Gartner: 75% dos CEOs serão responsabilizados pessoalmente por incidentes de segurança ciberfísica

A responsabilidade por incidentes de segurança ciberfísica deixará de ser um tema simplesmente corporativo para se tornar uma questão pessoal para 75% dos CEOs até 2024. Esse é um dos destaques da mais recente pesquisa divulgada pelo Gartner, Inc., líder mundial em pesquisa e aconselhamento para empresas. 

De acordo com o levantamento, isso acontecerá devido à natureza e importância dos sistemas ciberfísicos (CPSs – Cyber-Physical Systems em inglês). Segundo o Gartner, CPS são os sistemas e recursos projetados para orquestrar o relacionamento e análise de toda a interação do digital com o mundo físico (incluindo humanos), permitindo o controle, detecção e dimensionamento dos potenciais eventos, assim como acompanhamento das consequências dessa relação.  

Em outras palavras, essas soluções sustentam todos os esforços de conexão do ambiente de TI com estruturas operacionais e dispositivos de Internet das Coisas (IoT), nas quais as considerações de segurança abrangem os mundos cibernético e físico, como infraestrutura crítica e intensiva em ativos e ambientes de saúde clínica. Como consequência, todos os possíveis incidentes relativos à infraestrutura ciberfísica pode provocar uma série de impactos graves, incluindo danos físicos a pessoas, propriedades ou ainda causar desastres ambientais.  

Neste cenário, os analistas do Gartner estimam que o número de incidentes aumentará rapidamente nos próximos anos, devido à falta de foco em segurança e à ausência de investimentos alinhados a esses ativos. 

“Órgãos reguladores e governos reagirão prontamente a um aumento de incidentes graves causados por falhas de proteção dos CPSs, aumentando drasticamente as regras e regulamentos que os regem”, afirma Katell Thielemann, Vice-Presidente de Pesquisa do Gartner. “Nos Estados Unidos, por exemplo, o FBI, a NSA e a Agência de Segurança Cibernética e de Infraestrutura (CISA) já ampliaram a frequ& ecirc;ncia e os detalhes a respeito de ameaças a sistemas relacionados à infraestrutura crítica, sendo que a maioria é de propriedade do setor privado. Em breve, os CEOs não serão capazes de alegar não conhecimento nem de se esconder atrás de suas apólices de seguro”. 

O Gartner prevê que o impacto financeiro dos ataques aos CPS resultando em perdas fatais atingirá cerca de 50 bilhões de dólares até 2023. Mesmo sem considerar o valor atual de uma vida humana na equação, os custos para as organizações em termos de compensação, litígio, seguro, multas regulatórias e perda de reputação será significativa. 

“Os líderes de Tecnologia precisam ajudar os CEOs a compreender os riscos que os CPSs representam e a necessidade de dedicar foco e orçamento da organização para protegê-los”, diz a analista do Gartner. “Quanto mais CPSs conectados existem, maior a probabilidade de ocorrer um incidente”. 

Com a Tecnologia Operacional, edifícios e cidades inteligentes, carros conectados e veículos autônomos, os incidentes no mundo digital terão um efeito muito maior no mundo físico, uma vez que agora existem riscos, ameaças e vulnerabilidades em um espectro ciberfísico bidirecional. No entanto, muitas empresas não estão cientes dos CPSs já implantados em suas organizações, seja por sistemas legados conectados a redes corporativas por equipes fora de TI ou em decorrência de novos investimentos em automação e modernização voltados para negócios. 

“Um foco em Gerenciamento de Resiliência Operacional (ORM – de Operational Resilience Management, em inglês) além da segurança cibernética centrada em informações é extremamente necessário”, afirma Thielemann. 

Marcado , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.