Page

Author admin

Copom eleva a taxa Selic para 2,75% a.a.

Em sua 237ª reunião, o Comitê de Política Monetária (Copom) decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic para 2,75% a.a.

A atualização do cenário básico do Copom pode ser descrita com as seguintes observações:

  • No cenário externo, novos estímulos fiscais em alguns países desenvolvidos, unidos ao avanço da implementação dos programas de imunização contra a Covid-19, devem promover uma recuperação mais robusta da atividade ao longo do ano. A presença de ociosidade, assim como a comunicação dos principais bancos centrais, sugere que os estímulos monetários terão longa duração. Contudo, questionamentos dos mercados a respeito de riscos inflacionários nessas economias têm produzido uma reprecificação nos ativos financeiros, o que pode tornar o ambiente desafiador para economias emergentes;
  • Em relação à atividade econômica brasileira, indicadores recentes, em particular a divulgação do PIB do quarto trimestre, continuaram indicando recuperação consistente da economia, a despeito da redução dos programas de recomposição de renda. Essas leituras, entretanto, ainda não contemplam os possíveis efeitos do recente aumento no número de casos de Covid-19. Prospectivamente, a incerteza sobre o ritmo de crescimento da economia permanece acima da usual, sobretudo para o primeiro e segundo trimestres deste ano;
  • A continuidade da recente elevação no preço de commodities internacionais em moeda local tem afetado a inflação corrente e causou elevação adicional das projeções para os próximos meses, especialmente através de seus efeitos sobre os preços dos combustíveis. Apesar da pressão inflacionária de curto prazo se revelar mais forte e persistente que o esperado, o Comitê mantém o diagnóstico de que os choques atuais são temporários, mas segue atento à sua evolução;
  • As diversas medidas de inflação subjacente apresentam-se em níveis acima do intervalo compatível com o cumprimento da meta para a inflação;
  • As expectativas de inflação para 2021, 2022 e 2023 apuradas pela pesquisa Focus encontram-se em torno de 4,6%, 3,5% e 3,25%, respectivamente; e
  • No cenário básico, com trajetória para a taxa de juros extraída da pesquisa Focus e taxa de câmbio partindo de R$5,70/US$*, e evoluindo segundo a paridade do poder de compra (PPC), as projeções de inflação do Copom situam-se em torno de 5,0% para 2021 e 3,5% para 2022. Esse cenário supõe trajetória de juros que se eleva para 4,50% a.a. neste ano e para 5,50% a.a. em 2022. Nesse cenário, as projeções para a inflação de preços administrados são de 9,5% para 2021 e 4,4% para 2022.

O Comitê ressalta que, em seu cenário básico para a inflação, permanecem fatores de risco em ambas as direções.

Por um lado, o agravamento da pandemia pode atrasar o processo de recuperação econômica, produzindo trajetória de inflação abaixo do esperado.

Por outro lado, um prolongamento das políticas fiscais de resposta à pandemia que piore a trajetória fiscal do país, ou frustrações em relação à continuidade das reformas, podem elevar os prêmios de risco. O risco fiscal elevado segue criando uma assimetria altista no balanço de riscos, ou seja, com trajetórias para a inflação acima do projetado no horizonte relevante para a política monetária.

O Copom avalia que perseverar no processo de reformas e ajustes necessários na economia brasileira é essencial para permitir a recuperação sustentável da economia. O Comitê ressalta, ainda, que questionamentos sobre a continuidade das reformas e alterações de caráter permanente no processo de ajuste das contas públicas podem elevar a taxa de juros estrutural da economia.

Considerando o cenário básico, o balanço de riscos e o amplo conjunto de informações disponíveis, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa básica de juros em 0,75 ponto percentual, para 2,75% a.a. O Comitê entende que essa decisão reflete seu cenário básico e um balanço de riscos de variância maior do que a usual para a inflação prospectiva e é compatível com a convergência da inflação para a meta no horizonte relevante, que inclui o ano-calendário de 2021 e, principalmente, o de 2022.

Os membros do Copom consideram que o cenário atual já não prescreve um grau de estímulo extraordinário. O PIB encerrou 2020 com crescimento forte na margem, recuperando a maior parte da queda observada no primeiro semestre, e as expectativas de inflação passaram a se situar acima da meta no horizonte relevante de política monetária. Adicionalmente, houve elevação das projeções de inflação para níveis próximos ao limite superior da meta em 2021.

Por conseguinte, o Copom decidiu iniciar um processo de normalização parcial, reduzindo o grau extraordinário do estímulo monetário. Por todos os fatores enumerados anteriormente, o Comitê julgou adequado um ajuste de 0,75 ponto percentual na taxa Selic. Na avaliação do Comitê, uma estratégia de ajuste mais célere do grau de estímulo tem como benefício reduzir a probabilidade de não cumprimento da meta para a inflação deste ano, assim como manter a ancoragem das expectativas para horizontes mais longos. Além disso, o amplo conjunto de informações disponíveis para o Copom sugere que essa estratégia é compatível com o cumprimento da meta em 2022, mesmo em um cenário de aumento temporário do isolamento social.

Para a próxima reunião, a menos de uma mudança significativa nas projeções de inflação ou no balanço de riscos, o Comitê antevê a continuação do processo de normalização parcial do estímulo monetário com outro ajuste da mesma magnitude. O Copom ressalta que essa visão para a próxima reunião continuará dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos, e das projeções e expectativas de inflação.

Votaram por essa decisão os seguintes membros do Comitê: Roberto Oliveira Campos Neto (presidente), Bruno Serra Fernandes, Carolina de Assis Barros, Fabio Kanczuk, Fernanda Feitosa Nechio, João Manoel Pinho de Mello, Maurício Costa de Moura, Otávio Ribeiro Damaso e Paulo Sérgio Neves de Souza.

*Valor obtido pelo procedimento usual de arredondar a cotação média da taxa de câmbio R$/US$ observada nos cinco dias úteis encerrados no último dia da semana anterior à da reunião do Copom.

Fonte: Banco Central

Pix avança, mas ainda carece de mecanismos de proteção ao consumidor, sobretudo no comércio eletrônico

O Pix, sistema de pagamento instantâneo brasileiro criado pelo Banco Central, completou nesta terça-feira (16/03) quatro meses de funcionamento com mais de 73 milhões de pessoas físicas e jurídicas cadastradas. O Pix baixou radicalmente o custo de transações eletrônicas entre pessoas, mas tem objetivos mais ambiciosos: promover a inclusão financeira ampla, reduzir a sonegação, aumentar a competitividade do setor e facilitar a vida das pessoas. Só que uma das maiores vantagens do Pix – o fato dos recursos serem transferidos em segundos de uma conta para outra, sem intermediários – também pode trazer dor de cabeça para os consumidores.

Na avaliação de Daniel Oliveira, CEO da paySmart, fintech que permite que qualquer empresa se torne um banco digital, algumas questões clássicas de proteção do consumidor, como o mecanismo de contestação de compras com cartões de crédito, podem fazer falta, sobretudo no comércio eletrônico. Ao comprar um bem ou serviço pela internet com o Pix, o consumidor precisa ficar atento porque nem sempre poderá reaver os valores pagos caso o produto não seja entregue.

“Os consumidores se acostumaram ao mecanismo conhecido como contestação ou disputa. Se a geladeira não chega no prazo estipulado, o consumidor pode cancelar a compra no cartão de crédito. Mas com a versão atual do Pix, o dinheiro está na conta do vendedor, imediatamente após a compra e não há muito o que se possa fazer”, explica o CEO da paySmart. Tal característica tem sido aproveitada por lojas fraudulentas, que normalmente oferecem produtos e serviços com preços muito abaixo do mercado por e-mail, mensagens de WhatsApp ou SMS.

“Antes, o objetivo deste tipo de ataque era roubar dados do cartão de crédito. A ideia, agora, é fazer com que o consumidor conclua o pagamento via Pix e, uma vez realizada a transação, o comprador não tem muito o que fazer a não ser procurar a justiça comum”, detalha Oliveira. Mesmo para o caso de sites de e-commerce verdadeiros, explica Daniel Oliveira, caso ocorra algum problema com a entrega, com a qualidade do produto ou ainda com a realização dos serviços contratados, o consumidor pode ter dificuldades para estornar a transação e ter o dinheiro de volta.

Em 2021, o Banco Central está planejando uma série de novas funcionalidades para o Pix, dentre elas o “Pix Cobrança”, que permitirá realizar cobranças agendadas similares a um boleto; o “Pix Agendado” que permitiria agendar uma transferência para uma data pré-estabelecida; e o “Pix Garantido”, uma espécie de caução, que bloquearia os valores na conta do remetente, mas que só faria a transferência posteriormente. Essas funcionalidades, juntamente com o “Pix Offline”, que permitiria ao pagador iniciar o pagamento mesmo estando temporariamente sem internet; o “Pix Saque”, para sacar dinheiro em espécie em caixas eletrônicos; e o “Pix por aproximação”, para fazer pagamentos em maquininhas por NFC, pretendem estender o sistema e resolver alguns problemas de usabilidade atuais.

“Enquanto esses mecanismos não estiverem disponíveis, entretanto, temos uma assimetria de risco entre o lojista e o consumidor quando comparamos o Pix com o cartão de crédito. Com o Pix, todo o risco de uma transação de comércio eletrônico está com o consumidor, enquanto que, com o cartão, há um balanço entre consumidor e estabelecimento – e a possibilidade da bandeira do cartão atuar como um árbitro ou fiel da balança em uma disputa”, explica Oliveira.

Outro problema que tem acontecido com frequência é a realização de pagamentos em duplicidade. Oliveira explica que, por uma instabilidade no sistema, ou problemas na conexão internet do usuário, não é incomum haver esse tipo de desacerto. Porém, reaver o dinheiro pago depende da boa vontade do vendedor ou prestador de serviço. No caso de empresas, processos internos, fluxos de documentos e autorizações podem fazer com que a devolução leve muitos dias.

De acordo com o Banco Central, de novembro de 2020 até o dia 28 de fevereiro deste ano, o Pix foi responsável por mais de 275 milhões de transações, movimentando mais de R$ 197 bilhões de reais – cerca de quatro transações por pessoa por mês.

Empresas Siemens abrem inscrições para Programa de Desenvolvimento de Talentos 2021

São mais de 100 vagas para estudantes oferecidas em todas as áreas do conhecimento. As inscrições vão até o dia 14 de abril.

Líderes no fornecimento de soluções inteligentes para os setores de indústria, infraestrutura e energia, as empresas Siemens e Siemens Energy abriram as inscrições para o Programa de Desenvolvimento de Talentos (PDT) 2021, com mais de 100 vagas para estudantes do ensino superior de todas as áreas do conhecimento. Podem participar graduandos de todo o Brasil, com formação prevista para julho de 2022 e julho de 2023, com inglês intermediário ou superior.

O programa, que tem duração de um a dois anos, oferece bolsa-auxílio compatível com o mercado, assistências médica e odontológica, seguro de vida, redução na jornada de estágio durante o período de provas, restaurante e estacionamento no local, auxílio transporte e/ou ônibus fretado, entre outros benefícios.

Os jovens terão a oportunidade de realizar job rotation, participar de treinamentos técnicos e comportamentais específicos, desenvolver competência on the job, por meio de atividades em projetos especiais, além de receber feedback formal de desempenho.

Para participar, os estudantes devem se inscrever para a Siemens Indústria aqui ou para a Siemens Energy aqui até o dia 14 de abril. O processo de seleção, que será totalmente online, inclui avaliações de inglês, análise de perfil, dinâmicas, painéis e entrevistas com gestores.

Holding RPX lança sistema bancário para municípios e prefeituras

Os bancos digitais vêm em um constante crescimento. Apenas em 2020, a Holding RPX – que tem como objetivo servir de curadoria para todas as empresas com inovação tecnológica em setores old age – lançou mais de 40 sistemas bancários e um dos destaques vai para o ‘Cidadão Bank’, que é um dos benefícios que o Cartão Portal oferece para os municípios.

Para Rafael Pimenta, CEO da Holding, a plataforma é direcionada aos municípios de qualquer cidade, que visa – de diversas formas – aproximar o cidadão à prefeitura, dando a possibilidade da mesma gerar novas receitas de investimentos para a cidade. “Decidimos lançar esse modelo, porque identificamos um meio de incentivar a cidadania e a auto suficiência da cidade. Através da plataforma, o gestor tem a oportunidade de trazer lucro e maior benefício para o estado”, explica.

Dentre os benefícios, a empresa promete uma plataforma diferenciada e fácil de usar. “Pensamos nas pessoas que não são adeptas ao uso da tecnologia. Além disso, o banktech conta com o cartão inteligente, onde serão incluídas informações como: prontuário médico, transporte público, boletim escolar, identificação escolar e acesso a conta bancária. Tudo em tempo real, tornando o dia a dia dos usuários mais prático”, comenta o CEO.

O investimento de 700 milhões, lançado em Fevereiro de 2020, unificou todas as informações de acesso necessárias para qualquer serviço público e privado em uma única plataforma, simplificada a um cartão. “Estamos, cada vez mais, em busca de modelos que auxiliem e dêem praticidade ao nosso público. Tenho certeza de que essa é apenas mais uma de nossas soluções”, finaliza Rafael.

Para saber mais, acesse: www.cidadaobank.com.br

Fintechs receberam meio bilhão de dólares em aportes até agora em 2021

Em apenas dois meses, foram investidos mais de US$ 500 milhões em fintechs brasileiras. Esse valor já representa ¼ do total investido no setor em todo o ano passado, e um recorde para o período. Os números foram contabilizados pela edição de março do Inside Fintech Report, relatório mensal realizado pelo Distrito Dataminer, braço de inteligência de mercado da empresa de inovação aberta Distrito.

Em março, até agora, destacou-se o investimento recebido pela RecargaPay, que levantou uma rodada Series C de US$ 70 milhões com fundos de investimento estrangeiros. Chamou atenção também o aporte de US$ 18,5 milhões do Banco BV na Trademaster, uma fintech de crédito para pequenas e médias empresas.

“Esse alto volume não só é um marco, como também um claro indicador da disputa acirrada e do amadurecimento que acompanhamos nesse mercado. A medida que as fintechs estão se consolidando, temos visto mais rodadas de investimento volumosas”, diz Tiago Ávila, líder do Distrito Dataminer. “E essa corrida não se restringe mais somente às fintechs, uma vez que temos acompanhado cada vez mais startups de diferentes setores querendo abocanhar uma fatia do mercado de serviços financeiros, como também corporações criando spin-offs para entrar na disputa.”

O relatório traz ainda um panorama das fintechs voltadas para meios de pagamento, que têm ganhado grande destaque, com startups de outros setores abrindo frentes de negócio nesta direção, na esteira das oportunidades abertas pelo Pix e pelo Open Banking. Hoje são ao menos 166 fintechs atuando no setor — 16,3% das mais de 1 mil fintechs brasileiras mapeadas pelo Distrito.

As fintechs mais antigas dentro da categoria são as de processamento. A subcategoria é formada por startups que começaram a ganhar espaço em 2011, muito em função do crescimento do ecommerce no Brasil. Não à toa, há uma correlação bastante forte entre o crescimento do faturamento do e-commerce com a fundação dessas fintechs, o que reforça sua importância para o setor.

Como implementar e gerir o delivery nos negócios?

Bares, restaurantes e franquias recorreram fortemente aos serviços de entrega, mas fortalecer e aprimorar as operações de delivery não é uma tarefa fácil. Com o isolamento social, a estratégia de migrar para os aplicativos de entrega ou criar um canal próprio de delivery auxiliou milhares de empreendedores no Brasil e no mundo. Mas, existem alguns desafios comuns que muitos empreendedores enfrentam ao migrar seus negócios para o ambiente digital.

Segundo Ernesto Bitran, fundador e CEO da Go2Go – startup que ajuda na gestão de pedidos de estabelecimentos comerciais, somando o serviço de consultoria para implementação de delivery, o primeiro passo é entender em qual marketplace que a empresa quer vender e, ao mesmo tempo, compreender se a marca já têm clientes para consumir no canal escolhido ou se é preciso impactar novos consumidores.

Ernesto reforça que, se a empresa já tem clientes e existe uma relação com a marca, o melhor caminho para iniciar uma operação de delivery é desenvolver um canal próprio. “As marcas não devem apostar toda a operação de entrega nos aplicativos e sim, criar maneiras para falar diretamente com os consumidores. Isso permite que as empresas se relacionem e tenham mais proximidade com seus clientes, além de entender a relação que eles têm com cada canal”, destaca o fundador da Go2Go.

Para implementação do delivery, outro processo que requer muita atenção são as entregas. “A operação do salão é completamente diferente do delivery e, muitas vezes, o serviço de entrega acaba se tornando o principal canal da marca. Por isso, da mesma forma que o empreendedor precisa pensar se a marca já tem relação com o cliente ou se ele precisa construir a relação, é necessário desenhar a cadeia logística inteira e isso parte desde a análise das comidas oferecidas no cardápio até a escolha da embalagem adequada. Além disso, é necessário avaliar como é feita a logística pelo motoboy e com qual qualidade do produto chega até o cliente”, explica Ernesto.

Orquestrar toda essa cadeia, como ter múltiplos canais, administrar a central de atendimento e organizar a vida de quem opera na logística também é um dos pontos fundamentais para essa operação. “O desafio do empreendedor é organizar a cadeia inteira da operação de delivery de A a Z de uma forma que ele não se perca. A solução da Go2Go, por exemplo, permite que as empresas tenham uma visão completa e aprofundada dos dados de performance, em cada um dos canais de venda e isso é fundamental para entender o padrão de consumo por regiões, personalizar ofertas para clientes com base em seu histórico e levar em consideração o tipo de comida, dia da semana, horário pedido e característica do clima”, comenta Bitran.

Para Ernesto, os maiores desafios para 2021 será equilibrar todos os canais de vendas, potencializar os marketplaces que são mais interessantes para cada negócio e aproveitar a omnicanalidade. “Com os estabelecimentos fechados, todos correram para se conectar com aplicativos de delivery. Agora, que o funcionamento dos restaurantes voltaram, o foco volta para a operação do salão. A deliveryzação é um processo de multicanalidade e as marcas precisam conseguir utilizar todas as portas de entrada de maneira que elas convivam entre si de forma saudável e eficiente do ponto de vista financeiro. A multicanalidade é o que vai fazer esses empreendimentos serem menos dependentes dessas oscilações comportamentais, econômicas e pandemicas”, finaliza.

Flávia Costa assume área de relações públicas e comunicação da Infobip

A Infobip, uma plataforma de comunicação global que conecta negócios a experiências de consumo inovadoras em escala, anuncia Flávia Costa como especialista em relações públicas e comunicação na América Latina. Ela vai promover a visão e as inovações de produto da Infobip, elaborar posicionamentos estratégicos, cuidar da imagem da empresa e apoiar os esforços de mídias sociais da América Latina, integrados com a estratégia de RP e vendas da região.

Graduada em Jornalismo e pós-graduada em Comunicação e Gestão de Marketing pela USP, Flávia tem 15 anos de experiência em comunicação corporativa e já trabalhou em grandes empresas e agências, como Santander, Atos, CDI, Lide e Edelman. Em seu último cargo, foi responsável pela área de RP na fintech Magnetis Investimentos. 

“Estou feliz e animada para construir, junto com o time, um trabalho sólido e estratégico, ampliando a percepção de marca da Infobip na América Latina e contribuindo com a expansão e os resultados da empresa na região”, afirma a executiva. “Este cargo será um novo desafio para a minha carreira profissional.”

Flávia carrega em seu portfólio experiências em diversas áreas da comunicação, como RP, comunicação integrada, branding, assessoria de imprensa e comunicação interna. Além disso, ela se preocupa com o desenvolvimento profissional das equipes e com a satisfação contínua dos clientes. 

SumUp recebe investimento de R$ 1,3 BI no Brasil

A SumUp – fintech de soluções financeiras -, acaba de anunciar o aporte de cerca de R﹩ 1,3 bilhão para as operações no Brasil. O investimento bilionário faz parte da estratégia global da empresa para fomentar o crescimento contínuo de suas operações, bem como para a expansão global dos negócios através de aquisições e desenvolvimento de novos produtos.

“O Brasil é um importante mercado para a SumUp no mundo e, por conta disso, a empresa decidiu investir em torno de 30% do aporte total, de €750 milhões, nas operações locais. Nossos esforços serão voltados para quatro iniciativas: criarmos um modelo de solução única aos microempreendedores contando com adquirência, banco digital e produtos de crédito, aquisição de novos clientes, expansão de nossa atuação para outros países da América Latina e atração de talentos “, explica Fabiano Camperlingo, CEO Latam da SumUp.

Em relação à distribuição do aporte nas operações brasileiras, todos os novos negócios receberão uma parcela do investimento de acordo com a demanda de infraestrutura, tecnologia, desenvolvimento e segurança digital, dependendo de seu estágio de maturidade.

“Um exemplo recente foi o desenvolvimento da infraestrutura e do time do banco digital que, em menos de um ano, passou a atender ao nano empreendedor brasileiro. Nesse caso, recebemos a licença de SCD (Sociedade de Crédito Direto) em tempo recorde”, conta Mariana Lázaro, a CFO Latam da SumUp.

“Vale ressaltar que a SumUp Brasil foi uma das finalistas selecionada pelo BNDES para a criação em conjunto de Fundos de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC) de crédito, e esse aporte chega também para auxiliar nessa nova empreitada. Isso quer dizer que, com o conhecimento e o acesso aos recebíveis do microempreendedor que a SumUp possui, este fundo permitirá a concessão de crédito a um segmento da população que ainda não possui acesso a esse tipo de produto em instituições financeiras convencionais, democratizando o serviço financeiro em todo o País”, afirma Camperlingo.

Captado em um empréstimo internacional, através de um condomínio de dívida que tem como participantes a Goldman Sachs, Temasek, Bain Capital Credit, Crestline, e Oaktree, que se uniram para apoiar a SumUp em seu objetivo de empoderar os pequenos empreendedores ao redor do mundo na construção de seus negócios, o aporte global será destinado para as operações da empresa em 33 países, incluindo a expansão dos negócios na Ásia, Europa e América do Sul.

“Além do Brasil, esse investimento será essencial para impulsionar a presença da SumUp na América Latina com as operações na Argentina, México, Peru, Chile e Colômbia”, finaliza Mariana Lázaro.

O aporte de €750 milhões será utilizado para acelerar o crescimento da SumUp no mundo e continuar a apoiar seus negócios existentes em 33 mercados em todo o globo. O novo fundo será usado, também, para continuar a expandir o portfólio de produtos da empresa, tanto organicamente, quanto por meio de novas aquisições, bem como para o refinanciamento de linhas de dívida existentes.

Apesar dos efeitos da COVID-19 nas pequenas e médias empresas, a SumUp entrou em 2021 em sua posição mais forte até o momento. No ano passado, a SumUp revelou uma série de novas soluções e inovações para ajudar as empresas a navegarem pelas restrições operacionais causadas pelo lockdown. Isso incluiu a introdução de links de pagamento, novas funcionalidades de venda online, por meio da SumUp Shop, e cartões-presente em colaborações com Google, Facebook e Instagram. Essas soluções foram todas projetadas para ajudar os donos de negócios a receberem pagamentos com segurança e a continuarem a fazer negócios durante circunstâncias econômicas incertas.

Na Europa, a SumUp iniciou operações na Romênia, já na América do Sul, a empresa iniciou as atividades no mercado colombiano e adquiriu a totalidade da participação na joint venture que tinha com o BancoEstado, do Chile, e continuará atendendo comerciantes e desenvolvendo o mercado do país sob a marca SumUp.

Fabiano Camperlingo, CEO Latam da SumUp, e Mariana Lázaro, a CFO Latam da SumUp

Brasil concentrou 78% dos negócios de private equity na América Latina em 2020, revela Bain

Em um ano de grandes rupturas, o mercado mundial de private equity saiu ileso. O relatório “Global Private Equity Report”, da Bain  & Company aponta que, apesar da desaceleração no início da pandemia, o setor retomou seu equilíbrio após o terceiro trimestre e fechou 2020 com crescimento de 8% em comparação aos níveis do ano anterior. 

O Brasil permanece como a região mais relevante para investimentos na América Latina, concentrando 78% dos negócios, que totalizaram US$ 7 bilhões em 2020. Historicamente, o mercado  movimenta de US$10 a US$13 bilhões anualmente. Entre os setores de maior destaque estão os de finanças, tecnologia, infraestrutura, seguido por varejo e bens de consumo, além do crescimento de empresas na área da saúde.

Com base na forte atividade global no início de 2021, a demanda reprimida provavelmente terá um  impacto positivo no mercado, com os indicadores sugerindo que os fundos continuarão em busca de negócios nos setores menos afetados pela crise da Covid-19. Os dados coletados de janeiro e fevereiro apontam um resultado 60% maior do que a média dos primeiros dois meses dos últimos cinco anos.

Empresas de aquisição de propósito específico (SPACs) explodiram no cenário financeiro em 2020, levantando US$ 83 bilhões em capital novo, principalmente nos EUA, mais de seis vezes o anterior recorde estabelecido apenas um ano antes. 

“A rápida recuperação do setor não é surpreendente. As recessões normalmente oferecem aos fundos de Private Equity uma oportunidade relativamente tranquila para encontrar ativos em dificuldades e retomar o ciclo”, conta André Castellini, sócio da Bain & Company. 

O levantamento aponta ainda que os principais fundos cresceram ao longo dos últimos anos, com destaque para o Softbank, que captou US$ 5 bilhões em 2019 para o seu fundo de inovação. 

Outro aspecto apontado foi a comparação entre fundos de riqueza soberana e fundos privados, já que ambos têm sido mais ativos em buscar investimentos diretos. Há interesses de negócios maiores e ligados em novos modelos de negócios focados em tecnologia. Entre as principais áreas de interesse estão finanças, varejo/e-commerce e educação. 

Os principais desafios enfrentados pelos fundos são tamanho do negócio, número de transações e maior incerteza de resistência do modelo de negócios, além do papel dos fundadores proprietários. Por isso, passam a priorizar avaliação das necessidades básicas, ponto problemático e proposta de valor; cenários potenciais de dimensionamento de mercado; ambiente competitivo e cenários de mudança; posicionamento do cliente e simuladores financeiros. E dão menos atenção a previsões (externa e interna), além da análise do plano de negócios.

“É possível ver a consolidação de fundos menores nestes últimos anos, a saída de alguns fundos estrangeiros e aumento do ceticismo quando o comitê de investimento se encontra fora do Brasil, além do interesse contínuo de fundos não presentes localmente em grandes transações como forma de manter reserva de caixa”, completa Castellini. 

Lambda3 abre vagas para times de tecnologia

Empresa pretende reforçar equipes de desenvolvimento, agile e UX

A Lambda3 – empresa do setor tecnológico, com foco em soluções digitais – está com 28 vagas abertas para diversas áreas da tecnologia. O processo seletivo será on-line e podem participar pessoas de todo o país, sendo que, durante todo o ano de 2021 o trabalho será remoto.

Segundo o CEO da Lambda3, Victor Hugo Germano, o momento do mercado é oportuno para as contratações da empresa. “Percebemos que o ano passado foi de conservadorismo quanto a investimentos por parte das empresas. No entanto, as nossas demandas têm aumentado em 2021, pois a pandemia deve se estender e alguns setores do mercado têm notado que faz sentido investir em transformação digital agora. Além disso, as novas contratações fazem parte de um plano de expansão de times da Lambda3”, explica Germano.

No total, as 28 vagas serão distribuídas para pessoas Desenvolvedoras (22), Agilistas (3) e UX (3). Além disso, ao longo do ano, a companhia pretende abrir 20 vagas para o Devs do Futuro, projeto criado para complementar todos os canais de diversidade da empresa, que visa formar e estimular as pessoas a aprenderem todos os ciclos de desenvolvimento de software, além de contratá-las sem a necessidade de experiência anterior no mercado como desenvolvedora.

“O Devs do Futuro é uma iniciativa da empresa para abrir oportunidades a pessoas que pretendam aprender e trabalhar como desenvolvedora de software. O intuito é fazer com que a ação seja democrática. No último ano, além de oferecermos oportunidades a pessoas em início de carreira, também tivemos experiências positivas com pessoas que já tinham formação em outras áreas e que acabaram migrando para a de tecnologia”, ressalta.

Os interessados em participar do processo seletivo podem se candidatar por meio do site: https://vagas.lambda3.com.b

Pessoas físicas já podem compensar emissões de carbono via internet

Pessoas físicas da qualquer parte do mundo já podem compensar suas emissões de carbono e destinar recursos para projetos de preservação ambiental. Isso pode ser feito de maneira fácil e segura pela internet no site da MOSS, primeira e maior plataforma ambiental do mundo a tokenizar créditos de carbono negociáveis.

A compensação de créditos de carbono é uma forma de compensar os danos causados pela emissão de poluentes, como o dióxido de carbono, na atmosfera. Um exemplo recente é o do estudante de direito Frederico Pinto de Souza, que realizou a neutralização de sua pegada de carbono referente ao ano de 2020 no site da MOSS. Assim como Frederico, outras pessoas estão engajadas em reduzir suas pegadas de CO2, como a ativista Greta Thunberg, eleita personalidade do ano de 2019 pela revista Times, e o medalhista olímpico Björn Ferry, ambos suecos, que deixaram de viajar de avião para baixar suas emissões.

A compra e compensação do token de crédito de carbono da MOSS, o MCO2, pode ser feita no site https://moss.earth/, que destina parte dos recursos para projetos de preservação ambiental da floresta Amazônica. Também é possível armazenar o ativo, que não expira, em uma carteira digital, para compensação ou venda futura.

Foi o interesse de contribuir com projetos de preservação da Amazônia que levou Frederico a comprar e compensar os créditos de carbono da MOSS. O estudante começou a se interessar pelo tema em uma viagem ao Pará em 2019, onde desenvolveu um trabalho para a faculdade sobre manejo sustentável de florestas na região de Tapajós. “No ano passado, comecei a pesquisar para outro trabalho da faculdade e encontrei o Projeto Ituxi, que protege florestas com recursos destinados pela MOSS a partir da venda dos tokens de crédito de carbono”, lembra Frederico. “Já tinha ouvido sobre os créditos e fiquei muito interessado quando vi que poderia comprar e realizar a compensação”, relata.

No ano passado, Frederico comprou e compensou 6 tokens na plataforma da MOSS, o equivalente a 6 toneladas de carbono, para neutralizar suas emissões de 2020. Parte dos recursos foi destinada justamente para o Projeto Ituxi. Segundo o estudante, a facilidade e a segurança oferecidas pela MOSS durante toda a operação foram decisivas para que efetuasse a compra e a compensação dos créditos de carbono. Os tokens da MOSS são registrados em blockchain, o que garante sua autenticidade. “Além da segurança, o design da plataforma é muito intuitivo. Consigo ver o que comprei, quanto tenho disponível para neutralizar e o histórico da minha carteira de créditos de carbono”, conta Frederico. “Comprei em um domingo à noite e já recebi o crédito por e-mail. Muito mais fácil e rápido do que qualquer outra coisa”, elogia o estudante.

Em janeiro, motivado por uma pane de seu carro, decidiu vender o veículo e pretende usar de 30% a 40% para adquirir mais tokens de crédito de carbono, criando uma reserva para compensação da sua pegada de CO2 nos próximos anos. “Me sinto muito seguro, porque sei que o token é um ativo que não expira e, na verdade, tende a valorizar. Quando isso acontecer, vou vender parte da carteira e comprar um carro elétrico. Enquanto isso, fico feliz em saber que estou contribuindo com a iniciativa da MOSS e beneficiando projetos como o Ituxi, que podem inspirar outros”, afirma.

Projetos na Amazônia

Fundada no primeiro trimestre de 2020, a MOSS lançou o maior projeto de tokenização de crédito de carbono da história, o MCO2, e já movimentou mais de 1 milhão de toneladas de CO2. Nesse período, arrecadou e enviou mais de US$ 10 milhões em receitas para projetos de conservação da Floresta Amazônica – o que resultou na expansão desses projetos para 300 mil hectares.

Além de pessoas físicas, o MCO2 também vem sendo usado por grandes empresas para compensação de emissões de CO2. O ativo possui o maior estoque de créditos de carbono da história: 2 milhões de toneladas – equivalente a um valor de mercado de US$ 36 milhões.

O token da MOSS está listado nas corretoras FlowBTC e Mercado Bitcoin, e na global Uniswap. O ativo foi auditado pela CertiK (UP Alliance), tem auditoria em andamento com a Armanino, empresa de contabilidade e consultoria de negócios, via EY, e conta com Perkins Coie, tradicional escritório de advocacia internacional, como consultor jurídico.

ABRINT elege novos membros do Conselho para o mandato de um ano

A ABRINT – Associação Brasileira de Provedores de Internet e Telecomunicações acaba de concluir mais uma eleição anual do Conselho, no qual definiu quem serão os diretores, conselheiros administrativos e conselheiros fiscais, fundamentais para exercer as funções relacionadas aos projetos e tomadas de decisão da entidade. André Felipe Rodrigues e Carlos Ariel Guarisco Ferreira foram eleitos pela segunda vez consecutiva como presidente e vice-presidente do conselho. O mandato dos membros é de um ano contado a partir de suas posses, que ocorrem no primeiro dia útil subsequente à eleição.

Geralmente, a reunião é realizada em evento nacional, que conta com a participação de mais de 8 mil pessoas, no entanto, em razão da pandemia de Covid-19, a eleição aconteceu, pela primeira vez, de forma 100% on-line, um fato histórico para a associação, que se adequou com êxito às novas necessidades.

Agora, a atual gestão da ABRINT terá como prioridades reestruturações internas sob a direção executiva da Alessandra Lugato, como o investimento em novas políticas de compliance, a retomada de eventos regionais, tão logo a situação da pandemia permita a retomada dos encontros presenciais, e do evento nacional, que acontecerá nos dias 08, 09 e 10 de dezembro no Frei Caneca, em São Paulo.

Veja abaixo a lista dos membros eleitos:

Diretoria

Breno Vale;

Mauricélio Oliveira;

Sidnei Batistella.

Conselho de Administração

André Felipe Rodrigues;

Carlos Ariel Guarisco Ferreira;

Adriano Hoinaski;

Alonso Oliveira Neto;

Aristóteles Dantas;

Basílio Perez;

Carlos Guerra Godoy;

Cristiane Sanches;

Eder Pereira;

Euclydes Vieira Neto;

Everson Mai;

Jackson Almeida;

Janyel Leite;

Jorge Morgado;

Liandro Paulo Carniel;

Luis Roberto Olanyk;

Marina Lage Carvalho;

Renato Machado;

Tiago Melo Oliveira;

Wardner Maia.

Conselho Fiscal

Elon Pereira Junior;

Juarez Silvestre;

Tiko Kamide;

Iure da Luz;

Rogério dos Santos;

Samuel Silva.

Bayer abre mais de 120 oportunidades de estágio

A Bayer, multinacional alemã de saúde e nutrição que completa este ano 125 anos de história no Brasil, abriu processo seletivo para o segundo semestre de seu Programa de Estágio 2021, com inscrições previstas até o dia 13 de abril. As posições estão disponíveis nos seguintes Estados: Bahia, Pernambuco, Goiás, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul.

O programa institucional abrirá oportunidades para estudantes de ensino superior (bacharel ou tecnólogo) e técnico e prevê duração de até dois anos. As vagas são direcionadas a estudantes brasileiros de diversos cursos das áreas de exatas, humanas e biológicas.

Conhecida pelo forte compromisso com a inclusão e diversidade, a multinacional busca atrair e desenvolver talentos cada vez mais plurais e diversos, que acreditam que a inovação e a sustentabilidade podem ser grandes motores de transformação para os desafios atuais do nosso tempo. Além disso, a empresa também busca por candidatos que tenham interesse em demonstrar no dia a dia vontade de se desenvolver, abraçando desafios na busca por inovação e entrega de melhores soluções, entendendo a cooperação como um fator fundamental em uma jornada de crescimento.

Em 2020, 58% de nossos estagiários contratados eram negros e 62% eram mulheres . Para os próximos anos, vamos continuar investindo em uma atuação inovadora, inclusiva e diversa, estimulando o autodesenvolvimento e a colaboração para preparar jovens profissionais para o futuro“, afirma Patricia Leung, Gerente de Employer Branding & Relacionamento com Universidades na Bayer no Brasil.

A fim de potencializar a jornada de desenvolvimento, a Bayer – como uma empresa global – oferece,, em sua trilha de estágio um curso de inglês online gratuito para os novos talentos. De acordo com estudo interno realizado no ciclo anterior de recrutamento, menos de 24% dos candidatos inscritos declararam ter conhecimento avançado ou fluente em inglês.

“Reconhecemos que as experiências de vida e a curiosidade em aprender que um candidato em início de carreira tem são os mais valiosos diferenciais. Há algum tempo eliminamos critérios praticados historicamente – como proficiência na língua inglesa e graduação em instituições de ensino especificas – em busca de histórias ricas e valores alinhados aos da nossa organização. A essência das pessoas tem um valor que vai além do CV, já os conhecimentos e as competências técnicas farão parte de sua trilha de desenvolvimento na Bayer“, complementa Patricia Leung.

Alinhados com nossa cultura, os benefícios do programa são baseados no tripé que contempla Equilibrio, Saúde Integrada e Finanças, sendo alguns deles: assistência médica e odontológica, seguro de vida, curso de inglês online; desconto em produtos Bayer, conte comigo (assistência psicológica, nutricional, coaching de saúde e bem-estar, pedagógica, entre outros) e gympass.

Jornada de desenvolvimento


Além de uma trilha de desenvolvimento já estruturada na companhia, os estagiários contarão com uma jornada de aprendizagem transversal. A partir de uma metodologia interseccional – estruturada para contemplar a experiência dos mais diversos grupos de mulheres, negros, LGBTQIA+, pessoas com deficiência e marcadores geracionais – os estagiários percorrerão uma trilha de desenvolvimento voltada para soft skills, abordando temas como: futuros possíveis, comunicação consciente, apresentação e marca pessoal, entre outros.

Pré-requisitos


Estudantes de todas as áreas de ensino podem se candidatar. Para participar, é preciso estar cursando a partir do 2º ano da graduação e ter disponibilidade para estagiar 30h (Estágio Corporativo) ou 40h semanais (apenas para Estágio Agro – 5 meses duração). No caso dos estudantes de nível técnico, é necessário ter vínculo com colégio técnico e possibilidade para a assinatura de estágio por até dois anos.

Programa de Estágio Institucional Grupo Bayer


Inscrições: Até 13/04
Como se inscrever:https://b.novostalentos.ciadetalentos.com.br/estagio
Data de início: agosto de 2021


Benefícios: Plano de carreira, assistência médica e odontológica; seguro de vida; curso online de inglês, vale-transporte e/ou ônibus fretado (quando presencial, dependendo da localidade); refeitório ou vale-refeição (dependendo da localidade) e descontos nos medicamentos Bayer.


Cursos: Administração, Agronomia, Bioquímica, Ciências Biológicas, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas, Comunicação Social, Direito, Engenharias, Farmácia, Marketing, Medicina Veterinária, Psicologia, Química, dentre outros cursos correlatos.

Fernanda Rodrigues assume diretoria de People da everis Brasil

A everis , consultoria multinacional de negócios e TI do Grupo NTT DATA, anuncia que Fernanda dos Santos Rodrigues é a nova diretora da área de People no Brasil. Com mais de 20 anos de experiência na área de Recursos Humanos, Fernanda assume com o desafio de apoiar o significativo crescimento dos negócios da operação brasileira nos últimos anos, contribuindo com novas ações estratégicas na área para atrair, aperfeiçoar e reter talentos.

“Pretendo contribuir para tornar a everis ainda mais conhecida e atrativa para que as pessoas almejem trabalhar conosco, destacando nossos diferenciais nesse mercado extremamente competitivo, e as possibilidades de aperfeiçoamento e de crescimento dentro de planos de carreiras bem-estruturados”, afirma a nova diretora de People.

Fernanda ressalta ainda que trabalhará para melhorar e alinhar alguns processos internos, a fim de assegurar que a companhia esteja sempre pronta para oferecer serviços qualificados e inovadores aos clientes, com profissionais altamente especializados e prontos a oferecer inteligência de mercado e soluções operacionais e estratégicas customizadas e eficientes para empresas dos mais variados setores.

Anteriormente, Fernanda trabalhou em empresas como GFT, Ecolab, Stefanini, Cognizante DTS Latin América, sempre na área de recursos humanos e contribuindo para o desenvolvimento de novos projetos, iniciativas e soluções para o dia a dia da área e para fortalecer a atratividade das companhias (Employer Branding).

“A Fernanda é uma pessoa que tem o DNA moldado em Recursos Humanos, que somou experiências interessantes na seleção, contratação, integração e aperfeiçoamento de talentos em empresas de diferentes segmentos, como consultorias, varejo e publicidade. Por isso, acredito que poderá dar continuidade e contribuir para agregar mais inovação e colaboração a nossa equipe, com o intuito de nos fortalecer e impulsionar nosso atual processo de rápida expansão no país”, acredita Ricardo Neves, CEO da everis.

Fernanda Rodrigues é graduada em Psicologia, tem MBA em Gestão de Pessoas e especialização em Direito Empresarial e Docência, tendo atuado por mais de dois anos como professora das Faculdades Anhanguera.

Maior rede de supermercados de Santa Catarina tem primeira loja da América Latina a implementar pagamento por reconhecimento facial

Com solução da startup Payface, o Angeloni diminuirá filas e evitará o contato físico entre os consumidores

Em um período em que as pessoas precisam manter uma maior distância entre si na hora de sair de casa, por conta da pandemia da Covid-19, a rede de supermercados Angeloni, com lojas em Santa Catarina e no Paraná, passa a oferecer em uma de suas lojas físicas a opção de pagamento por reconhecimento facial. Com solução da startup Payface, a tecnologia conecta o rosto de cada usuário com o seu cartão de crédito. Sem precisar mostrar o cartão e sem tirar a máscara, o consumidor poderá optar por pagar suas compras usando apenas o rosto, diminuindo filas e evitando contato físico. 

A solução está inserida em todos os caixas rápidos e self-checkouts da unidade da Avenida Beira-Mar Norte, em Florianópolis (SC). A integração faz parte da estratégia de inovação do Angeloni, que pretende criar hoje as “lojas do futuro” e intensificar os cuidados da marca com a prevenção do novo coronavírus. 

Para Eládio Isoppo, cofundador e CEO da Payface, a implementação no Angeloni mostra o potencial que a tecnologia tem de se tornar uma das principais escolhas de meio de pagamento dos brasileiros. “Após a pandemia, muitas modificações serão feitas e até mesmo mantidas na rotina das pessoas, considerando a visível mudança nos hábitos de compra da população. Vermos uma das principais redes supermercadistas do Sul buscando inovação é um dos primeiros passos para deixarmos para trás uma experiência de pagamento dissociada da jornada do consumidor”, diz Isoppo.

A ferramenta está integrada ao aplicativo do Angeloni e permite compras por cartões de crédito. Para começar a pagar por reconhecimento facial, o usuário baixa o aplicativo do Angeloni no seu próprio celular e cadastra o rosto. No momento em que for fazer suas compras, o consumidor se posiciona em frente a um dispositivo móvel instalado junto ao caixa e faz a sua identificação com o rosto, sem precisar usar o celular. Então, com a identificação validada pelo sistema, o atendente, do outro lado, confirma o valor e finaliza a compra com a autorização do cliente. Todo o processamento é feito sem nenhum toque no dispositivo.

Em Santa Catarina, segundo a Pesquisa Mensal do Comércio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), os hipermercados e supermercados cresceram em 14,5% em volume e 20,9% em receita nominal até setembro de 2020. Isso porque, considerados essenciais durante a pandemia, esses estabelecimentos continuaram funcionando nos períodos em que bares, restaurantes e serviços não essenciais fecharam as portas devido às regras de quarentena. 

RD Station vai abrir mais de 200 vagas em 2021

A RD Station, líder no desenvolvimento de softwares para o crescimento de pequenas e médias empresas, irá abrir mais de 200 novas vagas ao longo deste ano. Algumas oportunidades permitem trabalho 100% remoto e há posições que não exigem diploma universitário. 

Cerca de 40% das vagas serão destinadas às áreas de engenharia, produto e design, ligadas ao desenvolvimento das plataformas RD Station Marketing e CRM, que atendem mais de 25 mil empresas em cerca de 20 países. As demais contratações, incluindo oportunidades para PCDs, somarão às equipes de customer success, vendas, operações, marketing e área administrativa. Há também vagas para mercados internacionais, como Bogotá e Cidade do México.

Uma das empresas de tecnologia de maior destaque no Brasil, a RD Station esteve nos últimos sete anos entre as melhores empresas para se trabalhar segundo o ranking GPTW. Também faz parte da lista Linkedin Top Companies: onde os brasileiros sonham em trabalhar.

Para Anderson Nielson, diretor de Gestão de Talentos da RD Station, a cultura de trabalho aberta e colaborativa e o fato de ser uma empresa inovadora, líder de mercado e precursora de tendências, tornam-se grandes diferenciais num mercado que historicamente sofre com a escassez de profissionais. Dentro da RD Station, há coletivos de mulheres, pretos e pardos, PCDs, entre outros, que estão sempre criando ações e debatendo formas de criar um ambiente mais saudável e motivador.

“Temos observado um aumento da procura de candidatos não apenas interessados em trabalhar com nossos produtos, mas principalmente em busca de uma oportunidade para o desenvolvimento pessoal e de suas carreiras”, afirma Nielson. “Para a RD Station, é uma excelente forma de atrair gente talentosa e cheia de energia”.

Das mais de 200 vagas previstas para este ano, 50 já estão publicadas na página de vagas da RD Station

Positivo Tecnologia registra receita de R$ 887 milhões no quarto trimestre de 2020 e cresce 59% em relação ao ano anterior

A Positivo Tecnologia, empresa brasileira de tecnologia, fechou o quarto trimestre de 2020 (4T20) com receita de R$ 887 milhões (+ 59% vs. 4T19). A companhia registrou lucro líquido de R$ 149,7 milhões neste período, resultado 28 vezes superior ao lucro líquido de R$ 5,3 milhões registrados no mesmo trimestre de 2019.

A aceleração na adoção de tecnologias pelos consumidores e a transformação digital do dia a dia das pessoas gerou uma ampliação no mercado e nos segmentos onde a Positivo Tecnologia atua. Esse cenário permitiu que o lucro líquido anual batesse a marca de
R$ 196 milhões, o maior valor dos últimos 10 anos. Em relação a 2019, o montante é nove vezes superior aos R$ 20,8 milhões registrados em 2019.

“A tendência de recuperação que observamos nos trimestres anteriores se consolidou com ainda mais força no último trimestre de 2020. Fechamos o ano colhendo os frutos de uma estratégia bem-sucedida que foi adotada ao longo das adaptações exigidas pela pandemia. Mesmo com os desafios impostos por esse momento, como falta de componentes, alta do dólar e fechamento das lojas, conseguimos crescer e atingir novos patamares para a empresa”, afirma Hélio Rotenberg, presidente da Positivo Tecnologia.

Com os resultados do 4T2020, a companhia pôde perceber uma evolução de seu core business e uma consolidação de suas “Avenidas de Crescimento” – Servidores, Pequeno Varejo, Tecnologia Educacional, IoT, Soluções de Pagamento e HaaS (Hardware as a Service) – que representam 20% da receita consolidada em 2020, atingindo R$ 473 milhões no ano. Além disso, a Positivo Tecnologia já registra maior penetração em diferentes classes sociais, como A/B, com Vaio e Positivo Casa Inteligente. Essas unidades de negócios apresentam crescimento elevado e concentram cerca de 70% dos consumidores dessas classes sociais.

Em 2020 e durante todo o período de pandemia, a empresa manteve o funcionamento de suas produções se preocupando com a segurança de todos os colaboradores e buscando a forma mais adequada de passar por aquele momento. A gestão da companhia contou com práticas voltadas ao ESG, como o aumento de membros independentes no do Conselho de Administração, conquista do selo Great Place to Work, parceria com outras empresas para aumentar a produção de ventiladores pulmonares, doação de cilindros de oxigênio, disponibilização de acesso gratuito às plataformas de ensino a distância e doação de notebooks a famílias em situação de vulnerabilidade social.

Digio abre mais de 30 vagas na área de tecnologia

Há oportunidades para cargos de estagiário, analista e especialista com benefícios atraentes para o mercado

O Digio, bantech de serviços financeiros, está com mais de 30 vagas abertas na área de tecnologia para posições que variam entre estagiário e especialista. As oportunidades de trabalho abrangem as áreas de Infra&Cloud, Sustentação, inovação, open Banking, desenvolvimento, segurança e desenvolvimento Back End.

O Digio oferece diversos benefícios, como assistência médica e odontológica com ortodontia, seguro de vida, auxílio creche, vale-alimentação, vale-refeição, cesta de Natal, previdência privada, Gympass, Licença Paternidade estendida e PLR (Participação nos Lucros e Resultados). No atual momento, as equipes estão trabalhando remotamente e disponibiliza auxílio psicológico e nutricionista por meio de telemedicina.

Na sede há ambulatório, cafeteria com lanchinhos, ambiente descontraído que permite trabalhar de qualquer lugar ou mesa e happy hours mensais, ainda que remotos neste momento. A empresa também oferece facilidades como reembolso de pedágio, estacionamento, fretado e combustível (cargos de especialistas em diante) para deslocamento para ou do escritório.

“Trabalhar no Digio é experimentar a cultura de excelência e desempenho do mundo dos bancos com a inovação e o ambiente descontraído de uma fintech”, diz Beatriz Nóbrega, Superintendente de Gente&Gestão e CX. “Nós somos uma bantech.” O Digio faz parte do grupo Elopar, holding criada em 2015 por meio de uma parceria entre o Banco do Brasil e o Bradesco.

As inscrições podem ser feitas em https://www.digio.com.br/trabalhe-conosco/

• Estágio em Produtos – Conta Digital

• Analista de Segurança do Produto Júnior

• Desenvolvedor Back End (Java) Pleno

• Analista de Sustentação Sr

• Especialista de Infra e Cloud Services

• Especialista de Inovação

• Especialista de Inovação

• Especialista Open Banking

• Especialista de Des. Back End

• Especialista Desenvolvimento