Faltam profissionais de Tecnologia da Informação no Brasil

Faltam profissionais de Tecnologia da Informação no Brasil

De acordo com informações da Brasscom, Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) e de Tecnologias Digitais, o Brasil forma 46 mil pessoas com perfil tecnológico por ano, porém, estima-se que, de 2019 até 2024, a demanda por profissionais será de 420 mil, correspondendo a uma média simples de 70 mil por ano. Se não houver mudanças, haverá um déficit de 260 mil profissionais.

O coordenador do curso de Engenharia de Computação do Centro Universitário do Instituto Mauá de Tecnologia, prof. Angelo Zanini, reforça que a falta de profissionais de Tecnologia da Informação (TI) é antiga, mas deve piorar, pois há um mercado de desenvolvimento tecnológico amplo e em pleno crescimento. 

“O mercado de tecnologia da informação sempre esteve muito aquecido, mas, com a pandemia, houve um aumento ainda mais significativo de atividades no formato Home Office, tornando o profissional de tecnologia imprescindível para realizar toda a estrutura da computação em nuvem e fazer demais redes e sistemas funcionarem perfeitamente em qualquer lugar, além dos dados, Engenharia de Software, informática, hardwares e softwares. Cada vez mais o mercado se dá conta de quão alto é o déficit de profissionais de TI, pela falta de profissionais bem qualificados a contratar”, comenta prof. Zanini. 

Formação de excelência

O profissional de TI relaciona-se com vários setores da organização, normalmente propondo soluções inovadoras e solucionando problemas referentes a servidores, uso de softwares e implantação e administração de sistemas, a fim de impulsionar as atividades de todos os envolvidos. Por isso, as universidades devem preparar o profissional com um olhar mais amplo sobre os aspectos específicos da área com uma diversidade de formações, como faz a Mauá.

“Formamos em torno de 30 Engenheiros de Computação ao ano e todos, sem exceção, formam-se já empregados. Priorizamos, mais do que adquirir conhecimentos específicos, trabalhar outras habilidades como ambiente, comunicação, estratégia, processos, dinamismo, empreendedorismo, criatividade e inovação, por exemplo. Entender tudo o que for relativo à tecnologia da informação não é suficiente. É necessário também ter visão de negócios para tomadas de decisões assertivas. Conhecimento de línguas, proatividade e senso de responsabilidade são grandes diferenciais para o profissional que aspira a se especializar dentro ou fora do País, atuar em empresas de destaque e crescer na carreira”, comenta o prof. Zanini, que ainda lembra que a Mauá promoverá vestibular no meio do ano para ingresso no curso. 

Comments are closed