Page

Author admin

Companhias apostam na nuvem híbrida e inteligência artificial da IBM para criar novos modelos de negócio

A IBM anuncia que provedores de soluções de tecnologia (Technology Solutions Providers) da América Latina estão utilizando IBM Cloud para oferecer soluções únicas e diferenciadas aos seus mercados, combinando sua propriedade intelectual com as capacidades de nuvem híbrida aberta e inteligência artificial (IA) da IBM.

Um estudo da IBM sobre a COVID-19 apontou que 64% dos executivos entrevistados estão propensos a adotar mais negócios baseados em nuvem. A IDC também relatou que, na era pós COVID-19, a nuvem híbrida é a tendência mais importante na América Latina, especialmente em cargas de trabalho críticas. Nesse cenário de transformação digital, no qual as organizações precisam de inovações que as acompanhem em sua jornada de crescimento, uma plataforma de nuvem híbrida aberta, somada a um ecossistema robusto, pode trazer flexibilidade, expertise e velocidade que as empresas precisam para alcançar a inteligência e resiliência na nova realidade de negócios digitais.

“À medida que navegamos por esses tempos e nos preparamos para o futuro, a IBM continuará com foco na oportunidade de mercado de nuvem híbrida de US$ 1,2 trilhão, cocriando e colaborando com nossos parceiros e investindo fortemente em áreas como a inovação aberta, segurança e serviços de entrega de alto valor por meio da nuvem. Os provedores de soluções de tecnologia têm um papel importante no suporte a empresas na América Latina em suas jornadas de transformação digital, pois as ajudam com a velocidade e agilidade necessárias para prosperar com as soluções de nuvem híbrida e IA”, disse Ana Zamper, Líder de Ecossistema da IBM América Latina, da IBM.

Seja construindo novos aplicativos ou migrando os existentes, os provedores de soluções de tecnologia podem gerenciar os requisitos dos clientes com a abordagem de nuvem híbrida aberta da IBM, com foco no desenvolvimento e gerenciamento de aplicativos de missão crítica das empresas na nuvem mais segura para os negócios. Um exemplo é a Senior Sistemas, uma das maiores empresas especializadas em tecnologia de gestão do Brasil e a primeira integradora de TI da América Latina a incorporar IBM Watson em uma solução de planejamento de recursos empresariais (ERP).

A Senior Sistemas é referência nacional em tecnologia para gestão, tendo como grande força suas plataformas de ERP, englobando soluções de HCM, WMS, TMS e Acesso e Segurança. Sempre atenta às necessidades do mercado por agilidade na tomada de decisão dos negócios e pela melhoria na experiência do usuário, hoje a Senior traz o ERP senior X em IBM Cloud – conectado com a inteligência artificial de IBM Watson para automatizar fluxos e otimizar processos.

“O ERP senior X oferece maior integração de dados e acesso a informações e relatórios de forma eficiente. O ERP que atende a realidade de hoje precisa estar pronto para suportar o futuro volume de aplicativos, com experiências diversas e mudanças constantes. Investimos no novo ERP senior X justamente para que ele seja o núcleo confiável e apto para habilitar facilmente esses novos cenários de mercado. IBM Cloud compreendeu essa necessidade viabilizando flexibilidade e segurança com recursos avançados de IA para dados, atendendo este nosso olhar estratégico. IBM Cloud oferece flexibilidade e segurança com recursos avançados de IA para dados, atendendo aos requisitos para aplicações de grande nível de interação e necessidade de agilidade”, explica o Diretor de Marketing e Produto da Senior Sistemas, Jean Paul Vieira.

Seguindo as tendências digitais da área de Recursos Humanos, um movimento natural que já acontecia muito antes da pandemia, a Senior também apresentou em 2019, para o mercado, a Sara no WhatsApp, uma assistente virtual baseada em IBM Watson Assistant e criada pela empresa para oferecer aos gestores um suporte de informações relacionadas a recursos humanos 24 horas por dia, 7 dias da semana via smartphone.

“Com a Sara no WhatsApp é possível solicitar folhas de pagamento, saldo de férias, entre outras informações. A Sara coloca a tecnologia a serviço das pessoas. A automação do atendimento do RH potencializa a gestão de pessoas, agilizando as funções rotineiras”, destaca o Diretor de Marketing da Senior.

Com a tecnologia de inteligência artificial IBM Watson rodando em IBM Cloud, a Sara já tem se consolidado como solução inovadora para experiências entre funcionário e empresa.

A Senior Sistemas faz parte do ecossistema de nuvem híbrida da IBM, uma iniciativa para oferecer suporte a parceiros de todos os tipos – estejam eles utilizando, prestando serviços ou revendendo tecnologias e plataformas IBM – para ajudar os clientes a gerenciar e modernizar cargas de trabalho com Red Hat OpenShift para qualquer ambiente de nuvem, incluindo IBM Cloud. Red Hat OpenShift é a plataforma empresarial de Kubernetes líder do mercado. IBM Cloud é a nuvem pública para negócios mais segura e aberta do mercado. Com sua liderança em segurança, recursos de nível corporativo e suporte para tecnologias de código aberto, IBM Cloud foi projetada para diferenciar e estender os recursos de nuvem híbrida para cargas de trabalho corporativas.

Bossa Nova investe na M&ATech STARK

STARK, considerada a primeira M&ATech do Brasil, anuncia captação de investimento seed money da Bossa Nova Investimentos, micro Venture Capital que investe em Startups com atuação em todo território nacional. O montante foi levantado no comitê de investimentos, criado pela investidora, sob liderança de João Bezerra, para aportar R﹩ 5 milhões em fintechs brasileiras.

A STARK conecta investidores e empresários do middle-market que possuam faturamento anual acima de R﹩ 20 milhões – a régua é de R﹩ 12 milhões para empresas de tecnologia – dispostos a avaliar propostas de investimento, fusão ou aquisição.

“Vimos a tecnologia causando a disrupção de diversos nichos do mercado financeiro enquanto os processos de M&A ainda eram conduzidos de forma ineficiente, lenta e cara por boutiques e bancos de investimentos. Digitalizar este mercado passou a ser nossa obsessão diária. Hoje, a plataforma da STARK já consegue reduzir o tempo de roadshow (etapa de prospecção de potenciais investidores para uma transação) de 3 meses para menos de uma semana por meio do nosso sistema de matchmaking“, sinaliza o cofundador e CEO da STARK, João Vitor Carminatti.

“Nossa missão de tornar o M&A acessível para todo o ecossistema empresarial brasileiro só está no começo. Estamos felizes com a conclusão da rodada com a Bossa Nova Investimentos, pois além do capital, teremos em nosso conselho executivos que unem o melhor da inovação tecnológica ao mercado financeiro”, complementa Carminatti.

De acordo com João Bezerra, líder do comitê da Bossa Nova Investimentos, o principal objetivo da gestora com esse projeto é injetar recursos em negócios promissores para o mercado financeiro. “Sabemos o quanto as soluções tecnológicas são fundamentais para manter o setor em crescimento e a Stark se mostrou com um grande diferencial, que chamou nossa atenção. O aporte recebido agora é só o primeiro passo. O ano de 2020 foi de grande destaque para as fintechs e 2021 deve seguir na mesma linha e por isso, teremos ainda novos investimentos a serem anunciados e muitas inovações recebendo o reconhecimento devido”, explica Bezerra.

Em cinco meses, a STARK já assessorou o fechamento de cinco transações, que totalizaram R﹩ 130 milhões. Também cadastrou 190 teses com critérios de investimento dos principais fundos de venture capital, private equity e grandes empresas, que somam R﹩ 10,8 bilhões disponíveis para fusões e aquisições de empresas no Brasil.

Depois de ver seu faturamento aumentar 500% em 2020, a empresa espera crescer mais 300% em 2021. A expectativa é que, já no primeiro trimestre deste ano, a STARK fature a quantia alcançada em todo ano passado.

Dados da Visa mostram crescimento de quase 140% no faturamento do mercado de games no Brasil

O mercado brasileiro de games, que já vinha numa crescente nos últimos anos, registrou aumento exponencial em 2020. Segundo dados da Visa Consulting & Analytics, as transações de cartões Visa realizadas nas principais plataformas e consoles de jogos no último ano cresceram 140% em volume em relação à 2019. É possível também ver um aumento de 105% na quantidade de cartões realizando compras de jogos ou extensões, quando comparamos o período entre outubro de 2019 e setembro de 2020.

O alcance de negócios desse mercado cresce, principalmente, pela oferta de soluções diferenciadas, capazes de atender jogadores profissionais e os novos gamers (jogadores ocasionais), ao passo que as pessoas precisaram ficar em casa. O destaque dessa movimentação e aumento do volume de compras no mercado de games fica com os consumidores de alta renda: movimentaram 45% do total de transações entre abril e setembro do ano passado. No mês de setembro, inclusive, foi registrado um aumento de 35% nas transações entre os clientes de alta renda em comparação com o mesmo mês de 2019. Esse volume contribuiu para um aumento de 33% no faturamento daquele mês.

“Os dados mostram a relevância deste mercado. Percebemos que esses consumidores passaram a comprar muito mais jogos durante os meses da pandemia no Brasil, elevando o faturamento total. Por isso, além da inovação que este público busca, precisamos também oferecer a segurança e a performance que esperam na sua experiência de compra.”, explica Oscar Pettezzoni, diretor da Visa Consulting & Analytics.

Apesar de o ticket médio ter se mantido estável ao longo de 2020, em torno de R﹩ 51, é possível ver alguns picos como no mês de março, início da pandemia no Brasil, quando superou R﹩ 56. “Mesmo que a flutuação do câmbio tenha sido bastante considerável durante o ano, o volume de transações de cada mês, entre maio e setembro de 2020, superou o mês de dezembro de 2019, quando o faturamento costuma crescer por conta das festas de fim de ano”, analisa Pettezzoni.

A maior concentração de transações com games no Brasil ocorreu nas seguintes cidades: São Paulo (SP), Rio de Janeiro (RJ), Brasília (DF), Curitiba (PR) e Porto Alegre (RS) – esta última substituiu Belo Horizonte (MG) no top 5, que em 2019 ocupava esta posição.

Cancelou o voo? Regras para reembolso passaram a valer até outubro

As regras para o reembolso de passagens aéreas criadas ano passado através da Lei nº 14.034/20, em decorrência da pandemia da covid-19, foram prorrogadas até outubro deste ano, por meio de uma nova Medida Provisória editada pelo governo (MP 1.024/2020). A decisão de prorrogar a validade destas medidas foi motivada pelo aumento de casos da doença , que ainda deve provocar cancelamentos de viagens em 2021.

De acordo com o texto da lei, as companhias aéreas têm o prazo de 12 meses, contados da data do voo, para efetuarem o reembolso das passagens ao consumidor que teve o seu voo cancelado em virtude da pandemia. A legislação determinava a aplicação desta regra para os voos cancelados até 31 de dezembro de 2020, mas a nova Medida Provisória alterou o prazo para 31 de outubro de 2021. Apesar da mudança do prazo, as regras mantiveram-se as mesmas: reembolso no prazo de 12 meses, contado da data do voo cancelado, com a atualização monetária calculada com base no INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor).

A especialista em direito do consumidor e relações institucionais da PROTESTE, Juliana Moya, ressalta que a medida vale apenas para passagens aéreas. “Para os bilhetes aéreos, vale para quem cancelou entre março do ano passado e outubro deste ano. O reembolso deverá ser feito em até 12 meses contando da data do cancelamento. Outros meios de transporte, como ônibus, não estão contemplados”, afirmou a especialista.

Mas, a medida só vale para cancelamentos provocados por imprevistos da pandemia. O consumidor terá a devolução do valor integral da passagem ou em crédito para usar na compra de outro bilhete, sem multas ou acréscimos.

Segundo a Agência Senado, passageiros no território nacional têm direito à assistência material, nos casos de atraso e cancelamento de voo e interrupção do serviço, exceto em situações de fechamento de fronteiras e de aeroportos por determinação de autoridade.

O que é Medida Provisória?

Medidas provisórias entram em vigor imediatamente, mas precisam de aprovação do Congresso Nacional para se tornarem leis em definitivo. O prazo para votação da MP das novas regras de reembolso de passagens é até 2 de abril de 2021. Quando uma medida provisória não é votada no prazo, perde a eficácia. Quando perde a validade, o Congresso tem até 60 dias para editar um decreto para que os efeitos da medida volte a valer.

Empresa brasileira de implementos inaugura hub de inovação

A Piccin Tecnologia Agrícola, especialista no desenvolvimento de soluções para o preparo do solo, acaba de firmar parceria com o ONOVOLAB, um dos maiores centros de aceleração de startups do País

O campus de inovação ONOVOLAB, um dos mais importantes do País de aceleração de ideias e pessoas, sediado em São Carlos, no interior paulista, anuncia a inauguração do novo hub de Tecnologia e Inovação da também são-carlense, Piccin Tecnologia Agrícola. A empresa é a primeira do segmento no País a integrar um projeto exclusivo voltado para a inovação lá.

O ONOVOLAB nasceu com o propósito de colocar o Brasil no cenário global de inovação, para isso, oferece serviços para startups e corporações que querem criar equipes e soluções transformadoras. No local atualmente estão sediadas mais de 70 startups, e diversas empresas que buscam inovação, entre elas destaque para Mapfre, Philip Morris, Electrolux, Roche, Santander, Ambev e agora a Piccin, quebrando barreiras no setor agrícola.

Segundo o CEO da empresa, Camilo Ramos, criar um hub de inovação dentro do campus é um importante passo na estratégia de transformação digital da companhia. “Passamos por importantes mudanças de gestão e estratégia no último ano. Assim, de maio para cá, começamos a escrever uma nova fase para a empresa”, diz.

Neste período de transformação, a empresa, bem como o setor agropecuário apesar da pandemia, teve um ano de grandes resultados em termos de vendas. O mercado ficou muito aquecido, e o agro seguiu uma rota de crescimento. “Como temos uma marca conhecida no mercado e uma equipe que já estava formada, acabamos surfando nessa onda também. Em relação a 2019 houve aumento de venda e resultados significativos, destacou o executivo.

Ramos reforça também, que estes resultados mostram que a Piccin já está em um caminho interessante. Porém, em seu entendimento, o modelo de negócio tradicional dos seus 57 anos de atuação no mercado apesar de eficiente, pode ser remodelado para que a empresa atinja voos ainda mais altos e iniciando então seu processo de transformação digital.

Mudança Cultural

A empresa já vinha tendo um olhar especial para questões como inteligência artificial, robotização de algumas células de produção, aquilo que a indústria 4.0 defende muito. Porém, a diretoria entendeu que para todo esse processo se converter em resultados era necessário primeiro a mudança da cultura do negócio para um modelo de empresa ambidestra, onde premissas de um modelo tradicional trabalham simultaneamente com premissas de um modelo de gestão de startups, ou seja com grande incentivo a inovação e gestão ágil.

Segundo o CEO, quando começaram a observar alguns players de mercado, viram que as empresas estavam investindo apenas em uma plataforma digital para colocar a interação com o cliente. Ou investiram em ferramentas para análise de dados, com pontos isolados e nunca na mudança de cultura interna.

Assim, surgiu a proposta de que se a empresa criasse um ambiente, que formasse uma equipe que começasse a pensar com essa mentalidade para inovação e pensamento de gestão ágil os demais departamentos da empresa poderão conhecer esse modelo e entender que pode ser aplicado no dia-a-dia de toda organização. “Estamos dando o primeiro passo em direção ao processo de mudança de cultura com foco na inovação e na transformação digital em um ambiente específico para isso, onde se respira inovação onde estão startups com novas tecnologia e soluções. Por isso surgiu a ideia de criar o hub dentro do ONOVOLAB que é hoje um dos maiores centros de aceleração de startups do País”, destacou.

Com a inauguração do novo espaço, a Piccin está formando uma equipe com o time de colaboradores que ficará instalada dentro do hub, tendo contato diário com startups. A ideia é não ter regras que possam limitar o time, deixar os profissionais livres para buscarem a inovação, mas o ponto de partida será a busca de solução para problemas identificados.

Esses problemas partirão do campo, junto aos produtores ou até mesmo internamente das empresas do grupo Piccin.  “A partir desse entendimento do problema, vamos propor uma série de soluções e de repente podemos encontrá-las com as empresas que já são residentes no hub. E a partir de uma solução escolhida criaremos um protótipo e validaremos ele dentro de uma metodologia bem mais ágil do que os modelos tradicionais utilizados atualmente pela empresa”, destaca o CEO.

Ainda segundo o executivo, é importante lembrar que a Piccin estando no ONOVOLAB já faz parte do programa de aceleração de startups. “Estamos falando de um hub que em 2020, por exemplo, a cada 4 meses, acelerou 10 startups e a partir de agora, a empresa começa a participar desse programa de aceleração podendo atuar tanto como startup quanto empresa investidora”, destaca.

Olhar do cliente

Neste novo momento, a mudança da empresa de implementos de preparo de solo passa também pela reformulação de seus produtos. A Piccin continua fornecendo ao mercado suas tradicionais soluções, que há mais de cinco décadas entregam resultados e buscam resolver os problemas do produtor, mas o foco sempre será tornar os produtos cada vez mais eficientes visando acompanhar as transformações que o agronegócio passa nas últimas décadas.

A ideia da marca com essa entrada no mundo da inovação é encurtar esse caminho e ajudar o produtor de fato a entender qual é o seu real problema. Assim, a partir da visão do cliente, cria soluções específicas para as necessidades dele. “Temos como meta deixar de ter foco no cliente e passar a o foco do cliente, e assim passamos a enxergar como ele e dessa forma sermos mais eficientes no desenvolvimento de soluções para o campo”, finaliza Ramos.

VCOM Tecnologia anuncia vagas para área de Desenvolvimento de Software

Referência no segmento de software e plataformas para o setor de cobrança e recuperação de crédito, a VCOM Tecnologia está com oportunidades abertas para profissionais da área de Desenvolvimento de Software.

Com matriz em Presidente Prudente (SP) e escritório em São Paulo (SP), a VCOM comemorará 20 anos de existência em 2021. A empresa adota práticas inovadoras de gestão de pessoas e possui o certificado GPTW (Great Place to Work).

O processo seletivo é online e, em função da pandemia, a empresa está operando em home office, mas deverá adotar o modelo híbrido, após o encerramento das medidas de distanciamento social.   

As oportunidades são para profissionais que residem na capital paulista, em Presidente Prudente (SP) e também para trabalho 100% home office. Confira a lista de vagas:

100% Home Office

  • DESENVOLVEDOR SR.

Presidente Prudente (SP)

  • GERENTE DE DESENVOLVIMENTO
  • ANALISTA DE REQUISITOS
  • ANALISTA DE REQUISITOS SR.
  • ESTAGIÁRIO DE MAPEAMENTO
  • ESTAGIÁRIO DE TESTES

São Paulo

  • CONSULTOR DE IMPLANTAÇÃO
  • GERENTE DE PROJETOS

Os currículos devem ser enviados para Bianca Souza, do setor de Recursos Humanos, pelo e-mail bianca.souza@vcomti.com.br.

No portfólio da VCOM, destacam-se as soluções: COB Credor, sistema para gestão dos recebíveis; a Zaap, plataforma que otimiza o atendimento e o gerenciamento das cobranças; a NoAzul, solução em nuvem para autonegociação online; e o Upturn, plataforma que automatiza as etapas do pré-jurídico nos processos de recuperação judicial de veículos inadimplentes.

Um falso dilema de compliance sobre o home office

Por Adriel Santana


O ano de 2020 trouxe desafios inéditos para boa parte das companhias atuantes em diversos mercados. Além das questões imediatas de sobrevivência do negócio em razão da crise econômica já existente antes da pandemia, a adoção do home office de forma apressada e a priorização massiva de negociações e conversas pela via eletrônica expôs as empresas a riscos muito maiores quanto à ocorrência de irregularidades praticadas por seus colaboradores.

A sensação de falta de controle e fiscalização da conduta dos funcionários remete a uma preocupação excessiva sobre o indivíduo e seu agir moral. Aliás, a crença de que ações antiéticas são exclusivamente originadas da vontade dos indivíduos levou à popularização da noção do conceito de “maçãs podres”. Nenhuma empresa as quer em seu negócio. Mas como encontrá-las sem o convívio e a observância frequente no ambiente corporativo? Esse é, por exemplo, um dos desafios do home office.

Contudo, essa problemática é mais complexa do que parece e invoca questionamentos sobre as premissas em que estariam arraigadas. Posto que somos todos imbuídos de um livre arbítrio, independente das circunstâncias ou pressões específicas sofridas caso a caso, no fim das contas, caberia apenas ao indivíduo decidir quais atos tomar após realizar um balanço moral das escolhas disponíveis. Fazer o mal ou o errado seria, assim, uma escolha individual e consciente, calcada sobre os valores éticos de cada pessoa.

Seguindo outra visão, há quem considere que a sociedade e a cultura dos círculos de relacionamentos, junto às circunstâncias externas, tais como as pressões e os fatores ambientais, e as internas, como os conflitos psicológicos, dos indivíduos são – ou deveriam ser – considerados pontos bastante significativos no processo de julgamento moral dos atos condenáveis praticados. Afinal, as pessoas não vivem num vácuo, mas no mundo real. Essa pode ser chamada de teoria dos “barris podres”: não se trataria de minimizar ou negar a escolha livre das pessoas, mas de inserir suas decisões, consideradas questionáveis, dentro de um contexto estrutural, social e histórico que as tornem compreensíveis, ainda que não necessariamente aceitáveis eticamente.
Não se nega que existam indivíduos com inclinações latentes para desvios éticos, nem tampouco que o efeito do grupo e de superiores hierárquicos, além de pressões circunstanciais, como resultados a qualquer custo e problemas financeiros, possam favorecer a ocorrência de ilicitudes.

De fato, ambas as hipóteses, “maçãs ou barris podres”, são bem fundamentadas com vários estudos científicos nas últimas décadas, reforçando a validade de ambas para a tomada de decisões morais pelos indivíduos.

No ambiente corporativo é comum que as companhias foquem demasiadamente em vigiar e punir seus colaboradores que se revelem como “maçãs podres”. Diversas medidas são tomadas pelas empresas com o intuito de se resguardar e detectar eventuais ilicitudes praticadas por seus funcionários, como instalação de câmeras de vigilância no local de trabalho, programas de monitoramento em computadores e celulares corporativos, realização periódica de background check de ocupantes de postos-chaves, dentre outras medidas fiscalizatórias e reativas.

Contudo, durante bastante tempo em nossa cultura de negócios, pouca ou quase nenhuma atenção foi dada por essas mesmas companhias para o seu próprio papel na ocorrência de ilicitudes e desvios éticos em seu interior. É preciso estar atento desde como a organização está estruturada, passando pelos valores corporativos que pratica cotidianamente em suas relações internas e externas, até a forma como aqueles com poder de decisão – diretores e gerentes, agem ou são omissos com seus subordinados – além de como e por quais critérios são avaliados periodicamente. As empresas, estejam conscientes ou não disso, também atuam para que seus colaboradores sejam mais ou menos incentivados a adotarem condutas éticas no ambiente profissional.

Mais que desenvolver mecanismos fiscalizadores de seus colaboradores – cuja eficácia, por si só, é limitada -, incentivar o agir ético profissionalmente, de maneira regular e realmente comprometida por parte da alta direção, precisa ser um dos nortes de uma companhia preocupada, de fato, em dirimir riscos do seu negócio. O papel de uma verdadeira cultura de compliance, focada não apenas em treinamentos e eventos protocolares, mas no exercício diário do que é considerado correto profissionalmente, precisa ser uma constante dentro de uma companhia.

Nas empresas, é relativamente fácil culpar um funcionário por ser uma “maçã podre”, que comete, incentiva ou tolera que outros pratiquem irregularidades no ambiente profissional. Mais difícil é perceber os problemas ligados à sua própria cultura corporativa e à dinâmica diária do local onde os seus colaboradores estão inseridos, convivem e atuam.

Se a cultura corporativa estiver bem afinada quanto aos valores éticos considerados corretos e quais as práticas que não são toleradas, o local no qual o colaborador atua se torna um problema periférico no negócio. Quem faz o certo porque é incentivado a isso e sabe que será punido se não o fizer, buscará agir eticamente como regra, independentemente de onde está.

Adriel Santana, advogado e coordenador de Forense e Investigações Empresariais na ICTS Protiviti

Startup israelense que devolveu visão a homem cego participa de live da Câmara Brasil-Israel

Um homem de 78 anos, cego dos dois olhos há mais de 10 anos, recuperou sua visão após utilizar o implante de uma córnea artificial desenvolvido pela startup israelense CorNeat Vision.

Diretamente de Israel Almog Aley-Raz, co-fundador CEO e VP de Pesquisa e Desensolvimento e Gilad Litvin, cofundador, presidente e diretor médico da CorNeat Vision falarão sobre essa revolucionária inovação em live da Câmara Brasil Israel (BRIL Chamber), na terça, 26, às 9h.

O evento terá como moderador o Dr. Claudio Lottenberg, VP do Conselho Executivo da BRIL Chamber e Presidente do Conselho da Sociedade Beneficente Israelita Albert Einstein com a abertura de Renato Ochman, presidente da Câmara Brasil-Israel.

O debate será em inglês com transmissão ao vivo pelas redes sociais da Câmara Brasil- Israel (BRIL Chamber) no Facebook: @brilchamber e no You Tube: bril chamber

Inscrições em: https://bit.ly/3p3pE7t_brilchamber

Bancos vão divulgar orientação sobre campanha nacional de vacinação contra a Covid-19

Os bancos brasileiros irão participar do esforço de comunicação para orientação da sociedade sobre a vacinação contra a Covid-19, em colaboração com o Ministério da Saúde. As instituições financeiras vão utilizar seus canais de relacionamento com clientes e o público em geral para divulgação de informações como o endereço do ConecteSUS, que pode ser baixado gratuitamente e constitui a carteira digital de vacinação, além de conter informações sobre os critérios para a fase de imunização.

Além disso, os bancos vão divulgar orientações gerais sobre distanciamento social e medidas sanitárias que devem continuar sendo adotadas pela população.

“Acreditamos que essa é uma inciativa importante para dar mais visibilidade a um tema de interesse e utilidade pública, contribuindo para a prevenção e proteção da saúde da população neste cenário complexo de pandemia”, diz Isaac Sidney, presidente da Febraban.

A iniciativa se soma a outras que estão sendo adotadas desde o ano passado para o combate à Covid-19. Até janeiro de 2021, os bancos contribuíram com R﹩ 380,5 milhões em doações para a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e o Instituto Butantan, as duas instituições brasileiras já aprovadas para produção de vacinas no Brasil. As doações incluem recursos para a construção de novas unidades de produção de vacinas.

Ao mesmo tempo, com profundo pesar pelas mortes e sofrimento das famílias do Amazonas, as instituições financeiras também promovem ações para auxílio da população de Manaus.

Dentre as iniciativas no Amazonas, destaca-se a ação do programa Todos Pela Saúde, criado pelo Itaú Unibanco, que investiu na aquisição de 5 usinas locais de reabastecimento de cilindros oxigênio, itens de primeira necessidade e insumos para melhorar a capacidade dos respiradores em 500 leitos. Cada usina atende um pronto socorro de porte médio ou 25 leitos de UTI integralmente.

O BTG também encaminhou mais de 100 cilindros de oxigênio para a capital do Amazonas e novos cilindros, além de outros insumos, como máscaras, luvas e aventais adquiridos com ajuda de parceiros.

Em dezembro, as instituições financeiras e os sindicatos no Amazonas já haviam atuado no reforço das medidas preventivas, o que contribuiu para o controle da expansão da transmissão entre os bancários. Além de medidas adicionais de proteção, alguns bancários e familiares que não conseguiram internação em Manaus, foram transferidos para outros estados por meio de transporte aéreo médico especializado.

Com essa preocupação, desde o início da pandemia, em março de 2020, os bancos, desenvolveram atitudes inéditas e têm atuado em diversas frentes, com doações que alcançaram R﹩ 1,7 bilhão.

Clique aqui para sumário das ações dos bancos no combate à Covid-19.

Rede Mulher Empreendedora completa 11 anos de serviço ao empreendedorismo feminino

A Rede Mulher Empreendedora, maior plataforma de apoio ao empreendedorismo feminino do Brasil, completa em janeiro 11 anos dentro desse pulsante cenário econômico.

A RME já ajudou a transformar a vida de aproximadamente 1 milhão de mulheres graças à presença de suas embaixadoras em todo o Brasil, além de países como Inglaterra, Portugal, Holanda e Bélgica. Nascida pelas mãos de Ana Fontes, a RME tem como propósito empoderar mulheres economicamente para garantir decisão sobre seus negócios e suas vidas, aumentando o índice de independência financeira delas. A história da Rede e de Ana Fontes caminham lado a lado e não tem como falar da RME sem fazer esse paralelo.

Ana Lúcia Fontes é fundadora da RME, presidente do braço social da empresa – o Instituto RME -, Delegada Líder do Brasil no W20, grupo de engajamento do G20, eleita pelo Linkedin Top Voices do Linkedin em 2020, cofundadora do MIA (Mulheres Investidoras Anjo) e já foi considerada uma das vinte mulheres mais poderosas do país pela revista Forbes, em 2019.

Ana começou a trabalhar aos 11 anos de idade, como babá e faxineira, formou-se em publicidade e foi do chão de fábrica à área administrativa no setor automobilístico. Especialista em marketing e relações internacionais, ela passou pela frustração de ouvir que não seria promovida por ser mulher. Virou mãe e o desejo de se superar ficou ainda maior.

Em 2010, ela começou a dar os primeiros passos com o que viria se tornar uma signatária dos princípios de empoderamento da ONU Mulheres. No começo, a RME era uma plataforma de compartilhamento de conteúdo e divulgação de empresas fundadas e administradas por mulheres, mas por ser a primeira plataforma de apoio ao empreendedorismo feminino no país, o blog evoluiu e criou novas ações e projetos.

Entre os projetos da RME estão o Trilha Empreendedora, que conta com conteúdos exclusivos e gratuitos via vídeo, que promove, de forma acessível, diversos e importantes temas para o dia a dia das empreendedoras; o RME Conecta, programa que conecta negócios de mulheres com grandes empresas para negociação e fornecimento B2B; o Casa das Empreendedoras, evento anual que reúne as principais lideranças do circuito de startups e do empreendedorismo feminino; o RME Acelera, para a aceleração de negócios com alto potencial de crescimento, fundados e liderados por mulheres; além do Quero Empreender curso intensivo de 02 dias para quem quer abrir o próprio negócio.

Hoje a RME conta com um braço social, o Instituto RME, fundado em 2017, com foco na capacitação e no empoderamento de mulheres que vivem em situação de vulnerabilidade social. O IRME conta atualmente com os projetos Ela Pode, que já capacitou mais de 145 mil mulheres; o Elas Prosperam, feito para desenvolver mulheres empreendedoras de forma acessível sobre diversos e importantes temas para o dia a dia delas; Heróis Usam Máscaras, ação conjunta do Bradesco, Itaú, Santander e Instituto RME, com concepção do Instituto BEI, para viabilizar a produção de máscaras para a população brasileira e remunerar profissionais de costura durante a pandemia; e a mais recente iniciativa: Potência Feminina, que visa capacitar e impactar a vida de 50 mil mulheres de 10 comunidades espalhadas pelo país .

Para a maioria das pessoas em todo mundo 2020 deixou sua marca tanto negativa, quanto positiva; e não foi diferente para a fundadora da RME. “Empreender é sempre desafiador e este último ano foi peculiar, afinal de contas uma pandemia é um marco histórico e para se manter de pé é preciso muita resiliência, estudo, determinação, foco e organização. Para não desamparar nossas colaboradoras e membros, tivemos que nos adaptar para manter nosso compromisso com vocês aí do outro lado”, afirmou Fontes.

“Esta comemoração do 11° ano da RME é especialmente importante para mim, por conta do cenário considerado caótico para muitos e porque foi com esta idade da minha vida que comecei a me movimentar economicamente por meio do trabalho e a ajudar no sustento de casa”, completou ela.

Apesar de todas as diversidades, 2020 foi um ano que marcou positivamente a história da RME. Para conhecer todos os trabalhos desenvolvidos pela RME Acesse: https://rme.net.br/.

Mastercard expande sua plataforma de Business Intelligence para instituições financeiras na América Latina e Caribe

Após um lançamento bem-sucedido na Europa, a Mastercard anunciou hoje a expansão de sua nova plataforma interativa de Business Intelligence (BI), chamada Market Trends para toda à América Latina e Caribe. A ferramenta online oferece uma visão abrangente e atualizada dos principais insights do setor de meios de pagamentos, inteligência competitiva e tendências para bancos e instituições financeiras em toda a Europa, e agora também na região da América Latina e Caribe (LAC).

A Mastercard Market Trends oferece uma visão simples e com curadoria de pesquisas confiáveis em uma única plataforma. Para a regiãoda América Latina é possível comparar 700 cartões de 13 países, dentre eles: Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, República Dominicana, Equador, Jamaica, México, Panamá, Peru, Porto Rico, Trinidad & Tobago.Além do acesso completo a relatórios de mercado, análise das fintechs líderes dos mercados globais e regionais, perspectivas do setor de pagamentos e tendências de tecnologia, como Open Banking e Blockchain.

“A Mastercard Market Trends oferece uma oportunidade única para que bancos e instituições financeiras acessem informações-chaveque permitirão decisões de negócios e resultados melhores aos participantes. A plataforma oferece insights, tendências do setor e as principais necessidades do consumidor, projetadas especificamente para o mercado da América Latina e Caribe”, afirma Carlo Enrico, Presidente da Mastercard LAC”. Estamos animados em anunciar este novo produto aos nossos clientes e temos certeza de que servirá de base para suas necessidades de pesquisas de mercado no dia a dia”.

A Mastercard Market Trends trazcinco recursos principais:

• Avaliação de Mercado: relatórios com insights sobre dados socioeconômicos, pagamentos e KPI digitais selecionados em nível local por equipes da Mastercard com análises detalhadas de 12 mercados da LAC – os mesmos mencionados acima, com excessão do Panamá.

• Comparação de Cartões: recursos de filtragem e benchmarking de produtos de cartão emitidos por diferentes sistemas e emissores, para ajudar os clientes a compreenderem o cenário competitivo atual. Isso inclui uma visão geral das principais métricas e recursos em nível local. Mais de 700 cartões estão disponíveis para comparação em 13 países da LAC – todos os mencionados acima.

• Pesquisa do Consumidor: acesso a estudos de pesquisa encomendadas global e regionalmente pela Mastercard com o objetivo de oferecer uma visão ampla dos principais assuntos para o consumidor.

• Nova Experiência de Pagamentos: análise das Fintechs líderes globais e regionais, além de um compilado com as melhores práticas para compartilhar estratégias de negócios em um cenário de meio de pagamentos que está em constante evolução, com cases e perfis de empresas de sucesso.

• Insights do Setor: acesso a biblioteca de vídeos e estudos globais Thought Leadership sobre as tendências de tecnologia que estão moldando a indústria.

A plataforma é a oferta mais recente da Mastercard Data & Services e já está disponível para os emissores e adquirentes na região da América Latina e Caribe, acessando o site Market Trends via www.trends.mastercardservices.com com suas credenciais Mastercard Connect. O objetivo da Mastercard é expandir a plataforma para duas outras regiões em 2021, dando acesso a perspectivas adicionais de outras regiões em termos de avaliação de mercado e comparações de cartões para clientes em toda a região.

Americanas investe em operação cross border e diminui prazo de entrega de pedidos internacionais pela metade

Comprar um produto internacional com preço menor do que o nacional e ainda recebê-lo em menos de um mês é o sonho de muitos consumidores brasileiros. Pois é isso que a Americanas Mundo, operação de cross border da Americanas, oferece aos seus clientes. Após firmar importantes parcerias com transportadoras internacionais, a marca está garantindo prazos de entrega de 15 a, no máximo, 21 dias úteis.

“A entrega é uma parte fundamental da experiência de compra. Por isso, sentimos que podíamos fazer mais, surpreender nossos clientes com uma entrega internacional também rápida e segura. Buscamos os melhores parceiros logísticos no exterior e, agora, através do serviço B2W Entrega Internacional, somos capazes de garantir prazos 50% menores do que é aplicado por outros players no mercado brasileiro”, explica Marcelo Nunes, diretor financeiro da B2W Digital.

Com frete grátis disponível para todo sortimento, o Americanas Mundo passa a garantir também mais segurança em sua operação. A partir de agora, os clientes contam com rastreio total de seus pedidos, podendo acompanhar as etapas logísticas do pedido desde a separação e o envio no país de origem até a entrega em sua casa, no Brasil.

No terceiro trimestre de 2020, o GMV (Gross Merchandise Volume) do Americanas Mundo cresceu 200% em relação ao mesmo período do ano anterior. Impulsionada por números positivos como este, a Americanas quer ir além. “Estamos trabalhando para oferecer um menu de frete ainda mais agressivo para os consumidores”, complementa Nunes.

Lançado em março de 2019, o Americanas Mundo possui sortimento com mais de 20 milhões de itens oriundos de diversos países, como Estados Unidos, China, Canadá, Nova Zelândia, Uruguai, além da Europa. Distribuídos por dezenas de categorias, os produtos têm entrega garantida e opção de pagamento em até 12 vezes sem juros no cartão de crédito. Clientes que pagarem com o app Ame Digital ganham ainda até 20% de cashback, ou seja, parte do dinheiro de volta para gastar em futuras compras.

Vacina contra a Covid-19: sites fraudulentos simulam cadastro para roubar dados pessoais

A corrida pela vacinação contra a Covid-19 começou nesta semana no Brasil. Com ela, uma outra jornada tem movimentado o mundo do cibercrime: golpistas tentam se aproveitar da ânsia pela nova imunização para roubar credenciais de vítimas e aplicar fraudes pela internet.


Desde segunda-feira, a equipe de investigação e análise da Kaspersky tem encontrado sites fraudulentos que tentam simular um pré-cadastro para a vacinação. A tática é bastante conhecida: o phishing.Segundo Fabio Assolini, analista sênior de segurança da Kaspersky, esses domínios fazem parte de campanhas que já estão sendo articuladas, e que começarão a disseminar mensagens solicitando a inscrição por meio desses sites.
Sempre que há um tema crítico e que desperta atenção, o cibercrime rapidamente busca alternativas para tirar proveito deles. Vimos isso no começo da pandemia, quando houve uma corrida por máscaras e álcool-gel, e vemos o mesmo sendo feito no momento das vacinas“, conta o especialista .
Um dos sites identificados pede que o usuário inscreva o e-mail e a senha para iniciar o seu cadastro. Com essas informações, os hackers conseguem acessar a conta da vítima e aplicar uma série de outros golpes em cima dela. “Como muitas pessoas costumam utilizar a mesma senha para várias contas, os criminosos podem invadir uma série de outros serviços por meio desses dados“, alerta Assolini .

Para evitar cair em golpes como esse e ter os seus dados roubados, o analista da Kaspersky recomenda que as pessoas se informem em canais oficiais das secretarias de saúde do município ou estado sobre como estão sendo feitas as campanhas da vacina na sua localidade:

Alguns estados, como São Paulo, criaram páginas de cadastro para a vacina, que no momento, estão sendo aplicadas apenas com profissionais da saúde e grupos de risco. Ainda assim, desconfie de qualquer endereço que seja enviado por meio de correntes em redes sociais. Por precaução, procure as páginas dos órgãos oficiais e se informe corretamente por lá“, completa Assolini.

Site de phishing criado para roubar senhas de contas de e-mail corporativo


Brasileiros entre as maiores vítimas de phishing

De acordo com o relatório recente publicado pela Kaspersky, os brasileiros estão entre os principais alvos de phishing no mundo. Cerca de um a cada nove usuários de internet do País (11,6%) acessaram, de julho a setembro passados, ao menos um link que direcionava a páginas maliciosas. O índice está bem acima da média mundial – 7,67%, no mesmo período – e coloca o Brasil como um dos países com maior proporção de usuários atacados.

Para se proteger dos ataques de phishing, os especialistas da Kaspersky aconselham que os usuários tomem algumas precauções:

• Sempre verifiquem o endereço do site para onde foi redirecionado, endereço do link e o e-mail do remetente para garantir que são genuínos antes de clicar neles, além de verificar se o nome do link na mensagem não aponta para outro hyperlink;

• Não cliquem em links contidos em e-mails, SMS, mensagens instantâneas ou postagens em mídias sociais vindos de pessoas ou organizações desconhecidos, que têm endereços suspeitos ou estranhos. Verifiquem ainda se são legítimos e, mesmo que comecem com ‘ https‘, é necessário duvidar, pois muitos sites falsos podem exibir o cadeado de segurança;

• Se não tiver certeza de que o site da empresa é real e seguro, não insira informações pessoais;

• Analisem cuidadosamente as URLs das páginas com formulários que solicitam dados confidenciais. Se o endereço consiste em um conjunto de caracteres sem sentido ou a URL parece suspeita, não finalizar o pagamento;

• Usem uma solução de segurança comprovada com tecnologias antiphishing baseadas em comportamento. Ela permitirá a identificação até dos golpes de phishing mais recentes, que ainda não foram incluídos nos bancos de dados antiphishing.

D2C – Venda direta da indústria para o consumidor final se consolida como estratégia de negócio pós-pandemia

Não é novidade que a pandemia provocada pela Covid-19 tenha acelerado a digitalização em empresas. Além do B2C e B2B, um dos setores que mais tem se desenvolvido é o da indústria, que vende direto para o consumidor final, o chamado D2C – Direct to consumer, com termo em inglês. Em resumo, a indústria está criando canais digitais de vendas, sem a necessidade de intermediários.

A Tatix, uma das maiores empresas de full commerce do país, tem auxiliado diversas companhias nessa revolução digital e inserção da indústria no comércio online, tendo crescido mais de 200% em 2020, e prevê tendência de mercado. De acordo com Giordano Magalhães Afonso, vice-presidente da Tatix, o FMCG (sigla do Inglês Fast-moving consumer goods ou bens de grande consumo), é o setor que mais tem buscado novas soluções digitais para suas vendas. Mas não somente.

“Linea, Lindoya e Usaflex, por exemplo, se tornaram nossos parceiros para operacionalizar os seus negócios no ambiente digital, e tem dado muito certo”, comemora ele, complementando que um dos cases de sucesso mais recente é a Softys, indústria multinacional líder nos segmentos de papel e cuidados pessoais na América Latina.

A empresa, que vende direto para o consumidor final desde 2019, procurou a Tatix Full commerce para lançar um novo produto: um serviço de assinaturas. O Softys Fácil, como é chamado o plano, é a novidade na loja virtual da Loja Softys. Segundo Leonardo Sanitá, Head Comercial E-commerce da Softys, o serviço de assinatura é um sistema de compra recorrente com venda direta para o consumidor final, que garante 10% de desconto, contribuindo para a economia doméstica, no qual o assinante pode alterar a frequência e o pedido sempre que desejar. Além de trazer benefício para o consumidor, a empresa ganha com a fidelização e a compra recorrente.

“Os produtos FMCG, sigla em inglês que significa “fast moving consumer goods”, ou algo como “produtos de giro rápido”, viram suas vendas dispararem com a chegada da pandemia. Com isso, o investimento dessas empresas no e-commerce deixou de ser uma opção e se tornou indispensável não só para aumento de participação, mas, sobretudo, para acompanhar o comportamento dos novos consumidores”, ressalta Giordano, comprovando a lógica de vendas da Softys.

O executivo complementa que muita gente pensa que produtos de grocery estão relacionados somente à bebidas e alimentação, por exemplo. Mas explica que supermercado não é só isso. “Papel higiênico, guardanapo, lenços umedecidos, entre outros itens, fazem parte de produtos que tiveram um boom de vendas com a chegada da pandemia e, por isso, lançar uma venda direta para o consumidor final desses produtos e ainda em modelo de assinatura, que é o caso da Softys, foi uma sacada perfeita para o momento, e com certeza veio para ficar”, fala Giordano.

Leonardo conta que as assinaturas em menos de 1 mês já representam 2,5% dos clientes do Site, resultado obtido de forma orgânica. “Os 15 primeiros dias de Novembro já superaram os números de outubro em 44%, apontando um crescimento bem expressivo.

O executivo conta também que o ticket médio geral até agora é de R﹩ 326, puxado por Novembro que na parcial já é de R﹩ 426, crescendo +134% sobre Outubro. “15% opta por frequência mensal e 80% bimestral”, conta ele, complementando que entre os itens mais assinados estão a linha professional, com 49%. “É liderado pelo Álcool em Espuma Elite, produto muito importante em tempos de pandemia”, conclui.

Ruptura de 2020 é a mais alta desde 2017

Mesmo com a pandemia, o índice de ruptura, que mede a falta de produtos nas prateleiras dos supermercados, foi de 11,86%, 1,78% mais alto em relação a 2019 quando a média do ano foi de 10,08%. Conforme aponta estudo desenvolvido pela Neogrid (www.neogrid.com.br), empresa especializada na sincronização da cadeia de suprimentos. Ao longo de 2020 o maior índice foi atingido em maio quando o número bateu os 12,57%. 

A média anual de ruptura é a mais alta desde 2017. O índice, que girava na casa dos 10% (2017: 10,97%; 2018: 10,01%; 2019: 10,08%) chegou a 11, 86% em 2020.  

O balanço da Neogrid ainda traz um ranking com os 10 produtos com maior ruptura em 2020. Os ovos puxam a lista com 22,73% e um aumento de 4,9% em relação a 2019 quando o índice foi de 17,83%. Outro destaque são as cervejas que bateram recorde em 2020 e encerraram o ano com ruptura na casa dos 18,38% em dezembro. Em média, a ruptura da cerveja foi de 14,28% em 2020. 

“No caso dos ovos o cenário é explicado porque os supermercados seguraram a compra dos ovos para negociar os preços, que subiam devido ao aumento do valor dos insumos de avicultores, e ao mesmo tempo a demanda por esse item se manteve forte na pandemia. Muitos consumidores passaram a cozinhar mais em casa e a consumir ovos para o preparo de pães e bolos. Sem falar que os ovos também serviram como substituto das carnes, que tiveram grande aumento de preço em 2020. Mas vale destacar que não houve um cenário de desabastecimento, o que faltaram foram variedade e marcas. Por exemplo, o consumidor encontrava apenas as marcas x e y do ovo branco e não a marca z de ovos caipiras”, explica Robson Munhoz, CCO da Neogrid. 

Airbus revela helicóptero Flightlab para testar tecnologias do futuro

A Airbus Helicopters iniciou os testes de voo a bordo de seu Flightlab, um laboratório de voo independente de plataforma, dedicado exclusivamente ao desenvolvimento de novas tecnologias. O Flightlab da Airbus Helicopters fornece uma base de teste ágil e eficiente para testar rapidamente tecnologias que poderiam equipar a gama atual de helicópteros da Airbus, ou até tecnologias mais disruptivas para futuras aeronaves de asa fixa ou plataformas (e)VTOL.

A Airbus Helicopters pretende promover o teste de tecnologias de propulsão híbrida e elétrica com seu demonstrador Flightlab, bem como explorar a autonomia e outras tecnologias destinadas a reduzir os níveis de ruído de helicópteros ou melhorar a manutenção e segurança de voo.

“Investir no futuro continua sendo essencial, mesmo em tempos de crise, especialmente quando essas inovações agregam valor aos nossos clientes, visando maior segurança, redução da carga de trabalho do piloto e redução dos níveis de ruído”, afirma Bruno Even, CEO da Airbus Helicopters. “Ter uma plataforma dedicada a testar essas novas tecnologias é um passo mais perto do futuro dos voos e é um reflexo claro de nossas prioridades na Airbus Helicopters”, acrescentou.

Os testes de voo começaram em abril do ano passado, quando o demonstrador foi usado para medir os níveis de ruído de helicópteros em áreas urbanas e para estudar particularmente como os edifícios podem afetar a percepção das pessoas. Os primeiros resultados mostram que os edifícios desempenham um papel importante no mascaramento ou amplificação dos níveis de ruído e esses estudos serão instrumentais quando chegar a hora de modelagem de ruído sonoro e definição de regulamentação, especialmente para iniciativas de Mobilidade Aérea Urbana (UAM). Os testes foram realizados em dezembro para avaliar o Rotor Strike Alerting System (RSAS), que visa alertar as tripulações sobre o risco iminente de colisão com os rotores principal e de cauda.

Os testes este ano incluirão uma solução de detecção de imagem com câmeras para permitir a navegação em baixa altitude, a viabilidade de um Sistema de Monitoramento de Uso e Saúde (HUMS) dedicado para helicópteros leves e um Sistema de Back-up do Motor, que fornecerá energia elétrica de emergência em caso de falha da turbina. Os testes no Flightlab continuarão em 2022, a fim de avaliar um novo design ergonômico de controles intuitivos de voo do piloto com o objetivo de reduzir ainda mais a carga de trabalho do piloto, que pode ser aplicável a helicópteros tradicionais, bem como outros tipos de VTOL desenvolvidos para Mobilidade Aérea Urbana.

O Flightlab é uma iniciativa de toda a Airbus, que reflete a abordagem da empresa à inovação com foco na entrega de valor aos clientes. A Airbus já tem vários Flightlabs bem conhecidos, como o A340 MSN1, usado para avaliar a viabilidade da introdução da tecnologia de asa de fluxo laminar em um grande avião comercial, e o A350 Airspace Explorer usado para avaliar tecnologias de cabine conectada a bordo.

O poder do associativismo nos resultados de 2020 para o setor de tecnologia

Por Rodolfo Fücher

O ano de 2020, marcado pela pandemia de Covid-19, trouxe muitos aprendizados e resiliência. Tivemos de rever estratégias e cuidar ainda mais dos nossos colaboradores, família e amigos. Contudo, o associativismo continuou demonstrando sua importância na reivindicação de uma agenda de medidas para garantir a sobrevivência das empresas, a manutenção de empregos e a aceleração digital nos negócios, governo, educação, saúde e tantos outros diante das mudanças acarretadas pelo distanciamento social.

Depois de muito trabalho, cooperação, diálogo, negociações e reuniões virtuais, a ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software entende que ocorreram vários avanços. Um dos mais importantes e marcantes foi nosso pleito por mais segurança jurídica e tributária, no qual comemoramos o avanço histórico no STF favorável a incidência do ISS (e não ICMS) em operações com software, por meio do julgamento das ADIs 1945-MT e 5659-SP.

Na área econômica, destacamos medidas governamentais que contaram com o nosso empenho, como a flexibilização de garantias para obtenção de linhas de financiamento, que ajudam na operacionalização do crédito na ponta para o empreendedor por meio do PRONAMPE; a dispensa de apresentação de várias certidões para obtenção de crédito em instituições financeiras públicas; a utilização de Fundo Garantidor da União em linhas de financiamento, sem contrapartida financeira das empresas; e o início da construção da plataforma AntecipaGov, que vai permitir que fornecedores utilizem seus contratos com a administração pública federal como garantia para fazer empréstimos e financiamentos em instituições financeiras credenciadas pelo Ministério da Economia (ME).

Já no âmbito regulatório, mantivemos um contínuo trabalho de diálogo e debates com representantes dos poderes Legislativo e Executivo, ressaltando a aprovação da Lei de Licitações; da Lei que reduz a zero as taxas de fiscalização de instalação e as taxas de fiscalização de funcionamento dos sistemas de comunicação máquina a máquina, que vai favorecer os projetos de IoT; e a extensão da desoneração da folha até dezembro de 2021; além do avanço na tramitação do Marco Legal das Startups, que foi recentemente aprovado na Câmara dos Deputados.

Em um ano de retração econômica, a associação manteve sua representatividade, reunindo, aproximadamente, 2 mil empresas associadas ou coligadas, que totalizam cerca de 85% do faturamento do segmento de software e serviços no Brasil, distribuídas em 22 Estados brasileiros e no Distrito Federal.

Além disso, a entidade começou a colher os frutos da estratégia de atração de associados em outros países e registrou uma importante participação em uma exposição virtual organizada por autoridades comerciais da China.

Dentre importantes realizações para o setor em 2020, a ABES ainda reuniu mais de 80 entidades, representando 14 setores da economia brasileira e totalizando quase 80% do PIB nacional, na formação da Frente LGPD, que busca mais segurança jurídica em um tema que afeta a todos os brasileiros.

O Programa Uma Empresa Ética também aumentou seu escopo, chegando a cerca de 80 empresas que buscam adotar código de ética, treinamento de compliance e canal de denúncias anônimas. Além disso, passamos a entregar certificados para os associados que colocam em prática estes pilares.

Tudo isso só foi possível a partir da confiança, trabalho e ajuda dos nossos associados, da nossa diretoria, conselheiros, colaboradores e fornecedores, confirmando ainda mais a importância do associativismo.

As expectativas para 2021 continuam em alta. Seja qual for a conjuntura, a ABES refirma seu propósito de contribuir para a construção de um Brasil mais digital e menos desigual, no qual a tecnologia da informação desempenha um papel fundamental para a democratização do conhecimento e a criação de novas oportunidades para todos. Entendemos que o papel da entidade é o de assegurar um ambiente de negócios propício à inovação, ético, dinâmico e competitivo globalmente.

Rodolfo Fücher, presidente da ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software)

Governo do Estado de São Paulo abre Consulta Pública para atender à causa “O Futuro do Trabalho”

O Governo do Estado de São Paulo, por meio do programa IdeiaGov, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico (SDE) e do Centro Paula Souza (CPS), está convidando todos os cidadãos e pessoas jurídicas a participarem de uma Consulta Pública, com objetivo de incentivar a participação da sociedade para subsidiar uma futura e eventual contratação de solução tecnológica.

A tecnologia demandada deverá ser capaz de identificar o cenário atual e as tendências futuras do mercado de trabalho em todo o estado. O objetivo é que a solução possa ajudar o Governo do Estado de São Paulo na identificação e definição de melhores cursos e capacitações profissionalizantes a serem ofertados no território paulista, por meio de um radar de oportunidades que apresente as tendências de empregos, no curto e médio prazo, e no nível regional ou municipal.

Com isso, os organizadores esperam que os investimentos públicos em oferta de ensino profissionalizante sejam feitos com maior precisão e alinhados ao potencial de empregabilidade de cada região, além de estimular a geração de renda por meio do empreendedorismo. Também é esperado que o setor privado local tenha mais facilidade para a contratação de mão-de-obra capacitada para o desenvolvimento dos seus negócios.

“Dentro das nossas expectativas com a causa, estão também, que o processo de definição de cursos e capacitações seja baseado em dados, tornando-se mais objetivo, dinâmico e transparente para a sociedade. Também esperamos que seja disponibilizada de maneira tempestiva e atualizada as informações necessárias para avaliação de pertinência e assertividade das vagas ofertadas em cursos do Centro Paula Souza e da Secretaria de Desenvolvimento Econômico – para os gestores públicos e a sociedade de modo geral”, afirma Daniel Barros, Subsecretário de Ensino Técnico, Tecnológico e Profissionalizante.

Os interessados em responder a esta consulta pública, tanto pessoas físicas quanto jurídicas, deverão acessar o site https://ideiagov.sp.gov.br/causas/futuro-do-trabalho e responder ao formulário específico para esta consulta até as 23h59min do dia 05 de março de 2021.