Testes de integridade: você conhece quem está contratando?

Testes de integridade: você conhece quem está contratando?

Por Cláudia Avilar


Em um contexto de contratação, nos deparamos com os mais diversos perfis de profissionais. E realmente não poderia ser diferente, já que enquanto seres humanos somos tão únicos e diversificados. Pensando por este lado, a importância de um processo de recrutamento e seleção robusta e completa torna-se ainda mais evidente. Não apenas pelo viés de admissão ou exclusividade, mas porque, levando em consideração a diversidade de perfis, é possível entender a melhor forma de integrar cada profissional e, consequentemente, minimizar riscos para o negócio.

Sabe-se que as empresas investem em diferentes processos e testes direcionados para conhecer melhor os profissionais que estão contratando, sendo que boa parte referem-se aos testes de competência e comportamentais. Mas, e do ponto de vista da integridade, isso também está sendo considerado com a devida importância?

O objetivo dos testes de integridade é analisar e identificar a percepção e o posicionamento de cada profissional diante da exposição a dilemas éticos corporativos, que podem variar desde a forma como ele lida com seus erros no ambiente de trabalho, até mesmo como se posiciona diante de oportunidades em vislumbrem benefícios financeiros próprios em alguma negociação ilícita.

Esse tipo de teste representa uma ferramenta relevante para o negócio, pois oferece ao contratante um norte maior sobre qual a percepção moral do candidato diante de diferentes dilemas éticos corporativos com os que ele pode se deparar em sua rotina profissional, além de evidenciar ao candidato a importância que a organização atribui às questões éticas.

Pesquisas apontam que cerca de 25% dos profissionais podem representar um risco significativo para a empresa, tanto por possuírem um alto nível de apetite ao risco e de desconsideração do cunho ético, quanto por agirem sob influência de uma análise individualista de custo versus benefício. Este risco pode ou não se concretizar, mas, é certo que identificar previamente qual a flexibilidade moral de seus profissionais pode oferecer à companhia o suporte devido para entender como prevenir possíveis riscos.

Investir no processo seletivo que possa demonstrar o nível de alinhamento entre os valores pessoais e os valores organizacionais se mostra ainda mais relevante em um momento como esse de pandemia. A maioria dos processos seletivos passou a ser conduzida totalmente de forma remota, e ter uma perspectiva mais abrangente do perfil do candidato pode representar uma segurança e um cuidado maior por parte da empresa no momento de contratação à distância, já que muitas vezes é um profissional com quem não teve alguma interação presencial.

Chamado de Compliance Individual, esses testes de integridade são processos que analisam e anteveem pontos de atenção apresentados na percepção moral de um indivíduo, possibilitando à empresa conhecer melhor seus profissionais do ponto de vista ético, além de trabalhar antecipadamente na prevenção de ameaças à ética corporativa.

Sem esquecer a enorme diversidade de perfis, entendemos que tanto uma ação ética quanto uma antiética pode ser influenciada por uma série de elementos, que vai desde a forma como o próprio indivíduo categoriza cada vivência como certa ou como errada, como também pela forma como ele experiencia as diversas pressões com que se depara.

Neste sentido, o teste de integridade pode representar um suporte relevante para a empresa, pois, conhecendo as nuances existentes na percepção moral e no posicionamento do candidato, é possível tomar uma decisão mais assertiva e consciente sobre a contratação ou mesmo sobre movimentações internas. Conhecendo de forma aprofundada sua tomada de decisão, a empresa pode individualizar a integração de cada candidato contratado, investindo em ações de treinamentos, coachings éticos individuais, demonstrações particularizadas de seus códigos de condutas e termos. Trabalhar estes pontos preventivamente com o profissional pode minimizar riscos posteriores ao negócio. Fica a pergunta, então: você sabe quem está contratando?

Cláudia Avilar, consultora sênior de Compliance da ICTS Protiviti

Comments are closed