PIB pode chegar a 2,5% diante de um cenário fiscal positivo, estima Órama

A aprovação de uma agenda de reformas, entre elas a administrativa e a tributária, e um cenário externo favorável — apesar da escalada recente da tensão no Oriente Médio — são os principais fatores que devem influenciar o crescimento do Brasil em 2020. Diante de um cenário fiscal positivo, o país poderá crescer entre 2,3% e 2,5% no ano. É o que estima Alexandre Espirito Santo, economista da Órama, no e-book “Cenários e Investimentos 2020”. O texto, preparado com a consultora de investimentos Sandra Blanco, expõe as perspectivas da casa de cenários macroeconômicos e de investimentos para o ano.

“Nossa aposta é que a locomotiva para um PIB nesse patamar será o consumo das famílias, a ser favorecido pela queda dos juros e aumento do crédito, bem como pelo retorno do investimento empresarial”, explica Espirito Santo.

Para os juros, a projeção é de que a taxa Selic permaneça no patamar de 4,5% ao ano, por um período mais longo, diante de um quadro de inflação benigno. Segundo os cálculos do economista, o IPCA será de 3,9% em 2020. Já o dólar deve oscilar em torno de R$ 4,20 no primeiro trimestre e fechar o ano a R$ 4,10.

Em meio a este cenário, com o juro real entre 0% e 1%, será preciso abrir mão da previsibilidade de retornos de curto prazo para alcançar ganhos acima da inflação no médio e longo prazos.

“Em renda fixa, destacamos a importância de manter apenas a reserva para as emergências, com o mínimo de seis vezes o total de gastos mensal, em aplicações de baixo risco — como o Tesouro Selic ou o fundo Órama DI –, em percentual limitado a 40%”, explica Sandra Blanco. Para superar o CDI, acrescenta, a orientação é aplicar em títulos ou fundos de crédito privado e estruturados, e alongar os horizontes.

Quando o assunto é renda variável, a recomendação é comprar ações e seus derivativos e investir em fundos de ações. O investidor de perfil conservador deve ter 10% dos recursos investidos; e o de perfil arrojado pode alocar mais nesta classe, caso decida diversificar.

“Já em estratégias diferenciadas, com os fundos multimercado e imobiliários, sugerimos um mínimo de 30%”, orienta.

O ouro e o câmbio são opções para uma carteira que estiver mais exposta ao risco, pois também podem servir como hedge.

Comprometida com a disseminação da educação financeira, a Órama disponibiliza desde 2015 o e-book “Cenários & Investimentos”, com o objetivo de compartilhar conteúdo de qualidade para que os investidores possam tomar as decisões mais adequadas de acordo com seu perfil, objetivo e faixa de renda.

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.