Por que os estereótipos ainda são tão presentes nas empresas e na sociedade?

Por Erika Linhares, fundadora da B-Have

Me lembro de uma entrevista publicada há alguns anos na revista Exame com um especialista alemão em negócios e multiculturalismo, o professor Sebastian Reiche. Ele falava dos perigos dos estereótipos em um mundo em que o trabalho é globalizado e, logo, sobre a necessidade de fugir dos rótulos baseados em nossa cultura e formação.

Poucos anos antes eu havia experimentado na pele os efeitos dos estereótipos no trabalho. Era executiva de uma grande companhia brasileira e fui enviada a uma reunião no exterior representando a empresa. Ao chegar, tentaram barrar a minha participação na reunião com o presidente mundial da outra empresa envolvida, pois não era possível a minha organização ter enviado uma mulher jovem para representar seus interesses. Esse episódio me marcou, mas foi um dos muitos que também me ensinou a lidar com os estereótipos no ambiente corporativo, não permitindo que eles se tornassem uma pedra no caminho da minha trajetória profissional.

Uma das principais lições que aprendi com esse acontecimento – e com tantos outros – e que hoje compartilho com líderes e profissionais é: no ambiente corporativo o único julgamento permitido é sobre o desempenho e, pessoas diferentes, têm resultados melhores quando trabalham juntas. Um relatório de 2018 da empresa de consultoria global Ernst & Young (EY) mostrou que nas empresas que tinham pelo menos 30% de diversidade de gênero, os resultados financeiros eram melhores.

Mas como conviver com colegas intolerantes às diferenças e preconceituosos? Sim, infelizmente eles ainda existem: os colegas de trabalho que adoram esterótipos e trazem suas preferências pessoais para o ambiente corporativo, muitas vezes de forma velada. Esse preconceito advém da ignorância e, nestes casos, a resposta é educar. Punir não mudará essas pessoas, brigar muito menos, mas a educação pode fazê-las entender que orientação sexual, peso, características físicas e etc. não definem caráter e desempenho no trabalho. Ignorante a gente educa pelo exemplo e diálogo!

Como nas relações de trabalho modernas ninguém faz nada sozinho, o “manda quem pode, obedece quem tem juízo” foi substituído pela empatia e tolerância, em que todos podem errar e somar no trabalho. Não cabe no escritório o “não gosto de gays”, “fulano está acima do peso”, “prefiro trabalhar só com homens”. Ninguém quer saber a sua opinião! Na vida pessoal você escolhe com quem conviver, no ambiente de trabalho isso não é uma escolha: é preciso se adaptar, exercitar a empatia e se colocar no lugar do outro.

Parece simples, mas não é. Diversidade não é só colocar um monte de pessoas diferentes em uma mesma sala. É preciso uma mudança de mindset de líderes e liderados. Isso exige treinamento comportamental! As empresas devem ter um olhar crítico ao que já é uma grande revolução na gestão de pessoas moderna: o fato de que comportamento vale muito mais do que técnica!

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.