Page

Author admin

Sebrae e Mercado Livre lançam programa gratuito para capacitação e digitalização de empreendedores

A partir deste mês, micro e pequenas empresas de todo o Brasil poderão participar do programa gratuito Se Joga no Online. A iniciativa é uma parceria do Mercado Livre com o Sebrae nacional para capacitar empreendedores, com o objetivo de auxiliar o seu ingresso no comércio digital. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas diretamente no site do projeto.

O programa apresenta conteúdos de aprendizagem exclusivos relacionados a marketplace, estratégias de finanças e precificação, cálculo de margem de lucro, atendimento ao cliente, reputação digital, logística, tributação, crédito, meios de pagamento, gestão de indicadores, organização de estoque, dentre outros. Dentre os demais diferenciais deste curso gratuito estão os benefícios especiais do Mercado Livre que estarão disponíveis a todos os empreendedores ao final do projeto.

Ao todo, são três tipos de incentivos que vão desde acompanhamento, até bônus para impulsionamento de anúncios:

  • Vende Mais: programa de acompanhamento semanal, totalmente remoto, onde especialistas auxiliam os novos vendedores no seu processo de entrada e desenvolvimentos para realizarem suas primeiras vendas;
  • Mercado Ads: R$ 200,00 de bônus para Product Ads, ferramenta de marketing de performance para publicidade dentro da plataforma, permitindo ao vendedor impulsionar seus anúncios e maximizar vendas com posições relevantes dentro dos resultados de busca e nas páginas de produtos;
  • Campanha Compre do Pequeno: inclusão dos produtos do empreendedor na campanha que será impulsionada, até o dia 31 de outubro, na home do Mercado Livre, gerando alta exposição dos vendedores.

Para acessar os benefícios, os empreendedores precisarão atender a alguns pré-requisitos gerais, além do certificado de conclusão do curso, como: ser um empreendedor CNPJ, MEI ou MPE, devidamente regularizado, ter uma conta no Mercado Livre e autorizar o compartilhamento de contato com o Sebrae nacional no portal de inscrição do programa. Para usufruir do Mercado Ads, há alguns requisitos específicos que serão detalhados durante o curso. Para pessoas físicas, que também podem participar do programa, o Sebrae fará o acompanhamento para formalização e posterior acesso aos benefícios da plataforma.

“Este é mais um projeto extremamente importante para fortalecer nosso propósito de democratizar o comércio no país, oferecendo conhecimento e as ferramentas necessárias para que micro e pequenos negócios possam ingressar no e-commerce, aumentando sua renda e a capacidade para competir com os grandes”, destaca Julia Rueff, diretora sênior de Marketplace do Mercado Livre no Brasil. “Expandimos nossa parceria com o Sebrae, oferecendo a empreendedores de todas as regiões benefícios que fazem a diferença neste momento”, completa Julia.

Para o analista da Unidade de Competitividade do Sebrae, Ivan Tonet, 30% dos pequenos negócios ainda são analógicos e, por isso, iniciativas como essa são muito importantes para estimular esse público a lidar com esses novos canais de vendas. “Na visão do Sebrae, a inclusão digital dos pequenos negócios é essencial para aumentar a competitividade. Além disso, boa parte das micro e pequenas empresas, que já se digitalizaram, depende das vendas on-line para manter o faturamento, ou seja, capacitações como essa preparam melhor os empreendedores para o mercado eletrônico”, destaca Tonet.

Para mais informações e inscrição no curso ‘Se Joga no Online’, acesse aqui. As inscrições são gratuitas e não têm prazo de encerramento.

Benner Sistemas anuncia novo Head de Canais e Alianças

A Benner Sistemas , companhia brasileira fornecedora de soluções em software e serviços que transformam os processos das empresas, acaba de anunciar um novo plano de negócio, que tem como objetivo impulsionar o crescimento da área de canais em 15% para 2021 e 30% para 2022. Dentre as estratégias para atingir a projeção, destaca-se a contratação do novo Head de Canais e Alianças, Fernando Cargnin de Almeida.

Com mais de 20 anos de atuação na área de TI, formação em Ciências da Computação e pós-graduação em Gestão de TI com MBA´s em Gestão Negócios e Vendas, Almeida possui vasta experiência em gestão de canais de distribuição de Software e Serviços. O objetivo da contratação do executivo é estreitar o relacionamento da Benner no ecossistema dos negócios e contribuir com a implementação de um modelo de captação de novos canais, visando a expansão e a capilaridade da rede, garantindo assim o aumento do marketshare da companhia no mercado nacional.

Almeida ressalta que o crescimento da área deve acelerar significativamente a geração de negócios, e reforçar a visibilidade da marca como referência em seus segmentos de atuação no país. “Queremos trazer inovação aos nossos clientes e futuros clientes, além de incrementar a receita das nossas soluções por meio de vendas indiretas, conforme o planejamento estratégico da Benner. A vertical de canais possibilita atender todo o mercado nacional com reconhecimento regional”, afirma.

Programa de Canais Benner: inovação e desenvolvimento de negócios

O Programa de Canais da Benner consiste em parcerias com enfoque na diversificação do negócio por meio do amplo portfólio de produtos da companhia, a fim de estreitar o fortalecimento comercial com os clientes. De acordo com Almeida, ao aderir ao programa, a empresa é certificada com as melhores práticas de mercado com estrutura em vendas, suporte e serviços para melhor atender os clientes. “Nosso intuito é promover um relacionamento empresarial forte e rentável, por meio de uma política transparente, trabalho em conjunto e estruturação. Desta forma, conseguimos oferecer, juntamente com nossa rede de canais, um atendimento de excelência aos clientes, além de conquistar ainda mais oportunidades”, explica.

Um dos grandes diferenciais da área é a qualidade no atendimento. Além disso, o time de profissionais da Benner é especializado em diferentes segmentos, contribuindo diretamente para o desenvolvimento dos negócios. O programa oferece apoio de gerente de produtos especialistas, customer success , suporte técnico de profissionais certificados, capacitação técnica e comercial, contribuindo para a geração de leads qualificados. “Tenho como desafio ampliar a capilaridade dos atuais canais, buscando credenciar novos parceiros de grande porte e estrutura, além de elaborar estratégias para garantir maior cobertura, reforçando, principalmente, a cultura de vendas de novas ofertas e cross-selling em toda a base de clientes da Benner”, finaliza o executivo.

Itaú Unibanco e Mastercard lançam campanha para ajudar a reflorestar a Amazônia

O Itaú Unibanco participa de mais uma iniciativa para incentivar e conscientizar os clientes sobre a importância da sustentabilidade: até 6 de novembro o banco promove uma campanha que vai destinar parte do valor das compras feitas com cartões em meios digitais para o plantio e conservação de árvores na Amazônia. A ação é parte do projeto Coalizão Planeta Priceless, da Mastercard, que tem como objetivo engajar os clientes para a adoção de hábitos de consumo consciente e mais sustentáveis, além unir esforços de consumidores, instituições financeiras, comerciantes e cidades para combater as mudanças climáticas por meio da restauração de 100 milhões de árvores ao longo de cinco anos.

“Na Mastercard, entendemos que para trabalharmos no desenvolvimento de um mundo melhor o aspecto ambiental é essencial. Por isso, atuamos efetivamente com ações de causa positiva, reforçando nosso compromisso com a agenda ESG e nossa comunidade. Como empresa de tecnologia, acreditamos que para que nossos negócios prosperem temos que atuar de forma que nossa rede de parceiros, clientes e comunidade também evolua. Para isso, os tópicos social, sustentabilidade e de governança são primordiais”, declara o Gerente Geral da Mastercard Brasil, Estanislau Bassols.

“Um dos nossos projetos na vertente de sustentabilidade é o Coalizão Planeta Priceless, que tem como objetivo ajudar na recuperação de três florestas importantes para o planeta – incluindo uma área na Bacia Amazônica, com 2 milhões de árvores, além de florestas no Quênia com 1,2 milhão de árvores e na Austrália com 500 mil árvores – por meio de parcerias com instituições globais, financeiras, comerciantes e cidades, como esta que estamos firmando com o Banco Itaú”, finaliza o executivo.

A medida vale para os pagamentos feitos com carteiras digitais, cartão virtual, débito online e WhatsApp atrelados aos cartões Itaú, Itaucard, Credicard, Hipercard e Magalu, que tenham a bandeira Mastercard. Os valores serão destinados pelo banco à ONG Conservação Internacional, com a meta de plantio de pelo menos 60 mil árvores. O cliente também pode contribuir com a causa fazendo sua doação diretamente neste site ou doando pontos acumulados no iupp, programa de fidelidade do Itaú.

“O Itaú tem diferentes ações a favor da sustentabilidade. Na área de Cartões, especificamente, nos últimos anos temos reforçado a comunicação com clientes para que optem pela fatura digital, em detrimento da fatura física. Incentivamos os pagamentos pela via digital e, só em 2021, até o momento, 88 milhões de compras foram realizadas com carteiras digitais”, diz Rubens Fogli, diretor do Itaú Unibanco.

A ação está alinhada à estratégia de sustentabilidade do banco, que, em uma de suas frentes, já incluía iniciativas para promover o desenvolvimento sustentável da Amazônia. “Sustentabilidade e negócios já caminham juntos no banco. Agora estamos convidando o cliente a contribuir com a causa, em uma ação coletiva de impacto positivo”, afirma Fogli.

Região Autônoma da Madeira é tema da segunda edição do Projeto “Portugal – Negócios e Investimentos” da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil

Miguel Felipe de Machado de Albuquerque, presidente do governo regional da Madeira, Rui Barreto, secretário regional da economia.

Além da natureza exorbitante, de ser a terra natal de um dos melhores jogadores de futebol da atualidade, Cristiano Ronaldo, e ser considerada o melhor destino insular da Europa, segundo Word Travel Awards, a Região Autônoma da Madeira é um hub de negócios.

Com a participação de Miguel Felipe de Machado de Albuquerque, presidente do governo regional da Madeira, Rui Barreto, secretário regional da economia, Luís Faro Ramos, Embaixador de Portugal no Brasil, e Armando Abreu, presidente da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil, a segunda edição do evento Portugal – Negócios e Investimentos, da Federação das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil, foi realizado nesta quinta-feira (28) de modo virtual, em plataforma do Google e transmitido pelo Youtube.

Armando Abreu, fez a abertura dos trabalhos ressaltando que o Portugal – Negócios e Investimentos é uma boa oportunidade. “Nosso objetivo é divulgar todas as regiões portuguesas, por meio de suas atividades industriais e comerciais ou outras instituições para dinamizar e ampliar as possibilidades de negócios”, disse ele.

No evento, o presidente do governo regional da Madeira apresentou as potencialidades da região para receber novos negócios. Disse que a região possui uma série de oportunidades e facilidades diferenciadas em relação ao mercado europeu para a criação de um novo investimento. “Madeira é neste momento uma captação de investimento e hub de negócios internacional. Temos muitas empresas brasileiras que estão aqui na Madeira e exportam para a Europa e para mundo. Aqui funciona como um hub porque estamos no Atlântico com conexão muito próxima dos Estados Unidos, da América do Sul e da África, e obviamente da África subserniana, e essa posição geográfica da Madeira é factível para as grandes empresas brasileiras”, disse Miguel Felipe de Machado de Albuquerque.

Em sua segunda edição, o encontro contou com a participação de Ana Cristina Pedroso, vice-cônsul de Portugal em Fortaleza, dos presidentes e associados das Câmaras Portuguesas de Comércio no Brasil, de jornalistas e convidados.

O projeto “Portugal – Negócios e Investimentos” é um ciclo de eventos online focados na ambiência econômica das regiões portuguesas e seus potenciais de conexões e geração de oportunidades de negócios. O projeto tem apoio da Embaixada de Portugal no Brasil e da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal.

O arquipélago da Madeira situa-se na placa africana, no oceano Atlântico, a 1000 km a sudoeste de Lisboa. O local possui uma orografia (relevo) bastante acidentada, sendo os pontos mais altos o Pico Ruivo (1862 m), o Pico das Torres (1851 m) e o Pico do Areeiro (1818 m).

Atualmente, o turismo constitui o principal impulsionador e a maior fonte de receitas da economia madeirense. No setor agrícola, a produção de banana, dirigida fundamentalmente ao consumo regional e nacional, as flores e o afamado vinho da Madeira constituem também um importante contributo para a economia regional.

As atividades de Comércio representam 11,9% do total do emprego na região e as do Alojamento e Restauração 12,9%. A atividade industrial na Madeira é dominada por pequenas e médias empresas. Na Indústria Transformadora, que representa 4,2% do emprego, coexistem atividades de caráter artesanal e viradas para a exportação, como os bordados, as tapeçarias e artigos de vime, com outras, sobretudo orientadas para o mercado regional, como as moagens e os produtos de panificação e pastelaria, os lacticínios, a cerveja, o tabaco e o vinho.

A Região Autónoma da Madeira apresenta, aproximadamente, 270 mil habitantes e uma densidade populacional de 267,785 hab./km².

QuintoAndar tem mais de 230 vagas de trabalho para profissionais de todo o Brasil

QuintoAndar, maior plataforma de moradia da América Latina, tem 230 vagas abertas para profissionais de todo o Brasil. As oportunidades são para diversas áreas da companhia, com destaque para as 30 vagas de analista de negócio, disponíveis para as áreas de experiência do cliente, jurídico, planejamento, performance, entre outras. Os analistas de negócio terão como missão continuar fortalecendo a cultura data-drive da empresa, bem como buscar insights e recomendações para facilitar a tomada de decisão e impulsionar o crescimento do negócio, que segue em ritmo acelerado.

Há sete meses no QuintoAndar, Mariana Pazzetto, analista de negócio na área de estratégia de cidades, conta que, apesar de pouco tempo, já viu vários projetos saírem do papel e que sua experiência tem sido dinâmica, intensa e cheia de aprendizados. “Me sinto desafiada todos os dias, com novas entregas, projetos e ideias. O mais legal de trabalhar aqui é que eu tenho autonomia para tomar decisões e propor novas estratégias, buscando sempre soluções pro negócio que estejam alinhadas com o propósito da empresa”. “O conhecimento é uma das minhas principais motivações, e uma coisa é fato: aqui eu estou sempre aprendendo algo novo”, conta Mariana.

Nos últimos 12 meses, a proptech cresceu significativamente e atingiu um novo valor de mercado de US$ 5.1 bilhões. Além disso, alcançou as cinco principais regiões do Brasil e anunciou o início da expansão internacional, a começar pelo México. A proptech também cresceu 62% em número de pessoas colaboradoras em relação ao ano anterior, contratando mais de 1.200 pessoas para acompanhar a expansão do seu modelo de negócio.

“Seguimos empenhados em revolucionar o mercado de moradia e contribuir para que mais pessoas vivam bem. Para isso, precisamos de talentos que tenham vontade de fazer algo pela primeira vez, para somarem ao nosso time de alta performance, que reúne os melhores nomes do mercado”, conta Aline Esteves, diretora de pessoas do QuintoAndar.

Como diferenciais de mercado, a empresa oferece para seus colaboradores oportunidade de crescimento, de acordo com a expansão do negócio, salário acima da média de mercado e remuneração variável, além de amplo pacote de benefícios e trabalho remoto.

O processo seletivo é 100% remoto e os candidatos passam por avaliação do seu perfil técnico, experiência e alinhamento com os valores e cultura da empresa. A maioria das vagas não exige graduação como pré-requisito, mas ter vivências nas áreas de interesse é um grande diferencial. As vagas são abertas para profissionais de todo o Brasil.



Vale seleciona 39 negócios do interior de MG para aceleração

O Projeto Horizonte é uma iniciativa da Vale, com execução da Semente Negócios, para capacitar empreendedores e gerar uma transformação efetiva nas regiões de Itabirito, Barão de Cocais, Macacos, Antônio Pereira, Engenheiro Correia e Santa Bárbara, em Minas Gerais. Em sua fase de pré-aceleração, o projeto selecionou 39 negócios em diferentes estágio que irão contar com mentorias para desenvolvimento e terão acesso a um Capital Semente de até R$ 50 mil para dar um gás no aprimoramento das soluções.

“Ao longo dos quatro meses de execução da Pré-Aceleração, o Projeto realizou importantes conquistas por meio do engajamento dos participantes, desenvolvimento dos negócios, entrega de conteúdo e ativação das redes. Eles entraram em contato com uma estrutura de capacitação composta por oficinas, transmissões ao vivo, consultorias, mentorias e rodas de aprendizagem para dar os primeiros passos no seus MPVs e avançarem em suas vendas, e notar uma evolução significativa da turma em relação às suas competências empreendedoras”, explica Luciana Brandão, Gestora de Inovação Social do Projeto Horizonte.

Ao todo, foram 79 negócios pré-acelerados, mais de 2.370 mil horas de conteúdos, 576 consultorias realizadas, 120 parcerias firmadas, 311 empreendedores capacitados, além do apoio de 44 mentores voluntários. Nas mentorias e consultorias, os empreendedores entraram em contato com metodologias próprias da Semente Negócios, como o Caminho Empreendedor e o Perfil Empreendedor. Os conteúdos também abordaram validação de mercado, precificação, inovação no modelo de negócio, entre outros assuntos próprios do empreendedorismo e da inovação.

De todos os 79 negócios pré-acelerados, apenas 35% já faturavam antes do início do programa e 22% passaram a faturar desde o início do Projeto Horizonte. Daqueles já consolidados, o faturamento médio durante a pré-aceleração aumentou em 60%.

Confira a seguir a lista completa dos negócios selecionados por região:

Antônio Pereira – MG

Bora lá Drive – Aplicativo de mobilidade urbana que busca solucionar as dificuldades de acesso da população de Antônio Pereira ao transporte público.

Conviver – Centro convivência para a promoção da saúde mental, cuidado e acolhimento através da arteterapia, hortoterapia e psicologia para a comunidade de Antônio Pereira

Mercados Artesanais – Marketplace para venda de produtos artesanais. Mais de mil produtos cadastrados e 700 lojistas, de todo Brasil.

MP Transformando Vidas – Utilização de rejeito de minério para a produção de materiais de construção civil.

Sustentabilidade Arte Mãos e Flores de Antônio Pereira – Criação de sacolas recicláveis de tecido

Barão de Cocais – MG

Tia Rita – Ajuda empresas do setor de alimentação a ganhar visibilidade e melhorar suas vendas através da goiabada cascão artesanal, registrada como patrimônio cultural imaterial, que é um verdadeiro presente para reavivar as memórias afetivas

Aroreira Apicultores – Cooperativa para beneficiamento do mel produzido por apicultores da região.

Charcutaria Brutus – Comunidade de Charcuteiras e Charcuteiros que visa capacitar profissionais e trazer benefícios aos mesmo, provendo emprego e renda na região

FeMina – Promover a equidade de gênero no mercado de trabalho

Invista-se Confecções – Ajudar empresas de pequeno e médio porte a fortalecerem sua marca, através de uniformes confortáveis, feitos sob medida, que empoderam, criam senso de pertencimento, identificação e organização; gerando credibilidade e orgulho.

Mais Trilhas Aventuras – Experiências guiadas de cicloturismo.

Projeto Caminhos da Roça – Ponto de vendas de hortifrútis orgânicos utilizando a produção de sua horta e visitas agro pedagógicas.

Santiago – Produtos Caseiros Sabores Entre Serras – Fomentar a cultura local e novos mercados para agricultura familiar

Social Way – Criação de vídeos institucionais para empresas

Engenheiro Correa – MG

Águia Real Orgânicos – Produção de orgânicos

Sensata Ville – Centro de apoio aos praticantes de Ciclismo de Engenheiro Corrêa

Itabirito – MG

A arte de Saber Fazer – Venda de pastel de angu

A Casa do Equilíbrio – Co-working para profissionais de terapias integrativas

Caminho de Mesa – Divulgação dos lugares com potencial turístico de forma organizada e formal para que se possa desenvolver a economia de forma consciente contemplando o turismo cultural e gastronômico a fim de promover o local a destino turístico.

Equipe A3T1 – Kit de ciências para alunos fazerem experimentos de forma remota e os professores terem o controle via web/app

SoluPlast – Promover a sustentabilidade através da reutilização do plástico descartado.

Florada da Paz – Produção e beneficiamento de mel orgânico

GreenGás – Biodigestor para a produção de gás de cozinha

Memória de Agulha – Incubadora de artesãs de bordado para promoção da cultura popular

Partum – Aplicativo que liga entregadores a pessoas que necessitam de enviar encomendas

TC Idiomas – Empoderamento, aumento do nível educacional, empregabilidade, socialização, ascensão social, ampliação da perspectiva de mundo através do ensino de Inglês para classes C-D

Macacos – MG

Agroecológico Zé Miudo – Agroindustria de origem vegetal que fomenta comercialização e novos produtos em Macacos

MTB E-BIKE TRAIL – Aluguel de bicicletas elétricas

Bordô – Cursos de bordado EAD

Curumim Orgânico – Produção artesanal e natural de adubos e defensivo orgânicos que não agridem o meio ambiente.

Guia Sou Gerais – Guia online que mostra os pontos turísticos, pousadas e restaurantes das localidades selecionadas

Instituto Bacia Viva – Trazer a vida de volta ao principal fluxo de água formador da bacia de Macacos

Núcleo Esporte Terapia – Ecoturismo adaptado para pessoas com deficiência

Macacos Recicla – Projeto de Coleta e Compostagem de Resíduos Orgânicos (Alimentícios, Poda e Capina) no distrito de Macacos e Nova Lima

PROJETO MENDJA – Um espaço de experiências Mendjas (Terapias, meditações, Cursos).

Ressignificando o resíduo verde – Coleta do material e um uso correto dele

Santa Bárbara – MG

Brumal Tecendo Horizontes – Estruturação da associação de tecelãs que utilizam resíduos de confecção em sua produção.

Caminhos do Imperador – Roteiro turístico em Santa Bárbara e Barão de Cocais

Com novo Centro de Distribuição no Ceará, Amazon expande suas operações no Nordeste do Brasil

A Amazon anuncia o início da operação de seu novo Centro de Distribuição em Itaitinga, na região metropolitana de Fortaleza, Ceará. O novo Centro de Distribuição é o primeiro no estado e o terceiro no Nordeste, e espera criar cerca de 400 vagas diretas e indiretas na região, além de outras milhares de oportunidades temporárias para períodos como Prime Day, Black Friday e Natal. Somando com a inauguração do Ceará, a Amazon gerou mais de 2,3 mil vagas diretas e indiretas na área de Operações, em 2021.

O novo Centro afirma o comprometimento da Amazon em criar impacto real para o consumidor brasileiro, aumentando sua estrutura por meio de um sistema logístico atualizado que aprimora a experiência de compra. “Com essa nova operação, a empresa ampliará a gama de produtos disponíveis na região e aproximará ainda mais a oferta de produtos, beneficiando milhões de consumidores de diversos estados que terão suas entregas realizadas mais rapidamente”, celebra Ricardo Pagani, diretor de operações da Amazon no Brasil. “Nós reconhecemos o constante esforço do governo em modernizar o ambiente de negócios e agradecemos todos os membros engajados em apoiar esse projeto de expansão, o que irá nos permitir servir nossos consumidores com mais excelência”, ressalta.

“Ficamos felizes em receber empresas que confiam no Ceará para instalar e expandir seus negócios. A chegada da Amazon, que está iniciando sua operação no município de Itaitinga, reflete a ampliação de nosso polo logístico regional e, a partir desta nova operação, serão gerados novos empregos e oportunidades para os cidadãos cearenses” afirma Camilo Santana, governador do Ceará.

“Nós buscamos ser a melhor empresa para se trabalhar no mundo e queremos cada vez mais auxiliar as comunidades nos locais em que atuamos e incentivar ainda mais mulheres a ingressarem na área de Operações”, comenta Pagani. A Amazon sempre busca maneiras de aumentar esse impacto ao longo de seu crescimento e reforça constantemente com a diversidade e a inclusão, que é o centro de seus ideais. A nova operação em Itaitinga, por exemplo, tem como objetivo de 50% dos cargos serem ocupados por mulheres.

Com a abertura, a Amazon passa a operar doze centros de distribuição no País, com atividades em São Paulo, Minas, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Pernambuco e Ceará, além do Distrito Federal. As recentes expansões no Rio de Janeiro, Recife e Fortaleza em menos de dois meses demonstram o objetivo de aumentar a capilaridade logística da empresa no Brasil, melhorando a experiência dos clientes por meio da maior quantidade de produtos e reduzindo o tempo de entrega em nível nacional.

Consumidores que realizarem a primeira compra no site contam com frete grátis para produtos enviados pela Amazon e membros Prime contam com frete grátis e rápido para todo o Brasil em compras sem valor mínimo para milhões de itens elegíveis, sendo que mais de 50 cidades contam com entrega em um dia e mais de 700 cidades contam com entregas a partir de dois dias. Os demais clientes podem aproveitar o frete grátis para compras acima de R$99 em livros e acima de R$149 nos produtos enviados pela Amazon.

A Amazon prioriza a saúde e a segurança de todos os seus colaboradores e busca constantemente formas de aprimorar ainda mais as medidas de segurança. A nova operação, que tem capacidade de 32 mil m², o que equivale a três campos de futebol, já implementa o inovador projeto de climatização, visando um maior conforto e um melhor clima para seus colaboradores. Além disso, desde o início da pandemia, a empresa realizou mais de 150 mudanças em suas operações para ajudar no combate ao COVID-19 e contribuir para a segurança de seus funcionários, como distanciamento social, máscaras, luvas, assim como melhorias de limpeza e processos de higienização, para citar alguns.

Pagamento em dinheiro ainda é preferência de 54% dos brasileiros, aponta estudo inédito realizado pela Fundação Dom Cabral

Com o objetivo de identificar e compreender os hábitos e preferências da população brasileira em relação aos meios de pagamento, a Fundação Dom Cabral – FDC, com o apoio da BRINK’S, realizou a pesquisa “Meios de Pagamentos no Brasil”. Entre os destaques apontados pelo estudo, estão a preferência pelo pagamento em dinheiro, o crescimento vertical do PIX entre os mais jovens e o alto número de desbancarizados no país.

Realizada em todas as regiões do país, com maior incidência em cidades do interior, seguido pelas capitais e regiões metropolitanas, a pesquisa traz um retrato fidedigno do Brasil, um país de dimensões continentais com grande disparidade de infraestrutura e econômica em suas regiões, ainda mais evidentes com o avanço da tecnologia e que refletem na preferência da população em relação aos meios de pagamento, levando em consideração o contexto de aceleração digital durante o distanciamento social causado pela pandemia da COVID-19.

Segundo o estudo, com uma amostra de 2 mil pessoas ouvidas entre os dias 20 de julho e 13 de agosto de 2021, estima-se que 53,4% dos brasileiros preferem o dinheiro como forma de pagamento e que 38,5% não tem conta em banco. Entre as mulheres, o percentual de não-bancarizadas (43,4%) é maior do que entre os homens (33,2%). Além disso, os resultados revelam que o percentual de mulheres que não possuem renda própria (7,7%) é aproximadamente 3 vezes maior do que entre os homens (2,0%).

A região Sul é a que possui menor índice de consumidores não-bancarizados (27,7%). No Nordeste, nota-se a maior incidência de desbancarização (47,1%). Entre os motivos apontados por quem prefere o uso do dinheiro estão o controle dos gastos (26,0%) e facilidade (22,4%).

Os cartões de crédito e débito (20% e 16,5% respectivamente) são as principais alternativas apontadas para pagamento, seguidos pelo boleto bancário (4,6%). Já o PIX, que vem se consolidando como outra opção, já foi utilizado ao menos uma vez por quase metade da população (49,2%). Porém, apenas 3,5% têm preferência pelo novo recurso digital.

A pergunta norteadora para o público (a) População Brasileira é:

Quais são os hábitos e as preferências dos brasileiros em relação aos meios de pagamento?

Entre os resultados observados, vemos números reforçam a disparidade econômica regional do país, onde grande parte da população ainda sofre consequências da falta de infraestrutura para acompanhar a digitalização global”, explica Fabian Salum, professor Ph.D. em Estratégias Competitivas e Modelos de Negócios da Fundação Dom Cabral, responsável pela equipe de pesquisadores do projeto.

“É com muita satisfação que a BRINK’S apoia a Fundação Dom Cabral, uma instituição de muito prestígio e tradição, nessa pesquisa para entender a complexidade do cenário no Brasil em relação aos meios de pagamento. Acreditamos que esse estudo será fundamental para analisarmos os novos comportamentos de consumo da sociedade”, afirma Gil Hipólito, diretor de novos negócios da Brink’s Brasil.

Apesar da maioria dos entrevistados receberem seus rendimentos em conta bancária, tem-se que 34,3% ainda recebem em dinheiro. A renda familiar de até 2 salários-mínimos (até R$ 2.200,00 é a predominante, sendo a maioria dos entrevistados 56,3%).

A pesquisa também procurou analisar o futuro do dinheiro em um mundo cada vez mais digitalizado. A maior parte afirma que no futuro irão reduzir o uso do dinheiro, porém nunca irão deixar de utilizá-lo (44,7%). Os mais jovens se mostram mais propensos à adoção de outros meios de pagamento, em detrimento ao dinheiro. As Gerações Z (43,2%) e Y (27,9%) são as que mais afirmam que utilizam muito o PIX.

Fintech Sled anuncia vagas para profissionais de TI, saiba como se candidatar

Interessados devem cadastrar o currículo no site da startup, que conta com vagas para customers e engenheiros de softwares

A alta demanda dos serviços digitais impulsionou o setor de tecnologia durante a pandemia, impactando diretamente o número de oportunidades de trabalho na área. Pesquisa divulgada pela Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom) estima que, até o final de 2024, serão abertas 420 mil novas vagas no mercado. A Sled, plataforma que simplifica transações financeiras no varejo físico, é uma das empresas que está com vagas abertas para profissionais de TI. As oportunidades são para customers e engenheiros de softwares.

“Com a aceleração digital nos negócios, alguns serviços tecnológicos, como a conectividade em nuvem, SAP e IoT, movimentam a área de TI e isso contribui com o aquecimento do mercado de trabalho. Na Sled, a expectativa é de contratarmos 10 profissionais até o final do primeiro semestre do próximo ano”, revela Anderson Locatelli, CEO da Sled.
Interessados podem cadastrar seu currículo no site da startup, onde também encontram mais informações sobre as vagas em aberto: SLED

Tags,

Mapeamento inédito revela que Ribeirão Preto e São Carlos abrigam 481 startups

Um estudo feito pelo Supera Parque de Inovação e Tecnologia, de Ribeirão Preto, em conjunto com a Liga de Empreendedorismo de São Carlos (LESC), mapeou quem são os atores que integram o ecossistema de inovação e empreendedorismo das duas regiões. O TechMap, lançado no dia 19 de outubro, mostra que, juntas, as cidades somam 481 empresas em 21 diferentes segmentos. O mapeamento está disponível para download na página https://www.techmap2021.com.br/.

Para a pesquisa foram considerados dados coletados em 2021 por meio de formulários e informações de estudos anteriores. Todas as informações foram agrupadas e organizadas em uma base de dados única.

Eduardo Cicconi, gerente do Supera Parque, enfatiza que o mapeamento em conjunto fortalece o ecossistema de inovação ao trazer dados mais completos. “Buscamos conhecer melhor o ecossistema, suas empresas e as diferentes áreas de atuação. Esse mapa servirá para visualizarmos, com mais precisão as informações e subsidiar os empreendedores na análise de oportunidades de negócios, buscando maior assertividade em suas estratégias de atuação. É uma excelente oportunidade para todos conhecerem a potencialidade das regiões e gerar valor para o ecossistema”, diz.

Para Paola Lescura, líder do mapeamento da LESC, a parceria estratégica colabora com a integração do ecossistema empreendedor das duas regiões. “O TechMap nos permite unir forças na produção do mapeamento e é mais um passo para aumentar a visibilidade nacional da região como referência em tecnologia, inovação e empreendedorismo”, comenta.

A parceria entre o Supera Parque e a LESC leva em consideração o compromisso com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da agenda 2030 da ONU, que prevê a melhoria da cooperação regional e o acesso à ciência, tecnologia e inovação, bem como aumentar o compartilhamento de conhecimentos.

Principais resultados e insights


O mapeamento TechMap revela que há 481 empresas na região metropolitana de Ribeirão Preto e na cidade de São Carlos. Desse total, 133 (27,7%) estão classificadas no segmento que inclui empresas de tecnologia da informação. Já 15,2% (73) são da área Healtech e 7,9% (38) fazem parte do segmento Edtech.

Outro dado interessante é que quase 50% das dos novos negócios foram iniciados entre os anos de 2018 e 2020. Em relação a fase de desenvolvimento, 29,9% está na fase de operação e 24,9% na fase de tração.

Neste estudo também foi possível observar que a idade predominante dos empreendedores está entre 35 e 40 anos, representando 32,2% do total, mas que há uma alta diversidade de setores de atuação e perfil de empreendedores.

“O mapeamento aponta dados que servem de balizador para atrair oportunidades e apresenta informações confiáveis que nos fazem sair do achismo. Traz dados que podem ajudar no realinhamento do modelo de negócios ou até mesmo no surgimento de novos negócios”, diz Lescura.

Metodologia do mapeamento


O mapeamento tem caráter exploratório, tendo cumprido as etapas de coleta, tratamento, classificação e análise de dados. A pesquisa foi realizada entre abril e maio desse ano, com ampla divulgação pela mídia e junto a atores do ecossistema regional de inovação.

Denise Arruda, pesquisadora e uma das responsáveis pelo projeto, comenta que a coleta de dados é uma importante etapa para extrair informações mais fidedignas sobre o ecossistema que está inserido. “Buscou-se identificar padrões em tecnologias e tipos de produtos oferecidos pelas organizações, suas etapas de desenvolvimento, público alvo, parcerias realizadas e as dificuldades enfrentadas na nossa região. Vale ressaltar que este é um estudo dinâmico, com atualizações periódicas para que novas startups sejam inseridas e atualizadas. Assim, a colaboração das startups é fundamental para aprimorar o estudo”, destaca.

Para seleção de startups e empresas foram consideradas empresas jovens de base tecnológica, com página ativa na web (site, Linkedin ou Facebook) ou que estão em portfólio de aceleradoras e incubadoras de startups. Outro filtro do mapeamento foi a exigência para que as empresas participantes estivessem localizadas em pelo menos um dos municípios da região metropolitana de Ribeirão Preto ou na cidade de São Carlos.

As empresas interessadas em agregar a pesquisa e participar da próxima edição devem ficar atentas aos canais do Supera Parque, da Lesc e do site do TechMap.

Tags

Negócios Sociais ou Negócios de Impacto? Entenda a diferença

De acordo com um levantamento realizado pela Pipe Social, em 2019, existiam mais de 1000 negócios brasileiros voltados às causas sociais. Esse tipo de empreendedorismo está cada vez mais em voga, com empresas nascendo orientadas à solução de desafios socioambientais, com valores e objetivos voltados para essas causas, e outras já consolidadas se adaptando aos cenários, se mobilizando, e tendo o lucro não como foco principal do negócio mas como um meio para que a transformação positiva aconteça. Mas afinal, o seu negócio é um negócio social ou de impacto? Existe diferença entre eles? Como se classificar?

Segundo a especialista em Impacto Positivo, Gabriela Reis especialista em modelagem e estratégia de impacto positivo para negócios na Din4mo, do Grupo Anga&Din4mo, holding de serviços de implementação de cultura humanizada, capitalismo consciente e inclusão social, a diferença é sutil e podem ser dos mais variados ramos de atuação, que vão de saúde, educação e moradia a serviços financeiros e tecnologias verdes. “Um grande orientador para identificar se um negócio é social ou de impacto, independente da sua área de atuação, é verificar se ele tem como centro do negócio a oferta de soluções para os maiores desafios da sociedade e meio ambiente. E a agenda 2030 da ONU é um grande orientador, traçando os 17 objetivos de desenvolvimento sustentável – os ODSs – que, se percorridos, têm o potencial de tornar o mundo mais justo, digno, inclusivo e sustentável”, afirma.

Negócios Sociais

Toda iniciativa empreendedora que busque uma solução a uma questão social ou ambiental, empreendimentos que combatem o trabalho escravo, produção de serviços e produtos mais acessíveis para a população, combate à pobreza e visam a geração de impactos positivos socioambientais. Todo lucro é utilizado para ampliar as atividades da própria empresa, garantindo o impacto social.

Negócios de impacto

É um modelo de empreendimento que oferece soluções escaláveis para problemas sociais e ambientais, como fortalecer a cidadania, direitos individuais, comércio justo, oportunidade de desenvolvimento, etc. Em grande parte essas operações são realizadas dentro da empresa, com potencial de escala, rentabilidade e distribuição de dividendos, gerando assim uma retenção do lucro.

Assim como as ONGS, os negócios sociais e de impacto nascem para resolver um problema da sociedade ou meio ambiente. Porém, assim como os negócios tradicionais, os negócios sociais e de impacto geram sua própria receita a partir da venda de produtos e serviços, sendo assim, são negócios que estão entre o 2º e 3º setor, no chamado setor 2.5.

A grande diferença entre negócios sociais e de impacto está na forma de utilização do lucro. Os negócios sociais, por premissa, reinvestem 100% do lucro no próprio negócio para ampliar impacto. Já os negócios de impacto distribuem todo ou parte do lucro para acionistas, muito com a visão de atrair recursos para viabilizar o crescimento do negócio.

Não existe melhor ou pior. São estratégias diferentes para transformar a sociedade.

FitBank abre 350 vagas

Currículos podem ser cadastrados no Banco de Talentos da empresa

O FitBank, empresa de tecnologia, oferece 350 vagas de TI.

São 350 colocações na área de TI (desenvolvedores, arquitetos da informação, suporte e infraestrutura) para trabalhar em São Paulo e no Ceará.

O FitBank tem uma trilha de carreira estruturada e benefícios como Plano de Saúde, horário flexível, possibilidade de bonificação semestral e lanches.

Os currículos devem ser cadastrados no Banco de Talentos do FitBank. Clique aqui para acessar.

Tags

78% dos profissionais de tecnologia consideram trocar de trabalho caso modelo presencial seja obrigatório

Empresas de várias áreas de atuação já começaram a falar sobre a volta ao trabalho presencial com o avanço da vacinação. Mas, nas carreiras digitais, a maioria dos colaboradores expressa o desejo de permanecer em home office, é o que indica o levantamento da Revelo, startup líder em recrutamento e seleção em tecnologia da América Latina, realizado em setembro deste ano. Cerca de 78% dos respondentes consideram trocar de emprego caso não haja flexibilidade em permanecer trabalhando de casa.

Em relação ao perfil dos profissionais que responderam à pesquisa, 69% são Desenvolvedores de Softwares, 9,5% Designers e 8,1% atuam com Dados. Cerca de 6,4% exercem áreas de Produto, 4% Segurança da Informação e 3,3% Marketing Digital. A faixa etária é de 48,2% entre 25 e 34 anos, 26,6% entre 35 e 44 e 20% entre 19 e 24. A menor presença está entre as idades de 45 e 54 anos, com 4,5% de representatividade, pessoas com 18 anos ou menos são 0,5% dos respondentes e apenas 0,2% têm entre 55 e 64 anos. 

“Hoje, existem duas vagas para cada profissional de tecnologia no mercado. Sendo assim, as companhias estão em uma corrida para conseguir reter o melhor talento e, por isso, a decisão de voltar ao trabalho presencial precisa ser cuidadosa e levar em consideração a preferência dos funcionários. Os benefícios do home office têm um peso importante para os colaboradores, o que pode explicar esse número impressionante de pessoas que cogitaria mudar de emprego caso ele acabe”, destaca o cofundador da Revelo, Lucas Mendes. 

Ainda segundo levantamento da startup, os benefícios trazidos pelo home office podem explicar por que 79% elegem a modalidade remota como a favorita e 19% o modelo híbrido, enquanto apenas 2% escolheram o presencial. Cerca de 71,3% dos profissionais responderam que gostam de não perder tempo no trânsito e 54,2% indicaram que o motivo é poder trabalhar em cidades distantes, já que 47,5% das pessoas não moram no mesmo município da empresa. A flexibilidade é a terceira razão pela preferência, com 46,6% das escolhas.

Mais de 39% dos profissionais concordam que no ambiente presencial a estrutura e os equipamentos são mais adequados, mas 78% indicam que não gostam das muitas interrupções que acontecem in loco e 74,6% elegem os horários inflexíveis como motivo de incômodo.

“Não existe uma receita mágica que indique o melhor formato, isso depende de cada empresa, da sua cultura e dos seus colaboradores com perfis específicos. É importante entender que a realidade nunca mais será igual ao cenário antes da pandemia, mas com diálogo será possível chegar no caminho ideal,  que seja benéfico  para os dois lados”, conclui o executivo.

Usuários de iOS gastaram US$ 1 bilhão em aplicativos de cassino em meio à pandemia de COVID-19

Liftoff, plataforma de otimização de marketing de apps focada em performance, auxiliando o ciclo de crescimento de aplicativos móveis através da aquisição, engajamento, monetização e análise de usuários, junto com GameRefinery, uma plataforma de análise e insight de jogos mobile, lançou hoje seu relatório sobre aplicativos de cassino mobile, revelando tendências únicas no mercado mobile. O relatório revela o gasto recorde em aplicativos de cassino durante o auge da pandemia, bem como mudanças no engajamento da categoria de acordo com os regulamentos de privacidade da Apple e os principais insights sobre a categoria de jogos. Esses dados baseiam-se em mais de 83 bilhões de impressões em anúncios, 1.1 bilhão de cliques, 12 milhões de instalações de 239 aplicativos entre 1º de agosto de 2020 e 1º de agosto de 2021, e alguns resultados são:

Os usuários do iOS gastaram quase US $1 bilhão em aplicativos de cassino durante o pico da pandemia

À medida que a pandemia reduziu o número de pessoas em cassinos presenciais, os títulos de cassinos online tiraram a sorte grande. Muitos consumidores adquiriram o novo hábito de jogos online de cassinos sociais, que oferecem uma experiência de jogo sem apostas reais. De acordo com o relatório, os usuários de iOS nos EUA gastaram um recorde de US $990 milhões em aplicativos de cassino durante o auge da pandemia, do 3º trimestre de 2020 ao 2º trimestre de 2021. Mesmo com o avanço da vacinação nos EUA e os cassinos reais já estarem reabertos, o sucesso dos aplicativos de cassino não diminuiu. No segundo trimestre de 2021, os lucros trimestrais atingiram um novo recorde de mais de US $260 milhões – um feito em particular, já que a participação da categoria no mercado norte-americano caiu ano a ano, de 19,43% no terceiro trimestre de 2020 para 18,89% no segundo trimestre de 2021.

Curiosamente, os usuários de aplicativos de cassino são mais velhos do que em qualquer outro gênero de jogo – mais da metade tem mais de 45 anos. A base de usuários também é dividida em 50/50 homens e mulheres, mostrando que a categoria tem amplo apelo.

“Ao examinarmos os efeitos que a pandemia teve nos jogos, não é surpresa que os aplicativos de cassino estejam crescendo em popularidade em todo o mundo ”, disse Joel Julkunen, chefe de análise de jogos da GameRefinery. “Já que estamos vendo mais movimento neste mercado, é vital para os profissionais de marketing e desenvolvedores de dispositivos móveis nesta vertical usarem esses insights para informar estratégias de longo prazo”. 

A Apple acaba com o IDFA, levando o Android a vencer esta rodada das “Guerras de Plataformas”

Em meio às recentes mudanças na política de IDFA da Apple, o relatório vê o Android superando o iOS como a plataforma líder para aplicativos de cassino. Conforme os profissionais de marketing que se ajustaram ao cenário pós-IDFA mudaram seus hábitos de gastos com anúncios, o custo por instalação (CPI) no iOS aumentou em 9,9% ano a ano, registrando US $11,09. Enquanto isso, os CPIs do Android caíram 13,7% entre agosto de 2020 e agosto de 2021, ampliando a lacuna de acessibilidade para o Android – os custos de instalação do iOS são agora 122% maiores do que os do Android, em comparação com os 74% de 2020.

O relatório também mostra o Android ultrapassando a concorrência em retorno do investimento em publicidade (ROAS). Enquanto o iOS assume a liderança inicial sobre o Android, o sistema do Google chega à frente em 1,9% no dia 30.

Regional: aposte muito, ganhe muito

Embora a América do Norte (NAR) mostre grande engajamento, alcançar esses usuários engajados tem um custo. A US $10,37, os CPIs são os mais altos de todas as regiões globais. A América Latina, por sua vez, oferece um CPI muito menor do que a NAR, a US $1,43. Os profissionais de marketing em busca de grande valor podem querer expandir sua atenção para os jogadores na América Latina, já que o mercado emergente mostra uma grande promessa. 

GameRefinery é propriedade da Vungle, que recentemente se fundiu com a Liftoff. Ela continua operando com seu próprio nome e marca como empresa Liftoff + Vungle.

Para mais detalhes sobre Liftoff + Vungle e para baixar o relatório completo, clique aqui

Metodologia

O Relatório de Cassino Social de 2021 extrai dados internos da Liftoff + Vungle e da GameRefinery de 1º de agosto de 2020 e 1º de agosto de 2021 – que abrange 83 bilhões de impressões de anúncios, 1,1 bilhão de cliques em 239 aplicativos diferentes, 12 milhões de instalações e 39 milhões de eventos para exibir anúncios insights de desempenho para mostrar como os profissionais de marketing podem aproveitar ao máximo seus jogos.

O futuro dos caixas eletrônicos e as agências bancárias digitais

Por Jean Carlo Bob, Diretor Comercial da Diebold Nixdorf Brasil 

À medida que a transformação digital avança, com novas soluções e serviços chegando gradualmente aos consumidores, oferecer soluções mais práticas e conectadas tem se tornado um ponto central para as mais diversas indústrias. A digitalização, contudo, também traz suas questões. Por exemplo: como o setor bancário, cada vez mais on-line, poderá se manter em contato com os clientes e ao mesmo tempo sustentar nossa sociedade ainda bastante dependente do dinheiro físico? 

É neste cenário que os caixas eletrônicos deverão ganhar espaço. Para isso, porém, é preciso que as instituições bancárias revejam seus planos e deixem de lado a ideia de que estes equipamentos são meros repositórios de notas. Ao contrário, é preciso enxergar os caixas automáticos como as verdadeiras agências bancárias do futuro, sendo este o elemento que permitirá unir a experiência digital e as necessidades físicas dos consumidores. 

Em outras palavras, os novos tempos exigem que as empresas literalmente levem os serviços financeiros até as pessoas, onde quer que elas estejam – dos shoppings centers e lojas de varejo a postos de gasolina -, sempre com acesso 24 horas por dia e sete dias por semana. 

Mas será que essa oferta de serviços não poderia ser feita por aplicativos e celulares? A resposta é não. Embora as transações on-line estejam crescendo, é fato que a circulação de dinheiro em espécie segue sendo bastante substancial para a economia como um todo – especialmente em países como o Brasil, onde a cultura de uso das notas segue muito forte. 

Isso fica evidente, por exemplo, ao analisarmos a pesquisa anual da FEBRABAN. Estes documentos indicam que, mesmo com o aumento do número de operações nos canais digitais, o número absoluto de transações nos ATMs continua sendo extremamente relevante no caso brasileiro, com estabilidade nos últimos cinco anos. Ou seja, as pessoas continuam confiando nos ATMs para suas transações – depósitos, saques, extratos etc. 

Fora do Brasil, e mesmo em mercados mais maduros, como a Finlândia, pesquisas indicam que o volume de depósitos em caixas eletrônicos continua a crescer, tornando a gestão econômica uma das principais prioridades. Não parece ser o caso, portanto, de pensar em soluções que sejam excludentes entre si. Na verdade, o caminho nos mostra que o melhor cenário é fornecer um mix de opções mais flexível, combinando os dois lados dessa história. E, para isso, investir em um caixa eletrônico moderno é crucial. 

É a partir desses terminais que os clientes poderão ter acesso tanto aos serviços on-line como a transações mais específicas e pontuais, como saques ou depósitos de notas, moedas ou uma mistura de ambos de forma rápida e fácil, por exemplo. Ao oferecer opções mais flexíveis, com um caixa eletrônico inteligente, os bancos poderão expandir a presença de suas marcas no mundo real, criando verdadeiros centros de experiência aos consumidores (precisem eles de transações mais tradicionais ou um atendimento 100% virtual). 

Os benefícios de ter uma rede de ATMs de nova geração, porém, não ficam restritos à experiência dos consumidores. Investir nessas soluções também ajuda a garantir uma maneira mais econômica para os bancos, ampliando o nível de disponibilidade dos caixas eletrônicos e reduzindo os custos de manuseio de dinheiro. Como isso acontece? Por meio de tecnologias inteligentes, dentro das máquinas, que reforçam temas como a reciclagem de valores (com a contagem e utilização dos numerários na própria máquina) e de monitoramento seguro da operação (que analise, prevê e ajuda os técnicos na hora de possíveis manutenções ou reparos). 

À medida que a pressão continua a aumentar para que minimizem os custos operacionais, a possibilidade de melhorar a eficiência de back-end continua sendo a principal prioridade para os bancos. E isso é plenamente possível com terminais mais inteligentes, desenvolvidos para ajudar a tornar as operações mais fluidas, rápidas e econômicas. Com a ajuda das novas tecnologias e famílias de terminais de autoatendimento, as instituições financeiras certamente serão capazes de oferecer a seus consumidores processos mais efetivos e acessíveis. 

De forma prática, pensar nos caixas eletrônicos como agências bancárias, hoje, é colocar o cliente no centro das estratégias – tanto para bancos tradicionais quanto para as instituições totalmente virtuais. Com o foco das organizações cada vez mais centrado na experiência dos consumidores, contar com a inteligência, presença e segurança dos caixas eletrônicos pode ser a chave para se impulsionar a oferta desserviços diferenciados, com mais capilaridade geográfica e maior assertividade. Resta saber, apenas, quem entenderá que o atendimento dos novos tempos vai além dos aplicativos, mudando também a vida real. Essa a verdadeira questão que está em jogo e que os ATMs estão prontos para ajudar a resolver. 

ACSP: Aumento da Selic implicará em custos maiores ao comércio e ao setor produtivo em geral

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central anunciou na noite desta quarta-feira (dia 27) a elevação da taxa básica de juros de 6,25% para 7,75% ao ano. A decisão está de acordo com a expectativa do mercado, embora houvesse quem defendesse alta ainda mais significativa.

De acordo com Ulisses Ruiz de Gamboa, economista da Associação Comercial de São Paulo (ACSP), as autoridades monetárias parecem ter considerado que alguns setores da economia, como a indústria, estão apresentando desaceleração, e que as pressões sobre os preços decorrem mais de problemas de oferta, não justificando, portanto, aumento maior da taxa de juros.

“Para o comércio e todo o setor produtivo, a elevação da Selic implicará em custos maiores e em mais dificuldades de acesso ao crédito”, disse. “O que se espera agora é que o Executivo e o Legislativo definam claramente a situação fiscal, o que contribuiria para a valorização do Real e a queda dos preços”, complementou.

Aumento da Selic em 1,5 ponto percentual é excessivo neste momento, diz Firjan

A Firjan entende que um aumento da Selic em 1,5 ponto percentual foi excessivo neste momento. O quadro inflacionário atual e as expectativas para a inflação, principalmente por conta da piora da situação fiscal e da recomposição da demanda, justificam a manutenção do ciclo de alta da taxa de juros. Porém, entendemos que acelerar o ritmo de aumento foi precipitado e poderá comprometer a recuperação de uma economia ainda fragilizada.

Reforçamos ainda que diante do cenário que se desenha à frente – de maior expansão do gasto público – a aprovação das reformas administrativa e tributária se faz inadiável e inegociável. Só assim será possível manter as contas públicas equilibradas, resgatar a confiança dos empresários e promover um crescimento sólido da atividade econômica.

Indicator Capital e TM3 Capital investem R$ 15 milhões na InfoPrice para impulsionar a competitividade no varejo

A InfoPrice, startup de tecnologia focada em pesquisa e inteligência de preços, acaba de receber investimento total de R$ 15 milhões, sendo R$ 10 milhões da Indicator Capital, gestora brasileira de venture capital early-stage, e R$ 5 milhões da TM3 Capital, atual investidor da companhia. Com o aporte, a InfoPrice visa aperfeiçoar seu sistema de precificação dinâmica, torná-lo acessível aos SMBs (pequenos e médios negócios) e oferecer o mesmo dinamismo já presente no e-commerce internacional para as lojas físicas do varejo brasileiro, democratizando conhecimento e tecnologia independente de porte.< /p>

O desafio não é pequeno, se considerarmos que as empresas de bens de consumo não duráveis, supermercados e drogarias em mercados mais maduros como EUA e China, que praticam esse nível de precificação, chegam a trocar os preços até três vezes por dia em suas lojas ou sites. Mas gera vários benefícios para o varejista, aumenta margens, evita perdas e o torna mais competitivo perante os olhos do consumidor.

A InfoPrice oferece uma solução única e disruptiva de controle, monitoramento e inteligência de preços no varejo, utilizando devices de IoT, data analytics e inteligência artificial. O software de pricing desenvolvido pela startup e embarcado em uma plataforma SaaS (Software as a Service) auxilia o varejista de ponta a ponta, do monitoramento da concorrência até a precificação inteligente, cobrindo cinco grandes etapas da precificação: monitoramento dos dados da concorrência, retail analytics (mapeamento de oportunidades), gestão, sugestão e execução de preços e promoções.

“Data is the new oil,”, segundo Paulo Garcia, CEO da InfoPrice, que considera que a interconexão das cinco etapas gera mais valor do que as partes isoladas. O time investe muito em tecnologia para garantir que o cliente tenha uma ferramenta simples e acessível. “Queremos que a solução esteja disponível para todo o varejo. O varejista que souber como extrair as informações ganhará muito. A precificação inteligente gera um alto impacto em receita e lucratividade, pois lhe possibilita desenvolver uma estratégia de preços a partir da avaliação de um grande conjunto de informações, cálculos, pesquisas e insights. O objetivo é aproximar o valor das ofertas de uma empresa às melhores expectativas do seu consumidor”, afirma.

A facilidade de acesso à informação traz eficiência, precisão e digitalização ao mundo físico. A partir dos recursos levantados com a rodada de investimento, a InfoPrice pretende beneficiar pequenos e médios varejistas, que contarão com o suporte de informações antes exclusivas a players maiores, podendo aumentar sua receita e competitividade no mercado. “Precificação inteligente é bola da vez quando falamos de eficiência e resultados no varejo”, adiciona Paulo Garcia, pontuando que o momento delicado da economia e inflação pede por uma diligência maior em preços, a fim de garantir o posicionamento da rede e não decepcionar os consumidores.

A experiência do time de fundadores e diretores, o crescimento comprovado da InfoPrice nos últimos anos e seu potencial de expansão da oferta de produtos para a captura de SMBs motivaram o investimento da Indicator Capital, que acredita que inovação, transformação digital e empreendedorismo são algumas das ferramentas mais poderosas para transformar o país, sua economia e promover o desenvolvimento de setores estratégicos.

Para Thomas Bittar, cofundador da Indicator Capital, “identificamos um grande potencial na expansão de oferta de produto para fechar todo o ciclo de inteligência de preços, um pilar importante para o modelo de varejo inteligente e autônomo. O nosso investimento vai além do capital. Nossa meta é ajudar a InfoPrice em sua estruturação, crescimento e na abertura de novas frentes comerciais, aplicando nossos pilares de Building Value Together®”.

O executivo acredita que a experiência do time da Indicator Capital em varejo vai agregar valor importante para a InfoPrice, suportando a expansão do modelo de negócio no mundo dos SMBs, assim como em outras verticais do varejo, como farma, vestuário, eletro, e-commerce, entre outros.

Para Marcel Malczewski, CEO e cofundador da TM3 Capital, “temos acompanhado de perto a evolução da estratégia da empresa, a evolução das ofertas e da performance da InfoPrice nos últimos anos. Estamos muito otimistas que, nesta nova fase que se inicia, a InfoPrice firmará a sua posição como a melhor e principal referência no Brasil em inteligência de preços para o varejo, ampliando a oferta de produtos para os varejistas de grande porte e desenvolvendo soluções adequadas às necessidades dos varejistas de pequeno e médio porte.”

“Nossa missão é fazer com que o varejista possa crescer e vender cada vez mais e melhor, aumentando sua receita por meio da tecnologia de dados”, finaliza o CEO da InfoPrice, Paulo Garcia.