Ser apenas digital não é mais uma opção

Por Rodolfo Fücher

No final de 2017, eu tive a oportunidade de fazer um curso sobre estratégia digital para corporações, na Columbia Business School em Nova Iorque, conduzido pelo professor David Rogers. O primeiro slide apresentado por ele tinha como título ” Transformação digital não é sobre tecnologia ” e obviamente ocorreu uma reação imediata na sala, mas no decorrer da aula a frase fez todo sentido. E hoje, a pandemia vem provar que o Professor Rogers estava totalmente correto.

Vamos retornar no tempo e falar sobre a roda, considerada uma das mais importantes invenções da humanidade e que, segundo alguns historiadores, ocorreu no final do período neolítico mas, até que o ser humano entendesse as suas múltiplas utilidades e benefícios, a sua aplicação efetiva levou milhares de anos.

Hoje, por sorte, não precisamos de todo esse tempo para realmente nos beneficiarmos das invenções tecnológicas, mas é importante ficarmos atentos sobre a importância de absorve-las rapidamente, e esse processo depende exclusivamente da compreensão e capacidade do ser humano em identificar como melhor explorar os benefícios dessas tecnologias, tanto para o nosso dia a dia, como também para novas oportunidades de negócios. Ninguém melhor que o mundo das startups para demonstrar como explorar as tecnologias disponíveis de forma efetiva. Na maioria dos casos, não foram elas que as desenvolveram, mas souberam aplicá-las de forma inovadora por meio de produtos e serviços que causam disrupção nos modelos e formas existentes, levando, na maioria dos casos, negócios tradicionais à falência.

Em 2017, o Fórum Econômico Mundial classificou esse momento como o início da 4ª Revolução Industrial – muitos também denominam de Industria 4.0 ou transformação digital. Aquelas empresas que prestaram atenção em todas essas discussões e souberam incorporar as inovações geradas por esse tsunami tecnológico, ou seja, fizeram a lição de casa, certamente estão sobrevivendo neste teste chamado pandemia. Porém, aquelas que não absorveram a tecnologia e não migraram para o mundo digital, não passaram no teste e, infelizmente, muitas já não sobrevivem.

Mas ser digital também não é uma simples questão de digitalizar, esquecer o papel, colocar tudo no computador. Trata-se de algo mais profundo, diretamente ligado à capacidade intelectual do ser humano de ir além disso, ser criativo e ter a habilidade de usar a tecnologia para fazer algo de forma inovadora, disruptiva e ágil, que gere algum benefício ou valor adicional. O mercado com a pandemia encolheu: dizem que o PIB deve cair cerca de 10%. Isso significa que, para manter o faturamento ou incrementá-lo, precisamos ser rápidos e melhores que os concorrentes. Um exemplo é o caso da Gympass que passou por um período de academias fechadas e faturamento zero, mas foram rápidos em usar a tecnologia existente e inovar, criando academia virtual com participação de celebridades. Outro é a Magazine Luiza que transformou toda a força de venda das lojas em um time virtual por meio da plataforma de e-commerce Magalu. Esses dois casos, como tantos outros, só foram possíveis porque as empresas já usavam tecnologia de forma intensa antes da pandemia. Foram criativos e inovadores, tinham condições de desenvolver novos modelos de negócios de forma rápida para atender uma nova realidade de mercado.

Mas, ser criativo e inovador é algo complexo e depende de uma série de fatores. O primeiro, e que muitos ignoram, é assegurar o adequado estado mental do time ou um grupo específico de colaboradores. Pelo simples fato que a criatividade depende exclusivamente da mente humana. Isso me levou a fazer um curso sobre neurociência na Wharton School. Impressionante como existe uma série de técnicas que podem colaborar para promover um ambiente inovador. Por isso, deixo aqui dois convites e um desafio: leiam o meu artigo no LinkedIn e façam uma reflexão sobre o momento em que surgem as melhores ideias. É no ambiente de trabalho, no banho, durante à noite, durante um passeio ou fazendo exercício? Agora, tente reproduzir esses momentos durante o trabalho. Em tempos de 4ª. Revolução Industrial, com disrupção vindo de todos os lados, a base para a sobrevivência de qualquer negócio, é ser inovador e ágil. Ser apenas digital, não é mais uma opção.

Rodolfo Fücher, presidente da ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software)

Marcado , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.