Page

Author admin

Engineering Brasil abre seleção de profissionais por meio de capacitação gratuita em Salesforce

A escassez de profissionais de TI capacitados para ocupar as vagas em aberto nas empresas é um problema que assola o setor há anos. Ciente disso, a Engineering Brasil, companhia global de Tecnologia da Informação e consultoria especializada em Transformação Digital, anuncia um projeto para capacitar profissionais gratuitamente na plataforma Salesforce por meio de trilhas de aprendizagem e mentorias personalizadas, que levarão a 25 posições na companhia; para a área de desenvolvimento e para a área administrativa.

“Sabemos que o Salesforce é um dos conjuntos de habilidades mais demandados atualmente. Nosso objetivo com esse projeto é a capacitação e contratação de profissionais, que tenham ou não conhecimento prévio na área, para ampliar suas oportunidades e preencher nossas vagas em aberto” explica Luciano Gajardoni, diretor técnico da Engineering Brasil.

A Eng Academy, como foi nomeado o projeto, se inicia em fevereiro, termina em março e será composta por etapas. Começando pela inscrição dos interessados a participarem deste processo, que não possui vagas limitadas, e posterior seleção dos profissionais mais qualificados pela área de Gente e Gestão.

Após este início, os escolhidos terão acesso às trilhas de aprendizagem, que são conteúdos de cerca de 40 horas, desenvolvidos por especialistas da Engineering, com o objetivo de capacitar os participantes na plataforma selecionada, abordando desde o básico ao avançado sobre a tecnologia.

De acordo com os resultados da trilha de aprendizagem composta por um desafio final, serão selecionados alguns participantes para uma mentoria personalizada com especialistas de Salesforce da companhia de TI. Por fim, os talentos que se sobressaírem neste processo participarão de duas entrevistas internas, uma técnica com o gestor da área e outra comportamental com a área de Gente e Gestão, as quais selecionarão aqueles que receberão uma proposta de contratação.

“A Eng Academy é um dos projetos que temos com este objetivo de capacitar e contratar talentos de TI. A inscrição é o primeiro passo para se tornar um Enger, bem como uma oportunidade de desenvolver habilidades, pois são horas de conhecimento disponibilizadas gratuitamente aos inscritos”, complementa Filippo Di Cesare, CEO da Engineering Brasil.

Segundo Di Cesare, as trilhas de aprendizagem serão realizadas pela plataforma Trailhead e supervisionadas pela Engineering, que continuará acompanhando e monitorando o progresso dos participantes não selecionados num primeiro momento, pois não necessariamente as posições serão preenchidas pelos profissionais que avançarem.

Os interessados a participarem deste projeto deverão se inscrever neste link: https://bit.ly/eng_academy

PicPay traz quatro novos integrantes para fortalecer o conselho de administração

O PicPay anuncia a nova composição do seu Conselho de Administração. José Antônio Batista permanece na presidência do Conselho e passam a compor o grupo a executiva Camila Farani e os executivos Gilberto Xandó, Mario Mello e Vicente Trius.

“A reorganização do Conselho reflete o posicionamento estratégico da companhia, que vem se consolidando como o super-app com o maior número de usuários do Brasil, e também reforça o nosso compromisso com as melhores práticas de governança corporativa”, explica José Antonio Batista, presidente do Conselho de Administração e CEO do PicPay.

O novo grupo de conselheiros do PicPay reúne profissionais com ampla experiência em áreas como Tecnologia, Inovação, Varejo, Marketing, Investimentos e Meios de Pagamento, uma composição multidisciplinar que, de acordo com Batista, vai contribuir com as principais decisões estratégicas e o monitoramento da implementação do plano de crescimento do business para os próximos anos. “Com esse passo, a companhia fortalece seu modelo de gestão, com foco na geração de valor para os acionistas, os funcionários, os parceiros e os nossos usuários”, afirma Batista.

A composição do novo Conselho priorizou as competências e experiências dos novos membros frente aos desafios do PicPay, que deve sustentar um crescimento acelerado em 2021 e ampliar a sua atuação com o lançamento de novos serviços e produtos, principalmente não financeiros.

O grupo de conselheiros também será responsável pela coordenação das atividades dos Comitês de Inovação, Sustentabilidade e Marca, que estão em fase final de estruturação. A constituição destes comitês representa outro movimento na evolução da governança corporativa do PicPay, que contará com órgãos específicos para propor soluções, acompanhar o desenvolvimento de ações e assessorar a gestão da empresa em temas considerados estratégicos para o negócio como um todo.

O PicPay tem a maior carteira digital do Brasil, com mais de 40 milhões de usuários. Criado em 2012 por três empreendedores de Vitória (ES) que tinham como objetivo transformar a forma como as pessoas lidam com o dinheiro físico a partir do uso do celular, foi a primeira empresa de tecnologia do país a oferecer o QR Code para pagamentos instantâneos – método que, hoje, se tornou um hábito entre milhões de pessoas e empresas.

Novos membros do Conselho de Administração do PicPay:

Camila Farani é uma investidora anjo e empreendedora brasileira. Em 2018, fundou o G2 Capital, uma boutique de investimento. Também é fundadora do Grupo Boxx e cofundadora do MIA (Mulheres Investidoras Anjo) e do Lab22, boutique de startups. Antes, foi presidente do Gávea Angels e diretora do Grupo Mundo Verde. Graduada em Direito e com MBA em Marketing pela PUC-RJ, tem especializações em inovação, liderança e gestão de negócios no MIT, na Universidade de Stanford, na Babson College e na Fundação Dom Cabral. Também é fundadora do hub de empreendedorismo feminino, Ela Vence, que tem o objetivo de desenvolver lideranças femininas em empreendedorismo. É uma das sharks do Shark Tank Brasil.

Gilberto Xandó tem extensa experiência nas áreas de Finanças, Controladoria, Trade Marketing, Marketing e Comercial, com passagens por empresas como Sadia, Coopers&Lybrand, Natura e Vigor. É membro dos Conselhos de Administração da Ypê, JSL, Grupasso, BenCorp, ClubSaúde e JBS. Formado em Administração pela FGV, possui MBA em Varejo pela USP e especializações em negócios na INSEAD e na Fundação Dom Cabral.

Mario Mello é membro dos Conselhos de Administração da Construtora Tenda e da Track&Field. É Operating Partner da Unidade de Venture da Valor Capital Group. Com mais de 30 anos de experiência em tecnologia e serviços financeiros em empresas como PayPal – onde foi Vice-Presidente e diretor geral para a América Latina – Visa, Banco Safra e Banco Real, é engenheiro civil graduado pela Escola Politécnica da USP.

Vicente Trius é head global de Inovação e Varejo da JBS e diretor da Pilgrims. Formado em Administração pela Universidade de Barcelona, tem especializações na Harvard Business School, no Darden School of Business e no Ashridge College. Foi presidente do Wal-Mart no Brasil e na Asia, diretor executivo do Carrefour para Europa e presidente da Loblaw.

IdeiaGov anuncia o resultado do edital Jornada Digital do Paciente

O IdeiaGov, hub de inovação do Governo do Estado de São Paulo, seleciona 8 propostas de tecnologia através dos 4 desafios da Jornada Digital do Paciente.

“Os desafios foram mapeados juntamente com as equipes do Hospital das Clínicas com o objetivo de encontrar soluções que pudessem resolver 4 desafios relacionados à jornada do paciente dentro da instituição. Tivemos propostas muito qualificadas e selecionamos aquelas que melhor atenderam os critérios de seleção durante o processo seletivo. Tenho certeza que as soluções inovadoras irão ajudar a melhorar, e muito, o dia a dia dos profissionais de saúde do Hospital das Clínicas bem como melhorarão a experiência dos milhares de pacientes que são atendidos, diariamente, por esta instituição”, afirma Felipe Maruyama, diretor de inovação em Governo do Impact Hub à frente do IdeiaGov.

Desafio1: Solicitação de exames de imagem baseados em dados

Para o desafio “Solicitação de Exames baseada em dados do paciente”, o IdeiaGov, em parceria com o Hospital das Clínicas, demandou soluções inovadoras que conseguissem criar um sistema de auxílio à solicitação de exames de diagnóstico por imagem. Três proponentes foram selecionados: Consórcio entre a Camedics Tecnologia e a Vöiston.Inc, Techtools e Mindify.

O consórcio entre a Camedics e a Vöiston.Inc , apresentou uma plataforma de inteligência artificial que conta com interpretação dinâmica da jornada do paciente e projeção de desfechos futuros para hierarquizar a tomada de decisão das equipes médicas. Atuando sobre os sistemas de gestão, de prontuários eletrônicos, de prescrições eletrônicas e de armazenamento de exames e laudos, a plataforma irá aplicar a inteligência artificial para extrair e classificar dados da população e de prontuários e exames.

Techtools Health Innovation criou a “Atende Saúde”, sistema multiplataforma que utiliza a inteligência artificial, Big Data e Blockchain para conectar pacientes e hospitais, permitindo a personalização do atendimento em seus três estágios: bem-estar, cuidado e crônico.

Já a Mindify , apresentou uma solução que minimiza a precariedade dos dados clínicos estruturados e que oferece formulários otimizados para a coleta de dados clínicos estruturados e, também, para apoio à tomada de decisão com auxílio de Inteligência Artificial.

Desafio 2: Experiência do Usuário no atendimento

“O desafio 2 do edital buscava soluções inovadoras que pudessem melhorar a experiência de pacientes, colaboradores e colaboradoras , a partir do uso de tecnologias que tornem os processos mais simples e digitais, desde a recepção do paciente até o término do exame”, explica Gabriel Romitelli, coordenador de implantação de soluções inovadoras no Impact Hub.

B3 Health Tech foi a empresa selecionada, com a apresentação do “Fast Check-In”. Solução dinâmica, integrada e intuitiva para o agendamento antecipado e admissão automatizada para realização de exames de imagens, indo até à avaliação da satisfação do paciente após o exame. O “Fast Check-In” apresenta o web check-in que agenda a consulta, recebe os dados, atualiza o cadastro no sistema e gera um QR Code para o check-in presencial em terminal de autoatendimento, onde registra a chegada e passa o status do paciente. A plataforma também consegue orientar o paciente dentro do hospital e informar ao médico onde ele está.

Desafio 3: Agendamento Automatizado

Pixeon , empresa de tecnologia especializada em saúde, desenvolveu uma plataforma conversacional omnichannel com uso de inteligência artificial que automatiza processos administrativos e clínicos para hospitais, clínicas e laboratórios. A solução possibilita melhorar a gestão das vagas para exames em equipamentos de diagnóstico por imagem a partir do agendamento inteligente e automatizado, buscando reduzir a taxa de absenteísmo de pacientes. A tecnologia ainda possibilita o agendamento de qualquer especialidade por meio do WhatsApp, Facebook e outros canais.

Desafio 4: Operação Remota de Exames de Imagem

As soluções da Ness Health, RMTC Diagnósticos por Imagem e CORI (Central de Operações Remotas Inteligentes) apresentaram excelentes tecnologias para operar remotamente os equipamentos de Ressonância Magnética e/ou Tomografia Computadorizada, de forma eficaz e de rápida implementação para auxiliar a realização desses exames.

Ness Health apresentou um recurso de teleoperação baseado em software, robótica e processos para o comando remoto dos equipamentos de ressonância e tomografia. Além disso, o sistema promove melhoria de qualidade e menor reconvocação, padronização de protocolos, otimização de agenda e fornece dashboards de performance e informações dos pacientes.

Já a RMTC Diagnósticos por Imagem desenvolveu a “Command Center iDr” que faz a operação remota de equipamentos de ressonância magnética e tomografia computadorizada utilizando hardware e software. A empresa faz a implementação da tecnologia de comunicação e automação nos locais e equipamentos de exame. Em seguida, realiza o treinamento da equipe técnica do hospital e dos novos operadores remotos. A solução conta com mecanismos de segurança e há o botão de pânico para parar o exame caso necessário. Ela também reduz o tempo dos exames diminuindo o tempo de espera dos pacientes para a realização dos procedimentos.

Uma Central de Operações Remotas e Inteligentes (CORI) foi criada pelo consórcio das empresas, Holon Group e Univen Healthcare, empresas com expertise em soluções para diagnóstico por imagem, com o objetivo de reduzir a exposição às contaminações por parte dos profissionais envolvidos na operação de ressonância e tomografia. A tecnologia também consegue diminuir a frequência de reconvocação de pacientes, na medida em que na falta de algum funcionário ou experiência do operador, outra pessoa pode intervir.

Benefícios

As empresas terão acesso às equipes técnicas do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HCFMUSP), para orientação, apoio na execução de provas de conceito e testes pilotos, além de troca de informações técnicas, de caráter não sigiloso, relacionadas a Jornada do Paciente. As soluções poderão ser aplicadas em ambientes de uso real para a testagem e validação do método tanto para aprovação tecnológica quanto mercadológica.

Além disso, terão acesso a um programa de mentorias e formações sobre temas relevantes para empresas que pretendem fornecer bens ou prestar serviços ao governo, com apoio de especialistas e equipe dedicada. Poderão, também, ter acesso e contato com outros órgãos do Governo do Estado de São Paulo, como a PRODESP e o IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas), bem como eventuais parceiros externos, com possibilidade de conexão com investidores-anjo e fundos de venture capital.

Relações com bancos nunca foram tão digitais, revela Banking Consumer Survey da Accenture

A pandemia de Covid-19 em 2020 aumentou o contato digital entre clientes e bancos, mas também os afastaram fisicamente. Houve crescimento do uso de canais online, ao passo em que se registrou queda da confiança do consumidor nos bancos. É o que aponta o novo relatório da Accenture (NYSE: ACN) intitulado Banking Consumer Survey e embasado em pesquisas feitas com mais de 47 mil consumidores em todo o mundo, incluindo o Brasil.

O relatório observa que, embora os bancos venham incentivando os consumidores a usar canais digitais para atividades bancárias transacionais, não havia como prever o dinamismo com que essa tendência se aceleraria depois da pandemia.

Apesar de os bancos, muitas vezes, verem a adoção digital como forma de reduzir custos e estar presentes nas mãos dos clientes o tempo todo, o rápido pivô dos serviços digitais existentes tem removido o elemento humano do banco, o que pode ter minado a confiança do consumidor. Por exemplo, menos de um terço (29%) dos consumidores pesquisados confia nos bancos para cuidar de seu bem-estar financeiro de longo prazo, em comparação com 43% dois anos atrás. No Brasil, os que confiam são 33%, comparados com 45% em 2018. Com a aceleração digital das instituições financeiras, seus clientes passaram a enxergar os serviços bancários como commodity, em que a prioridade é a relação custo x benefício. Sem conexão emocional com o banco, o preço é o diferencial competitivo final para 37% dos consumidores.

O engajamento digital dos clientes bancários brasileiros é mais rápido do que a média global. A adoção em massa de canais digitais permeia todas as demografias, com escala e velocidade. Enquanto 35% dos respondentes da pesquisa no resto do mundo aceitaria o vídeo como canal de aconselhamento financeiro, 45% dos brasileiros o adotariam daqui para frente. O cliente aqui abriu mais conta não-primária (43%) do que o cliente no resto do mundo (24%). Além disso, no País, 63% dos respondentes disseram ter feito abertura de conta pelo celular (contra 37%) no mundo.

No Brasil, os neobanks são usados por 44% dos respondentes, dos quais 21% são clientes com uma conta primária (que costuma ser a mais movimentada) e 23% com uma conta secundária. A média global é de 23%, dos quais 12% têm contas primárias e 11%, secundárias. Estes dados podem exemplificar o perfil mais pioneiro do brasileiro do que a média global: 43% dos clientes de bancos no País em comparação com os clientes no resto do mundo, que é de 24%. Apenas 2% dos brasileiros se veem como clientes bancários tradicionalistas, frente a 16% de clientes no resto do mundo.

“Em um momento em que a confiança do cliente é extremamente importante, a recente mudança para o digital pode ameaçar os relacionamentos que os bancos trabalharam décadas para desenvolver”, disse Joana Henklein, diretora de Estratégia e Consultoria em Serviços Financeiros da Accenture no Brasil. “O aumento do envolvimento digital é muito importante para desenvolver o mercado, mas é preciso ir além das transações. Embora tenha permitido que atendessem aos clientes com eficiência durante a pandemia ꟷ e avançado suas estratégias digitais em até cinco anos em alguns casos ꟷ, a interação digital está muito conectada com as transações, sem interação que geram conexões com os consumidores. Para criar conexões fortes com os clientes, os bancos devem reimaginar os serviços digitais que fornecem e tornar essas conexões mais pessoais e relevantes”.

Esse cenário provavelmente contribui para o motivo pelo qual 23% dos consumidores acreditam que os bancos estão na melhor posição para fornecer produtos e serviços fora de suas áreas principais de especialização, em comparação com apenas 16%, 12% e 11 % dos entrevistados que disseram o mesmo para provedores de tecnologia, empresas de mídia social e neobanks, respectivamente.

Mudança comportamental permanente ou modismo inspirado na pandemia?

O relatório sugere que os bancos devem avaliar como o comportamento do consumidor foi afetado pela pandemia e determinar quais mudanças de comportamento são permanentes ꟷ observando, por exemplo, a popularidade crescente das chamadas de vídeo. Antes da Covid-19, apenas 15% dos consumidores haviam falado com um consultor de banco por videochamada, mas quase metade (46%) disse que estaria disposto a fazê-lo quando as agências reabrissem, e 35% disseram que prefeririam videochamadas para reuniões cara a cara.

“O fato de o Brasil alcançar 45%, 10 pontos percentuais à frente da média global, comprova como a natureza do cliente brasileiro é de adepto às novas tecnologias”, conclui Joana. “Os bancos, e incluo aqui os neobanks, agora precisam abraçar como os comportamentos em evolução do consumidor impulsionam a mudança. Devem criar ferramentas digitais que adicionem relevância e personalidade nas interações com um consultor humano no momento certo. A abordagem certa irá equilibrar as interações entre humanos e máquinas. Isso ajudaria muito a reforçar o relacionamento dos bancos com seus clientes, o que, por sua vez, pode construir confiança, lealdade e benefícios para ambos. Não basta o banco somente pensar no que vai falar com o consumidor. As instituições bancárias precisam repensar o onde, o quando e o como. Têm de ir além da conveniência e da eficiência”, completa.

Evolução da mudança

O relatório descobriu que o motivo que leva um cliente a trocar de banco, antes um indicador em tempo real do aumento da concorrência ou de clientes insatisfeitos, mudou nos últimos dois anos. Globalmente, a atividade de troca de conta primária diminuiu significativamente, com 3,8% dos consumidores dizendo que trocaram sua conta bancária primária nos últimos 12 meses, em comparação com 6,7% há dois anos.

“Medir a troca, no Brasil ou em todo o mundo, tornou-se mais complexo à medida que os consumidores complementam sua conta bancária principal com contas adicionais que atendem a propósitos específicos ꟷ resultando em clientes multibancos”, avalia Joana. “A mudança passou a ser uma erosão mais perigosa por gotejamento lento de parte da carteira. Isso mostra que a relação entre consumidor e banco está se tornando mais fragmentada, já que os consumidores podem abrir e colocar seu dinheiro em várias contas de forma rápida e fácil para atingir objetivos financeiros específicos ou simplesmente proteger suas apostas. A aceleração para o digital ajudou muitos bancos tradicionais a fechar a lacuna de inovação tecnológica com os neobanks”.

Metodologia

A Accenture entrevistou 47.810 pessoas em 27 países: Austrália, Bélgica, Brasil, Canadá, China (incluindo Hong Kong), Dinamarca, Finlândia, França, Alemanha, Irlanda, Israel, Itália, Japão, Malásia, México, Holanda, Noruega, Rússia, Arábia Saudita, Cingapura, África do Sul, Espanha, Suécia, Suíça, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e EUA. Os entrevistados precisavam ter uma conta bancária, ser de diferentes gerações e ter variados níveis de renda. A pesquisa foi realizada online durante julho e agosto de 2020.

ABRH Brasil debaterá o futuro da legislação trabalhista no contexto pós-pandemia

A ABRH Brasil promoverá na quinta-feira, 18 de fevereiro, às 13h, o webinar “O RH no Terceiro Cenário: como fica a legislação trabalhista no pós-pandemia?”. Com apoio do Convênio Farmácia (Drogarias Pacheco e Drogaria São Paulo), a iniciativa terá a presença de Wolnei Ferreira, diretor de Assuntos Legais da associação, e Tais Carmona, especialista em modernização das relações de trabalho, com apresentação de Cezar Almeida, diretor de Inovação da ABRH Brasil.

O objetivo do encontro é discutir medidas provisórias, redução de carga horária, redução salarial e diversas outras iniciativas que foram tomadas para tentar diminuir os impactos da pandemia na economia. Mais destaques a serem abordados são as definições que continuam em vigor e quais os desdobramentos das próximas mudanças no setor trabalhista.

O evento é gratuito e as inscrições podem ser realizadas pelo link: pages.conarh.com.br/hspmkF4jxROt6/formulario-webinar2.html. Após inserir os dados solicitados no formulário, o participante receberá um e-mail com um novo link para acessar o vídeo. Vagas limitadas.

Multiplan investe em atendimento 24h via chatbot

A Multiplan dá mais um passo em sua estratégia de aceleração digital centrada nas necessidades dos consumidores. A Companhia anuncia o lançamento do seu atendimento por chatbot no WhatsApp. Programado e treinado totalmente por equipe própria por meio do MIND (área de marketing, inovação e negócios digitais da empresa), o serviço já está presente nos sites de 11 shopping centers. Agora, o Shopping Anália Franco é o primeiro empreendimento da Companhia a oferecer o atendimento via inteligência artificial no seu número de WhatsApp.

Em um mês em funcionamento teste, o serviço no WhatsApp recebeu mais de mil mensagens. Já o atendimento via site recebeu em 2020 mais de 270 mil mensagens e registrou mais de 70 mil usuários interagindo com ele.

O lançamento acontece depois de a Multiplan avançar com diferentes iniciativas digitais em 2020, como o Venda Direta, para compras por delivery e drive-thru, e o Live Center, para vendas por streaming. Com o chatbot, os shoppings passam a oferecer aos seus clientes atendimento 24h por dia, sete dias por semana, com objetivo de complementar o atendimento humano, não substituí-lo.

Além do benefício aos consumidores, o chatbot reduz a demanda das equipes de atendimento e é uma fonte de insights para conhecer melhor os clientes e aprimorar o relacionamento dos shoppings com os consumidores. “A criação desse serviço nos ajuda a tornar a experiência dos clientes ainda mais completa e positiva a partir dos insumos que as perguntas dos clientes nos fornecem”, afirma Daniel Peres, Co-Head de Marketing, Inovação & Negócios Digitais (MIND) do grupo Multiplan.

Entre as mensagens recebidas com frequência estão dúvidas sobre funcionamento de operações específicas, perguntas sobre horário e preço do estacionamento, demanda por vagas de emprego e regras para acesso de pets. A expectativa é de que até o final do primeiro trimestre de 2021 o chatbot esteja presente em todos os shoppings da Companhia. No WhatsApp, a previsão é estar em quatro novos malls no mesmo período.

Visa do Brasil registra crescimento 6 vezes maior nas transações online

Impulsionado pela conveniência e pela segurança, o consumidor está cada vez mais conectado e exigente quanto à sua experiência de compra, demandando personalização e atendimento em tempo real sempre que possível, o que implica em diversas mudanças de comportamento e de relação de consumo, entre elas o aumento da representatividade de vendas online. Dados da Visanet reforçam essa tendência ao mostrar que a penetração de transações realizadas no e-commerce com credenciais Visa foi seis vezes maior no último trimestre de 2020 em comparação com o mesmo intervalo de 2019.

“As expectativas estão mais altas do que nunca em relação às experiências no varejo, e os consumidores desejam poder pagar de maneira ágil e conveniente por suas compras diárias, onde e como quiserem. Desta forma, os estabelecimentos comerciais devem cada vez mais migrar para o ambiente virtual como uma forma de adquirir novas fontes de receita e expandir seus negócios, focando em proporcionar uma experiência de compra de multicanalidade consistente aos seus clientes, se tornando cada vez mais competitivos no mercado. As próprias instituições financeiras e de pagamento têm acompanhado esse movimento, se posicionando como “marketplaces” financeiros para quem está no meio digital”, conta Oscar Pettezzoni, diretor da Visa Consulting & Analytics.

Oferecer melhor experiência de compra, implementar ferramentas de processos de cruzamento e análise de dados e ter presença multicanal podem ser um grande diferencial nos negócios. É importante também proporcionar agilidade e interação em formatos adaptados para o mobile e e-commerce, com maior segurança nas compras – o que já é possível graças às soluções de gerenciamento de fraudes e segurança disponíveis para o comércio online.

A exemplo do protocolo de autenticação 3D-S 2.0, que possibilita aos estabelecimentos comerciais enviar até 10 vezes mais dados sobre a transação e o pagador para o emissor de cartões, oferecendo mais confiança para aprovação de pagamentos. Hoje, no Brasil, 93% das credenciais Visa já estão habilitadas para autenticação e vários comércios já estão com a solução implementada. Essa ferramenta possibilitou ainda a aceitação do débito online, abrindo espaço para uma demanda represada de consumidores que possuem apenas credenciais desta modalidade ou que preferem utilizar este meio de pagamento para efetuar as suas compras.

Do ponto de vista das compras no mundo físico, ainda existem muitas oportunidades de crescimento do uso dos pagamentos digitais e vale apostar em oferecer opções modernas e seguras como os pagamentos por aproximação – que além de serem práticos, atualmente eliminam a necessidade de digitar senha para compras no valor de até R$ 200. Hoje, nove dos 10 maiores emissores do país já emitem credenciais com a tecnologia de pagamento por aproximação e 92% das maquininhas já estão habilitadas para esse tipo inovador de transação, fomentando, assim, seu uso em detrimento ao dinheiro em espécie.

De acordo com as análises de VCA, transações por aproximação com Visa cresceram cinco vezes mais em dezembro do ano passado comparando com o mesmo mês em 2019. Já na comparação entre o primeiro trimestre (janeiro, fevereiro e março) e o quarto trimestre (outubro, novembro e dezembro) de 2020, o seu uso praticamente quadruplicou. Para que se tenha ideia, a penetração de pagamento por aproximação aumentou em setores essenciais no auge da pandemia, em abril de 2020. Nesse período, o consumidor passou a utilizar esse meio de pagamento de forma mais intensa em estabelecimentos como supermercados, farmácias e padarias .

A Visa tem observado ainda novas transações de cartões de débito e crédito sendo realizadas pela classe média, que passou a usar mais os meios eletrônicos de pagamento no último ano. Entre dezembro de 2019 e o mesmo mês de 2020, houve um crescimento de 17% no volume total de pagamentos e um incremento de 13% no ticket médio gasto com credenciais Visa por este público específico. Sejam elas transações em ambientes online ou físicos, com ou sem contato. Os segmentos em que a classe média mais realizou transações foram: supermercados; lojas de departamento; serviços; atacados em geral; farmácias; fast food e restaurantes.

“Essa mudança de hábito reforça que vale investir na classe média, apoiando-os ainda mais nessa fase difícil em que estamos todos enfrentando. A Visa tem trabalhado para auxiliar o consumidor brasileiro a esticar seu orçamento mensal por meio da sua rede de parcerias e tecnologias de pagamentos, trazendo benefícios e descontos relevantes em segmentos como educação, saúde e emprego a todos que pagarem por suas compras com cartões Visa. Queremos ajudar pessoas, empresas e economias a prosperarem, realmente fazendo a diferença em suas vidas”, conclui Oscar Pettezzoni.

Estudo IBM: Para muitos CEOs de empresas de alto desempenho, o bem-estar do funcionário é a principal prioridade

O foco em talento, tecnologia e parcerias pode ser essencial para prosperar pós-pandemia COVID-19, de acordo com insights de 3.000 CEOs globais;

Cloud foi reconhecida por 93% dos CEOs brasileiros como uma tecnologia crítica que trará resultados nos próximos anos, seguida por IoT (79%), IA (49%) e Automação (44%).


Um novo estudo do IBM Institute for Business Value (IBV) revelou que, para muitos CEOs entrevistados, um grande desafio nos próximos anos é gerenciar uma força de trabalho em “qualquer lugar”. CEOs de organizações com desempenho superior – aquelas que estavam entre as 20% melhores das pesquisadas em termos de crescimento da receita ​​- estão priorizando talentos, tecnologia e parcerias para posicionar suas empresas para o sucesso pós-pandemia COVID-19.

Quando examinamos os CEOs pesquisados ​​no Brasil, esses são os principais tópicos de preocupação e prioridades:

• 51% dos CEOs brasileiros acreditam que as Regulamentações, a Ruptura da Cadeia de Suprimentos (45%), a Infraestrutura de Tecnologia (40%) e Fatores de Mercado (39%) são os 4 principais elementos que devem gerar os maiores desafios para sua organização nos próximos 2-3 anos.

• Quando questionados sobre as duas principais forças externas que podem afetar seus negócios nesse período, os CEOs brasileiros pesquisados ​​consideram como mais importantes as preocupações regulatórias (62%), os fatores de mercado e tecnológicos (53%), assim como o cenário macroeconômico (51%) e os skills dos funcionários (42%).

• 42% dos CEOs de todo o mundo relatam que as parcerias aumentaram em importância após a pandemia de COVID 19. No Brasil, o número é levemente superior, 44%.

• 64% dos CEOs pesquisados ​​no Brasil apontaram que capacitar uma força de trabalho remota se tornou um fator muito importante ou extremamente importante em 2020. 61% dos líderes pesquisados globalmente também concordam com isso.

• Os CEOs globais enxergam a computação em nuvem, IA, IoT como tecnologias que proporcionarão benefícios para eles nos próximos 2-3 anos. A nuvem foi reconhecida por 93% dos CEOs brasileiros como a mais crítica, seguida por IoT (79%), IA (49%) e Automação (44%).

• 47% dos CEOs globais entrevistados e 77% dos líderes de alto desempenho em todo o mundo relatam que vão priorizar o bem-estar dos funcionários durante o momento atual, mesmo que isso prejudique a lucratividade. No Brasil, esse índice é um pouco menor: 40% dos CEOs pesquisados ​​pretendem fazer isso.

• Além disso, 45% disseram que a proteção contra novos riscos de cibersegurança em 2020 foi muito ou extremamente importante para a estratégia da empresa. O número ficou acima da média entre países da América Latina e também acima da média global (37%).

“A pandemia COVID-19 desafiou muitos líderes a se concentrarem no que é essencial, como seus talentos. As expectativas de muitos funcionários em relação a seus empregadores mudaram significativamente. No Brasil, este momento abriu novas portas para repensarmos a forma de trabalhar, sendo mais flexíveis e inclusivos e para enxergarmos a importância do nosso ecossistema e da tecnologia como elementos-chave que darão suporte a todas essas novas necessidades.”, afirma Katia Vaskys, Gerente Geral da IBM Brasil.

O que tem em mente os CEOs pesquisados ​​em todo o mundo:

Capacitando funcionários em um ambiente de trabalho híbrido
A maioria dos CEOs pesquisados ​​relatou que capacitar uma força de trabalho remota foi sua principal prioridade durante 2020. Metade dos CEOs de empresas com alto desempenho entrevistados disse que gerenciar a força de trabalho remota “em qualquer lugar” será um grande desafio de liderança nos próximos anos, em comparação com 25% das empresas com baixo desempenho (empresas com crescimento de receita inferior).

Bases de tecnologia escaláveis ​​e flexíveis
O estudo do IBV também revelou que a maioria dos CEOs pesquisados ​​enxerga os fatores tecnológicos entre as forças externas mais importantes que afetarão seus negócios nos próximos anos, após as grandes interrupções de 2020.

Crescente importância das parcerias
Os CEOs de empresas com alto desempenho também estão mais focados em parcerias, de acordo com o estudo do IBV. 63% desses CEOs ​​disseram que elas se tornaram mais importantes para impulsionar a performance dos negócios, enquanto apenas cerca de metade dos executivos com baixo desempenho disseram o mesmo. Com base nos resultados deste estudo, a tese da IBM é que CEOs de empresas com alto desempenho estão focando no que fazem melhor, e contando com parceiros e ecossistemas para acesso a ideias mais amplas e oportunidades de inovação.

Para acessar outros dados globais do estudo, clique aqui.

Metodologia
O estudo “Find Your Essential” entrevistou 3.000 CEOs em 26 setores e quase 50 países, incluindo o Brasil. Foi conduzido em cooperação com a Oxford Economics e comparado com mais de 20 anos de pesquisas anuais da IBM a CEOs. O estudo IBV completo está disponível em https://ibm.co/c-suite-study-ceo

SAP® Store e SAP App Center são combinados em único marketplace para soluções da SAP e de parceiros

A SAP SE (NYSE: SAP) anunciou a criação de um único marketplace para soluções e serviços da SAP e de parceiros, combinando o SAP® App Center e a SAP Store. O novo ambiente consolidado, denominado SAP Store e disponível em store.sap.com, simplifica a experiência dos clientes em suas jornadas para se tornarem empresas inteligentes. 

“Acelerar a transformação dos negócios é uma das razões de ser da SAP. As constantes mudanças em curso da sociedade, como a pandemia, os desafios ambientais e a transformação digital, exigem ações ágeis e assertivas das organizações, tornando-as, cada vez mais, empresas inteligentes. Esse processo envolve, também, o redesenho de seus processos de negócios. É exatamente isso que estamos promovendo ao aproximar ainda mais o ecossistema de canais e parceiros SAP com nossos clientes”, afirma Carolina Bastos, vice-presidente de Ecossistemas e Canais da SAP Brasil. 

A SAP Store consolidada possui novos recursos, entre eles uma página inicial unificada e funcionalidades de pesquisa inteligente, que reúnem todas as soluções da SAP disponíveis digitalmente e mais de 1.700 aplicativos de parceiros anteriormente encontrados no SAP App Center. É baseada em muitas melhorias introduzidas no SAP App Center em 2020. As soluções de parceiros certificadas pela SAP e as SAP Endorsed Apps continuam sendo destacadas com identificadores visuais. Esses recursos tornam mais fácil a navegação pelas soluções da SAP e de parceiros, permitindo percorrer setores, categorias, produtos e linhas de negócios com muita agilidade. 

Os novos recursos da SAP Store são: 

  • Menu de categorias atualizado: Categorias expandidas cobrindo mais áreas de solução.  
  • Busca guiada: Os clientes podem usar a mesma estrutura natural de sentenças que fariam ao falar com um agente de vendas, o que reduz a necessidade de repetir pesquisas, 
  • Favoritos: As páginas de produtos podem ser salvas em uma seção personalizada de favoritos, facilitando a comparação com outras ofertas. 
  • Dicas de filtragem: As páginas de resultados da busca sugerem os próximos passos e recursos populares. 

“A necessidade de oferecer uma experiência unificada e simples no marketplace digital para nossos clientes e parceiros ao longo de sua jornada para se tornarem empresas inteligentes nunca foi tão importante para a SAP”, destaca Sharon Ruddock, chefe do SAP Digital Commerce. “Estamos empenhados em continuar desenvolvendo esse ambiente on-line para soluções da SAP e ofertas validadas de parceiros. Agora, com a possibilidade de pesquisar essas soluções em um marketplace com funcionalidades de pesquisa integradas e flexíveis, os clientes vão encontrar o que precisam com mais rapidez e inteligência, independentemente da origem.” 

Visibilidade igual para todos os produtos  

A busca consolidada foi desenvolvida com imparcialidade para ajudar os clientes a encontrar, experimentar, comprar e implantar produtos e soluções que atendam da melhor forma às suas demandas. Embora os produtos da SAP sejam visualmente identificáveis, a funcionalidade de busca é imparcial, apresentando todos os produtos que se enquadram nos critérios de pesquisa. O mesmo se aplica ao conteúdo que acompanha cada busca e oferta. As páginas de resultados mostram análises de clientes sobre as soluções da SAP e de parceiros, com cotações e classificações autênticas. O objetivo da SAP é proporcionar uma nova experiência nos mesmos moldes do que os consumidores de itens de uso pessoal estão acostumados a encontrar. 

Magento encerra 2020 com o dobro de tamanho na América Latina

A Magento Commerce, uma companhia Adobe, duplicou o tamanho da operação na América Latina no ano de 2020, em comparação com o resultado de 2019. No Brasil, a empresa conquistou em média 30 novos clientes a cada trimestre, e atualmente representa 30% dos negócios das Américas. 

Segundo a General Manager da Magento Commerce, Stella Guillaumon, a companhia tinha um plano de crescimento agressivo para 2020, mas não esperava dobrar de tamanho. “Neste ano, a marca estava mais consolidada no Brasil e mais integrada no ecossistema Adobe. Assim, já tínhamos projeções para manter o crescimento acima dos três dígitos registrado nos últimos anos. No entanto, a demanda aumentou, e conseguimos dar suporte a empresas que precisaram se estruturar no digital rapidamente.”

Entre os novos contratos estão empresas como Minerva Foods, Grupo Rio Branco, Goodwayer, além de Lojas Melissa, Casa Almeida, Asus, entre outras. Os marketplaces Simpress, ABB e Brasilseg também contaram com o apoio da plataforma Magento para operacionalizar os negócios no ambiente digital.  

Naturalmente, as regras de isolamento social provocaram um aumento nas compras on-line, fazendo com que muitas empresas corressem para implementar os próprios e-commerces. Com isso, a executiva notou aumento significativo na digitalização das companhias B2B, movimento que ainda não tinha tido tanta adesão no ano passado. 

“Com o crescimento da Magento, também estamos abrindo novas vagas de emprego, aumentando o time da região Latam em 40%. Gerar empregos e contribuir para que muitas empresas possam manter suas vagas com o suporte da operação no e-commerce é muito importante para nós.”   

As projeções da Magento para 2021

No próximo ano, os investimentos serão direcionados para ter o e-commerce ainda mais integrado ao ecossistema Adobe. Por isso, uma das apostas é a expansão do Marketo na América Latina, ferramenta de orquestração de marketing, com soluções de comunicação para as marcas interagirem melhor com os clientes. 

Outra novidade é a integração do Sensei, a inteligência artificial da Adobe, com o Search, ferramenta de busca da Magento, para que os consumidores das lojas possam buscar os produtos por imagem. As inovações tecnológicas também garantem melhor experiência de navegação de página, com personalizações conforme o histórico de compra e pesquisa do consumidor em lojas Magento. 

“Com isso, esperamos manter o crescimento da Magento acima de 100%, além de contribuir para o desenvolvimento do ecossistema de e-commerce na América Latina, gerando mais empregos e crescimento na área”, conclui Stella Guillaumon. 

Centro de Excelência Votorantim abre inscrições para programa de jovens talentos 2021

O Centro de Excelência da Votorantim, empresa destinada para prestação de serviço, novas tecnologias e criação de soluções nas áreas de finanças, contabilidade, recursos humanos, tecnologia da informação e gestão imobiliária , lança o Programa Jovens Talentos 2021. As inscrições estão abertas até o dia 19 de fevereiro e podem ser feitas no site do programa. O programa é realizado em parceria com a Eureca, consultoria que conecta jovens com o mercado de trabalho.

Ao todo são sete vagas para estudantes que concluíram ensino superior entre 2017 e 2020, (bacharel ou tecnólogo) com vocação para trabalhar em projetos de tecnologia. As vagas são para atuação em Curitiba e São Paulo, nas áreas de Planejamento e Gestão, Data Analytics, Arquitetura e Soluções ou Gestão e Transformação de RH.

O programa tem duração de um ano e os jovens aprovados receberão salário de R$ 6 mil, além de benefícios como assistência médica Saúde e odontológica , Remuneração Variável, Telemedicina, Previdência privada, seguro de vida, Vale Refeição ou Alimentação, Dress code flexível, reembolso creche, Flexibilidade de horário, Gympass, Convênios com Instituições de ensino. Todo o processo seletivo será feito à distância e o trabalho, a princípio, será home office.

Os pré-requisitos:

  • Ensino superior completo com data de formação entre 2017 e 2020
  • Experiência prévia com tecnologia 
  • Disponibilidade para mudança de cidade

MARQUE NA AGENDA

  • 01/02 – Início das inscrições:

Rodada 1: correção dos desafios enviados até 8/02

Rodada 1: Entrevistas BP 15/02 a 17/02

Rodada 2: correção dos desafios enviados entre  9/02 a 14/02

Rodada 2: Entrevistas BP 22/02 a 26/02

Rodada 3: correção dos desafios enviados entre  15/02 a 21/02

Rodada 3: Entrevistas BP 01/03 a 04/03

  • 19/02 – Encerramento das inscrições
  • 21/02 – Último dia para envio do vídeo
  • 05/03 – Divulgação dos(as) aprovados(as)
  • 11/03 – Dinâmica e entrevistas entrevistas online
  • 12/03 – Divulgação dos(as) aprovados!
  • 05/04 – Início das atividades

Para realizar as inscrições e mais informações, é só acessar o link: https://jobs.kenoby.com/coejovenstalentos 

Abstartups realiza mentoria de mobile para startups Growth

Para as startups que estão no processo de expansão e crescimento, a Associação Brasileira de Startups (Abstartups), entidade sem fins lucrativos representante do ecossistema de inovação, promove, em 25 de fevereiro, a primeira edição 2021 do Programa Bench360, focado em startups que buscam ampliar suas vendas, produto e operações.

Das 8h30 às 10h, os associados dos planos Growth e Impact poderão ter sessões de mentorias exclusivas com o Country Manager Brazil da AppsFlyer, Daniel Simões, que falará mais sobre “Atribuição no Mundo Mobile”, com a missão de ajudar os participantes a compreender todos os conceitos envolvidos no ecossistema de atribuição mobile e ensinará a fazer o melhor uso das ferramentas disponíveis para o planejamento e mensuração de aplicativos.

Com um total de seis mentorias com profissionais reconhecidos e relevantes do mercado, realizados ao longo do ano, o programa é focado nas oito áreas essenciais de uma startup growth: Vendas, Customer Success, Marketing, Recursos Humanos (cultura e diversidade), Finanças, Tecnologia, Jurídico e Operações + Investimentos.

Informações e inscrições: https://www.abstartups.com.br/bench360

Zenklub recebe aporte da SK Tarpon para potencializar crescimento em saúde emocional

 Maior plataforma de saúde emocional e desenvolvimento pessoal do País, o Zenklub anuncia a conclusão de uma rodada de investimento liderada pela SK Tarpon e GKVentures, contando também com a participação da atual investidora portuguesa Indico. A transação acontece por meio das gestoras Kamaroopin, que tem como estratégia investir e apoiar empresas em fase de crescimento acelerado na criação de valor duradouro, e GK Ventures, fundo de impacto que busca apoiar empresas que estejam trabalhando para resolver problemas relevantes do País. O Zenklub é o primeiro investimento dessas gestoras no mercado de saúde, cuja tese surgiu da constatação de uma necessidade das pessoas na busca pela melhoria da saúde integral, trazendo o equilíbrio mental e social como conceito de saúde mais amplo. O investimento marca a segunda rodada institucional de captação do Zenklub. Com o novo aporte de capital, a startup conta com mais R﹩ 45 milhões em caixa para sustentar o crescimento e desenvolver projetos estratégicos no setor.

Fundado em 2016, o Zenklub viu a quantidade de clientes aumentar 515% e o número de consultas online saltar para 50 mil por mês em 2020. Hoje a plataforma oferece sessões online com mais de 800 psicólogos, psicanalistas, coaches e terapeutas, além de treinamentos de educação socioemocional e uma solução com dados estratégicos para Recursos Humanos e lideranças. No ano passado, a procura por soluções de saúde para empresas cresceu 1.683% e o Zenklub começou 2021 atendendo mais de 200 clientes corporativos.

Segundo Rui Brandão, CEO e cofundador da startup, com o aporte, o Zenklub reforça o caixa para potencializar seu crescimento em 2021. “Queremos levar o projeto de saúde emocional corporativa para outro nível, contribuindo como consultoria e oferecendo dados para o mercado. O investimento ainda potencializará nossos projetos de capacitação e formação de profissionais, investindo em tecnologias e usando expertise em telepsicologia para desenvolver o setor. Além disso, vamos trabalhar a personalização da plataforma de acordo com as necessidades de cada indivíduo, criando assim planos específicos de desenvolvimento emocional”, completou.

Para Pedro Faria, cofundador da SK Tarpon e da Kamaroopin, a pandemia do novo coronavírus apenas evidenciou um problema antigo que nem sempre foi compreendido por parte da maioria da população, principalmente decorrente de um estigma e falta de compreensão de suas dimensões e manifestações na saúde como um todo. “Encontramos no Zenklub uma ótima oportunidade de atuarmos em um problema de dimensões globais, que decorrente da falta de tratamento, custa mais de U﹩ 1 trilhão à economia mundial, sendo o Brasil um dos líderes no quesito de ansiedade e depressão”, explica. A SK Tarpon juntou-se a GK Ventures, em um projeto que visa fortalecer o movimento ESG (Environmental, Social and Governance), trazendo empresas e profissionais como parceiros para melhoria da saúde individual e produtividade por meio de soluções que abranjam não só a saúde física, mas principalmente o equilíbrio entre mental e social. A parceria visa olhar o segmento sob uma ótica global, em busca de melhores práticas em nível mundial que enderecem as necessidades do consumidor.

Segundo informações da OMS (Órgão Mundial da Saúde), o Brasil é o país com maior taxa de pessoas com transtornos de ansiedade no mundo e o quinto em casos de depressão. Os dados da OMS mostram que o problema não é limitado apenas ao Brasil, mas sim de abrangência global. Em 2020, no mundo são mais de 320 milhões de pessoas com depressão e 260 milhões com ansiedade, e grande parte sem nenhum tipo de tratamento. Segundo dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), divulgados no fim do ano passado, o diagnóstico de depressão por profissionais do setor subiu 32,2% em seis anos, atingindo 16,3 milhões de adultos no Brasil.

75% dos brasileiros confiam mais em robôs do que em humanos em relação ao dinheiro

2020 mudou nossa relação com o dinheiro e as pessoas agora confiam mais nos robôs do que em si mesmas para gerenciar suas finanças, de acordo com um novo estudo da Oracle e da especialista em finanças pessoais Farnoosh Torabi.

O estudo com mais de 9 mil consumidores e líderes empresariais em 14 países, incluindo 500 entrevistados brasileiros, descobriu que a pandemia COVID-19 aumentou a ansiedade financeira, a insegurança entre as pessoas ao redor do mundo mudou as atitudes e a maneira de como administrar as finanças. Além disso, de acordo com a pesquisa, o papel e o foco das equipes de finanças corporativas e consultores financeiros pessoais estão sendo reavaliados.

COVID-19 criou ansiedade financeira

A pandemia global influenciou a relação das pessoas com o dinheiro:

• Entre os líderes empresariais, a ansiedade financeira e o estresse aumentaram 176% e a tristeza 150%; a ansiedade e o estresse financeiros do consumidor aumentaram 79% e a tristeza, 64%.

• 95% dos líderes brasileiros estão preocupados com o impacto da COVID-19 em sua organização, sendo as preocupações mais comuns: lenta recuperação econômica ou recessão (50%), cortes no orçamento (42%) e falência (41%).

• 91% dos consumidores brasileiros enfrentam temores financeiros, incluindo perda de emprego (34%), perda de poupança (41%) e nunca sair das dívidas (35%).

• Essas preocupações mantêm as pessoas acordadas à noite: 45% dos consumidores relataram perder o sono devido a suas finanças pessoais.

As pessoas querem ajuda e agora confiam mais nos robôs do que em si mesmas para gerenciar as finanças

A incerteza financeira criada pela COVID-19 mudou em quem e o que confiamos para administrar nossas finanças. Para ajudar a explorar a complexidade financeira, os entrevistados dependem cada vez mais da tecnologia:

• 75% dos consumidores e líderes empresariais confiam mais em um robô para gerenciar as finanças do que em um ser humano.

• 69% deles confiam mais em um robô do que em si mesmos para gerenciar as finanças; 76% confiam em robôs em vez de em suas próprias equipes financeiras.

• 93% dos entrevistados acreditam que os robôs podem melhorar seu trabalho detectando fraudes (55%), criando notas fiscais (24%) e realizando análises de custo / benefício (30%).

• 56% dos consumidores confiam mais em um robô do que em si mesmos para gerenciar suas finanças; 74% confiam em robôs em vez de consultores financeiros pessoais.

• 84% dos consumidores acreditam que os robôs podem ajudar na gestão financeira ajudando na detecção de fraudes (54%), ajudando a reduzir gastos (43%) e fazendo investimentos em bolsa (28%).

O papel das equipes financeiras e consultores financeiros nunca mais será o mesmo

Para se adaptarem à influência e ao papel crescentes da tecnologia, os profissionais e consultores de finanças pessoais devem abraçar a mudança e desenvolver novas habilidades:

• 61% dos líderes empresariais acreditam que os robôs substituirão os profissionais de finanças corporativas nos próximos cinco anos.

• 92% deles querem a ajuda de robôs para tarefas financeiras, incluindo aprovações financeiras (53%), orçamento e previsão (33%), relatórios (52%) e gerenciamento de conformidade e risco (46%).

• Os líderes empresariais desejam que os profissionais de finanças corporativas se concentrem na comunicação com os clientes (37%), na negociação de descontos (37%) e na aprovação de transações (32%).

• 53% dos consumidores acreditam que os robôs substituirão os consultores financeiros pessoais nos próximos cinco anos.

• Os consumidores querem robôs para ajudá-los a administrar suas finanças, liberando tempo para outras tarefas (39%), reduzindo gastos desnecessários (46%) e aumentando os pagamentos em dia (27%).

• Os consumidores querem que os consultores financeiros pessoais forneçam orientações sobre as principais decisões de compra, como comprar uma casa (37%), comprar um carro (35%) e planejar a aposentadoria (21%).

Nossa relação com o dinheiro mudou; é hora de adotar inteligência artificial para gerenciar finanças

Os eventos de 2020 mudaram a maneira como os consumidores administram o dinheiro exigindo que as organizações repensem como usam IA e outras novas tecnologias para gerenciar processos financeiros.

• 77% dos consumidores afirmam que a pandemia mudou a maneira como compram bens e serviços.

• 91% dos consumidores afirmam que os acontecimentos de 2020 mudaram a forma como se sentem em relação ao dinheiro, com as pessoas se sentindo ansiosas (34%), com medo (42%) e sujas (8%). Quase metade (49%) dos consumidores agora afirma que apenas o dinheiro é um obstáculo para fazer negócios.

• As empresas responderam rapidamente. 87% dos líderes investiram em recursos de pagamento digital e 75% criaram novas formas de engajamento do cliente ou mudaram seus modelos de negócios em resposta ao COVID-19.

• 54% das organizações já usam IA para gerenciar processos financeiros, em comparação com 31% dos consumidores.

• 94% dos líderes de negócios dizem que as organizações que não repensam os processos financeiros enfrentarão riscos, incluindo ficar para trás dos concorrentes (62%), trabalhadores mais estressados (43%), relatórios imprecisos (42%) e produtividade reduzida dos funcionários (44%).

“Gerenciar as finanças é difícil nos melhores momentos, e a incerteza financeira da pandemia global exacerbou os desafios financeiros em casa e no trabalho”, disse Farnoosh Torabi, especialista em finanças pessoais e apresentadora do podcast So Money. “Os robôs estão bem posicionados para ajudar – eles são ótimos com números e não têm a mesma conexão emocional com dinheiro. Isso não significa que os profissionais de finanças estão saindo ou sendo substituídos totalmente, mas a pesquisa sugere que eles devem se concentrar no desenvolvimento de habilidades sociais adicionais à medida que seu papel evolui”.

“Os processos financeiros em nossos mundos pessoal e profissional tornaram-se cada vez mais digitais por muitos anos e os eventos de 2020 aceleraram essa tendência”, disse Alexandre Maioral, vice-presidente de Aplicativos da Oracle Brasil. “Digital é o novo normal e tecnologias como inteligência artificial e chatbots desempenham um papel vital na gestão financeira. Nossa pesquisa indica que os consumidores confiam nessas tecnologias para acelerar seu bem-estar financeiro, em vez de consultores financeiros pessoais, e os líderes de negócios vêem essa tendência remodelando o papel dos profissionais de finanças corporativas. As organizações que não adotam essas mudanças correm o risco de ficar para trás em relação a seus pares e concorrentes; prejudicando a produtividade, moral e bem-estar dos funcionários; e lutando para atrair a próxima geração de talentos financeiros habilitados para IA “.

Metodologia

Os resultados da pesquisa são baseados em uma pesquisa realizada pela Savanta, Inc. entre 10 de novembro – 8 de dezembro de 2020 com 9.001 entrevistados globais de 14 países (Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Holanda, França, China, Índia, Austrália, Brasil, Japão , Emirados Árabes Unidos, Cingapura, México e Arábia Saudita). A pesquisa explorou atitudes e comportamentos de consumidores e líderes de negócios em relação a dinheiro, finanças, orçamentos e o papel e as expectativas da inteligência artificial (IA) e robôs em tarefas e gerenciamento financeiro.

Parceria entre TecBan e plataforma HERE oferecerá serviço de geolocalização para o Banco24Horas

A TecBan, administradora do Banco24Horas, vai oferecer a localização exata dos caixas eletrônicos Banco24Horas, em todo o país, a partir do mês de Março. O serviço será realizado em parceria com a HERE, uma empresa global que oferece soluções de geolocalização em sua plataforma aberta, cujo aplicativo, o Here WeGo, já é oferecido nas plataformas Google Play e App Store. O serviço de geolocalização com a TecBan permitirá que os clientes consultem os locais com o Banco24Horas mais próximo por meio do aplicativo.

Atualmente, mais de 23 mil Banco24Horas estão distribuídos em mais de 900 munícipios brasileiros. Mais de 140 milhões de pessoas utilizam os caixas eletrônicos para realizar serviços financeiros, em todo o Brasil.

O App Here WeGo foi desenhado para facilitar a locomoção pelas cidades utilizando diferentes meios de transporte – táxi, transporte público, carro próprio e pedestres – e é o primeiro aplicativo de navegação a ter a opção offline total, ou seja, sem precisar de conexão com a internet e limitar o download de áreas. Além disso, oferece segurança ao usuário em zonas de instabilidade ou ausência de sinal de internet, e possui uma interface voltada à navegação rápida, simples e direta, sem estímulos extras, respeitando a privacidade de dados dos usuários.

O aplicativo também possibilita também que os seus usuários baixem os mapas por cidades ou países, deixando mais leve a navegação em seus celulares, além de promover economia do uso de dados.

Sucesso internacional

A HERE tem mais de 35 anos de tradição na produção de mapas, e a cada cinco carros na Europa e na América do Norte, quatro utilizam os mapas da empresa. Atualmente, grandes companhias de diferentes segmentos também utilizam os mapas da HERE.

A atualização dos mapas da HERE é feita diariamente, por meio de sua própria frota de carros, colaboradores profissionais de entidades associadas, dados de localização via satélite e até com a colaboração de comunidades, mediante um processo minucioso, repleto de validações. A HERE oferece API´s e SDK´s para desenvolvedores e empresas com soluções que se utilizem de geolocalização. No modelo Freemium (developer.here.com) até 250 mil transações a plataforma são disponibilizadas por mês sem custos, como Geocoding, Roteamento e outros serviços de geolocalização.

A plataforma de dados de localização da HERE também possibilita a outras companhias desenvolverem seus próprios produtos, serviços e aplicativos. Elas podem fazer isso utilizando-se de dados da própria HERE ou intercambiando, à sua escolha, dados com outras empresas e parceiros, sob as diretrizes da GPDR e LGPD, preservando a privacidade de clientes e fornecedores de dados, bem como sua anonimidade. A plataforma também possibilita o escalonamento de negócios com mais de 30 APIs de localização disponíveis para desenvolvedores, que incluem planos gratuitos para startups e pequenos empreendedores.

Praticidade

Para Ariovaldo Ribeiro, superintendente de autoatendimento da TecBan, a parceria com a HERE vem para facilitar ainda mais a vida dos clientes do Banco24Horas, pois permite que eles consigam localizar de maneira ágil e prática o melhor ponto onde um caixa eletrônico do Banco24Horas está presente, de acordo com a sua localização. “Acreditamos na política do “E” para conectar o físico “E” o digital, promovendo a inclusão financeira “E” o desenvolvimento econômico “E” social por meio dos nossos serviços. O serviço de geolocalização chega para fortalecer ainda mais este nosso propósito”, completa.

“A HERE é uma empresa global focada em serviços de geolocalização que atua regionalmente, com o objetivo de oferecer atualizações locais contínuas para facilitar a mobilidade de milhões de usuários que usam o HERE We Go no seu dia a dia. Estamos orgulhosos dessa parceria com a TecBan para facilitar a localização dos caixas eletrônicos Banco 24Horas em todo Brasil, além de ajudar empresas e desenvolvedores de software que usam as API´s e SDK´s de mapas da HERE em suas aplicações”, comenta Vinicius Grassi, Gerente de Comunidades LATAM da HERE Brasil.

Governo deve gastar R$ 320 milhões em fretes para distribuição de vacinas, estima Cargo X

De acordo com um levantamento realizado pela Cargo X , maior marketplace de fretes do Brasil que oferece uma plataforma com tecnologia de ponta e serviços necessários para embarcadores e transportadores transacionarem online de forma eficiente e segura, o governo brasileiro deve desembolsar R$ 320 milhões em fretes para realizar o trecho rodoviário de entrega das vacinas contra a Covid-19 pelo país.

Feito com base nas informações de Business Intelligence (BI) da logtech, o estudo revela que para transportar 400 milhões de unidades da vacina, quantidade necessária para que cada brasileiro receba duas doses, serão realizadas cerca de 160 mil viagens pelas estradas do Brasil, a um custo médio de R$ 2 mil por frete. O levantamento considera que cada caminhão consiga transportar 5 mil doses por vez.

“O valor estimado para cada viagem leva em conta a necessidade de ter um caminhão refrigerado, o que acaba encarecendo um pouco a viagem. Consideramos a média dos custos que temos em nossa base de dados para mostrar essa realidade, que deverá ser levada em consideração diante de toda a logística que envolve a distribuição das vacinas. Dessa forma, a estimativa inclui o transporte entre o local de produção e os aeroportos; dos aeroportos às cidades; e depois dos Centros de Distribuição até os postos de vacinação”, explica Federico Vega, CEO da Cargo X.

Metodologia

O estudo foi feito com base no banco de dados da Cargo X, que conta com mais de 10 mil embarcadores, 20 mil empresas de transportes e 400 mil caminhoneiros em sua plataforma e registra uma média de 10 mil fretes por mês para todas as regiões do Brasil. Além disso, a pesquisa levou em consideração apenas o modal de transporte rodoviário da vacina que, em sua rota integral, também contempla o modal aéreo.

Banco Original usa Inteligência Artificial para oferecer serviços inéditos para clientes pelo WhatsApp

Como parte da estratégia de oferecer utilizar a Inteligência Artificial para oferecer serviços inovadores aos clientes, o Banco Original – primeiro banco digital completo do país – anuncia dois novos serviços exclusivos pelo WhatsApp: alteração do limite do cartão de crédito e consulta de status das transações PIX. Com essas novidades, a instituição amplia o atual leque de serviços e comunicação dentro da plataforma de mensagens instantâneas.

Para usufruir dos dois novos serviços, que são inéditos no mercado, o correntista do Original deve entrar no canal de atendimento pelo WhatsApp e digitar o comando desejado. A partir daí, recebe instruções no próprio aplicativo, sem interferência humana, o que garante mais agilidade, praticidade e segurança, uma vez em que as transações contam com um sistema de autenticação. Para a manutenção de limite, é possível ser realizada pelo titular da conta, solicitando o aumento ou redução e no cartão principal ou no adicional. Para o status de transferência via Pix, basta entrar no aplicativo de mensagens e já estará visível o menu referente ao tema e a situação da transação

O Original oferece atualmente mais de 17 transações por meio do atendimento pelo Whatsapp e mais de 450 fluxos conversacionais, incluindo FAQ e operações. Entre as transações estão: cotação de dólar, consulta de seguros, parcelamento de fatura, emissão de boleto de depósito em PDF, renegociação de dívidas, extrato, saldo, entre outros.

“Para o Original, o cliente está no centro de toda nossa estratégia. Por isso, o atendimento via Whatsapp é tão importante para nós, pois representa um dos canais mais utilizados e preferidos pelos correntistas”, afirma Renê Gonçalves, Consultor de Inteligência Artificial e Comunicação do Banco Original. “Atualmente, já são cerca de 6 milhões de mensagens trocadas com nossos clientes graças ao uso da Inteligência Artificial. E nosso objetivo é que o canal seja utilizado para comunicação, marketing e vendas”, complementa

Carteira total de crédito deve crescer 7,3% em 2021

A carteira total de crédito deve apresentar crescimento de 7,3% em 2021 em relação ao ano anterior, impulsionada, principalmente, pelas linhas com recursos livres dos bancos. É o que aponta a primeira edição do ano da Pesquisa FEBRABAN de Economia Bancária e Expectativas. O percentual sinaliza a tendência de melhoria na avaliação do cenário se comparada com a registrada na edição da pesquisa realizada em dezembro, cuja projeção de crescimento para a carteira total era de 7,0%.

“Mesmo num cenário de grandes incertezas, elevado aumento do risco e de aguda retração econômica, o crédito, em 2020, funcionou como um muro de contenção e os bancos irrigaram a economia com forte expansão de sua carteira. Neste ano, o crédito continuará a ser fator relevante para impulsionar os negócios e alavancar a retomada das atividades. 2021 deve ser um ano igualmente desafiador, mas com boas expectativas de crescimento também robusto do mercado de crédito, liderado pelas linhas com recursos livres, que devem crescer novamente perto de dois dígitos”, avalia Isaac Sidney, presidente da Febraban.

O bom desempenho do mercado de crédito deve dar tração à atividade econômica. Para 47,6% dos analistas ouvidos, o Produto Interno Bruto (PIB) de 2021 deve crescer entre 3% e 3,5%. Já 38,1% dos respondentes enxergam um cenário ainda mais otimista, com crescimento do PIB superior a 3,5%.

“Além da aceleração do plano de vacinação, que é premissa inafastável, outros fatores podem sustentar um crescimento mais robusto do PIB neste ano, como o cenário de baixa taxa de juros, no Brasil e no mundo, o baixo nível de estoques, a poupança acumulada e demanda reprimida e, ainda, a possibilidade de novos estímulos econômicos”, avalia Isaac.

A Pesquisa FEBRABAN de Economia Bancária é feita a cada 45 dias com instituições financeiras, logo após a divulgação da ata da reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). O levantamento, realizado entre os dias 27 de janeiro e 2 de fevereiro, reuniu as percepções de 21 instituições financeiras sobre a última ata do Copom e as projeções para o desempenho do mercado de crédito para o ano corrente e o próximo. O número de instituições é 31% maior que os 16 ouvidos em dezembro.

A melhora na projeção de crescimento para a carteira total se apoia, principalmente, na expectativa mais positiva para as linhas com recursos livres, cuja expansão prevista subiu de 9,6% (na pesquisa de dezembro) para 9,9%. Esse bom desempenho é fruto tanto do crédito PJ, que teve o crescimento esperado previsto de 9,2% para 9,3%, quanto do crédito PF, de alta de 9,9% para 10%.

Redução da inadimplência

Houve melhora também na projeção para a taxa de inadimplência desta carteira, que recuou de 4% (edição de dezembro) para 3,7%. A inadimplência das linhas de crédito livre fechou 2020 em 2,9%, menor nível da série histórica, após uma atuação proativa dos bancos num robusto programa de repactuação. Para 2021, a expectativa é o retorno para o patamar de inadimplência do fim de 2019.

“Apesar de os analistas esperarem aumento da inadimplência, a elevação não deve ser tão significativa quanto se acreditava no início da pandemia”, explica o economista-chefe da FEBRABAN, Rubens Sardenberg.

No caso do crédito direcionado, após expressiva alta em 2020, especialmente em função dos programas públicos de crédito para micro e pequenas empresas, espera-se uma acomodação da carteira. O crescimento previsto para essa modalidade de crédito é de 3,7% em relação a 2020. Percentual ligeiramente maior do que os 3,4% registrados na pesquisa de dezembro.

Para 2022, a expectativa de crescimento da carteira total ficou em 6,9%. Semelhante ao esperado para este ano (7,3%). A expansão deve ser liderada pela carteira com recursos livres, que deve apresentar um desempenho 8,7% superior ao de 2021.

Taxa Selic deve fechar 2021 em 3,75% a.a.

O início do processo de elevação da taxa básica de juros não deve ser imediato, aponta a Pesquisa FEBRABAN de Economia Bancária e Expectativas. Para 61,9% dos analistas dos bancos ouvidos, O Copom deve iniciar o ciclo de elevação da taxa Selic apenas na reunião de maio, que ocorrerá nos dias 4 e 5.

A trajetória esperada pela mediana das projeções coletadas pelo levantamento aponta alta de 0,25 pp da Selic nas reuniões de maio, junho e agosto. Esse movimento ganharia força no encontro de setembro, quando a taxa subiria em 0,5 pp. Para o fim do ano, a projeção mediana é de 3,75% aa.

No entanto, mesmo que a Selic suba para 3,75% aa, ela ainda estaria perto de zero em termos reais e abaixo do que a maioria dos analistas considera como a taxa neutra da economia brasileira.

“Neste patamar, a taxa básica de juros mantém a política monetária estimulativa para a atividade econômica. Mas sem o grau extraordinário utilizado ao longo de 2020, dado que a economia não se encontra mais em nível tão deprimido”, avalia Isaac.