Startup de brasileiro fecha parceria com multinacional Nvidia

Startup de brasileiro fecha parceria com multinacional Nvidia

Startup focada em salvar vidas com sistemas de segurança que usam tecnologia de inteligência artificial, a Aiquimist, comandada pelo jovem programador brasileiro Nicholas Guimarães, 22 anos, acaba de fechar a parceria dos sonhos de toda empresa nascente. A Nvidia Corporation, multinacional de tecnologia com sede na Califórnia (EUA), acaba de inclui-la em seu programa Inception (espécie de banco de soluções a nível mundial), que dará todo o suporte necessário – inclusive de cientistas seus – para a startup continuar aperfeiçoando seu algoritmo de segurança até torna-lo vendável a nível mundial.

A Nvidia é responsável pela explosão recente da A.I. (Artificial Intelligence), com a geração de tecnologias que tornaram possível explorá-la em projetos de atendimento por chat em e-commerce e de assistentes de aparelhos celulares, como a Siri do Iphone, por exemplo. Ter colocado a Aiquimist “debaixo de seu guarda-chuva” é uma prova irrefutável de que enxerga grande potencial nos projetos da startup.

O mais ambicioso desenvolvido pela Aiquimist, até agora, é o AllSeenEye, que, conectado a câmeras de vídeo, consegue detectar, em tempo real, o porte de armas de fogo. Ainda emite alertas imediatos (para polícia e todo tipo de usuário) sobre o local e o tipo de armamento detectado. A tecnologia ainda pode emitir alertas para que pessoas nas proximidades de ataques se afastem, e até avisos para as redes sociais interromperem eventual transmissão ao vivo de um episódio envolvendo arma de fogo.

“Esse projeto de armas é 100% para proteger pessoas”, define o programador Nicholas. Ele teve a ideia de trabalhar no algoritmo após conhecer e avaliar sistemas de reconhecimento facial usando A.I. desenvolvidos por chineses, israelenses e russos.

Refletindo sobre a facilidade com que esses sistemas podem ser “enganados” apenas com o uso de óculos e boné por quem não quer ser reconhecido pelas câmeras de segurança, questionou-se: “Sempre que acontece algum ato que coloca as pessoas em risco tem uma arma de fogo envolvida. Por que não desenvolver um algoritmo de reconhecimento de armas? “. E começou a desenvolver e treinar a rede neural, que já é capaz de identificar armas de fogo curtas ou longas (pistola, revólver, fuzil, escopeta) em filmagens de vídeo.

Segundo o jovem programador, a ideia inicial é que o sistema seja utilizado por governos, em câmeras de segurança de escolas, aeroportos, estações de trem e ônibus ou no trânsito, por exemplo. Mas empresas privadas, como agências bancárias, estádios e shoppings, também podem se beneficiar dele. Em qualquer hipótese, trata-se de uma ferramenta para proteger vidas, por meio de uma verificação sistemática e constante das imagens das câmeras. Ao contrário do monitoramento humano, este não para e tem condições de checar numerosas câmeras 24 horas por dia.

Comments are closed