Archive fevereiro 2021

Oportunidades de trabalho em TI se destacam para 2021

Não é novidade que a transformação digital tem remodelado diversos setores profissionais. Por isso, posições da área de TI cresceram e passaram a ser demandadas para setores como varejo, indústria, automotivo e, até mesmo, para empresas do agronegócio.

Segundo a Associação das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação (Brasscom), mais 70 mil profissionais das áreas de TI e de comunicação devem ser contratados até 2024. Para aqueles que almejam aproveitar as oportunidades profissionais abertas no setor, é importante saber quais os cargos com alta demanda de contratação. Segundo Thassiane Soares, sócia consultora da FESA Group e especialista em gestão de talentos, há vagas para programadores, desenvolvedores, cientistas de dados, UX/UI, desenvolvedores de chatbots e analistas de SAP.

“Estamos buscando profissionais para essas posições, mas para analista de SAP a demanda tem se destacado por conta da nova versão disponível, o SAP HANA”, comenta Thassiane. De acordo com ela, a procura por profissionais com conhecimento nesse sistema resulta das empresas que migraram para esse novo modelo e, por isso, buscam profissionais qualificados nesse gerenciamento. “Os requisitos são para atuar com implementação, arquitetura SAP, identificação de gargalos e projetos de melhoria ligados ao modelo SAP HANA”, comenta.

Área promissora para transição de carreira

Devido as novas oportunidades na área, muitos profissionais estão migrando para atuarem em TI. Alguns cargos são relativamente novos e muitas funções não exigem um curso de graduação específico, mas que o profissional compreenda o desenvolvimento e tenha entendimento técnico para desempenhar as atividades.

“É um setor que está em crescimento e há uma defasagem entre a quantidade de vagas disponíveis e o número de profissionais qualificados. Por isso, quem tem interesse em entrar nessa área precisa se planejar, entender a dinâmica do mercado e quais as habilidades e conhecimentos necessários para a função que almeja. Há muitas chances de especializações nas mais diversas áreas de TI, seja para atuar com as atividades mais técnicas ou de gestão”, conclui Thassiane.

Startups do 1º BNDES Garagem captaram milhões e multiplicaram faturamento

A primeira edição do Programa BNDES Garagem, iniciativa de apoio a startups brasileiras lançada em 2018 pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), foi considerada um sucesso pelas empresas participantes e muitos viram seus negócios prosperarem, ampliando a visibilidade e o potencial de captação de recursos. Oferecendo serviços de aconselhamento técnico, mercadológico e jurídico, além de capacitação, o BNDES apoiou startups e empreendedores em áreas como educação, saúde, segurança, soluções financeiras, economia criativa, meio ambiente, blockchain e internet das coisas aplicada a cidades, meio rural e indústria.   

Um desses casos foi a Bitshopp, fintech que torna serviços e processos financeiros mais simples e eficientes para empresas de diversos setores, por meio de tecnologias como blockchain, criptomoedas e tokens que possibilitam negociações de diversos tipos de ativos, como commodities, imóveis e direitos autorais. “O programa de aceleração do BNDES Garagem nos deu visibilidade e nos possibilitou conhecer nossos investidores”, comenta Marcos Dias, fundador da Bitshopp. No início deste ano a empresa recebeu aporte da Futurum Capital, investidora focada na criação e desenvolvimento de negócios que usam a tecnologia em serviços disruptivos e estratégicos. “O investimento será direcionado para inovação e desenvolvimento tecnológico de novos produtos focados na missão da empresa de simplificar processos e democratizar o acesso a esses tipos de serviços”, ressalta Jorge Romaguera, CEO da Bitshopp. 

Uma das participantes do módulo de criação (voltado a participantes que buscam apoio para criação ou para ajustes no produto com objetivo de validá-lo junto ao mercado), a Previsiown captou em março de 2020 R$ 650 mil da Gávea Angels. Alinhada ao conceito de indústria 4.0 e do “carro conectado”, a startup criou uma plataforma de inteligência que coleta e analisa dados e percepções do condutor, facilitando o desenvolvimento de produtos, veículos ou serviços de mobilidade.  “O BNDES Garagem nos fez ter acesso à mentoria de executivos do próprio Banco, que nos auxiliaram de maneira objetiva, incentivando na criação de uma empresa com pretensões claras e estruturadas desde o início”, declarou Adolfo Oviedo, cofundador da Previsiown. 

Do setor de educação, a U4Hero!, startup do Distrito Federal, desenvolveu uma solução para escolas que integra jogos analíticos a uma plataforma web que permite aos educadores acompanharem de forma online avaliações personalizadas sobre o desenvolvimento socioemocional dos seus alunos. A startup captou em 2019, ainda durante o programa, R$ 500 mil, junto a investidores. O CEO da empresa, Alysson Sanches, afirmou que o BNDES Garagem foi essencial para iniciar o projeto. “As conversas com os colegas empreendedores, os workshops e o acompanhamento com um gestor, ampliaram nossa visão. O Garagem nos deu visibilidade e foi determinante para captar o investimento de que precisávamos”, completa.  

Troca, negócio de impacto social do Rio de Janeiro que criou um sistema de empregabilidade para aumentar a diversidade nas vagas e reduzir a rotatividade nas empresas, também participou do módulo criação do Garagem. Organizando processos seletivos que incluem pessoas em situação de vulnerabilidade, o negócio gera oportunidades de transformação para empresas e pessoas por meio da promoção de um mercado de trabalho inclusivo. Focada em desenvolvimento de produto e expansão comercial conseguiu captar R$ 110 mil pouco antes de a pandemia começar, investimento crucial para a sobrevivência e também para operação dos produtos da empresa no mercado, segundo seu fundador, Tarso Oliveira.  A Troca foi eleita a Melhor Startup de Impacto Social de 2020 pela Innovation by Brazil Awards (INNXBR), além de ter recebido um prêmio de negócio destaque da área de Inovação e Inclusão (AHK-Rio) no Programa de aceleração da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-Alemanha.

iWastes, startup de Campinas que recebeu o apoio do BNDES Garagem para ser criada, fornece soluções a empresas de todos os segmentos para uma gestão eficiente e sustentável de seus resíduos. Focando no impacto positivo no planeta, seus serviços reinserem resíduos produzidos na cadeia produtiva, gerando receita para toda a cadeia.  Em abril do ano passado ela conseguiu captar junto a um investidor-anjo R$ 250 mil. “O programa, além de ter sido um grande aprendizado do mundo das startups, nos deu notoriedade, ajudou a abrir portas e solidificar nossa entrega de valor”, comentou Frederico Vieira, CEO da empresa.  

Da área de saúde, a Encaixe.me foi criada durante o BNDES Garagem para automatizar as atividades de marcações de consultas, otimizando a receita por meio do agendamento online e diminuindo as ausências às consultas através das rotinas de engajamento via WhatsApp. A startup de Goiás, recebeu em dezembro de 2020 investimento de R$ 200 mil da Fumsoft – Associação Mineira de Software no âmbito do IA² MCTI, programa de apoio à inteligência artificial do MCTI.  Digi Lemes, CEO da Encaixe.me, considera que “o BNDES Garagem foi fundamental para concentrar nossos esforços no branding e na criação das jornadas dos usuários, assim como no design do sistema, na validação dos requisitos sistêmicos, e no desenvolvimento do protótipo para implementação no nosso primeiro cliente real”. A empresa chegou ainda a ser premiada com R$ 60 mil com recursos da FINEP no Centelha GO – FAPEG, programa de fomento ao empreendedorismo.

 A Gero360, participante do módulo de aceleração (direcionado a startups que já possuem um produto desenvolvido e ofertado no mercado), desenvolve soluções que ajudam a sociedade a lidar com os desafios do envelhecimento populacional, atendendo cuidadores familiares e prestadores de serviço que assistem idosos. Sua plataforma e aplicativo permitem planejar, executar e monitorar itens críticos da rotina e da saúde, dinamizando a troca de informações e agilizando a tomada de decisão em situações emergenciais. Seu CEO, Leônidas Porto, destaca a importância do programa na aproximação a investidores: “A capacidade do BNDES de conexão com investidores propiciou, durante a realização do programa, a interação com fundos de investimento. O programa nos capacitou para realizar estas reuniões e iniciar a jornada de captação de investimentos”.

Em janeiro de 2020 a Gero360 conseguiu captar R$ 750 mil junto a investidores da Rede Anjos do Brasil, entidade de fomento ao investimento-anjo e empreendedorismo de inovação, e dois investidores independentes. Ainda no setor de saúde, a Caren.app desenvolveu um sistema de apoio à tomada de decisão médica que atende empresas da área de saúde e seguro de vida. Baseado em protocolos automatizados que utilizam inteligência artificial, o sistema é capaz de tomar decisões de forma autônoma, ajudando médicos e subscritores nos atendimentos trabalho do dia a dia.  A startup, que participou de duas rodadas de captação, declarou que teve seu “valuation” (valor percebido pelos investidores que participaram da rodada) aumentado de R$ 3,5 milhões em 2019 para R$ 13,5 milhões em 2020. “O processo de aceleração do BNDES Garagem foi muito importante na nossa história, pois veio em um momento em que estávamos validando a nossa solução. Além disso, o BNDES é, sem dúvida, um ponto de atração para investidores e clientes “, comentou Thiago Bonfim, CEO da Caren.app.  

Com o intuito de tornar o processo de compras laboratoriais mais eficiente, a iBench, empresa do Rio de Janeiro criada por cientistas, desenvolveu o primeiro marketplace dedicado a produtos e serviços laboratoriais no Brasil, reunindo em um só lugar dezenas de fornecedores e mais de 120 mil produtos. A companhia tem parceria com empresas produtoras de tecnologia nacional, contribuindo para a redução da dependência de insumos importados e estimulando a geração de emprego no país. Para Andreia Oliveira, CEO e cofundadora da startup, “participar do programa foi excelente”. “O que a equipe iBench mais leva deste processo é um grande aprendizado pessoal a partir do compartilhamento e discussão de ideias. Ainda durante o BNDES Garagem captamos R$ 60 mil junto a um investidor que vem assessorando a empresa sobre novas estratégias em tecnologia e ganho de escala.” “O Garagem nos proporcionou conexões riquíssimas com mentores, mercado e investidores.

Através da metodologia aplicada, tivemos um rápido amadurecimento da startup, o que acelerou o nosso crescimento”, lembra Moa Vianna, CEO da EAD Fácil (antiga Waybol), companhia gaúcha que desenvolveu uma plataforma de sistema de gestão de aprendizagem que permite a empresas distribuir e gerenciar conteúdos online. Recentemente, a empresa recebeu aporte da Anjos do Brasil e já conseguiu captar clientes que estão levando sua solução para outros países. A Loginfo, startup catarinense de tecnologia em gestão aduaneira e de armazéns que participou do módulo aceleração do Garagem, conseguiu captar junto à ACE, empresa que investe em startups.

A Loginfo atua em áreas de carga nos modais rodoviários, marítimo, ferroviário e aéreo, automatizando processos logísticos e integrando comunicação e gestão de documentos aos demais processos operacionais.  Segundo Elton Willrich, um dos cofundadores, o BNDES ajudou a realizar conexões com grandes corporações que seriam muito mais difíceis sem o Garagem. “O programa trouxe credibilidade à Loginfo no mercado de startups e no setor de logística”.  

Remedin, aplicando Business Intelligence na criação soluções em gestão para farmácias, disponibiliza informações sobre o comportamento de consumo de medicamentos além de tornar possível, por meio de seu aplicativo, localizar a farmácia mais próxima com estoque. A startup carioca chegou a receber investimento-anjo em 2019 e foi selecionada em 2020 para participar do InovAtiva Brasil, hub de aceleração, conexão e capacitação de startups brasileiras. 

Outras startups participantes da primeira edição do Garagem viram seus negócios crescerem consideravelmente mesmo sem captações, como a Inflr, do ramo do marketing digital, que triplicou seu faturamento em 2020, para R$ 33,1 milhões. A Ubots, empresa de inteligência artificial que desenvolve soluções para relacionamento digital entre clientes e empresas ficou em segundo lugar no Top 10 de Customer Service e 36º lugar no ranking da 100 Open Startups. A Touts, startup carioca de personalização de roupas, foi adquirida em 2020 pelo Grupo Reserva.  A Sintecsys, empresa que presta serviço de detecção automática de incêndios florestais, optou por não receber investimentos em troca de participação acionária e passou recentemente em dois comitês internacionais de grande porte para ter acesso a recursos de impacto. 

Segunda edição – O BNDES Garagem já está em sua segunda edição, agora com foco na criação e aceleração de negócios inovadores que gerem impacto socioambiental e promovam o desenvolvimento sustentável. Esta edição contemplará a realização de três ciclos de aceleração, sendo que o primeiro apoiará empreendedores que estão desenvolvendo soluções para saúde, educação, sustentabilidade, inovação na gestão pública (govtech) e cidades sustentáveis.  “Esta ação está totalmente alinhada com a estratégia e com o Propósito do BNDES de contribuir para a solução de problemas socioambientais do nosso país e de fomentar novos formatos de empreendedorismo e de funding, orientados para um desenvolvimento cada vez mais sustentável”, segundo Bruno Laskowsky, Diretor de Participações, Mercado de Capitais e Crédito Indireto. 

Saiba mais sobre a segunda edição do BNDES Garagem emhttps://www.bndes.gov.br/wps/portal/site/home/imprensa/noticias/conteudo/bndes-garagem-tera-segunda-edicao-com-foco-em-empreendedorismo-de-impacto-socioambiental

Silvio Dantas, ex-IBM, é nomeado diretor do hub de inovação da Capgemini Brasil

A Capgemini nomeou Silvio Dantas como seu novo diretor do Applied Innovation Exchange (AIE) no Brasil, um ecossistema de inovação aplicada que concebe novos modelos e soluções disruptivas de negócios com foco na resposta aos desafios e oportunidades dos clientes. Com larga experiência em posições de liderança estratégica centradas na inovação, Dantas reforça o foco da Capgemini em seus serviços de e seu ecossistema de inovação após a recente criação da AIE local, com sede em São Paulo.

“A chegada de Silvio reforça nosso foco em inovação aplicada no país, com base no ecossistema e na profunda expertise da equipe do AIE no Brasil. Sob sua liderança, o AIE será uma referência para as indústrias locais por antecipar tendências e ao oferecer as soluções mais avançadas e inovadoras, customizadas para os desafios de negócios de nossos clientes“, afirma Maurizio Mondani, CEO da Capgemini no Brasil.

Criaremos a melhor jornada do cliente ao identificar, priorizar e executar os desafios e oportunidades que os clientes nos trazem, alinhados com o objetivo de endereçá-los por meio da inovação aplicada. A sinergia dos 21 AIEs ao redor do Mundo e sua expertise, além das estruturas de inovação integradas aos clientes, permitem uma cobertura abrangente de diferentes segmentos da indústria e com base em soluções tecnológicas agnósticas. Minha equipe no Brasil será responsável pela conexão entre este ecossistema global e nossos clientes, visando acelerar o processo de transformação digital com a melhor experiência, design e tecnologia, bem como uma estratégia bem definida de geração de valor para o negócio“, afirmou Silvio Dantas, Diretor do AIE no Brasil.

A partir da grande pluralidade de recursos que compõem o ecossistema global dos AIEs, integrados com as competências da Capgemini em tecnologias transformacionais, como Cloud, Data e Analytics, inteligência artificial e Customer and Employee Experience, a Capgemini é um parceiro estratégico para acelerar programas de inovação aplicada no mercado, independentemente do mercado ou tecnologia.

Em acordo de R$200 milhões, healthtech 3778 cria um dos maiores grupos de saúde do País

Com mais de dois anos levando soluções inovadoras ao mercado de saúde, a healthtech3778 se uniu a investidores e criou o Grupo 3778, um dos maiores players de saúde corporativa do Brasil, ao assumir as atividades da TEG Saúde e as operações do Grupo Implus – Imtep e Implus Care. O negócio, de cerca de R﹩ 200 milhões, é um modelo inédito para o mercado, com a healthtech à frente da operação.

Esse movimento foi possível devido à parceria entre a 3778 e investidores estratégicos, com a finalidade de levar soluções inovadoras para o setor de saúde. O board de investidores é capitaneado por Randal Zanetti – fundador da Odontoprev – e tem a participação da LTS Investments e da UV Gestora de Investimentos.

A criação do Grupo acelera exponencialmente seu posicionamento no segmento de gestão de saúde corporativa. Soluções para a melhoria da atenção à saúde com redução de custos ficam disponíveis para um mercado potencial de 31 milhões de vidas, das quais 1,13 milhão já fazem parte do portfólio da nova companhia.

O Grupo 3778 passa a contar com as operações do Imtep, maior gestor de ambulatórios corporativos do Brasil e referência em saúde ocupacional; da TEG Saúde, líder em programas corporativos de Atenção Primária à Saúde (APS), gestão de afastados, de absenteísmo e análise de sinistro; e da Implus Care, responsável por programas de qualidade de vida e prevenção.

Conta também com a 3778 que, desde 2018, desenvolve projetos como o Command Center do Hospital Sírio-Libanês, o modelo preditivo para o enfrentamento à COVID-19 para hospitais canadenses e para o programa Todos pela Saúde. Foi escolhida pela Jonhson & Jonhson entre 134 startups da América Latina para desenvolver modelos de remuneração value-based para cadeia de saúde, além de já ter criado ferramentas digitais de atendimento ao paciente e gestão corporativa da saúde.

Juntas, as empresas do Grupo já realizaram mais de 180 mil atendimentos por telemedicina e com o apoio de ferramentas de inteligência artificial. Têm cerca de 1700 clientes ativos, estão em 700 cidades e fazem a gestão de 200 ambulatórios corporativos.

O médico e CEO do Grupo, Guilherme Salgado destaca que o novo negócio vai levar soluções inéditas de gestão de saúde para clientes corporativos, que são a principal fonte pagadora da saúde no Brasil. “A melhor jornada em saúde se faz com dados e dedos no pulso. Nós vamos simplificar o acesso à saúde de qualidade, levando a muitos o que é privilégio de poucos. Integrando e coordenando de fato o cuidado, com o digital e o presencial”, explica.

“As empresas que gerem a saúde do colaborador terão uma visão integrada e independente de resultados financeiros e clínicos. Além disso, os pacientes terão uma melhor experiência durante o atendimento e um menor custo em diferentes linhas de cuidado”, complementa Salgado.

Soluções e resultados

Com resultados concretos, só em 2020, a 3778 teve crescimento de 70% em volume de dados e usuários únicos em seus sistemas. Também triplicou o volume financeiro que passa por suas bases, superando o valor de R﹩ 3 bilhões .

No segmento hospitalar e de seguradoras, a healthtech desenvolve linhas de cuidados e modelos de remuneração baseados em A.I. Suas ferramentas realizam análises da jornada do paciente dentro e fora do hospital e ajudam as equipes médicas a tomar decisões de tratamentos e as equipes de gestão a cobrar pelo serviço de forma mais justa, com novos modelos de remuneração – value-based .

São soluções de grande fit com o mercado corporativo, que têm gerado economia e maior eficiência operacional para os clientes, maior segurança para os pacientes e a possibilidade dos médicos intervirem precocemente na jornada de saúde, melhorando os desfechos e resultados clínicos.

Soluções e resultados que fizeram a 3778 receber o Prêmio Referências da Saúde, do Healthcare Innovation Show – HIS, e o prêmio do Congresso Nacional de Hospitais Privados – Conahp, em parceria com o Hospital Mater Dei.

Transformando um segmento

A abordagem baseada em dados e Inteligência Artificial da healthtech tem escalabilidade e promoverá a aceleração tecnológica necessária, com a aquisição, integração e disponibilização de dados de forma segura e respeitando todos os protocolos de privacidade previstos em Lei.

A digitalização permitirá um atendimento mais ágil, flexível e assertivo. Os médicos e os gestores de RH e de saúde das empresas terão uma plataforma Ominicare de coordenação e recomendação de serviços, com suporte de decisão e precificação para diferentes linhas de cuidado.

Vigência da LGPD cria demanda por cursos de tecnologia e proteção de dados

Em vigor desde setembro de 2020, a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD), que regulamenta as políticas do uso de informações de pessoas físicas, impacta diretamente pequenos e grandes negócios, e o seu descumprimento gera multa que varia de 2% do faturamento bruto até R$ 50 milhões por infração. Além de informações básicas como data de nascimento e número do CPF, os dados comportamentais capturados pelas empresas através dos cookies de terceiros, como os sites que uma pessoa visita, também estão no radar da lei, que permite que os cidadãos tenham controle de como as empresas obtêm, armazenam, gerenciam e processam seus dados, garantindo sua privacidade e segurança.

Com o aumento das buscas pela regulamentação, cresceram as demandas por conteúdos sobre dados ligados à tecnologia. Para quem quer estar por dentro das normas e garantir o cumprimento da lei nas operações de sua empresa, Matheus Passos, da L’Oréal, Celso Slompo, CEO da Defesa da Reputação, e Simone Leme Bevandick, advogada e sócia da Leme Bevandick Advocacia e Consultoria Jurídica, são alguns dos renomados profissionais que ensinam desde noções básicas a estratégias de adequação de sites.

Confira abaixo algumas opções disponíveis no Sympla Play:

Curso: LGPD – Visão geral e fundamentos

Sinopse: Esse é um curso introdutório, que proporciona uma visão geral sobre os fundamentos da LGPD, e o cenário atual, suas bases e como funciona a garantia de direitos dos cidadãos em relação às suas informações pessoais.

Inscrições: https://www.sympla.com.br/lgpd—visao-geral-e-fundamentos__1095070

Curso: Formação em LGPD

Sinopse: Ministrado pelo CEO e fundador da empresa Defesa da Reputação, o curso aborda a questão cultural relacionada à tecnologia e auxilia profissionais a adequarem suas estratégias para que entendam e executem um projeto do começo ao fim.

Inscrições: https://www.sympla.com.br/formacao-em-lgpd__1114254

Curso: Implantação da LGPD pelo Pequeno Empreendedor

Sinopse: Destinado a pequenos empreendedores, o objetivo do curso é ensinar os aspectos importantes da Lei Geral de Proteção de Dados e como fazer a implantação das normas nas empresas abordando desde o Diagnóstico até o Relatório de Risco.

Inscrições: https://www.sympla.com.br/implantacao-da-lgpd–pelo-pequeno-empreendedor__1062550

Curso: Maratona de Proteção de Dados – Etapa M1

Sinopse: Esse curso foi desenvolvido para a formação teórica de profissionais de proteção de dados com base no Regulamento Geral sobre a Proteção de Dados (RGPD) e, conforme o caso, com adaptações à Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Inscrições: https://www.sympla.com.br/maratona-de-protecao-de-dados—etapa-m1__1100131

Curso: Oficina de Privacidade: Como Deixar um Site de Acordo com a LGPD

Sinopse: O curso, ministrado pelo professor Matheus Passos, que atua desde 2017 com proteção de dados na Europa e no Brasil, e tem experiência profissional em uma das maiores multinacionais do mundo, a L’Oréal, ensina a adequação de sites e a utilização de Cookies, Avisos de Privacidade e Formulários de acordo com a LGPD.

Inscrições: https://www.sympla.com.br/oficina-de-privacidade-como-deixar-um-site-de-acordo-com-a-lgpd__1099819

Home Office: OLX Brasil oferece mais de 80 vagas em diversas áreas

A OLX Brasil, uma das maiores plataformas de compra e venda online em imóveis, autos serviços e bens de consumo, anuncia a abertura de vagas para 84 oportunidades de trabalho de forma remota. São 23 vagas disponíveis no núcleo corporativo, distribuídas em todas as áreas da empresa: marketing, comercial, operações, compras, financeiro e estratégia. Além disso, são mais 52 oportunidades em tecnologia e 9 em produto, para cargos como Pessoa Desenvolvedora de Software Front-end, Gerente de Tecnologia, Product Manager, entre outros.

Desde o início do isolamento social, o processo seletivo vem sendo realizado remotamente, com entrevistas e testes online. A empresa procura profissionais dinâmicos, criativos e que partilham da mesma ideia de cultura da empresa, que busca incentivar a mudança na forma de consumo da sociedade e promove a economia compartilhada. Os profissionais que tiverem esses perfis e forem aprovados receberão da OLX Brasil todo o suporte técnico e equipamentos para trabalharem em suas respectivas casas.

“Neste cenário atual de distanciamento, aprimoramos nossa comunicação para apoiar nossos colaboradores e redefinimos os modelos de trabalho. Os novos profissionais entram já em esquema remoto e recebem em suas casas os materiais de trabalho. Também oferecemos horários flexíveis, apoio psicológico, aula de yoga, meditação, ginástica laboral, e todo o suporte necessário para cuidar da saúde física e psicológica de todas as pessoas que trabalham aqui”, diz Sérgio Povoa, CHRO da OLX Brasil.

Saiba mais sobre as oportunidades neste link.

Indústria paulista segue em expansão: vendas reais avançaram 2,6% em janeiro, aponta Levantamento de Conjuntura da Fiesp

Sensor marcou 51 pontos em fevereiro, indicando crescimento da atividade industrial no mês

As Vendas Reais da indústria de transformação paulista cresceram 2,6% entre dezembro e janeiro de 2021, livre de efeitos sazonais, conforme aponta o Levantamento de Conjuntura da Fiesp/Ciesp. O relatório também indica que, pelo nono mês consecutivo, houve aumento das Horas Trabalhadas na Produção, registrando alta de 2,7% com relação ao último mês de 2020, e do Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) com crescimento de 0,8 p.p., fechando em 79,2% em janeiro e está abaixo 0,2 p.p apenas da média da série histórica (79,4%).

A vacinação da população é fundamental para evitar uma alta expressiva da curva de óbitos e o fechamento ainda maior da economia no país, que atualmente demonstra recuperação. O progresso em direção à normalização total da economia graças à vacinação deve gerar aceleração do crescimento no 2º trimestre.

Sensor

De acordo com a pesquisa Sensor, a indústria de transformação paulista continuou exibindo expansão em fevereiro, ainda que com alguma perda de ritmo quando comparado aos últimos meses. O indicador Sensor de fevereiro fechou em 51 pontos, na série com ajuste sazonal, resultado superior ao de janeiro (50,5 pontos). Números acima dos 50 pontos indicam melhora da atividade industrial paulista no mês.

O indicador de condições de Mercado melhorou em relação ao mês anterior, passando de 47,4 para 49,9 pontos em fevereiro. Como o indicador está muito próximo dos 50 pontos, aponta estabilidade das condições de mercado no período. Já as Vendas indicam continuidade do crescimento ao registrar 52,1 pontos ante os de janeiro (52,2 pontos). Ao permanecer acima de 50 pontos, indica expectativa de aumento das vendas no mês em relação ao anterior.

Este mês, o indicador de nível de Estoque passou de 53,2 pontos em janeiro para 50,8, ficando mais próximo do nível desejado. Leituras superiores a 50 pontos sinalizam estoque abaixo do desejável, ao passo que inferiores a 50 pontos indicam sobrestoque.

Itaú Unibanco realiza evento online para contratação de mulheres na área de tecnologia

No mês da mulher, o Itaú Unibanco preparou um evento especial para as profissionais do mercado tech que tenham interesse em trabalhar no banco. O “Somos Tod(a)s Tech” acontecerá entre os dias 9 e 16 de março, de forma totalmente online, para recrutamento de desenvolvedoras, em um formado de sistema para contratação rápida (Speed Hiring).

Além do processo seletivo em si, o programa proporcionará às candidatas, opcionalmente, um encontro virtual com executivas da área de TI do banco, ocasião em que poderão tirar dúvidas, receber dicas e trocar informações sobre a profissão e desenvolvimento. O “Somos Tod(a)s Tech” contará ainda com uma palestra sobre autoconhecimento, carreira e tecnologia, que será ministrada pela especialista em transformação digital, Amanda Graciano, também opcional.

“Quando falamos especificamente de áreas que envolvem tecnologia, a inclusão de mulheres no mercado de trabalho precisa ser uma pauta prioritária para nós, é por isso que estamos sempre buscando desenvolver iniciativas como o Somos Tod(a)s Tech. Uma das formas de mover o ponteiro da diversidade é oferecer mais oportunidades e uma competitividade justa diante das diferenças. Além disso, ter mulheres compondo o nosso time tech acaba sendo um fator de atração para outras mulheres, que se sentem representadas e se enxergam naquele ambiente”, explica Ana Drumond, diretora de tecnologia no Itaú Unibanco.

Somos Tod(a)s Tech

Dia 09 de março de 2021 | 19h – Café com Executivas do Itaú (online). Participam do bate-papo Ana Drumond (CIO), Carla Moraes (Superintendente de Engenharia de Software) e Fabíola Marchiori (CIO)

Dia 11 de março de 2021 | 19h – Palestra online de Amanda Graciano – “Autoconhecimento, carreira e tecnologia: uma trajetória possível em meio a um turbilhão”

Dia 16 de março de 2021 | 15h às 19h – Speed Hiring online. Quem se inscrever para participar deverá escolher o horário de preferência

É possível participar de um, dois ou dos três eventos. Inscrições e mais informações: https://lnkd.in/dD4ceMr

Mosaico, dona das marcas Zoom e Buscapé, abre 50 vagas de TI em home office no Brasil

A Mosaico, maior plataforma de conteúdo e originação de vendas para o comércio eletrônico do Brasil, vai abrir 50 oportunidades de emprego para profissionais de TI. As vagas são para profissionais de todo país, com possibilidade de trabalho remoto. Na Mosaico, todas as vagas abertas são disponibilizadas para pessoas com deficiência.

A empresa, dona das marcas icônicas do e-commerce brasileiro Zoom, Buscapé e Bondfaro, é certificada há 9 anos consecutivos como um dos melhores lugares para se trabalhar pelo prêmio Great Place do Work. A Mosaico oferece como benefícios plano de saúde e odontológico, vale-refeição, vale-alimentação, auxílio educação, vale-transporte, auxílio-creche, PLR, Gympass e empréstimo consignado. A empresa também oferece ginástica laboral, auxílio-educação e day-off de aniversário.

Confira as vagas abertas no momento:
● Tech Lead
● Software Engineer – FullStack
● Software Engineer – Back End
● Software Engineer – Front End
● DevOps Engineer

Para se candidatar é só acessar o site mosaico.gupy.io e buscar pela vaga que deseja.

A Mosaico oferece oportunidades home office em todo o Brasil, em times que adotam metodologias ágeis, com squads, guildas e trilhas para o desenvolvimento dos seus produtos. Os times são enxutos e altamente performáticos onde são valorizadas a autonomia e a versatilidade dos profissionais, que têm liberdade para sugerir e desenvolver soluções inovadoras e disruptivas. “Estamos em sintonia com o que há de mais avançado no mercado de tecnologia e incorporamos, de forma cada vez mais robusta, inteligência artificial, soluções SaaS e open source, além da arquitetura de microsserviços em nossos sistemas. Utilizamos tecnologias como Nodejs, Reactjs, Golang, Java, Python, Mongodb, Redis, Elasticsearch, Kafka, Terraform e Docker. Nosso objetivo principal é sempre a alta performance e foco na experiência do usuário”, diz Carlos André Oliveira, Chief Technology Officer (CTO) da Mosaico.

Ainda no primeiro semestre, serão disponibilizadas mais vagas para o time de tecnologia: Especialista de Busca, Especialista de Dados, Especialista de Banco de Dados, Cientista de Dados, Engenheiro de Dados, DevOps, SRE, Analista de Suporte, Analista de Testes, Analista de Qualidade e Estagiário de tecnologia. Todas serão divulgadas no site mosaico.gupy.io.

Na Mosaico, a tecnologia é usada como forma de melhorar a vida das pessoas e criar um jeito mais inteligente de consumir. A empresa valoriza talentos que buscam soluções inovadoras e eficientes focadas no consumidor. Essa cultura customer centric se materializa nos índices de satisfação dos consumidores. Zoom e Buscapé possuem as maiores notas na avaliação (9.0 e 9.1 respectivamente) no site Reclame Aqui, que faz avaliação de empresas e serviços, sendo 9 pontos acima do terceiro colocado no segmento de comércio eletrônico, conforme registrado em agosto de 2020. São 10 anos seguindo este caminho de forma incondicional desde o dia de sua fundação.

Um ano de Covid 19 no Brasil: como a rede privada contribuiu para o enfrentamento à doença

26 de fevereiro de 2020 confirmado primeiro caso de Coronavírus no Brasil. O paciente, um homem, de 61 anos, recém chegado de viagem à Europa. No dia seguinte ao anúncio oficial, o Ministério da Saúde confirmou outros 132 casos suspeitos da doença estavam sob monitoramento.

Os dias, semanas e meses que sucederam o primeiro registro foram de preocupação. O crescente número de casos e vítimas de norte a sul do país desfiou autoridades de saúde, tanto na esfera pública, quanto na privada, que se uniram em uma verdadeira ‘força-tarefa’ para tentar reduzir a incidência da doença.

Na mesma semana em que se relembra o primeiro caso oficial de Covid, o país chega a 250.079 vítimas da doença e supera 10 milhões de casos. Ao mesmo tempo, uma boa notícia estampa os noticiários, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) anunciou a autorização de registro definitivo da 1ª vacina contra Covid-19. Produzido pelo laboratório Pfizer/Biontech, o imunizante poderá ser importado para o país, inclusive pela rede privada, com medida que permite ao Estado requisite as vacinas para o setor público. “Observar o cenário atual da pandemia, nos permite destacar um importante legado: a inegável contribuição para os avanços que temos hoje. Neste um ano, vimos o empenho e dedicação de cientistas e pesquisadores para responder de forma rápida, segura e eficaz à Covid 19”, declarou o médico Rafael Jácomo, Diretor Técnico do Grupo Sabin Medicina Diagnóstica, na 3ª edição do BootCamp, promovido pela Associação brasileira de Medicina Diagnóstica.

Amparado pelos números divulgados pela entidade no encontro – que apontaram que cerca de 40% dos exames para Covid 19 foram realizados pela rede privada de laboratórios, percentual que indica mais de 10 milhões de testes – o especialista destacou ainda a relevância da medicina diagnóstica no enfrentamento à doença. “Os indicadores levantados a partir dos testes produzidos pelas companhias do setor fizeram diferença na rápida tomada de decisões de médicos e autoridades de saúde”.

Jácomo esteve à frente da equipe de Pesquisa e Desenvolvimento do Sabin no desenvolvimento dos testes para detecção da Covid 19. Lançado ainda em fevereiro de 2020, o teste no formato RT-PCR do Grupo Sabin, juntamente com os sorológicos, foi grande aliado da saúde da população e a prova disso está nos números: o Grupo Sabin superou a marca de mais de 1 milhão de testes para a Covid 19 realizados no país. Até o final de janeiro, a empresa contabilizou no total 1.220.000 exames, destes 745.000 no modelo RT-PCR e outros 475.000 sorológicos.

Para atingir este patamar, a empresa investe continuamente na atualização de seus processos e operações oferecendo testes com capacidade de detecção de todas as variantes de SARS-CoV-2 descritas até o omento. “Mantemos uma rotina de atualização constante das alterações do vírus e desde os primeiros relatos dos casos das variantes seguimos acompanhando dos reports produzidos pelas principais autoridades de saúde globais”, enfatiza o médico. O trabalho de monitoramento da descrição de vírus e suas variantes garante a eficiência dos testes oferecidos pela empresa, reafirmando seu compromisso de entregar serviços de saúde com o mais alto padrão de excelência.

Um ano Covid 19: um ano de aprendizados

“Foi um ano de muita dedicação à nossa missão de buscar a evolução constante de nossos estudos, pesquisas e processos, para assegurar ao paciente o melhor diagnóstico e ajudar assim no sucesso da jornada de tratamento”, esclareceu Jácomo e reiterou “outro legado da pandemia é nossa capacidade de nos adaptarmos às novas realidades, novas rotinas para introduzirmos novos testes para uma doença, até então, desconhecida. Foi um desafio e um importante avanço para em abril já termos em nosso portfólio os novos testes, os chamados sorológicos. Como conseguimos isso? Com empenho, atenção e observação. Em janeiro de 2020, já estávamos atentos aos reports enviados pela OMS e CDC e a partir dos protocolos disponibilizados colocamos em prática e adotamos à nossa metodologia”.

Referência em medicina diagnóstica, o Grupo Sabin também investiu em outras medidas de enfrentamento à doença, que fizeram a diferença em 2020. Implantou um comitê de crise multidisciplinar para análise e implantação das ações de enfrentamento ao COVID-19 na empresa. Além de monitorar as estatísticas globais de casos, o comitê também é responsável pela análise de impactos e riscos, e definição das ações de contingência e adaptação de processos, estruturas internas e externas e, principalmente, gestão de equipes e também pela implantação das ações estratégicas de transformação pós-crise. Para manter a realização de testes em todo o país, de forma ininterrupta, a empresa firmou parcerias superando as adversidades logísticas e assegurando estoque de insumos e reagentes.

Além disso, ampliou sua plataforma e portifólio de testagem, bem como capacidade produtiva. Expandiu também o acesso aos exames por meio dos novos canais de atendimento, que inclui as modalidades coleta em domicílio, coleta empresarial, drive thru e unidades exclusivas para COVID – 19. A empresa também aumentou as opções de serviços em domicílio e atendimento a hospitais em todo Brasil, para garantir mais agilidade e segurança dos clientes que procuram pelos serviços.

Um ano cuidando de dentro para fora

Uma série de medidas preventivas para proteger e conscientizar colaboradores, que estão na linha de frente, foi colocada em prática por meio de campanhas internas, reforçando cuidados de higienização nas as estruturas e unidades. Além da aquisição de novos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

Para a manutenção da saúde emocional e mental dos colaboradores, a empresa lançou o “Guia de orientação”, para profissionais em home office, fornecendo conteúdos em favor da produtividade e cuidados, e disponibilizou o “O Guia de Isolamento Domiciliar”, com orientações sobre como proteger colaborador e familiares, em caso de contaminação.

O Sabin adotou protocolos especiais para acolher e cuidar daqueles que fazem parte do grupo de risco como colaboradores acima de 60 anos, crônicos e gestantes, concedendo férias, acompanhamento médico, acompanhamento virtual, protocolos específicos de retorno e reorganizou suas estruturas físicas e adequou escalas de trabalho, para garantir a redução do fluxo de pessoas em seus espaços.

Para atender a demanda das empresas, o Sabin remodelou o sistema de coleta empresarial para promover a testagem de funcionários, com serviço consultoria e a estruturação de protocolos de triagem, monitoramento e testagem, bem como as recomendações técnicas a partir dos resultados da testagem do grupo populacional.

“São iniciativas assim que nos permitiram alcançar os avanços para enfrentamento da pandemia em 2020. Mas ainda estamos enfrentando a pandemia. Temos vacina, mas o vírus ainda está circulando. O momento nos pede resiliência e atenção à rotina de cuidados. Lavar as mãos, usar máscaras de proteção e sair somente quando necessário são prioridades. Precisamos entender que é uma medida de proteção individual, mas também coletiva. E é uma forma de nos proteger e proteger quem está ao nosso lado”, finaliza Jácomo.

Pesquisa da SAP e da Oxford Economics revela desafios da gestão compras e despesas nas empresas

Apenas 23% dos executivos das áreas de procurement e cadeia de suprimentos contam com uma visão clara, automática e em tempo real das despesas em geral. Essa é uma das conclusões do estudo Agile Procurement Insights conduzido pela SAP SE (NYSE: SAP) em colaboração com a Oxford Economics. O levantamento apontou ainda que 49% dos gestores ainda analisam dados manualmente para fundamentar a tomada de decisão.

O estudo foi baseado em uma pesquisa com mil executivos das áreas de procurement e cadeia de suprimentos e responsáveis ​​por despesas diretas e indiretas relacionadas a bens, serviços e profissionais externos. Foi elaborado para ajudar a compreender a influência das atividades de procurement nas empresas, o estado atual da colaboração com fornecedores e o impacto da tecnologia e da digitalização dos processos nas funções de procurement.

Um subconjunto dos executivos participantes da pesquisa está obtendo resultados de negócios mais sólidos. Os líderes têm investido em tecnologia e digitalização dos processos para ajudar suas organizações a se anteciparem ao inesperado, elevando os níveis de agilidade e resiliência das empresas e o valor estratégico das aquisições para os negócios.

A pesquisa resultou em cinco relatórios que examinam as principais áreas de gestão de despesas e discutem o que os líderes fazem para se diferenciarem.

Líderes visionários: Elevando o Valor Estratégico da área de Suprimento para o Negócio (Leaders Aim Higher: Elevating Procurement’s Strategic Value to the Business) – aponta que cerca de 10% dos líderes fizeram investimentos maiores na transformação digital da área de procurement e registraram mais benefícios. Para se qualificarem como líderes, precisaram satisfazer critérios em quatro áreas: alto grau de automação dos processos; uso frequente de dados para fundamentar a tomada de decisões; uso de tecnologia para influenciar os negócios; e menos desafios na gestão de procurement do que outros participantes da pesquisa. Alcançam resultados melhores em comparação com outros participantes em termos de eficiência operacional, desempenho dos fornecedores, conformidade, gestão de riscos e redução de custos. No entanto, até mesmo os líderes têm espaço para melhorar.

Desempenho baseado em boa gestão da área de compras e supply chain (Procurement-Powered Performance: How Digital Transformation Is Elevating Procurement) – o levantamento mostra que, embora as organizações estejam colhendo os benefícios da digitalização da área de procurement, ainda assim enfrentam desafios. O estudo mostra que, por exemplo, 38% dos executivos entrevistados disseram que a maioria ou todos os processos de procurement ainda é manual. Apenas 54% afirmaram que as tecnologias usadas nessa área ajudam a tomar decisões baseadas em dados. De acordo com o relatório, empresas que adotaram o uso de dados e análises, exploraram o poder da inteligência artificial e contam com novas tecnologias estão obtendo melhores resultados.

O gerenciamento de riscos do fornecedor mostra progresso, mas há muito espaço para melhorias – “Aproximando para ver mais longe: Procurement podem incluir análises avançadas para prever e gerenciar o risco do fornecedor (Getting Closer to See Further: Procurement Can Embrace Advanced Analytics to Predict and Manage Supplier Risk) – o relatório revela vulnerabilidades generalizadas na gestão de riscos associados a fornecedores, entre elas pouca visibilidade e dependência excessiva de um conjunto pequeno de provedores. Apenas 49% dos executivos disseram que atualizam regularmente os planos de mitigação de riscos para lidar com possíveis paralisações, e apenas 32% disseram que a gestão de riscos associados a fornecedores é altamente eficaz. As organizações subutilizam análises avançadas e precisam tomar medidas mais ousadas para ajudar a elevar a visibilidade sobre o desempenho dos fornecedores e fazer maior uso de dados de terceiros para se antecipar e mitigar possíveis interrupções.

Colaboração estreita com fornecedores precisa ir além das transações”: Líderes de gastos diretos se envolvem com fornecedores essenciais para melhorar o desempenho (Close Collaboration That Goes Beyond Transactions: Direct Spend Leaders Engage with Essential Suppliers to Improve Performance) os dados ilustram que líderes envolvidos com gastos diretos que adotam a automação e tratam fornecedores como parceiros geram excelentes resultados para os negócios. Por exemplo, 92% dos líderes visionários disseram que usam uma rede de colaboração com fornecedores, em comparação com 69% dos outros participantes da pesquisa. Além disso, 76% desses líderes disseram que dão aos fornecedores críticos visibilidade sobre as futuras demandas por seus produtos, em comparação com 44% dos outros participantes.

Categoria de despesas significativamente subgerenciada: força de trabalho externa. Como aumentar a visibilidade sobre essa parcela para obter melhores resultados comerciais (Agility Isn’t Always on the Payroll: Gain Full Visibility of Your External Workforce to Help You Drive Better Business Outcomes) o estudo destacou que apenas 35% dos executivos disseram que usam tecnologia para ajudar a gerenciar a força contingente de trabalho e 70% disseram que usam tecnologia para contratar serviços. Dado que a força de trabalho externa compõe uma grande categoria de despesas estratégicas que promove a agilidade dos negócios, a adoção mais ampla de sistemas de gestão de fornecedores preferenciais pode ajudar as organizações a contratar prestadores de preferência, usar vários modelos de preços, aplicar taxas negociadas, rastrear a qualidade do trabalho e utilização de equipamentos e gerenciar a segurança dos acessos.

“O estudo mostra que a área de Compras se torna cada vez mais estratégica para os negócios e a importância de ter a visibilidade completa dos projetos de suprimentos, dos gastos diretos, indiretos e de serviços e a gestão completa da cadeia de suprimentos diferenciam as empresas que se mostram mais resilientes e ágeis para a tomada de decisão e para reagir as mudanças impostas pelo mercado”, explica Silvio Abade, vice-presidente da SAP Ariba no Brasil.

Segundo Abade, uma solução de Procurement é fundamental para aumento da produtividade e inovação, mas seu potencial depende da digitalização de todos os processos de gestão de gastos em uma única plataforma na nuvem. Isso permite às organizações se posicionarem de forma a alinhar as decisões relacionadas aos gastos diretos, indiretos e de serviços alinhados a estratégia de negócios, sendo fundamentais na atual economia em rede para uma gestão inteligente das despesas”.

DAF Caminhões Brasil cria diretoria de Serviços ao Cliente

A DAF Caminhões Brasil, atenta ao crescimento da sua frota circulante e ao fortalecimento da área de Pós-vendas, acaba de criar a diretoria de Serviços ao Cliente. Adcley Souza deixa a posição de Diretor de Desenvolvimento de Concessionárias e assume como novo Diretor de Serviços ao Cliente, a partir de 1º de março. O executivo continuará se reportando a Luis Gambim, Diretor Comercial da DAF Caminhões Brasil.

“A área de Pós-vendas da DAF está em pleno crescimento, com a expansão do número de caminhões da marca circulando pelo país, além do aumento da nossa Rede de Concessionárias. Com isso, junto com a equipe de Pós-vendas, tenho a missão de criar mais produtos, treinamentos e soluções para que o cliente continue tendo uma experiência premium em todo o ciclo de vida de um caminhão DAF”, afirma Adcley Souza.

O executivo tem mais de 25 de experiência no segmento de caminhões e está na companhia desde 2012, onde ocupou anteriormente cargos de Gerente e Diretor de Desenvolvimento de Concessionárias. Adcley é formado em Engenharia Mecânica pela UTFPR (Universidade Tecnológica Federal do Paraná), possui Mestrado em Desenvolvimento de produto e qualidade pela mesma universidade, MBA em Liderança e Desenvolvimento de pessoas pela Universidade Positivo e Neurociência pela ESIC (Business & Marketing School Internacional).

O novo Diretor de Desenvolvimento de Concessionárias será anunciado em breve.

Estudo da IBM mostra que mudanças voluntárias de emprego e busca por capacitação podem ser maiores em 2021

BM expande sua plataforma online gratuita SkillsBuild, programa de aprendizagem para ajudar quem está em busca de trabalho e outros a ter êxito

Um novo estudo do IBM Institute for Business Value (IBV) revelou que um em cada quatro consumidores pesquisados globalmente planeja mudar de empregador em 2021. Mesmo com a economia global tendo uma perda equivalente a 255 milhões de empregos em tempo integral em 2020*, o estudo mostra que as mudanças voluntárias de trabalho e o desenvolvimento de habilidades continuam sendo uma prioridade no mercado de trabalho atual, já que os funcionários podem estar buscando mudanças de carreira devido a interrupções causadas pela pandemia COVID-19.

O estudo com mais de 14.000 adultos em todo o mundo também mostrou que muitos daqueles que fizeram mudanças de emprego voluntariamente em 2020 podem mudar novamente em 2021 por muitos dos mesmos motivos. As descobertas no Brasil incluíram:

• No Brasil, 1 em cada 10 pessoas que responderam à pesquisa deixou o emprego voluntariamente no ano passado durante a pandemia. Os principais motivos pelos quais os entrevistados decidiram pedir demissão foram:

• 29% precisavam de mais flexibilidade de horário ou de local de trabalho (por exemplo, capacidade de trabalhar remotamente para lidar com as demandas da família);

• 26% buscavam mais benefícios e suporte para seu bem-estar;

• 23% disseram que não tinham boas perspectivas de progressão na carreira ou segurança no emprego;

• 31% dos brasileiros pesquisados disseram que planejam mudar de emprego em 2021. As razões mais comuns são para buscar de aumento salarial ou promoção (33%), mais benefícios e suporte para seu bem-estar (29%), para mudar de profissão (27%) ou ter um trabalho com mais propósito e significado (25%); 23% disseram que estava enfrentando um burn out (esgotamento mental).

Os empregadores continuam a enfrentar desafios para atrair, reter e envolver candidatos e funcionários, especialmente da Geração Z e da Geração Y, diz Kelly Ribeiro, Líder de Talento e Transformação da IBM para a América Latina. “A boa notícia é que tenho visto experiências de sucesso em empresas da América Latina que estão adotando uma abordagem analítica e baseada em dados com IA para enfrentar esse desafio e também para entender, personalizar e antecipar melhor as necessidades dos funcionários”, completa.

Os funcionários valorizam oportunidades de carreira e a ética e os valores das empresas

No Brasil, 52% dos consumidores pesquisados disseram que para engajar os funcionários é preciso gerar oportunidades de desenvolvimento e ascensão na carreira. Quase a mesma porcentagem acredita que a ética e os valores da empresa (51%) também são um atributo chave. A remuneração e benefícios competitivos (46%) bem como o equilíbrio entre a vida profissional e pessoal/flexibilidade (44%) também foram mencionados como prioridades.

Existe uma lacuna de percepção entre empregadores e funcionários sobre suas habilidades

De acordo com um estudo do IBV de 2019 sobre o gap global de habilidades, 45% das organizações pesquisadas indicaram que não conseguem encontrar as habilidades de que precisam. Mas a recente pesquisa de consumidor do IBV divulgada hoje mostrou confiança por parte dos trabalhadores: 87% dos profissionais acreditam que já possuem as habilidades necessárias para cumprir suas metas de emprego para 2021. Apesar dessa confiança, a maioria dos funcionários continua planejando medidas para melhorar suas habilidades para o futuro.

• 58% dos pesquisados no Brasil afirmaram que pretendem fazer cursos de educação continuada online;

• 36% dos consumidores entrevistados planejam fazer cursos presenciais;

• 35% querem participar de programas de shadowing profissional.

IBM expande sua plataforma de aprendizagem online gratuita SkillsBuild

Para ajudar os indivíduos a desenvolver habilidades para o futuro, a IBM está lançando o SkillsBuild, uma plataforma de aprendizagem online gratuita e aberta que visa capacitar os candidatos a empregos com preparação profissional para habilidades técnicas e de trabalho. Seus principais diferenciais incluem um amplo portfólio de cursos interativos em vários idiomas, ferramentas de treinamento pessoal, oportunidade de desenvolver projetos de construção de portfólio e ganhar credenciais para mostrar suas habilidades a empregadores em potencial.

Os alunos que acessam a plataforma podem realizar uma autoavaliação de seus interesses e aptidões no emprego, o que os ajuda a identificar e se conectar com uma jornada de aprendizagem adaptada ao seu perfil profissional. As possibilidades de aprendizagem e certificações que eles podem obter abrangem áreas como segurança cibernética, análise de dados, atendimento ao cliente, habilidades de carreira e as bases pra se candidatar a vagas de empregos, entre outras. Alguns dos parceiros de conteúdo da IBM incluem Fortinet e Red Hat.

A pandemia do COVID-19, combinada com o rápido desenvolvimento tecnológico, está mudando profundamente o local de trabalho. Ao mesmo tempo, as empresas buscam cada vez mais talentos fortes e diversificados”, disse Justina Nixon-Saintil, vice-presidente da IBM e chefe global de responsabilidade social corporativa. “O IBM SkillsBuild oferece aos aspirantes a profissionais um poderoso conjunto de recursos gratuitos para ajudá-los a cultivar carreiras significativas das quais possam se orgulhar.

Metodologia do estudo

Para entender melhor os planos e motivações dos consumidores para deixar ou ficar com seus empregadores e investir em seu próprio desenvolvimento profissional, a IBM entrevistou mais de 14.000 adultos em janeiro de 2021 em 9 países: Brasil, Canadá, China, Alemanha, Índia, México, Espanha, o Reino Unido e os Estados Unidos. O estudo completo está disponível em: https://www.ibm.com/thought-leadership/institute-business-value/report/employee-expectations-2021.

* Segundo a Organização Internacional do Trabalho, em 2020, foram perdidas 8,8% das horas de trabalho globais em relação ao quarto trimestre de 2019, o equivalente a 255 milhões de empregos de tempo integral.

Liferay abre vagas para equipe de Design no Brasil

Oportunidades são para Design de Produto, Communication Design e DesignOps

A Liferay, empresa global desenvolvedora de software de experiências digitais, está com vagas abertas para sua equipe de Design no Brasil. Além de posições para atuar na sede regional da empresa em Recife/PE também há oportunidade para trabalho remoto. Um dos requisitos básicos para todas as vagas é ter nível de inglês avançado ou fluente, necessário para interagir diretamente com os times de design da empresa nos EUA e Espanha.

As oportunidades são para diversas áreas como DesignOps, Design de Produtos e Communication Design. Em todas elas os profissionais terão a oportunidade de trabalhar em um time internacional e multicultural. Além do salário competitivo, a Liferay oferece a seus colaboradores mais de 10 benefícios, incluindo: auxílio alimentação, auxílio transporte, serviço de office boy, Gympass, benefício educação, entre outros.

A primeira etapa do processo seletivo é a submissão do currículo de acordo com a vaga desejada, a lista de vagas pode ser acessada pelo site. As demais etapas incluem análise de portfólio, teste técnico e entrevistas.

Para informações sobre as vagas e sobre a Liferay, acesse: http://www.liferay.com/pt/web/l/liferay-vagas-brasil

Brasil ocupa a 4ª posição em ranking de países com empresas mais bem preparadas para ambientes de trabalho multigeracionais

Pesquisa do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon ouviu trabalhadores e aposentados de 15 países

Criar espaços de trabalho multigeracionais deve ser um dos principais desafios das empresas ao redor do mundo, segundo relatório Novo Pacto Social: Empregadores Amigáveis a Todas as Idades, desenvolvido pelo Instituto de Longevidade Mongeral AegonE o Brasil já está saindo na frente neste quesito: segundo dados da pesquisa, apenas 28% das empresas que atuam no país não possuem iniciativas para incentivar a inclusão multigeracional. Uma realidade próxima à global, em que um em cada três respondentes afirmou que as empresas não oferecem iniciativas desse tipo.

Entre os entrevistados brasileiros, alguns pontos da pesquisa ajudam a entender por que a diversidade de gerações já faz parte do mercado de trabalho e da realidade das empresas. No levantamento, 42% das pessoas afirmaram trabalhar em um local imparcial, que reconhece funcionários de todas as idades e desencoraja a discriminação relacionada à faixa etária, enquanto 35% disseram fazer parte de ambientes com uma boa estrutura, acesso a tecnologias, instalações, equipamentos e serviços para todas as idades. Por fim, 25% declararam que as companhias das quais fazem parte tinham uma cultura inclusiva, ouvindo as contribuições de trabalhadores de todas as idades e valorizando um ambiente de trabalho com diferentes gerações.

Globalmente, os países com maior concentração de funcionários que declararam não ter ambientes amigáveis às diferentes faixas etárias são Japão (54%), França (52%) e Alemanha (50%), enquanto os resultados positivos estão nos mercados emergentes como Índia (7%) e China (10%). “Os trabalhadores hoje querem cada vez mais uma transição gradual para a aposentadoria. Apenas 34% dos ouvidos preveem parar imediatamente o trabalho ao entrar na aposentadoria. Por isso, locais de trabalho inclusivos a todas as idades são uma das maneiras de garantir que essas pessoas se sintam apoiadas para se aposentarem em fases, além de possibilitar que todos contribuam e permaneçam economicamente ativos por mais tempo. É um jogo em que todos ganham”, explica Leandro Palmeira, diretor de Pesquisa do Instituto de Longevidade Mongeral Aegon.

O estudo traz nove características essenciais para um melhor preparo para a aposentadoria, desenvolvidas no contexto de um Novo Pacto Social. “Os empregadores desempenham uma função fundamental, ajudando os trabalhadores a se prepararem para a aposentadoria. A influência deles vai além de oferecer planos de aposentadoria e benefícios financeiros, incluindo desenvolvimento de habilidades, educação e bem-estar. Por isso, esse novo cenário reforça a necessidade de um Novo Pacto Social entre governos, empregadores e indivíduos”, completa Palmeira.

Os desafios da aposentadoria

Sobre o preparo para a aposentadoria, o estudo concluiu que dois em cada cinco trabalhadores no mundo (40%) garantem que estão habitualmente poupando para isso. Já para os que não conseguem poupar, a principal barreira é ‘não ganhar o suficiente’ (35%), além das questões de curto prazo, como comprar uma casa (22%) ou pagar dívidas (21%). O cenário é parecido no Brasil, com 40% afirmando que o salário é baixo, 33% concentrados em pagar dívidas e 24% poupando para prioridades imediatas.

“Sabemos que começar a economizar desde cedo e de forma frequente é o melhor caminho para alcançar o preparo para a aposentadoria e os dados revelam um desafio para todos os parceiros sociais”, afirma Palmeira. “As respostas nos mostram que é preciso modernizar os sistemas de aposentadoria de forma sustentável e adaptável para o futuro, com ações que vão desde a garantia da sustentabilidade dos benefícios previdenciários até o aprendizado ao longo da vida”, conclui o executivo.

A pesquisa, desenvolvida pelo Instituto de Longevidade, em parceria com Aegon Center for Longevity and Retirement e o Transamerica Center for Retirement Studies, ouviu pessoas da Austrália, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Hungria, Índia, Japão, Holanda, Polônia, Espanha, Turquia, Reino Unido e Estados Unidos.

EDP Renováveis investirá € 24 mi na transição energética

Foto: Pixabay

A EDP Renováveis apresentou hoje (25) a atualização do seu plano estratégico para o período 2021-2025, reforçando sua posição de líder na transição energética com um plano de investimento sem precedentes: em quatro anos, serão investidos € 24 mil milhões na transição energética.

Desse valor, 80% será investido em energias renováveis, através de diversas tecnologias – eólica, solar, hidrogênio verde e armazenamento de energia -, com o desenvolvimento de 4GW por ano e duplicando a capacidade solar e eólica da empresa até 2025. Este novo plano abrirá caminho para que a empresa se torne neutra em emissões de carbono até 2030.

Essa visão é sustentada por três eixos estratégicos: Crescimento Acelerado e Sustentável; Organização com ADN de futuro, sustentada por um maior investimento em Inovação e Transformação Digital e, por fim, pelo Retorno atrativo e excelência nos indicadores ESG (Environmental, Social and Governance.)

“Esse plano é um compromisso forte e ambicioso da EDP Renováveis e inclui uma aceleração sem precedentes do nosso crescimento em renováveis, amparado por nossa história de sucesso. O desafio inédito que as alterações climáticas nos impõem requer uma mudança de mentalidade e de ambição e, acima de tudo, uma ação mensurável. Não se trata apenas de levar energia às comunidades, mas sim de contribuir para que estas comunidades possam ter vidas mais sustentáveis”, destaca Miguel Stilwell d’Andrade, CEO da EDP Renováveis.

Um plano estratégico ambicioso para 2021-2025

Através de um crescimento acelerado e sustentável, a EDP Renováveis continuará a diversificar seu portfólio de ativos, ao mesmo tempo que assegura um perfil de baixo risco: a empresa pretende investir € 24 milhões até 2025: 80% em energias renováveis, 15% em redes e 5% em soluções para clientes e para gestão de energia.

A empresa vai acelerar seu investimento em energias renováveis na Europa e na América do Norte e pretende duplicar a capacidade instalada em energia eólica e solar nos próximos cinco anos, de 12GW para 25GW, o que representa uma média de 4GW adicionais por ano. Na geração solar descentralizada, a empresa pretende crescer 10 vezes sua presença global.

A ambição suportará compromissos de deixar de produzir a partir do carvão em 2025 e de ser totalmente verde em 2030, antecipando em 20 anos a meta de ser uma empresa sem impacto nas emissões de carbono.

O plano mantém o foco em investimentos que reforcem o aspecto digital e inovador da EDP Renováveis: serão investidos € 2 milhões em inovação e na transformação digital até 2025, para fornecer novas soluções em hidrogénio, armazenamento de energia, redes inteligentes, comunidades de energia e mobilidade elétrica, e para reforçar a ligação de uma equipe já global, talentosa e flexível.

Plano estratégico da EDP Renováveis 2021-2025 em números:

EDP Renováveis sem produção a carvão até 2025 e 100% verde até 2030;
Investimento de € 24 milhões na transição energética até 2025;
80% do investimento em energias renováveis; 15% em redes; 5% em soluções para clientes e gestão de energia;
Desenvolvimento de 4 GW/ano de renováveis;
20 GW desenvolvidos até 2025;
2x maior capacidade solar e eólica até 2025;
€ 2 milhões investidos em inovação e transformação digital;
Crescimento ambicioso permitirá fazer com que EBITDA seja de € 4,7 mil milhões em 2025.

Brasil é um dos 4 países mais atraentes para investimento em energia solar

A Aliança Solar Internacional (ISA) classificou o Brasil como um dos quatro destaques do mercado de energia solar entre seus 80 países-membros que não fazem parte da OCDE. A classificação de “Achiever”, a mais alta do ranking da instituição, também foi dada à Índia, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos e está detalhada no relatório Ease of Doing Solar (EoDS).

Criado pela ISA e pela gigante de auditoria global Ernst & Young, o relatório agrupa os países em quatro segmentos — Achiever,InfluencerProgressive e Potential. O estudo fornece um retrato do progresso feito pelos países-membros da ISA, utilizando uma estrutura de avaliação com sete indicadores-chave: macroeconomia, políticas favoráveis, viabilidade tecnológica, maturidade do mercado, infraestrutura, ecossistema de financiamento e imperativos energéticos.

“Devido ao forte potencial, metas robustas de sustentabilidade, alta irradiação solar e desenvolvimento da infraestrutura de energia, a Índia emergiu como líder entre os países membros da ISA junto com o Brasil, Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos”, diz o relatório. Na América do Sul, Argentina, Peru e Bolívia também aparecem bem posicionados como “Influencers” do setor.

O relatório destaca que o mercado brasileiro de energia solar deu um salto de 259% entre 2015 e 2019, com desempenho especialmente bom a partir de 2017.

O relatório é de particular importância para as instituições financeiras internacionais ao revelar os países que possuem regimes transparentes e prontos para a infraestrutura apoiados por mercados favoráveis aos investidores. O documento também orienta os governos na identificação das principais iniciativas políticas que incentivam e facilitam a energia solar.

Startups de saúde, cibersegurança, trabalho remoto e games devem ser destaques de venture capital em 2021

A Mindset Ventures , gestora internacional de venture capital, analisou dados do mercado global e brasileiro para apontar os segmentos de startups que mais devem receber aportes neste ano: saúde, cibersegurança, trabalho remoto e games. “O mercado de tecnologia tem se desenvolvido em velocidade exponencial no Brasil e no mundo. É muito provável que a modalidade de venture capital venha a se tornar cada vez mais popular dentre as opções de investimentos alternativos enquanto os investidores buscam opções mais rentáveis no cenário de baixa taxa de juros que vivemos hoje”, afirma Daniel Ibri, CIO da companhia com mais de 10 anos de experiência em investimentos em startups.

De acordo com dados do Distrito, as startups do mercado brasileiro captaram US﹩ 3,5 bilhões em 2020. Na comparação com o ano anterior, o número foi bem menor, US﹩ 2,97 bilhões. Dada a crescente importância da tecnologia em nossas vidas, a primeira previsão para 2021, segundo Ibri, é que o ano poderá terminar com um recorde de investimentos de capital de risco.

O executivo explica que o segmento de saúde ganhou destaque com a série de medidas impostas para interromper a propagação da Covid-19, criando maior visibilidade e gerando oportunidades para novas startups, inclusive para as não diretamente envolvidas com soluções para a pandemia. Dados do Distrito mostram que o volume captado para healthtechs no Brasil em 2020 foi de US﹩ 93,6 milhões até outubro contra US﹩ 62,6 milhões em todo o ano de 2019.

O trabalho remoto também foi outra tendência que cresceu muito. Trabalhar em casa era uma realidade para poucas pessoas e esperava-se que essa prática ainda demorasse muitos anos para se tornar mais amplamente adotada, mas o vírus parece ter antecipado essa tendência. A Turing , uma das empresas americanas do portfólio da Mindset Ventures que facilita a contratação de programadores e engenheiros de software remotos em vários países do mundo, se beneficiou amplamente do cenário pandêmico. Tamanho foi seu crescimento em 2020, que a empresa já captou uma nova rodada em menos de 6 meses para continuação de sua expansão.

“Com a adoção mais ampla do trabalho remoto, acreditamos que o número de startups emergentes em regiões dos Estados Unidos fora do Vale do Silício continuará a crescer. A exemplo disso, 75% das empresas americanas do portfólio do nosso Fund III estão localizadas fora desta região”, comenta Ibri.

Cibersegurança e games

A cibersegurança é outro segmento em plena expansão como consequência do aumento do trabalho remoto. Através dos funcionários utilizando tanto dispositivos pessoais quanto do empregador em casa e em redes Wi-Fi particulares desprotegidas, as empresas ficaram mais expostas a ataques cibernéticos. Há um número crescente de startups lidando com este problema.

Já o mercado de games explodiu à medida que as pessoas passaram a ficar mais tempo em casa. Esportes eletrônicos e streaming são duas áreas que devem apresentar um crescimento significativo nos próximos anos. De acordo com a NewZoo, a audiência global de e-sports em 2020 atingiu 495 milhões pessoas, com US﹩ 1,1 bilhão em receita, e crescerá mais de 30% até 2023. “É um setor relativamente novo para o venture capital, mas tem o potencial para se tornar mais popular para investidores. Em 2019, a Unity captou US﹩ 525 milhões em uma rodada antes de seu IPO no ano seguinte, e a Epic Games captou US﹩ 1,5 bilhão em uma única rodada em 2020. Vale também lembrar que em janeiro de 2021 a Roblox captou uma Série H de US﹩ 520 milhões”, conclui.

O número de usuários de jogos de celular no Brasil cresceu de 79,4 milhões em 2019 para 87,6 milhões em 2020 – jogos de celular são, hoje, os mais populares, ainda de acordo com a NewZoo. Considerando todas as modalidades, a receita gerada no Brasil no mercado de gaming deve crescer de US﹩ 723 milhões em 2019 para US﹩ 821 milhões em 2020. O Brasil tem a terceira maior audiência para e-sports do mundo, perdendo apenas para China e Estados Unidos.

Fundada em 2016, a Mindset Ventures é uma gestora internacional de venture capital que conecta investidores renomados a empresas de tecnologia em estágio inicial localizadas nos Estados Unidos e Israel, principalmente aquelas com potencial de expansão para o Brasil.