As profissões do futuro realmente existem?

As profissões do futuro realmente existem?

Já faz algum tempo que a tecnologia está revolucionando o mercado de trabalho e todo mundo consegue ver que diversos segmentos estão sendo automatizados, os processos estão ficando mais simples e, consequentemente, ocorre a diminuição da necessidade da mão de obra humana. Por outro lado, existe a necessidade crescente de pessoas que desenvolvam essas tecnologias. Essas oportunidades estão criando espaço para o surgimento de novas profissões.

As novas profissões criam, consequentemente, novas vagas no mercado de trabalho, porém as chances que surgem são desconhecidas por muitos, já que o sistema educativo desajuda as empresas e os candidatos a se conhecerem. A maioria das oportunidades requerem a aprendizagem de habilidades exclusivas, reciclagem e visão ao longo prazo.

“Fizemos algumas pesquisas e identificamos um relatório da Janco Associates, publicado em abril de 2019, que nos mostrou que as vagas para atuar com blockchain e ativos digitais permanecem não preenchidas. Nós entendemos que as pessoas têm medo de se aprofundar em algo que não é conhecido por muitos e, também, de não terem as profissões de fácil entendimento dos outros. Mas, conseguimos identificar que aquelas que se deram a chance de aprender algo novo, estão fazendo muito sucesso”, afirma Roberto Cardassi, fundador da BlueBenx.

Mas, a pergunta que fica é: as tecnologias, como a blockchain, criarão novas profissões? O fundador da BlueBenx acredita que o mercado está exigindo profissionais com habilidades específicas e que será necessário colocar, em todos os cursos das graduações, um viés tecnológico no plano de ensino, pois assim, terão mais capacidade e visão para conseguir se preparar para as novas oportunidades de trabalho do mercado do futuro e as vagas disponíveis serão preenchidas.

Profissionais de diversos ramos podem trabalhar com o mercado digital, não importando a formação. Mas, para conseguirem se destacar, precisam ter um interesse a mais e ir além do que os cursos de graduação oferecem, pois o ambiente tecnológico avança e se atualiza muito mais rápido que que o sistema formal de ensino.

“As pessoas precisam conhecer as novas oportunidades de emprego. Um advogado sai da faculdade achando que só poderá atuar nas áreas comuns e as empresas de criptoativos estão buscando jovens formados na área para atuarem com esse novo segmento. Isso não significa fugir do escopo da graduação e do que eles aprenderam, afinal, lidamos com as leis de todos os segmentos. A mesma coisa acontece com os outros cursos”, relata o fundador.

Trabalhar no mercado de ativos digitais é como em qualquer outro lugar. Conforme a pessoa vai gostando, consequentemente, sente a necessidade de se atualizar e se especializar, porque todos os empregos são assim. A grande diferença do mercado de tecnologia é que está indo contra a crise, ou seja, enquanto muitas empresas demitem, as de tecnologia contratam aqueles que estão interessados e empenhados em acreditar no futuro.

Além das novas profissões que a tecnologia cria, fica claro que as atuais precisam de uma revolução e assim serão construídas os “profissionais e profissões do futuro.” Uma faculdade brasileira já está oferecendo curso de Blockchain, Criptomoedas e Finanças na Era Digital para preparar esses profissionais para um futuro brilhante.

Comments are closed