Startup Uffa aposta na gamificação para ajudar clientes com problemas financeiros

Startup Uffa aposta na gamificação para ajudar clientes com problemas financeiros

O brasileiro vem acumulando dívidas como nunca. De acordo com a Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em julho, 71,4% das famílias brasileiras estavam endividadas – o maior percentual histórico. Com o objetivo de solucionar parte desse problema e tornar o pedido de empréstimo mais descomplicado, a startup Uffa atua como um mercado de crédito, propondo soluções de negociação de dívidas para pessoas físicas e jurídicas – tudo isso com um foco na experiência do usuário.

            A fintech possui um site descolado, com recursos interessantes de negociação, obtenção de crédito, empréstimos e até mesmo cashback no pagamento de dívidas – ou seja, você paga a sua dívida e ainda ganha dinheiro de volta. Como a empresa está só começando, ela aproveita que o internauta está se atraindo cada vez mais por serviços que oferecem cashback, ferramenta que beneficia tanto a companhia quanto o usuário. Além de varejistas e fintechs como a Uffa, até mesmo plataformas de apostas já conhecidas por serem um site confiável utilizam o cashback para atrair mais clientes, assim como ofertas de boas-vindas para novos jogadores. No confiavel.com, é possível encontrar uma lista de operadoras de apostas esportivas que dão um empurrãozinho para novos clientes, os métodos de pagamento aceitos e os torneios esportivos oferecidos.

Além dos recursos mencionados, a Uffa ainda tem um simulador em sua página inicial, onde o usuário pode calcular o valor do empréstimo total e das parcelas. Já o acesso a crédito é ofertado em um marketplace, onde diversas operadoras disponibilizam as suas propostas.

            A Uffa se destaca por ter um visual divertido – mais do que os serviços online similares. Para ver os diferentes cenários para negociação da pendência financeira, o cliente pode utilizar o seu CPF e recebe um roteiro gamificado, com etapas que lembram as de um jogo. A plataforma também anuncia alguns números sobre si, como “14,7 milhões de pessoas cadastradas”, “58 segundos para realizar o serviço no site”, e “R$ 26 bilhões em dívidas negociadas”.

            Feirão Limpa Nome do Serasa

            Ainda falando de dívidas e negociação, neste mês de novembro, até o dia 30, o Serasa estará realizando o Feirão Limpa Nome, que ocorre anualmente para reduzir o número de inadimplentes no Brasil. São mais de 50 empresas participantes, que oferecem condições especiais e descontos de até 99% para consumidores endividados.

Entre as companhias que estão oferecendo descontos estão a Riachuelo, Itaú, Recovery, Hoepers e Ativos S.A. Na lista, há também empresas como operadoras de telefonia, instituições financeiras (bancos e corretoras), cartões de crédito, empresas de engenharia e muitas outras. Se você quitar algum débito através do Feirão, poderá até mesmo aumentar o seu score com o Serasa Turbo e, consequentemente, subir a pontuação do seu CPF.

            Para participar do Feirão Limpa Nome, escolha o método de negociação que lhe agrada e contate o Serasa através do site, WhatsApp, telefone, ou até mesmo comparecendo presencialmente a uma agência dos Correios. Então, é possível escolher a melhor opção para pagamento e realizar a conclusão do acordo.

            Aqueles que cumprirem as regras estipuladas pelo órgão também poderão receber um “Auxílio Dívida” de R$50. Para aproveitar este benefício, é preciso baixar o app do Serasa de forma gratuita e utilizá-lo para negociar um ou mais acordos no Feirão. Estes acordos precisam ter valor superior a R$200 somados. Por fim, se você pagar à vista e sem atraso, o bônus de R$50 será adicionado em sua carteira digital Serasa. O auxílio será depositado até o dia 17/12, e você poderá utilizá-lo como quiser, inclusive transferindo para outras instituições financeiras.

Após a negociação e pagamento dos boletos, a empresa removerá as restrições do seu CPF em um prazo de até 5 dias úteis; e você estará finalmente livre das cobranças.

Comments are closed