O que o PIX vai mudar na vida das pessoas?

Por Ralf Germer

Dias antes do Carnaval, o Banco Central do Brasil (Bacen) anunciou a sua mais nova ferramenta de pagamentos instantâneos. Chamada de PIX, a solução permitirá que as pessoas realizem transferências e pagamentos em até dez segundos. Ou seja, estamos cada vez mais próximos do fim das restrições de datas e horários do TED e DOC no país. Vale lembrar que essas tecnologias não deixarão de existir, mas a nova opção deve reduzir significativamente os custos das operações de pagamentos e abrir um leque de possibilidades para o varejo e os consumidores.

Como nem todos estão a par das evoluções do mercado financeiro – o que é absolutamente normal devido ao grande número de novidades e siglas existentes – gostaria de explicar que a iniciativa vem para trazer praticidade e simplicidade para os cidadãos que buscam por processos menos burocráticos e maior agilidade. Hoje, transferências entre contas de um mesmo banco já são instantâneas e podem ser feitas a qualquer momento, o que não acontece se as instituições são diferentes. E essa é a grande mudança.

A partir de novembro de 2020, pagadores e recebedores poderão movimentar seu dinheiro online instantaneamente para toda e qualquer entidade, empresa e pessoa física. Em outras palavras, o valor sairá de uma conta e irá diretamente para a conta do beneficiário, 24 horas por dia, sete dias da semana, inclusive feriados. O método também será mais flexível, já que pedirá somente dados como o telefone, e-mail, CPF ou CNPJ do destinatário ou a leitura de QR Codes pelos smartphones.

Apesar do Banco Central ainda não ter liberado todos os detalhes da funcionalidade, é possível ter uma boa noção das vantagens. Imagine, por exemplo, que você realizou uma compra na internet com boleto bancário. O pagamento só será dado como concluído no prazo de um a três dias úteis e o produto adquirido só sairá da loja após a confirmação. Com o PIX, a mesma transação poderá ser feita na hora, acelerando o fluxo de dinheiro na economia e permitindo um desenvolvimento muito mais dinâmico.

As atualizações do BC são necessárias para levar o ecossistema bancário brasileiro a um novo patamar de inovação e equipará-lo aos mercados mundiais mais avançados. Os pagamentos instantâneos representam uma oportunidade para as startups que trabalham na área de pagamentos – já que o PIX estará disponível para todos os players do setor – e irá aumentar a inclusão financeira no país, permitindo que os mais de 45 milhões de adultos desbancarizados também se beneficiem com o sistema.

Ainda que o Banco Central tenha determinado que apenas as instituições financeiras com mais de 500 mil contas ativas precisem oferecer o PIX até 16 de novembro, quando o sistema começará a funcionar efetivamente, acredito que não seria inteligente alguma empresa do segmento ficar de fora. Com um mercado mais aberto, competitivo e inovador, aqueles que melhor se adaptarem vão colher os melhores frutos.

Ralf Germer, CEO e cofundador da PagBrasil

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.