Pesquisa Capgemini: 66% das empresas de consumo e varejistas planejam revisar suas estratégias a partir da pandemia com reflexos na TI

Pesquisa Capgemini: 66% das empresas de consumo e varejistas planejam revisar suas estratégias a partir da pandemia com reflexos na TI

Um novo relatório do Capgemini Research Institute examinou o impacto da interrupção do ano passado em produtos de consumo e cadeias de suprimentos de varejo (CP&R, na sigla em inglês), e descobriu que 66% das organizações dizem que sua estratégia mudará significativamente nos próximos 3 anos, à medida que se adaptam à pandemia e incorporam maior resiliência às operações. Apenas 23% das organizações de produtos de consumo e 28% dos varejistas acreditam que sua cadeia de suprimentos é ágil o suficiente para suportar as necessidades de negócios em evolução da organização.

O COVID-19 foi um alerta para as empresas de CP&R: 85% das organizações de produtos de consumo e 88% dos varejistas dizem que enfrentaram uma interrupção, enquanto 63% das organizações de produtos de consumo e 71% dos varejistas dizem que levou pelo menos 3 meses para que suas cadeias de abastecimento se recuperassem das interrupções.

O movimento para detecção de demanda


Mais de dois terços das organizações (68%) dizem que enfrentaram dificuldades no planejamento da demanda devido à falta de informações precisas e atualizadas sobre a flutuação dos pedidos dos clientes durante a pandemia. Para melhorar essa previsão, 66% das organizações planejam segmentar as cadeias de abastecimento de acordo com padrões de demanda, valor do produto e dimensões regionais pós-pandemia, enquanto 54% dizem que usarão análises/aprendizado de máquina e Inteligência Artificial para melhoria da previsão de demanda como forma de lidar com o impacto do COVID- 19.

A visibilidade torna-se crítica


Um total de 75% das empresas de produtos de consumo enfrentaram dificuldades quando precisaram aumentar ou diminuir rapidamente a capacidade de produção devido ao COVID-19. Para obter agilidade nas respostas as mudanças repentinas na demanda, os fabricantes podem identificar oportunidades para melhorar essa visibilidade, cita o relatório. Isso pode ajudar a lidar melhor com o desafio de decisões operacionais estratégicas, táticas e em tempo real.

As organizações entendem a importância dos investimentos digitais na melhoria da visibilidade: 58% dos varejistas e 61% das organizações de produtos de consumo planejam aumentar os investimentos na digitalização das cadeias de abastecimento. Em particular, 47% das organizações planejam investir em automação, 42% pretendem investir em robótica e 42% em inteligência artificial. E ainda, 64% e 63% das organizações também planejam fazer uso extensivo de inteligência artificial e aprendizado de máquina em transporte e otimização de preços, respectivamente.

Da globalização à localização


Para evitar interrupções futuras, as organizações estão reconhecendo a importância da localização e investindo ativamente. As organizações de CP&R estão mudando da filosofia de globalização para a localização da base de fornecedores e manufatura. E 72% das organizações de produtos de consumo e 58% dos varejistas afirmam que estão investindo ativamente na regionalização ou localização de sua base de manufatura ou produção próxima ao local.

Algo como 65% das empresas de CP&R também estão investindo na regionalização e localização de sua base de fornecedores, aumentando para 83% no Reino Unido e 73% na Índia, por exemplo. Em linha com essas estratégias, os fornecedores globais representarão apenas 25% da capacidade dos varejistas em 3 anos, ante 36% nos dias de hoje. Em produtos de consumo, os fabricantes globais representarão apenas 17%, contra os 26% atuais.

Em linha com a mudança para a localização, as “lojas dark”, que têm operações independentes e estão mais próximas dos locais de entrega, estão se tornando uma alternativa cada vez mais útil para o atendimento de pedidos online à medida que o tráfego físico diminui. Uma pesquisa anterior da Capgemini mostrou que se as entregas das lojas dark aumentassem 50%, as margens de lucro poderiam crescer 7% como resultado de custos de entrega mais baixos e maior rendimento de entrega em comparação com as lojas – embora também não afetem as operações da loja.

“Fabricantes e varejistas reconhecem o grande risco de interrupções futuras e têm a oportunidade de criar agilidade e resiliência para adaptar suas redes de cadeia de suprimentos”, afirma Lindsey Mazza, líder global da cadeia de suprimentos de varejo da Capgemini. “A pandemia foi um evento de aprendizado acelerado. As organizações percebem que as novas tecnologias podem permitir a agilidade necessária – desde a melhoria das previsões de demanda até o aumento do atendimento e entregas de última milha mais rápidas e econômicas. Ao investir agora, as organizações se colocam em boa posição para apoiar com segurança os consumidores em seus momentos de necessidade – sempre que ocorrer a próxima interrupção do setor”.

Comments are closed