Os alicerces da comunidade científica para a construção de um mundo mais justo e saudável

Os alicerces da comunidade científica para a construção de um mundo mais justo e saudável

Por Paulo Gropp

A atual pandemia do novo coronavírus abriu uma verdadeira cortina sobre o panorama da saúde mundial, colocando em evidência a difícil realidade vivida por milhões de pessoas. Infelizmente tivemos que atravessar uma grave crise sanitária para refletirmos o quão injusto é o nosso mundo em termos de direitos básicos à sobrevivência, levando-se em conta o acesso à saúde, higiene, educação, moradia e alimentação dignos. Fatores estes que, juntos, impactam diretamente no desenvolvimento social e econômico de todos os países.

Avaliando essa perspectiva e buscando o engajamento de grandes empresas e lideranças globais, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou agora em abril, Mês Internacional da Saúde, a nova campanha “Construir um mundo mais justo, equitativo e saudável”. Esse chamado, sem dúvida, desperta a consciência dos que ainda não haviam se perguntado sobre qual seria sua contribuição para esta nova realidade que viveremos após vencermos a COVID-19. Um mundo mais justo, humano, empático e unido. Utópico? Não, se cada um fizer a sua parte, como já estamos vendo acontecer.

Diversos setores da área da saúde têm trabalhado incansavelmente, tanto na linha de frente de combate ao SARS-CoV-2, tratando os infectados e criando ações de conscientização, quanto na base e retaguarda das pesquisas e desenvolvimento de soluções aliadas à tecnologia, que possam contribuir como um todo.

Imagine poder mensurar, por meio de testes, o potencial de imunização da população que recebeu as diferentes vacinas disponíveis e saber se estamos no caminho certo ou qual delas é a mais eficaz e por qual motivo. Ou então, poder avaliar o potencial prognóstico da COVID-19 nas pessoas infectadas, se elas terão um quadro leve ou grave, e então, direcioná-las para o melhor tratamento. Imagine chegar a um pronto-atendimento com sintomas comuns a várias doenças respiratórias, como febre, tosse e dor de cabeça e por meio de uma ferramenta laboratorial, em menos de uma hora, saber exatamente qual o patógeno que está presente no organismo do paciente, causando o quadro infeccioso, e partir disso direcionar para o tratamento preciso e eficaz, diminuindo, inclusive, seu tempo no hospital, internações e medicamentos desnecessários.

Imaginou? Pois isso já é uma realidade e é por ela que as empresas de pesquisa, que desenvolvem soluções aliadas à tecnologia, têm trabalhado desde o começo. Muitas atenderam ao chamado da OMS antes mesmo de ser anunciado e estão nessa missão desde o início, pois sabem que somente a ciência é capaz de dar o respaldo para, juntos, vencermos essa crise e os demais desafios que ainda estão por vir.

Paulo Gropp, vice-presidente da multinacional alemã especialista em tecnologia para diagnósticos moleculares QIAGEN, na América Latina.

Comments are closed