ESG em alta: empresas apostam em ações de saúde mental

ESG em alta: empresas apostam em ações de saúde mental

A saúde mental está em alta, tanto na tela da TV, quanto na vida privada e corporativa. Prova disso é que  dados fornecidos pelo Google apontam alta de 98% nas buscas sobre o tema em 2020, versus a média verificada nos dez anos anteriores. Ainda, a pergunta “como lidar com a ansiedade”, por exemplo, bateu recorde de interesse na última década. Já em relação a 2019, o crescimento foi de 33%. O aumento das buscas pelo tema estão em sintonia com o isolamento social causando pela pandemia da covid-19, que vem afetando a saúde mental de muita gente ao longo dos últimos meses.

E há resultados concretos disso: uma pesquisa realizada pela Coordenação Estadual de Saúde Mental da Secretaria da Saúde (SES) apontou aumento da busca por atendimento em saúde mental nos postos de saúde e nos serviços de atenção especializada desde o início da pandemia de coronavírus. Apenas nos serviços da Atenção Básica (como nas Unidades Básicas e Estratégia Saúde da Família), 78% gestores municipais perceberam um aumento na demanda desta natureza. Já nos serviços da atenção especializada (Centros de Atenção Psicossocial), esse aumento foi relatado por 68% dos gestores.

Em alta, o tema também chegou às instituições privadas. Considerada um pilar das empresas do futuro, o selo ESG (environmental, social and governance, ou responsabilidade ambiental, social e de governança, em português)  tem afetado a forma como as marcas lidam com o mundo e com seus colaboradores. Além de investirem cada vez mais em ações sustentáveis, iniciativas que promovem qualidade de vida aos colaboradores também ganharam cada vez mais espaço em 2020.

Together We Are Stronger: o mantra da quarentena da GO.K

Não somente no Janeiro Branco, campanha que convida as pessoas a pensarem sobre a sua saúde mental, ou no Setembro Amarelo, considerado o mês de prevenção ao suicídio, é que as marcas têm investido no bem-estar dos colaboradores. A GO.K, consultoria de inovação digital, por exemplo, criou a campanha interna “Together We Are Stronger”, para amenizar a quarentena dos funcionários. 

Com acompanhamento psicológico e os encontros intitulados “10 minutos de Sanidade”, que acontecem diariamente em poucos minutos para conversas descontraídas, visando minimizar os impactos do isolamento social, a marca intensificou suas ações nesse sentido. Mesmo antes da pandemia, a GO.K já oferecia yoga, aulas de alongamento e nutricionista para o time.    

Staying Alive: o suporte da Openbox.ai

Logo no início da pandemia, a Openbox.ai, fintech de antecipação de recebíveis, colocou em prática o projeto Staying Alive. A iniciativa visa cuidar do bem-estar emocional e financeiro da equipe, oferecendo suporte necessário para evitar crises. Para entender como a empresa poderia ajudar o time durante a pandemia, Manoella Mees, Head de Gente e Futuro da Openbox.ai, entrevistou cada colaborador para entender suas necessidades antes de dar início ao projeto, que já começou personalizado.

Com reuniões semanais de apoio ao time e encaminhamento psicológico para sessões terapêuticas individuais, o projeto Staying Alive também conta com o “Kit Auxílio Crise”. Nele, cada integrante do time pode acionar o auxílio por três meses, recebendo uma ajuda financeira para colaborar com seu núcleo familiar. Em alguns casos, a empresa também ofereceu suporte jurídico e financeiro para apoiar aqueles que precisavam de ajuda para obter o auxílio governamental e uma linha direta com o setor jurídico para os familiares que também demandavam esse apoio. 

A estrutura do home-office do time Openbox.ai também foi levada em conta: a fintech forneceu cadeiras, notebooks, máscaras e equipamentos. Para incentivar outras PME’s, a empresa divulgou a iniciativa em um webinar aberto ao público.

Nova pandemia: a da saúde mental demanda cada vez mais cuidados

Segundo o neuropsicoterapeuta Álex Cavalcante, ações como essas vêm para fomentar a importância do que pode ser chamada de uma pandemia de saúde mental, além da do novo coronavírus. “No meu consultório, notei o aumento de casos de pacientes deprimidos e ansiosos”, reforça. Nos atendimentos realizados por conta da ansiedade no trabalho, ele menciona que a cobrança por metas e o comportamento inadequado de lideranças pode causar sofrimento psíquico nos colaboradores.

Entre os sintomas de ansiedade generalizada, o profissional lista a musculatura rígida (em modo de luta e fuga), palpitações no coração, boca seca, intestino preso. Álex ainda traz uma provocação: será que a improdutividade está conectada com esses problemas ou será que o perfil profissional do colaborador é que não se adequa ao cargo? “Do ponto de vista da consciência, usando a psicanálise como ferramenta, é importante que o indivíduo se pergunte o que tem de fato no dia a dia do seu trabalho causado o seu transtorno mental: relacionamentos interpessoais, trabalhar fazendo o que não gosta, cobranças exacerbadas… é importante colocar isso em pauta”, destaca.

Acolhimento emocional deve ser meta das empresas, afirma especialista

Ainda, o especialista aponta que é preciso que o trabalhador verifique se o seu perfil está ligado às políticas da empresa  – e se ela faz parte da sua doença ou da sua cura. Nesse sentido, Álex Cavalcante reforça a importância do olhar das empresas no sentido dos cuidados com a saúde mental dos colaboradores. “A capacitação emocional deve ser um dos principais pilares no setor de RH, principalmente no novo universo da pandemia – as corporações devem estar preparadas para acolher e auxiliar os funcionários. Medidas como essas aumentam a produtividade e diminuem o turnover nas contratações”, explica.

Ambientes hostis podem prejudicar colaboradores, sim, mas é possível “se blindar” disso com uma boa base emocional, segundo Álex Cavalcante. “Quando você pratica técnicas de relaxamento e de meditação, a prática de atividade física e uma alimentação saudável, o sistema fisiológico é beneficiado e a ansiedade, causada ou não pelo trabalho, é evitada”, ensina.  Dormir bem, conviver com pessoas que nos fazem bem, também fazem parte desse processo para beneficiar a Saúde Integral, que inclui a saúde física, psíquica e das relações sociais.

Quando as empresas trabalham com a percepção da personalidade dos colaboradores, de forma personalizada, a saúde mental ganha ênfase e movimentos como os do Janeiro Branco ajudam as pessoas a encontrarem dias melhores”, detalha. Estar perto da natureza, além de apostar em um tempo só para si, também fazem parte das indicações de Álex Cavalcante, tanto para seus pacientes quanto para as iniciativas privadas.

Comments are closed