Page

Author admin

Preço médio da gasolina no Brasil ultrapassa R$ 5, maior alta em mais de um ano

Este é o valor mais alto registrado pela ValeCard desde que iniciou a realização de levantamentos mensais de preços, em junho de 2019

O preço médio da gasolina comum no Brasil registrou alta de 4,08% na primeira quinzena de fevereiro e ficou acima de R$ 5, valor mais alto em mais de um ano. Nos primeiros quinze dias do mês, o litro do combustível foi comercializado a R$ 5,04, em média, segundo levantamento realizado pela ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas. Em janeiro, o valor médio cobrado nos postos do País foi de R$ 4,844.  

Esta é a oitava alta seguida registrada no preço da gasolina. De junho de 2020 até a primeira quinzena de fevereiro deste ano, o combustível ficou 21,7% mais caro. O aumento no valor cobrado pelos postos acompanha a alta na venda do produto pelas refinarias. Em janeiro, a Petrobras anunciou dois acréscimos na venda da gasolina: o primeiro foi de 7,6%; e o segundo, de 5%. Já em fevereiro, novo reajuste: desta vez, o combustível ficou 8% mais caro para sair das refinarias. Segundo a estatal, os reajustes são reflexos da valorização do petróleo no mercado internacional e da desvalorização do câmbio brasileiro. 

São Paulo foi o estado com o menor valor médio da gasolina: o litro custou, em média, R$ 4,63 nos postos paulistas na primeira quinzena deste mês. Já o Acre registrou o litro mais caro, a R$ 5,48. A maior alta de preços na quinzena ocorreu no Amazonas (5,74%) e a menor, na Paraíba (2,7%). Todos os Estados tiveram aumento no valor médio do litro do combustível. 

Obtidos por meio do registro das transações realizadas de 1º a 14 de fevereiro com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que, entre as capitais, Curitiba registrou a menor média na quinzena (R$4,597), e Rio de Janeiro, o valor mais elevado (R$5,335).  

Fonte: ValeCard

Preço médio por Estado (R$)  

Estado Média de Fevereiro (1ª Q)  Média Janeiro Variação (Valor) Variação Percentual 
AC                                  5,481                                                 5,269                                 0,2116  4,02% 
AL                                  5,242                                                 5,081                                 0,1611  3,17% 
AM                                  4,920                                                 4,653                                 0,2673  5,74% 
AP                                  4,745                                                 4,575                                 0,1703  3,72% 
BA                                  4,990                                                 4,780                                 0,2096  4,39% 
CE                                  5,093                                                 4,885                                 0,2075  4,25% 
DF                                  5,059                                                 4,827                                 0,2325  4,82% 
ES                                  5,056                                                 4,843                                 0,2131  4,40% 
GO                                  5,030                                                 4,884                                 0,1459  2,99% 
MA                                  5,039                                                 4,830                                 0,2083  4,31% 
MG                                  5,136                                                 4,945                                 0,1916  3,88% 
MS                                  5,026                                                 4,817                                 0,2096  4,35% 
MT                                  5,063                                                 4,872                                 0,1905  3,91% 
PA                                  5,214                                                 5,030                                 0,1837  3,65% 
PB                                  4,903                                                 4,774                                 0,1291  2,70% 
PE                                  5,045                                                 4,820                                 0,2250  4,67% 
PI                                  5,076                                                 4,864                                 0,2120  4,36% 
PR                                  4,722                                                 4,503                                 0,2192  4,87% 
RJ                                  5,349                                                 5,152                                 0,1967  3,82% 
RN                                  5,132                                                 4,955                                 0,1763  3,56% 
RO                                  5,174                                                 4,947                                 0,2275  4,60% 
RR                                  4,798                                                 4,599                                 0,1990  4,33% 
RS                                  4,978                                                 4,817                                 0,1611  3,35% 
SC                                  4,657                                                 4,461                                 0,1967  4,41% 
SE                                  5,074                                                 4,910                                 0,1643  3,35% 
SP                                  4,639                                                 4,461                                 0,1777  3,98% 
TO                                  5,191                                                 5,000                                 0,1914  3,83% 
Total Geral                                  5,042                                                 4,844                                 0,1977  4,08% 

Fonte: ValeCard  

Entre as capitais, Rio de Janeiro tem a gasolina mais cara do país 

A cidade do Rio de Janeiro (RJ) teve a gasolina mais cara nos postos de combustíveis do Brasil na primeira quinzena deste mês, a R$ 5,33 o litro, em média, seguida de perto pela capital do Acre, Rio Branco (R$ 5,31 o litro, em média).  

Já em Curitiba (PR) registrou o preço médio mais barato: R$ 4,59, acompanhada pela cidade de São Paulo, com R$ 4,63, em média, pelo litro de gasolina. 

Capital  Valor médio (R$)  
Aracaju  5,085  
Belém  5,207  
Belo Horizonte  4,996  
Boa Vista  4,832  
Brasília  5,054  
Campo Grande  4,980  
Cuiabá  4,801  
Curitiba  4,597  
Florianópolis  4,741  
Fortaleza  5,042  
Goiânia  4,897  
João Pessoa  4,817  
Macapá  4,779  
Maceió  5,152  
Manaus  4,854  
Natal  5,068  
Palmas  5,153  
Porto Alegre  4,888  
Porto Velho  5,037  
Recife  4,996  
Rio Branco  5,316  
Rio de Janeiro  5,335  
Salvador  4,913  
São Luís  4,986  
São Paulo  4,639  
Teresina  5,002  
Vitória  4,795  
Geral  5,011  

Fonte: ValeCard  

Pesquisa aponta que 72% dos pequenos negócios aumentaram as vendas pela internet durante a pandemia

No Brasil e no mundo, 2020 foi marcado pelo avanço na digitalização em diversos setores. Para as pequenas empresas, apesar da crise e do cenário econômico, o ano também foi de investimento e vendas em canais digitais. Para 2021, a tendência é que os empreendedores sigam apostando na Internet, e em especial nas redes sociais. É o que mostra uma pesquisa da ao³, uma marca que potencializa negócios de micro, pequenas e médias empresas e escritórios de contabilidade, realizada com donos de microempresas, empresários de pequeno porte e MEIs da indústria, varejo e serviços.

A “Pesquisa sobre as Perspectivas do Empreendedor Brasileiro para 2021” aponta que dos 140 empreendedores ouvidos, 60% vendem pela Internet. Entre os canais favoritos deles estão: Whatsapp (40%), redes sociais (27,7%), plataformas de terceiros (12,3%) e E-commerce (7,7%). Mesmo com a atual conjuntura econômica, 72% registraram mais vendas pela Web, sendo que 27% aumentaram as suas receitas em 10%, 21,6% em 20% e 21,6% em 50%.

Já em relação aos investimentos realizados na empresa, 44% mantiveram o valor aportado em 2019, 17,5% aumentaram em até 50% e 17,5% diminuíram em até 50%. Entre as razões que atrapalharam o crescimento dos negócios, as três mais mencionadas foram: pandemia (68%), carga tributária elevada (39%) e juros altos (28,5%).

Rumos para 2021

Sobre o crescimento econômico do País, a expectativa de 45% dos empreendedores é cautelosa, enquanto para outros 40% é favorável e para 13% desfavorável. Já quanto ao crescimento do próprio negócio, 50% dos pequenos empresários têm uma perspectiva cautelosa e 44% favorável. Para o faturamento, a projeção é positiva e 63% acreditam que irão faturar mais, 20% creem que a receita se manterá, enquanto 8% esperam um lucro menor.

Com relação a investimentos, os empreendedores se mostram mais otimistas: 45% respondentes pretendem injetar novos recursos na empresa, enquanto 34% não decidiram e 21%, não devem fazer investimentos. As áreas mais beneficiadas devem ser modernização (46%), marketing (46%) e nova linha de produtos (44,5%). Os canais digitais também estão entre as prioridades do ano: 60% dos entrevistados pretendem investir mais neles. Entre esses, as redes sociais serão o foco dos esforços de 49,5%, seguidas de e-commerce (24%) e plataformas de terceiros (10%).

“Em 2020, avançamos pelo menos duas décadas em termos de transformação digital. Essa mudança acelerada pressiona as empresas a se reinventarem. Quando pensamos no microempreendedor pode ser ainda mais desafiador, pois sabemos que ele desempenha muitas funções na empresa: faz a gestão, atende o cliente, fecha o caixa, fala com fornecedor, cuida das vendas, entre outras funções. Tudo isso, na maioria dos casos, sozinho. Por isso, nós acreditamos na importância da tecnologia simples, fácil de usar e eficaz para resolução de problemas e ajudar na digitalização dos pequenos negócios para que eles possam acompanhar as mudanças e evoluir”, diz Jorge Santos Carneiro, presidente da ao³.

NRF 2021: experiência e agilidade para o varejo do futuro

Por Tiago Mello, diretor de Produtos da Linx Digital

Pela primeira vez em 110 anos, a NRF teve sua primeira edição digital por conta da pandemia, mas, se pararmos para pensar no momento em que vivemos, de digitalização das coisas, o modelo on-line se encaixou perfeitamente. Foram seis dias intensos de conteúdo, um momento rico para olharmos o que as grandes marcas de varejo fizeram e estão fazendo na pandemia, uma vez que o comportamento de consumo mudou do dia para a noite.

Essa mudança, na verdade, já vinha acontecendo, mas sem dúvidas foi acelerada pelo isolamento social da Covid-19. De acordo com o Jornal Europeu de Psicologia, uma pessoa leva de 18 a 254 dias para formar um novo hábito. Já passamos esse prazo, o que quer dizer que os nossos hábitos de consumo já mudaram.

Nesse novo comportamento do consumidor, um a cada cinco clientes vai mudar como e onde compra; 80% vão continuar comprando digitalmente; 48% descobriram novas marcas através das mídias sociais e, para mim, o número mais marcante, 4 em cada 10 clientes fizeram uma compra online pela primeira vez durante a pandemia – esses foram alguns dos dados mais importantes do evento.

Mas o que esses indicadores nos dizem sobre o novo consumidor? O primeiro insight é que o varejo deve se tornar mais do que uma compra ou serviço: ele deve se desenvolver como experiência. O cliente não quer mais se sentir parte de uma massa de compradores, mas, sim, único e importante para a marca. Alguns modelos, como assinatura mensal de produtos personalizados ou pacote de benefícios se firmam como uma boa opção para o varejista fidelizar seus clientes.

Nesse sentido, a retomada do comércio físico deve ser adaptada. O conceito que chamamos de Phygital tem tudo para se firmar: a ideia é integrar o ambiente do e-commerce com a loja física, num modelo em que o vendedor não espera mais o consumidor vir até a loja, ele leva a loja até o consumidor a partir de uma equipe de vendas digitalizada. Mais do que isso, essa união dos canais tem potencial para levar a tal da experiência para o cliente, criando oportunidades para que ele use o produto comprado, mas também possa experimentar outros modelos – potencialmente uma venda futura. É o caso da Nike e seus clubes de corrida, por exemplo.

Do outro lado, o meio digital buscou uma forma de levar experiência ao cliente – característica das lojas físicas – pensando em conquistá-lo, já que havia uma crescente onda nesse modelo. Um bom exemplo de experiência no digital são as Dark Stores, com atendimento live streaming por cliente, mostrando que ele não é só mais um consumidor.

Ao mesmo tempo em que a experiência virou o centro, o cliente também se transformou em “now costumer” – algo como consumidor imediatista. Esse é o consumidor ansioso que se consolidou na pandemia, que quer tudo para agora e agilidade é regra para ele. É um cliente que não compara os produtos entre as marcas e, sim, as experiências que elas ofertaram. Por exemplo, se uma marca entrega um mesmo produto em dois dias, por que ele deve esperar 10 para comprar com você? Neste caso, algo que já está acontecendo é as lojas atuarem como mini centros de distribuição, uma solução que vem chamando a atenção dos varejistas pelos benefícios logísticos e financeiros e que serve para adaptar a loja a essa velocidade no delivery.

Para o futuro, em uma das palestras foi citada uma empresa holandesa que percebeu que o setor de mercearia foi o último a se digitalizar. Então, a empresa, por meio da análise de dados e de demandas, montou algumas rotas com carros elétricos que rodam uma vizinhança, por exemplo, com itens mais propensos a serem comprados naquele local. Quando uma venda (digital) acontece, o carro entrega os produtos na sua casa entre cinco e vinte minutos. É o mundo hyper local em ação.

O now costumer espera que o varejista esteja online para atendê-lo rapidamente, espera que seja ominichannel e, se essas experiências estiverem dentro do padrão de consumo que ele está acostumado, ele irá recompensar comprando na loja. Neste contexto, os programas de fidelidade também surgem como uma vantagem competitiva. Afinal, se o varejista não conseguir fazer o cliente voltar para comprar de novo, ele não o merece.

Os consumidores ditam como o varejo deve caminhar. O varejista que quer performar bem enquanto a pandemia não acaba, mas também estar preparado para quando o mundo físico, presencial voltar, precisará buscar a combinação mágica entre experiência diferenciada e agilidade. Se Darwin me permite parafraseá-lo, no mundo [do varejo], quem sobrevive não é o mais forte e sim aquele que consegue se adaptar mais rapidamente [ao mercado]. A adaptabilidade dos varejistas definirá o futuro dos negócios.

Digital Innovation One recebe aporte de R$ 3,5 mi da DOMO Invest para ampliar a formação de novos programadores

A Digital Innovation One, plataforma de educação em desenvolvimento de software que conecta empresas com os melhores programadores, acaba de receber um aporte de R$ 3,5 milhões da gestora de fundos venture capital DOMO Invest. Com uma comunidade de mais de 300 mil pessoas que aprendem de forma colaborativa e gratuita na plataforma, a startup acelera a formação de talentos através de bootcamps e cursos online, dessa forma, potencializa as empresas a contratar programadores e desenvolver seus colaboradores em tecnologias emergentes para criar times ágeis de software.

Fundada em 2018 por Iglá Generoso, Gustavo Pereira e Pablo Zaniolo, a DIO tem o propósito de promover transformação social através da democratização do conhecimento em desenvolvimento de software e da conexão de talentos com as oportunidades do mercado de trabalho. Atualmente possui parcerias para formação de talentos em programas gratuitos coordenados pelos Governos Estaduais de São Paulo, Minas Gerais, Maranhão e Alagoas, além de 160 instituições de ensino de todo o Brasil. Em 2019, a startup recebeu investimento do fundo internacional TheVentureCity e iniciou o seu processo de internacionalização. Capacitando talentos para grandes empresas globais como everis, Avanade, GFT, Impulso, Banco Carrefour e Carrefour, a startup alcançou um crescimento de 700% no faturamento de 2020 e com o novo aporte quer alcançar um milhão de talentos em 2021.

“Além de intensificar os programas de formação e aceleração de talentos em tecnologias emergentes junto com grandes empresas, vamos ampliar os programas educacionais e a colaboração com instituições de ensino de nível superior e técnico de todo país, empoderando e potencializando o talento de professores e estudantes de tecnologia para reduzir a lacuna de conhecimento e criar atalhos para o mercado de trabalho”, comemora Iglá Generoso, co-fundador e CEO da startup.

A rápida evolução e adoção da tecnologia cria um déficit contínuo de conhecimento no setor e tem exigido que empresas e instituições de ensino desenvolvam melhores programas para formação e aperfeiçoamento profissional contínuo. A falta de mão de obra qualificada é o principal fator que levou mais de 1 milhão de vagas de tecnologia não serem ocupadas no ano de 2020 em todo o mundo. Apesar desse contexto desfavorável no tocante à formação de profissionais, entidades projetam o alto crescimento da demanda no setor. No Brasil a Brasscom estima que até 2024 o segmento precisará de 420 mil novos profissionais. Nos Estados Unidos, o U.S. Bureau of Labor Statistics projeta um crescimento de 22% na carreira de desenvolvimento de software até 2029. Ou seja, terá uma alta mais rápida do que a média de todas as ocupações do país.

“Desde 1998, quando fundei o Buscapé, a demanda por desenvolvedores de software só aumentou. Com a criação de centenas de novas tecnologias esse mercado ficou mais exigente e sofisticado, e os programadores passaram a ser vistos como peça fundamental na evolução da área digital das empresas. Hoje em dia, é impossível imaginar um grande player do mercado ou até mesmo uma startup que está apenas começando, sem a presença de um programador ou um time desses profissionais. A demanda por especialistas nessa área está maior e também por já ter vivenciado isso ao longo da minha carreira, nós da DOMO acreditamos que o serviço oferecido pela DIO é de de grande importância para o cenário atual e para o futuro”, conta Rodrigo Borges, fundador do Buscapé e atual sócio da DOMO Invest.

Formação conectada com o mercado de trabalho

Com foco na demanda de profissionais e na especialização requerida por grandes empresas, a Digital Innovation One cria trilhas imersivas de treinamento em desenvolvimento de software com experts do mercado e especialistas das empresas integrantes da plataforma. O objetivo é reduzir a lacuna de conhecimento e criar atalhos para que os profissionais conquistem oportunidades mais rapidamente. Com o resultado conquistado em 2020, a startup renovou o contrato com todos os clientes e fechou novas parcerias. Assim, em 2021, serão distribuídas milhares de bolsas de estudo para toda a comunidade aprender e se especializar nas tecnologias usadas por grandes empresas como everis, Avanade, GFT, Impulso, Banco Carrefour, Carrefour, Órbi, Localiza, Banco Inter, MRV, entre outras.

A metodologia educacional usada pela startup é proprietária e foi personalizada depois de um profundo estudo sobre melhores práticas e casos de sucesso na formação de talentos em ecossistemas tecnológicos de alto nível na China, USA, Europa e Brasil. Com cursos, mentorias, projetos práticos e desafios de codificação, a plataforma potencializa os estudantes de forma prática, imersiva e gamificada, identificando os principais talentos e recomendando-os para que as empresas tenham acesso aos candidatos mais qualificados e reduzam o tempo de contratação. As pessoas não admitidas recebem recomendações de desenvolvimento, criando um ambiente sustentável de aprendizagem continuada conectado com uma grande comunidade colaborativa e oportunidades de trabalho.

Na busca por aproximar ainda mais os alunos do mercado e promover a capacitação contínua de professores, instituições de ensino como o Centro Paula Souza do Estado de São Paulo, o Instituto Federal do Estado do Rio de Janeiro, o CEFET do Estado de Minas Gerais, entre outras, fecharam contratos de parceria não onerosos com a startup e estão acelerando a conexão de milhares de novos talentos com oportunidades de aprendizagem e trabalho promovidos pela Digital Innovation One.

Startup do Cietec fornece proteínas para viabilizar teste rápido de Covid-19

Para facilitar a testagem da Covid-19 no Brasil, a Biolinker, startup de biotecnologia residente na Incubadora USP/IPEN-Cietec, forneceu a proteína sintetizada do coronavírus para pesquisadores do Instituto de Química de São Carlos (IQSC) da Universidade de São Paulo (USP), com o objetivo de ajudar na viabilização da aplicação em massa do teste rápido da doença.

A tecnologia também será capaz de revelar se a pessoa que tomou uma determinada dose de vacina já produziu anticorpos, podendo auxiliar o médico a identificar a necessidade de acompanhamento do paciente no processo de imunização. Além disso, o dispositivo permitirá ainda o rastreamento de imunidade de variantes do vírus.

Como funciona

O dispositivo analisa uma gota de sangue retirada do paciente em busca de anticorpos que permitam detectar a doença. Para baratear sua produção, os pesquisadores utilizaram a estratégia de otimizar a quantidade de insumos do material e utilizar nanopartículas para a localização dos anticorpos.

As nanopartículas são imprescindíveis na reação que indica a presença dos anticorpos na corrente sanguínea do paciente. A molécula que contém a proteína do coronavírus foi sintetizada no laboratório da Biolinker, na Incubadora USP/IPEN- Cietec.

Os pesquisadores utilizam a informação genética do vírus e inserem em bactérias que se multiplicam e produzem a proteína em larga escala, em seguida, ela é purificada. Esta técnica difere bastante das que costumam ser usadas nos testes importados. “A produção em bactérias é muito mais barata e escalável do que a produção em células humanas, e isso reduz muito o custo”, afirma Mona Oliveira, CEO da Biolinker.

Além da USP, outras universidades brasileiras estão usando as proteínas da Biolinker para projetos de P&D na área do Covid-19.

O estudo

A pesquisa foi financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES).

O estudo foi coordenado pelo professor do IQSC, Frank Crespilho. Além do docente e sua equipe, a Biolinker e a doutoranda do IQSC, Karla Castro, pesquisadora da rede MeDiCo, também participaram da pesquisa e desenvolveram o teste no tempo recorde de cerca de quatro meses.

O grupo do Prof. Frank Crespilho é referência internacional em desenvolvimento de biossensores e nosso colaborador em projetos de pesquisa aplicada e inovação. Com a pandemia, vimos uma excelente oportunidade em participar do desenvolvimento dos bioligantes (moléculas sondas) para detecção de anticorpos do coronavírus”, informa Mona.

Próxima etapa

O teste já está pronto para produção em larga escala e passará, em breve, pela regulamentação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA).

A empresa prevê que o custo para o consumidor seja de R$30,00, praticamente cinco vezes menos do que os testes disponíveis hoje no mercado, vendidos por cerca de R$ 140,00. “Para que o produto possa ser escalonado, é preciso buscar parcerias com grandes indústrias”, ressalta a CEO da Biolinker.

Para Sergio Risola, diretor-executivo do Cietec, é preciso que o Brasil aumente significativamente seu investimento em ciência e inovação e fortaleça a chamada Tríplice Hélice, que conecta empresas, universidades e governo, permitindo a geração e a transferência de conhecimento científico para atender as demandas da sociedade. “Claro que essa necessidade depende da realidade que vivemos, da situação orçamentária federal e estadual, mas acreditamos que este cenário atual de pandemia aumentará a união da triple-hélice, bem como os investimentos em pesquisas científicas”, finaliza Risola.

O trabalho remoto na low touch economy

Por Daniel Schwebel, Country Manager da Workana no Brasil

Devido às restrições para evitar a disseminação do coronavírus, deixamos os escritórios às pressas para trabalhar de casa. Essa nova realidade agradou 94,2% dos profissionais com carteira assinada que disseram querer continuar trabalhando remotamente após a pandemia, como revelou o relatório anual da Workana , maior plataforma que conecta freelancers a empresas da América Latina. Com isso, considerando a redução das interações pessoais, pude notar que, no vácuo dessa transformação remota, cresceu a economia de pouco contato, na qual as negociações e relações de trabalho se dão sem a necessidade de presença física – low touch economy -, que eu acredito ter vindo para ficar.

É fato que, por uma questão de responsabilidade social, muitas pessoas continuam seguindo os protocolos de saúde. Mas os profissionais se adaptaram tão bem aos novos hábitos, e ficou tão claro às empresas que não é necessário estar em um espaço físico para manter suas equipes produtivas – além do tempo que todos ganham por não precisarem se deslocar até o local de trabalho -, que ainda de acordo com o relatório 23,8% dos líderes apostam no fim ou redução dos escritórios, e 63,2% deles disseram ter notado que a produtividade dos funcionários aumentou ou permaneceu a mesma. Entre a maioria dos profissionais, o sentimento também foi de um melhor desempenho no home office. 81,9% acreditam que a produtividade foi excelente ou muito boa .

Claro que, para viabilizar isso, é vital fornecer aos trabalhadores todas as ferramentas tecnológicas possíveis, como equipamentos, softwares de trabalho colaborativo , e abrir canais online de acesso direto ao consumidor, combinando modelos que eram tipicamente B2B com estratégias B2C. Mas há muitos outros desafios, pontos que merecem atenção em tempos de low touch economy, para que o desenvolvimento se dê de forma sustentável. A começar pela saúde mental, que foi algo que pesou para 43,7% dos profissionais que sentiram que esse novo modelo de trabalho comprometeu seu psicológico.

Daí a importância de repensarmos nossa rotina de modo a equilibrar vida pessoal e profissional, melhorarmos nosso ambiente de trabalho em casa para manter a boa produtividade e, no caso dos gestores, posicionar sempre os colaboradores como centro de tudo, o que chamo de professional centric, que é voltar o olhar às necessidades e anseios dos profissionais, atendê-los para, como consequência disso, obter bons resultados, e não focar nos resultados esquecendo aqueles que os tornam possíveis.

91% dos trabalhadores CLT acreditam não precisar trabalhar exatamente 8 horas por dia, todos os dias, em um escritório, para obter bons resultados. Acredito ser um ótimo momento para os líderes ouvirem mais as demandas dos funcionários e buscarem maneiras de proporcionar mais qualidade de vida a eles.

Não é porque a digitalização se tornou obrigatória e a interação presencial inviável, que a comunicação deve diminuir e todos os processos se tornarem quase que robóticos. Trabalhar em casa significa desconstruir a barreira do privado, para sermos capazes de gerar mais empatia. Em tempos de low touch economy, fazer networking, exercer sua profissão e fechar negócios online precisa ser solução, e não problema.

Posicionamento da Anjos do Brasil sobre o texto do Marco Legal das Startups em tramitação no Senado Federal

O Marco Legal de Startups, aprovado em votação pela Câmara dos Deputados e agora em discussão no Senado Federal, tem uma enorme importância para o desenvolvimento do ecossistema de startups Brasileiro. Estas empresas inovadoras apresentam modelos de negócios, estruturas de investimento e relações de trabalho que são específicas e necessárias para o crescimento do negócio.

Dentro da proposta percebemos ter avanços significativos, mas não podemos deixar de mencionar que a redação final do texto deixa de lado quatro pontos essenciais para que o Marco Legal das Startups tenha um real impacto positivo para o ecossistema empreendedor inovador:

Ponto 1 – Inclusão da Possibilidade de Startups organizadas na forma de Sociedades Anônimas aderirem ao Simples Nacional

Ponto 2 – Equiparação tributária dos investimentos em Startups aos investimentos em imóveis ou no agronegócio (LCI/LCA)

Ponto 3 – Garantir o caráter mercantil das opções de compra distribuídas em Planos de Opções de Ações (Stock Option Plans) distribuídas a colaboradores, prestadores de serviço ou outros

Ponto 4 – Garantir a dispensa das publicações legais, ou a publicação exclusivamente no site da empresa, e os livros digitais para as Startups constituídas na forma de Sociedades Anônimas, sem limite de sócios

Cassio Spina, presidente e fundador da Anjos do Brasil, afirma que estes pontos já haviam sido discutidos durante toda elaboração deste Projeto de Lei. “A aprovação deste PLP sem os mesmos implicará que o mesmo terá pouca relevância para estimular o desenvolvimento do empreendedorismo inovador brasileiro.”

Saiba mais na Nota técnica para o Senado, assinada por 37 organizações do ecossistemahttp://bit.ly/NotaTecnicaPLP146-MLS

Tmov, marketplace de cargas da Sotran, recebe investimento de R$100 milhões do Arlon e Grupo Fitpart

Aporte irá viabilizar o crescimento do principal marketplace de logística do agronegócio no Brasil, além de impulsionar em 70% o número de contratações para a área de tecnologia da empresa

A Sotran, logtech líder do setor de transporte rodoviário de cargas para o agronegócio, anuncia investimento de R$ 100 milhões liderado pelo Arlon Group, fundo de private equity norte-americano, e pelo grupo FitPart, investidor de longo prazo. Este é o segundo investimento que a companhia recebe.   

Com o aporte, a Sotran tem planos de escalar ainda mais o seu marketplace de logística do agronegócio, o Tmov, ampliar e fidelizar a base de motoristas e lançar novos produtos digitais focados em caminheiros, embarcadores e transportadoras. Para isso, os planos são audaciosos e os números confirmam. A Sotran atingiu 1.3 bilhão de faturamento, em 2020, e a estimativa é crescer 40% em receita ainda este ano. A receita da empresa ligada à sua plataforma digital Tmov cresceu 201% de 2019 para 2020, tendo em vista a atuação da empresa com foco na digitalização da jornada da sua base de mais de 180 mil caminheiros.

Ao olharmos para o mercado mundial de logística e seus principais players, iremos perceber que existem dois modelos que competem. De um lado, as transportadoras digitais, e de outro, as empresas que oferecem um conceito de arquitetura aberta para anúncio online de cargas. A Sotran, com toda a sua expertise e tecnologia de ponta, entra nessa guerra ideológica com soluções para os dois públicos, oferecendo a solução de uma transportadora digital e acesso a uma plataforma de marketplace de logística para embarcadores e transportadoras que desejam digitalizar as suas operações. 

“A visão da Sotran é abrir o caminho digital para um futuro melhor dos caminheiros. Nos últimos anos, tivemos muito sucesso em alavancar tecnologia para aumentar a receita e o lucro dos milhares dos motoristas que utilizam a nossa plataforma a cada mês. E no processo, reinventamos a jornada trazendo maior visibilidade e transparência na cadeia para os nossos clientes embarcadores. Com este aporte, vamos ter recursos para expandir a nossa base e investir ainda mais no nosso principal produto, o Tmov, agora em soluções de marketplace para embarcadores e transportadoras. Também ampliaremos o time de tecnologia em mais de 70%”, afirma Charlie Conner, CEO da Sotran Logística.

No portfólio da Sotran estão mais de 900 clientes, como Seara, Cargill, Coamo, Coopersucar, Yara e BRF. O agronegócio é o carro-chefe, tendo como maior demanda da empresa o transporte de soja, açúcar e milho, mas a Sotran opera com o transporte de cargas em outros segmentos também, a exemplo de fertilizantes.

A maré está para as logtechs

O setor de logística tem sido alvo de forte disrupção nos últimos anos, no mundo inteiro, dada a importância para as economias, as ineficiências das cadeias em muitos países e a capacidade da tecnologia de melhorar a experiência do usuário e aumentar a eficiência. No Brasil, a Sotran é uma das principais protagonistas da transformação digital neste segmento. A plataforma Tmov é um exemplo de marketplace que oferece uma das poucas soluções integradas, de ponta a ponta.

O app conecta motoristas e cargas disponíveis, em tempo real e em todo o território nacional, em poucos cliques e de forma automatizada, permitindo velocidade e precisão nas entregas. Além disso, oferece aos caminhoneiros e gestores de frota uma gestão logística completa, incluindo gerenciamento de risco inteligente, serviços financeiros e uma carteira digital em que os motoristas podem receber pelo frete, fazer saques, fazer uma gestão financeira e reduzir o custo do diesel.

Empresas já conhecidas, como Uber Freight, Convoy, Full Truck Alliance e Blackbuck, são exemplos bem-sucedidos nos mercados dos EUA, China e Índia.

Atualmente, o Tmov já soma mais de 100 mil downloads, 60 mil usuários mensalmente ativos e mais de 75 mil contas no cartão de débito da plataforma. A Sotran tem em seus planos continuar investindo em produtos digitais e na expansão da base de caminheiros para o transporte rodoviário de cargas, que representa mais de R$ 400 bilhões no País e só o setor de agro rodoviário corresponde a R$ 40 bilhões.

“Acreditamos no potencial do Tmov para elevar o nível de inovação na logística. O mercado pode esperar novidades em termos de produtos digitais para motoristas, frotistas, embarcadores e grandes empresas que precisam transportar sua matéria prima, principalmente, com as últimas safras recordes que o Brasil teve e as próximas que já são esperadas”, aponta Bruno Martins Silva, Managing Principal da Arlon.

O Lazard atuou como assessor financeiro exclusivo da Sotran para a operação.

Final Level anuncia aporte de R$ 8.5 milhões

A Final Level, maior plataforma de entretenimento gamer do Brasil, anuncia aporte de R$ 8.5 milhões co-liderado por sócios da Atmos Capital, Outfield Capital, a inglesa 1st11, além de family offices, como a Kaducaio Holding, do gestor Kadu Cunha, sócio do Grupo Mantiqueira. Após se firmar com a proposta única de valor de ser o ponto de encontro de todas as comunidades gamers e principal parceiro de negócios do mercado para criadores de conteúdo nos segmentos de games e esports, a Final Level tem como objetivo se aproximar ainda mais do consumidor final e fortalecer o desenvolvimento da cultura gamer e o gaming lifestyle por meio da tecnologia.


“Nosso propósito desde o início foi reunir tudo o que o fã de games busca e deseja. A ‘porta de entrada’ num ambiente extremamente pulverizado e dinâmico, com oferta infinita de conteúdo em diversas plataformas. A empresa, que nasceu com forte vocação publicitária e inovou com a criação de pacotes de conteúdo anuais, atraiu marcas como Oi, Ame Digital, Coca Cola, além das mais diversas publishers”, afirma Fernanda Lobão, cofundadora e CEO da Final Level. “A próxima fase toma partido de todas as forças que construímos de branding, hub de criadores de conteúdo, comunidade e engajamento para estabelecer uma relação direta com a comunidade gamer e expandir o ecossistema Final level com novos produtos e serviços que ampliam a experiência do fã nesse ambiente de pura paixão”.


Criada em 2018, a Final Level formou um hub com os melhores creators de games do mercado, pioneiro no mundo, que já soma mais de 60 milhões de inscritos nas redes sociais e quase 500 milhões de views mensais apenas no YouTube. São números expressivos que mostram a dimensão de um mercado que movimentou US$ 180 bilhões globalmente no ano passado, mais do que as indústrias do cinema e da música juntas. Os dados são da consultoria IDC. Estima-se ainda que, em todo mundo, mais de 2,7 bilhões de pessoas joguem algum game, seja no PC, no celular ou em consoles.


Os chamados eSports, por sua vez, atraem quase meio bilhão de espectadores e o ano de 2021 marca o fortalecimento da divisão de eSports da Final Level, com time próprio, os Gamelanders, para disputar competições, line up feminino e a organização de campeonatos

em parceria com grandes marcas, como a gigante dos shopping centers brMalls, e alguns dos mais relevantes influenciadores gamers, como Rakin e Baiano, referências nos cenários de Valorant e League of Legends, respectivamente. Por aqui, o mercado de games movimentou US$ 1,5 bilhão no ano passado, cerca de R$ 5,6 bilhões, segundo dados da Newzoo, e conta com aproximadamente 75,7 milhões de players. Mais de 90% deles assistem a vídeos de games na internet. Não por acaso, o dream team de influenciadores da Final Level atua na co-criação de conteúdo autêntico, inédito e diário para múltiplas plataformas, como YouTube, Instagram, TikTok, Spotify, Facebook, Twitter e Telegram, engajando assim toda a comunidade de maneira disruptiva.


“A Final Level é um exemplo perfeito do novo modelo de mídia e de construção de comunidades. Acreditamos muito no potencial de crescimento do negócio, por conta da visão inovadora sobre como interagir com a comunidade gamer, sempre criando conteúdos de qualidade e retratando como ninguém esse lifestyle. Os games são a principal plataforma de entretenimento do mundo e a Final Level está muito bem posicionada para ser uma das protagonistas desse mercado”, afirma Pedro Oliveira, cofundador da OutField Capital. O fundador e chefe de operações da 1st11 no Brasil, Flávio Maria, reforça esse pensamento. “Fazer um investimento no Final Level é uma declaração considerável e um incentivo importante para nossos planos nos próximos 5 anos”, comenta.


Os novos investidores se unem assim aos outros sócios de peso da Final Level, como Felipe Neto, maior youtuber do Brasil e segundo mais assistido do mundo em 2019, João Pedro Paes Leme, ex-diretor executivo de esportes da Rede Globo, o técnico e empresário Bernardinho, bicampeão olímpico, e Marcos Vinicius Freire, ex-diretor executivo do COB.


O bem sucedido modelo da Final Level vem chamando a atenção de players de diversos países e a primeira parada da marca fora do Brasil será na Espanha. Recentemente, a Final Level anunciou uma parceria com a produtora de conteúdo Grupo Xanela Producciones, responsável pela plataforma na capital da Espanha. O plano é “exportar” o modelo, a exemplo do que fez a Endemol, produtora holandesa por trás do Big Brother e Masterchef. A expectativa é que a estreia na Espanha ocorra no segundo semestre deste ano. Como se vê, o jogo da Final Level está apenas começando.

Descomplica recebe aporte de R﹩ 450 milhões, maior rodada de investimento de uma EdTech na América Latina

O Descomplica, primeira EdTech brasileira a ingressar no mercado de ensino superior, fechou nova rodada de R﹩450 milhões, co-liderada pelos fundos de investimento Invus Opportunities e SoftBank, com participação do fundo Valor Capital Group, da Península Participações, a Chan Zuckerberg Initiative (CZI) e Amadeus Capital Partners. The Edge, guitarrista da banda irlandesa de rock U2, também participou da rodada.

Maior rodada de investimentos de uma EdTech na América Latina, os recursos serão direcionados para a Faculdade Descomplica, além de aquisições, crescimento de portfólio e desenvolvimento de produto. “Queremos construir a maior faculdade do Brasil, chegando rapidamente a um milhão de alunos no modelo 100% digital. Oferecemos modelos inovadores e capazes de inserir o aluno diretamente no mercado de trabalho”, diz Marco Fisbhen, CEO do Descomplica. “Nossa pedagogia digital é totalmente habilitada por tecnologia. Durante todas as aulas, nossos estudantes reagem em tempo real ao conteúdo e recebem materiais apropriados, de acordo com os seus sentimentos e nível de compreensão da matéria. Essa é apenas a ponta do iceberg e, ao operar na fronteira entre tecnologia, educação e mídia, somos muito orgulhosos do nosso propósito, de que aprender é realmente pra todo mundo, independente das realidades socioeconômicas de cada um”.

“O Descomplica é um salto enorme na educação do Brasil, com potencial para ajudar milhões de pessoas a entrarem no mercado de trabalho e mudando efetivamente a vida delas para uma realidade que antes julgavam inacessível”, comenta David Kahane, Sócio da Invus Opportunities.

“Estamos entusiasmados em apoiar o Descomplica, que leva educação de qualidade para o mercado de massa, movido por tecnologia, a milhões de brasileiros”, diz Paulo Passoni, Managing Investment Partner do SoftBank.

“O Descomplica há anos vem mudando o panorama da educação no Brasil e estamos muito comprometidos com seu crescimento nos próximos anos. Acreditamos numa estratégia de investimento de ciclo de vida completo e apoiamos a empresa desde o início”, comenta Antoine Colaço, Sócio-Diretor do Valor Capital Group.

Crescimento

Com 5 milhões de alunos por mês em todas as suas frentes educacionais, o Descomplica atua de maneira 100% online. “Consolidamos definitivamente um novo modelo de Faculdade, diferenciando-o do ensino a distância atual, aliando professores de qualidade, entretenimento e tecnologia de ponta”, comenta o Presidente da Faculdade Descomplica, Daniel Pedrino. “Ao lançar a Faculdade Descomplica no ano passado, estreamos com a nota máxima concedida pelo MEC, enquanto nossa pós-graduação também se firmou: cresceu mais de 10 vezes e hoje conta com 30 mil alunos. Toda a inovação em educação e tecnologia que estamos levando ao mercado nos permite vislumbrar a entrega de um ensino inovador a milhões de estudantes”.

Ao longo do ano, o Descomplica dobrou o número de funcionários e hoje já chega a quase 600 colaboradores – além de contar com 100 vagas abertas no momento. A EdTech está presente em múltiplas vertentes de ensino, entre elas: Enem e Vestibulares, graduação e pós-graduação. Com a rodada, o Descomplica busca acelerar ainda mais a sua atuação no ensino superior, prevendo a expansão acelerada de cursos de graduação e pós-graduação, crescendo organicamente e também por meio de aquisições de tecnologias e faculdades.

ABES Academy abre vagas para primeira turma de 2021 do curso de LGPD

A ABES ACADEMY, setor de educação e formação continuada da ABES – Associação Brasileira das Empresas de Software, está com inscrições abertas para a primeira turma de 2021 do curso Lei Geral de Proteção de Dados: fundamentos e implementação. Com modalidade 100% online, o curso será ministrado por profissionais altamente qualificados que trazem conhecimento e experiência jurídica, técnica e prática em relação à proteção de dados, privacidade e segurança da informação. Serão 8 aulas, das 16 às 19 horas, de 22/02 a 04/03, com carga horária total de 24 horas. As vagas são limitadas e as inscrições estão disponíveis no site: https://www.sympla.com.br/curso-lgpd—lei-geral-de-protecao-de-dados-fundamentos-e-implementacao__1105713

De acordo com Thomaz Côrte Real, consultor jurídico da associação e um dos palestrantes do curso, é importante fomentar o interesse das empresas no assunto para orientá-las sobre como cumprir a lei. “Esse curso é um dos poucos que contempla tanto as questões que envolvem a implementação jurídica quanto a técnica, então é uma ferramenta completa para quem precisa aprender e ficar em conformidade. Não há mais tempo a perder, as organizações precisam se adequar o mais rápido possível”, afirma.

Curso: “Lei Geral de Proteção de Dados: Fundamentos e Implementação”

Data: 22/02 a 04/03

Hora: 16h às 19h

Inscrições: https://www.sympla.com.br/curso-lgpd—lei-geral-de-protecao-de-dados-fundamentos-e-implementacao__1105713

COMBA lança solução para mitigar a interferência da
tecnologia 5G nos sistemas satelitais que utilizam a banda C

A tecnologia 5G que aos poucos tem se instalado pelo mundo, e que em breve se instalará pelo Brasil, vêm para melhorar diversos pontos na conexão atual, dentre eles o ganho de velocidade de transmissão ou as taxas de download / uploas, diminuição no delay de sinal de telefonia móvel e consequentemente a experiência geral do cliente ao utilizar seus devices conectados à internet. Porém, através de uma série de estudos realizados na China e no Brasil (neste realizado pela ANATEL), a tecnologia 5G (IMT-2020), em 3,5 GHz pode causar interferência no FSS – Serviço Fixo Satelital, na Banda C e nos equipamentos de recepção de televisão por antenas parabólicas.

Assim, em virtude de sua expertise no segmento e do crescimento que tem demonstrado esse mercado, a COMBA tomou a iniciativa de desenvolver uma solução que vai de encontro com os estudos divulgados pelo Comitê de Uso do Espectro e de Órbita da Anatel (o “CEO”) que é capaz de mitigar essa interferência e assim garantir que a convivência entre os sistemas IMT 3.5 GHz e a Banda C (Sistema Profissional – FSS) seja factível e eficiente.

A solução desenvolvida pela COMBA é composta por filtros que atendem as faixas de frequências de 3700-4200MHz e que quando instalados corretamente nos sistemas satelitais eliminam a interferência e melhoram o sinal de recepção no sistema de televisão TVRO  (Television Receive-Only).

Um dos modelos de filtro desenvolvidos inclusive já é integrado com um LNB (Low Noise Block) que tem como objetivo amplificar e converter uma larga banda de frequências compensando assim a perda de sinal associada ao cabo coaxial, típico em frequências relativamente altas.

Com isso, a COMBA reafirma seus esforços no desenvolvimento de soluções inteligentes que melhorem cada vez mais o sistema de telefonia móvel no Brasil e no mundo para que seus usuários possam disfrutar de serviços cada vez melhores.

Mercado de healthtechs inicia ano aquecido com mais de US$ 52,3 milhões captados

O ano começou aquecido para as startups de saúde. Por meio de nove rodadas de investimento, mais de US$ 52,3 milhões foram investidos nas chamadas healthtechs até a data de hoje. O montante já corresponde a 49,3% do total investido em 2020, quando o setor captou mais de US$ 106 milhões. Os dados são do Inside Healthtech Report, levantamento mensal realizado pelo Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito.

O destaque no período ficou por conta da startup Alice, que atua como plano de saúde individual que mescla atendimento digital com presencial. A empresa atraiu US$ 33 milhões em sua rodada Series B. Outras duas healthtechs voltadas para telemedicina também chamaram a atenção. São elas ViBe e Zenklub, que captaram US$ 9,8 milhões e US$ 8,4 milhões, respectivamente — ambas em rodadas Series A.

“Este já é o segundo trimestre consecutivo em que as healthtechs receberam mais de US$ 30 milhões de financiamento. Temos um ótimo indicativo de que o mercado está amadurecendo”, afirma Tiago Ávila, líder do Distrito Dataminer. De acordo com projeções da empresa, o ano deve ser encerrado com mais de US$ 200 milhões investidos, distribuídos em mais de 50 rodadas de investimento.

Raio-X

O País possui atualmente 719 healthtechs, segundo o levantamento do Distrito, divididas em nove categorias distintas. A maior parte dessas startups volta-se para soluções relacionadas à Gestão e Prontuários Eletrônicos (25%). Em seguida, estão as que atuam com Acesso da Informação (16,7%) e como Marketplace (12,6%). As healthtechs de Telemedicina (11,8%) e aquelas que se voltam a Farmacêuticas e Diagnóstico (10%) também possuem fatias importantes deste mercado.

Quanto à distribuição por Estados, a maior concentração está no Sudeste, liderado por São Paulo com 44% das healthtechs, Minas Gerais, com 10,4% e Rio de Janeiro, com 9,1%. Rio Grande do Sul aparecem logo em seguida, com 8,9%. A região Norte do País, especificamente Manaus, abriga apenas 0,4% do total.

Saúde mental

Categoria que ganhou holofotes durante a pandemia, as startups que se voltam para a saúde mental têm atraído cada vez mais capital. De acordo com um levantamento da CB Insights, em 2020, o segmento atraiu em 2020 mais de US﹩ 2 bilhões por todo o mundo — praticamente o dobro do volume de US﹩ 1,12 bilhão captado em 2019.

Por aqui, das mais de 700 startups de saúde do país, 30 são focadas no cuidado mental. Ao longo do último anos, estas healthtechs arrecadaram um total de US﹩ 4,7 milhões, mais do que o dobro do ano passado (US﹩ 1,85 milhões) e 10 vezes o valor de 2018 (US﹩ 430 mil).

No que diz respeito ao surgimento de novas startups deste segmento, os anos de 2016 e 2017 foram particularmente especiais para as healthtechs que trabalham com saúde mental. Percebe-se um boom de fundações nesses anos, em um total de 14 startups. Hoje, algumas delas são as maiores e mais conhecidas do setor, como Zenklub, Psicologia Viva e Vittude. Trata-se de startups que tiveram crescimento acelerado e boa aceitação por parte do público.

Em 2020, o Distrito mapeou duas novas healthtechs deste segmento. “Acreditamos que veremos mais dados futuramente por conta da visibilidade que o tema tomou, impulsionado, principalmente, pela pandemia”, pontua Ávila.

Fusões e aquisições

Esse início de 2021 registrou apenas uma aquisição: a HygiaBank, empresa de soluções tecnológicas para relacionamento com clientes, adquiriu a Dr.Mob, plataforma de players do mercado de gestão para clínicas e centros médicos. “Acreditamos que este número deve aumentar consideravelmente e chegar até o mesmo patamar de 2020 (com 7 operações de fusões e aquisições)”, afirma Ávila.

Healthtech Digital Hub

O Distrito lançou este ano o Healthtech Digital Hub, plataforma digital de inovação aberta voltada para corporações da área da saúde. O programa permite a executivos de todo o país o acesso direto ao ecossistema que circunda o Distrito.

Além do apoio de um profissional dedicado a auxiliar as empresas em sua jornada de inovação junto ao Distrito e toda sua rede, o Healthtech Digital Hub possibilita a cada uma delas contato direto com as startups da vertical. Pela plataforma, as empresas poderão, por exemplo, criar desafios corporativos para que as startups se candidatem e as auxiliem a resolver determinada questão que enfrentam na operação; contatar um dos parceiros globais do Distrito diretamente ou, ainda, acessar o Distrito Dataminer, a mais completa plataforma de dados do universo de startups brasileiro com mais de 13 mil delas mapeadas, buscando ali informações sobre as jovens empresas deste mercado.

Styme participa do Shark Tank Brasil e os tubarões Camila Farani e Caio Castro se tornam sócios da empresa

Frederico Tonietto (CEO) e Luiz Fernando Leite Ribeiro (COO). Crédito: Sony Channel/ Divulgação

A Styme, que nasceu com o objetivo de melhorar a experiência de comer fora de casa, participou da nova temporada do Shark Tank Brasil, que foi ao ar no dia 12 de fevereiro. Na ocasião Frederico Tonietto (CEO) e Luiz Fernando Leite Ribeiro (COO) encantaram os tubarões Camila Farani e o convidado especial da edição, Caio Castro, com as soluções desenvolvidas pela Styme, que têm como principais pilares o empoderamento do consumidor e a otimização das operações dos restaurantes.

Camila Farani e Caio Castro são os novos sócios da Styme. A executiva fará um investimento de R$ 300 mil reais por 5% da empresa, que estima faturar R$ 1,2 milhões em 2021. Camila, que é investidora e fomentadora do empreendedorismo e presidente da G2 Capital, uma boutique de investimento em startups, irá contribuir com sua bagagem no ramo de tecnologia e food service, e também na parte estratégica, enquanto Caio Castro colocará seus esforços sobretudo no marketing da marca, também por 5%.

Vale destacar que o ator e piloto Caio Castro não investe somente na carreira artística, mas também em outras áreas, sendo dono da agência de publicidade C3 Group, da hamburgueria Black Beef, e também é sócio da marca de acessórios masculinos Key Design, entre outros negócios.

Programa de trainee Locaweb 2021 abre inscrições a partir do dia 12 de fevereiro

Você tem o sonho de trabalhar em uma grande empresa de tecnologia? Então aproveite que a Locaweb está em busca de jovens talentos para integrar nosso time como trainee.

A Locaweb nasceu em 1998 com o propósito de ajudar e oferecer soluções tecnológicas para empreendedores que possam prosperar na internet. Atualmente, a empresa conta com uma equipe formada por quase 2 mil colaboradores e atende mais de 400 mil clientes em todo o país. Além disso, conta com mais de 10 empresas criadas e adquiridas ao longo de toda a história da companhia.

Como funciona o programa de trainee Locaweb?

As inscrições e etapas para o programa de trainee Locaweb começam no dia 12 de fevereiro e encerram no dia 4 de abril. O processo de seleção será 100% online e dividido em oito etapas: inscrição, teste de lógica, game de competência, speak up, dinâmica de grupo e por fim, painel e entrevistas com RH e gestores. O programa tem duração de 18 meses e serão contratados 10 profissionais para atuar na Locaweb e suas unidades de negócio.

O intuito do programa é acelerar a carreira e contribuir com o crescimento profissional dos talentos, além de desenvolver competências fundamentais para a construção de sua jornada na empresa. Para isso, o programa será dividido em etapas. Os profissionais passarão por uma integração inicial para conhecer a cultura do grupo Locaweb e imersão na área de contração, e depois seguirão para uma jornada de job rotation, retornando para a área de contratação apenas nos meses finais do programa.

Os trainees contarão com uma grade completa de desenvolvimento de soft e hard skills. Ainda com foco no desenvolvimento, passarão por constantes feedbacks e 1:1s ao longo do programa, além de terem o apoio de um mentor técnico e um diretor como sponsor, que irá realizar acompanhamentos mensais, com o objetivo de melhorar a performance dos trainees. Por fim, terão o desafio de desenvolver e apresentar um projeto individual. Vale lembrar que a Locaweb está buscando por diversidade e que existe a possibilidade do trabalho ser 100% remoto.

Benefícios

Quem trabalha na Locaweb como trainee conta com diversos benefícios. A empresa assegura salário compatível com o mercado, participação nos lucros, vale refeição, plano de saúde, plano odontológico, seguro de vida, ou vale-transporte, entre outros

Quem pode participar?

Para se tornar um trainee da Locaweb é necessário se enquadrar nos pré-requisitos. São eles:

• Ensino superior completo – Bacharelado (concluído entre junho de 2019 e julho de 2021);

• Formação em um dos seguintes cursos: Engenharia (todos), Administração, Economia, Marketing e outras graduações afins;

Inscrições

Os jovens profissionais, interessados em fazer parte do time da Locaweb, podem se inscrever no processo seletivo do dia 12 de fevereiro até o dia 04 de abril de 2021. Para realizar a candidatura, basta acessar o site https://www.traineelocaweb.com.br.

Dock abre mais de 150 vagas de trabalho no modelo Anywhere Office

A Dock, startup de tecnologia que ajuda outras empresas a construírem e escalarem soluções financeiras para seus clientes, anuncia a abertura de 150 vagas ao longo de 2021 em diversas áreas e níveis hierárquicos.

A cultura da empresa preza por um ambiente de liberdade na tomada de decisão durante o dia-dia e sem hierarquias organizacionais, criando um clima criativo e de intraempreendedorismo. “Nosso time está constantemente evoluindo e, consequentemente, elevando o nível de suas entregas. Na Dock, acreditamos que tudo pode ser aprimorado: desde os nossos produtos e serviços até mesmo, nesse sentido, o próprio Docker (colaborador da Dock) que está em constante transformação”, afirma Camila Shimada, Head de People da startup.

Os “Dockers” – como são chamados os colaboradores – possuem muita autonomia no dia a dia de trabalho, tanto quanto para trazer ideias e executar seus projetos, construindo laços de confiança em um ambiente que proporciona o aprendizado contínuo e muitas oportunidades de crescimento profissional e pessoal.

Em março de 2020, como reflexo da pandemia, a startup adotou o modelo de trabalho remoto para 100% do seu time e, desde então, após ouvir os colaboradores através de pesquisas internas, implementou de forma definitiva o Anywhere Office como parte de sua cultura. Há quase 1 ano, os funcionários trabalham de qualquer lugar do País (ou do mundo) com total flexibilidade e assincronia de temas internos.

Desde sua fundação, em 2018, a Dock vem apresentando um crescimento acelerado, passando de 5 para mais de 240 colaboradores em pouco mais de 2 anos. “Apesar da rápida expansão, colocamos sempre nossa cultura em primeiro lugar, sempre valorizando a transparência nas nossas ações e comunicações com o time. Priorizamos o desenvolvimento interno da equipe para assumir as novas posições de liderança”, comenta Camila.

As vagas estão disponíveis no link: dock. tech / careers onde também o profissional pode visualizar um pouco mais sobre a cultura da startup e o perfil desejado para as posições. A contratação é regime CLT e conta com diversos benefícios como: vale-alimentação ou refeição, auxílio mensal para cobrir as despesas de internet banda larga e energia elétrica, assistência médica e odontológica, previdência privada, sessões de terapia online gratuitas, auxílio mensal para cultura e lazer, sessões para consulta de ergonomia online, rede de coworking credenciada para uso, auxílio educacional através do reembolso de cursos, livros e certificações técnicas, além de ferramentas e plataformas que possibilitam uma dinâmica de trabalho remoto ágil, segura e inclusiva entre todas as áreas.

Awari recebe aporte milionário para formar nova geração de profissionais de tecnologia

Em 2018, após atuar como Product Designer em diversas startups do Vale do Silício, Fábio Muniz precisou montar uma equipe de designers brasileiros e notou que a mão de obra nacional estava distante do nível técnico já visto em outros países. Assim, nasceu a Awari, startup dedicada em ensinar e desenvolver de forma prática e humanizada quem almeja trabalhar no setor de tecnologia. Com apoio de mentores oriundos de empresas como Amazon, Nubank, QuintoAndar e XP Investimentos, a escola digital aposta em cursos personalizados a distância para contribuir com o aperfeiçoamento, orientação e planejamento de carreira. Com crescimento em ritmo acelerado, 600% no ano passado, a companhia acaba de receber sua primeira rodada de investidores anjo. O valor de R$2 milhões será investido principalmente na expansão do time e na estruturação de seu Income Share Agreement, ou modelo de sucesso compartilhado. 

Atualmente, a Awari conta com três áreas de atuação: Data & Tech, Product & Design e Business & People. Na plataforma, os alunos podem escolher entre duas propostas de ensino: os cursos intensivos com, aproximadamente, quatro meses de duração, que contam com sessões de consultoria de carreira com orientações sobre LinkedIn, preparo para entrevista e storytelling do aluno, e o curso de sucesso compartilhado que possui nove meses de duração, e oferece projeto de carreira para os alunos, além de poder ser pago apenas após a Awari inserir o aluno no mercado com um salário superior a R$ 3.500. 

“Nossa proposta é oferecer conteúdos técnicos e atividades práticas para que os alunos possam vivenciar agora, o que poderão encontrar ao ingressar no mercado amanhã. Sabemos que profissionais de excelência são formados por suas habilidades em gerenciar expectativas e solucionar problemas”, explica Fábio Muniz, CEO da Awari. Em ambos, ao final do curso, os alunos entregam um projeto finalizado que pode ser usado como portfólio nas entrevistas. 

Os mentores que acompanham todo o processo de evolução e desenvolvimento dos estudantes são profissionais de alto nível que estão no dia a dia de grandes empresas e, por isso, sabem das dificuldades e das qualificações mais importantes dentro do cenário atual. De acordo com Fábio Muniz, o setor de tecnologia se move extremamente rápido. Por isso, cada vez mais, as empresas têm observado a capacidade de desenvolvimento e agilidade dos candidatos, não apenas o currículo. Desta forma novos formatos de aprendizado surgem, ganham espaço e atraem a atenção dos recrutadores.

O time da Awari é composto por 17 especialistas que atuam de maneira remota pelo país. Até o final de fevereiro o número deve dobrar. Além disso, até o final deste ano, a escola também quer apostar em outras vertentes de tecnologia. ”Sabemos que a educação impacta positivamente a sociedade. Por isso, temos convicção no crescimento da companhia e de todos que estejam ligados à ela direta ou indiretamente”, conclui Muniz. 

Sanofi, Capgemini, Generali e Orange anunciam a criação de um ecossistema digital dedicado à e-health, o primeiro na Europa

Sanofi, Capgemini, Generali e Orange anunciam planos para a criação de uma joint venture na França para acelerar o desenvolvimento de soluções concretas de saúde e colocá-las à disposição do mercado para o benefício dos pacientes. O projeto, em uma escala única na Europa, reunirá os principais conhecimentos científicos e tecnológicos da França e da Europa. Irá se beneficiar de uma plataforma virtual e de uma base física localizada em Paris, ligada à iniciativa «PariSanté Campus», anunciada pelo Presidente da França, e reforçará o posicionamento internacional da França em saúde digital.

Os sócios fundadores preveem um investimento inicial de 24 milhões de euros na nova entidade, que estará operacional a partir de junho de 2021* para a plataforma virtual e dezembro de 2021* na plataforma física.

A inovação digital e os dados tornaram-se essenciais na área da saúde. A França e, de forma mais ampla, a Europa possuem os ativos necessários para que as grandes empresas capitalizem a inovação e a agilidade das startups para desenvolver conjuntamente soluções digitais que agreguem valor aos pacientes e ao ecossistema da saúde. O trabalho se concentrará em temas principais por 1 ou 2 anos de cada vez e podem girar em torno de uma tecnologia, uma patologia, uma população de pacientes ou estar relacionado a um tópico de saúde pública. O novo ecossistema, reunirá as quatro empresas fundadoras e visa federar grandes empresas e startups a nível europeu, em torno de uma abordagem de inovação aberta, propícia ao surgimento de novos modelos disruptivos.

A singularidade deste projeto é baseada em três pilares:

• as empresas fundadoras compartilharão em pool as suas tecnologias, conhecimentos e dados com startups selecionadas, em conformidade com os regulamentos e dentro de uma estrutura ética e responsável, para apoiar a implementação de soluções digitais que melhoram a qualidade, segurança, acessibilidade e produtividade da saúde;

• a natureza multidisciplinar do ecossistema será incorporada pelas companhias fundadoras, as empresas parceiras e cerca de uma centena de startups francesas e europeias, bem como outros atores nos setores de saúde, tecnologia e seguros, hospitais públicos e privados, associações de pacientes, reguladores, escolas e universidades;

• o desenvolvimento de soluções concretas para construir os serviços de saúde de amanhã, desde a ideia inicial até torná-los disponíveis para pacientes e/ou profissionais de saúde. A força desta aliança está baseada no fato de que todo o ecossistema estará simultaneamente focado no mesmo compromisso, o que limitará a dispersão de energia e aumentará as chances de sucesso e a criação de valor para os pacientes e todo o setor.

“Acreditamos que a França, e mais amplamente a Europa, têm todos os ativos necessários para estar entre os principais players globais em inovação digital em saúde. Este projeto é a pedra angular do ecossistema aberto centrado em tecnologia digital e dados de saúde que queremos construir com nossos parceiros. Nossa ambição comum é reunir todos os participantes, incluindo startups, que irão inventar coletivamente o futuro da saúde para o benefício dos pacientes e, assim, colocar a França no centro da inovação europeia neste campo estratégico”, explicou Paul Hudson, CEO da Sanofi.

“Como líder global em tecnologia digital, uma das nossas principais responsabilidades para as gerações futuras é colocar a tecnologia a serviço da saúde. Isso agora é uma prioridade para a Capgemini, que se orgulha de participar deste belo projeto. Todos os membros fundadores acreditam que a tecnologia digital proporcionará um tremendo impulso; temos a ambição de alcançar resultados concretos rapidamente”, disse Aiman ​​Ezzat, CEO do Capgemini Group.

Por meio dessa aliança, nossa motivação como seguradora e provedora de assistência é participar de um ecossistema inovador e poderoso que ajudará a modelar as soluções de saúde do futuro e a trabalhar em novas tecnologias e serviços inovadores para os pacientes. O negócio de seguros funciona com base em estatísticas extraídas de um grande volume de dados anônimos que remontam a várias décadas. Isso pode ser disponibilizado para startups para alimentar sua busca por soluções. Como um ator histórico no mercado de saúde, nacional e internacionalmente, a Generali deseja contribuir ativamente para a criação e gestão deste ecossistema único na França e na Europa, em colaboração com outras empresas internacionais líderes em seu setor”, disse Jean-Laurent Granier, CEO da Generali França e presidente da Europ Assistance.

“Temos o prazer de nos envolver nesta ambiciosa parceria que visa aproveitar a tecnologia digital para melhorar os serviços de saúde para todos. Na Orange, estamos convencidos de que a transformação digital é uma importante fonte de progresso e que o potencial da e-health é imenso. Este é um grande desafio para a sociedade e, como operadora responsável, acreditamos que podemos contribuir para esse esforço. Ao criar um ecossistema multidisciplinar que reúne grandes grupos e startups europeus, estamos provendo os meios para que nós possamos acelerar o desenvolvimento de soluções para o benefício de pacientes e cuidadores”, disse Stéphane Richard, Presidente e CEO da Orange.

Uma plataforma digital para estimular a inovação no ecossistema digital de saúde

Este projeto será alojado numa plataforma online centrada em torno de um Instituto cuja principal missão será reunir especialistas, instituições, escolas, universidades e hospitais em torno de questões relativas à utilização de dados e ferramentas digitais no setor da saúde. A plataforma também será o ponto de entrada para interações entre fundadores, parceiros e startups para lançar hackathons, iniciar competições e compartilhar dados e experiência em conformidade com regulamentos e padrões éticos.

Um lugar único na Europa, localizado em Paris

O ecossistema estará localizado no coração de Paris e incluirá um laboratório criativo, um Fab Lab, um Data Lab e um Living Lab, nos quais pacientes e profissionais de saúde serão capazes de desenvolver, testar, ajustar e avaliar soluções. Além disso, um laboratório específico também será dedicado a questões éticas e econômicas. E será sinérgico com o Campus PariSanté, que visa estruturar e federar um setor digital de saúde internacional, aberto a parcerias nacionais e internacionais.

*Datas sujeitas à obtenção das autorizações necessárias