Mindset Ventures bate a marca de R$ 100 milhões investidos em startups israelenses

Mindset Ventures bate a marca de R$ 100 milhões investidos em startups israelenses

Israel é um dos países mais inovadores do mundo. Constituído oficialmente há pouco mais de 70 anos e com uma área territorial equivalente ao estado de Sergipe, atualmente disputa com os Estados Unidos a primeira posição no ranking de países mais relevantes no mundo das startups. Atenta às oportunidades ímpares presentes neste país, a Mindset Ventures, gestora de venture capital que conecta investidores renomados a empresas de tecnologia em estágio inicial localizadas nos Estados Unidos e em Israel, já investiu aproximadamente R$ 100 milhões em 26 startups israelenses nos últimos cinco anos, mais da metade de todas as aplicações da gestora.

“Muitos dos recursos tecnológicos que temos no Brasil foram desenvolvidos em outros países e importados em algum momento. Absorver tecnologias de Israel, que tem se destacado no desenvolvimento da medicina e de segurança cibernética, significa absorver o que há de mais avançado no mercado.”, explica Boaz Albaranes, sócio e head das operações de Israel da Mindset Ventures.

Nos dois primeiros fundos da gestora, aproximadamente metade das companhias são israelenses. Essa é uma tendência que deve se repetir no terceiro fundo, que teve a captação encerrada no primeiro trimestre deste ano com mais de R$ 260 milhões levantados e que já conta com 60% do portfólio formado.

Criação de tecnologia e vinda ao Brasil
Diferentemente da reutilização de recursos tecnológicos para a criação de novas soluções, que se dá em praticamente todos os lugares do mundo, a criação da tecnologia a partir do zero está muito mais concentrada em algumas regiões. Hoje, Israel compete pela primeira posição quando se trata de pioneirismo, questão vista pelos executivos da Mindset Ventures como uma das principais vantagens em se investir em empresas deste país. Atualmente, nove empresas do portfólio da Mindset Ventures já atuam no mercado nacional. Apesar de se tratarem de empresas estrangeiras, a presença de startups tecnológicas de outros países no mercado local estimula a criação de competidores nacionais com soluções similares.

Mas trazer startups israelenses para o Brasil apresenta desafios próprios. O executivo destaca as barreiras linguísticas e culturais. Apesar de suas similaridades com os brasileiros, os israelenses são mais diretos e literais. “Algumas vezes, a diferença cultural dificulta o andamento de negociações, como nos casos em que uma das partes caminha de forma mais acelerada que a outra. Geralmente, as parcerias são feitas quando há sinergia também na velocidade com que a negociação se dá”, diz.

Boaz também explica que a expansão internacional geralmente ocorre em uma etapa mais avançada da operação, quando a startup já comprovou seu modelo de negócio e já possui certa tração e maturidade para expandir em nível global. “As empresas que trazemos para o Brasil já possuem produtos funcionais previamente testados, competitivos e comprovados por clientes. Além disso, se a solução é importada, significa que existe demanda no Brasil para isso”.

Com uma população extremamente digitalizada e empreendedora, Israel é o país com a maior concentração de startups por habitante. Entre os principais segmentos cujas tecnologias são importadas para o Brasil, se destacam o agronegócio, medicina e segurança cibernética. Nesses escopos de atuação, se sobressaem no portfólio da gestora a Taranis, empresa de agricultura de precisão que promove a proteção de plantações por meio de análise de imagens áreas com resolução submilimétrica nos estágios de desenvolvimento mais críticos ao longo da safra; a Emedgene, healthtech que utiliza inteligência artificial para agilizar o processo de decodificação genética e que recentemente fechou parceria com a Illumina, uma das maiores empresas do mundo dentro do campo; e a SAM, startup de segurança cibernética idealizadora de um sistema que permite que roteadores sirvam de ponto de proteção para todos os dispositivos conectados a ele.

Comments are closed