Page

Author admin

Positivo Tecnologia é reconhecida por boas práticas de proteção à saúde dos funcionários durante a pandemia

A Positivo Tecnologia foi reconhecida pela Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas pela implementação de iniciativas que visam preservar a saúde dos colaboradores e minimizar as chances de disseminação da covid-19 nas duas fábricas que a companhia possui em Manaus. Entre elas, a Boreo Indústria de Componentes, voltada para produção de placas e baterias para computadores e celulares da Positivo Tecnologia.

Em fevereiro, antes mesmo da primeira notificação de covid-19 no país, a Positivo Tecnologia criou um comitê para acompanhar as questões relacionadas à pandemia com intuito de garantir o bem-estar dos colaboradores e a normalidade das operações. “Não medimos esforços para oferecer ambientes seguros, aumentar a conscientização das pessoas com relação ao novo coronavírus e garantir o funcionamento adequado das nossas instalações”, afirma Adner Uema, diretor de Recursos Humanos da Positivo Tecnologia.

Em março, a Positivo Tecnologia adotou a prática do home office para colaboradores das áreas administrativas, readequou os espaços e a rotina de trabalho das fábricas, redefiniu horários de início e término das jornadas dos funcionários, instalou telas de acrílico entre as linhas de produção, alterou as escalas de almoço para facilitar o distanciamento físico nos refeitórios e adaptou o buffet para aprimorar o atendimento. Disponibilizou ainda orientação médica, máscaras descartáveis, equipamentos de proteção individual, além de aumentar a quantidade de dispositivos com álcool em gel. Intensificou a rotina de higienização dos ambientes, ofereceu ônibus fretados, estimulou caronas solidárias, aprimorou a ventilação natural dos ambientes, reforçou a comunicação interna para gerar maior conscientização e organizou treinamentos com especialistas sobre cuidados e prevenção da covid-19. Tais iniciativas fizeram com que a Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas concedesse menção honrosa às fábricas da Positivo Tecnologia e Boreo em Manaus pelas boas práticas de prevenção da covid-19.

“A saúde dos nossos colaboradores é prioridade e adotamos as recomendações da Organização Mundial da Saúde para garantir a segurança de todos. Paralelamente, enfrentamos o desafio de atender à demanda por equipamentos de tecnologia e contribuir para minimizar os impactos da doença na sociedade”, diz Edson Toffoli, diretor industrial da Positivo Tecnologia ao lembrar do apoio da companhia para apoiar o aumento da fabricação de ventiladores pulmonares da Magnamed no Brasil.

Flexibilidade construtiva de motores elétricos beneficia automação industrial

No segmento de equipamentos para automação industrial, como prensas e unidades hidráulicas — que possuem aplicações dedicadas —, os motores devem possuir formas construtivas diferenciadas, para que possam ser fixados conforme a necessidade, podendo em alguns casos utilizar freios, alavancas de alívio e também chapéu de proteção na tampa defletora. “Nesta área de atuação, os motores mais utilizados são da linha IEC, blindados com grau de proteção IP 55, podendo ser aplicados em vários equipamentos”, explica Drauzio Menezes, diretor da Hercules Motores Elétricos (empresa especializada em motores para diversos segmentos, como construção civil, alimentício, agrícola, industrial, entre outros).

Segundo ele, diversas empresas de automação industrial dão preferência a motores com flexibilidade e facilidade de alteração da forma construtiva: “Por isso, na Hercules, fabricamos motores que têm essa multimontagem, oferecendo a possibilidade da caixa de ligação girar de 90 em 90 graus, tendo pés removíveis e linha completa de flanges padrões C-Din – FC – FF. Com peças de reposições disponíveis para compra, tendo a vantagem de serem fabricados em uma empresa 100% nacional, que fornece 24 meses de garantia”.

Além disso, Drauzio Menezes destaca que toda a linha trifásica está dentro do IR3 — índice de rendimento mínimo exigido pelo Brasil, o que gera economia de energia, tendo ainda outros diferenciais: “Como os pés removíveis, carcaça de alumínio — que são resistentes a ambientes corrosivos e salinos —, rolamentos de primeira linha, classe de isolamento F 155 graus, bobinados em fio de cobre e fator de serviço até 1,25”.

Para maior durabilidade dos motores utilizados nos equipamentos para automação industrial, ele explica que são necessários alguns cuidados: “Na manutenção preventiva no equipamento e também nos motores aplicados, devem estar previstas a troca de rolamentos e a avaliação da temperatura ambiente, em que o equipamento será instalado. Lembrando que a ventilação do motor nunca deve ser obstruída, pois poderá causar danos em seu funcionamento e também ao equipamento. Para atender à demanda nesta área de manutenção, a Hercules conta com mais de 500 postos autorizados”, finaliza.

SAP investe R$ 7 milhões em iniciativa de certificações gratuitas de jovens consultores

A SAP Brasil lança a iniciativa SAP Learning for Employment, oferecendo cursos e certificações gratuitamente para capacitar até 4 mil profissionais em tecnologias estratégicas da SAP até o final de 2023. A iniciativa tem o objetivo de oferecer a oportunidade de uma carreira promissora, impulsionando a contratação de jovens certificados por empresas do ecossistema da SAP, incluindo parceiros e clientes. O público-alvo é formado por estudantes de graduação na área de Tecnologia, do Ensino Médio Profissionalizante e do Ensino Superior, a partir de parcerias com o setor privado, setor público e terceiro setor.

A primeira parceria será por meio do programa Minha Chance, da Secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado de São Paulo, que inaugura a iniciativa no Brasil. Foram oferecidas 350 vagas, sob a coordenação do Centro Paula Souza, com aulas online para alunos a partir do 4º semestre dos cursos de Análise e Desenvolvimento de Sistemas; Gestão de Tecnologia da Informação; Gestão Empresarial; Gestão de Produção Industrial; Gestão Comercial; Logística e Comércio Exterior, lecionados para alunos em 12 unidades da Fatec em cidades do Estado de São Paulo: São Paulo (Ipiranga e Zona Leste), São Caetano do Sul, Barueri, Itu, Indaiatuba, Tatuí, Sorocaba, São José dos Campos, Jaú, Piracicaba e Ribeirão Preto.

A solução SAP Business One será a primeira a ser disponibilizada. Trata-se de um sistema de gestão empresarial e relacionamento com clientes voltado para o segmento de pequenas e médias empresas ou filiais de empresas multinacionais com novas operações no Brasil. São empresas que apresentam crescimento acelerado e necessidade de uma gestão estruturada com normas de governança e conformidade.

O Centro Paula Souza criou um curso com duração de 140 horas, que inclui 80 horas de conteúdo online da SAP em português, supervisionado pelos professores da instituição. O curso “Suporte Básico em Sistemas de Gestão Empresarial” vai oferecer uma formação completa, que inclui um módulo de 20 horas de introdução aos conceitos básicos e utilização da plataforma; outro, de 80 horas, dedicado às atividades funcionais, de suporte e gerenciamento sob o ponto de vista de usuário e de TI. Já o terceiro módulo, de 40 horas, encerra ao preparar os alunos para identificar necessidades ou problemas, definir um projeto e suas hipóteses de desenvolvimento e apresentação de propostas para adoção da solução.

Para garantir a maior empregabilidade dos alunos, a iniciativa contará com subsídio integral do valor da prova de certificação SAP para os estudantes que completarem todas as etapas do curso com êxito, incluindo a apresentação final, de acordo com os critérios do Centro Paula Souza e da SAP. Este é um grande diferencial em relação a outras iniciativas de capacitação profissionalizante.

Ao término do curso e com as certificações conquistadas, a SAP, com apoio de sua área de RH, fará um Speed Recruiting, um hackathon para colocar em contato estes jovens consultores e o grande ecossistema de parceiros. No evento, programado para o início de 2021, as entrevistas e contratações podem acontecer de forma rápida e assertiva em um momento de esperada retomada da economia.

A escolha do conteúdo para esta primeira parceria levou em consideração a alta demanda por consultores certificados e usuários especializados em Business One. Além disso, por ser uma solução global, possibilitará uma jornada de formação dinâmica e que trará uma base sólida para o profissional expandir seu conhecimento em outras soluções verticalizadas e outras plataformas de integração, que suportam a transformação digital de empresas de qualquer porte.

A SAP já tem uma série de iniciativas voltadas para incentivar que mais estudantes se interessem desde cedo pelas disciplinas relacionadas ao universo STEM (Ciência, Tecnologia, Engenharia e Matemática) e que inclui atividades de formação com parceiros do terceiro setor e outras lideradas pela própria SAP, em São Paulo e no SAP Labs, em São Leopoldo (RS). “Acreditamos que oferecer a opção de uma promissora carreira em tecnologia trará grandes oportunidades a estes jovens não só pelo potencial de desenvolvimento, mas no impacto positivo no seu entorno também. Existem estudos que indicam que a demanda por mão de obra qualificada só tende a crescer nos próximos anos e que haverá escassez”, destaca Carolina Bastos, vice-presidente de Ecossistemas e Canais da SAP Brasil. “Por mais de 47 anos, e 25 no Brasil, a SAP impulsionou a inovação em nome de nossos clientes para ajudar o mundo a funcionar melhor e melhorar a vida das pessoas. Esta iniciativa tangibiliza este propósito”, completa.

“O grande objetivo dos cursos desenvolvidos no Minha Chance em parceria com empresas como a SAP é a qualificação para os estudantes com cursos que estejam alinhados com a demanda do setor produtivo e o futuro do mercado de trabalho. Os alunos que concluírem o curso e forem aprovados na prova de certificação contarão com um amplo ecossistema de parceiros e clientes como seus prováveis empregadores”, explica Pedro Brasileiro, consultor do Programa Minha Chance, da Secretaria de Desenvolvimento do Estado de São Paulo.

Continuidade

A próxima fase da iniciativa SAP Learning for Employment está prevista para começar em 2021 e deverá incluir novos conteúdos, como SAP Cloud Platform, focado em desenvolvimento e integração, que contempla tecnologias emergentes como Internet das Coisas (IoT), e o SAP S/4HANA, software que está no centro da estratégia da empresa inteligente. Também está prevista a expansão de parcerias com outras instituições e, eventualmente, em outros estados.

IBM atinge seu maior Volume Quântico até o momento

A IBM anunciou um novo marco em seu road map de computação quântica, alcançando seu maior Volume Quântico até o momento. Combinando uma série de novas técnicas de software e hardware para melhorar o desempenho geral, a IBM aprimorou um de seus mais recentes sistemas de 27 qubits, desenvolvido para um cliente, para atingir um Volume Quântico de 64 unidades. A empresa já disponibilizou um total de 28 computadores quânticos nos últimos quatro anos por meio do IBM Quantum Experience.

Para alcançar a Vantagem Quântica, o ponto em que certas tarefas de processamento de informações podem ser realizadas de forma mais eficaz ou econômica em um computador quântico em comparação com um computador clássico, são necessários circuitos quânticos aprimorados, que são os blocos de construção das aplicações quânticas. O Volume Quântico mede o comprimento e complexidade dos circuitos: quanto maior o Volume Quântico, maior o potencial para explorar soluções para problemas do mundo real em todas as áreas da indústria, governo e pesquisa.

Para atingir este marco, a empresa se concentrou em um novo conjunto de técnicas e aprimoramentos que usaram o conhecimento do hardware para executar de forma otimizada os circuitos do Volume Quântico. Esses métodos de hardware são extensíveis e irão aprimorar qualquer circuito quântico em qualquer sistema IBM Quantum, resultando em melhorias nos experimentos e aplicativos que os usuários podem explorar. Essas técnicas estarão disponíveis em lançamentos e atualizações futuras para os serviços do software IBM Cloud e kit de desenvolvimento de software (SDK) de plataforma cross e de código aberto Qiskit .

“Estamos sempre à procura de novas maneiras para estender os limites dos nossos sistemas para que possamos operar circuitos quânticos maiores e mais complexos e alcançar uma Vantagem Quântica mais rapidamente”, explica Jay Gambetta, IBM Fellow e Vice-presidente de IBM Quantum. “A abordagem full-stack da IBM oferece uma maneira inovadora de desenvolver aplicativos, algoritmos e circuitos voltados para o hardware, todos rodando na maior e mais poderosa linha de hardware quântico da indústria.”

O time de IBM Quantum compartilhou detalhes sobre melhorias técnicas feitas ao longo de toda a plataforma para atingir o Volume Quântico de 64, em um comunicado no arXiv .

Principais fatos sobre IBM Quantum

• A IBM atingiu o Volume Quântico de 64 em um sistema de 27 qubits implementado no IBM Q Network;
• 28 sistemas de computação quântica foram implementados na nuvem IBM nos últimos quatro anos, sendo 8 deles com volume quântico de 32;
• O IBM Q Network tem 115 membros entre clientes, governos, startups, parceiros e universidades;
• Existem mais de 250.000 usuários registrados no IBM Quantum Experience;
• Os usuários normalmente executam mais de 1 bilhão de circuitos de hardware por dia em sistemas IBM Quantum na IBM Cloud;
• Pesquisadores já publicaram mais de 250 artigos baseados nos trabalhos com sistemas IBM Quantum.

Crédito consignado – alternativa ou armadilha?

Como resultado da crise financeira em decorrência da pandemia do COVID-19, muitos trabalhadores estão com problemas financeiros, contudo, a situação se agrava para os que solicitaram crédito consignado antes desse período.

“O crédito consignado é uma modalidade de empréstimo na qual o trabalhador vincula o pagamento ao seu salário, ou seja, as parcelas são descontadas antes mesmo do dinheiro cair na conta. O lado positivo é que isso faz com que os juros sejam menores, já o lado negativo é que se tem uma dificuldade muito maior em negociar em momentos extremos como a atual”, explica o presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (ABEFIN), Reinaldo Domingos.

Essa dificuldade já vem sendo sentida pelos trabalhadores da iniciativa privada, sendo que os bancos já anunciaram medidas para postergar os prazos de empréstimos e financiamentos, contudo, na maioria dos casos o consignado ficou de fora desses benefícios.

“Resta ao trabalhador que está passando por dificuldade buscar a área de recursos humanos e a instituição bancária e procurar uma alternativa individual nesse momento, contudo o caminho não é simples, sendo que vivemos um período de grande risco”, alerta Domingos.

Ainda em relação a essa linha de crédito, a grande preocupação fica para quem foi demitido. A notícia boa é que a Lei 14.020, que regulamentou a suspensão de contrato e redução de jornada durante a pandemia, permitirá que trabalhadores nessa situação possam renegociar seus empréstimos consignados, financiamentos e cartão de crédito com desconto em folha.

Essa medida terá validade até 31 de dezembro deste ano (período de calamidade pública) para todos os empregados e não somente aqueles que assinaram acordos individuais.

Tomar esse crédito?

Contudo, os problemas relacionados ao crédito consignado vêm antes mesmo da pandemia sendo que esse modelo de crédito estava crescendo muito se tornando uma das principais formas de endividamento da população. O resultado são recordes de inadimplência, portanto é preciso tomar muito cuidado na hora de utilizar essa linha de crédito.

E diante a crise ainda se tem muitos trabalhadores querendo tomar essa linha de crédito, para esses o presidente da ABEFIN preparou dez orientações que devem ser levadas em conta:

• É importante conhecer a sua real situação financeira antes de tomar qualquer crédito, fazendo um diagnóstico financeiro, descobrindo para onde vai cada centavo do dinheiro durante o mês e registrando as dívidas caso existam.

• Não permita que este empréstimo e que os problemas financeiros reflitam em seu desempenho profissional, pois será muito mais complicado pagar as contas sem nenhum salário.

• Antes de buscar pelo crédito consignado é preciso ter consciência de que o custo de vida deverá ser reduzido em até 30% do ganho mensal, isto porque a prestação deste reduzirá o seu ganho mensal diretamente em seu salário ou benefício de aposentadoria.

• A opção do crédito consignado é muito usada para quitação de cheque especial, cartão de crédito e financeiras, porém a troca simplesmente de um credor por outro, sem descobrir a causa do verdadeiro problema, apenas alimentará o ciclo do endividamento.

• A linha de crédito consignado pode ser bem utilizada, mas não deve fazer parte da rotina de um assalariado ou aposentado. Sua utilização deve ser pontual e ter um objetivo relevante.

• Tem sido comum o empréstimo do nome à terceiros por parte de aposentados e até mesmo funcionários, mas este procedimento é prejudicial a todos, por isso, deve ser proibido.

• Caso encontre taxas de juros mais baixas, a portabilidade também deste crédito é necessária. Para os funcionários o caminho será falar com a área de Recursos Humanos, para os aposentados as possibilidades são inúmeras, é preciso pesquisar.

• Os juros também são um grande perigo. Mesmo com taxas baixas, a cada ano esses valores representam um quarto do valor total emprestado. Exemplo: R﹩ 1.000,00 emprestados pagará R﹩ 250,00 de juros por ano.

Domingos ainda recomenda: “para quem quer tomar o crédito consignado, antes mesmo de assinar o contrato com a instituição financeira, é importante fazer uma boa reflexão e analisar se este valor, que será descontado diretamente no salário ou benéfico, não fará falta para os compromissos essenciais mensais”, finaliza.

Mercado imobiliário cresce com facilidades comerciais, vendas digitais e menores juros da história

Mesmo em um cenário adverso, as empresas da construção civil se surpreenderam com a continuidade e, até mesmo, com o aumento das vendas. A MRV, por exemplo, segue com crescimento. Somente nos três primeiros meses deste ano, a companhia vendeu 10.493 unidades habitacionais em todo o país, um acréscimo de 27,9% frente ao mesmo período de 2019. O segundo trimestre teve números ainda mais positivos com 11.479 unidades vendidas, 37,4% a mais que o mesmo período do ano passado.

O cenário segue favorável para quem quer investir ou realizar o sonho da casa própria. Além da inflação controlada, juros baixos e opções variadas de financiamento, o consumidor ainda se depara com facilidades e promoções das empresas. A MRV, que é hoje uma plataforma de soluções habitacionais líder da América Latina, realiza neste mês o Feirão Digital e conta com descontos em várias unidades, entrada em até 48 vezes e parcelas menores que o aluguel.

“Todo nosso estoque está com condições especiais e com a menor taxa de juros da história. Apesar da pandemia e suas consequências, esse é um momento favorável para o comprador de imóvel. Com essa ação, queremos estimular e ajudar ainda mais quem já vinha planejando a compra de um imóvel”, fala Rodrigo Resende, diretor de marketing e novos negócios da MRV.

A grande parte das pessoas que já vinham se planejando para a compra da casa própria não mudou de ideia. Dos brasileiros que pensavam em adquirir um imóvel, 22% efetivaram a compras em junho, segundo pesquisa realizada pela consultoria BRAIN Inteligência Estratégica. Isso equivale a seis pontos percentuais a mais que março, e três pontos percentuais maior que abril, meses iniciais da pandemia.

Outro ponto que contribuiu para o sucesso das vendas foi a digitalização do processo. A MRV em março expandiu a atuação de sua plataforma de venda digital para todas as mais de 160 cidades onde atua. A ferramenta possibilita realizar toda a jornada de compra de um apartamento em poucas horas, sem sair de casa.

“De forma remota o cliente pode fazer o tour virtual por todas as unidades à venda, escolher o condomínio e o apartamento que deseja, enviar a documentação, realizar a simulação e a aprovação de crédito, negociar a proposta de compra e assinar o contrato digitalmente. Tudo isso é acompanhando de forma online por um consultor de vendas”, explica Resende.

Covid-19: A transformação da indústria na dimensão do futuro

Por Anita Dedding

Empresas que estavam tendo bons resultados com retomada da economia, com crescimento de 1,2% do PIB em 2019, com reformas importantes, melhores indicadores e ainda com uma agenda positiva, agora enfrentam uma brusca mudança no cenário, exigindo agilidade dos seus executivos de empresas na tomada de decisão, para enfrentar as deteminações do governo,  para a preservação da saúde, seguindo as orientações da OMS.

Com a disseminação mundial de uma nova doença, o COVID-19 está provocando nas sociedades onde se incluem as empresas, uma corrida para a imunização e o enfrentamento contra o coronavírus, levando a transformações no ambiente social e de trabalho, criando novos valores, junto com a consolidação de uma imagem positiva e forte frente o atual cenário. No ambiente de trabalho estão sendo experimentadas novas formas do senso de pertencimento organizacional, levando a novos olhares sobre a avaliação da eficiência, o desempenho, a motivação e principalmente sobre o comprometimento de cada colaborador. 

Home office, um ambiente digital, um dos protocolos a serem seguidos pelas empresas, para a segurança dos colaboradores para evitar contágios, foi adotado como solução emergencial, o trabalho remoto subsequente ao início da pandemia foi abrupto, configurando a principal mudança nas relações de trabalho esse ano. Essa solução tem se mostrado bastante efetiva, e está sendo um dos maiores desafios para empresas manter um novo modelo de gestão, junto ao seu maior ativo, o capital intelectual, motivado. Esse ambiente deve oferecer possibilidade para dar continuidade aos trabalhos da empresa, com infraestrutura necessária, flexibilidade pela interferência normal de um ambiente residencial e ainda com um controle eficaz das atividades e dos processos em execução.

A fusão casa/trabalho, uma realidade hoje, onde atividades profissionais se confundem com atividades prazerosas e o lazer em um único ambiente. Cuidados trabalhistas, desgastes familiares, jornadas de trabalho excessivas, saúde dos colaboradores, comprometimentos, devem fazer parte da agenda do RH da empresa.

Como benefício as empresas vivenciam uma aparente diminuição de conflitos internos, um ambiente harmonioso e favorável para a realização de trabalhos individuais ou conjuntos, onde um grupo pode interagir online, na elaboração e revisão de documentos, pareceres, estudos, entre outras atividades.

Para a indústria madura e tradicional, calcada em processos e tecnologia, oportunidades se desenham para torná-las dinâmicas, voltadas para a inovação, consequentemente preparadas para a grande mudança. As empresas precisam estar conscientes de que não existe mais um único caminho a percorrer, devem vislumbrar uma atuação o mais amplo possível, visando sua atualização, modernização, e foco na sua diferenciação no mercado. Existirá sempre muitas formas de envolver as diversas áreas técnicas e expertises junto com toda a infraestrutura instalada nas empresas, para ampliar e criarem novas possibilidades de negócios, produtos e serviços, tendo nas pessoas, as suas contribuições nessa jornada de renovação. As pessoas em situações adversas, se sentem desafiadas, se unem, tornam-se mais humildes na sua interação e articulação, para buscarem soluções de superação.

Com a pandemia, as indústrias estão ficando mais adaptativas, precisam avaliar e investir em novas tecnologias, diante do momento em que estão vivendo, um ambiente desconhecido e incerto e ainda precisam sair de forma fortalecida para um uma mudança de paradigma, um novo futuro no mercado.

Para isso as organizações romperão barreiras culturais, organizacionais e buscarão um novo modelo de liderança, de forma a acompanhar a transformação da economia com mudança em hábitos de consumo, com adoção acelerada do comércio sem contato físico, crescimento de serviços públicos digitais, junto com a transformação digital, uma nova maneira de pensar, uma nova mentalidade estratégica, mais do que que da infraestrutura de TI. A Transformação Digital está voltada sobretudo, aos principais fatores: Clientes, Competição, Dados, Inovação e Valor.

Diante disso, a mudança não é mais uma opção, sem inovação não será possível responder de forma rápida e construtiva, sendo necessário a valorização do trabalho em rede, de um ambiente de cooperação, a utilização do Marketing Digital, E-Commerce, Varejo Digital, entre outros recursos, ferramentas em alta no momento, e devem estar no planejamento da retomada em um cenário em transformação.

Esta nova realidade vai transformar a empresa, o mercado, os seus clientes e os seus parceiros de negócios. E não há porque acreditar que a sua empresa não será transformada.

Anita Dedding, Gerente Divisional de Tecnologia Industrial da ABIMAQ

Kearney abre processo para seleção remota de estagiários em Data Analytics

A Kearney, uma das maiores consultorias globais de gestão de negócios, com mais de 95 anos de trajetória, abriu inscrições para o seu processo seletivo para estudantes de graduação. A companhia, que há 25 anos atua junto a grandes corporações no Brasil, oferece oportunidades de estágio em Data Analytics neste semestre.

Este ano, devido ao cenário imposto pela pandemia da Covid-19, a Kearney adequou todo o processo seletivo, substituindo o tradicional roadshow por webinars e etapas presenciais por fases online.

O perfil elegível ao processo considera candidatos com conhecimentos em ciência de dados e formatura de graduação entre dezembro de 2021 e dezembro de 2022.

Pietro Alves, recrutador da Kearney, destaca que a empresa busca estudantes que possuam contato com Data Analytics, Análises Preditivas e Problemas de Otimização. “Acreditamos no potencial dos estudantes de graduação que já estejam familiarizados com o tema. Caso qualquer candidato tenha dúvidas sobre o seu nível de domínio, encorajamos a participação. Teremos a oportunidade de avaliar os desempenhos individualmente ao longo das etapas”, sugere.

A companhia não restringe os cursos. O processo é aberto a estudantes de qualquer curso e escola – desde que se enquadrem no perfil de formatura proposto e tenham o conhecimento nessa área específica.

“O processo teve suas etapas adaptadas às necessidades impostas pelo isolamento social, mas seguirá uma estrutura semelhante à do modelo convencional”, explica Sandra Strongren, gerente sênior de Recursos Humanos da Kearney no Brasil. Pietro explica que o processo seletivo não contará com a dinâmica em grupo, etapa tradicional da segunda fase do recrutamento on campus da Kearney, mas trará uma etapa com um assessment em Analytics aliado a uma entrevista técnica, seguidos de entrevistas com resolução de caso até a fase final.

Inscrições

Os interessados em conhecer um pouco mais da consultoria e participar do processo seletivo devem fazer suas inscrições através do site http://bit.ly/kearneypainelvagas até o dia 10/09.

Os primeiros webinars acontecem ainda em agosto. O primeiro deles está marcado para o dia 26 de agosto, às 18h (http://bit.ly/kearney26ago – senha: kearneywebinar1). O segundo acontece em 28 de agosto, às 12h (http://bit.ly/kearney28ago – senha: kearneywebinar2). Os interessados já podem clicar nos links e adicionar os lembretes em sua agenda através do botão “Add to my calendar”. Na última semana de inscrições, a companhia ainda fará mais duas sessões de webinar, nos dias 8 e 9 de setembro.

Recrutamento online

Desde o início do isolamento social, em março deste ano, a Kearney já está em seu terceiro processo de seleção e somou nove novos estagiários ao seu quadro de consultores.

Estudo da IBM mostra que estudantes brasileiros acreditam que inteligência artificial impactará suas carreiras, mas se sentem despreparados

Um novo estudo da IBM (NYSE: IBM) e Morning Consult1 revela que os adolescentes sabem que a Inteligência Artificial (IA) e a ciência de dados irão impactar suas carreiras, mas se sentem despreparados para trabalhar com essas tecnologias. A maioria (70%) dos alunos entrevistados no Brasil, com idades entre 14 e 18 anos, acredita que a IA terá um impacto grande ou muito grande em sua vida e carreira, mas apenas 41% deles disseram que se sentem devidamente equipados para usá-la.

A pesquisa pediu aos adolescentes que classificassem seu conhecimento sobre tecnologias emergentes, bem como sua disposição para aprender mais sobre elas e interesse em carreiras em tecnologia. Cerca de 66% dos alunos afirmaram estar interessados em seguir carreira em tecnologia, porque consideram que a maioria dos empregos exige o uso de tecnologia. E enquanto a maioria (59%) estava interessada em tecnologias emergentes como nuvem e cibersegurança, IA é a que mais desperta a atenção entre os jovens. Mais de 65% dos estudantes brasileiros disseram que estavam interessados em aprender mais sobre inteligência artificial.

Segundo a UNESCO, mais de 146 milhões de alunos na América Latina continuam a ser afetados pela interrupção das aulas presenciais, em decorrência da COVID-19, o que aumenta ainda mais a lacuna no desenvolvimento de competências voltadas para as necessidades do mercado de trabalho. Para ajudar a preparar a próxima geração de líderes de tecnologia com o conhecimento necessário sobre IA para trabalhar com a ferramenta de maneira responsável, a IBM está anunciando dois novos recursos online gratuitos que oferecem os fundamentos para professores e alunos:

• Educação em IA disponível no Open P-TECH: A ISTE (Sociedade Internacional para Tecnologia em Educação) e a IBM desenvolveram um novo curso online onde os usuários podem ganhar um certificado digital de educação em inteligência artificial ao explorar conceitos por trás dos sistemas de IA, considerar suas implicações éticas, revisar aplicativos de ferramentas e muito mais. O curso está disponível no Open P-TECH, plataforma de educação digital gratuita da IBM que oferece conteúdos em português e leva skills digitais e profissionais a 250 mil alunos em todo mundo. Saiba mais aqui.
• IBM AI Education: É um pacote de aprendizado profissional online em parceria com MindSpark, que contempla webinars gratuitos elaborados por e para educadores. Nove institutos orientam educadores do ensino fundamental e médio por meio dos conceitos básicos da IA e conexões de sala de aula, com tópicos que incluem introdução à IA, processamento de linguagem natural, ética e robótica. Educadores também terão a chance de ganhar um selo digital IBM AI Foundations for Educators e se tornarem equipados para compartilhar o conhecimento básico de inteligência artificial com seus colegas e alunos. Saiba mais aqui.

“Tecnologias como IA, nuvem e segurança cibernética estão desempenhando um papel fundamental na educação e promovem mudanças significativas nas formas tradicionais de ensino e aprendizagem. O avanço da tecnologia está acelerando e devemos nos concentrar em fornecer aos alunos e professores acesso a ferramentas e conteúdo de qualidade para que a oportunidade e o crescimento profissional sejam pervasivos em nossa sociedade”, disse Tonny Martins, gerente geral da IBM Brasil.

A pesquisa e o novos cursos se somam aos esforços existentes de Responsabilidade Social Corporativa da IBM para aprimorar o conhecimento de jovens estudantes na América Latina. Por exemplo:

• Fundação Bradesco e Open P-TECH: a Fundação Bradesco, que há mais de 60 anos desenvolve um amplo programa socioeducacional, selecionou o Open P-TECH para proporcionar aos seus alunos do ensino médio da Unidade de Campinas conteúdos sobre skills digitais e profissionais. Além disso, os conteúdos de Open P-TECH também estão disponíveis aos alunos da Escola Virtual, que oferece cursos on-line inteiramente gratuitos há quase 20 anos, em áreas como Administração, Contabilidade e Finanças, Desenvolvimento Pessoal e Profissional, Educação e Tecnologia. Atualmente, a Escola Virtual está com mais de 3 milhões de alunos cadastrados em sua plataforma.
• Junior Achievement Américas e Open P-TECH: a IBM anunciou uma colaboração com a Junior Achievement Américas que treinará 5 mil alunos de 10 países latino-americanos em tecnologias inovadoras e habilidades profissionais usando a plataforma digital.
• Cisco + IBM Alliance for Virtual Class Continuity: IBM e Cisco estão ajudando instituições educacionais a continuar suas aulas regulares usando a plataforma Cisco WebEx e o conhecimento de voluntários IBM. Mais de 9.300 professores e educadores foram treinados, atingindo mais de 164 mil alunos em toda a região.

1 A pesquisa foi realizada entre 6 de janeiro e 5 de fevereiro de 2020 e teve a participação de cerca de 3.635 alunos do ensino médio (não universitários) com idades entre 14 e 18 anos em vários países, incluindo o Brasil. A pesquisa foi global e encomendada pela IBM à Morning Consult.

 

Agricultura digital brasileira: avanço e desafios

A digitalização do campo no Brasil tem avançado significativamente nos últimos anos. Se antes o digital era visto como de nicho e vanguarda, hoje vem sendo adotado por produtores de diferentes portes, culturas e regiões do país. De acordo com Ronaldo Giorgi, Diretor de Agricultura Digital da Syngenta no Brasil, a jornada digital começou pelos grandes grupos mais tecnificados, como as usinas de cana-de-açúcar e os cotonicultores. Atualmente, o cenário é outro, com o adendo de novas tecnologias, como plantadeiras e colheitadeiras com ferramentas digitais integradas, sistemas de monitoramento de lavoura, ferramentas de gestão financeira, soluções de imageamento, entre muitas outras.

Apesar dos avanços, Ronaldo aponta dois desafios ainda presentes na digitalização do agro brasileiro. “Primeiro, há um problema de cobertura de sinal de internet nas lavouras. O outro fator é a falta de mão de obra qualificada”, explica. Além disso, ele explica como a Syngenta Digital tem buscado superá-los. “Para superar a falta de cobertura, temos desenvolvido soluções que operem offline e que sincronizem as informações quando os dispositivos chegam a um local com cobertura. Em paralelo, temos buscado apoiar os produtores na jornada de transformação com nosso time de especialistas e temos disponibilizado treinamentos, como o Digital Academy, para melhor prepará-los”.

Uma das tecnologias que contribui para a expansão do mapa da agricultura digital no Brasil é o Cropwise Protector. Utilizado por mais de 2.500 produtores brasileiros, presentes em 4,5 milhões de hectares, o sistema coleta dados da lavoura e os transforma em diagnósticos para o gerenciamento remoto das lavouras, podendo, inclusive, ser usado de modo offline. Esta tecnologia dá suporte à tomada de decisão pelos produtores, além de melhorar a gestão e a sustentabilidade da agricultura.

Outro projeto que tem contribuído para a expansão digital, sobretudo entre pequenos e médios produtores, é o Controle Certo. O programa é oferecido pela rede de distribuidores e cooperativas parceiras da Syngenta, que presta o apoio técnico para agricultores sem equipes especializadas em monitoramento. O serviço inclui o uso da tecnologia do Cropwise Protector e mão de obra qualificada para o monitoramento das lavouras. “Esse formato tem ajudado a difundir a tecnologia de norte a sul do Brasil. Na safra passada, foram mais de 1 milhão de hectares monitorados, auxiliando os produtores na coleta de dados e na tomada de decisão”, destaca Thais Andrade, Gerente Regional de Transformação Digital da Syngenta Digital.

7 dicas de como se comportar em uma entrevista de emprego

Mesmo depois de revisar o currículo, estudar sobre a empresa e a sua cultura, revisar as principais atividades da marca no mercado e finalmente ser chamado para uma entrevista, resta mais uma dúvida, sobre como se comportar durante esse processo.

Para Celson Hupfer, CEO da Connekt, plataforma inteligente de recrutamento digital, e doutor em Psicologia Social, não existe muito segredo, basta manter a calma e agir o mais natural possível. “Essa etapa do processo costuma ser a mais importante entre o contato do candidato e empresa, por isso, ela costuma gerar bastante nervosismo. Mas é importante que o candidato se lembre que a conversa deve ser a mais natural possível e que deverá agir de modo parecido como em outras situações sociais. O único ponto é que a pessoa deve ficar atenta com sua oratória, demonstrar suas qualidades e os motivos pelos quais ela deve ser contratado”, avalia Hupfer.

Para auxiliar os candidatos durante o processo de recrutamento, o especialista separou sete dicas, que inclusive, podem ser utilizadas durante a pandemia para entrevistas online. Confira:

Seja pontual
A avaliação de uma entrevista acontece antes mesmo desse primeiro encontro. Então, a primeira dica é ser pontual, seja na entrevista presencial ou por vídeo, como estão sendo realizadas durante a pandemia. É preciso ver com antecedência o percurso até o local de entrevista e se programar para chegar com antecedência, levando em conta que podem ocorrer imprevistos. Já para o online, realize testes de áudio e vídeo e se possível, coloque um despertador cinco minutos antes, para não perder a hora, já que como estamos em casa, as chances de se distrair e perder o horário são maiores.

Comunicação verbal
Antes, treine alguns pontos que julga importante falar durante a entrevista. Já no momento deste processo, seja o mais claro e conciso, utilizando tom de voz adequado e respondendo às perguntas do recrutador. A forma como falamos pode transmitir confiança, porém, quando feito de modo errado, pode transparecer timidez ou até, falta de interesse ou sabedoria para determinados assuntos.

Mantenha contato visual
Manter um contato visual pode aproximar você do recrutador, além disso, pode significar a ele autoconfiança e sabedoria em lidar com momentos de nervosismo. Esse tipo de contato ajuda a estabelecer conexão com o contratante e faz com que ele sinta mais empatia com você durante a entrevista.

Permaneça atento
Treine sua atenção para não perder o foco durante a entrevista. Entre as dicas para fazer isso está desligar o celular, ficar longe de relógios e lembrar de tirar chicletes ou balas da boca. No caso da entrevista online, avise os familiares antecipadamente, fique longe de ruídos externos da rua e não fique perto de animais, apesar de serem fofos, eles também podem tirar a sua atenção em uma entrevista.

Roupas
É importante buscar a cultura da empresa, quais os tipos de roupa que utilizam no dia-a-dia, isso te dará uma boa ideia em quais peças utilizar. De qualquer modo, evite roupas extravagantes e itens como chinelo, boné, peças curtas, transparentes ou decotadas. É importante passar uma certa formalidade e demonstrar que você conhece o ‘estilo’ da empresa. A regra vale também para a entrevista online.

Seja natural
A entrevista de emprego é uma conversa natural. Então, atente-se aos sinais que o seu recrutador dá. “Dance a dança dele. Se ele fizer brincadeiras, dê risada e continue com a comunicação visual. Caso ele seja mais sério, permaneça com uma postura parecida. Além disso, lembre-se de não se alongar nas respostas, ao mesmo tempo que não fale de modo tão resumido, não minta, domine seu currículo e fale sobre suas conquistas e expectativas e se tiver dúvidas, questione o entrevistado, não há problemas em fazer isso”, finaliza Hupfer.

Respire!
Parece óbvio, mas durante o processo é comum ficarmos nervosos, ter dor de cabeça ou ansiedade. Por isso, é importante respirar pausadamente antes e durante a entrevista, isso leva ar aos pulmões e cérebro e dá a sensação de calma no corpo. Além disso, também ajuda a controlar outras sensações. A ansiedade, por exemplo, pode fazer a gente a falar demasiadamente ou calar-se mais, contrair o corpo e causar nervosismo e estresse, nosso corpo fala, então também evite cruzar os braços, gesticulações agressivas e desordem com bolsa ou pasta que levou para a entrevista.

Quais os problemas de um novo imposto digital?

Diante da possibilidade de uma Reforma Tributária, um tema já vem preocupando consumidores e empresários, que é a sinalização do Ministro da Economia, Paulo Guedes, da intenção de criar um novo imposto para taxar transações financeiras, mais especificamente pagamentos eletrônicos.

Essa nova modalidade que vem já sendo analisada e pode ser enviada junto com a referida Reforma Tributária para minimizar as perdas de arrecadação do Governo com uma eventual desoneração da folha de pagamentos e é uma espécie de “imposto digital”. Caso realmente seja implantado, mais uma vez quem será a principal prejudicada é a população, que verá o aumento de preços em toda a cadeia.

“Por mais que o ministro afirme que essa nova tributação não tenha nenhuma relação com a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), que valeu no país de 1993 à 2008, e que foi muito criticada pela população, é impossível negar que existam grandes semelhanças e problemas muito parecidos”, explica o diretor executivo da Confirp Consultoria Contábil, Richard Domingos.

Ele analisa que, por mais que seja um imposto que todo mundo pague, essa nova cobrança será maléfica, pois é cumulativa, ou seja, estará incidindo em todas as etapas da cadeia, assim, mesmo com uma alíquota baixa, o preço a ser pago vai sendo somado em cada transação, o que encarece os produtos.

“A tributação não é sobre renda, contudo devido a sua base de incidência ser tão grande, mesmo com a alíquota pequena afetará todo mundo. Para o governo é uma forma interessante de tributar, principalmente por ser mais simples de fiscalizar, alíquota pequena e cobra todo mundo, já para o contribuinte não”, explica o diretor da Confirp, que complementa que a tributação cumulativa é negativa por não ser transparente, além de ser contra tudo contra o que o governo prega que é a neutralidade.

Entretanto, ainda faltam informações sobre a formatação desse novo imposto e a ideia do governo ainda está pouco clara. Falta detalhar muitos pontos, como qual será sua incidência, se seria em todos os pagamentos realizados eletronicamente (como pagamento por internet banking) ou apenas na compra online de bens e serviços.

“Enquanto não se tem esse detalhamento é difícil uma análise profunda sobre o tema, mas o que se apresentou até o momento é bastante preocupante. Acredito que seria prudente por parte do governo definir realmente o que quer e em quais moldes para que se inicie um debate sobre o tema, minimizando suposições”, finaliza Richard Domingos.

InovAtiva Brasil passa a ser um hub para startups


Determinado a desenvolver o empreendedorismo inovador, o InovAtiva Brasil amplia seu escopo de atuação e avança para se tornar um dos principais hubs para o ecossistema de startups do país.

Depois de acelerar mais de mil startups e impactar 30 mil empreendedores por meio de um programa nacional de aceleração de startups inteiramente gratuito, o InovAtiva assumiu, desde a última segunda-feira (10), mais duas frentes de atuação com produtos e ferramentas para fomentar ecossistemas locais de inovação e disseminar informações sobre o universo de empreendedorismo no Brasil. Além da Aceleração, também iremos atuar com o Ecossistema e o InovAtiva Academy, formando assim os três pilares do InovAtiva Brasil.

Com isso, o InovAtiva Brasil se propõe a assumir a missão de se tornar um hub para o ecossistema de startups brasileiro e de se consolidar como uma das principais políticas públicas de incentivo à inovação do país.

Por meio de um portfólio estruturado de ações, plataformas e iniciativas, o InovAtiva irá catalisar negócios, parcerias, oportunidades de inovação e, desta forma, incentivar a geração de emprego e renda no Brasil. Facilitar a conexão de diferentes atores do ecossistema de inovação, contribuir para a estruturação de startups de diferentes estágios de maturidade e incentivar empreendimentos inovadores em todo o país. Isso faz parte da missão do InovAtiva Brasil.

Alinhado à nova essência, o site foi remodelado e incorpora mais funcionalidades, além de apresentar melhor navegabilidade para os usuários. O padrão visual também foi adaptado para transmitir a empreendedores, parceiros, investidores e demais públicos de interesse os novos produtos do hub InovAtiva Brasil.

Com uma marca forte e metodologia reconhecida no Brasil e internacionalmente, o eixo de “Aceleração” seguirá acelerando startups brasileiras no estágio de operação e tração. Mais de 1000 mentores voluntários, representantes de grandes empresas como Google, Microsoft, Samsung, Siemens e Embraer, participam da rede de conexão do InovAtiva.

O eixo “Ecossistema” reunirá ações para fomentar o empreendedorismo e um ambiente favorável ao desenvolvimento de negócios inovadores em todo Brasil. Para isso, conta também com rede de mentores, líderes de comunidade de startups em todos os estados brasileiros e especialistas do mercado. Em 2021, por meio de parcerias “Powered by InovAtiva”, o InovAtiva apoiará institucionalmente iniciativas regionais de aceleração de startups por todo país, por meio da sua metodologia, além de eventos nos municípios brasileiros que disseminem valores de inovação e de empreendedorismo pelo país.

Para o secretário especial de Produtividade, Emprego e Competitividade do Ministério da Economia (Sepec/ME), Carlos Da Costa, o reposicionamento do InovAtiva Brasil vem com o intuito de agregar ainda mais valor ao ecossistema brasileiro de startups. “O InovAtiva já é conhecido nacionalmente por ser uma política pública que vem capacitando e conectando milhares de startups de todo o Brasil. Agora o InovAtiva será um hub, que promoverá ações junto aos ecossistemas locais, além de oferecer diversos conteúdos para empreendedoras e empreendedores interessados em avançar no desenvolvimento e crescimento de suas startups”, ressaltou Da Costa.

O presidente do Sebrae, Carlos Melles, explica sobre a importância desta iniciativa, “os novos eixos foram criados para identificarmos como parte integral do InovAtiva Brasil ações que já eram feitas de forma isolada, mas que mesmo assim traziam muito retorno para as startups e demais atores envolvidos. Em breve, teremos mais cursos disponibilizados para os empreendedores, além da realização de mais edições do InovAtiva Conecta e atividades referentes ao Powered by InovAtiva”, reforça.

Para atingir um número cada vez maior de empreendedores, o eixo “Academy” oferecerá cursos, webinars e conteúdos abertos sobre o universo de empreendedorismo no Brasil, com temas como Estratégias e Modelo de Negócios, Marketing e Vendas, Gestão de Pessoas, Impacto Socioambiental, Jurídico, Propriedade Intelectual, entre outros. As informações não serão restritas a startups participantes dos ciclos de aceleração, e os empreendedores poderão acessar facilmente no Youtube do InovAtiva Brasil. Os canais “Don’t Panic” e “Talk to Me” foram criados para aproximar startupeiros de mentores e especialistas.

Conheça os pilares do InovAtiva Brasil

Aceleração – Conjunto de iniciativas de aceleração gratuitos de startups focados em mentoria, conexão e visibilidade.

• Aceleração InovAtiva Brasil – voltado a startups de qualquer segmento;

• Aceleração InovAtiva de Impacto – para startups de impacto social e ambiental;

• InovAtiva Experience – evento realizado ao final dos ciclos de aceleração.

Ecossistema – Extensa malha de conexões estratégicas que leva as melhores oportunidades de crescimento, desenvolvimento e networking às startups que buscam investimento e/ou a inserção no mercado por meio de rodadas de negócio.

• Comunidade InovAtiva – rede composta por 29 líderes de comunidade, 18 líderes veteranos, 35 agentes e mais de 155 disseminadores presentes em todos os estados brasileiros;

• InovAtiva Conecta – eventos realizados pelo InovAtiva para conectar startups a empresas, investidores e instituições públicas para promover vendas, negócios, aquisições e investimento;

• Powered by InovAtiva (a partir de 2021) – apoio do InovAtiva a atividades e programações ligadas ao empreendedorismo e startups;

• InovAtiva Day (a partir de 2021) – parcerias promovidas em diversos estados para oferecer palestras com temáticas de interesse de startups, mentorias, treinamento de pitch e outros conteúdos ligados ao ecossistema de inovação.

Academy – Núcleo de educação empreendedora que oferece conteúdos variados e abertos de capacitação do empreendedor e fomento ao seu negócio. Entre as atividades oferecidas estão:

• Cursos – vídeos e materiais complementares estruturados em temas específicos;

• Conteúdos – webinars, e-books e demais informações veiculadas no blog e canal do Youtube;

• Capacitação – mentorias onlines e presenciais nos diversos eventos realizados ou apoiados pelo InovAtiva Brasil.

78% dos consumidores brasileiros eliminaram ou diminuíram o uso de dinheiro desde a chegada da COVID-19

A Visa publicou o estudo Visa Back to Business onde avalia a drástica migração para o comércio digital em resposta à pandemia de COVID-19, impulsionada, em grande parte, pela mudança nas expectativas dos consumidores e sua busca por um momento de pagamento seguro e sem contato. Segundo o estudo realizado em oito países com consumidores e micro e pequenas empresas (PMEs), 73% dos brasileiros mudaram seu método de pagamento para reduzir o contato e 84% das PMEs brasileiras tentaram uma nova estratégia para manter seu negócio nos trilhos, enquanto 67% das PMEs no mundo todo fizeram o mesmo. Mais de 78% dos consumidores brasileiros estão usando menos dinheiro – ou eliminaram totalmente seu uso – desde o início da pandemia.

“As empresas e os consumidores brasileiros são ágeis e, em pouco tempo, já adquiriram a expectativa de um comércio digital-first. Com as PMEs no mundo todo sentindo o impacto financeiro da COVID-19, os brasileiros mudaram sua maneira de abordar os pagamentos digitais e o e-commerce para priorizar a segurança durante a COVID-19”, diz Fernando Pantaleão, vice-presidente de Soluções para o Comércio da Visa do Brasil. “Os consumidores do Brasil e de toda a América Latina e Caribe entenderam que podem comprar praticamente qualquer produto digitalmente e retirá-lo via drive-thru, recebê-lo em casa ou buscá-lo na loja. Hoje, nas lojas brasileiras, os pagamentos sem contato marcam tanta presença no checkout quanto as máscaras faciais e o álcool gel, e muitas dessas novas experiências estão se tornando um hábito”.

Consumidores brasileiros e PMEs adotam o comércio digital e novas estratégias

Embora estejam incrivelmente otimistas, as PMEs brasileiras têm suas preocupações: 64% delas querem atrair novos consumidores (vs. 40% globalmente) e, mais de metade, perdeu receita depois do início da pandemia. Para resolver isso, estão abraçando o comércio digital e outras estratégias, entre as quais:

• 50% das PMEs brasileiras estão migrando seu negócio para o canal online;

• 50% estão usando publicidade direcionada nas redes sociais;

• 33% estão oferecendo entrega residencial;

• 30% aceitam pagamentos por aproximação com celulares ou cartões, por exemplo;

• 87% dos consumidores brasileiros estão tomando medidas para manter seus cartões limpos .

Os consumidores brasileiros também estão adotando o digital. Quase três quartos (73%) dos consumidores brasileiros mudaram seu método de pagamento desde o início da COVID-19; 56% compram on-line sempre que possível, e 43% usam pagamentos por aproximação. A maioria dos consumidores eliminou ou diminuiu o uso de dinheiro (78%).

A Visa está comprometida a ajudar a PME no Brasil e no mundo

O estudo Visa Back to Business é a mais recente de uma série de iniciativas da Visa para oferecer as ferramentas e recursos que as PMEs precisam para se reconstruir ou construir negócios mais fortes. No Brasil, a Visa lançou o Vai de Visa, parte do movimento #compredopequeno, ajudando o pequeno comerciante a encontrar os parceiros certos para criar suas lojas e a recompensar os consumidores que compram serviços e produtos perto de casa.

“A Visa está comprometida em ajudar os consumidores e as PMEs brasileiras a se recuperarem da COVID-19”, diz Pantaleão. “Sabemos que bancos, estabelecimentos comerciais e consumidores precisam estar bem informados para tomar suas decisões, e é por isso que investimos em estudos como o ‘Visa Back to Business’ e em programas como o Vai de Visa. Queremos que as pequenas empresas saibam que a Visa pode ajudá-las a atender às novas necessidades e expectativas dos seus clientes de uma forma rápida, fácil e com reflexos duradouros em seu negócio”.

CANATHON inicia hoje os desafios que irão revolucionar o setor de bioenergia

O CANATHON, o primeiro hackathon exclusivamente voltado à bioenergia, começa nesta quinta-feira (20/08), com a participação de mais de 800 profissionais de diversas áreas do conhecimento entre maratonistas e mentores inscritos, que prometem revolucionar o setor com propostas de soluções rápidas em Tecnologia da Informação para problemas apontados por representantes de empresas de toda a cadeia de valor deste mercado.

O evento, realizado em formato 100% online e que vai até o dia 26 de agosto, é organizado pela FENASUCRO & AGROCANA, Think Lab Brasil e UFSCar e terá a participação de representantes de todos os estados brasileiros, Distrito Federal e de outros países como Argentina, Angola e Estados Unidos.

Dinâmica do Desafio

Os participantes estarão organizados em equipes multidisciplinares para trabalharem em projetos em TI que envolvem questões e situações de gestão, produção e novos negócios. De acordo com Marcos Eduardo de Oliveira, CEO da Think Lab Brasil, devem ser formadas mais de 140 equipes que apresentarão as propostas para um Conselho Consultivo, formado por alguns dos mais renomados representantes do setor de bioenergia no Brasil e no mundo.

“Cada equipe será formada por cerca de 5 pessoas de áreas diferentes. O primeiro desafio dos participantes será encontrar seus pares para compor a equipe e depois definir em qual dos três pilares irá trabalhar em busca de uma solução. No decorrer do evento, eles terão o apoio de 120 mentores que se revezarão 24 horas durante todos os dias para atender as demandas. Todo o trabalho produzido, troca de informações, palestras e mentorias serão realizadas em uma plataforma específica para o CANATHON”, diz Oliveira.

As equipes terão um prazo de cerca de 52 horas, entre 18h de sexta-feira (21) e 22h de domingo (23) para realizar as cinco etapas que compreendem a formação das equipes multidisciplinares, imersão (identificação e conhecimento do problema), ideação (geração de ideias), prototipação (transformação de ideias em algo palpável) e solução (entrega da solução final).

“As equipes não precisam estar online o tempo todo e terão liberdade para escolher a solução que será desenvolvida, para organizar os seus horários, atividades e revezamentos para cumprir as etapas dentro do prazo estipulado”, afirma Oliveira.

Cada membro do Conselho Consultivo receberá um vídeo, uma apresentação e um relatório com as descrições da solução proposta que deverá ser avaliado entre segunda-feira (24) e quarta-feira (26) com atribuição de notas e suas considerações.

Na quarta-feira, 26, a partir das 18h, acontecerá a cerimônia de encerramento por meio de uma transmissão online, que fará a apresentação das três soluções vencedoras. “Além das vencedoras, as demais soluções entregues serão apoiadas pela Think Lab Brasil para que se transformem em startups para o setor. A proposta é apresentar as demais soluções na FENASUCRO & AGROCANA de 2021, quando também realizaremos a segunda edição do CANATHON”, diz Oliveira.

Perfil dos participantes

Marcos ressalta que os participantes estão concentrados no setor de bioenergia e negócios, ciências de dados, desenvolvedores e marketing. O perfil revela ainda que cerca de 39% dos participantes tem pós-graduação ou doutorado em sua área de atuação, 31% graduação, 21% são estudantes e 7% têm curso técnico. Os participantes são de universidades públicas como USP, UFSCar e de várias empresas do setor de bioenergia.

O que deve vir por aí…

Entre as soluções a ser apresentadas, o CEO da Think Lab Brasil acredita que devem contemplar situações como simulações de safra e análise de dados para ajudar os gestores a tomarem decisões, análise de clima e ciclos de manutenção com Inteligência Artificial e Data Science, além de propostas que possam vislumbrar novos mercados e usos para açúcar e álcool, comercialização de excedentes ou identificação de CBIOs. “Ouvimos empresas de todos os estados brasileiros e fizemos uma compilação dos principais problemas visando contribuir com o desenvolvimento do setor”, diz Oliveira.

Paulo Montabone, Diretor da Fenasucro & Agrocana, explica que o evento tem um caráter de ineditismo ao mostrar que é possível gerar inovação para o mercado de bioenergia com custo relativamente baixo. “A eficiência por meio do uso dos dados e informações, o “famoso” data driven, pode levar a soluções de baixo custo aos gestores de toda a cadeia para encarar com mais assertividade as novas oportunidades, incluindo neste contexto as energias renováveis. Importante sempre lembrar que o nosso setor é vanguardista em tecnologia e a Fenasucro & Agrocana, reforça seu propósito de apresentar inovação e ser vitrine para soluções através do CANATHON, que reforçará a competência do mercado brasileiro em exportar soluções nacionais para as usinas e indústrias bioenergéticas pelo mundo todo”, afirma.

Mercado

Para Daniel Rossi, CEO do Grupo Capitale e fundador da ZEG (Zero Emission Generation), o CANATHON contribuirá para o mercado conhecer novas tecnologias e ideias, além de ser uma excelente ferramenta para troca de experiências e criação de negócios promissores.

“Ainda que o Brasil tenha papel de destaque na produção e consumo do etanol, o mercado de biogás ainda é incipiente no Brasil e tem capacidade de agregar muito valor. Inovar é a alma do mercado de bioenergia. O profissional que deseja atuar neste mercado deve estar antenado as tendências e novas tecnologias, ser disruptivo, criativo, flexível e estar preparado para errar algumas vezes antes de acertar”, afirma Rossi.

Segundo Maurício de Menezes, gerente de Marketing Tático da John Deere, eventos como o CANATHON proporcionam uma grande oportunidade de se inserir empresas e pessoas em um ambiente que estimula a inovação e que permite o surgimento de ideias disruptivas para o setor da bioenergia.

“A John Deere é uma empresa comprometida em fornecer produtos, tecnologia e serviços avançados para os produtores, aumentando a eficiência da agricultura brasileira e ajudando na missão de alimentar o mundo de forma sustentável. Quando pensamos em tornar os recursos renováveis, como é o caso da bioenergia, em uma oportunidade de negócio, já damos passos importantes em identificar pontos de melhoria e como tornar o nosso empreendimento mais rentável e responsável. Ainda temos muito potencial para aprimorar a eficiência do sistema bioenergético com muita tecnologia. Por exemplo, estamos inovando o mercado a partir do desenvolvimento da colhedora de cana CH 950, criada especialmente para o mercado brasileiro e que possui diferenciais importantes para o segmento canavieiro, como as duas linhas de corte trabalhando simultaneamente, trazendo também diminuição na compactação de solo em até 60%, e redução de 30% no consumo de combustível”, afirma Menezes.

Abertura

Nesta quinta-feira, dia 20, durante a primeira semana de conteúdo digital da FENASUCRO & AGROCANA TRENDS, acontecerá um encontro de diversas personalidades de toda a cadeia do mercado de bioenergia para debaterem sobre o impacto da inovação para o setor sucroenergético, a partir das 16 horas. Mais detalhes pelo link http://bit.ly/3iVLlCM.

Em seguida, a partir das 18hs, iniciam-se oficialmente os desafios do CANATHON, ao vivo e com abertura de grandes nomes, que darão as boas-vindas para os maratonistas e mentores. Para acompanhar, acesse a partir das 18h, pelo link http://bit.ly/31bS59S .

Automatizar o fluxo de trabalho da equipe é não se perder nas atividades remotas

Por Ricardo Recchi

A adoção em massa do trabalho à distância – uma das recomendações das organizações de saúde na contenção da pandemia do Coronavírus, e sua possibilidade de prorrogação, intensificou não somente o número de calls, mas alguns dos problemas já existentes nas empresas, como a falta de gestão dos processos e suas consequências.

Isso porque, com o distanciamento entre os membros de uma equipe, algumas questões antes resolvidas ‘no ato’, agora podem se perder por necessitar de um alinhamento virtual. E aqui há um risco iminente de queda de produtividade ou a perda de controle dos processos que, por vezes, passam por diferentes fases e profissionais, resultando em retrabalhos e atrasos. Essa falta de organização pode ser resolvida com a automação das atividades, que entram em ação por meio de ferramentas de acompanhamento dos fluxos de trabalho.

Os ganhos ocorrem em todas as pontas. Pelo lado das empresas, elas passam a contar com processos mais ágeis e eficientes, dando aos gestores a condição de acompanhar e avaliar a evolução das atividades, mantendo a performance da equipe. Para os colaboradores, a comunicação e o reporte aos superiores ficam mais facilitadas. O resultado é um fluxo de trabalho sem interrupções e com foco na execução, evitando a perda de tempo com o processo.

Isso significa manter a velocidade das entregas, principalmente neste momento em que todos estamos (e continuaremos) dispersos. Mais uma vez observamos que as tecnologias têm se mostrado cada vez mais essenciais para as empresas na obtenção de respostas imediatas, permitindo não somente a continuidade dos negócios, mas a melhoria da qualidade, mesmo com equipes reduzidas.

Em linha com essa demanda por agilidade, a adoção de soluções low-code – com pouca linguagem de programação e necessidade de infraestrutura, vem ao encontro dessa demanda por rapidez no desenvolvimento de aplicações e simplicidade de utilização das soluções.

O Covid-19 nos trouxe o impulsionamento do uso da tecnologia, que se tornou essencial para manter as empresas organizadas internamente, principalmente sob o ponto de vista das comunicações, para suportar o externo, ou seja, as mudanças que já aconteceram e acontecerão no mundo dos negócios daqui por diante.

Ricardo Recchi, country manager da Genexus Brasil, desenvolvedora da ferramenta de automação de fluxos de trabalho GXflow

Paula Paschoal é nova conselheira do PRAVALER

O PRAVALER, maior fintech de soluções financeiras para educação e líder no segmento de financiamento privado do ensino superior, anuncia a chegada de Paula Paschoal ao conselho administrativo da empresa.

Com sólida experiência em serviços financeiros e consultoria, Paula Paschoal chega ao PRAVALER com o compromisso de apoiar o processo de aperfeiçoamento das estratégias e expansão do negócio, que tem meta de superar um milhão de alunos, cinco vezes o volume atual, até 2025. Recentemente, a fintech foi reconhecida como uma das empresas que crescem mais rápido nas Américas pelo Financial Times. “É uma honra integrar o conselho administrativo de uma fintech que vem crescendo consistentemente nos últimos anos e tem o propósito de democratizar o acesso à educação. A inserção de pessoas com baixa renda nas faculdades é um passo importantíssimo na luta contra desigualdade”, afirma.

Com mais de 15 anos de experiência no desenvolvimento de negócios de várias empresas, Paschoal também é defensora da igualdade de gênero e da diversidade dentro das empresas, com reconhecimento como uma das 40 mulheres mais poderosas do Brasil de acordo com a Forbes. Nos últimos 10 anos, a executiva atua no PayPal Brasil, tendo passado pelas áreas de Desenvolvimento de Negócios e Comercial. Desde 2017, é diretora sênior da companhia no País, estando à frente da estratégia da empresa no maior mercado na América Latina.

Como o RH pode potencializar o resultado no retorno das atividades

A pandemia do novo coronavírus fez com que as rotinas passassem por mudanças. Entre as ações rotineiras que tiveram que ser alteradas por conta da COVID-19, está a maneira de trabalhar, como é o caso da adoção do home office. Esta modalidade de trabalho tem sido muito usada para que as empresas continuem em funcionamento durante a crise, ainda, muitas dessas instituições prometem manter esse modelo, mesmo após o fim da pandemia. Apesar dos números de casos da doença ainda estarem altos, muitas empresas já sinalizaram o retorno de atividades. Dessa forma, os RHs das instituições repensam como manter o distanciamento social, a organização e o fluxo para que se evitem contaminações.

De acordo com o Adriano Gonçalvez, gerente de negócios em RH da Employer, um grande aliado das empresas neste momento são as soluções tecnológicas especializadas para o RH, que simplificam rotinas, aumentam a produtividade e trazem inúmeros benefícios aos profissionais de recursos humanos, garantindo a saúde de todos e a segurança de informações sensíveis. “Dentre as soluções que trazem eficiência para empresa, principalmente nesse momento, são o sistema de ponto online, holerite digital com canal de comunicação online entre empresa e colaboradores e plataforma de contratação totalmente digital, tudo integrado a folha de pagamento que está sempre atualizada com as diretrizes das medidas provisórias do governo. Dessa forma, com a adesão dessas tecnologias, as equipes realizam seus processos de RH de forma mais rápida, com maior nível de informação para orientar as decisões estratégicas e preservar a saúde de todos, o que é o mais importante nesse momento”.

Além da tecnologia que é fundamental para essa retomada, Gonçalvez comenta sobre medidas que as empresas devem tomar no dia a dia com intuito de retornar ao ambiente de trabalho de forma segura. “Muitas atividades não podem ser substituídas pelo home office. Dessa forma, as empresas que estão voltando devem garantir o distanciamento social, como por exemplo, durante as entrevistas de emprego com os candidatos. Sem contar com a utilização das máscaras que é indispensável. Além disso, tem que haver também cuidado com o local de trabalho que deve estar bem arejado e com cadeiras espaçadas caso os funcionários precisem compartilhar o mesmo ambiente. Não sabemos ainda até quando a pandemia vai durar, por isso é extremamente necessário que empregador e empregado sigam corretamente as orientações”, afirma.

Segundo a Portaria divulgada pelo Diário Oficial da União, que tem como objetivo estabelecer medidas de prevenção e controle na transmissão da COVID-19 nas atividades industriais, os trabalhadores devem utilizar máscaras de tecido e cirúrgicas, trocando a cada três horas de uso ou quando estiverem sujas ou úmidas. “É extremamente importante que as empresas leiam o comunicado e façam as adaptações para oferecer um ambiente seguro”, diz.

Segundo Gonçalvez, as relações de trabalho também passaram por mudanças, com a adoção de modelos de teletrabalho, previstos na Medida Provisória 927, que autoriza as empresas a adotarem o home office para tornar a rotina de trabalho possível. “Mesmo com a retomada de forma gradual de algumas empresas, empregados que são do grupo de risco, ou que convivem com pacientes de risco devem realizar o teletrabalho para sua segurança e da família”, explica. Ele comenta ainda que, com a crise econômica, o home office é uma excelente alternativa para que as empresas não fechem.

As empresas que não conseguem adotar 100% o home office e estão retornando, necessitam criar um novo fluxo para realizar o trabalho com segurança. “Pode ser interessante nesse momento a flexibilização de turnos, que evita os horários de pico e alteração de dias de trabalho entre as equipes”, comenta.

Neste cenário a contratação de temporários é considerada uma das melhores saídas para que o contratante tenha rapidez e baixo custo. Com essa modalidade, o empregador prioriza a contratação de temporários que não fazem parte do grupo de risco, supre o setor que está defasado e pode ainda contratá-los quando a situação da empresa estiver melhor. “Por ser uma modalidade flexível e uma opção de contratação formal prevista na Lei n° 6.019, o trabalho temporário atua como um recurso seguro tanto para as empresas, quanto para os contratados. Essa forma de contrato temporário está sendo umas das principais adaptações para a crise, ajudando a minimizar os impactos econômicos durante esse período de incertezas”, afirma o executivo.