Premiação da 3M reconhece 25 mulheres latino-americanas na ciência

Premiação da 3M reconhece 25 mulheres latino-americanas na ciência

No Dia Internacional das Meninas e Mulheres na Ciência, celebrado no dia 11 de fevereiro, a 3M reconheceu em evento on-line as “25 Mulheres na Ciência da América Latina”, 25 cientistas, que por seus trabalhos, projetos e histórias – com impacto social, têm contribuído para melhorar a vida das pessoas em suas comunidades.

Em sua primeira edição, o programa visa promover a equidade de gênero e incentivar meninas, jovens e mulheres a atuarem no campo científico, e a 3M, uma empresa de tecnologia baseada na ciência, tem buscado fomentar este tema por meio de programas e iniciativas.

“O programa ‘25 Mulheres na Ciência da América Latina’, reconhece o protagonismo de cientistas emergentes que, com suas histórias e projetos inspiradores, têm gerado um impacto significativo na vida das pessoas. Sem dúvida, a diversidade é essencial, vibrante e nos ajuda a construir um futuro cada vez mais justo e sustentável. Como educadores, pais, líderes e como empresa, devemos apoiar iniciativas que promovam cada vez mais espaço para as mulheres nas carreiras científicas, contribuindo para a equidade de gênero na ciência e em nossa sociedade”, comenta Marcelo Oromendia, presidente da 3M Brasil.

Para a análise dos projetos inscritos, os critérios considerados foram avaliação do problema a ser resolvido, originalidade da ideia, resultados e aplicação, bem como uma história inspiradora. Assim se chegaram aos nomes das 25 cientistas:

• Argentina: Josefina Ballarre, Jorgelina Noelia Gavotti.


• Brasil: Daniela Ushizima (SP), Letícia Oliveira (RJ), Christiani Andrade Amorim (CE), Silvana Pereira Rempel (RS), Kátia Omura (PA) e Luiza Frank (RS).


• Chile: Daniela Sáez Mahuida, María Isidora Ávila Thieme, Carolina Parra González.


• Colômbia: Andrea Ramírez Vela, Olga Yaneth Vásquez Ochoa, Paola Andrea Barato Gómez, Johanna Marcela Flórez Castillo.

• Peru: Marili Ángeles e Silvana Luzmila Flores Chávez.


• México: Erika Bustos Bustos, Itzel Montserrat Lara Mayorga, Priscila Pineda Villegas, Judith Zavala Arcos e Lorena Díaz de León Martínez.


• Panamá: Dafni Mora e Milagros Cubilla.

• Uruguai: Laura Alethia de la Fuente.

Paulo Gandolfi, diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação da 3M para a América Latina, ressalta que “nosso objetivo com essa iniciativa é incentivar o protagonismo feminino em áreas científicas que antes eram consideradas masculinas, de modo a contribuir com o futuro das próximas gerações de mulheres. A 3M, como empresa de ciência e inovação, tem consciência da importância da diversidade e está comprometida com o tema”.

As 25 cientistas reconhecidas por esta primeira edição farão parte de uma plataforma de visibilidade científica e networking, que contempla: inclusão de seus projetos e suas histórias em um E-book comemorativo “25 Mulheres na Ciência da América Latina”, convite para mentoria com especialistas da 3M, bem como participação no podcast da 3M “Inovação em Pauta” e divulgação de sua história e projeto no Blog de Curiosidade, um canal da 3M com conteúdos de Ciência, Sustentabilidade, Empreendedorismo, Gestão de Pessoas, Inovação entre outros temas.

As inscrições das candidatas foram recebidas de 10 de dezembro de 2020 a 22 de janeiro de 2021. No total, foram recebidas mais de mil candidaturas, que foram analisadas por um júri qualificado, composto por membros de destaque – a nível regional – como acadêmicos, dirigentes e especialistas de indústrias científicas. Dentre os especialistas do júri estão: Alejandra Ruiz, idealizadora do projeto de comunicação Mitocondria no Peru; Ana Flávia Nogueira, diretora do Centro de Inovação em Novas Energias (CINE) do Brasil; Diana Salazar, diretora de Geek Girls Latam na Colômbia; Dora Altbir, diretora do Centro para o Desenvolvimento da Nanociência e Nanotecnologia (Cedenna) da Universidade de Santiago do Chile; Galo Soler, Doutor em Química e Pesquisador Sênior do Conicet na Argentina; Ilya Espino, engenheiro encarregado de liderar o projeto de expansão do Canal do Panamá no país; María Emilia Beyer, diretora do museu Universum no México; María Esther Orozco, pesquisadora emérito da Cinvestav no México; Oris Sanjur, diretor interino do Smithsonian Tropical Research Institute no Panamá, assim como Sonia de Menezes, engenheira química e doutora em química orgânica pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Comments are closed