CEOs globais estão insatisfeitos com as ações corporativas para atingir os Objetivos Globais de Sustentabilidade

A Accenture desenvolveu, em parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU), um estudo que traz a visão dos CEOs sobre as oportunidades e os desafios para o atingimento dos Objetivos Globais de Sustentabilidade, lançados pela própria entidade em 2015. O estudo mostra que os CEOs reconhecem que a comunidade empresarial poderia ꟷ e deveria ꟷ dar uma contribuição muito maior para alcançar uma economia global sustentável, mesmo que o compromisso com os objetivos represente uma potencial vantagem competitiva para suas empresas.

O estudo traz dados impactantes, como:

• Apenas 21% dos CEOs acreditam que as empresas estão contribuindo de forma crítica para alcançar os Objetivos Globais;

• Ao mesmo tempo, 99% das empresas com mais de US$ 1 bilhão em receita anual acreditam que a sustentabilidade é importante para o futuro de seus negócios;

• 71% dos CEOs acreditam que as empresas têm o potencial para contribuir de forma crítica para alcançar os Objetivos Globais, com o comprometimento necessário;

• No entanto, 55% se veem pressionados a operar sob extrema redução de custo, o que prejudica os investimentos em sustentabilidade;

• Para os CEOs, o Objetivo Global mais longe de ser atingido é a redução de poluição nos oceanos, com apenas 13% da meta atingida;

• Apenas 44% dos líderes de negócios acreditam na concretização de um futuro de emissões zero nas suas empresas ao longo dos próximos 10 anos.

“É hora de os líderes garantirem que as metas de sustentabilidade estejam firmemente incorporadas na estratégia corporativa e no objetivo da empresa”, diz Peter Lacy, diretor da Accenture Strategy para Reino Unido e Irlanda e líder da Accenture WEF, siglas de World Economic Forum.

O estudo aponta que a comunidade empresarial global atingiu um ponto de inflexão claro na jornada para 2030. Os CEOs concordam que os negócios devem desempenhar um papel mais crítico no avanço dos Objetivos Globais e apontam para as barreiras que os impedem de fazer mais por esse objetivo, assim como os fatores que facilitariam o potencial do setor privado.

Em 2016, um ano após o lançamento dos Objetivos Globais, as ações dos líderes empresariais em relação à sustentabilidade atingiram um pico, pois os CEOs viram a oportunidade de reavaliar seus esforços de sustentabilidade. Este não é exatamente o caso três anos depois. Em 2019, os CEOs reconhecem que a execução do negócio não está à altura do tamanho do desafio dos Objetivos Globais, ou de sua ambição anterior.

Ansiosos por uma correção no curso, os CEOs estão renovando seu comprometimento para aumentar o impacto de suas ações de sustentabilidade. Dessa forma, 71% dos CEOs acreditam que, com maior comprometimento e ação, seus negócios podem desempenhar um papel crítico na contribuição para os Objetivos Globais.

“Com uma década para cumprir os Objetivos Globais, a tecnologia tem o potencial de acelerar o progresso, ajudando as empresas a aumentar sua agilidade competitiva”, diz Jessica Long, diretora de Sustentabilidade da Accenture Strategy.

No entanto, a transformação é difícil. Restrições econômicas e prioridades concorrentes são barreiras identificadas pelos CEOs para serem superadas, e eles veem a próxima década como desafiadora, por conta das incertezas geopolíticas, tecnológicas e socioeconômicas.

Três caminhos para a ação em prol dos Objetivos Globais de Sustentabilidade

O cenário global incerto está levando os líderes empresariais a irem mais longe e a serem mais proativos na agenda de sustentabilidade. Com isso, os CEOs ouvidos pelo estudo recomendam às empresas do mundo todo as seguintes práticas:

Estimular a ambição e o impacto

Os líderes devem promover mudanças em suas próprias organizações e por meio da disrupção nos modelos de negócios.

Inovar na colaboração

Os principais players do mercado devem conectar-se de novas maneiras, colaborando em prol da transformação significativa em suas ações sustentáveis.

Assumir a liderança responsável

Os líderes devem assumir seu papel como agentes de mudança para defender a agenda de sustentabilidade.

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.