Page

Author admin

Smart Break recebe aporte de 5,5 milhões de grupos de investimento anjo para alavancar o segmento de micromercados autônomos

Pioneira no país no ramo de micromercado autônomo – também chamado de honest micro market, a Smart Break, concluiu uma rodada de captação de 5,5 milhões de reais. Estão no aporte, as redes de investidores Anjos do Brasil e Columbia Alumni Angels, além de altos executivos com passagens pelos segmentos de logística, varejo e tecnologia.

Com o cheque, a retailtech pretende expandir sua atuação, com a abertura de 1.500 lojas nos próximas dois anos. Para se ter uma ideia, apenas em São Paulo, a startup pretende inaugurar até 50 micromercados por mês. Hoje, a Smart Break conta com mais de 200 lojas implementadas, que atendem a mais de 90 mil pessoas. O objetivo é chegar a 1.500 lojas, nos próximos dois anos.

“Em julho deste ano, iniciamos nosso plano de expansão para todo o Brasil, modelo que está acontecendo por meio de franquias e operação própria em outros estados. Nosso negócio é totalmente diferente dos modelos de franquias tradicionais, visando expansão rápida, exclusividade territorial e formato altamente lucrativo. Estamos sentindo um forte interesse do mercado e por isso apostamos cada vez mais no desenvolvimento de nossas tecnologias e soluções logísticas para alcançarmos todo o país em um curto período de tempo”, afirma o CEO da Smart Break, Rodrigo Colas de Freitas.

Desde sua abertura, em 2018, a Smart Break quadruplicou o número de colaboradores e agora aposta cada vez mais em tecnologia e processos logísticos para alcançar seus objetivos no menor tempo possível. O recebimento de um investimento externo também está nos planos de curto prazo da Smart Break.

“Fomos a primeira empresa a colocar uma loja de honest micro market em condomínio residencial no país, em 2019, e com a expertise conquistada com inovação, tecnologia e qualificação de nossos profissionais e processos, nos tornamos uma referência e desejamos ser a maior empresa do segmento, com crescimento sustentável, ampliação de oferta de produtos, oferecendo cada vez mais comodidade, conveniência e segurança às pessoas. Queremos revolucionar a forma de consumo das pessoas em seus condomínios residenciais e nas empresas onde trabalham”, diz o empreendedor Rodrigo Colas.

A startup acompanha uma tendência mundial que traz o consumo para espaços cada vez menores (como a migração de consumo de hipermercados para o conceito de mercado-minuto). O menu é totalmente personalizável, composto por mais de 900 artigos como bebidas (alcóolicas e não-alcóolicas), sucos naturais feitos no dia, frutas, refeições, saladas, sanduíches, sorvetes, doces em geral e muitos outros snacks – e uma das preocupações da empresa é sempre apresentar novidades.  A Smart Break toma conta de toda a dinâmica: instala e abastece por conta própria, controlando o estoque, necessidade de reposição e validade de produtos por meio de sistemas e auditorias. A empresa que contrata este serviço não tem custo e não é exigido faturamento mínimo, devendo apenas disponibilizar o ponto.

“Desde que a SmartBreak me foi apresentada, demonstrei interesse genuíno sobre o negócio de Honest Store, que claramente é um retrato da adaptação do setor varejista às grandes mudanças de comportamento de compra dos clientes, na medida em que estes se tornam cada vez mais exigentes. Fatores importantes como logística eficiente e tecnologia “user friendly” são diferenciais da Smart Break. Além disso, o dinamismo do Founder e seu entendimento sobre como gerir o negócio foram também fatores decisórios para o investimento anjo”, comentou Reynaldo Saad, um dos investidores da Anjos do Brasil.

BLACK FRIDAY: 6 dicas para as marcas alcançarem os consumidores no digital

Não há dúvidas de que o digital se consolidou como a principal fonte de compras para os consumidores. Pesquisas recentes mostram que subiu de 40% para 80% o número de pessoas que compram a maioria ou tudo online para a maior parte das categorias. Impulsionado em grande parte pela pandemia, o e-commerce no Brasil registrou um aumento de 74% nas vendas em 2020, no comparativo com 2019, e uma alta de 84% no faturamento do ano.

Neste contexto, a Black Friday, uma das principais datas para o comércio, bateu seu recorde de faturamento no ano passado: R$ 5,1 bilhão (com os segmentos de moda, acessórios, beleza e perfumaria liderando o número de pedidos) e ganho de mais de 344 mil novos compradores.

A expectativa é que a edição de 2021 seja mais digital e apresente um crescimento ainda mais expressivo. Em um cenário tão desafiador e competitivo, como as marcas podem se destacar e gerar uma conexão eficaz com os seus consumidores na data? Daniela Galego, Head of Industry no Yahoo, destaca que o segredo é colocar o público no centro de qualquer ativação.

Nesse sentido, a executiva elenca seis dicas que podem ajudar as empresas não apenas a alcançar os consumidores, mas também a personalizar suas mensagens e, mais importante, criar proximidade e incentivar a fidelização. Confira abaixo:

1.Trabalhe com inteligência de dados


Entender quem é o consumidor é o primeiro passo para as marcas realizarem uma comunicação eficiente. Nesse sentido, a análise de dados é, sem dúvidas, um dos caminhos mais eficazes para atingir este objetivo, especialmente em um mundo cada vez mais digital. A inteligência de dados permite não apenas a criação de campanhas ou ativações que atendam diretamente aos desejos das audiências, mas um incremento no trabalho de performance, por meio de modelagens exclusivas de acordo com objetivos e interesses de cada target.

2. Foque na amplificação multi-tela

Cada vez mais os consumidores interagem com múltiplas telas de forma simultânea. As novas rotinas, comportamentos e jornadas de compras, portanto, demandam uma atuação 360º. “As marcas precisam entender quais são os momentos de conteúdo vivenciados pelo consumidos durante sua jornada pelos mais diferentes canais”, destaca Daniela. Levantamento do Yahoo aponta que 3 em cada 4 telespectadores de CTV utilizam mobile para procurar conteúdo relacionado enquanto assistem TV e que 35% deles procuraram inspiração de compras em formatos como OOH, anúncios interativos ou mesmo podcasts – dado que mostra o potencial do conteúdo em áudio. Ao optarem por atuação integrada, as marcas criam para o consumidor uma visão única e ao mesmo tempo cross-channel da mensagem que desejam transmitir.

3. Invista na relevância contextual


Estratégias contextuais são essenciais, sobretudo em um universo cookieless Elas geram proximidade, estreitam o relacionamento com os usuários e mantém as marcas atualizadas com as novas tendências do mercado. Pesquisa do Yahoo revela que 69% dos usuários são mais propensos a olhar para anúncios que sejam relevantes aos conteúdos que estão consumindo, 67% sentem-se engajados com anúncios relevantes e 40% utilizaram recomendações de anúncios personalizados.

4. Transforme ativações em experiências


Investir em conteúdos customizados, como branded experiences ou entertainment commerce, ou em formatos imersivos, como WebAR, permite que as marcas transmitam as mensagens desejadas em também criem conexão com os usuários, transformando histórias em experiências marcantes em todas as etapas do funil de venda.

5. Entenda o poder da influência e saiba como usá-la a seu favor


O Brasil tem mais de 1 milhão de influenciadores digitais, que representam a segunda maior fonte de decisão de compra dos consumidores. Sabendo que 71% dos brasileiros seguem um influenciador digital, 86% já descobriram um produto por meio de influencers e 55% pesquisam a opinião de um influenciador antes de uma compra, é fundamental para as marcas fazerem uso da influência digital na hora de desenvolver campanhas e ativações.

6. Priorize ativações always on


Embora o foco seja a Black Friday, é importante, e estratégico, que as marcas comecem as ativações junto aos públicos de interesse semanas antes da data, de modo a gerar proximidade, e continuem após o evento, para não perder contato e fortalecer a confiança. “Para alcançarem bons resultados junto ao consumidor, as marcas precisam priorizar ações perenes e que o atinjam nos mais diversos pontos de contato utilizados por ele”, finaliza a executiva.

Career Fair 2021 reúne universidades e empresas suecas

No próximo dia 18 de novembro, das 13h às 15h, estudantes e profissionais que tenham interesse em saber mais sobre como funcionam as universidades e empresas suecas poderão conhecer, conversar e fazer networking com as principais universidades e grandes empresas do país da maneira on-line e gratuita.

No total, serão mais de 20 salas de universidades e empresas suecas, tudo em um ambiente virtual preparado exclusivamente para receber os participantes, que poderão conhecer mais sobre os cursos, tirar dúvidas diretamente com os representantes das universidades e ainda ter acesso a palestras com profissionais de empresas suecas e representantes de universidades. Além disso, os candidatos também poderão ouvir depoimentos de estudantes que tiveram sua experiência na Suécia. 

Conhecido por seu DNA inovador, o país nórdico sempre buscou a pluralidade e se interessa muito pelo intercâmbio internacional, em especial o brasileiro, por conta do seu potencial criativo. As universidades Chalmers, Jönköping, KTH, Linköping, Linnaeus University, Lund, Stockholm School of Business, Umeå, The University of Gothenburg e University West já confirmaram presença e receberão os participantes para explicar seus diferenciais. Aos que tiverem interesse em relacionar-se com empresas, já temos confirmadas: ABB, Alfa Laval, Atlas Copco, Autoliv, Epiroc, Getinge, Saab, Scania, SKF e Quant.

Para mais informações sobre o Career Fair 2021, acesse: https://careerfair.onlinecareerevents.com/event/5648.

80% dos compradores abandonam um varejista após três experiências ruins, aponta estudo da Salesforce

Os resultados publicados na quarta edição do Salesforce Connected Shoppers Report revelam uma lacuna crescente entre o aumento das expectativas do consumidor e a capacidade do setor de varejo de atendê-las.

Soluções de curto prazo implementadas por marcas e varejistas durante o auge da pandemia de COVID-19 – como retirar compras na calçada da loja e assessoria de moda digital – mudaram o que os clientes esperam de sua experiência de varejo. As descobertas do Connected Shoppers Report revelam que, à medida que fica cada vez mais indefinida a fronteira entre os pontos de contato físicos e digitais, os compradores esperam que as marcas e os varejistas cumpram suas regras, com pouca paciência para experiências abaixo da média.

Para atender às expectativas, varejistas e marcas adotaram uma variedade de novos canais e opções, mas ainda estão se adaptando às atuais jornadas de compras mais complexas. Para oferecer experiências mais conectadas, os executivos do varejo planejam empregar mais cientistas de dados para operacionalizar os dados e desenvolver seus stacks de tecnologia.

Com base nas respostas dos consumidores e executivos do varejo que participaram da pesquisa, o Connected Shoppers Report concluiu que:

• A participação de transações em sites e aplicativos de marcas, sites e aplicativos de varejistas e mercados online, em cada uma delas teve um crescimento de quase 40% entre 2019 e 2021, à medida que os compradores adotaram uma variedade de canais digitais para fazer compras.

• As Gerações Y e Z valorizam o acesso exclusivo a produtos e experiências limitadas quase duas vezes mais do que os Silents/Baby Boomers quando se trata de programas de fidelidade.

• 80% dos compradores abandonarão um varejista após três experiências ruins.

• A organização de varejo média usa cerca de 44 sistemas diferentes para gerenciar as experiências do cliente, o que dificulta a entrega de experiências de compra unificadas.

• Enquanto 66% dos clientes esperam que as empresas entendam suas necessidades e expectativas exclusivas, apenas 32% dos executivos de varejo dizem que suas organizações têm a capacidade total de transformar dados em preços, ofertas e produtos personalizados em tempo real em todos os canais e pontos de contato.

A perspectiva da Salesforce: “O COVID-19 mudou permanentemente as expectativas do consumidor”, disse Rob Garf, Vice-Presidente e Gerente Geral de Varejo da Salesforce. “Nossa pesquisa mostra uma necessidade crescente de remover o atrito entre os nove pontos de contato de uma jornada de compra típica. Marcas e varejistas precisarão aumentar os investimentos que unificam os mundos digital e físico para fornecer uma experiência contínua e personalizada”.

Para gerar os insights encontrados no Connected Shopper Report, a Salesforce realizou duas pesquisas duplo-cegas com 1.600 compradores globais e mais de 1.000 executivos de varejo entre julho e setembro de 2021.

Leia o relatório completo.

Automação de RH é um dos focos da Indigosoft

Fabrício Martins, CEO da Indigosoft

Os gestores de RH sabem que o trabalho que realizam agrega valor estratégico para toda a empresa. É possível sim ganhar mais competitividade ao deixar que os profissionais foquem em trabalhos mais ‘inteligentes’ do que braçais. Além do ganho em produtividade e competitividade, os próprios colaboradores se sentirão mais motivados.

Isso sem dizer do seu valor fundamental em atividades ligadas ao processo de admissão, onboarding e a demora no processo de validação de documentos admissionais.

Mas como colocar em prática estratégias que resolvam essas questões? Com a ajuda de novas tecnologias que permitem vencer desafios como erros de digitação e o processo manual de input de dados no sistema da empresa.

No relatório “Top 5 priorities for HR leaders in 2022” o Gartner entrevistou mais de 500 líderes de recursos humanos em 60 países para identificar as tendências, prioridades e desafios do setor de RH em 2022. Alguns resultados foram:

•33% querem economizar custos;

•65% desejam executar transformações de negócios;

•51% querem inovar para o sucesso.

Segundo a pesquisa “Top 5 priorities for HR leaders in 2022”, 42% dos líderes de RH priorizam o futuro do trabalho. O levantamento leva em conta dores como o maior uso de dados pelos colaboradores, como também resiliência e eficiência.

A Indigosoft – fabricante e integradora de plataformas tecnológicas de alta performance focadas em robotização e Inteligência Artificial – se preocupa em oferecer ao mercado brasileiro uma solução inteligente de automação para a área de Recursos Humanos.

“À medida que as organizações se reinventam, o RH tem como desafio moldar a força de trabalho para gerar vantagem competitiva, como também motivar os próprios colaboradores. E não há nada mais retrógrado e contrário aos tempos de hoje, do que esperar dias para a resolução de problemas simples”, explica Fabrício Martins, CEO da Indigosoft.

E, ao falar do amanhã, 27% dos entrevistados pela “US Pulse Survey” da PWC disseram estar remodelando a estratégia geral da força de trabalho. O futuro está na automação e otimização de processos manuais.
Geralmente os profissionais de RH precisam lidar com tarefas lentas e repetitivas, como o lançamento de planilhas de banco de horas, férias ou de horas extras, além do desafio de atender às dúvidas e necessidades dos colaboradores.

Quando se automatiza essas tarefas, o gestor de RH permite que a sua equipe desenvolva habilidades muito mais relevantes para a área, além de diminuir o “copia e cola” e aumentar satisfação e a produtividade da equipe.

O papel da Indigosoft na automação do RH

“O foco da Indigosoft é criar soluções que trazem forte economia de tempo para os analistas de RH e maior qualidade no atendimento aos seus colaboradores, de uma maneira simples e que o gestor não dependa de outras áreas, como TI, para conseguir implantar as automações. De forma resumida, dizemos que a Indigosoft irá usar os mesmos acessos sistêmicos que um humano teria, não demandando APIs, validações, etc.”, conta Fabrício Martins.
Conheça, abaixo, como a Indigosoft pode ajudar a automatizar os departamentos de RH:

● Help desk 100% digital: A utilização de um robô multicanal atende necessidades simples como vencimento e agendamento de férias, envio automático de holerites e de informe de rendimentos, ou mesmo alteração de escala. Isso pode ser feito em qualquer canal, como telefone, app ou, por exemplo, no WhatsApp. Assim, a equipe de RH poderá focar em atender às demandas mais estratégicas dos colaboradores da empresa.

● Bloqueio automático de férias: Tarefa recorrente no RH que pode ser realizada pelo robô desenvolvido pela Indigosoft. Realiza, sem interação humana, bloqueios de acessos a e-mails e sistemas durante férias, horas extras, finais de semana e feriados.

● Processo admissional: Automatiza o processo admissional da empresa, liberando a equipe de RH para focar no relacionamento com os colaboradores. Traz inteligência e facilidade ao processo ao realizar o onboarding com validação automática de documentos.

● Integração de sistemas: Integrar sistemas via RPA sem necessidade de ação da área de TI é uma das especialidades da Indigosoft. Chega de extrair manualmente planilhas de ponto e depois inseri-las no sistema de folha.

Black Friday: Com mercado aquecido, Asia Shipping espera crescimento superior a 10%

Apesar do aumento de preços e das dificuldades logísticas neste momento de pandemia, o mercado em geral está bem aquecido em relação às vendas neste período de Black Friday. Um dos fatores primordiais para essa forte retomada foi a expansão dos horários de funcionamento do comércio, graças à vacinação em massa no País

A Asia Shipping, multinacional brasileira, líder no agenciamento de cargas, prevê um crescimento superior a 10% na movimentação de cargas durante este período, se comparado a 2020. Mesmo com os impasses no setor, como falta de espaço em contêineres e aumento dos fretes, a companhia consegue atender – com um planejamento antecipado junto aos clientes – as demandas na alta temporada de vendas, como Black Friday e Natal.

Setores como vestuário e eletroeletrônicos são os campeões na importação neste período. “A falta de equipamentos para o transporte marítimo é um dos fatores que desencadearam o aumento do lidetime, que é o tempo de fabricação do produto até sua chegada ao consumidor final. Com um planejamento antecipado, as indústrias estão conseguindo suprir a diferença de prazos e entregar ao mercado o que está sendo demandado”, comenta Rafael Dantas, Diretor Comercial da Asia Shipping no Brasil.

Alguns segmentos, que não são tão voltados para a Black Friday, também estão conquistando o mercado. A crise energética, por exemplo, tem gerado uma grande movimentação de cargas, assim como o segmento de energia solar. “As perspectivas do mercado neste segundo semestre de 2021 são bem positivas, comparando ao mesmo período de 2020. Neste ano, além das datas sazonais, algumas crises setoriais acabaram resultando em um forte impulso de produtos específicos, como, por exemplo, os painéis e placas solares”, relata Dantas.

Com total expertise e um leque de soluções e serviços, a Asia Shipping consegue atender diversos segmentos do mercado por meio dos modais rodoviário, aéreo e marítimo. Somente no ano passado, a companhia movimentou cerca 400 mil TEUs, o que demonstra seu potencial, mesmo em cenários adversos como a pandemia do Covid-19.

Pandemia modificou a forma como os brasileiros lidam com o dinheiro, indica estudo do Itaú Unibanco

Um dos dez Compromissos de Impacto Positivo do Itaú Unibanco é o de Cidadania Financeira, que visa fornecer subsídios para expandir o acesso aos serviços financeiros e oferecer ferramentas e conteúdo que apoiem decisões financeiras mais saudáveis. Com esse objetivo, o banco preparou a segunda edição da pesquisa Dinheiro Tabu, feita pela consultoria Box1824, que traz dados sobre a relação dos brasileiros com suas finanças.

A primeira edição, realizada em 2017, abordou a relação emocional dos brasileiros com o dinheiro. Já a edição de 2021 traz uma perspectiva dos principais impactos da pandemia sobre essa relação. O estudo foi feito com as respostas de 2 mil pessoas em todo o país, além de grupos focais com especialistas em finanças.

A pandemia aprofundou e evidenciou questões estruturais e urgentes do país. Com isso, muitos brasileiros tiveram de reavaliar a maneira como estavam lidando com o próprio dinheiro: 86% dos entrevistados afirmaram que a relação mudou durante a pandemia, ao perceberem a importância de se organizar e, principalmente, de guardar dinheiro.

A onda crescente de influenciadores digitais e conteúdos sobre educação financeira disponíveis na internet resultou em 52% dos entrevistados afirmando que buscam mais informações com temática financeira no dia a dia. A satisfação dos brasileiros quanto a sua maneira de lidar com o próprio dinheiro aumentou desde 2017: de 6,4 para 7,1, em uma escala de 0 a 10.

O que era motivo de preocupação se tornou motivo de conversa, e 7 em cada 10 pessoas se acostumaram a falar sobre dinheiro com pessoas próximas. Na pesquisa anterior, de 2017, 46% dos entrevistados afirmaram que preferiam nem olhar para o próprio dinheiro por acharem “estar fazendo algo errado”.

A pesquisa ainda identificou quatro tipos de perfis, que sinalizam diferentes estágios da jornada de consciência do brasileiro com as finanças. São eles:

• Alienados (5%) – Ignoram e negam o dinheiro

• Incomodados (28%) – Lutam contra o dinheiro

• Motivados (48%) – Buscam lidar melhor com o dinheiro

• Plenos (19%) – Tem habilidade com o dinheiro

A importância do estudo Dinheiro Tabu está no direcionamento de como as pessoas estão buscando melhorar suas relações com o dinheiro e como as instituições financeiras podem ser parceiras nesse processo de conscientização, A diretora de Relações Institucionais, Sustentabilidade e Empreendedorismo do Itaú Unibanco, Luciana Nicola, explica: “Acreditamos que é primordial apoiar o cliente a tomar decisões financeiras equilibradas e conquistar seus objetivos pessoais, indo além de ofertar o produto correto. Exemplo disso foi o Programa Travessia, lançado em abril de 2020 para o enfrentamento do impacto da pandemia para os clientes, que alongou o prazo de pagamento para mais de R﹩ 40 bilhões em dívidas e concedeu R﹩ 10 bilhões em crédito novo desde o seu lançamento”.

Ada Lovelace, um dos maiores supercomputadores em universidade do Brasil, é implantado no CENAPAD-SP

Visando aprimorar suas plataformas de pesquisa, o Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho (CENAPAD) de São Paulo, localizado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), acaba de instalar o maior supercomputador universitário do Brasil, nomeado como Ada Lovelace, em homenagem a esta importante matemática inglesa, responsável por ter escrito o primeiro algoritmo para ser processado por uma máquina da história. A solução, financiada pela FINEP, foi projetada pela Versatus HPC, especialista em computação de alto desempenho, e já pode ser utilizada por pesquisadores de todo o Brasil.

A atualização tecnológica garante um aumento significativo no potencial das pesquisas brasileiras, ao permitir a construção de modelos computacionais mais complexos e simulações com muito mais átomos ou partículas. “O CENAPAD-SP possuía um parque computacional bastante sofisticado, mas que, por estar em operação desde 2010, excedeu sua capacidade. Agora, com o novo supercomputador construído com a tecnologia mais moderna do mercado, poderá contar com mais cinco a sete anos de uso com desempenho excelente”, comenta Antonio Nabholz, gerente de novos projetos da Versatus HPC.

Os 70 servidores integrados da solução são orquestrados pelo OpenCATTUS, um software específico para instalação e gerenciamento de clusters HPC, desenvolvido pela Versatus HPC e disponibilizado em formato open source. Com toda essa infraestrutura, centenas de pesquisadores, das mais diversas verticais e localidades, podem realizar inúmeros projetos simultaneamente. O sistema também permite a execução de pesquisas complexas de forma digital, possibilitando, por exemplo, a decodificação de vírus e bactérias sem a necessidade de manuseá-los.

“A Versatus venceu o processo de aquisição lançado pelo CENAPAD por ter oferecido a máquina que melhor se adequava para diferentes usos. A proposta da empresa foi a que melhor apresentou o desempenho e compromisso que esperávamos entre as diversas possibilidades de aplicação que poderiam ser do nosso interesse. Eles souberam balancear bem as diferentes necessidades que a gente possui. Além disso, era a máquina que estava mais bem configurada. Conseguiram entender muito bem a demanda do Centro, que buscava um equipamento versátil, e isso foi muito importante nesse processo”, explica o Prof. Dr. Paulo José da Silva e Silva, coordenador do Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho do Estado de São Paulo.

A partir de então, deu-se início ao processo de implementação da solução, que teve duração de seis meses. Em funcionamento desde agosto de 2021, o supercomputador já gerou um aumento de solicitações de aberturas de contas de 100% e de 70% no cadastramento de projetos para a utilização deste novo ambiente. Além disso, a máquina despertou um interesse maior na comunidade científica, sendo que 13 universidades, localizadas em estados de diversas regiões do País, como UNICAMP, UNESP e USP (em São Paulo), UFF (no Rio de Janeiro), UFMG (em Minas Gerais), UFPI (no Piauí), UFS (no Sergipe), UNB (em Brasília) e UFT (no Tocantins) já a utilizaram. Com o novo supercomputador, o CENAPAD – SP passa a atender novos usuários com demandas mais sofisticadas.

Estrutura do supercomputador

Sabendo que o tamanho dos problemas que os cientistas conseguem tratar está diretamente relacionado com a capacidade das máquinas que eles utilizam, a Versatus HPC criou para o CENAPAD-SP um supercomputador com 8.320 cores de processamento AMD EPYC2 Rome, composto pelas tecnologias de Rede Infiniband Mellanox NVIDIA Networking, GPUs NVIDIA Enterprise e servidores Dell PowerEdge.

“A Dell Technologies vem, ao longo dos anos, se consolidando globalmente como um grande parceiro da área científica. Nós temos o compromisso de oferecer soluções aderentes à realidade econômica e técnica do mundo científico brasileiro, com uma oferta que contempla os componentes mais avançados do mercado de computação. No projeto do CENAPAD não foi diferente, oferecemos uma solução abrangente e contamos com o trabalho da Versatus HPC, um parceiro de negócios e serviços especializado e experiente em computação de alto desempenho. Temos grande satisfação em poder fornecer a solução de HPC para um projeto tão emblemático e relevante para a ciência brasileira”, declara Raymundo Peixoto,  Vice-Presidente Sênior de Soluções para Datacenter da Dell Technologies na América Latina.

“A NVIDIA forneceu para o CENAPAD 10 GPUs NVIDIA A100, com 69120 CUDA cores, produtos de ponta que permitem uma velocidade de processamento seis vezes maior do que tinham até então, algo extremamente necessário hoje em dia em se tratando de projetos científicos. Para acelerar o crescimento da ciência nas universidades brasileiras, e consequentemente no Brasil, é preciso que nossos pesquisadores, alunos, professores e cientistas contem com as melhores ferramentas possíveis. Estou confiante do bem que o Ada vai trazer para toda a comunidade de pesquisadores nacionais”, afirma Marcio Aguiar, diretor da divisão Enterprise da NVIDIA para América Latina.

Logicalis abre vagas para programa de estágio em 2022

A Logicalis, empresa global de soluções e serviços de tecnologia da informação e comunicação, abriu as inscrições para o Programa de Estágio Logicalis 2022. O processo seletivo será 100% virtual e oferecerá mais de 40 vagas nas áreas de Cloud, Segurança da Informaçao, Finanças, Data Intelligence & IoT, Marketing, Engenharia Comercial, Consultoria, IT Applications, Recursos Humanos, Jurídico, Excelência Operacional e Supply Chain. Os estudantes interessados em participar têm até 10 de dezembro para se inscrever. 

No ano passado, a Logicalis adaptou o Programa para a nova realidade de trabalho virtual e neste ano, com o tema “Wherever you are, #beyourself #belogicalis”, não será diferente. Além do processo seletivo virtual, as vagas permitem que estudantes de polos tecnológicos em todo o país atuem em um modelo flexível, que corresponde a 80% do tempo remoto e 20% presencial quando aplicável. Em caso de visitas aos escritórios, a empresa possui um ambiente preparado e adequado aos protocolos de segurança, além de utilizar uma solução tecnológica própria para garantir o agendamento prévio das estações de trabalho.

“O mundo mudou e nós também. Para a Logicalis, não existem fronteiras para buscarmos os melhores talentos. Diante dessa nova realidade, o Programa de Estágio 2022, mais do que nunca, está aberto para estudantes de todo o Brasil”, explica Tania Casa, Diretora de Relações Humanas e Administração da Logicalis Latam. Para participar da seleção, os candidatos precisam ter previsão de conclusão de curso entre dezembro de 2022 e dezembro de 2023 e estar estudando  Administração, Ciências da Computação, Ciências Econômicas, Engenharia de Telecomunicações, Engenharia da Computação, Engenharia Elétrica, Engenharia de Produção, Matemática, Estatística e Sistemas da Informação e entre outras. O processo seletivo será conduzido pela Companhia de Estágios e as inscrições devem ser feitas no site www.ciadeestagios.com.br/vagas/logicalis/ 

Tags

Primeiro fast food operado por robô entra no franchising

A Bionicook é o primeiro fast food robotizado que, além de oferecer uma experiência incrível aos consumidores, traz retorno promissor no modelo de franquias.

Um dos pilares para um negócio ter sucesso é atender as necessidade e dores do consumidor. E se estiver aliada com tecnologia e inovação, a possibilidade de o empreendimento dar certo é quase que total, especialmente quando o assunto é alimentação.

E este modelo de negócio já existe e tem nome, chama-se Bionicook , o primeiro fast food robotizado do mundo desenvolvido pelo empresário brasileiro Fábio Rezler, que já conta com duas unidades em funcionamento no Brasil, sendo uma no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP) e outra na estação Carrão do metrô, na zona leste da capital Paulista. Além deste sucesso em solo brasileiro, o negócio já encantou consumidores estrangeiros onde foi destaque na feira de inovação Gitex Technology Week, em Dubai, um dos principais eventos de tecnologia do mundo.

Um dos segredos do negócio é que Fábio utilizou o empreendedorismo de inovação, um modelo disruptivo de empresa que se aproveita de meios, como a tecnologia, para proporcionar valor agregado, atendendo os desejos e as necessidades dos clientes, seja na criação ou modificação produtos e serviços, quebrando, assim, os padrões estabelecidos.

“Inicialmente tínhamos um modelo tradicional, mas percebemos que seríamos apenas mais um no mercado e isso me incomodava. Era preciso ter algo surpreendente, que pudesse trazer alguma experiência de consumo incomparável, mas logicamente sem perder o foco na alta qualidade dos lanches. Precisava ser muito atraente ao consumidor e aos investidores. Por isso, após oito anos de trabalho intenso e administrando diariamente uma complexidade absurda dos mínimos detalhes (para ter ideia demoramos quase um ano apenas para ajustar o projeto das portas automáticas dos freezers), no final o robô conquistou a todos. Além da fantástica experiência, ele faz trabalhos repetitivos com máxima eficiência e precisão, oferecendo ao consumidor produtos sempre na mesma qualidade”, conta Fabio.

E, em tempos de pandemia, a Bionicook conseguiu atender todos os níveis de excelência de um grande negócio, que passam pelas recomendações de segurança e saúde, e vão até a opção de lanche rápido e ideal para locais de alto fluxo de pessoas.

Robô franqueador

Com uma proposta de expansão mista entre lojas próprias e franquias, a Bionicook foi projetada para investidores que pretendem aplicar e rentabilizar o seu dinheiro em algo lucrativo e realmente novo. No Brasil, Fábio prevê chegar a 40 unidades até o final de 2022 e 200 unidades em até cinco anos. A cidade de Atlanta/EUA será a primeira em território estrangeiro a receber duas unidades até maio de 2022, de acordo com o plano de expansão internacional, assim como outras unidades para o mercado Europeu no segundo semestre.

“Nossos investidores diretos têm perspectiva de ganhos entre seis e 10 vezes o valor inicial investido num prazo de cinco anos. Este retorno está baseado no desempenho de todas as lojas da rede ao contrário uma loja em específico onde o investidor focou seu investimento. Além de oferecer ao investidor melhor diluição do risco e sem estar diretamente à frente da operação, a Bionicook publica mensalmente todos os detalhes das operações em um link na web de acesso restrito aos investidores”, salienta Fábio.

No modelo de franquias o investimento inicial fica em torno de R﹩ 550 mil, com retorno estimado entre 24 e 36 meses. O grande diferencial neste modelo é que a Bionicook traz uma proposta de gestão híbrida, ou seja, por se tratar de um negócio 100% automático 24/7 (24 horas / 7 dias por semana), a própria Bionicook oferece a gestão das lojas ao investidor franqueado.

Como funciona

De maneira bem simples, o consumidor faz seu pedido por meio de uma tela digital touch screen e, imediatamente após confirmado o pagamento, o robô inicia o preparo. Com 18 opções de lanches e 15 de bebidas, o preparo é imediato e sem a intervenção humana. “É um fast food de lanches rápidos ao estilo take away, recebidos embalados e congeladas de fábrica. Apenas para a validação do menu envolvendo pesquisa de mercado, testes de temperatura, tempo de preparo, sabor, validade e produção em escala foram quase dois anos de trabalho”, conta Rezler.

O CEO da Bionicook lembra ainda que este novo modelo de negócio gera uma gama enorme de empregos. “Os robôs têm o objetivo de fazer os trabalhos mais repetitivos e perigosos. A célula robotizada no fast food traz um novo conceito que, na outra ponta, gera outras tarefas que só podem ser executadas por pessoas como a fabricação dos lanches congelados, assistência técnica, reabastecimento, higienização da máquina, suporte 24 horas e logística por exemplo”, finaliza.

Investimento inicial: a partir de R﹩ 550 mil
Payback: entre 24 e 36 meses.
Gestão: híbrida. É o grande diferencial, pois se tratar de um negócio 100% automático 24/7 (24 horas / 7 dias por semana), e a própria Bionicook faz a gestão das lojas para o franqueado.

Hi Platform tem 28 vagas abertas para trabalho em home office

A Hi Platform , primeira plataforma de Customer Experience Journey do Brasil, está com 28 vagas abertas para as áreas Comercial e de Tecnologia. Todas as oportunidades são para o modelo home office e os salários chegam a até R﹩ 12 mil.

Ao total, são 13 vagas na área Comercial e mais 15 no setor de Tecnologia. Para todas as ocupações, há o oferecimento de benefícios que visam o bem-estar dos colaboradores e diversas facilidades para o dia a dia. Entre eles estão o cartão de multibenefícios Caju no valor de R﹩ 900; acesso à plataforma Beecare de cuidados integrados com o colaborador, que oferece acompanhamento médico, personal trainer, nutricionista e psicólogos; Gympass; convênio pleno com o Sesc; auxílio para home office; flexibilidade de horários; assistência médica e odontológica com abrangência nacional 100% paga pela empresa para titulares e dependentes; emenda entre Natal e ano-novo sem descontar das férias, resultando em 40 dias de descanso no ano; dia de folga no mês de aniversário; licença maternidade de seis meses e paternidade de um mês; auxílio creche e para filhos com deficiência; parcerias com universidades (USP e FIAP) para cursos de pós-graduação e outros; e parceria com a escola de idiomas ROCKFELLER.

No setor Comercial, as oportunidades são para atuar com Pré-vendas, com salários que vão até R﹩ 2,5 mil mensais, além dos valores de comissão e benefícios. Para essas vagas, a Hi Platform pede que os candidatos e candidatas tenham experiência em atendimento e vendas, além de conhecimento de técnicas em vendas, informática e uso de redes sociais.

Para a área de Tecnologia, as oportunidades são para atuar em Back-end, Front-end e QA. Os salários podem chegar a R﹩ 12 mil, com benefícios. No segmento de Back-end, a startup pede sólidos conhecimentos em orientação a objetos, banco de dados relacional, noções de programação concorrente e distribuída, desenvolvimento em Net/Net Core (C#, Asp. Net MVC, Web API, Entity Framework) e experiência com computação em nuvem (AWS, Azure ou GCP).

Já para atuar com Front-end, os pré-requisitos são experiência e conhecimento em Protocolo HTTP (response, request, cabeçalhos), consumo de APIs REST, Javascript/ES6+, HTML/CSS, testes unitários, Git. e conhecimento em algum Framework (React, Angular, Vue).

Os profissionais que se aplicarem às vagas de QA, devem ter experiência e conhecimento em protocolo HTTP (response, request, cabeçalhos), consumo de APIs REST, Javascript/ES6+, conhecimento em algum Framework (React, Angular, Vue), HTML/CSS, testes unitários e Git.

As entrevistas e todo o processo seletivo serão realizados de forma remota. Interessados podem se inscrever na página de carreiras da Hi na Gupy .

Tags

NEO oferece 483 oportunidades de emprego em São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco

NEO, especialista em tecnologia e na criação de produtos digitais, anuncia 483 vagas para profissionais de contact center nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Pernambuco

Segundo a diretora de desenvolvimento humano e organizacional da empresa, Ana Alice Limongi, a NEO recruta pessoas de todas as idades para posições dentro da companhia, tendo gerado inúmeros postos de trabalho ao longo de 2021, sendo mais de 5 mil. “A NEO segue firme em seu propósito de transformação digital e tem o compromisso de sempre buscar a excelência em nossos serviços e alcançar um crescimento sustentável. Estamos, cada vez mais, mostrando nosso potencial como empregadora em todo o País”, declara

As oportunidades anunciadas estão distribuídas em cidades onde a empresa mantém operações: Mogi das Cruzes/SP, Santos/SP, São José dos Campos/SP, São Paulo/SP, Rio de Janeiro/RJ e Jaboatão dos Guararapes/PE.
Para participar do processo seletivo, basta acessar o link e seguir as instruções. É necessário ter idade mínima de 18 anos e conhecimentos em informática básica (tais como digitação e preenchimento de dados no sistema). O número de vagas está sujeito a alteração, sem aviso prévio.

Após a contratação, a empresa oferece como benefícios além do salário: vale alimentação ou refeição, convênio médico e odontológico, vale transporte e auxílio creche/babá. A empresa possui ainda parcerias de estudos com diversas faculdades e cursos de inglês, para auxiliar no desenvolvimento profissional de seus colaboradores.

Tags

André Pandolfi assume como CEO da Apex America no Brasil

André Pandolfi é o novo CEO da Apex America no Brasil, empresa líder em BPO (Business Process Outsourcing) e Customer Experience na América Latina.

Entre os desafios do novo cargo está a expansão no mercado brasileiro, com destaque para operações de alta complexidade. “A Apex America tem forte estratégia de crescimento, expansão regional, transformação e diversificação baseada em tecnologia e desenvolvimento de produtos digitais. Estou muito feliz em poder contribuir com esse movimento”, ressalta Pandolfi.

O executivo conta que a Apex é uma das primeiras companhias de BPO da América Latina que possui um acordo de parceria com o Google Cloud na implementação de suas soluções e destaca: “A importante parceria com o Google Cloud nos fortalece ainda mais nesse cenário de mudança não só da Apex America, mas de todo o mercado e, certamente, temos muita oportunidade no Brasil”.

Além de promover o crescimento dos negócios e de garantir o desenvolvimento dos atuais e futuros clientes, Pandolfi explica que sustentará a excelência dos processos e gestão da companhia a partir de uma cultura de proximidade e performance. “Os colaboradores estão no centro da estratégia da Apex e juntos formam uma só equipe com o propósito de deixar o mundo melhor do que como o encontramos. Essa é a razão de ser da Apex e que agrega valor à qualidade dos serviços que prestamos, sempre com base nessa cultura de proximidade e performance para ser a empresa número 1 para nossos clientes e o melhor lugar para se trabalhar, transformando também a vida das pessoas de nossa comunidade”, afirma Pandolfi.

Formado em processamento de dados e pós-graduado em Gestão de Negócios e Serviços pela Universidade Presbiteriana Mackenzie, o executivo possui também MBA em gestão empresarial pela Fundação Getulio Vargas (FGV) e em Business Management for Executives pela Universidade da Califórnia (UCI).

Antes de assumir a nova posição, Pandolfi acumulou mais de 20 anos de experiência no segmento de contact center, com passagens por empresas como Atento, Liq, Sitel, CSU Contact, AlmavivA do Brasil e Teleperformance.

Como donos de restaurante podem evitar golpes no delivery?

O processo de digitalização dos restaurantes é uma realidade cada vez mais presente na vida dos empreendedores no início da jornada ou que já possuem uma rede estável de clientes. Mesmo com o arrefecimento da pandemia e a retomada gradual de atividades presenciais, o delivery se consolidou como um elemento fundamental na cultura de atendimento ao cliente e, com seu crescimento, uma série de desafios estão atrelados à sua adesão.

Um estudo do Sebrae, em parceria com a Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) mostrou a força dos aplicativos de delivery: antes da pandemia cerca de 54% dos estabelecimentos ofereciam a opção de delivery. Esse número subiu para 66% em 2020, com um aumento de 94% no consumo. Um dos principais desafios para os donos de delivery, no entanto, está relacionado ao pagamento dos pedidos. Recentemente, muitas notícias evidenciaram os golpes das “maquininhas no delivery” que ocorreram em marketplaces, no qual entregadores utilizavam o equipamento para receber valores indevidos, prejudicando clientes e afetando a reputação dos restaurantes.

Mas para cada nova oportunidade que os fraudadores encontram, surge uma evolução tecnológica para mitigar os riscos. Nesse contexto, os apps de delivery ganharam impulso por uma solução que visa mitigar essa prática: o pagamento online via cartão de crédito, que viabiliza a transação direta entre o consumidor e o delivery, dispensando o uso da máquina física na hora da entrega. Além da segurança, isso possibilita comodidade para o consumidor final e favorecem sua fidelização. Entretanto, ainda que haja ganho para o cliente, é preciso estar atento aos riscos potencialmente envolvidos em uma transação financeira não presencial.

“Quando a transação é feita presencialmente, sabemos que o cliente tem a posse do cartão e a autorização de uso com a senha. Já no meio digital, não é tão simples identificar se os dados utilizados no pagamento foram roubados e estão sendo digitados por um fraudador”, explica Natália Tukoff, diretora comercial e de marketing da Yapay, plataforma de pagamentos do Grupo Locaweb. “Para rastrear a autenticidade desses dados, é preciso contar com mecanismos de análise antifraude”, completa.

Com o intuito de fortalecer a sinergia na prestação de serviços e a transparência na comunicação com clientes e restaurantes, os aplicativos de delivery e as plataformas intermediadoras de pagamentos podem se integrar, empregando esforços na realização de campanhas direcionadas sobre o tema, alertando e conscientizando seus clientes sobre o risco de fraudes. E com esse objetivo em mente, Yapay e Delivery Direto, unidades do Grupo Locaweb, se uniram criando iniciativas preventivas e curativas para o recebimento de pagamentos em apps de delivery próprio.

As ações englobam um sistema antifraude que combina ações automáticas munidas de inteligência artificial, consulta a bancos de dados com histórico de fraude pelo CPF e endereços, identificação de comportamentos suspeitos, entre outras ações, combinadas à análise manual realizada por um time especialista em risco, que valida dados e informações para garantir a maior taxa de aprovação de pagamentos.

“Junto aos esforços preventivos na contratação de um sistema antifraude, os aplicativos de delivery também podem contar com sistemas de notificação e alerta de compatibilidade entre o ticket médio de um determinado restaurante e os valores obtidos nas transações, de forma a recomendar um olhar mais analítico e atencioso a movimentações que possam parecer suspeitas” pontua Allan Panossian, CEO e fundador do Delivery Direto.

Chargeback

As iniciativas do Delivery Direto e Yapay conseguem reduzir em mais de 10 vezes as chances de uma fraude ocorrer. Contudo, não as torna totalmente evitáveis. Nesse caso, entra em cena o risco de perdas financeiras por meio do chargeback, uma contestação é feita diretamente ao portador do cartão de crédito em sua operadora.

Esse procedimento pode ter origem em diferentes circunstâncias, tais como o desacordo comercial, o cancelamento por equívoco, a autofraude e a fraude deliberada, por exemplo.

Em todos esses casos, sem um mecanismo de detecção de fraude, principalmente no contexto do delivery, que tem entrega muito rápida, o vendedor realiza a entrega do pedido e fica com o prejuízo duplo, pois precisa devolver o dinheiro para o portador do cartão.

Como forma de remediar os casos que conseguem driblar os mecanismos de análise e segurança, que representam menos de 0,4% dos pedidos aceitos, a Yapay oferece, sem custos adicionais, a cobertura integral do valor de transações perdidas pelo estabelecimento. Desde que seja disponibilizada a nota fiscal do pedido, o valor é 100% ressarcido. Esse é um benefício exclusivo para os estabelecimentos que usam a solução do Delivery Direto.

CONHEÇA OS TIPOS MAIS COMUNS DE CHARGEBACK

Desacordo comercial – é comum que o cliente requisite o chargeback quando o restaurante não envia o pedido no tempo prometido ou envia um item errado.

Cancelamento por equívoco – ocorre devido a diferenças entre o nome pelo qual o restaurante é conhecido e o nome registrado na fatura do cartão de crédito. Nesse caso, ao conferir a fatura o cliente pode não reconhecer a compra e contestar os valores junto à operadora do cartão.

“Quando a solicitação de chargeback se torna muito comum sem razão aparente, recomendamos ao lojista que revise e altere os dados cadastrados em seu intermediador, utilizando o nome fantasia do estabelecimento, para que o cliente o identifique com mais facilidade no momento da conferência da fatura”, ressalta Natália.

Autofraude – o cliente recebe a entrega e consome o produto, mas age de má-fé, acionando o cartão de crédito para alegar não ter recebido, solicitando o estorno do valor cobrado.

Fraude deliberada – este caso envolve roubo de dados, perdas e clonagem de cartões. Aqui o fraudador utiliza os dados para realizar compras totalmente ilegítimas e recebe o pedido sem precisar pagar por ele. Quando o proprietário do cartão confere a fatura, percebe compras fraudadas e aciona o chargeback.

Investimento global no clima atinge US﹩ 623 bilhões ao ano, apenas 14% do necessário para limitar aquecimento a 1,5ºC

Os investimentos dedicados ao clima cresceram 10% no biênio 2019/2020, atingindo US﹩ 632 bilhões no mundo por ano de acordo com o levantamento Panorama Global do Financiamento do Clima 2021 ( Global Landscape of Climate Finance 2021 ), elaborado pelo Climate Policy Initiative (CPI). O estudo recém lançado oferece a mais abrangente visão do financiamento global do clima e adota intervalos de dois anos para coleta com o objetivo de suavizar efeitos de eventos não recorrentes.

Apesar do avanço da média anual, o número é apenas 14% do montante estimado de US﹩ 4,3 trilhões por ano de investimentos globais necessários para se atingir a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento em 1,5ºC até o final do século.

“Dada a escala do desafio, simplesmente não é suficiente”, disse a Barbara Buchner, Diretora Geral Global da CPI. “Atingir carbono zero até 2050 exigirá que todos os atores públicos e privados alinhem urgentemente suas práticas, investimentos e carteiras com metas de 1,5C”.

O estudo identificou que o investimento público segue liderando os recursos para financiamento do clima, com 51% (US﹩ 321 bilhões) dos aportes anuais no último biênio. Os bancos de fomento são os que mais investem, representando 68% do capital total destinado ao clima. O desafio de atrair investidores privados ainda é grande apesar do incremento de 13% no período, atingindo US﹩ 310 bilhões por ano.

É nesse sentido que é fundamental o papel do Laboratório Global de Inovação em Finanças Climáticas ( Global Innovati on Lab for Climate Finance – o Lab), uma iniciativa gerida pelo CPI que conta com mais de 70 investidores e instituições públicas e privadas, que acelera soluções de investimentos para apoiar o desenvolvimento sustentável em mercados emergentes.

Criado em 2014, o Lab já lançou globalmente 55 instrumentos, muitos deles instrumentos com estruturas de blended finance, que utilizam capital inicial público para reduzir o risco e atrair investimentos privados.

Ao todo, já foram mais de US﹩ 2,5 bilhões em recursos mobilizados para ações climáticas em economias em desenvolvimento. O Brasil tem sido um país estratégico para iniciativas no segmento. Ao todo, foram 10 instrumentos lançados no Brasil desde a criação do programa brasileiro, em 2016. Em 2021, o Lab venceu o UN Global Climate Action Awards, e receberá o prêmio durante a COP26. O Lab é financiado pelos governos da Alemanha, Holanda, Suécia e Reino Unido, além da Fundação Rockefeller.

Inscrições para programa de aceleração

Empresas com agenda ESG, ONGs, instituições financeiras, entidades e proponentes de qualquer outra natureza podem apresentar ideias inovadoras de soluções financeiras e de impacto para aceleração do Lab. A instituição está com inscrições abertas para o ciclo de aceleração de 2022 até às 22h (de Brasília) do dia 22 de dezembro no site do Lab .

As ideias selecionadas serão anunciadas em março de 2022. Não há restrição do perfil de proponentes, sendo aceitas ideias desde empresas com metas ESG, ONGs, entidades, instituições financeiras, etc.

No dia 18 de novembro, o Lab realiza um webinar em português para explicar os detalhes do programa e tirar dúvidas sobre o processo de inscrição e seleção

Em 2022, o Lab vai acelerar até sete ideias de instrumentos financeiros. Três com foco setorial: um em sistemas sustentáveis de produção de alimentos, outro em adaptação climática e mais um em prédios sustentáveis. Três vagas são para os programas regionais do Brasil, da Índia e da África Austral (que inclui Angola e Moçambique). A sétima vaga é para a melhor ideia independente do setor ou da geografia.

As propostas são selecionadas com base em quatro critérios: capacidade de ação, inovação, potencial catalisador e sustentabilidade financeira. Essas ideias recebem sete meses de consultoria para desenvolvimento, design e análise de mercado. Além disso, contam com o apoio da rede de líderes de instituições públicas e privadas e também dos especialistas do Climate Policy Initiative.

Em 2021, das seis ideias globais, duas das escolhidas foram do Brasil: o Guarantee Fund for Biogas (GFB) , primeiro fundo de garantia ambiental do país, proposto pela Associação Brasileira de Biogás (ABiogás) e o Amazônia Sustainable Supply Chains Mechanism (AMSSC), fundo de crédito para fornecedores de insumos com práticas sustentáveis na Amazônia, proposto por Natura e Mauá Capital. Juntas, as iniciativas estimam destravar inicialmente cerca de US﹩ 100 milhões em investimentos sustentáveis.

Lenovo ISG anuncia Claudio Stopatto como novo country manager

A Lenovo Infrastructure Solutions Group, anuncia Claudio Stopatto como novo country manager para sua operação no Brasil. Com ampla experiência no mercado de TIC, incluindo infraestrutura e telecomunicações, o executivo chega à Lenovo ISG após mais de 14 anos na Dell Technologies, tendo ocupado como último cargo a posição de diretor da unidade de negócios de infraestrutura para América Latina. Claudio passou ainda por empresas como Liq, Oi/Telemar e General Eletric.

“Assumo com muito entusiasmo o desafio de expandir os negócios de serviços e infraestrutura no Brasil, que é um país-chave na estratégia da companhia e o maior mercado da América Latina, para ajudar a Lenovo a se tornar o maior provedor de soluções de infraestrutura para data center”, diz Claudio Stopatto.

No primeiro trimestre do ano fiscal de 21/22 a Lenovo teve na América Latina seu maior crescimento em comparação ao mesmo período do ano anterior, com 73,1% de alta e o Brasil teve 49,3% de crescimento, considerando todas as unidades de negócios. Para seguir atingindo resultados satisfatórios, a Lenovo ISG continuará a investir no crescimento dos negócios – principalmente em edge computing, soluções de nuvem híbrida, convergência das redes 5G com a nuvem – e no fortalecimento dos projetos internos, fabricação e expansão das parcerias estratégicas.

“Neste momento de recuperação da economia, espero ajudar nossos clientes a acelerar a transformação digital por meio de soluções de infraestrutura inteligentes e serviços da Lenovo ISG”, completa Stopatto.

Claudio responderá diretamente para Sergio Severo, que assumiu em agosto como presidente de Lenovo ISG para América Latina.

Maior evento de startups da América Latina acontecerá entre 17/11 e 19/11

Entre os dias 17 e 19 de novembro, a Associação Brasileira de Startups (Abstartups) realizará a 8ª edição do CASE, Conferência Anual de Startups e Empreendedorismo, de maneira totalmente online e gratuita. Considerado o maior evento de Startups e Empreendedorismo da América Latina, a organização espera atrair mais de 30 mil pessoas interessadas no ecossistema de inovação.

Em 2021, o tema da Conferência será ‘Somos CASE de sucesso’, que irá exaltar todos os empreendedores que se dedicam a empreender no Brasil e são capazes de superar os desafios a partir da inovação. O evento contará com mais de 30 stands virtuais de empresas patrocinadores, e mais de 10 arenas dos mais variados temas, como Talentos, Investimento, Cultura, Saúde e vários mais. Neste ano, será utilizada tecnologia de realidade aumentada para que os participantes sintam que estão realmente caminhando pela feira, assim como faziam na edição presencial.

O evento conta com nomes de peso do ecossistema, como Werner Vogels, CTO da Amazon, que falará pela primeira vez em um evento na América Latina. Além disso, Aaron Ross, palestrante mundialmente conhecido também marcará presença, bem como Anna Lebedeva, Head de Marketing mundial Semrush, João Pedro de Resende, CEO e co-founder da Hotmart, Tiago reis, Chairman da SUNO e Amure Pinho e ex-presidente da Abstartups. “Buscamos trazer os principais nomes de inovação para enriquecer ainda mais o nosso ecossistema. Precisamos discutir diversos pontos para que o setor se fortaleça a cada dia, seja mais diverso e colabore cada vez mais para o desenvolvimento do planeta”, explica José Muritiba, Diretor Executivo, da Abstartups.

Todo evento é pensando em ser acessível para todo público, com descrição em Libras em todos os conteúdos e legendas nos conteúdos em língua estrangeira. Além disso, o CASE contará com acessibilidade no site e em toda plataforma.

Além dos painéis e debates de conteúdo, será proporcionada uma experiência única em uma plataforma inovadora nos eventos online de startups. Irão rolar jogos, interação, networking, mentorias, comunidades e muito mais!

Para encerrar este grande evento, irá acontecer mais uma edição do já renomado Startup Awards, o Oscar das startups brasileiras, no dia 19/11. Assim como nas edições anteriores, serão contempladas 15 categorias. Veja a lista de finalistas aqui

CASE 2021

Data: 17 a 19 de novembro, das 10h às 19h

Valor: Grátis

Inscrições: Através do site oficial do evento

Vibra cria hub de inovação para conectar startups e scale-ups

A Vibra Energia inicia uma nova fase na sua jornada de inovação e transformação digital com a criação do Vibra co.lab. Um hub onde estarão unificados os esforços da companhia em open innovation e disseminação do intraempreendedorismo na organização. A Vibra tem expectativa de investir entre R$140 e 160 milhões em diferentes domínios de inovação nos próximos anos.

A inovação será cada vez mais importante para a Vibra que trilha um caminho rumo à transição energética e economia de baixo carbono. O novo hub permitirá a criação de conexões com startups e scale-ups em temas como mobilidade, conveniência, novas fontes de energia e outras tecnologias emergentes, construindo alternativas para grandes desafios do mercado.

“Essa nova fase ressalta a maturidade do nosso relacionamento com o ecossistema de inovação aberta. Hoje, temos mais de 30 startups conectadas aos negócios da empresa. Possuímos um diretório com mais de 100 startups e scale-ups já cadastradas, representando exponencialmente esse número em oportunidades de negócios”, diz Renato Vieira, head de inovação da Vibra Energia.

Por meio de diferentes conexões, a Vibra vem ampliando a atuação em inovação aberta, um dos braços atuantes e fundamentais no avanço do processo de transformação digital, liderado por Aspen Andersen, diretor de TI e Digital da companhia, há algum tempo. Presente em um mercado que experimenta a maior transformação de todas já vistas em mobilidade, pautada pela transição energética e neutralização de carbono, a companhia tem o desafio de levar a cultura de inovação para todas as áreas da empresa.

O time trabalha para estabelecer conexões que permitam chegar a soluções rápidas de problemas do dia a dia de diversos setores. Entre os projetos inovadores desenvolvidos ou que estão no radar da Vibra estão parcerias com startups de meios de pagamento, mobilidade, sustentabilidade, conveniência, energia, entre outras. Também está no escopo startups que ajudem a otimizar processos e reduzir custos.

“Isso terá desdobramentos positivos para diferentes áreas da empresa, na medida em que promovemos a atuação multidisciplinar entre os times internos e as startups. É um ambiente que favorece e fomenta a mentalidade empreendedora e o aprendizado contínuo, individual e coletivo”, explica Vieira.

No último ano, entre conexões estratégicas estabelecidas, pode-se destacar parcerias como as com a Smarthis em projetos de robotização de processos (RPA), devolvendo milhares de horas para os colaboradores, substituindo esforço repetitivo e de pouco valor agregado por tecnologia. Na mesma linha, a conexão com a Robbu promoveu avanço no aprimoramento da experiência dos clientes com um chatbot para Whatsapp, viabilizando autoatendimento para diversos serviços e negócios digitais. Destaca-se também a parceria com AME Digital, como meio de pagamento nos postos; a parceria com a Realwear, no uso de tecnologia IoT com smartglasses, visando a realização de auditorias e intervenções remotas de segurança nas nossas unidades operacionais; e a com a startup Hangarar, empresa de marketplace digital da aviação executiva, que foi incubada em um dos programas de aceleração de startups promovido pela Vibra.

O hub nasce também com parcerias institucionais cujo objetivo é ampliar e facilitar a conexão com o todo o ecossistema de inovação. Os três primeiros são a Endeavor, o MIT Reap e o IBI-Tech. Com a primeira, a Vibra pretende apoiar e participar de mentorias e projetos de aceleração de scale-ups. Já com o MIT Reap, o objetivo é trabalhar em desafios inovadores com foco em energia e mobilidade. E com o IBI-Tech, a companhia quer se aproximar do ecossistema de Israel, um dos principais polos de inovação tecnológica do mundo, com mais de seis mil startups.

Tags