2018. Além da remuneração mensal, os jovens terão direito a benefícios como plano de saúde, assistência odontológica, seguro de vida, curso de idioma, academia, vale transporte, vale refeição, auxílio alimentação, entre outros.

O processo seletivo será realizado de forma completamente digital. Ao realizarem as inscrições, os candidatos passarão por um avaliação online. Na segunda etapa, os aprovados participarão de uma dinâmica de grupo. Por fim, haverá uma etapa de avaliação com os gestores. Após a aprovação, os profissionais começarão a atuar na KPMG a partir de outubro deste ano, em regime home office inicialmente.

Para que o profissional entenda o mundo de auditoria, conheça a cultura da empresa, se desenvolva e exerça o trabalho com a qualidade necessária, o jovem participará de um programa de desenvolvimento que será formado por diversos pilares, incluindo capacitação técnica, habilidades interpessoais, tecnologia, além de mentoria com líderes mais experientes.

Auditoria do futuro:

Além da experiência de atuar em uma das maiores empresas de auditoria do mundo, os jovens talentos da KPMG terão contato com novas tecnologias desenvolvidas especialmente para trazer inovação para a entrega da auditoria. Entre as novas ferramentas, estão o uso de plataformas inteligentes como análise de dados, automação de processos de auditoria em diversos segmentos, leitura de documentos com uso de inteligência artificial e aplicação de soluções tecnológicas para realização de inventários.

Uma nova auditoria está desenhada para um novo auditor – com um perfil tecnológico e inovador – suportada por áreas de criação e desenvolvimento de produtos, para a busca continua por um maior valor agregado e com foco em remodelar os processos de entrega aos clientes, garantir melhor experiência aos profissionais e gerar maior consistência, qualidade e eficiência, através de uma transformação digital constante”, afirma o sócio-lider da área de auditoria da KPMG, Carlos Pires.

Programa Jovens Talentos KPMG


• Inscrições: Até 11 de outubro de 2020.
• Oportunidades: 270 vagas.
• Locais de trabalho: São Paulo, Osasco, Ribeirão Preto, São Carlos, São José dos Campos, Rio de Janeiro, Belém, Belo Horizonte, Uberlândia, Brasília, Campinas, Cuiabá, Curitiba, Londrina, Florianópolis, Fortaleza, Goiânia, Joinville, Londrina, Manaus, Porto Alegre, Recife e Salvador.
• Requisitos: Graduação em andamento ou finalizada nos cursos de administração, ciências contábeis, ciências econômicas ou engenharia de produção. Os candidatos devem estar matriculados na universidade a partir do 3º semestre ou ter concluído o curso em dezembro de 2018. O nível de inglês exigido é o intermediário.
• Link de inscrição: http://www.kpmg.com.br/carreiras/jovens-talentos/auditoria/

Halliburton fecha acordo estratégico com Microsoft e Accenture para expandir capacidades digitais

A Halliburton (NYSE: HAL), a Microsoft Corp (Nasdaq: MSFT) e a Accenture (NYSE: ACN) acabam de anunciar um acordo estratégico de cinco anos que tem como objetivo expandir as capacidades digitais da Halliburton no Microsoft Azure.

Com a parceria, a Halliburton irá completar sua migração para plataformas digitais baseadas na nuvem e fortalecer as ofertas para seus clientes por meio das seguintes ações:

• Aprimoramento das plataformas em tempo real para operações remotas expandidas;

• Fortalecimento da capacidade de analítica com o Halliburton Data Lake por meio de aprendizado de máquina e inteligência artificial;

• Aceleração da implantação de novas tecnologias e aplicativos, incluindo a conformidade SOC2 para a confiabilidade e segurança geral do sistema da Halliburton.

“O acordo estratégico com a Microsoft e a Accenture é um passo importante rumo à adoção de novas tecnologias e aplicações, fortalecendo nossas capacidades digitais, impulsionando agilidade adicional de negócios e reduzindo despesas de capital”, explica Jeff Miller, presidente do conselho administrativo, CEO e diretor-executivo da Halliburton. “Estamos animados com os benefícios que iremos oferecer aos nossos clientes e funcionários por meio desse acordo, além da oportunidade de seguir impulsionando nossa abordagem de arquitetura aberta para entrega de software.”

“A migração para a nuvem possibilita às empresas a criação de ofertas de grande impacto no mercado, além de resultados de negócios tangíveis”, explica Judson Althoff, vice-presidente executivo de negócios comerciais mundiais da Microsoft. “Por meio da aliança com a Halliburton e a Accenture iremos aplicar todo o poder da nuvem para acessar capacidades digitais que irão beneficiar a Halliburton e seus clientes.”

O acordo também possibilita a migração de todos os data centers físicos da Halliburton para o Azure, que fornece serviços de nuvem de nível empresarial em escala global, além de benefícios em sustentabilidade. Em paralelo aos trabalhos envolvendo a Avenade, outra joint venture entre Accenture e Microsoft, as duas empresas irão trabalhar lado a lado a fim de ajudar na transição das capacidades digitais e aplicações críticas de negócios da Halliburton para o Azure. A Accenture irá alavancar sua abrangente estrutura de migração para a nuvem, que reúne recursos industrializados, juntamente com ferramentas, métodos e automação exclusivos para acelerar a migração do centro de dados da Halliburton e proporcionar oportunidades adicionais de transformação.

“Construir um núcleo totalmente digital e expandi-lo rapidamente por toda a empresa só é possível com uma base sólida na nuvem”, explica Julie Sweet, CEO da Accenture. “A Halliburton reconhece que esse passo irá oferecer a inovação, eficiência e talentos necessários para fazer as coisas de forma diferente e rápido. Ficamos felizes em liderar essa grande transformação que tem como base nosso longo histórico de trabalho com a Halliburton e a Microsoft.”

As empresas esperam concluir a migração em etapas até 2022.

Bossa Nova Investimentos anuncia parceria com programa O Anjo Investidor

A Bossa Nova Investimentos, micro venture capital que investe em startups em estágio pré-seed com atuação em todo território nacional, acaba de anunciar uma parceria com o programa O Anjo Investidor, reality show sobre o universo das startups, para encontrar empresas com potencial para receber investimento anjo. Comandado por João Kepler, Diretor da Bossa Nova Investimentos, o programa retratará o cotidiano de 13 empresas que receberão mentorias do próprio Kepler e de um time de especialistas, além de terem a chance de ganhar seu primeiro aporte.

Com o objetivo de mostrar como uma startup com perfil inovador pode conseguir um investimento e alavancar o negócio, na primeira temporada o reality investiu em oito empresas. Entre elas estão a 4student e Ozllo. O programa também tem como missão fazer o público entender como uma boa ideia pode se transformar em um negócio de sucesso, tendo como exemplo as startups selecionadas.

Segundo Kepler, ter a oportunidade de fazer uma segunda temporada do programa, e em parceria com a Bossa Nova Investimentos, é uma honra. “O Anjo Investidor é uma grande chance para as startups que estão em busca da sua primeira rodada de investimentos, mas que precisam de mentoria para entender melhor como funciona o mercado. Dessa vez, tenho junto comigo o time de especialistas da Bossa Nova Investimentos, que é atualmente o venture capital mais conceituado da América Latina. Com certeza faremos bons negócios ao longo do projeto”, comenta o investidor.

Produzido pela Tabasco Filmes, o reality show tem tudo para ter o mesmo sucesso da primeira temporada, graças a responsabilidade e transparência com que trata as negociações com as startups. “Durante a produção fica ainda mais evidente como o trabalho é sério e todos os negócios são avaliados com muito critério. Caso não ocorra investimento, a empresa recebe um diagnóstico e explicação da negativa. Em caso de investimento, as condições são esclarecidas, o representante pode consultar os sócios para tomar a decisão e um acordo será selado. Tudo de forma muito profissional”, conta Paulo Veronezi da Tabasco Filmes.

As startups interessadas podem se inscrever pelo link. E precisam ter as seguintes características: Ter Produtos/Serviços validados e operando, ser B2B / B2B2C, estar operando há pelo menos 1 ano – próximas do break-even, serem inovadoras, digitais e escaláveis, ter negócios de tecnologia em estágio PRE-SEED (de R$100k a R$300k), ter prioridade no modelo SaaS, e que não estejam no segmento de governo, games ou hardware e precisam ser de São Paulo – SP.

Open Banking no Brasil: o que muda para os consumidores?


Por Marco Santos

Você já imaginou a facilidade de poder acessar diversas contas bancárias usando um único sistema sem a necessidade de ter vários aplicativos ou tokens? Já pensou em receber uma análise de suas movimentações financeiras, oferta/cotação de produtos baseado em sua real necessidade (independentemente de você ser correntista da instituição), padrões de comportamento de suas compras e um alerta sobre seus custos? E, além disso, saber qual é o melhor investimento para se fazer a curto, médio ou longo prazos?

Isso tudo é possível com o Open Banking, um termo da área de serviços financeiros que estabelece um conjunto de regras sobre o uso e compartilhamento de dados e informações financeiras entre instituições, por meio de uma integração de sistemas, com o consentimento do titular. As medidas para implementação deste novo modelo no país foram aprovadas recentemente pelo Banco Central, que estabeleceu um cronograma de ações em fases ,para que o sistema esteja em funcionamento a partir de 30 de novembro de 2020 e a conclusão prevista até outubro de 2021.

Era dos dados

A ideia é que esse novo modelo traga reduções de custos bancários e diminua burocracias em prol do consumidor. A medida é, sem dúvida, um grande avanço para o mercado financeiro nacional e vai facilitar o compartilhamento de informações de clientes entre instituições e, consequentemente, melhores serviços e produtos mais personalizados. A regulamentação do Open Banking vem ao encontro da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), em que o consumidor é titular de suas informações e deve autorizar qualquer alteração financeira.

Essas integrações das instituições financeiras serão feitas por interfaces de programação de aplicação, conhecidas como APIs, que são interfaces de comunicação de programas. Utilizamos as APIs todo tempo: quando fazemos o cadastro de um site ou aplicativo, que permite que façamos login com perfil de uma rede social, por exemplo. No mercado financeiro, as APIs permitem que suas informações bancárias apareçam no aplicativo ou site, ou seja, cada banco possui uma API.

Com o Open Banking, será definido um padrão de API, o que vai permitir que empresas do setor financeiro acessem o banco de dados diferentes e integrem seus respectivos sistemas, compartilhem dados e realizem transações de forma automatizada e segura.

A Resolução Conjunta do Banco Central e do Conselho Monetário, que dispõe sobre a implementação do Sistema Financeiro Aberto, determina que as instituições financeiras de categoria S1 e S2, o que inclui os bancos de grande porte, serão obrigadas a aderir ao sistema financeiro aberto. A adesão é opcional para as instituições a partir da categoria S3, como bancos de pequeno porte, fintechs e cooperativas de crédito. Todos os participantes devem compartilhar entre si as informações de clientes, a partir de autorização explícita. O consumidor tem o poder de gerir as informações que serão compartilhadas, a finalidade, e o prazo para esse compartilhamento.

Menos burocracia

No mundo em que a informação vale ouro, conhecer o comportamento financeiro do consumidor fará não apenas com que ele tenha acesso a produtos, serviços e crédito que estejam mais adequados às suas necessidades, mas também trará mais segurança para bancos e instituições financeiras que conseguirão avaliar melhor o perfil para quem oferecem crédito. Assim, conseguirão discernir entre os bons e maus pagadores e ter um risco operacional menor, por exemplo.

Outro ponto que defendo é que o Open Banking facilitará a inclusão financeira de desbancarizados. Com um celular, é possível abrir uma conta digital, sem a burocracia de ir à uma agência e perder tempo com a documentação. No Brasil, o número de pessoas que não movimentam a conta bancária há mais de 6 meses ou optaram por não ter um banco é de 45 milhões, de acordo com uma pesquisa levantada pelo Instituto Locomotiva. Esse grupo movimenta cerca de R$800 bilhões por ano.

Segurança da Informação

Muitos consumidores devem se perguntar qual é a possibilidade de vazamento de dados com o Open Banking, já que o sistema lidará com dados sensíveis dos usuários. Mesmo que não exista um sistema 100% seguro, as instituições financeiras investem bastante em mecanismo de proteção para garantir a segurança dos dados. Porém, o consumidor também deve fazer a sua parte, protegendo computadores e dispositivos móveis com um antivírus e mantendo todos os aplicativos e softwares atualizados.

O Brasil não é o pioneiro na elaboração do Sistema Financeiro Aberto, países da união europeia implementaram o sistema no bloco em 2019. Austrália, Índia e Canadá já estão em discussões avançadas sobre o tema. Na era em que os dados são essenciais para todos, o Open Banking pode representar uma grande revolução digital e cultural.

Marco Santos, presidente da GFT para América Latina

Magalu tem mais de 100 vagas abertas na área de tecnologia, com possibilidade de trabalho 100% remoto

O Magalu, principal ecossistema de e-commerce do país, está contratando mais de 100 profissionais para trabalhar no Luizalabs, área de tecnologia da empresa. Os contratados poderão optar pelo modelo de trabalho 100% remoto, híbrido ou presencial, por isso, interessados de todo o Brasil terão a oportunidade de se candidatar.

O Magalu busca profissionais de diversos níveis de senioridade para atuar nas áreas de desenvolvimento de software, nas linguagens: Python, Node, .Net, Java, PHP, GO, React, Desenvolvimento Mobile (Android e iOS), Product Owner, Product Manager, DevOps para Infraestrutura) e Segurança da Informação. E, ainda, estão abertas posições de liderança como Squad Lead (coordenador) do time de desenvolvimento e de segurança.

O Luizalabs foi responsável pelo processo de transformação digital pelo qual o Magalu passou. Atualmente, a área atua no desenvolvimento de soluções aplicadas ao negócio com uma equipe de 1.300 colaboradores, divididos nos setores de Desenvolvimento de Software, UI (Interface do Usuário), UX (Experiência do Usuário), Data science (Ciência de Dados), Produto, Agilidade e Segurança da Informação

Um dos traços da cultura do Magalu é a flexibilidade e rápida adaptação às mudanças. No início da pandemia, umas das ações com grande repercussão foi o lançamento do Parceiro Magalu, plataforma digital de vendas que tem o intuito de ajudar micro e pequenos varejistas e profissionais autônomos a manter seus negócios e obter renda durante o período de isolamento social imposto pela pandemia de COVID-19. A empresa também se manteve ativa na campanha pela não-demissão de funcionários durante esse período, mantendo algumas áreas com colaboradores trabalhando em esquema 100% home-office e com projeto de continuidade em alguns setores, já que o modelo se mostrou eficiente. Além disso, o Magalu realizou doações para o combate à pandemia e é uma das marcas mais lembradas durante esse momento.

Para conhecer as oportunidades e obter mais informações, os interessados devem acessar a página de carreiras: http://carreiras.magazineluiza.com.br/times/Luizalabs.

Existirá um novo normal? Estratégias para não perder o market share

Por Mônica Schimenes, CEO da MCM Brand Group

Quando a situação pandêmica começou, no primeiro momento, eu tive medo. Receio sobre tudo o que estava acontecendo. Já em um segundo momento, senti que era a hora de ser generosa. Mas, por que? Acredito que seja isso que vai sobrar no final de tudo, saber olhar para ao redor e ver quem são as pessoas que estavam e ainda estão necessitadas e com quem podemos dividir e compartilhar nossos conhecimentos.

Porém, as mudanças não foram apenas pessoais e internas, quando pensamos em aspectos do empreendedorismo e nas próprias empresas, o novo chegou adaptando a camisa do B2B para o B2C e também nos transformando no H2H. Muitas marcas não sabiam exatamente por onde seguir, o que fazer, como manter uma jornada de experiência ou como se relacionar com seu cliente final. Depois desse start, chegou o momento de olhar para todos que estavam ao nosso lado, de alguma forma, e buscar uma estratégia, pensando em desenvolver uma nova jornada de comunicação e fazer com que as empresas não percam market share.

Neste contexto, o Live Marketing é extremamente importante e as companhias precisam entender e acompanhar esse desenvolvimento. As plataformas de vídeo ganharam ainda mais espaço, podemos trabalhar de uma forma híbrida e conquistar lugares que antes eram apenas uma parte de nosso trabalho, mas hoje já é uma extensão de tudo o que realizamos. Além disso, os nossos valores fundamentais serão baseados em empatia, olhar o próximo e levar soluções aos mesmos.

O cenário atual fez com que as empresas se digitalizassem num curto espaço de tempo, pois tudo aquilo que pensávamos ser uma transformação digital para cinco ou dez anos aqui no Brasil, tivemos que transformar em, no máximo, 90 dias. O home office chegou para todos, sendo que para muitos não existia ou que, igual a nós aqui na agência, era realidade uma vez por semana ou a cada 15 dias, dependendo dos projetos. Então, os profissionais precisaram desenvolver novos skills e, com isso, foram surgindo novas personalidades dentro do mundo corporativo, exatamente por nós redescobrirmos a cada dia.

Com as adaptações e novas ideias, todo esse turbilhão em conjunto, veio a carga do humano, que diariamente estamos tendo que aprender a lidar. Cansaço, excesso de tela e pouco cuidado com o físico pode atrapalhar no desenvolvimento da empresa nesse momento tão difícil. É por isso que precisamos nos informar, buscar boas práticas para conseguir entender os colaboradores e clientes. Olhá-los com sensibilidade e sabermos que são humanos antes de qualquer profissão e que precisamos deles bem para o mercado rodar .

Numa empresa de médio porte como a nossa, quando temos menos recursos, precisamos abusar do relacionamento, se fazer presente na vida dos colaboradores, para que todos se ajudem. Essa atitude faz com que o estresse diminua e, consequentemente, aumente a produtividade, as entregas e o trabalho. Essa conduta vale para os clientes também, sendo necessário mostrar a eles que estamos disponíveis para ajudá-los, para que eles continuem se desenvolvendo e comunicando o seu negócio.

Outra visão que acredito ser extremamente válida dentro de qualquer empresa é priorizar a inclusão dentro dos prestadores de serviços. Esse é o momento de encontrarmos fornecedores de diversidade para trabalhar com a gente, trazer os pequenos para o nosso lado e entender quais deles conseguiram se habilitar digitalmente para conseguirem oferecer soluções novas. Esse é um novo dilema e desafio, mas existem aqueles que conseguem atender em tempos onde requer tanta inovação.

Para finalizar, gostaria de deixar algumas dicas importantes na área dos negócios: entregue seus produtos, desenhe lançamentos, leve o live marketing para outro nível de experiência e transforme o propósito da empresa. Não se esqueça de abusar do ambiente híbrido e da digitalização. O resultado chega e é muito mais prazeroso do que antes, porque – no final – o que fica disso tudo é que o mundo mudou, é uma outra comunicação, e nós vamos nos adaptando de acordo com o que vai acontecendo. Por mais que a pandemia tenha trazido essa mudança, a vida também sempre nos trouxe e esse é o normal, nos adaptarmos todos os dias.

Mônica Schimenes, fundadora e CEO da MCM Brand Group

A urgência da reforma tributária

João Carlos Marchesan

No Brasil, o debate sobre a necessidade de uma reforma tributária ocorre há décadas. Neste interim presenciamos inúmeras alterações do sistema na tentativa de melhorar alguns aspectos da legislação tributária brasileira, mas que no fundo vieram para desconfigurar a estrutura original sem trazer ao país melhoria de eficiência necessária.

Atualmente o sistema tributário é um dos principais entraves à competitividade mais elevada da indústria brasileira. O Brasil possuí um modelo altamente complexo, composto por um número excessivo tributos, com concentração sobre o consumo, e que exige um alto custo administrativo, – no âmbito do ICMS – Imposto sobre Circulação de Mercadorias, existem 27 legislações – trata-se, portanto, de um grande complicador para os contribuintes, o que aumenta consideravelmente as assimetrias sistêmicas do país.

Além disso, a tributação ocorre na origem, o que abre espaço para política de atração de empresas por meio da concessão de benefícios fiscais, levando a distorções nas decisões de investimentos, permite a cumulatividade, dificulta o acesso a créditos relativos às operações, onerando exportações e investimentos.

Este emaranhado de ineficiências combinado à grave crise que passamos, torna ainda mais urgente uma reforma tributária que possa ajudar o Brasil a retomar o crescimento. Estudos recentes divulgados afirmam que a simples mudança para um sistema tributário mais racional e eficiente, aos moldes do previsto na PEC 45, torna possível o aumento do PIB potencial do Brasil em 20% em 15 anos, em razão principalmente do aumento da produtividade total dos fatores e do aumento dos investimentos.

Assim apoiamos veemente uma reforma que simplifique sobremaneira o atual sistema tributário, e, em especial a tributação sobre o consumo, reduzindo a insegurança jurídica e os custos administrativos tanto por parte dos contribuintes como do fisco, aumentando a competitividade dos bens e serviços nacionais nos mercados interno e externo.

Dentre os diversos modelos de tributação em debate, entendemos que o que melhor atende aos anseios do setor produtivo é aquele estruturado por IVA – Imposto sobre Valor Agregado incidente sobre bens e serviços, composto por regime de crédito financeiro, no qual todo o imposto pago pela empresa gere crédito, que permita exportações e investimentos totalmente desonerados e com garantia da devolução imediata dos créditos. Que simplifique e uniformize regras federais, estaduais e municipais.

A simplificação precisa perseguir a unificação de tributos federais (IPI, PIS, Cofins e CSLL) com estaduais (ICMS) e municipais (ISS) num imposto de valor agregado (IVA). É necessário ainda que o novo modelo entre em vigor de forma rápida já que uma transição longa aumentaria a complexidade, burocracia e custos de administração do sistema. Adicionalmente, é necessário pensar num modelo que mantenha o recolhimento de INSS e contribuição ao Sistema S mas que não onere a folha de salário. Isso permitiria preservar mão de obra, especialmente em períodos de encolhimento das receitas de vendas de bens e serviços.

A hora é agora, precisamos com urgência de uma reforma que garanta ao sistema tributário nacional a simplificação, justiça e transparência desejada por todos os contribuintes. Os benefícios desta ação são muitos, mas destacamos a expressiva melhora do ambiente de negócios do país em razão da redução dos custos relacionados à administração dos tributos e dos litígios, aumento da segurança jurídica, ampliação da taxa de investimento por conta da redução do custo que ocorrerá nas máquinas e equipamentos ao eliminar a cumulatividade do sistema e garantir o crédito imediato. Todos fatores que permitirão aumento da produtividade, ganho de competitividade da produção nacional, expansão dos investimentos, redução do índice de desemprego e em aumento da renda do país.

João Carlos Marchesan, presidente do Conselho de Administração da ABIMAQ

A inovação só ocorre com informação e planejamento

Estamos no momento de uma retomada econômica global tímida em função dos perigos da pandemia da Covid-19. Diante disso, muitas empresas ainda precisam acelerar o posicionamento no jogo dos negócios, tendo como questões a revisão de seus comportamentos empresariais e visão no relacionamento com os clientes.

Hoje, o mercado exige uma mudança nas tradicionais estratégias comerciais, focada em um modelo de negociações mais humanizadas. E, como auxílio, a comunicação digital é um dos pilares para a implementação dessa ação, que visa apoiar a retomada dos negócios de maneira eficiente.

A pandemia comprovou que os clientes já são digitais e que muitas empresas ainda não chegaram lá. Para quem não entendeu a real situação, é preciso rever a maneira de interação online nos negócios e criar um padrão de tratamento que esteja de acordo com as reais necessidades dos consumidores. As organizações não serão mais avaliadas pelos seus resultados, mas sim pela maneira como contribuirão para a sociedade.

Um estudo realizado pela McKinsey, “Winning the Recovey”, indica que o consumo brasileiro online aumentou 40% durante a pandemia. Já 40% dos entrevistados afirmaram que pretendem fazer mais compras pela internet quando acabar a quarentena e 35% pretendem fazer menos visitas às lojas físicas no pós-Covid-19.

Processos

Implementar uma estratégia de comunicação eficaz não é tão simples. São necessárias decisões integradas para que a empresa atinja os objetivos esperados, bem como os meios de implementação do projeto para concretizar e conquistar o sucesso.

Também é importante frisar que o desenvolvimento da comunicação digital só servirá caso esteja focado unicamente nas necessidades dos clientes. As referências de demanda são outras e exigem mais visibilidade, agilidade, produtividade e uma conectividade personalizada com o consumidor. O seu produto só será importante se a sua empresa valorizar o que o cliente precisa ou quer.

Nesse cenário, é preciso estar ciente de que o mal planejamento na implementação das estratégias de comunicação digital pode tornar as boas expectativas em sérios problemas para a corporação. Para impedir um possível desastre, as empresas precisam adotar a mentalidade constante de uma startup, buscando centrar o foco no humano, ser ágil, utilizar a tecnologia como apoio e ter adaptabilidade aos diferentes desafios que possam surgir.

Nas tomadas de decisão relacionadas ao marketing, por exemplo, as organizações precisam voltar alguns passos para entender e desenvolver estratégias corretas. Durante o processo de conhecimento dos clientes, a empresa adquiri informações por meio de ferramentas tecnológicas e para esses dados possibilitarem o desenvolvimento de um plano comercial mais assertivo, é necessária a interação entre o conhecimento humano e o que foi coletado pelas soluções de TI.

Em um mundo perfeito, a recuperação nos negócios está relacionada com a cultura das empresas, que devem ter em sua estrutura os conceitos de resiliência, lucratividade e sustentabilidade. O uso da tecnologia tem um papel fundamental para esses pilares, porque oferecem ferramentas que contribuem para a gestão, aquisição e análise de dados, utilizados para o desenvolvimento das estratégias.

Outro ponto importante é que precisamos unificar os departamentos para trabalhar de forma mais colaborativa, com o objetivo de dar mais ênfase nos processos e na tomada de decisão. Um exemplo prático aconteceu durante a pandemia, em que algumas organizações criaram comitês de gestão para debater os melhores procedimentos a serem tomados. Esse modelo promove, entre tantos benefícios, mais agilidade e eficácia no cotidiano corporativo.

Ainda existem alguns obstáculos para a implementação das estratégias de comunicação digital nas empresas. O excesso de trabalho operacional diário dos gestores é um exemplo que impede o desenvolvimento de inovações. O cotidiano leva o foco desses profissionais para a produtividade e não para as estratégias inovadoras, dificultando a elaboração de projetos que otimizem os resultados.

Por isso, para participar dos novos conceitos mundiais de gerenciamento, as empresas precisam entender que a inovação só trará bons resultados com informação, planejamento e estratégias que visem longevidade e sucesso para os negócios.

Accenture abre mais de 550 vagas em tecnologia

A Accenture abre 556 vagas de emprego para profissionais do setor de tecnologia em qualquer região do Brasil. A contratação será no programa Hoffice da empresa, novo modelo capaz de assegurar que talentos de todos os lugares do País tenham igual oportunidade e conexão com experts globais. O movimento antecipa tendências do mercado na área de tecnologia cloud, cuja demanda deve crescer com investimentos em transformação digital nas grandes empresas.

“Temos uma rede de escritórios presente em diversos estados brasileiros, mas não em todas as cidades. Com o HOffice, estamos levando a Accenture para onde as pessoas estão, principalmente para aqueles que querem fazer parte de um time apaixonado por inovação, diverso e tenham interesse em atuar em projetos desafiadores”, conta Flavia Picolo, diretora-executiva da Accenture Technology. “Estamos em busca de talentos que poderão acelerar a carreira. Em busca de mulheres que poderão ter sucesso profissional, sucesso como mães e em todos os seus demais papéis que exigem essa flexibilidade”.

A empresa pretende encontrar profissionais que tenham perfil empreendedor e criativo, além de conhecimento ou experiência em Cloud, Java, APIs & Microsserviços, Node.js, Angular, React, Reactive Native, iOS, Android, Arquiteto Cloud ou DevOp.

Dentre os benefícios para os contratados está o suporte necessário para equipar o espaço de trabalho remoto obedecendo critérios de ergonomia, subsídios para gastos com internet e energia elétrica e benefícios como vale-refeição e plano de saúde. “Além de trabalhar em casa, o colaborador poderá permanentemente se capacitar por meio dos nossos programas de treinamento e certificações, contar com mentores que irão dar o suporte para o crescimento na carreira, e do relacionamento com uma rede global de conhecimento”, finaliza Flavia.

Para a Accenture, serviços de tecnologia relacionados a Cloud estão por trás das histórias de sucesso das empresas. “Rapidamente, na pandemia, todos passaram do físico para o digital e as empresas cresceram em verticais de indústria distintas, desde o e-commerce, educação e até a saúde, passando pelo serviço público. Graças à nuvem, pessoas podem trabalhar em grupo, se comunicar com clientes, desenvolver produtos como se estivessem nos escritórios, com flexibilidade e escala”, explica.

A necessidade de as empresas acelerarem ainda mais, com mais precisão, vem com a pandemia evidenciando a pressão por custos reduzidos, flexibilidade e resiliência nos negócios. Flávia resume: “Para isso, mais do que migrar, otimizar e usar sistemas em cloud, é base para as empresas se transformarem, continuarem inovando, e estamos fazendo isso também na maneira como contratamos”.

O processo seletivo para as vagas já está aberto e os candidatos podem se inscrever pelo link: http://accntu.re/326Gwld.