Como os CISOs podem manter a privacidade corporativa mesmo com a adoção de tecnologias emergentes

WhatsAppFacebookLinkedInTwitterGoogle+EmailCompartilhar

Por Derek Manky, Estrategista de Segurança Global da Fortinet

A força de trabalho atual tem cada vez mais pessoas da geração do milênio e outras com alto conhecimento de tecnologia, acostumadas a usar a tecnologia para tudo na vida. Com o surgimento de novas tecnologias, esse grupo de funcionários espera ter uma experiência de usuário perfeita em todos os dispositivos e locais, usando aplicativos e dispositivos pessoais no trabalho e vice-versa. Porém, muitas vezes esses funcionários não levam em conta os riscos digitais que acompanham a adoção de novas tecnologias no ambiente corporativo. Com isso, os desafios de segurança se tornaram um grande problema para os CISOs (diretores de segurança da informação).

Além de proteger o perímetro de rede, monitorar a inteligência de ameaças e exercer outras responsabilidades diárias necessárias para impedir que os cibercriminosos acessem a rede por meio de ameaças de dia zero e outras vulnerabilidades, os CISOs agora também devem avaliar todas as formas utilizadas pelos cibercriminosos para explorar as ferramentas e os comportamentos dos funcionários e obter acesso à rede.

Manter a privacidade e segurança com a adoção de tecnologias emergentes

Em particular, existem cinco tecnologias, tendências e comportamentos comuns e emergentes aos quais os CISOs devem dedicar mais atenção:

1. Senhas repetidas

As pessoas geralmente têm contas em diferentes plataformas e aplicativos e muitas vezes repetem as senhas de acesso nessas contas pessoais ou corporativas. Este é um problema que precisa ser discutido. Se uma conta for invadida, os cibercriminosos podem aproveitar a senha repetida e acessar outras contas. O problema se agrava principalmente na nuvem, pois se a mesma senha for usada em todas as contas na nuvem, então, quando uma conta for invadida, todas as outras também serão.

Para combater isso, as equipes de segurança devem promover o uso de senhas diferentes, principalmente em contas corporativas, e ao mesmo tempo limitar o acesso às áreas da rede que o funcionário não precisa acessar. Isso pode ser feito com soluções de gerenciamento de identidade e acesso que utilizam autenticação de dois fatores, software de gerenciamento de senhas para que os usuários adotem senhas mais sofisticadas sem perdê-las e firewalls de segmentação interna que restringem o acesso a partes confidenciais da rede.

2. Shadow IT (TI invisível)

Quando os funcionários usam uma tecnologia não analisada pelas equipes de TI, isso pode levar a vazamentos de dados, vulnerabilidades e não conformidade, como resultado da transferência de informações corporativas confidenciais para programas e redes não aprovados. Os CISOs e as equipes de segurança devem saber, o tempo todo, quais dispositivos e aplicativos estão sendo usados na rede. O uso de proteção dos dispositivos de usuários e firewalls de aplicativos da web permite que as equipes de segurança minimizem o risco causado por esses funcionários, descobrindo quais dispositivos de usuários e aplicativos na rede e, em seguida, identificando e segmentando os que estão em risco.

3. Conexões remotas

O trabalho remoto está cada vez mais comum, com os funcionários se conectando por meio da rede residencial, de lanchonetes ou no trânsito. Embora isso possa ajudar a aumentar a produtividade e a eficiência, os CISOs devem ter certeza de que esses dispositivos estão se conectando a pontos de acesso seguros. Durante o uso de uma rede de WIFI pública, os cibercriminosos podem interceptar dados que estão sendo transferidos ou executados entre o usuário final e a empresa. Os CISOs podem minimizar esse risco, incentivando o uso de VPNs e adotando soluções de gerenciamento de rede sem fio.

4. Golpes por e-mail e phishing

Esses golpes não são novos, mas ainda são uma das formas mais comuns de ciberataques, já que quase todos usam e-mails regularmente. No caso de phishing, o usuário recebe um e-mail de uma fonte aparentemente confiável, por ex. do banco, de um colega de trabalho etc. Esse tipo de e-mail geralmente pede que o usuário envie seus dados de acesso ou pedem para clicar em um link, o que resulta em roubo de senha e/ou download de malware que infecta o dispositivo. Para minimizar as chances de um ataque de phishing causar danos na rede, os CISOs devem implementar controles, como gateway de e-mail seguro.

5. Redes sociais

As contas em redes sociais são uma forma comum utilizada pelos cibercriminosos para o envio de links maliciosos ou coleta de dados pessoais que podem ser usados para criar ataques mais direcionados. Os CISOs devem implementar uma forte política de rede social e alertar os funcionários para que não aceitem solicitações de amizade e mensagens de estranhos, principalmente se tiverem que clicar em um link enquanto conectados à rede corporativa. As equipes de segurança devem garantir a adoção de soluções de antimalware e firewall. Além disso, devem treinar os funcionários para que possam reconhecer esquemas de engenharia social que tentam roubar seus dados de acesso à rede e conta corporativa.

Os CISOs geralmente já possuem muitas das ferramentas necessárias para minimizar o risco dessas tendências, porém é importante usá-las de maneira unificada, ao invés de adotar soluções isoladas e distintas. A integração e automação entre gateways de e-mail seguros, firewalls, proteções de dispositivos de usuários, WAFs, gerenciamento de acesso e outros recursos fornecem uma visão holística da atividade em toda a rede, permitindo que as equipes detectem rapidamente comportamentos estranhos e respondam de maneira coordenada e holística.

As tecnologias adotadas pelos funcionários e trazidas para a rede corporativa estão deixando as equipes de segurança e os CISOs alertas em termos de proteção da rede. Essas tecnologias emergentes exigem a adoção de novas soluções e processos para impedir que comportamentos aparentemente inofensivos acabem comprometendo a rede com violações de dados. Para isso, é importante estar por dentro das tendências de tecnologias emergentes e implementar soluções de segurança integradas para minimizar os riscos.

Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.