Nova tecnologia vai descontaminar até mil máscaras hospitalares em duas horas

Nova tecnologia vai descontaminar até mil máscaras hospitalares em duas horas

Pesquisadores da Unidade EMBRAPII – Instituto de Física de São Carlos, da USP, desenvolveram uma câmara de ozônio capaz de descontaminar equipamentos de proteção individual para reutilização

A falta de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para profissionais de saúde é uma das preocupações da Organização Mundial de Saúde (OMS) no combate à pandemia do novo Coronavírus. Em busca de alternativas inovadoras que possam contribuir com a segurança dos profissionais de saúde, a EMBRAPII (Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial), organização social vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicação (MCTIC), desenvolveu em tempo recorde, uma câmara de ozônio capaz de fazer a descontaminação de até mil máscaras no período de duas horas.

Pesquisadores da Unidade EMBRAPII do Instituto de Física de São Carlos (IFSC) da USP, no interior paulista, estão à frente deste projeto atendendo a demanda da NSF, empresa parceira na área de descontaminação de alimentos. O objetivo é receber os EPIs de unidades de saúde da região para que sejam esterilizados e reutilizados.

O processo de descontaminação funciona assim: as máscaras são colocadas dentro da câmara, por onde passam por ciclos de vácuo (remoção do ar da câmara) e injeção de ozônio produzido por um gerador acoplado ao equipamento. O ozônio é conhecido como um dos mais rápidos e eficazes agentes microbicidas, tanto para bactérias quanto para vírus. Após vários ciclos, totalizando duas horas, todos os micro-organismos são eliminados e as máscaras prontas para serem usadas novamente. De acordo com os pesquisadores, quatro ciclos bastariam, no entanto, são feitos outros três como garantia adicional.

O projeto teve como objetivo inicial a descontaminação de alimentos, porém diante da pandemia de Covid-19, ele está sendo adaptado para ser utilizado em máscaras respiratórias e outros tipos de EPIs, materiais que passam por uma escassez em todo o mundo. Para o professor Vanderlei Bagnato, pesquisador coordenador da Unidade EMBRAPII IFSC, o projeto vai contribuir para aumentar a oferta destes equipamentos sem a necessidade de novas aquisições. “O financiamento e o modelo EMBRAPII foram fundamentais neste desenvolvimento. Certamente, o sistema vai ser muito importante na atual crise, mas também depois dela, se tornando um novo produto para a empresa”, afirma Bagnato.

Outras iniciativas EMBRAPII

A EMBRAPII adotou uma série de medidas que irão contribuir para o desenvolvimento de projetos emergenciais contra o Coronavírus com o objetivo de viabilizar soluções que unam a pesquisa ao setor empresarial. Tudo de forma rápida, flexível e sem burocracia. Veja algumas ações:

• R﹩ 6 milhões destinados para startups e pequenas empresas. Desse total, R﹩ 2 milhões vieram da parceria com o SEBRAE. As tecnologias podem incluir softwares, sistemas inteligentes, hardware, peças, equipamentos médicos, entre outros;

• O modelo tradicional da instituição, que arca com até 1/3 do valor dos projetos com recursos não reembolsáveis, foi flexibilizado. Para atender a esta demanda emergencial, o estímulo será maior e avaliado de acordo com a necessidade de cada proposta;

• R﹩ 20 milhões da parceria EMBRAPII, Senai e ABDI para projetos de aplicação imediata destinados à prevenção, diagnóstico e tratamento da Covid-19. As propostas podem abordar temas como ampliação do número de respiradores; desenvolvimento de testes de detecção do vírus, equipamentos de proteção individual (EPIs), componentes de UTIs, entre outros.

Comments are closed