Inteligência Artificial, Internet das coisas e nuvem possibilitam diagnóstico da COVID-19 em até 30 minutos

Inteligência Artificial, Internet das coisas e nuvem possibilitam diagnóstico da COVID-19 em até 30 minutos

Desde 2020 a pandemia da Covid-19 tem provocado um aumento significativo na demanda por exames no país, o que trouxe um grande desafio aos laboratórios de diagnóstico. Para lidar com esse aumento, a healthtech Hilab criou um dispositivo que funciona como um laboratório diagnóstico portátil, permitindo a realização de 31 tipos de exames em qualquer lugar do País, com resultados em até 30 minutos graças às soluções de Inteligência Artificial (IA) e a plataforma de nuvem Microsoft Azure para realizar o primeiro diagnóstico que é, então, confirmado pelos médicos especialistas. E, para suportar essa velocidade, a startup contou com a SoftwareONE, provedora global de tecnologia, para fazer todo o gerenciamento e otimização da nuvem Azure, utilizando a sua plataforma PyraCloud, e que fornece serviços de suporte 24×7 para ajudar a Hilab na melhoria de sua tecnologia.

A Hilab foi fundada em 2004, quando criou um sistema que permitia aos médicos monitorar os pacientes via telemedicina. Desde então, desenvolveu novos serviços e produtos – como o Oxímetro de Pulso, em 2012 – e teve a chance de propor soluções inovadoras ao segmento da saúde, contando ainda com parcerias com grandes redes de farmácias e clínicas. No último ano a Hilab foi o primeiro laboratório a lançar um teste de Covid-19 no Brasil. Com isso, passou a ter uma demanda exponencial pela solução.

A inovação permitiu que a Hilab firmasse parcerias com órgãos estaduais de São Paulo com a tecnologia do laboratório para realizar mais de 4 milhões de exames em policiais, população carcerária, profissionais de saúde e testagem em mais de 150 municípios do estado desde abril de 2020 até hoje.

A Hilab co-desenvolveu a Plataforma Tainá em parceria com o Instituto Butantan para ajudar na centralização das informações da covid-19 e validação de todos os dados epidemiológicos do Instituto. Na plataforma são compilados todos os resultados dos exames de covid-19 realizados pelo Butantan. O laboratório também trabalhou ao lado do Instituto Butantan no “Projeto S” em Serrana – estudo clínico que busca entender o impacto da vacinação na redução de casos graves da doença e na transmissibilidade do novo coronavírus, fornecendo plataformas para a organização da vacinação e auxílio tecnológico.  

A contribuição da Microsoft aos serviços da Hilab se dá por meio da plataforma de nuvem Azure, pelos dispositivos com Windows 10 IoT (Internet das Coisas) e, também, pela disponibilização de algoritmos de machine learning (aprendizado de máquina) para a análise laboratorial com base em diversos parâmetros pré-estabelecidos. A tecnologia permite que sejam feitos milhares de exames em apenas um dia, o que normalmente seria feito em um mês. 

“A inteligência e disponibilidade da nuvem foram imprescindíveis para a otimização dos nossos processos, principalmente nesse momento de pandemia. A escolha da Azure se deu pelo desenvolvimento ágil, escalabilidade do serviço e integração entre ferramentas. A Hilab apoia o setor público e privado nas tomadas de decisões através de dados epidemiológicos gerados em tempo real”, Marcus Figueredo, CEO da Hilab.

Além dos exames para o novo coronavírus, o serviço Hilab possui mais de 31 exames disponíveis, incluindo Beta HCG, colesterol, 3 tipos de exames que ajudam a detectar a Covid-19, HIV, dengue, zika e hepatite. O profissional de saúde retira algumas gotas de sangue do dedo do paciente. Após a coleta, a amostra é colocada em contato com os reagentes dentro de uma pequena cápsula, que é depositada dentro do dispositivo que cabe na palma da mão.   Este, por sua vez, lê os dados da amostra e os envia para a nuvem Azure, onde haverá a primeira análise por meio de inteligência artificial e depois a confirmação do resultado pela equipe de biomédicos da Hilab. Depois, o laudo assinado pelo especialista é enviado para o cliente via e-mail, SMS ou pelo próprio aplicativo da Hilab, em aproximadamente 30 minutos.

O banco de dados da Hilab por meio do Power BI, plataforma de dados na nuvem da Microsoft, possui também a capacidade de prever surtos de doenças através de resultados gerados em tempo real com análises vinculadas à localização do paciente.  Ou seja, em um surto de dengue, a inteligência identifica os locais mais afetados e logo os agentes responsáveis conseguem dar a devida atenção exatamente nas regiões em que o surto do mosquito é mais grave. 

Essa tecnologia inovadora que utiliza a nuvem se tornou um grande facilitador para os médicos e pacientes ao redor do país. Ao longo do último ano, a  Hilab realizou mais de 3.5 milhões de exames, visando a minimizar os danos causados pela pandemia e contribuiu para que muitas pessoas cumprissem com mais atenção às medidas de isolamento social, evitando a transmissão do vírus e reduzindo os impactos da doença. Nesse período, o faturamento da empresa cresceu 200% e o número de pacientes aumentou 50 vezes. Hoje, 50% da população brasileira está a 6km ou menos de distância de um Hilab, que atua em 26 estados e no Distrito Federal, e em mais de 1000 cidades. Por sua inovação, a empresa tem recebido muitos investimentos e está cada vez mais perto de expandir seus negócios mundialmente.

Comments are closed