Startup Green Mining é a primeira parceira brasileira da organização europeia Friends of Glass

O vidro leva cerca de 5 mil anos para se decompor, mas em contrapartida, pode ser reciclado infinitas vezes. Para apoiar esta iniciativa, startups como a brasileira Green Mining, que atua na coleta seletiva e logística reversa de forma eficiente, e a organização europeia Friends of Glass, que apoia o estilo de vida sustentável, se uniram em parceria para incentivar a reciclagem do vidro.

Criada pela European Container Glass Federation (FEVE), uma associação internacional sem fins lucrativos, a Friends of Glass começou como uma campanha de conscientização para o vidro e, atualmente, conta com organizações para promover os benefícios ambientais, de saúde e segurança das embalagens. Impulsionando campanhas voltadas ao consumidor e ativações de varejo em mercados europeus, oferece uma maneira de colaborar na promoção dos benefícios do vidro por meio de mídias sociais e comunicações digitais.

“O vidro é uma matéria prima de longa vida e deve ser reciclado para evitar a contaminação do ambiente, preservando assim, os recursos naturais (solo e água) e contribuindo para o desenvolvimento sustentável. Para nós, a parceria com a Friends of Glass trará resultados positivos, pois queremos inspirar, ainda mais, pessoas a serem ecologicamente ativas e responsáveis”, afirma Rodrigo Oliveira, presidente da Green Mining.

De acordo o levantamento realizado pela Abividro (Associação Brasileira das Indústrias de Vidro), a reciclagem do material no Brasil movimenta aproximadamente R$ 120 milhões por ano. “A logística reversa é uma tendência em todo o mundo, em que as empresas se responsabilizam pelo retorno das embalagens pós consumo ao ciclo de produção”, diz Rodrigo.

Os golfinhos agradecem

Em uma ação chamada #CheersFromTheOcean, realizada recentemente em Portugal, a Friends of Glass fez com que os clientes fossem agradecidos, de forma virtual, por golfinhos quando compram produtos com embalagens de vidro. No momento que o código de barras era passado pelo terminal de pagamento, os clientes enxergavam imagens e ouviam sons dos animais que os alertavam para a importância da escolha do vidro, em detrimento do plástico.

Segundo estudo divulgado durante o Fórum Econômico Mundial, em Davos, em 2050, o oceano terá mais plástico que peixes, e 99% das aves que consomem animais marinhos também terão plástico em seus estômagos.

Mas se engana quem pensa que somente as espécies marinhas serão prejudicadas. Segundo documento divulgado pela organização não governamental World Wide Fund for Nature (WWF), a contaminação de macro, micro e nanoplásticos já atinge os solos, águas doces e oceanos. “A cada ano, seres humanos ingerem cada vez mais nanoplástico a partir de seus alimentos e da água potável, e seus efeitos totais ainda são desconhecidos”, diz o documento.

Clique na imagem e confira o vídeo da ação #CheersFromTheOcean divulgado pela Friends of Glass:

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.