A Inteligência Artificial redesenha os modelos de operação das instituições financeiras

A Inteligência Artificial (IA) já é uma realidade e vem mudando os padrões de diversos setores da economia, inclusive das instituições financeiras. Esse é o ponto de partida do relatório A Nova Física dos Serviços Financeiros, que acaba de ser lançado pela Deloitte, em parceria com o Fórum Econômico Mundial (WEF). O estudo aborda como a Inteligência Artificial está modificando o relacionamento destas empresas com todos os seus stakeholders, alterando suas próprias estruturas.

Os mercados já começam a observar os resultados do uso da IA para eficiência operacional e, consequentemente, a sua contribuição para aumentar a competitividade: “a Inteligência Artificial está remodelando rapidamente os atributos necessários para um negócio de sucesso em serviços financeiros. No futuro, as instituições financeiras serão construídas com base nos dados e na capacidade de alavancar esses dados. Novos modelos de negócio estão emergindo, nos quais o compartilhamento de dados é fundamental para o sucesso competitivo e os primeiros a fazerem esse uso se diferenciarão, oferecendo melhores serviços, por meio de uma presença constante e customizações. As empresas que permanecerem estagnadas vão acabar descobrindo que suas antigas forças podem não mantê-las tão competitivas quanto antes”, declara Sergio Biagini, sócio-líder da indústria de Serviços Financeiros da Deloitte.

Diante desse cenário, o relatório A Nova Física dos Serviços Financeiros identifica nove importantes insights que demonstram como a Inteligência Artificial está criando novas formas de estrutura, nas quais capacidades novas e antigas estão sendo combinadas de maneiras inusitadas.

Centros de custo x Centros de lucro – As instituições transformarão as operações de back-office, a partir da inteligência artificial, com o objetivo de acelerar o processo e também diminuir custos.

Um novo campo de batalha para fidelização de clientes – A IA está dando origem a um novo conjunto de fatores relevantes como, por exemplo, a capacidade das empresas de otimizar os resultados financeiros adaptando, recomendando e aconselhando os clientes, de forma a criar mais vínculo e mais assertividade em suas respostas. As instituições passarão a oferecer uma consultoria diferenciada, melhorando assim o desempenho.

Autonomia no setor financeiro – As experiências futuras dos clientes serão centradas na Inteligência Artificial, que irá automatizar grande parte da vida financeira deles e melhorar seus resultados financeiros. Os indivíduos irão interagir cada vez mais com uma única plataforma ou agente de consultoria que fornecerá recomendações personalizadas sobre os tipos de produtos e serviços com os quais eles devem se envolver. Isso ocorrerá com base em dados e algoritmos que automatizarão a maioria das decisões rotineiras dos clientes.

Soluções coletivas para problemas compartilhados – Enquanto a IA apresenta mais possibilidades de competição, também, por meio do compartilhamento de dados, demonstra-se um forte mecanismo para apoiar outras atividades dentro das empresas. Um dos fatores nos quais a IA auxilia as companhias é na prevenção de fraudes. As soluções por meio de análise de dados compartilhados aumentam a precisão e o desempenho na busca por segurança do sistema financeiro.

Divisão da estrutura de mercado – Como a IA reduz os custos de P&D, as empresas serão impulsionadas aos extremos dos mercados, com o objetivo de ampliar os retornos para os grandes players e também criar novas oportunidades para os pequenos, que representam nichos específicos e que possuem características mais inovadoras.

Complexas alianças de dados – Em um ecossistema onde todas as instituições estão disputando a diversidade de dados, a gestão de parcerias com outros players e potenciais concorrentes será fundamental, apesar de repleta de desafios estratégicos e operacionais.

O poder dos reguladores – As regulamentações que regem a privacidade e a portabilidade dos dados moldarão a capacidade das instituições de implementar a IA tornando-se tão importante quanto as regulamentações tradicionais para o posicionamento competitivo das empresas.

Adaptação de estratégias de talentos – A transformação de talentos será o item mais desafiador na implementação da inteligência artificial nas instituições, colocando em risco o posicionamento competitivo das empresas que falharem nesse processo de transição.

Novos dilemas éticos – A IA exigirá uma avaliação conjunta de princípios e técnicas de supervisão para abordar as questões éticas e as incertezas regulatórias que estão impedindo as companhias de adotarem as capacidades de inteligência artificial.

“A jornada para entender e direcionar os benefícios da inteligência artificial ​​diante da necessidade de estabilidade econômica, social e política global não será fácil. Os impactos transformadores dessa nova tecnologia ​​exigirão um nível de comprometimento público-privado para moldar continuamente o futuro dos serviços financeiros”, conclui Sergio Biagini.

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.