Criada por veteranos da inteligência de Israel, CySource chega ao Brasil com treinamento em cibersegurança

Criada por veteranos da inteligência de Israel, CySource chega ao Brasil com treinamento em cibersegurança

Acostumados a lidar com alguns dos mais rígidos protocolos de segurança do mundo, Israel se tornou, após massivos investimentos, uma referência mundial em cibersegurança. Agora, parte desse conhecimento chega ao Brasil com a CySource, centro de referência e pesquisa em cibersegurança criada por veteranos da inteligência militar israelense, com o objetivo de prover segurança cibernérita para empresas brasileiras e formar novos profissionais no segmento.

Composta por especialista que já detectaram falhas na defesa de empresas globais como o Facebook, WhatsApp e Amazon, além de experiência em empresas líderes no mercado de tecnologia, como o NSO Group, a CySource atua em três frentes: pesquisa para mitigar ameaças cibernéticas, por meio de serviços para a proteção de sistemas de dados de companhias, bancos e entidades governamentais e na área educacional.

Com suas soluções, a CySource é responsável pela proteção de nomes como o Banco Hapoalim, considerada a instituição financeira mais segura do mundo, e o gabinete do Primeiro Ministro de Israel, Naftali Bennett. Na parte de treinamentos – que vão do básico ao avançado – a didática dos cursos une conhecimentos teóricos, obtidos em estudos de ataque e defesa hacker, com simulações práticas.

Por meio de uma plataforma online, a empresa oferece diversos treinamentos em língua portuguesa, como Hacking Ético, Perícia Forense Digital e Pentest Profissional, o mais procurado, que capacita os profissionais a testar a vulnerabilidade dos sistemas das corporações e desenvolver uma barreira de defesa contra ciberataques.

“Procuramos compartilhar o conhecimento mais atualizado a partir da nossa divisão interna de pesquisa e ataque de segurança cibernética avançada, que é constantemente compartilhada na nossa plataforma para criar uma comunidade de conhecimento. Trazendo esse tipo know-how, queremos ajudar a transformar o ecossistema cibernético no Brasil, formando milhares de novos profissionais em uma área que, apesar de extremamente importante, carece de mão de obra”, explica o CEO e fundador da CySource, Amir Bar-El, que já foi responsável por liderar unidades de inteligência do Mossad, o famoso serviço secreto de Israel.

Estima-se que a área de Tecnologia da Informação (TI) demandará cerca de 420 mil profissionais até 2024 no mercado de trabalho brasileiro, segundo dados da Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), número que se contrapõe à baixa quantidade de formação e qualificação na área.

Brasil no centro da expansão mundial

O Brasil é dos mercados mais estratégicos para a expansão internacional da CySource, que já atua em países como Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Portugal, Inglaterra, França, Japão, Suiça e Áustria. Com a expertise oriunda de um dos maiores polos mundiais em cibersegurança, a empresa também busca oferecer soluções para proteger companhias e ativos críticos no país para companhias e governos, com serviços já alinhados a diretrizes da LGDP (Lei Geral de Proteção de Dados). 

A aposta nesse nicho no Brasil ainda é motivada pelo aumento exponencial de invasões em sistemas de informação no país. As notificações referentes a ataques cibernéticos contra empresas brasileiras cresceram 220% no primeiro semestre deste ano em comparação com o mesmo período de 2020.

Recentemente, uma das principais redes de departamento do Brasil, a Lojas Renner, sofreu um ataque cibernético criminoso, que ocasionou indisponibilidade de mais de 24 horas em parte de seus sistemas, assim como outros casos notórios se tornaram mais frequentes, como os ocorridos com a JBS, Secretaria do Tesouro Nacional e o Grupo Fleury.

“Como a tendência é sempre os invasores buscarem novas maneiras de burlar os sistemas de defesa cibernéticos, apostamos na tecnologia, que tem como base a experiência do exército israelense, associado a pesquisa de segurança cibernética global como forma de frear a guerra cibernética”, completa o CEO da CySource.

Comments are closed