De inteligência artificial a segurança de dados: tecnologias serão protagonistas da Black Friday, aponta estudo do Distrito

De inteligência artificial a segurança de dados: tecnologias serão protagonistas da Black Friday, aponta estudo do Distrito

A necessidade de digitalização e a migração para ambientes virtuais aceleradas pela pandemia aqueceram o ecossistema de inovação e tecnologia. As cerca de 2 mil startups de varejo, marketing, logística e serviços financeiros que atuam no e-commerce e vão trabalhar na Black Friday foram algumas das mais aceleradas pelo aumento das vendas pela internet – juntas já receberam mais de US$ 1,6 bilhão em investimentos em 2021. É o que aponta o novo estudo da plataforma de inovação Distrito, Black Friday Report 2021. Neste ano, a data será marcada por uma participação ainda mais ativa dessas empresas na cadeia comercial, trabalhando com novidades em tecnologia para garantir a segurança das vendas e integrando os canais físico e digital.

Em 2020, houve um crescimento de 25% nas vendas online em relação a 2019, de acordo com dados da Ebit Nielsen. Mas mesmo com o retorno das atividades presenciais, a expectativa é que o e-commerce continue crescendo, segundo a Análise Econômica Consultoria: 2021 deve superar em até 27% as vendas do ano passado. De acordo com o Paypal, o número de lojas virtuais no Brasil também cresceu, e já são mais de 1,6 milhão registradas – 23% a mais que o total de 2020.

Para potencializar as vendas no digital e integrar com as lojas físicas, as empresas passaram a procurar soluções tecnológicas desenvolvidas por startups. Enquanto algumas parecem mais óbvias, como o atendimento virtual e o processamento de pagamentos, inúmeras estratégias estão sendo cada vez mais utilizadas. Dentro do universo das martechs, os segmentos que mais receberam investimentos nos últimos dez anos foram os de relacionamento com o cliente (US$ 530 milhões) e vendas & canais (US$ 417 milhões), o que demonstra uma tendência de atendimentos humanizados em múltiplas plataformas.

Outro segmento acelerado foi o de pagamentos. Com o aumento nos processamentos, instabilidades e constantes tentativas de fraude, garantir a segurança das transações virou o novo foco das fintechs. Em 2021, foram US$ 766,7 milhões investidos na categoria (o que equivale a cerca de 77% do total dos últimos 10 anos), que vem aprimorando sua capacidade para lidar com demandas maiores. Em 2020, 76% dos brasileiros fizeram compras na Black Friday, segundo a consultoria Ebit Nielsen, demonstrando a grande movimentação causada pela data.

O CEO do Distrito, Gustavo Araujo, diz que a pandemia acelerou uma série de tendências que estavam previstas para se concretizar só nos próximos anos em termos de tecnologia, mas as startups estão aí para ajudar. “A boa notícia é que as empresas não precisam sofrer para desenvolver soluções sozinhas e de forma menos ágil. As startups chegaram com força total com produtos eficientes para atender qualquer etapa da cadeia de negócio”, afirma. “A Black Friday é o melhor momento para comprovar resultados, porque exige rapidez para processar um grande volume de transações”, completa Araujo.

Para baixar o estudo Black Friday Report gratuitamente clique aqui .

Comments are closed