Impressão 3D ajuda a revolucionar a medicina com modelos anatômicos super realistas

Impressão 3D ajuda a revolucionar a medicina com modelos anatômicos super realistas

Um ano após o lançamento de sua impressora 3D J750™ Digital Anatomy™, a Stratasys Ltd. (NASDAQ: SSYS) anunciou que vendeu e instalou o sistema com sucesso em instituições de saúde e prestadores de serviços médicos nos principais mercados do mundo, incluindo Estados Unidos, China, Itália, Espanha e Austrália.

A impressora 3D J750 Digital Anatomy produz modelos anatômicos que imitam a sensação real e a capacidade de resposta e biomecânica da anatomia humana. Os modelos podem ser perfurados, suturados, cortados e manipulados fisicamente como tecido humano real. Essa capacidade minimiza o uso de animais e cadáveres para ensaios clínicos e treinamento cirúrgico. Hospitais, instituições de saúde e escolas médicas podem usar esses modelos 3D realistas para melhorar a avaliação clínica para uma ampla gama de patologias, bem como trazer novos dispositivos médicos ao mercado mais rapidamente.

Nos Estados Unidos, o Hospital Infantil de Seattle, por exemplo, adquiriu uma impressora 3D no início deste ano e a instalou em seu novo laboratório. A principal motivação para obter a impressora foi a capacidade de criar modelos muito suaves internamente para reproduzir partes do corpo, como vias respiratórias, fígados e corações. “As primeiras impressões usando o material TissueMatrix foram fundamentais para a compreensão do ajuste ideal para um tubo de traqueostomia personalizado, algo que teria sido impossível com os melhores materiais aos quais tínhamos acesso há apenas seis meses”, diz Seth Friedman, Ph.D, Gerente de Innovation Imaging e Simulation Modeling no Departamento de Melhoria e Inovação.

Já o Hospital Infantil Nicklaus, em Miami, que atualizou o laboratório de impressão 3D com a aquisição da nova impressora J750 Digital Anatomy, utiliza a tecnologia como uma parte crítica do planejamento cirúrgico. “É muito valioso ser capaz de abrir um modelo para ter uma visão muito clara do que veremos na sala de cirurgia. Acreditamos que este é um avanço significativo que nos permitirá reduzir o trauma de pacientes submetidos a cirurgias cardíacas complexas. Além disso, a nova impressora 3D abre caminhos completamente novos no ensino e no atendimento ao paciente”, conta Dr. Redmond Burke, chefe de Cirurgia Cardiovascular e codiretor do Programa do Coração.

Na Espanha, duas instituições de tecnologia investiram na impressora 3D Digital Anatomy para serem pioneiras na oferta de serviços médicos, e ambas citam o ultrarrealismo incomparável e a natureza tátil dos modelos como uma vantagem competitiva significativa.

“Antes não conseguíamos produzir modelos que replicassem os materiais orgânicos frequentemente solicitados pelo setor médico, muito menos simulando de forma realista o comportamento do tecido humano. Além disso, o mais notável é que a impressora oferece resoluções mais altas do que as obtidas com uma tomografia computadorizada ou ressonância magnética, que geralmente são acima de meio milímetro. Já estamos observando um vasto interesse de uma ampla gama de médicos por esses tipos de modelos em aplicações do mundo real”, relata Nacho Sandoval, líder de fabricação de aditivos do instituto Tecnológico AIJU.

Já Gorka Baqueriza, Gerente de Projetos de Fabricação de Aditivos da Instituto para a Inovação do Sistema de Formação Profissional e Educacional do País Basco (Tknika), acrescenta que “essa tecnologia tem um impacto significativo em várias áreas da saúde – desde o treinamento médico até o planejamento pré-cirúrgico e o atendimento ao paciente”.

Por fim, na Itália, a BIO3DModel está vendo muito interesse do mercado em utilizar modelos feitos pela J750 Digital Anatomy no treinamento cirúrgico. “Essa tecnologia permite uma redução drástica no tempo de treinamento dos cirurgiões, em particular a capacidade de investigar quaisquer condições patológicas específicas antes da cirurgia real. Por exemplo, se antes da J750 não era possível produzir sistemas vasculares ocos com espessura de parede e diâmetro de até 1 mm, agora essa tecnologia pode ser a diferença entre a vida ou a morte de um paciente”, afirma Roberto Rizzo, presidente da empresa.

Emanuele D’Angeli gerente geral da Medilife, outra empresa italiana que adotou a tecnologia da Stratasys, destaca que os modelos produzidos na impressora 3D Digital Anatomy oferecem o mesmo toque suave e densidade variável dos tecidos e órgãos humanos reais, o que hoje é impossível de alcançar com qualquer outra tecnologia de impressão 3D existente. “Atualmente, estamos testando várias aplicações, incluindo a criação de um membro artificial. O objetivo é reproduzir a aparência externa natural do membro em termos de textura e tonalidade de cor, ao mesmo tempo que reproduzimos a sensação física natural que experimentamos com o toque humano”, conclui.

Comments are closed