Page

Author admin

Bayer abre mais de 150 oportunidades de estágio com bolsa de R$ 1.700

A multinacional Bayer abriu processo seletivo para o Programa de Estágio 2021 com inscrições previstas até o dia 21 de setembro. As posições estão disponíveis nos seguintes Estados: Bahia, Pernambuco, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso e Paraná.

O programa institucional oferece bolsa-auxílio de R$ 1.700,00 e prevê duração de até dois anos. As vagas são direcionadas a estudantes brasileiros de diversos cursos das áreas de exatas, humanas e biológicas.

“Buscamos reforçar a atuação de maneira inovadora e empreendedora, estimulando o autodesenvolvimento, colaboração e preparando os jovens profissionais para o futuro”, afirma Patricia Leung, Líder de Relacionamento com Universidades & Onboarding na Bayer no Brasil.

Entre as oportunidades, este ciclo também considerará posições técnicas para Camaçari – BA. As inscrições podem ser feitas até o dia 21/09 pelo site sejaofuturo.ciadetalentos.com.br.

Alguns dos benefícios do programa são plano de carreira, assistência médica e odontológica, seguro de vida e desconto em produtos Bayer. Além disso, os aprovados terão a oportunidade de fazer parte de uma equipe que respeita as diferenças são algumas das vantagens oferecidas pelo programa.

Pré-requisitos

Estudantes de todas as áreas de ensino podem se candidatar. Para participar, é preciso estar cursando a partir do 2º ano da graduação. No caso dos estudantes de nível técnico, é necessário ter vínculo com colégio técnico e possibilidade para a assinatura de estágio por até dois anos. O processo seletivo inclui avaliação de conhecimentos em inglês, porém não tem caráter classificatório.

Programa de Estágio Institucional Grupo Bayer

Inscrições: até 21/09
Como se inscrever: sejaofuturo.ciadetalentos.com.br
Data de início: fevereiro de 2021
Benefícios: Assistência médica e odontológica; seguro de vida; vale-transporte e/ou ônibus fretado (dependendo da localidade); refeitório ou vale-refeição (dependendo da localidade) e descontos nos medicamentos Bayer.
Cursos: Administração, Agronomia, Bioquímica, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comunicação Social, Direito, Engenharias, Farmácia, Marketing, Medicina Veterinária, Psicologia, Química, dentre outros cursos correlatos.

Everis tem novo diretor de Processos de Negócio e Operações Digitais

(Foto: Rodrigo Capote)

Leonardo da Costa acaba de assumir a unidade de operações, como diretor responsável por Processos de Negócios e Operações Digitais da everis Brasil, consultoria de Negócios e TI, do Grupo NTT Data. No novo cargo, seu desafio é escalar as operações dessa unidade no País, levando às empresas-clientes processos de negócio transformacionais, movidos por inteligência artificial (AI), linguagem natural (NLP), analytics e RPA, entre outras tecnologias.

Oobjetivo é gerar mais eficiência e competitividade, aproveitando o melhor das habilidades e capacidades humanas, alavancando o desempenho por meio da tecnologia. “Nosso propósito é gerar valor por meio de uma abordagem baseada em nuvem, melhorando a experiencia e satisfação dos clientes ao mesmo tempo que aumentamos os resultados de negócio utilizando ferramentas de análise poderosas, proporcionando uma visão 360º da operação”, afirma Leonardo.

Em sua trajetória profissional, Leonardo acumula ampla experiência em empresas de consultoria, tecnologia e serviços, liderando unidades de negócios e estruturas de vendas, relacionamento com clientes e operações de empresas de diversos setores, tendo sido responsável pela implementação de estratégias de go to market, planos de crescimento, projetos de eficiência operacional e experiencia digital.

Com quase 20 anos de atuação no mercado, ocupou antes a função de diretor Executivo na Minsait-Indra e foi diretor de Desenvolvimento de Negócios e Vendas na TIVIT, além de passagem pela CSU CardSystem e UOLDIVEO. Bacharel em Matemática, com pós-graduação em Administração de Empresas pela FAAP, Leonardo tem MBA em Gestão de Tecnologia da Informação pela FIA-USP e é ainda formado em Educação Executiva pelo IESE Business School.

“As empresas brasileiras estão investindo fortemente na transformação de seus negócios e na estruturação de jornadas de consumo e atendimento mais satisfatórias e interativas aos clientes em seus múltiplos canais. Este cenário torna fundamental termos conosco um profissional pronto para entender as demandas de negócios e a auxiliar no aperfeiçoamento dos processos operacionais de back e front office para, não só atender, mas superar as expectativas do mercado”, ressalta Ricardo Neves, CEO da everis Brasil.

SAP NOW 2020 apresenta o futuro da Empresa Inteligente e os desafios da ciência e tecnologia

O SAP NOW Brasil 2020 será totalmente digital. Com o novo formato, a empresa amplia o período de realização do evento – cinco dias, entre 14 e 18 de setembro – bem como sua grade de conteúdos e acesso, em um modelo que unirá tecnologia, negócios, ciência, economia e aspectos humanos para discutir o futuro.

Os keynotes serão diários, além de uma agenda especial com as principais lideranças da SAP no Brasil e no mundo, que falarão sobre a construção da Empresa Inteligente dentro do novo contexto e pós-Covid. Serão cinco dias com grandes nomes de mercado trazendo uma visão holística, além das lideranças regionais e globais da SAP, demonstrando a relevância do mercado brasileiro para os negócios da companhia.

“Sabemos que é um momento desafiador e por isso estamos muito empenhados em produzir conteúdo que seja relevante para o nosso público, compartilhando boas práticas do mercado, cases de sucesso e conteúdos inspiradores para ajudar os profissionais a pensar o futuro de suas carreiras e ajudar nossos clientes a superar obstáculos, abrir caminhos para a inovação e transformação de suas empresas em negócios inteligentes”, afirma Fernando Migrone, vice-presidente de marketing da SAP Brasil. “Vamos aproveitar o potencial das tecnologias digitais para ampliar o nosso público e oferecer uma experiência completa”.

No dia 14/09, às 10h, o evento contará com abertura do CEO global da SAP, Christian Klein, focada no momento pós-pandemia: “Além das fronteiras: o potencial de uma nova era”. Na sequência, a nova presidente da SAP Brasil, Adriana Aroulho irá aprofundar o tema. A programação inclui ainda keynote com Cristina Palmaka, presidente da SAP América Latina, e Roberto Fulcherberger, presidente da Via Varejo, no tema “Tecnologia e humanização em tempos desafiadores”, falando sobre as ações da empresa na pandemia, tanto em sua reorganização quanto na ajuda à sociedade.

O evento conta nos outros dias com outros grandes clientes, como Natura, Petrobras, CVC e Bradesco. As duas presidentes e os membros do board da SAP, Adaire Fox-Martin, head de Customer Success, e Luka Mucic, CFO, abordarão com eles temas como aceleração da transformação digital, recuperação financeira e como a Economia Circular pode impulsionar a sustentabilidade e a inovação neste contexto.

Convidados dividem suas visões sobre temas que vão ajudar a repensar os negócios e a sociedade pós Covid-19

Como as novas questões da atualidade impactam o ambiente de negócios agora e no futuro? Para este debate, a SAP convidou especialistas de diversas áreas do conhecimento, que vão trazer seus pontos de vista sobre as relações, sociedade e tecnologia a partir de agora.

O físico, astrônomo e escritor Marcelo Gleiser e a diretora-chefe de voos da Nasa, Holly Ridings, trarão uma visão da ciência e da tecnologia. Gleiser fala sobre como a associação entre inteligência humana e inovações tecnológicas nos levará a um novo patamar científico e comenta como a tecnologia poderá alterar comportamentos sociais. Já Ridings conversa com Adriana Aroulho sobre como os desafios da pesquisa científica estão pautando também o desenvolvimento de tecnologias emergentes.

Já Arianna Huffington, fundadora e CEO da Thrive Global, traz em painel com Cristina Palmaka seu olhar sobre como saúde mental e inteligência emocional podem impactar as pessoas e negócios neste período de pandemia. Ela oferece caminhos para reconhecer, administrar o estresse e atacar o problema.

O evento será encerrado por Paul Krugman, Prêmio Nobel de Economia e colunista do jornal The New York Times. Ele fará uma análise atualizada das perspectivas econômicas, comentar o impacto da pandemia ao redor do mundo, os próximos passos e o que é possível esperar do futuro.

Confira a programação | Keynotes de abertura e painéis com convidados

Dia 1 (14 de setembro)

10h – Além das fronteiras: o potencial de uma nova era | Christian Klein, CEO global da SAP, e Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil.

10h30 – Painel Tecnologia e humanização em tempos desafiadores | Cristina Palmaka, presidente da SAP América Latina e Caribe, e Roberto Fulcherberguer, CEO da holding Via Varejo

Dia 2 (15 de setembro)

10h – América Latina em foco | Cristina Palmaka, presidente da SAP América Latina e Caribe

10h30 – Humanidade reinventada – como 2020 pode ser o ponto de virada da humanidade | Marcelo Gleiser

Dia 3 (16 de setembro)

10h – Da transformação digital à transformação cultural | Adaire Fox-Martin, head global de Customer Success e membro do board da SAP, e Nicolas Simone, diretor-executivo de Transformação Digital da Petrobras.

10h30 – Liderança e representatividade mudando o jogo científico: as lições da NASA | Adriana Aroulho, presidente da SAP Brasil, e Holly Ridings, diretora-chefe de voos da Nasa

Dia 4 (17 de setembro)

10h – Novos e revolucionários caminhos econômicos | Luka Mucic, CFO global e membro do board da SAP, e José Filippo, CFO da Natura.

10h30 – Além da resiliência – como prosperar e sair fortalecido da pandemia | Cristina Palmaka e Arianna Huffington, fundadora e CEO da Thrive Global

11h – Tendências e novos comportamentos: como a indústria de Turismo está reagindo à pandemia | Adriana Aroulho e Leonel Andrade, presidente da CVC.

Tags, , ,

Movile abre inscrições para estágio e jovens talentos

O Grupo Movile, ecossistema de empresas de tecnologia líder na América Latina, está lançando mais uma edição do Mobile Dream, o seu programa de estágio e de jovens talentos. Com mais de 100 vagas para todas as empresas que compõem o ecossistema da Movile (iFood, Sympla, PlayKids, Zoop, Wavy, MovilePay, além da própria Movile), o programa busca encontrar as futuras lideranças das companhias e trazer mais diversidade para o Grupo. As inscrições vão de 24 de agosto a 11 de outubro.

“Aprendemos muito com a edição do Mobile Dream 2020 e agora queremos fazer um programa ainda melhor, criando uma experiência positiva para todos(as) os(as) candidatos(as) e contribuindo para o desenvolvimento de todos(as), mesmo para quem que não for selecionado(a)”, afirma Matheus Fonseca, coordenador de Employer Branding do Grupo Movile. “Além disso, o programa segue totalmente focado na contratação e aceleração de pessoas diversas”, completa. A última edição do Mobile Dream contou com mais de 25.000 pessoas inscritas e 60 contratações, sendo 46% de mulheres, 40% de pessoas negras e 25% de pessoas da comunidade LGBTQI+.

Ainda mais tecnológico do que a versão anterior, por ser realizado de forma 100% online, o programa contará com a ajuda de robôs, gamificação e Inteligência Artificial para proporcionar muitas experiências. A inscrição e os testes iniciais serão feitos por meio de uma plataforma totalmente gamificada, que conduzirá toda a jornada dos candidatos, aplicando um teste de lógica e fit cultural, fazendo perguntas sobre sua história e experiências, além de tirar dúvidas do processo. Os candidatos contarão com mentoria durante todo o período do processo seletivo.

No final de outubro ocorre a Movile Experience, uma etapa em grupo ao vivo, com o objetivo de promover a integração entre os participantes, além de uma imersão na cultura e negócios do Grupo. Os selecionados começam a atuar em janeiro de 2021. Entre as vagas, há posições para São Paulo, Campinas, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, além de algumas para trabalho 100% remoto.

Toda a seleção será feita às cegas: fotos e informações como idade, gênero, curso e instituição de ensino serão omitidas dos avaliadores, para evitar possíveis enviesamentos de decisões, ainda que inconscientes. O uso de câmera durante as entrevistas e processos também não é obrigatório. O Inglês não é um pré-requisito – a empresa oferece uma bolsa de estudos do idioma aos selecionados no programa.

Além da remuneração compatível com o mercado, as vagas incluem benefícios como vale-transporte, vale-refeição, assistência médica, seguro de vida, bolsa para aulas de inglês e flexibilidade de horários e para home-office. A jornada de trabalho é de segunda a sexta, 6h por dia para estagiários e 8h por dia para jovens talentos.

Grande parte das vagas é de tecnologia, em áreas como desenvolvimento backend, mobile, dados e IA, produto e UX. Mas há também posições para as áreas de marketing, comercial, RH, finanças, entre outras. Os requisitos para participar são: ter mais de 18 anos e estar cursando qualquer ano da faculdade (para estágio) ou ter se formado entre 2015 e 2019 (para jovens talentos). Pessoas de todas as graduações e universidades são bem-vindas.

“O programa foi pensado e desenhado para que todas as pessoas, independente de situação ou localização, possam participar. É pensando nisso que o Mobile Dream contará com um pacote robusto de apoio e suporte, que incluirá QGs do processo espalhados pelo país para pessoas que não tiverem estrutura em casa, disponibilização de internet, e até mesmo apoio psicológico em algumas etapas”, finaliza Matheus.

Abstartups abre inscrições para o Batch de startups Impacts

A Associação Brasileira de Startups (Abstartups) , entidade sem fins lucrativos que representa o ecossistema brasileiro, abre inscrições para o seu 3º Batch de seleção para associados Impacts, destinado aquelas startups que estão se destacando no País, crescendo em faturamento, time, investimento e produto e querem fazer parte de uma rede única e exclusiva.

Nesse plano mais limitado, além dos benefícios já disponíveis nos outros planos, os empreendedores têm acesso a uma rede exclusiva de conexões com as empresas que mais crescem no país através de eventos exclusivos de networking como o Jantar Impact e happy hour, acesso à dezenas de benefícios, incluindo ﹩25mil dólares em créditos em nuvem da AWS.

Também fazem parte do plano Impact, cesso a newsletters exclusivas com diversas novidades do ecossistema, participação nos comitês da Associação e aos slacks da comunidade da associação, participação nas mentorias de pitch training, de Papo com Investidor e com especialistas de diversas áreas do mercado.

Interessados podem se inscrever até 11/09 em: http://abstartups.com.br/associados-impact/

Magalu faz sua quinta aquisição no ano com a startup Stoq

O Magalu anunciou, nesta segunda-feira, a aquisição da startup Stoq, que chega para, entre outras coisas, oferecer ferramentas de atendimento intuitivo para pequenos e médios varejistas. A startup tem sede em São Carlos e, agora, passa a integrar o Luizalabs. Esta é a quinta aquisição tecnológica do Magalu no ano – a empresa já adquiriu, em 2020, a livreira Estante Virtual, a startup Hubsales, a plataforma de geolocalização da Inloco Media e o portal Canaltech.

Com a aquisição, a Stoq passa a integrar o Magalu as a Service (MaaS) e oferecer ferramentas para complementar o Parceiro Magalu, levando digitalização para as lojas físicas desses pequenos e médios negócios. A startup vai possibilitar, por exemplo, que pequenos varejos e prestadores de serviço aceitem em suas lojas físicas pagamentos com a carteira digital do Magalu, o Magalu Pay.

Além disso, a Stoq permite que o Magalu passe a digitalizar empresas de diferentes categorias com sua plataforma, como restaurantes, estabelecimentos de saúde e beleza e supermercados.

Em 2019, o Magalu fez uma oferta de ações, com a qual aumentou o caixa em R$ 4,2 bilhões. Com isso, vem fazendo aquisições estratégicas para fortalecer sua plataforma multicanal de vendas dentro de seus pilares: Magalu ao seu Serviço, entrega mais rápida, novas categorias, superapp e crescimento exponencial.

Como a digitalização da área de produção aumenta a segurança das fábricas

Por Nand Kochhar, vice-presidente de estratégias para os setores de transporte e automotivo da Siemens Digital Industries Software

A COVID-19 colocou uma pressão ainda maior nas fábricas do setor automotivo. Apesar do impacto em todos os setores das empresas automotivas, a manufatura se mostrou particularmente vulnerável por causa do elo fundamental que os operadores humanos formam na cadeia de produção de veículos.

Os operadores humanos realizam tarefas essenciais na cadeia de produção de veículos, tornando a produção automotiva particularmente vulnerável à pandemia da COVID-19.

As linhas de produção atuais foram projetadas e otimizadas para o mundo pré-pandemia. Os operadores muitas vezes trabalhavam próximos uns aos outros e compartilhavam ferramentas, caixas de peças e outros recursos para realizar suas tarefas. Mas as medidas necessárias para impedir a propagação da COVID-19 inviabilizaram muitos aspectos da área de produção.

Desafios na reorganização da área de produção

As empresas automotivas tiveram que modificar e adaptar rapidamente suas instalações de produção para garantir a segurança dos funcionários. Essas mudanças são necessárias, mas podem afetar drasticamente a eficiência e o rendimento de uma área de produção. Por exemplo, as estações de produção precisam ser redistribuídas em uma linha de produção para garantir pelo menos um metro e meio de distância entre os operadores humanos enquanto eles realizam suas tarefas. Além disso, cada operador deve ter suas próprias ferramentas e caixas de peças para evitar a propagação da doença por meio do contato com uma superfície ou objeto. Essas mudanças parecem pequenas, mas podem influenciar consideravelmente a forma de trabalhar dos operadores humanos.

A troca de turno também apresenta desafios de segurança para os funcionários. Os fabricantes devem garantir que os trabalhadores estão saudáveis ao chegar ao trabalho e reservar um tempo extra entre os turnos para limpar completamente as estações de trabalho e as ferramentas. Essas mudanças de turno mais demoradas significam mais tempo de produção parada e podem exigir que as fábricas reduzam o número de turnos por dia, causando um impacto ainda maior na produtividade.

Esses e outros efeitos da pandemia forçaram as empresas a adotar tecnologias avançadas de manufatura para mitigar as deficiências das linhas de produção e estações de trabalho com o distanciamento social. Novas aplicações de tecnologias como realidade virtual, robótica avançada e manufatura aditiva ajudam a aumentar a segurança e produtividade da manufatura. Por exemplo, os veículos guiados e automatizados (AGVs – automated guided vehicles) podem substituir caixas de peças compartilhadas, entregando materiais às estações de produção de forma rápida e eficiente e facilitando o distanciamento físico entre os operadores humanos.

Os AGVs podem ajudar a manter a distância entre os operadores humanos, automatizando a entrega de materiais e outras tarefas de logística.

Essas inovações tecnológicas ajudam muito, mas sua integração às instalações atuais pode gerar outros desafios. A implementação de novos processos de produção ou tecnologias pode exigir altos investimentos. Além disso, as novas linhas de produção devem ser testadas, verificadas e validadas para evitar problemas quando a produção estiver em operação.

Não são apenas os fabricantes de equipamento original (OEMs) que estão se ajustando às novas restrições operacionais relacionadas à pandemia global. Tanto os OEMs quanto os seus fornecedores devem analisar como podem modificar sua área de produção para respeitar as medidas de distanciamento social. Enquanto as empresas se adaptam, a digitalização mostrou ser essencial para colocar a produção novamente em operação com segurança, rapidez e maior resiliência, preparando-se para crises futuras.

A digitalização garante mais inteligência no processo

A digitalização ajuda as empresas a adaptar sua área de produção rapidamente para garantir o distanciamento social e proteger a saúde dos funcionários. Soluções de software modernas, como o gêmeo digital, podem ser simuladas para verificar, validar, detectar problemas e otimizar a área de produção e aumentar a segurança e eficiência antes de colocar as máquinas em operação ou reorganizar as áreas de produção.

As soluções de engenharia de manufatura digital permitem redesenhar virtualmente a área de produção. Recentemente, a Siemens anunciou uma nova solução que ajuda os fabricantes a simular e gerenciar os riscos de exposição dos funcionários, permitindo aumentar a produtividade em suas instalações.

Com a volta da produção e seu ritmo aumentando, as soluções de gerenciamento de operações de manufatura digital ajudam as empresas a monitorar e otimizar suas operações. Essas soluções podem reunir dados de várias fontes da produção e agregá-los em relatórios úteis e contextualizados.

Porém, uma estratégia de digitalização robusta deve ir além do layout e gerenciamento da produção. Soluções integradas que incluem design de produto e produção, gerenciamento do ciclo de vida do produto (PLM), gerenciamento de operações de manufatura (MOM) e planejamento de recursos corporativos (ERP) ajudam as empresas a transformar a complexidade em vantagem competitiva ao simplificar as operações e melhorar a colaboração em suas cadeias de suprimentos.

Em particular, será fundamental permitir a colaboração mais frequente e eficaz em toda a cadeia de suprimento, pois os OEMs e seus fornecedores continuam na recuperação de resultados e preparação para futuras crises. Melhorias na comunicação entre os parceiros também ajudam os OEMs e seus fornecedores a coordenar o aumento das capacidades de produção para atender à demanda do mercado e evitar excesso ou escassez de produtos.

Maior resiliência por meio da digitalização

A pandemia da COVID-19 exerce uma pressão específica nas fábricas e funcionários do setor automotivo. Com a progressão da pandemia, os OEMs e fornecedores automotivos enfrentaram o desafio de reorganizar e reajustar a área de manufatura para manter seus funcionários seguros e saudáveis. Porém, a reorganização da área de produção é muito difícil, principalmente sob a pressão de responder a uma crise global.

A digitalização provou ser a resposta para obter ambientes de produção seguros e eficientes no processo contínuo de reajuste e retomada das atividades da manufatura automotiva. As soluções de digitalização de projeto e simulação de produção permitem que os engenheiros desenvolvam e analisem rapidamente novas configurações das linhas de produção e estações, e as soluções de MOM, PLM e ERP permitem maior percepção do desempenho das instalações e da logística da cadeia de suprimentos. A digitalização também ajuda as empresas automotivas a se unirem em um momento de crise para melhorar a colaboração e trocar experiências. Com o setor se ajustando para superar os efeitos da pandemia da COVID-19, as lições aprendidas com essas novas parcerias ajudarão a indústria automotiva a se tornar mais resiliente e se preparar para os desafios do futuro.

Rede Mulher Empreendedora capta 40 milhões para investir em projetos de apoio ao empreendedor

O primeiro semestre de 2020 foi um desafio para milhares de empreendedoras que vem sendo impactados pela pandemia mundial. A missão da RME, Rede Mulher Empreendedora, diante deste cenário, foi de apoiar e desenvolver projetos que ajudassem o empreendedor, que mais do que nunca, se sentiu sozinho e perdido diante do momento econômico e social do país.

Uma das primeiras ações da RME desde que começou com a crise foi a curadoria e produção de conteúdo qualificado por meio de lives , realizadas com especialistas de diversos temas, tais como gestão de crise, financeiro, jurídico, vendas, marketing digital, entre outros.

Sobe a batuta de Ana fontes, a Rede Mulher Empreendedora e o Instituto Rede Mulher Empreendedora captaram cerca de 40 milhões de reais para realizar o investimento em projetos de geração de renda e apoio ao empreendedor. Do total captado R﹩ 25 milhões foram direcionados para o projeto Heróis Usam Máscaras, R﹩ 7,5 milhões serão investidos no projeto Potencias Femininas nos próximos dois anos e os R﹩ 8 milhões restantes serão investidos nos outros projetos coordenados pela RME.

Em parceria com Bradesco, Itaú e Santander, o Instituto RME colocou em prática o projeto Heróis Usam Máscaras que impactou a vida de mais de 5 mil costureiras em 20 estados e ainda está ajudando a salvaguardar vida com a distribuição de máscaras gratuitamente por meio de órgãos governamentais e organizações cíveis.

Em parceria com o Google, o projeto Mentoria Cresça com o Google, começou a oferecer em abril mentorias temáticas para as pequenas e médias empresas (PME’s) brasileiras durante a pandemia com a COVID-19 sobre marketing digital, vendas online, apoio jurídico, finanças, contabilidade, inteligência emocional, inovação e modelos de negócio

Já foram, oferecidas mais 4 mil mentorias; sendo que a frequência dos inscritos foi de 48,1%, isto é, 2.138 já foram realizadas desde o início até 26 de junho desse ano. No segundo semestre acontecerão mais de 5 mil atendimentos individuais e serão abertas 20 mil vagas para mentorias coletivas até setembro de 2020.

Ainda estão em andamento, o programa Ela Pode, que deve capacitar 135 mil mulheres até o final do ano e o IRME lançou no fim de junho o projeto Potência Feminina , programa nacional que apoiará negócios liderados por mulheres por meio de capacitação, aceleração de negócios e capital semente, também em parceria com o Google.

Além do apoio a negócios, a ação pretende capacitar mulheres nos temas de empreendedorismo, empregabilidade e tecnologia. O Potência Feminina contará com uma doação de aproximadamente R﹩ 7,5 milhões e auxiliará diretamente mais de 50 mil pessoas pelos próximos dois anos.

Segundo Ana Fontes, o trabalho da RME e do Instituto RME nesse primeiro semestre foi intenso para desenvolver projetos e buscar fórmulas para ajudar os empreendedores a enfrentar esse momento tão difícil.

“Desde o dia 16 de março entramos em quarentena, de lá para cá estamos trabalhando muito. Manter o time motivado mesmo diante de um cenário tão incerto, apoiar as empreendedoras orientando e mostrando caminhos, além de manter o negócio e nossa causa no caminho certo tem sido um baita desafio. Mas estamos conseguindo, graças a todas e todos que se doam, que somam conosco e acreditam em nosso trabalho”. Diz Fontes.

Números da RME e do Instituto RME

• Cerca de 40 milhões de reais captados para projetos de geração de renda que estão transformando a vida de milhares de mulheres;

• 6 novos colaboradores contratados;

• 355 horas de conteúdo qualificado produzidos que impactaram mais de 204 mil empreendedoras;

• 700 voluntarias da RME e Instituto RME no apoio;

• 3 mil empreendedoras atendidas em mentorias coletivas e individuais,

• Mais mil horas de mentoria;

• Co-criação/realização de duas iniciativas de acesso ao crédito: Fundo Estímulo 2020 e Fundo Dona de Mim;

• 250 oficinas e 6 mil mulheres impactadas pelo programa “Ela Pode”, do Instituto RME.

Neste ano foi realizada, ainda, a primeira turma Women Will em parceria com a Transempregos. Essa foi a segunda edição do programa dedicado a mulheres transexuais e travestis, e reuniu 85 mulheres de 16 a 50 anos.

Em parceria com a Visa Instituto RME desenvolveu a primeira edição do programa Elas Prosperam com o objetivo de apoiar as empreendedoras com conteúdo importantes para os negócios e incentivo à criação de redes colaborativas em São Paulo, Pernambuco, Paraná, Amazonas, Goiás e Piauí. O programa teve mais de 1.400 inscrições e suas ações online alcançaram mais de 10 mil mulheres.

A RME ainda selecionou 12 mulheres que estão participando do RME Acelera e realizou um encontro de networking com as empreendedoras certificadas para que compartilhassem as medidas tomadas durante a crise da COVID-19. Junto com a RME, mulheres planejaram a Primeira Rodada de Negócios On-line, onde compareceram

as empresas do Grupo Merck, Vedacit e Suzano. Foram realizadas 21 conexões entre as certificadas do RME Conecta e as empresas.

Para quem quer abrir seu primeiro negócio foi realizado o programa, Quero Empreender, que oferece aos participantes conhecimentos sobre ambiente empreendedor, modelos de negócio, questões jurídicas e de acesso ao crédito, além de ferramentas para tirar a sua ideia do papel e ter um plano de ação pronto para ser colocado em prática quando finalizar as aulas. A primeira turma contou com 13 participantes.

A RME ainda lançou a T rilha da E mpreendedora com dicas de empreendedoras e lançou no seu canal do YouTube a websérie : Apoie Uma Empreendedora . Ao total serão 12 episódios que irão abordar temas como redes sociais, e-commerce, delivery, organização financeira, opções de empréstimo, administração do tempo, networking, inovação, negociação e inteligência emocional.

As empresas mais eficientes do varejo brasileiro

Muito além do faturamento, como saber se uma empresa é eficiente? O Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo (IBEVAR), em parceria com a FIA, divulga o Ranking IBEVAR-FIA 2020, que apresenta as empresas mais eficientes do varejo brasileiro. Com base em dados de 2019, o estudo considera fatores como o número de colaboradores, quantidade e formato de lojas para avaliar se esses recursos são empregados de forma produtiva na geração de resultados.

“Explorar apenas o faturamento de uma empresa não revela muito sobre seu potencial. Mas olhar para a eficiência mostra, por exemplo, a capacidade de crescimento futuro que aquela companhia pode ter. Uma eficiência 90% menor que a concorrência pode indicar um potencial muito menor de crescimento”, comentar Claudio Felisoni de Angelo, presidente do IBEVAR.

Confira as empresas que alcançaram 100 pontos de eficiência em suas respectivas categorias:

Hiper e Supermercados
Grupo Carrefour, Irmãos Muffato, Makro, Zaffari, Atakarejo, D’Avó Supermercados, Formosa e Grupo Irmãos Boa

Eletroeletrônicos e Móveis
Via Varejo, Fast Shop e Tok&Stok

Moda e Esporte
Lojas Renner, Grupo Guararapes, Havan, Arezzo, Grupo Inditex, Inbrands e Lojas Avenida

Drogaria e Perfumaria
Raia Drogasil, Grupo Boticário, Panvel, Drogaria Araújo, Clamed, Drogaria Nissei e Profarma

Fast Food e Restaurante
McDonald’s, Burger King, AM/PM Comestíveis, Brazil Fast Food Corporation e IMC – International Meal Company

Material de construção
Leroy Merlin, Grupo Herval, Telha Norte, Grupo Cassol e BR Home Centers

Especializadas e outras
Cacau Show, Kalunga, Dpaschoal, Saraiva, Grupi CRM, Grupo Fartura de Hortifrut e Grupo Oxylane

O Ranking de Imagem, que elege as marcas mais admiradas do Brasil, será divulgado em evento online no dia 22 de setembro, às 20h, transmitido pelas redes sociais do IBEVAR.

Projeto inédito seleciona startups com impacto social em toda América Latina

Encerra-se no próximo dia 31 de agosto o prazo de inscrição para o maior mapeamento de impacto social das startups da América Latina: o iImpact.

Desenvolvido pelo Innovation Latam, o projeto é inédito e visa expor, conectar e validar as startups latino-americanas que estão, realmente, gerando impacto socioambiental positivo na região.

Por meio da metodologia desenvolvida pelo Prof. Dr. Fabian Salum, da Fundação Dom Cabral, e sua equipe, as startups serão avaliadas e somente aquelas que estão gerando e mensurando o impacto de suas atividades na sociedade receberão o selo iImpact.

O projeto é uma oportunidade para as startups se qualificarem e mostrarem ao mercado o compromisso com as 17 ODS – Objetivos do Desenvolvimento Sustentável definidos pela ONU.

“Ao final de todo esse processo, teremos um ecossistema mais integrado, pois as startups detentoras do selo iImpact poderão ser mais facilmente encontradas tanto por empresas, como por investidores”, afirma João Pedro Brasileiro, fundador da plataforma Innovation Latam.

Segundo ele, as startups exercem papel cada vez mais importante no campo da pesquisa e têm auxiliado empresas e governos a serem mais produtivos e inovadores. A boa notícia é que além da utilização expressiva de tecnologia para as mais diversas áreas elas têm também outro traço em comum: preocupam-se com a sustentabilidade socioambiental do planeta.

Na outra ponta estão empresas já estabelecidas que também passam a observar esse critério como pré-requisito para contratos de parceria e/ou investimentos. “Nesse cenário é que o iImpact passa a ser peça fundamental para facilitar esse match entre esses dois universos”, afirma.

Ainda segundo o idealizador do iImpact, “a preocupação com o desenvolvimento social já estava no DNA das startups e só cresceu após o início da pandemia. A sociedade percebeu que não há como adiar a solução de problemas como saneamento, desmatamento, aquecimento global, desigualdade social entre outros temas”.

As startups se inscrevem por meio de plataforma digital, preenchem um questionário qualificatório e são submetidas a aplicação de um sistema de pontuação. O grande diferencial é que na segunda etapa acontece a coleta de evidências de impacto. Tais evidências serão julgadas por uma banca avaliadora composta por mais de 40 executivos do alto escalão das principais empresas que atuam na América Latina e docentes. Entre elas: Aegea, IBM, Grant Thornton, MRV Engenharia, Dow, Electrolux, Gerdau, Oracle, Amazon, Bradesco, Cubo-Itaú, Saque-Pague e outros.

“O que chama a atenção nessa metodologia é que estamos indo além da declaração, ou seja, da intenção das startups de fazerem ações ou de simpatizarem com algumas causas. Um dos pilares do iImpact é a comprovação das evidências da contribuição social’, afirma Karina Coleta, Professora Convidada da Fundação Dom Cabral.

Todo o processo será feito por meio de plataforma digital. As startups farão o upload de materiais multimídia que comprovem as evidências e os jurados terão acesso mediante senha às empresas previamente alocadas de acordo com a expertise de cada um.

Na etapa final, as startups aprovadas pela banca julgadora receberão o Selo iImpact e farão parte de um ebook com a descrição dos cases, estatísticas do setor e opinião de lideranças. Haverá ainda um evento de apresentação das startups e a divulgação no portal do projeto.

Sobre o Innovation Latam

O Innovation Latam é uma plataforma de hubs de inovação digital que fomenta conexões entre Startups, empresas, governo, academia e investidores. Com impacto em toda América Latina, desde 2016 desenvolve ações voltadas para o fomento do empreendedorismo regional.

O iImpact é um dos projetos da Innovation Latam.

Informações e inscrições: http://www.innovationlat.am/iimpact

Uma Reforma para o Brasil voltar mais rápido

O setor financeiro nacional tem um papel econômico e social de grande relevo na sociedade brasileira. A Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN), dentro de seu compromisso de transparência e de aproximação cada vez maior com a população, vem a público apoiar uma reforma ampla da tributação, por entender que, depois de 30 anos de debates, temos agora uma oportunidade única de avançarmos na Reforma Tributária.

A FEBRABAN defende um sistema tributário sustentável, que permita prover recursos para as atividades e investimentos do setor público. O atual modelo de impostos está muito aquém dos países desenvolvidos e também daqueles que competem diretamente conosco.

Nosso sistema de impostos é caótico, não é de hoje, pela sua complexidade, por sua insegurança jurídica, pela falta de transparência e pelo alto custo de observância, implicando desperdício de esforços e de gastos elevados para as empresas e para a sociedade. Uma Reforma Tributária é condição essencial para destravar o crescimento econômico, aumentar a produtividade, criar um ambiente de negócios mais favorável e melhorar a vida de empresas e famílias.

Por isso, a FEBRABAN elenca os seguintes princípios básicos que defende para a Reforma Tributária:

Neutralidade – É fundamental não haver aumento de carga tributária, já reconhecidamente alta, mantendo-a no nível atual, mas contemplando, futuramente, a perspectiva de sua redução. Além disso, o sistema tributário deve interferir o mínimo possível no funcionamento da economia e nas decisões dos agentes econômicos. As decisões de produção, consumo e investimento devem ser tomadas em função da lógica econômica, para eliminarmos as distorções e assimetrias do nosso sistema tributário.

Simplicidade – O novo sistema deve ser simples, garantindo ao contribuinte a compreensão sobre o seu funcionamento, ao tempo que cumpra suas obrigações sem gastos excessivos de recursos humanos e econômicos.

Equidade – É preciso acabar com a complexidade e assimetria dos impostos sobre o consumo de bens e serviços que se tornam um obstáculo ao nosso crescimento e, em especial, à competitividade interna e externa. A carga tributária deve ser a mesma para os iguais, garantindo que cada um contribua efetiva e proporcionalmente conforme a sua capacidade contributiva.

Transparência – É necessário que o sistema tributário seja transparente, para que o cidadão e as empresas conheçam o quanto pagam sobre cada produto, bem adquirido ou serviço tomado. A simplicidade, a transparência e a clareza das normas tributárias irão reduzir a insegurança jurídica, atraindo novos investimentos ao país.

A Reforma Tributária é um avanço que devemos perseguir e, mais que isso, alcançar e alcançar juntos: poder público, setores da economia e sociedade. O mundo mudou, e seguirá mudando, cada vez mais rápido. O Brasil não pode, uma vez mais, ficar para trás.

A crise econômica na qual o Brasil mergulhou com a pandemia do coronavírus torna ainda mais imperativa e urgente essa reforma. Só com medidas firmes e arrojadas, que sinalizem um novo e melhor horizonte para a sociedade, será possível impulsionar o país nesse esforço necessário de retomada econômica.

Reforma Tributária é fundamental para o Brasil voltar a crescer mais rápido!

Representante de um setor estratégico para o país, pelo qual passa o financiamento da atividade econômica, a FEBRABAN irá promover, ao longo das próximas semanas, seminários e debates para ouvir a sociedade e os vários setores econômicos sobre a reforma.

Isaac Sidney,Presidente da Federação Brasileira de Bancos – FEBRABAN

Da zona de conforto da inovação a novas tendências globais: o que muda para as empresas a partir de 2020

Por Arthur Gonçalves

As descobertas tecnológicas dos anos 2010 introduziram no ambiente de negócios soluções que mudaram não apenas a forma como as organizações interagem com os seus clientes, mas também a maneira com que os consumidores demandam serviços e produtos. A experiência ganhou destaque e tornou-se fundamental para as decisões de consumo, colocando a inovação como o Santo Graal de um mundo e relações agora pautados pelo digital.

A inovação veio para o centro das estratégias das organizações e, com ela, dúvidas sobre como, de fato, fomentá-la. Criar departamentos, contratar equipes ou acelerar startups? Todas as opções estavam na mesa das companhias em busca da disrupção dos seus modelos de negócios. O contexto que vivenciamos em 2020 acelerou esses processos, forçando as organizações e seus gestores a deixarem suas zonas de conforto da inovação.

Essa brusca antecipação de tendências é apenas a ponta do iceberg do que, na visão da empresa de consultoria Gartner Group, serão as organizações num futuro próximo e como elas dialogam com seus stakeholders, orientando-se por propósitos como a multiexperiência, a democratização, a transparência e a rastreabilidade no uso e tratamento de dados.

A multiexperiência já é uma realidade no contexto presente. Diante da superação das últimas barreiras que ainda existiam entre o analógico e o digital, as organizações foram – e são diariamente – desafiadas a garantir conectividade e integração de equipes em um mesmo nível de colaboração. Uma necessidade que vai além das ferramentas tradicionais para o trabalho remoto e demanda das empresas esforços em tecnologias que aperfeiçoem feedbacks, reuniões e interações no ambiente de trabalho do individual ao coletivo, e vice-versa.

Mas apenas integrar pessoas já não é suficiente no mundo atual, é preciso que o acesso a tecnologias disruptivas também seja uma realidade. Enquanto tendência, a democratização dessas tecnologias é crucial para o desenvolvimento de habilidades entre os colaboradores. Mesclar assistentes virtuais, inteligência artificial e algoritmos com pessoas capacitadas a explorar o potencial dessas ferramentas são alavancas para a competitividade das organizações.

Essa união da tecnologia com o melhor das pessoas altera o foco do debate sobre a substituição da força de trabalho dos humanos por algoritmos, para a busca de soluções que combinem o processamento de linguagem natural e IA em uma melhor experiência e oferta de soluções pelas equipes.

O contexto demanda, assim, não apenas ferramentas para a transparência, rastreabilidade e confiança no uso e tratamento de dados, mas também a preparação de equipes no que diz respeito à responsabilidade e consciência da sensibilidade dessas informações. Na Concentrix, nossos esforços resumidos nestas tendências alocaram-se em iniciativas como a entrega de softwares de comunicação com tecnologia própria direcionados às necessidades de experiência das equipes, na capacitação de sete mil horas dos agentes para integridade de dados e na potencialização do Centro de Automação Cognitiva com bots de conhecimento, assistentes inteligentes e softwares sofisticados de PNL.

O ano de 2020 é também o início de uma década e marca um novo capítulo na história da humanidade, ressignificando o valor da inovação e mudando paradigmas praticados por empresas. Os mais aptos a realizar tais mudanças serão considerados pioneiros e, outros, coadjuvantes, com a única certeza de que essa ordem pode em um curto espaço de tempo ser alterada novamente.

Arthur Gonçalves, principal consultant e head de inovação da Concentrix Brasil, multinacional de soluções de customer experience