• Translate to

    Arabic Arabic Chinese (Simplified) Chinese (Simplified) Dutch Dutch English English French French German German Italian Italian Portuguese Portuguese Russian Russian Spanish Spanish

Startups têm de estar preparadas para superar fracassos, afirma fundador do Waze

WhatsAppFacebookLinkedInTwitterGoogle+EmailCompartilhar

“A jornada da uma startup é uma jornada cheia de fracassos”, afirmou Uri Levine, um dos fundadores do Waze. “E temos de estar preparados para isso poque o empreendedorismo envolve riscos. E, se não arriscamos, não somos suficientemente empreendedores.”

A declaração foi feita durante o segundo dia do GovTech Brasil. Organizado pelo BrazilLAB e pelo Instituto de Tecnologia e Sociedade do Rio – ITS Rio, o evento tem o objetivo de contribuir para uma agenda de inovação e tecnologia para governos no país. Além de palestras com especialistas nacionais e internacionais, o encontro receberá nesta terça-feira (7) pré-candidatos à Presidência da República.

Levine citou o exemplo do próprio Waze, que começou a ser desenvolvido em 2007 e teve um duro ano em 2010. “É importante falar com os usuários. E nós interagimos, interagimos, até encontrar a solução certa”, afirmou. “Foi só em 2011 que o aplicativo começou a ser suficientemente bom. E começou a dar certo em um metrópole atrás da outra.”

No início da manhã, Armínio Fraga, da Gávea Investimentos, Georgia Pessoa, Instituto Humanize, Vinícius Carrasco, da Stone, e Marcos Lisboa, do Insper, debateram o fortalecimento do ecossistema brasileiro de inovação, com moderação de Letícia Piccolotto Ferreira, fundadora do BrazilLAB.

Em seguida, painel com Gonzalo Neto, ex-presidente da Anvisa, Elizabeth Jucá, Secretaria de Saúde de Juiz de Fora Patrícia Ellen, da Optum, e Manoel Lemos, da RedPoint Ventures, debateu a digitalização da saúde. “O prontuário único é imperativo”, afirmou Gonzalo Neto destacando que, se um médico não escreve, o conhecimento sobre o paciente se perde na rede de atendimento. “Temos poucos exemplos bons de digitalização no Brasil. E são locais. Então, há dificuldade de compartilhamento.”

Na segunda-feira (6), primeiro dia do evento, Toomas Hendrik Ilves, presidente da Estônia entre 2006 e 2016, e José Clastornik, diretor da Agência de Governo Eletrônico e Sociedade da Informação do Uruguai, afirmaram que o país deve apostar na identidade digital e popularização do acesso à internet para desborucratizar o Brasil. Estônia e Uruguai estão entre os países cujos governos são os mais digitais do mundo.

“Não é algo utópico. É uma questão de vontade política”, afirmou Letícia Piccolotto Ferreira, que anunciou um investimento entre R$ 50 mil e R$ 200 mil para acelerar a conexão de startups com governos no Brasil.

Ainda no primeiro dia, Ronaldo Lemos, diretor do ITS Rio, apresentou o Mapa da Informação, plataforma digital que revela o labirinto burocrático brasileiro. O endereço da plataforma é http://mapadainformacao.com.br/. Lemos mostrou preocupação pelo fato de o país estar multiplicando os documentos digitais, em vez de unificá-los. “Temos o e-CPF, o e-Título, o e-CNH”, enumerou. “Não faz sentido. Em vez de um documento unificado, que informe que pode dirigir, quem pode votar etc., temos documentos que reproduzem, no ambiente digital, nossa burocracia.”

109 Total Views 1 Views Today
Marcado , , , , , .Adicionar aos favoritos o permalink.

Os comentários estão encerrados.

  • CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO

    CONHEÇA O CANAL DE VÍDEOS DO VALOR AGREGADO