Rio Grande do Sul é o estado da região Sul com mais startups de tecnologia, aponta KPMG

Segundo relatório inédito realizado pela KPMG que mapeou as startups em tecnologia espalhadas pelo país, Rio Grande do Sul é o estado da região Sul que mais concentra empresas brasileiras desse segmento ligadas à indústria 4.0, totalizando 11,6% ficando à frente do Paraná com 7,1% e da Santa Catarina com 6,3%. O Estudo intitulado “Indústria 4.0 Mining Report” apontou 224 startups que forma subdividas em nove categorias.

O levantamento feito pela LEAP, uma parceria da KPMG com a Distrito, mostrou ainda que a região Sul está em segundo lugar no ranking das regiões apresentando um total de 25,1% do total, ficando atrás apenas da região Sudeste com 72,6%.

O estudo apontou também o perfil dos sócios das empresas selecionadas: A maioria é homem (87%), sendo 13% feminino. No que se diz respeito ao ano de abertura, 77,5% das startups no Brasil foram abertas entre o período de 2010 a 2018, nos anos 2000 (18,3%) e antes dos anos 2000 (4,1%). Desse total, cerca de 21,4% estão localizados nos seguintes estados da região Sul: Rio Grande do Sul (7,8%); Santa Catarina (7,6%) e Paraná (6%). Empresas com mais de dez anos tem em média 47 funcionários.

“Os estados da região Sul representam uma grande parcela de startups no Brasil. Isso mostra que as empresas locais incorporaram, principalmente, a tecnologia no dia a dia e buscam inovações em seus mercados de atuação”, explica sócio-líder do escritório de Porto Alegre da KPMG no Brasil, Wladimir Omiechuk.

Sobre a pesquisa

Na primeira etapa de formulação foi feita uma pesquisa na base da Distrito Ventures – com mais de mil startups cadastradas -, aceleradoras, portais de notícias e dados abertos. Após construir uma listagem de mais de 400 startups, houve um processo de seleção ainda mais aguçado embasado na conceituação teórica juntamente com os serviços e tecnologias oferecidas pelas startups, que deveriam ser coerentes com a indústria.

Os critérios para seleção das startups foram atuação no ramo da indústria 4.0, ter listagem de clientes e parceiros, estar em estágio operacional e ter clientes ativos, desenvolver tecnologia proprietária e ter nacionalidade brasileira. As 224 selecionadas foram divididas em nove categorias: internet das coisas (IoT)/sensores/monitoramento (64); energia (51) ; big data e análise de dados (30); inteligência artificial/aprendizado de máquina (machine learning) (22); robótica e drones (18); logística (17); realidade virtual 3 realidade aumentada (9); automação (7); impressão 3D (6). Para ter acesso ao estudo acesse: http://bit.ly/2TqFI7e

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.