16ª Reatech apresenta dispositivo que proporciona mais autonomia a deficientes visuais com funções de leitura e até reconhecimento facial

No Brasil existem mais de 6,5 milhões de pessoas com deficiência visual. De acordo com o IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, são 582 mil cegos e 6 milhões de pessoas com baixa visão. Um pouco mais de 3% da população brasileira tem acesso mais restrito à educação, cultura e ao mercado de trabalho por conta dessas restrições físicas.

Diante dessa realidade, a empresa Mais Autonomia apresenta na 16ª Reatech – Feira Internacional de Tecnologias em Reabilitação, Inclusão e Acessibilidade, que acontece entre os dias 13 e 16 de junho deste ano no São Paulo Expo, o Orcam MyEye, dispositivo de inteligência e visão artificial que proporciona mais independência às pessoas cegas ou com baixa visão.

A câmera inteligente intuitiva tem o tamanho de um pen drive, pesa apenas 22,5g e fica acoplada à armação de quaisquer óculos. O produto lê a informação disponível de forma prática, fácil e instantânea em qualquer superfície, impressa ou digital, de perto ou de longe, e reproduz em áudio discretamente no ouvido do usuário. Na recente atualização é possível também conectar um outro dispositivo por bluetooth como, por exemplo, fone de ouvido.

De acordo com Doron Sadka, diretor da Mais Autonomia, o dispositivo lê livros, revistas, jornais, cardápios, documentos, placas de ruas, textos no celular, tablets e computadores, embalagens de produtos, letreiros de lojas e placas indicativas. O importante é que a leitura pode ser feita sem acesso à internet. “Ele lê textos e números off-line, o que significa dizer que, mesmo num lugar sem acesso algum à internet, ele desempenha perfeitamente sua função e com sigilo que, muitas vezes, ao estarmos on-line, não temos”, explica o executivo.

Outras funções que ajudarão na autonomia de deficientes visuais estão disponíveis no dispositivo: identificar cores e tonalidades, reconhecer pessoas e gêneros, rostos, informar a data e a hora com o simples gesto de girar o pulso, cédulas de dinheiro (reais, dólares e euros) e identificar produtos pelo código de barras. O aparelho está programado em português, inglês e espanhol, nas vozes feminina e masculina.

Existem outras opções de configuração. “Pode-se programar a velocidade, que vai de 100 a 300 palavras por minuto e é possível cadastrar o nome de até 150 rostos para reconhecimento personalizado. Há também a possibilidade de registrar até 200 embalagens para identificação de produtos. Na leitura de código de barras, são mais de 2,5 milhões pré-cadastrados e o usuário pode cadastrar mais 100 a seu critério”, acrescenta Sadka.

A cidade de São Paulo tem, em média, um milhão de pessoas com deficiência, e a prefeitura adquiriu em 2018 dispositivos para todas as 54 bibliotecas do município, que contam com acervo de cinco milhões de títulos. De acordo com o executivo da Mais Autonomia, o aparelho é um passo importante e vai abrir muitas portas para muita gente “O mundo literalmente se abre a este público por meio do acesso a qualquer livro, fazendo com que ele possa se capacitar e ter, consequentemente, mais autonomia, principalmente no mercado de trabalho. Isto é uma das formas mais importantes de inclusão”, conclui.

16ª Reatech 2019

Data: 13 a 16 de junho

Horário: 13 e 14 de junho: 13h às 20h

15 e 16 de junho: 10h às 19h

Local: São Paulo Expo Exhibition & Convention Center

http://reatechbrasil.com.br/16/

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.