Carteira de investimentos 2020: o que fazer para sair na frente

Carteira de investimentos 2020: o que fazer para sair na frente

Ano novo, vida nova, carteira de investimentos nova. Com 2020 batendo na porta, essa é a hora do investidor revisitar sua estratégia de investimento e os títulos em que está posicionado para começar com o pé direito e pronto para o que o ano do mercado financeiro promete.

Com um ano marcado por repetidas quedas da taxa básica de juros, que atingiu 4,5% ao ano, menor índice já registrado no Brasil, é importante o pequeno investidor entender o cenário atual do mercado antes de definir seus investimentos para o ano que vem. O valor da Selic tem um impacto relevante no rendimento das aplicações de renda fixa, como Tesouro Direto, CDB (Certificado de Depósito Bancário), LCI (Letra de Crédito Imobiliário) e LCA (Letra de Crédito do Agronegócio).

Fabio Macedo, diretor comercial da Easynvest, explica que entender como a taxa de juros mexe com o bolso do investidor é o primeiro passo para tomar mais risco. “Com a Selic atual, é fundamental que o investidor perceba que, se a intenção é garantir maior rentabilidade para atingir seus objetivos, será inevitável ter cada vez mais ativos de renda variável na carteira”, esclarece.

Para quem está dando os primeiros passos em renda variável, Fundo de Investimento Imobiliário (FII) – que deve viver grande alta no próximo ano com a retomada do setor de imóveis -, Fundo Multimercado, Fundo de Índice (ETF) e Fundo de Ações são bons caminhos, pois tem alto potencial de rendimento, mas sem necessidade de tanto acompanhamento e estudo do investidor. “Os fundos são ótimas portas de entrada para a renda variável, pois fazem uma combinação de diferentes ativos do mercado. A grande vantagem é que você investe em diferentes papéis de uma só vez e delega a administração para um gestor profissional”, ressalta Macedo, lembrando que é preciso estudar o histórico do gestor e ficar de olho nas taxas de administração. “Não basta apenas ver o percentual da taxa de administração, mas, sim, calcular o custo disso frente à rentabilidade. Muitas vezes, os fundos mais rentáveis cobram mais pela administração, mas a conta acaba fechando”, aponta.

Ainda que a renda variável seja a grande categoria de 2020, o investidor deve lembrar de diversificar. “Não é porque o ano será promissor para a Bolsa que o investidor deve esquecer de renda fixa. É sempre importante ter uma boa distribuição entre as duas modalidades e, para isso, é essencial ter planejamento financeiro”, explica o executivo. Ativos como Tesouro Direto e CDB devem continuar recebendo atenção, principalmente para reserva de emergência. “O investidor nunca pode deixar todos os ovos na mesma cesta. Ter consciência de seus objetivos financeiros é o primeiro passo para definir sua estratégia de investimento e diversificação”, completa Macedo.

Comments are closed