Page

Author admin

KPMG destaca visão de CEOs sobre economia, negócios e pandemia

Antes da Covid-19, a expectativa dos CEOs brasileiros em relação à expansão da economia nacional era positiva e havia subido de 76% no início de 2019 para 82% no início de 2020. Sobre as expectativas dos CEOs brasileiros relacionadas ao desempenho da economia global, houve uma queda de 74% para 64% quando somados confiantes e muito confiantes. Em relação ao crescimento de suas empresas, 92% estavam confiantes no início deste ano, sendo 88% o dado do início do ano passado.

Essas são algumas das conclusões da pesquisa CEO Outlook 2020, conduzida pela KPMG em janeiro e fevereiro de 2020, antes que o mundo começasse a sentir os impactos da pandemia. Foram entrevistados 1.300 CEOs das principais economias do mundo, 50 CEOs brasileiros e 270 CEOs da América do Sul para entender as principais preocupações, prioridades, desafios e expectativas com relação à economia e negócios.

Sobre o crescimento do setor de atuação, a confiança caiu na comparação de 2019 com 2020, embora permaneça bastante elevada. Os confiantes são 76%, mas eram 82%. Mesmo assim, é praticamente igual a parcela de entrevistados que estimam crescimento nas receitas no próximo triênio entre 0,01% e 1,99% ao ano. Foi registrada também estabilidade na expectativa de ampliação do quadro de funcionários, com 70% esperando adicionar menos de 5% de novos profissionais à atual equipe. Em 2019 o dado era de 74%.

“O objetivo do CEO Outlook é estabelecer um retrato fiel sobre o que pensam os empresários líderes de negócios que atuam em escala nacional, regional e mundial em relação ao desenvolvimento das operações, aos desafios que enfrentam e suas estratégias para planejarem o sucesso de suas organizações nos próximos anos. Tudo isso com um olhar atualizado e direcionado para as questões mais relevantes relacionadas com economia e negócios”, afirma Charles Krieck, presidente da KPMG no Brasil e na América do Sul.

A comparação desta pesquisa com os dados posteriormente apurados nos meses de julho e agosto, ou seja, incluindo análises sobre os impactos da pandemia, já revela uma perspectiva distinta. Neste caso, a pesquisa CEO Outlook 2020 Covid-19 Pulse revelou que, sobre as expectativas de crescimento para o Brasil, os CEOs brasileiros responderam o seguinte: muito confiantes (7%), confiantes (33%), neutros (20%), não muito confiantes (7%) e nada confiantes (33%). Os executivos de outros países estão um pouco mais otimistas, uma vez que, na América do Sul, 13% estão muito confiantes e 33% estão confiantes. Na amostra global, 10% estão muito confiantes e 35% estão confiantes.

Em relação às expectativas de crescimento para a economia global, os CEOs brasileiros indicaram o seguinte: muito confiantes (13%), confiantes (13%), neutros (33%), não muito confiantes (33%) e nada confiantes (8%). São dados distintos de executivos de outros países, uma vez que, na América do Sul, 3% estão muito confiantes e 21% estão confiantes. Já na amostra global, 7% estão muito confiantes e 24% estão confiantes.

A pesquisa da KPMG também apurou as expectativas de crescimento para o setor de cada empresa. De acordo com os CEOs brasileiros, os dados são os seguintes: muito confiantes (7%), confiantes (20%), neutros (40%), não muito confiantes (13%) e nada confiantes (20%). Nesse caso, os executivos de outros países revelam um otimismo mais expressivo se compactados com os do Brasil. Para os entrevistados da América do Sul, 14% estão muito confiantes e 31% estão confiantes. Na amostra global, 15% estão muito confiantes e 40% confiantes.

As expectativas de crescimento para a organização após o início da pandemia também foram abordadas. No Brasil, os CEOs indicaram as seguintes respostas: muito confiantes (0%), confiantes (40%), neutros (0%), não muito confiantes (47%) e nada confiantes (13%). Os dados contrastam com os demais entrevistados. No caso dos CEOs da América do Sul, 10% estão muito confiantes e 43% estão confiantes. Na amostra global, 19% estão muito confiantes e 49% estão confiantes.

“A nossa pesquisa também evidenciou que 2020 poderia ter sido um ano de grandes mudanças no Brasil, relacionadas com a possível renovação do cenário econômico, que apresentava seus primeiros movimentos para superar um período de crise iniciado há alguns anos, quando as taxas de desemprego subiam e o Produto Interno Bruto perdia força. Até o primeiro bimestre de 2020 persistia um clima de confiança e muitos acreditavam na retomada da boa fase da economia”, completa Charles Krieck, presidente da KPMG no Brasil e na América do Sul.

Os setores de atuação dos respondentes da pesquisa do início 2020 são os seguintes: bancos; consumo e varejo; indústria de transformação; energia; infraestrutura; telecomunicações; seguros; automotivo; tecnologia; saúde; e gestão de ativos.

Não houve mudanças no que diz respeito à receita média das empresas, sendo que a maioria delas (56%) registrou ganhos entre US$ 1 bilhão a US$ 9,9 bilhões no ano fiscal anterior. Porém, se em 2019 a maioria (74%) das empresas teve crescimento de receita, no início de 2020 pouco mais de metade (58%) dos entrevistados afirmaram o mesmo.

Sobre as possíveis estratégias de crescimento para os próximos três anos, a mudança mais relevante dos CEOs foi relacionada com a adoção do crescimento orgânico. Em 2019 esta era a opção de 18%, mas, no início de 2020, 32% disseram que apostariam nessa alternativa. A KPMG também apurou quais são as principais dificuldades que os CEOs observam na busca pelo crescimento de suas organizações. No início de 2020, 72% dos entrevistados disseram que o crescimento da empresa dependeria de sua capacidade de desafiar e criar disrupção em qualquer norma de negócios, indicador que era de 68% em 2019.

A pesquisa abordou com os CEOs como está a busca por inovação. Em 2019 e no início de 2020 mais de 70% afirmaram que suas companhias são ativamente disruptivas no setor em que operam. E quase todos entendem que a disrupção tecnológica representa uma oportunidade de avançar no mercado.

Apesar disso, eles avaliam que que, de forma geral, os prazos para alcançar um progresso significativo na transformação são uma fonte de grande pressão. Outro dado relevante é que 64% dos entrevistados disseram no início de 2020 que estão liderando pessoalmente a estratégia tecnológica da organização, contra 76% que deram a mesma resposta no ano anterior.

Sobre a pesquisa CEO Outlook 2020
CEO Outlook é uma pesquisa global da KPMG. A edição de 2020 foi realizada nos Estados Unidos, Reino Unido, Alemanha, Índia, Japão, Canadá, França, China, Austrália, Itália, Espanha e Brasil. Entre janeiro e fevereiro de 2020, antes que o mundo começasse a sentir o real impacto da crise provocada pela pandemia, a KPMG entrevistou 1.300 CEOs das principais economias do mundo, 50 CEOs brasileiros e 270 CEOs da América do Sul para entender as principais preocupações, prioridades, desafios e expectativas com relação à economia e negócios.

Em função da pandemia, a pesquisa ganhou um capítulo dedicado ao impacto do isolamento provocado pela Covid-19 nos negócios. Entre julho e agosto, foram entrevistados mais 315 CEOs globais, sendo 80 sul-americanos e, desses, 15 brasileiros, dos setores público e privado para entender como os pontos de vista desses executivos mudaram durante a crise. Além do Brasil, foram contemplados executivos da Argentina, Bolívia, Chile, Colômbia, Equador, Peru, Uruguai e Venezuela.

Com base neste universo, o CEO Outlook 2020 traça um retrato fiel sobre o que pensam os CEOs que atuam em escala mundial, regional e local com relação ao desenvolvimento dos negócios, os desafios que os líderes enfrentam e suas estratégias para planejar o sucesso de suas organizações nos próximos anos. Tudo isso com um olhar atualizado e direcionado às questões que envolvem as mudanças geradas pela crise mundial da Covid-19.

O conteúdo pode ser acessado na íntegra no link – www.kpmg.com.br/ceooutlook.

Maiores do varejo brasileiro crescem muito acima do PIB

Em mais um ano de crescimento lento da economia, as maiores empresas do varejo brasileiro superaram as expectativas e aumentaram sua participação de mercado. De acordo com a sexta edição do ranking “300 Maiores Empresas do Varejo Brasileiro”, desenvolvido pela SBVC (Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo), a expansão das maiores empresas do setor foi de 9,9% em 2019, praticamente o dobro da alta de 5% do varejo como um todo.

Fruto de um profundo trabalho de pesquisa, coleta de dados e análise realizado pela SBVC com apoio técnico da BTR-Educação e Consultoria, Varese Retail, Centro de Estudo e Pesquisa do Varejo (CEPEV – USP) e Käfer Content Studio, a nova edição do Ranking mostra que as grandes e médias empresas tiveram em 2019 mais um ano de resiliência e expansão. Diante de um cenário econômico que não estimulava crescimento acelerado, as empresas que souberam inovar conseguiram aproveitar as oportunidades. “No ano passado, vimos uma aceleração da digitalização do varejo, o crescimento dos marketplaces e a capacitação dos varejistas regionais para enfrentar uma concorrência cada vez mais acirrada”, afirma Eduardo Terra, presidente da SBVC.

A nova edição do Ranking mostra as 300 maiores empresas do varejo brasileiro tiveram em 2019 um faturamento bruto de R﹩ 703,239 bilhões. O Carrefour lidera a lista, com um faturamento bruto de R﹩ 62,22 bilhões), seguido pelo Grupo Pão de Açúcar (R﹩ 61,54 bilhões), Via Varejo, Grupo BIG e Magazine Luiza. O top five do varejo brasileiro somou R﹩ 205,415 bilhões no ano passado, ou 29,21% do faturamento das 300 maiores.

“Apesar da economia brasileira não ter conseguido retomar o crescimento sustentável, as maiores empresas de varejo do Brasil sua mantiveram trajetória de crescimento e ganho de participação de mercado”, afirma Alberto Serrentino, fundador da Varese Retail e vice-presidente e conselheiro da SBVC. “A agenda de produtividade e eficiência, iniciada em 2015/2016, vem sendo mantida e continua gerando resultados”, completa.

Outro ponto importante levantado pelo Ranking é a transformação digital. Pela primeira vez, a maioria das 300 maiores empresas está online: são 162 empresas com e-commerce em operação. Em todos os segmentos do Ranking, pelo menos 60% das empresas listadas têm

operação online, com uma exceção: os supermercados. “Menos de 30% dos supermercadistas estavam online no fim do ano passado, o que já é 50% mais do que em 2018 e mostra que a transformação digital já havia entrado no mapa do setor antes mesmo da pandemia. Em 2020, o setor acelerou ainda mais sua digitalização, o que deixará consequências muito positivas no longo prazo”, comenta Eduardo Terra, presidente da SBVC.

Números relevantes:

Os principais destaques da sexta edição do Ranking “300 Maiores Empresas do Varejo Brasileiro” são os seguintes:

• As 300 maiores empresas faturaram R﹩ 703,239 bilhões em 2019. Considerando as 202 empresas que divulgaram seus faturamentos brutos em 2018 e 2019, o crescimento anual foi de 9,95%, quase o dobro dos 5% do varejo como um todo (PMC-IBGE);

• O Carrefour é a maior empresa de varejo do País, com um faturamento de R﹩ 62,220 bilhões, ou 8,84% das vendas das maiores;

• As cinco maiores empresas de varejo responderam por 29,21% do faturamento total das empresas listadas no Ranking, somando R﹩ 205,415 bilhões. As dez primeiras correspondem a 39,03% das vendas das varejistas listadas;

• O setor com maior número de empresas no Ranking é o de Supermercados, com 137 representantes, três deles no top 10 do varejo;

• O setor de Moda, Calçados e Artigos Esportivos, com 48 empresas, é o segundo com maior presença no Ranking. Somente uma delas, porém, está entre as 10 maiores do varejo brasileiro (a Lojas Renner, na 9ª posição);

• As 300 empresas do Ranking empregam 1,7 milhão de pessoas, sendo o GPA Alimentar o maior empregador do varejo nacional (110.934 funcionários). Entre os dez maiores empregadores estão três supermercadistas, duas redes de drogarias/perfumarias e duas de eletromóveis;

• Dezoito das 300 empresas listadas possuem mais de mil lojas, uma a mais que na edição anterior do Ranking. Delas, quatro estão em supermercados, quatro em drogarias, três em foodservice, três em eletromóveis, duas em óticas e uma em “outros segmentos” e lojas de departamentos. Sete dessas empresas estão entre as 10 maiores em faturamento;

• O Boticário é a empresa com mais lojas no Brasil, seguida por McDonald’s, AM/PM, Cacau Show e Subway. Todas atuam no sistema de franquias, que proporciona oportunidades para crescer com capital de investidores-empreendedores;

• Das 50 empresas líderes em faturamento por loja, 49 são supermercadistas, lideradas por Andorinha, Trimais e Bergamini. São empresas com imensa relevância nos micromercados onde atuam;

• Pela primeira vez, a maior parte das 300 maiores empresas está online. São 162 empresas com e-commerce em expansão. Em todos os segmentos, pelo menos 60% das empresas listadas estão online, com uma exceção: os supermercados;

• Menos de 30% dos supermercadistas entre os 300 maiores possuem um e- commerce. São 39 empresas, contra 27 na edição anterior do Ranking, mostrando uma evolução importante na digitalização do setor. Em 2020, com a pandemia, esse número terá um salto ainda maior;

• O desenvolvimento de marketplaces teve grande evolução em 2019, especialmente entre varejistas de eletromóveis e em shopping centers. Esse é um fator importante de aceleração do e-commerce e da transformação digital das empresas varejistas;

• Das 300 varejistas listadas, 32 são de capital aberto. Esse grupo de empresas faturou R﹩ 287,627 bilhões (40,99% do total das 300 maiores). O setor de Moda, Calçados e Artigos Esportivos é o que tem mais empresas de capital aberto (12 empresas);

• Somente três das top 10 são empresas de capital fechado. No total das 300 maiores, 268 estão nessa condição, concentradas no setor de supermercados;

• Nove das dez maiores empresas do varejo brasileiro, e 13 das 20 primeiras, têm Conselho de Administração. Considerando todas 300 empresas, 80 varejistas contam com uma estrutura de governança estabelecida, dez a mais que em 2018;

• As 282 empresas listadas no Ranking deste ano e que têm números de lojas comparáveis entre 2018 e 2019 tiveram uma abertura líquida de 2.714 pontos de venda, um avanço de 4,2%;

• A empresa que mais aumentou sua base de lojas foi o Grupo IMC, com 289 unidades, devido à fusão com a MultiQSR. A seguir, vêm McDonald’s (286) e Raia Drogasil (248). Três empresas com modelos diferentes de crescimento, mas com o foco em aproveitar ao máximo as oportunidades de expansão;

• Em termos porcentuais, das 10 empresas que mais abriram lojas, sete atuam no setor de supermercados. Nenhuma dessas empresas, porém, tem mais de 40 lojas. Somente as outras três empresas no top 10 contam com mais de 100 pontos de venda;

• Seis das 10 empresas que mais aumentaram suas vendas atuam no setor de Supermercados, movidas especialmente pela expansão do formato de atacarejo;

• No total, 164 empresas listadas no Ranking cresceram acima da média do varejo brasileiro e somente 20 tiveram desempenho negativo em 2019. As líderes do varejo

continuam respondido de forma positiva aos desafios de uma economia em crescimento lento.

Os maiores varejistas brasileiros:

Os dez maiores varejistas do País são os seguintes:

O estudo está disponível para download no link: http://sbvc.com.br/ranking-300-maiores- empresas-do-varejo-brasileiro-sbvc-2020

Tags, , ,

Programa de Inovação da CDL POA define startups vencedoras

O Programa de Inovação da CDL Porto Alegre chegou a sua etapa final, nesta terça-feira (22), com a realização do Demoday, quando as 10 startups finalistas apresentaram suas soluções por meio de uma plataforma online. Ao encerramento do processo, três soluções foram escolhidas como vencedoras. A banca avaliadora foi composta por executivos da Entidade, membros da Diretoria e varejistas do mercado local e nacional. Os melhores projetos propõem auxiliar a ampliação das vendas em marketplaces, a gestão de micro e pequenas empresas e a integração entre e-commerce e aplicativos de troca de mensagens e redes sociais.

Das mais de 200 startups que demonstraram interesse pelo Programa, 162 foram inscritas em quatro diferentes temáticas para a apresentação de suas soluções: Cultura Digital, escolhida por 29 startups; Inteligência de Dados, por 36; Eficiência Operacional, por 43; e Experiência de Compra, por 54. A amplitude regional também foi significativa, com inscrições oriundas de 15 Estados: Tocantins, Maranhão, Piauí, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Quanto ao estágio de desenvolvimento das startups, a maior parcela já estava escalando o negócio, cerca de 45% delas, o que mostra um grau elevado de maturação das concorrentes.

O cronograma de realização do Programa teve início com processo de seleção das startups em junho. No mês seguinte, ocorreu a pré-seleção das 20 melhores inscritas. Em agosto, durante um evento online, houve a apresentação dos pitches para a banca avaliadora, que selecionou 10 empresas. Ainda no mesmo período, a CDL POA promoveu o Bootcamp – duas semanas de treinamento virtual para as startups, envolvendo diagnóstico 360 graus, mentoria e alinhamento das soluções. Em setembro, além do Demoday, também acontecerá a formalização e contrato com as premiadas, para ingresso na fase de aceleração, que deve ocorrer até o mês de novembro, com apresentação das soluções para os associados da Entidade. O processo contou com a mentoria da Grow+ e da AnLab, empresas reconhecidas no mercado por sua expertise em inovação.

As soluções vencedoras passarão a aderir ao portfólio de produtos da CDL POA, com o objetivo de expandir as ações de amparo e fortalecimento do varejo e de toda a cadeia produtiva, impulsionando a transformação digital do setor. O presidente, Irio Piva, entende que o Programa é parte das entregas que a CDL POA ambiciona para os seus 60 anos de história: levar inovação aos negócios. “Foi um longo processo de imersão interna, ouvindo associados e suas dores, e externa, participando de missões internacionais e em todo Brasil, à procura de assertividade. Estruturamos os quatro pilares das novas soluções que desejamos incorporar e oferecer – cultura digital, eficiência operacional, experiência de compra e inteligência de dados. Queremos um ecossistema eficiente, onde tudo esteja interligado, vemos o futuro desta forma, onde a tecnologia está a serviço das empresas”, detalha o presidente.

Ao longo de sua realização, o Programa passou por diversas adaptações em virtude da pandemia do novo coronavírus que alterou o cenário do varejo e as formas de consumo, acelerando a digitalização. Empresas que estavam mais preparadas para a transformação digital ganharam mercado, no entanto, as que estavam em uma etapa mais inicial nesta adaptação sofreram muito. “Por isso, passou a ser essencial para o Programa, mais do que nunca, digitalizar o pequeno varejo para mantê-lo vivo e próspero. Assim, podemos agregar benefícios ao nosso associado, tanto de pequeno quanto de grande porte, do Interior ou da Capital, com uma plataforma de soluções que o ajude a se digitalizar de forma fácil, rápida e barata, permitindo que ele continue sonhando e escalando o seu negócio”, explica o superintendente da CDL POA, Maico Renner.

Tags

Gartner: CIOs de empresas de serviços financeiros devem ficar atentos às novas prioridades de negócios

O Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas, alerta que os CIOs (Chief Information Officers) que estão promovendo inovação e a estratégia digitais em empresas do segmento de serviços financeiros deveriam reforçar suas ações para trabalharem de forma alinhada com as prioridades de negócios em suas companhias. De acordo com os analistas do Gartner, somente assim será possível garantir respostas adequadas e uma recuperação coordenada e efetiva aos desafios impostos pela pandemia de COVID-19. Automação e tecnologias para sustentar e melhorar o trabalho remoto são duas áreas de investimento que ajudarão organizações do setor a alcançarem seus objetivos e resultados no futuro.

“Os CIOs de empresas de serviços financeiros agiram rapidamente para responder ao impacto imediato da pandemia de COVID-19, atendendo às necessidades emergenciais de suas equipes quando tiveram que se mudar para o trabalho remoto, incluindo funcionários considerados ‘essenciais’ que precisaram equipamentos e espaços adequados”, diz Nicole Sturgill, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “Agora, para reiniciar com sucesso as ações e emergir desta crise, é fundamental que esses CIOs alinhem as próximas etapas com a estratégia de liderança executiva de negócios”.

Líderes de negócios dizem que a infraestrutura de tecnologia era uma fraqueza quando o COVID-19 chegou; os CIOs discordam – A pesquisa Gartner Financial Services COVID-19 Pulse 2020  (conduzida de forma on-line de 8 a 24 de abril de 2020, entrevistando líderes de negócios e de TI do setor financeiro), perguntou aos líderes de negócios e CIOs da área de serviços financeiros o que eles consideravam como pontos fortes e fracos de suas operações durante os processos de resposta à crise. Mais da metade dos executivos indicou que a infraestrutura de tecnologia era um ponto fraco. Por outro lado, apenas 20% dos CIOs de serviços financeiros indicaram a infraestrutura era realmente um problema.

“Essa desconexão será um desafio contínuo e talvez seja até crescente se não for bem tratada”, avalia a analista do Gartner. “Os CIOs devem agir imediatamente para entender o que leva os líderes de negócios a indicarem que a tecnologia era um ponto fraco. Suas respostas podem fornecer pistas sobre quais novos investimentos em tecnologia precisam ser priorizados”.

Segundo a pesquisa, 65% dos diretores de TI das empresas de serviços financeiros pesquisadas ​​planejam aumentar os gastos com tecnologias de infraestrutura, como APIs, microsserviços e Nuvem no próximo ano. O levantamento mostra que mais da metade planeja investir em automação, com aplicações que reduzam a necessidade de processos de alto contato e contribuam para a otimização dos custos. “Tanto os líderes de negócios quanto os CIOs demonstram um interesse comum em tecnologias de automação. Então, está claro que essa área será uma prioridade para as organizações de serviços financeiros pós-COVID-19”, diz o analista Sturgill.

No curto prazo, o Gartner recomenda que os CIOs criem um mapa de prioridades que indique, de forma clara, um paralelo entre os objetivos de negócios e as metas de TI, elencando como essas tecnologias ajudarão a atingir cada objetivo. Para longo prazo, os líderes da área de TI de empresas do mercado financeiro podem prevenir proativamente possíveis lacunas, envolvendo parceiros de negócios em sessões de priorização e articulando claramente quais investimentos os tornarão mais resilientes como organização.

“Consertar o que está quebrado sempre será uma prioridade de curto prazo para os CIOs, mas planejar com antecedência, embora seja mais difícil em tempos de incerteza, é fundamental para garantir o sucesso futuro das organizações. Os CIOs devem criar uma estrutura para reunir os imperativos de negócios regularmente, tanto por meio de conversas diretas com líderes de negócios e partes interessadas da linha de negócios, quanto por meio de sessões de planejamento e documentos coordenados”, diz Sturgill.

Brasil Hack Export inicia maratonas de inovação

Foi dada a largada para a maratona de inovação do Brasil Hack Export, a maior competição de desenvolvimento tecnológico voltada ao setor da logística e infraestrutura portuária do Brasil. A partir desta quinta-feira, dia 24, até o próximo domingo, dia 27, acontece a programação do ideathon do Norte Export, que tem como desafio estabelecido as hidrovias. São 36 concorrentes selecionados. O evento acontece em ambiente 100% online.

O Brasil Hack Export acontece de forma paralela às etapas regionais do Fórum Brasil Export, que fomenta a discussão permanente da logística e infraestrutura portuária do País sempre trazendo especialistas e autoridades para os debates (leia mais sobre o Brasil Export abaixo). Com a sua maratona tecnológica, o Fórum Brasil Export também pretende oferecer inovações para o setor. Para isso, conta com a parceria da Zero Treze Innovation Space e a coordenação da ABTRA (Associação Brasileira de Terminais e Recintos Alfandegados).

Cada etapa regional terá como prêmio R﹩ 1.500 ao vencedor. Os três primeiros colocados já se classificam para a etapa nacional, que dará até US﹩ 5 mil ao ganhador, visita as principais empresas de tecnologia de Singapura, além de permitir a equipe campeã apresentar o seu projeto à Enterprise Singapore, agência governamental da Ásia que defende o desenvolvimento empresarial em toda a região.

“A chance de boa ideia se tornar um grande negócio é real. Hoje por exemplo vemos a proliferação de unicórnios [startups com valor de mercado que supera o US﹩ 1 bilhão] que antes eram apenas boas ideias, porém, tiveram uma chance, foram estruturadas e estão moldando a nova economia. No Brasil Hack Export promovemos a união de grandes talentos que terão contato com players da cadeia logística para demonstrar soluções inovadoras, que, quem sabe, podem se transformar em um grande negócio futuramente”,afirmou Angelino Caputo, presidente do Brasil Hack Export e diretor-executivo da ABTRA.

Times, desafio e mentoria

Os selecionados para a etapa Norte do Brasil Hack Export já estão definidos. Se você ficou de fora, não se preocupe. As demais etapas estão com as inscrições abertas. Saiba tudo no site do evento, o http://www.brasilhackexport.com.br/

Cada um desses times é composto por até um especialista de negócio com experiência no desafio selecionado, um especialista em UI/UX design, e um product owner (PO). Eles contam com a mentoria de especialistas para esclarecer o desafio proposto, tirar dúvidas e ajudar a validar as ideias.

O desafio é o de dar suporte a Norman (Norma da Autoridade Marítima) de número 33, que traz parâmetros para implantação e operação de sistemas para determinação de folga dinâmica abaixo da quilha. O conhecimento da distância entre o ponto mais profundo do casco do navio e o fundo do mar é denominada folga abaixo da quilha, essencial para garantir o trânsito seguro de embarcações até os terminais portuários e evitar colisões ou encalhes.

O problema é como fazer a gestão da folga dinâmica abaixo da quilha para otimização do carregamento e escoamento da safra pelo Arco Norte, com base na Norman 33. A solução desse desafio permitirá que os navios saiam mais cheios, com 70 mil toneladas de granéis, em vez das atuais 55 mil toneladas. Isso aumentará a eficiência e rentabilidade da operação.

Programa

Nesta quinta os times serão formados. Amanhã, sexta-feira (25), os desafiantes fazer a imersão. No sábado, 26, é dia da ideação, que fornecerá subsídio para propor as soluções inovadoras seguida de uma curta apresentação (pitch). No domingo, 27, os projetos serão avaliados pela banca de jurados.

Os vencedores serão conhecidos na segunda, 28, mesma data de abertura do Fórum Brasil Export. O Brasil Hack Export terá um painel de abertura exclusivo, a partir das 16h, e contará com Joel Julius, gerente de desenvolvimento de negócios da Enterprise Singapore. O anúncio dos vencedores ocorrerá ao final da palestra.

Inscrições

Brasil Hack Export – As próximas etapas do Brasil Hack Export estão com inscrições abertas. As inscrições para a etapa Sul, focada em corredores logísticos, podem ser feitas até o próximo domingo, dia 27. Confira todas as datas no site do Brasil Hack Export, o http://www.brasilhackexport.com.br/

Fórum Brasil Export – Os debates das etapas regionais do Fórum Brasil Export serão 100% online e gratuitos. Para participar, basta realizar a inscrição no site www.forumbrasilexport.com.br e aguardar a confirmação pelo mail. A transmissão será feita pelo aplicativo Zoom.

Datas das etapas regionais do Brasil Hack Export

Norte Export
tema: hidrovias
data: de 24 a 28 de setembro
inscrições: encerradas

Sul Export
tema: corredores logísticos
data: de 1 a 5 de outubro
inscrições: até 27 de setembro

Sudeste Export
tema: ferrovias
data: de 15 a 19 de outubro
inscrições: até 12 de outubro

Nordeste Export
tema: cabotagem
data: de 22 a 26 de outubro
inscrições: até 11 de outubro

Centro-Oeste Export
tema: rodovias
data: de 5 a 9 de novembro
inscrições: até 18 de outubro

Brasil Export (final)
tema: virtualização de cadeias logísticas
data: de 14 a 23 de novembro
inscrições: até 7 de outubro

Marcelo Claure: “O futuro do trabalho é flexível, e não só para os espaços de trabalho”

O modelo de trabalho tradicional, das 9h às 18h, de segunda a sexta-feira pode estar fadado ao fim. Mas o escritório não vai acabar. Espaços de trabalho flexíveis se tornam a cada dia mais vivos e relevantes. Esta é a avaliação de Marcelo Claure, CEO do Softbank e Executive Chairman da WeWork, em sua fala na abertura do encontro on-line WeWork Latam Summit – That’s How Tomorrow Works. O evento, focado nos novos desafios devido à COVID-19 na América Latina, reúne líderes empresariais para discutir as mudanças na rotina das companhias, tais como a necessidade de reavaliar seus modelos de negócios, priorizando a agilidade, flexibilidade e a segurança de funcionários. “Todos nós precisamos de ambientes adequados para nos concentrarmos, criarmos e colaborarmos”, afirma o executivo.

Recentemente, a WeWork conduziu um estudo global para entender a percepção dos profissionais em relação ao trabalho no contexto pós-pandemia. “Noventa por cento dos entrevistados disseram que gostariam de voltar ao escritório pelo menos um dia por semana. Vinte por cento desse grupo disseram que gostariam de retornar cinco dias completos por semana. Por quê? Pela colaboração, conexão, e trabalho em equipe”, explica Claure. Segundo o levantamento, em geral, trabalhar exclusivamente em casa pode gerar efeitos negativos sobre a capacidade de brainstorming, aprendizagem e troca entre colegas, diminuindo a capacidade de criatividade e inovação das empresas, questão crítica para o sucesso a longo prazo.

Líder global em espaços de trabalho, a WeWork ainda conta com novos produtos, desenvolvidos para garantir ainda mais flexibilidade a seus membros, como o recém-lançado All Access, que dá acesso a qualquer prédio da empresa em todo o mundo, e o WeWork On Demand, que permite o uso dos espaços conforme a necessidade de cada empresa ou colaborador.

E essa flexibilidade ultrapassa a realidade dos espaços de trabalho, em que empresas buscam contratos de locação flexíveis, soluções híbridas que aliem home-office a momentos de interação no escritório, ou descentralização da força de trabalho em diferentes endereços, para que os profissionais percam menos tempo no trajeto ao trabalho. Prova disso é a recente parceria da empresa com universidades ao redor do mundo para apoiá-las na oferta de estruturas equipadas e seguras a seus alunos em todo o mundo.

“Acabamos de lançar uma parceria com a Universidade do Arizona, expandindo sua rede global de microcampus para incluir 490 locais WeWork em 80 cidades e 37 países – permitindo que os alunos continuem a buscar seu diploma em qualquer lugar do mundo”, explica o executivo. “O futuro do trabalho é a flexibilidade e a WeWork será a líder em espaço flexível”, finaliza.

O WeWork Latam Summit – That’s How Tomorrow Works conta ainda com palestras de importantes nomes, como Chris Gardner, palestrante motivacional e inspirador do filme “À procura da Felicidade”; Leandro Caldeira, CEO América Latina do GymPass; Marcos Grilanda, MCO da Amazon Web Services; Maria Paula Arregui, VP e COO do Mercado Pago; e Simón Borrero, CEO da Rappi.

O evento, on-line, é gratuito e aberto ao público. Para se inscrever e acompanhar as palestras, basta acessar weworksummit.com/ pt / . Após o fim do evento, as gravações ficarão disponíveis para o público no mesmo link.

Tags, , ,

Scaleup inBrazil seleciona 10 empresas israelenses que prometem turbinar o ecossistema de startups brasileiro

O Brasil, país de dimensões continentais, tem sido visto por muitos mercados pequenos mas altamente inovadores como um lugar propício para a expansão de suas empresas de tecnologia. Com o objetivo de acelerar o ingresso de empresas de base tecnológica israelenses no Brasil, o Scaleup inBrazil – programa da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e da ABVCAP (Associação Brasileira de Private Equity & Venture Capital) -, em parceria com o Israel Trade & Investment, selecionou em sua segunda edição 10 empresas de Israel que contarão com o apoio dessas entidades para iniciar suas operações no País.

Após criteriosa seleção, dentre 62 inscritas, um aumento de 28% em relação ao ano passado, foram finalistas do processo as empresas DockTech, Facetrom, Elgressy Engineering Services, Inception, Medic Vision Imaging Solutions, Appnext PTE, Autofleet, AgroScout, Aleph Farms e Viridix, que atuam nos setores de transporte e mobilidade, foodtech, agritech, healthtech, edutech, adtech e fintech.

“O programa piloto realizado ano passado trouxe resultados sólidos que comprovaram nossa tese sobre a necessidade de um canal facilitador para a entrada de empresas de base tecnológica no Brasil. Por conta disso, este ano decidimos dobrar esse número de cinco para 10 finalistas aumentando a oportunidade para que mais empresas inovadoras internacionais possam escalar seus negócios no Brasil, explica Helena Brandão, Coordenadora de Investimentos Estrangeiros da Apex-Brasil. “Ficamos muito impressionados com a diversidade de segmentos das empresas”, comenta Helena.

Ano passado as cinco empresas aceleradas no programa realizaram mais de 120 reuniões com potenciais clientes facilitadas pelo programa, contrataram três funcionários locais, assinaram contratos com cinco novos clientes e desenvolveram mais de 30 POCs.

Das 62 empresas inscritas 16 foram aprovadas para o primeiro estágio do programa, que ocorreu entre 12 de agosto e 24 de setembro. Dessas 16, foram selecionadas as 10 anunciadas hoje. A escolha foi feita por meio de entrevistas com integrantes do comitê de seleção, formado por Institutional Venture Capitalists (IVCs) e Corporate Venture Capitalists (CVCs) do Brasil e de Israel.

Os empreendedores israelenses agora passarão por uma imersão virtual entre outubro e dezembro e uma imersão presencial em março, que será confirmada em dezembro de acordo com o controle da pandemia tanto no Brasil como em Israel.

“Esse ano todos tivemos que nos adaptar. Apesar de entender o quanto é importante a imersão presencial no Brasil para o entendimento do empreendedor internacional, a cultura local, os apertos de mão tão necessários no modo brasileiro de fazer negócio, foi necessário primeiro proteger participantes, parceiros e organizadores de potenciais riscos que a pandemia nos apresenta. Fizemos um trabalho interno intenso e concluímos que o programa, mesmo que virtualmente, ainda assim poderia adicionar um grande valor aos participantes. Ficamos muito felizes com os números de inscritos e entusiasmo dos participantes até aqui nesse novo formato”, comentou Ângela Ximenes, Superintendente Executiva da ABVCAP.

“Esse programa é altamente abrangente pois aborda de forma prática os aspectos essenciais para qualquer empresa israelense se estabelecer no Brasil. Apesar da atuação do Israel Trade & Investment nesse aspecto, o programa fortalece esse trabalho de apoio a empresas que enxergam a oportunidade no Brasil mas nem sempre estão devidamente preparados às diferenças culturais”, afirmou Itzhak Reich, Cônsul para Assuntos Econômicos do Israel Trade & Investment.

O programa conta com entidades públicas e privadas de Israel e do Brasil como parceiros. Entre elas estão gestores de venture capital e grandes corporações.

Durante o Scaleup inBrazil, as empresas participarão de workshops e encontros sobre assuntos jurídicos, tributários e bancários e também marketing, branding, adaptação de produtos e, mais importante, desenvolvimento de negócios. A ideia é que elas possam, durante esse tempo, conhecer fornecedores confiáveis e de qualidade que estejam aptos a ajudá-las a adaptar seus produtos aos consumidores locais e a garantir clientes potenciais, parceiros e até mesmo investidores no Brasil. Tudo está desenhado para garantir negócios e validação de clientes e produtos.

O programa conta com parceiros na área de inovação e tecnologia em Israel e no Brasil. A lista completa está no site scaleupinBrazil.com.

Sobre as empresas

AgroScout
Setor: Agritech
AgroScout desenvolve uma solução autônoma para a detecção de doenças e pragas nas culturas. AgroScout combina dados de imagens de campo recolhidos principalmente a partir de drones com dados externos, como informação meteorológica para detectar doenças nas culturas numa fase precoce.

Aleph Farms
Setor: Foodtech
A Aleph Farms cultiva bifes verdadeiros a partir de células isoladas de uma vaca. A carne de Aleph Farms cultivada em células é próxima da carne convencional graças a uma plataforma 3D proprietária que utiliza vários tipos de células para formar tecidos complexos, assegurando um produto final que se assemelha ao sabor, textura, e estrutura da carne de criação.

Appnext
Setor: adtech
Appnext é a maior plataforma de descoberta, oferecendo o único mecanismo de recomendação no mercado, que engloba tanto a descoberta em plataforma como a descoberta no dispositivo. As recomendações da Appnext auxiliam os profissionais de marketing de aplicativos a alcançar usuários mais envolvidos e a descobrir, utilizar e reutilizar os seus aplicativos.

Autofleet
Setor: Transporte
A AutoFleet permite aos gestores de frotas tornarem-se fornecedores de veículos como serviço. Utilizando a plataforma AutoFleet, os gestores de frotas podem maximizar as receitas e margens e aumentar a utilização da frota agregando a procura, controlando a oferta, e otimizando as viagens.

DockTech
Setor: Transporte
DockTech aumenta a eficiência da carga e a segurança da embarcação ao criar uma dupla digital do fundo do mar para compreender e prever as condições nos portos e rios.

Elgressy
Setor: Tratamento de água
Elgressy é uma líder de mercado israelita no desenvolvimento e fabricação de sistemas eletroquímicos para o tratamento de água e águas residuais. Os seus sistemas são ecológicos, econômicos e operacionalmente benéficos para torres de arrefecimento, prevenção da Legionella (bactéria causadora da pneumonia, entre outras infecções), e tratamento/pré-tratamento de águas residuais.

Facetrom
Setor: Fintech
A Facetrom oferece uma tecnologia proprietária que fornece uma pontuação de avaliação de risco de fraude personalizada e em tempo real com base em fotografias faciais. A tecnologia da Facetrom pode extrair mais de 200 indicadores de uma única fotografia facial e prever com 90,7% de precisão a probabilidade de um cliente estar envolvido numa atividade fraudulenta.

Inception XR
Setor: VR/AR, edtech
Inception XR é uma rede imersiva de conteúdos de realidade virtual e realidade aumentada que utiliza tecnologia exclusiva para desenvolver aplicações de destino em múltiplas plataformas. Inception trouxe diversos produtos de realidade estendida para o mercado, incluindo a aplicação de entretenimento Inception VR e Bookful AR. A mais recente oferta da empresa, Inception Bookful, cria um universo lúdico e mágico que dá vida aos livros para crianças através da utilização da realidade aumentada.

Medic Vision
Setor: Saúde
A Medic Vision é a líder de inovação em soluções de melhoramento de imagem e de produtividade para diagnóstico por imagem, independentes do fornecedor e rentáveis.

Viridix
Setor: Agritech
Viridix visa reinventar a detecção do solo através do desenvolvimento de uma solução escalável e acessível reconhecida pelos melhores cientistas agrícolas e entidades empresariais. Essa tecnologia permite saber o que cada planta sente, o tempo todo, para que possa melhorar o sistema de irrigação das plantações.

Para mais detalhes sobre o programa, acesse www.scaleupinbrazil.com

Tags, , , ,

Primeiro Gripen Brasileiro voa no Brasil

Hoje, 24 de setembro, o primeiro Gripen E Brasileiro, chamado de F-39 Gripen pela Força Aérea Brasileira (FAB), concluiu seu primeiro voo no País. O caça voou do aeroporto de Navegantes (SC) para a planta da Embraer em Gavião Peixoto (SP). A apresentação oficial da aeronave está prevista para ocorrer durante a cerimônia do Dia do Aviador e da Força Aérea Brasileira, comemorados no dia 23 de outubro.


“A chegada do Gripen no Brasil e o seu primeiro voo são marcos importantes no Programa Gripen. Estamos orgulhosos dessa jornada ao lado de profissionais tão qualificados e comprometidos dos dois países”, comemora Micael Johansson, presidente e CEO da Saab. “Nós estamos seguindo o cronograma de entrega dos caças e mantemos o nosso compromisso de longo prazo com o Brasil”.


O Presidente e CEO da Embraer Defesa & Segurança, Jackson Schneider, destacou o âmbito dessa parceria. “A Embraer desempenhará um papel de liderança na execução do programa Gripen no Brasil e será responsável pelo trabalho de desenvolvimento de sistemas, integração, testes de voo, montagem final e entrega das aeronaves de forma a apoiar a operação da Força Aérea Brasileira. Como parte da transferência de tecnologia o Programa Gripen será uma grande oportunidade para aumentar nosso conhecimento no desenvolvimento e manufatura de uma aeronave avançada de combate”.


O Ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, também destacou a importância do compartilhamento de experiências por meio da cooperação entre Brasil e Suécia. “O Gripen aumenta a capacidade operacional da Força Aérea Brasileira e impulsiona uma parceria que fomenta a pesquisa e o desenvolvimento industrial dos dois países”, declarou o Ministro da Defesa.
Para o Comandante da Aeronáutica, Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez, a chegada da primeira unidade da aeronave F-39 Gripen é um grande marco para o projeto. “É uma imensa satisfação para a Força Aérea Brasileira ver esta aeronave voando em território nacional. O F-39 Gripen, novo caça multimissão da Força Aérea Brasileira, será a espinha dorsal da Aviação de Caça e veio para reafirmar o compromisso da FAB em manter a soberania do País, defendendo os vinte e dois milhões de quilômetros quadrados sob sua responsabilidade”, ressalta Tenente-Brigadeiro do Ar Antonio Carlos Moretti Bermudez.


A partir de agora o programa de ensaios irá incluir o Centro de Ensaios em Voo do Gripen (GFTC, do inglês Gripen Flight Test Center) na Embraer, em Gavião Peixoto (SP), que será totalmente integrado ao programa de ensaios que já está em andamento na Saab, em Linköping, Suécia, desde 2017. As atividades no Brasil incluem testes nos sistemas de controle de voo e de climatização, assim como testes na aeronave em condições climáticas tropicais. Além dos ensaios que são comuns às aeronaves do Programa Gripen E, serão testados no Brasil características únicas das aeronaves brasileiras, como integração de armamentos e o sistema de comunicação Link BR2 – que fornece dados criptografados e comunicação de voz entre as aeronaves.

Os primeiros caças serão entregues à Força Aérea Brasileira, na Ala 2, em Anápolis (GO), a partir do final de 2021.

Housi inaugura coworking a céu aberto com área de lazer e descompressão em plena Avenida Faria Lima

A Housi, primeira plataforma de moradia por assinatura do mundo, 100% digital e sem burocracia, abriu um coworking gratuito e a céu aberto em meio à Avenida Faria Lima, um dos principais centros financeiros do país. O espaço, batizado de Condado Parque, está localizado em um futuro empreendimento da Housi na capital paulista, e foi desenvolvido para oferecer uma alternativa de espaço aberto para que as pessoas possam trabalhar e também descansar.

A área de 325 m² dispõe de estações de trabalho, tomadas e wi-fi, além de uma área de convivência com espreguiçadeiras, redes, puffs e praça pet friendly. O espaço também tem estruturas fixas para foodtrucks e programações culturais e de bem-estar, como Yoga e ginástica laboral.

“É o nosso primeiro coworking a céu aberto, que foi pensado e desenvolvido para oferecer uma alternativa de espaço arejado e sem aglomeração para as pessoas trabalharem e descansarem. É um hub urbano democrático, diverso e gratuito”, explica Roberta Faria, head de branding da Housi.

A Housi também colocou um touro cor-de-rosa de 2,20 metros de altura e 3,40 metros de comprimento exposto no local, em referência ao famoso touro de Bronze de WallStreet. O “Charging Bull” [Touro em investida], nome oficial da escultura norte-americana, é uma analogia ao mercado acionário em ascensão, já que o touro ataca de baixo para cima com seus chifres.

Já O touro rosa da Housi, que simboliza a cor da startup, faz referência à conexão da empresa com o mercado financeiro, além de reforçar, de forma leve e divertida, a fama de coração financeiro do Brasil conquistada pela Avenida Faria Lima.

“Criamos o touro rosa – com a cor da nossa marca – para contagiar a Faria Lima com o lifestyle da Housi. Este é o primeiro espaço aberto ao público criado pela Housi e decidimos prestar uma homenagem à avenida que abriga o maior centro financeiro do país, de forma descontraída e colorida”, conta Roberta.

O Condado Parque é uma colab da Housi com o Faria Lima Elevator, perfil famoso nas redes sociais por comentar assuntos ligados à investimentos e cenários econômicos de forma descontraída.Dessa forma, o local também será o espaço oficial para encontros e reuniões do Faria Lima Elevator.

Tags, ,

XP Inc. realiza pitch day para selecionar startups com projetos voltados para práticas ESG

A XP Ventures, braço da XP Inc. para relacionamento com o ecossistema de startup, organiza amanhã (25/09) um Pitch Day para avaliar empresas inovadoras que desenvolvam iniciativas voltadas para políticas de ESG (sigla em inglês para ambiental, social e governança). O objetivo da companhia é identificar projetos que estejam alinhados estrategicamente com a XP Inc. e aprimorem ou ampliem as atividades socioambientais e de governança corporativa que já são atualmente desenvolvidas.

O Pitch Day terá início às 10h e será transmitido ao vivo pelo canal oficial da XP Inc. no Youtube e no LinkedIn. Ao todo, cinco startups participam do evento, cada um com 10 minutos para fazer sua apresentação e mais cinco minutos de interação com a banca avaliadora. As participantes são EqualWeb, que desenvolve tecnologia para promover acessibilidade digital; Sol Fácil, uma plataforma de financiamento para projetos de energia solar; Digital Innovation One, plataforma gratuita de ensino de desenvolvimento de software; Moss, plataforma de compra e venda de créditos de carbono; e Barkus, solução que democratiza o ensino de finanças para jovens.

As cinco finalistas foram escolhidas de um universo de 50 startups pré-selecionadas a partir de estudo de mercado realizado pela XP Ventures. “Selecionamos cinco empresas iniciantes que cobrem áreas diferentes do ESG, de forma que possamos ter variedade de opções entre os projetos e iniciativas que serão apresentados. Todas elas têm alinhamento com a XP Inc. e potencial para agregar novas soluções em nosso já robusto ecossistema”, afirma Marcos Sterenkrantz, Head da XP Ventures.

A banca avaliadora é composta por cinco membros: Marcos Sterenkrantz (Head da XP Ventures), Guilherme Benchimol (CEO da XP Inc.), Marta Pinheiro (Diretora da ESG da XP Inc.), Franklin Luzes (VP de Inovação da Microsoft Brasil) e Gabriela Chagas (responsável por Novos Negócios, da Vox Capital).

Uma novidade no Pitch Day da XP Inc. é que o público que estiver acompanhando pelas redes sociais também poderá participar do processo de seleção. Será disponibilizado um QR Code na tela que dá acesso a uma página onde será possível avaliar cada um dos projetos. A nota final será composta 50% pela banca avaliadora e 50% pelo voto do público.

Após os resultados, a XP Inc. vai se reunir com as empresas cujos projetos sejam mais alinhados com a empresa para buscar gerar negócios e definir que tipo de parceria faz mais sentido para os dois lados. Além disso, as selecionadas terão espaços em eventos futuros da XP Inc. com a temática ESG.

“Hoje, todos precisam ser sustentáveis, estar verdadeiramente integrados com a sociedade e garantir processos claros e efetivos de governança. Ter a bandeira ESG não é uma opção, mas uma necessidade para se manter competitivo e inovador. Esse Pitch Day é uma continuidade de todos os compromissos da XP Inc. com o tema, que vão desde XP de Qualquer Lugar, a criação de uma diretoria dedicada a ESG, o compromisso em atingir 50% de mulheres em cargos de liderança até 2025 e muito mais que ainda está por vir”, afirma Marta Pinheiro, sócia e Diretora de ESG da XP Inc.

Tags,

IBM divulga 5 previsões tecnológicas para próximos 5 anos

A cada ano, a IBM apresenta cinco maneiras pelas quais acredita que a tecnologia transformará fundamentalmente os negócios e a sociedade nos próximos cinco anos, com base no trabalho realizado nos laboratórios globais da IBM Research e nas tendências gerais da indústria.

As previsões do IBM 5 in 5 deste ano estão focadas em acelerar a descoberta de novos materiais para permitir um futuro mais sustentável. Em consonância com a chamada global das Nações Unidas para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável, os pesquisadores da IBM estão trabalhando para acelerar a descoberta de novos materiais que endereçarão os principais problemas globais, como energia limpa, promoção de ações para melhorar a saúde da população mundial e o fortalecimento de práticas de sustentabilidade, produção responsável e ação climática.

A IBM acredita que, nos próximos cinco anos, novos materiais ou novos usos para os materiais existentes contribuirão para que a sociedade possa lidar com muitos dos desafios globais que enfrentamos:

• Captura eficiente de dióxido de carbono de nossa sobrecarregada atmosfera e armazenamento com segurança para mitigar mudanças do clima. Nos próximos cinco anos, seremos capazes de capturar o CO2 do ar e transformá-lo em algo útil. O objetivo é tornar a captura e reutilização de CO2 eficiente o suficiente para que haja uma escala global. Com isso, podermos reduzir significativamente o nível de CO2 prejudicial na atmosfera e, em última instância, desacelerar as mudanças climáticas.
• Encontrar maneiras mais sustentáveis de cultivar safras para alimentar nossa crescente população e, ao mesmo tempo, reduzir as emissões de carbono. Nos próximos cinco anos, replicaremos a capacidade da natureza de converter o nitrogênio do solo em fertilizante rico em nitrato, alimentando o mundo e reduzindo o impacto ambiental dos fertilizantes. Apresentaremos uma solução inovadora para permitir a fixação de nitrogênio em uma escala sustentável que ajudará a alimentar a população mundial que se encontra em rápido crescimento.
• Repensar baterias e armazenamento de energia antes de ter que repensar nosso mundo. Nos próximos cinco anos, descobriremos novos materiais para o desenvolvimento de baterias mais seguras e com menor impacto ambiental, capazes de suportar uma rede de energia baseada em fontes renováveis. Muitas fontes de energia renováveis são intermitentes e requerem armazenamento. O uso de inteligência artificial e computação quântica resultará em baterias construídas com materiais mais seguros e eficientes para um melhor desempenho.
• Aprender com nosso passado para um futuro mais saudável. Nos próximos cinco anos, pretendemos contribuir para a criação de tratamentos na área de saúde, auxiliando médicos e profissionais da linha de frente no combate a novos vírus potencialmente fatais e em uma escala maior do é atualmente possível. Uma combinação de inteligência artificial, analytics e dados pode ajudar potencialmente na análise rápida de evidências médicas, sugerindo caminhos para reaproveitamento de medicamentos e acelerando testes clínicos. No futuro, essas ferramentas podem ter ampla adoção em todos os setores, tornando-se efetivamente um dos meios de respondermos rapidamente a vírus globais potencialmente fatais.
 Criar dispositivos eletrônicos mais sustentáveis. Nos próximos cinco anos, avançaremos na fabricação de materiais, permitindo que os fabricantes de semicondutores melhorem a sustentabilidade de seus produtos. Os cientistas irão adotar uma nova abordagem para o design de materiais que permita à indústria de tecnologia produzir mais rapidamente materiais sustentáveis para a produção de semicondutores e dispositivos eletrônicos.

Normalmente, leva-se cerca de 10 anos e mais de US$10-US$ 100 milhões em média para descobrir um novo material com propriedades específicas. Pretendemos reduzir as duas variáveis: o número de anos e o custo, em 90%, com a ajuda de tecnologias como inteligência artificial (IA), amplificação de dados com computação clássica tradicional e computação quântica emergente, e os chamados ‘modelos generativos’ e automação de laboratório, por meio da nuvem híbrida aberta.

A convergência dessas tecnologias nos permitirá modernizar o processo de descoberta humana de uma maneira fundamentalmente nova: saindo da coincidência, sorte e acaso, para uma condição de confiança calculada.

Primeiro, a IA consolidará todo o conhecimento da humanidade em um tópico específico. Então, os supercomputadores e, por fim, as simulações quânticas preencherão lacunas de conhecimento. Usando dados do passado capturados pela IA, criaremos modelos para gerar hipóteses sobre os novos materiais necessários para enfrentar esse desafio. Por fim, automatizaremos a fabricação e o teste desses materiais, com a ajuda de tecnologias em nuvem. Dessa forma, todo o trabalho da IBM em tecnologia quântica, inteligência artificial, computação de alto desempenho e nuvem híbrida ajudará a acelerar o processo de descoberta.

Isso não significa que a IBM está entrando no negócio de fabricação de materiais. Nossos pesquisadores estão focados no desenvolvimento de processos que irão acelerar a descoberta e ajudar nossos clientes e parceiros a colocá-la em prática.

As previsões o IBM 5 in 5 demonstram o que é possível alcançar quando uma abordagem científica é aplicada para encontrar novos métodos e soluções para os desafios que o mundo enfrenta. O mundo precisa da ciência mais do que nunca e, com ela, podemos enfrentar as incertezas de hoje para fazer o progresso de amanhã se tornar realidade.

A partir de 2021, Ipiranga terá operação com energia solar

A Ipiranga, a partir de 2021, vai viabilizar a seus postos e franquias, por meio da geração de energia solar distribuída, a redução de custo com energia elétrica. Cinco complexos de usinas já estão em construção no Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Rio de Janeiro e Ceará – primeiros estados que receberão o projeto de energia renovável da empresa. A expectativa é de que todas as usinas juntas, em um ano, gerem mais de 51 mil MWh, o suficiente para suprir o consumo de aproximadamente 300 postos Ipiranga completos, com franquias AmPm e Jet Oil. O projeto será colocado em prática em parceria com a GDSolar, que cuidará da construção, operação e manutenção das usinas fotovoltaicas. As usinas têm previsão de começar a gerar energia até abril do próximo ano.

A Usina Solar Ipiranga tem como objetivo, além de gerar energia renovável, apoiar a eficiência operacional e a saúde financeira de seus revendedores e franqueados. Isso porque a conta de energia é o segundo maior custo de operação para a sua rede. A energia elétrica fornecida pelas usinas deverá economizar até 15% no custo dos postos com energia elétrica, atingindo uma economia acumulada de R﹩ 74 milhões na rede participante, durante todo o projeto. Além disso, o benefício é oferecido sem custo adicional ou qualquer investimento por parte dos revendedores e franqueados.

A Ipiranga desenvolve projetos de eficiência energética em diversas frentes, tanto para instalações próprias quanto para seus clientes. De olho nos avanços tecnológicos, a empresa tem a gestão de energia como um guarda-chuva para a inovação e busca oferecer um portfólio de soluções para cada tipo de cliente. São clientes de vários perfis energéticos, e para cada um, há uma solução diferente.

“Nós identificamos oportunidades e estruturamos projetos sólidos e coerentes com o modelo de negócio dos nossos postos e franquias, buscando sempre os melhores parceiros do mercado. Esse projeto é inovação e sustentabilidade, lado a lado, entregando mais um diferencial competitivo que, por meio da geração de energia renovável, oferece mais perenidade ao negócio”, disse Marcelo Araujo, presidente da Ipiranga.